48 cirurgia citorredutora e quimioterapia intraperitoneal hipertérmica no tratamento da carcinomatose peritoneal

  • 1,782 views
Uploaded on

 

  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
1,782
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0

Actions

Shares
Downloads
7
Comments
0
Likes
0

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. CÂNCER COLORRETAL CIRURGIA CITORREDUTORA EQUIMIOTERAPIA INTRAPERITONEAL HIPERTÉRMICANO TRATAMENTO DA CARCINOMATOSE PERITONEAL ademarlopes@cirurgiaoncologica.com.br
  • 2. CÂNCER COLORRETAL• nº de casos novos: 28.110• previsão de óbitos: 11.322 (40.2%) INCA/MS 2010
  • 3. CARCINOMATOSE PERITONEAL/CÂNCER COLORRETAL INCIDÊNCIA. 5% a 10% sincrônica. 20% a 50% metacrônica. 35% a 60% dos dos casos têm doença confinada ao peritônio Chu DZ et al 1989; Jayne DG et al 2002
  • 4. CÂNCER COLORRETALSOB mediana em doença avançada versus tratamento sistêmico Meyerhardt JA, Meyer RJ. N Engl J Med 2005; 352: 476-87
  • 5. CÂNCER COLORRETAL/CARCINOMATOSE PERITONEAL a partir de 1990, a citorredução associada à quimioterapia intraperitoneal hipertérmica tornou-se mais um método disponível para o tratamento dos pacientes
  • 6. CARCINOMATOSE PERITONEAL / CA COLORRETAL RESULTADOS DA CITORREDUÇÃO + QTIPH (HIPEC)* Sobrevida Autor Nº Pts 2 anos 5 anosSugarbaker PH, 1996 64 50% 37% Elias D, 2001 64 54,7% 18,4% Witkamp AJ, 2001 29 45% _ Glehen O, 2004 506 _ 19% * Estudos não controlados
  • 7. BASES DA CITORREDUÇÃO E QT REGIONAL citorredução citorredução extensa extensa quimioterapia quimioterapia hipertermia regional regional
  • 8. ÍNDICE DE DISSEMINAÇÃO PERITONEAL/IDP DETERMINAÇÃ O
  • 9. DISSEMINAÇÃO NEOPLÁSICA PERITONEALLASSIFICAÇÃO DAS CIRURGIAS QUANTO À CITORREDUÇÃ Índice de citorredução Classificação Doença residual . Citorredução ótima: CC-0 sem doença CC-0 e CC-1 CC-1 até 2,5 mm . Citorredução incompleta: CC-2 2,5 – 25 mm CC-2 e CC-3 CC-3 > 25 mm
  • 10. CARCINOMATOSE PERITONEAL X INVASIVIDADE pseudomixoma peritonei . Implantes não ou pouco invasivos mesotelioma peritoneal estômago cólon . Implantes invasivos ovário sarcomas outros
  • 11. PSEUDOMIXOMA PERITONEAL SOBREVIDA X MODALIDADES DE TRATAMENTO (n=95) (n=17) (n=56)Washington Hospital Center - Peritoniectomia + QT IntraperitonealMemorial Sloan-Kettering - Re-ressecções + QT SistêmicaMayo Clinic - Re-ressecções sem QT Intraperitoneal
  • 12. CIRURGIA CITORREDUTORA + QTIPHMESOTELIOMA PERITONEAL - SOBREVIDA: 37 pts • mediana: 56 m • 3 anos: 60% Sugarbaker et al. 2002
  • 13. CIRURGIA CITORREDUTORA + QTIPHdeve ser considerada terapêutica padrão para o pseudomixoma e o mesotelioma
  • 14. CIRURGIA CITORREDUTORA + QTIPH SELEÇÃO DE PACIENTES• origem do tumor primário• características anatomopatológicas• estadiamento: doença restrita à cavidade• extensão da disseminação peritoneal• performance status
  • 15. CARCINOMATOSE PERITONEAL POR CCR CITORREDUÇÃO + QtIPH CONTRADIÇÕE S ABSOLUTA RELATIVAS S KPS < 70% -tumores de alto grau IDP > 20% - linfonodos metastáticos doença extra abdominal - ca cels anel sinetes metas (s) hepáticas / - IDP entre 14 - 20 grandes ressecções
  • 16. CIRURGIA CITORREDUTORA EXTENSÃO DA CITORREDUÇÃO*1) epiplectomia + peritoniectomia subdiafragmática esquerda com esplenectomia2) peritoniectomia subdiafragmática direita3) peritoniectomia pélvica com retossigmoidectomia (exenteração posterior na mulher)4) colecistectomia com ressecção do pequeno omento5) ressecção de outros segmentos colônicos6) gastrectomia parcial ou total7) linfadenectomia retroperitoneal e pélvica (ovário)8) outros *O objetivo é deixar doença microscópica (CC0). O termo peritoniectomia, embora muito usado, é impróprio
  • 17. CARCINOMATOSE PERITONEAL CITORREDUÇÃO + QtIPHprocedimento para ser feito em centros de referênciaque contem com:- cirurgiões experientes em cirurgia abdomino-pélvica- anestesiologistas- oncologistas clínicos- hemoterapêutas- intensivistas
  • 18. CITORREDUÇÃO + QtIPH (2001 – 2010). 114 pacientes /121 procedimentos. idade (anos): 25 - 71 (média: 48.2). homens: 32 (26.4%) / mulheres: 89 (73.6%). tempo cirúrgico: 5.4 hs a 20.5 hs (média 10.3 hs). óbitos pós-operatórios: 3/114 (2.6%)
  • 19. CITORREDUÇÃO + QtIPH Origem do tumor primário / 114 pacientes (2001/2009) adenoma mucinoso: 9 (7.9%). apêndice: 44 adenoca baixo grau: 35 (30.7%). ovário: 34 (28.8%). colorretal: 22 (19.3%). mesotelioma: 10 (8.8%). sarcoma: 1 (0.8%). outros: 3 (2.7%)
  • 20. CITORREDUÇÃO + QtIPH121 procedimentos (2001/2009). CC0 82 (67.8%). CC1 28 (23.1%). CC2 07 (5.8%). CC3 04 (3.3%)
  • 21. CITORREDUÇÃO + QtIPHSobrevida global / 114 pacientes Seguimento ( meses)
  • 22. CITORREDUÇÃO + QtIPHSobrevida livre de doença / 114 pacientes Seguimento ( meses)
  • 23. CITORREDUÇÃO + QtIPHSobrevida global por tipo de tumor / 114 pacientes Pseudomixoma + mesotelioma CCR + outros P = 0.004 Seguimento ( meses)
  • 24. CITORREDUÇÃO + QtIPHSobrevida livre de doença conforme tipo histológico Seguimento ( meses)
  • 25. TUMORES COLORRETAIS E APÊNDICECITORREDUÇÃO + QTIPH / FATORES PROGNÓSTICOS n = 147 pacientes (cólon = 43 e apêndice = 104)Variável Sobrevida de 5a pTu primário apêndice 69% cólon 25% <.0001Histopatologia grau I 81% grau II ou III 30% <.0001Citorredução completa 74% incompleta 14% <.0001Metástases ausentes 64%(fígado ou linfonodos) presentes 25% <.0001Volume carcinomatose moderado 71%(ca de cólon) grande 0% <.0004 Sugarbaker PH e cols 1996
  • 26. CIRURGIA CITORREDUTORA + QTIPH CARCINOMATOSE POR CCR/ESTUDO PROSPECTIVO CONTROLADO. 105 pacientes. randomização: citorredução com QTIPH x QT sistêmica. após seguimento de 21,6 meses:- braço experimental: sobrevida mediana de 22,3 meses p=0,032- braço controle: sobrevida mediana de 12,6 meses Verwall VJ, et al. J Clin Oncol 2003; 21:3737-43
  • 27. PARA SERMOS MAIS FORTES E OUVIDOS,PRECISAMOS AUMENTAR O NOSSO NÚMERO DE ASSOCIADOS FILIE-SE À SBCO CONTACTO: www.sbco.com.br