29   preservação de órgão em câncer de bexiga a favor de radio qt
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Like this? Share it with your network

Share
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
976
On Slideshare
973
From Embeds
3
Number of Embeds
1

Actions

Shares
Downloads
4
Comments
0
Likes
0

Embeds 3

http://www.forumgoianodeoncologia.com.br 3

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide
  • Antes de iniciar a minha defesa da preservacao, gostaria de compartilhar com vcs uma visao pessoal sobre contextos diferentes de pctes que se apresentam na rotina de um consultorio de rt. Entender estes contextos talvez ajude a entender a percepcao geral de que RT dentro ou fora de um protocolo de preservacao: cura pouco e estraga a bexiga. Em contraposicao aos estudos publicados. Diferença sutil entre o 1 e 3 contexto e enorme diferença no com contexto 2: percepção e Frustração
  • Testaram MCV neo, P, 5FU , Taxol Estudos fase 1,2 e 3.
  • Análise multivariada. Hidronefrose não.
  • Ponto crítico Campo de cancerização
  • Serie de 32 pctes ; FU 6ª RTOG 4 est. Complicações pelvicas tardias < 10% G3 e Nenhuma cistectommia por disfunção0 vesical. JCO 2009.
  • Recidivas ln ~ 5% Ganho absoluto de 12%
  • 35% a 50% da população > 70ª não recebe tto local potencialmente curativo numa analise American Cancer Society Nao esperar T2 virar T3-4, nao esperar a doenca liquidar a bexiga funcionalmente. QT-RT é francamente melhor que RTU.

Transcript

  • 1. Preservação de órgão em câncer de bexiga: A favor de Radio/QT Carlos Vita Abreu
  • 2. Preservação Vesical TCC de Bexiga músculo-invasorCistectomia e PreservaçãoReconstrução Vesical Objetivos Sobrevida Prevenção de falhas pélvicas e à distância Reservatório urinário funcional e qualidade de vida
  • 3. Preservação VesicalResultados de tratamento exclusivo Tratamento Controle LocalRTU exclusiva 20%RT exclusiva 40%QT exclusiva 19%
  • 4. Contextos diferentes da Radioterapia (+/- QT) na d. músculo invasiva• Cistectomia é o tto padrão & Paciente “foge” do cirurgião – EUA, Brasil (muito raro) – Pcte tem boa performance e boa função vesical; T2>T3-4 – Protocolo “tri-modal” de preservação (ex: MGH), estudos fase II• Cistectomia é o tto padrão & Cirurgião “foge” do paciente – ICESP – Pcte tem performance e função vesical ruins, a maioria sintomático, T3-4>T2, ausência de estudos prospectivos – RTU completa é impossível; QT nem sempre é possível• Cistectomia não é o tto padrão – UK – Pcte de boa performance; T2>T3-4 – Protocolo “bi-modal”, recente estudo fase III
  • 5. Tto trimodal MGH experience Máxima RTU RTQT Cistoscopia para acessar resposta Resposta incompleta Resposta completa Cistectomia ± RTQT QT adjuvante> Tumor T1Recorrência Seguimento de longo termo com cistoscopia
  • 6. • 348 pctes, 1986-2001, 8 protocolos do MGH ou RTOG• cT2-4aN0M0• 54% T2; 65% RTU completa; 16% hidronefrose• 72% RC à indução Efstathiou European Urology 2012
  • 7. Tto trimodal MGH experienceIntact bladder DSS (5ª)= 60% Efstathiou European Urology 2012
  • 8. Tto trimodalMGH experience R1-2 vs R0 2x Ciste Efstathiou European Urology 2012
  • 9. MGH experience Seguimento e Recorrências na Bexiga Preservada• 30% evoluiu com Recidivas ou Tu de novo superficiais• 13% evoluiu com Rec invasivas Zietman Urology 2001• Total de cistectomias: 29% – 17% de Ciste imediatas (“non CR”) – 12% de Ciste de salvamento Efstathiou European Urology 2012
  • 10. MGH experience Avaliação urodinâmica e QoL• 78% tem bexiga com parâmetros de fluxo e capacidade normais• 85% sem urgência ocasional ou persistente• 25% com alteração intestinal ocasional ou moderada• 50% com função erétil normal Zietman J Urology 2003
  • 11. 360 pctes • 90% PS 0-1 cT2-T4aN0; PS 0-2 • Idade média 71ª (64-76) • 82% T2 R • 55% Cistoscopia pré RT =R0 RT (RTU ou QT neo) • 1/3 QT neo 5 • 2 esquemas de RT (55Gy/20fxs ou 64Gy/32fxs) 2ª random.(1/3): MNo random. “RT fields” Ciste salv.
  • 12. Resultados Salvage cistectomy (2ª) •QT-RT: 11.4% •RT: 16.8%
  • 13. Análise de subgrupos
  • 14. Toxicidade
  • 15. Conclusões• Cistectomia é o tto padrão para a doença músculo invasiva! – Pq é historico? SIM – Pq o CL ~100%? SIM – Pq cura mais? Não sabemos – Pq a qualidade dos reservatórios é tao boa qto de uma bexiga? Não• Quimio-Radioterapia conc. é uma opção alternativa muito boa. – Pq o CL é bom (60-70%)? SIM (especialmente se T2) – Pq não compromete a SV dos pacientes? Não sabemos – Existe o risco de ciste de salvamento? SIM (10-30%) – Pq a qualidade da bexiga preservada é muito boa? SIM
  • 16. Ciste vs Preservação Sobrevida
  • 17. A favor da preservação com QT-RT na doença músculo invasiva:• Em pacientes de alto risco cirúrgico e idosos – Como? “Esquema inglês” – Quando? Imediatamente após o diagnóstico• Em pctes “jovens” e saudáveis selecionados – Quem? T2, unifocal, sem hidronefrose, função vesical ok, aderente, entendimento da eventual necessidade de cistec. • Análise molecular pré tto: MRE11 expression » Choudhury Cancer Res 2010 – Onde? Ambiente multidiciplinar – Como? “Esquema do MGH/RTOG” com RTU máxima Ciste de salvamento ao menor sinal de insucesso
  • 18. • Obrigado !