A interação entre o letramento acadêmico e a prática social: um projeto de formação continuada cooperativa

  • 911 views
Uploaded on

 

  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
911
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0

Actions

Shares
Downloads
11
Comments
0
Likes
0

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. A interação entre o letramento acadêmico e a prática social: um projeto de formação continuada cooperativa Jaqueline Inês Schmitt de Oliveira SMED NH/ UNISINOSIntrodução Um dos grandes desafios da educação atual é a formação de um professor quetenha condições de olhar para a sua prática à luz de reflexões teóricas que subsidiemo seu trabalho docente. Neste sentido escola e academia integram um processo dediálogo com o objetivo de pensar o cotidiano escolar a partir de um cruzamento deolhares que possam contribuir para um ensino eficiente e provocador. De acordo comMattos e Kersch. “O projeto “Por uma formação continuada cooperativa: o processo de construção de objetos de ensino relacionados a leitura e a produção textual” sob coordenação de Ana Maria Mattos Guimarães conta com o apoio da Capes (Observatório da Educação), e tem como objetivo aproximar reflexões produzidas/em produção em nível acadêmico ao fazer profissional de docentes de Língua Portuguesa para, num processo cooperativo, alavancar o desempenho dos alunos no que diz respeito à leitura e escrita como práticas sociais. Os parceiros deste projeto, responsáveis pelo planejamento e execução do mesmo são: o Programa de Pós-Graduação em Linguística Aplicada, da Unisinos (PPGLA) e a Secretaria Municipal de Educação de Novo Hamburgo, Rio Grande do Sul.” (2011) A primeira etapa deste projeto tem como ponto forte a interlocução entre aprática de sala de aula e as discussões na universidade sobre os conceitos deletramento, educação lingüística e a noção de gêneros textuais/discursivos. Os cincoprofessores envolvidos nesta etapa têm como desafio desenvolver em suas escolasuma proposta intitulada projeto didático de gênero (PDG) que propõe a apropriação degêneros textuais/discurso no currículo escolar. Os diferentes projetos foramidealizados pelos professores de Língua Portuguesa do município de Novo Hamburgoa partir de marcos conceituais discutidos com os professores da Universidade, e comestudantes do curso e do PPGLA, todos bolsistas do Programa. Dentro deste contexto de diálogo, professores discutem conceitos teóricosrelevantes para a prática do professor da Língua Portuguesa refletida no processo deensino-aprendizagem dos alunos.
  • 2. Metodologia do projeto O trabalho aqui relatado refere-se à pesquisa ainda em fase inicial realizada , oprimeiro momento caracteríza-se pelo encontro de um grupo constituído de seisrepresentantes da SMED – cinco professores e uma coordenadora pedagógica, trêsdoutorandos, uma mestranda, oito bolsistas de iniciação científica e duaspesquisadoras do PPGLA da Unisinos; os professores da rede municipal tem comodesafio realizar uma proposta didática nas suas turmas. Essas turmas, alocadas emcinco escolas distintas, apresentam realidades muito diversas: uma escola localizadaem área rural; três escolas situadas na periferia do município, todas com baixosíndices no IDEB, cada uma delas com problemas próprios – alunos provenientes decamadas populares, pais com baixa escolaridade, enfrentando problemas comuns aesses bairros: drogas, violência, e outros problemas sociais; e uma escola localizadana área industrial, pais de classe média, que estudaram na mesma escola e, poravaliarem a escola como boa, optaram por colocar seus filhos nessa instituição. Emcomum, essas cinco turmas têm o fato de todas serem de 6ª ano, com exceção deuma turma de 8º ano em uma das escolas. A caracterização das escolas, segundo Mattos e Kerscher: a) Escola 1: localizada em área rural do município de Novo Hamburgo, tem 217 alunos. As famílias vivem da agricultura, ou exercem atividades em uma pedreira (extração de pedra grés),ou são empregadas domésticas, diaristas,trabalham na produção de hortaliças, pães, doces e compotas, hábitos que permanecem da colonização alemã da região. As famílias participam bastante da vida da escola, e sua constituição, na maioria, é constituída de forma tradicional: pai e mãe casados, que vivem na mesma casa. A turma em questão tem 28 alunos – 11 meninas e 17 meninos. IDEB: 4,8 b) Escola 2: localizada numa área periférica de Novo Hamburgo, tem 1100 alunos. A turma em questão tem 22 alunos: 14 meninas e 8 meninos. A maior parte vive com os pais (dois dos alunos não têm mãe e vivem com o pai). Os pais participam da vida escolar dos filhos quando são chamados pela escola, para entrega de boletins ou para falar sobre a rotina do aluno na escola. Apesar de contar com sala de informática e biblioteca, esses espaços não são usados no momento porque faltam o monitor e o bibliotecário. IDEB 3,6 c) Escola 3: Localizada na área industrial, tem 366 alunos. Os pais, de classe média e classe média baixa, todos são escolarizados (pelo menos primeiro grau completo), quatro deles com ensino superior completo. Dedicam-se a diferentes atividades: merendeira, professora, funcionário público, motorista, autônomo, entre outras. Os alunos, no contraturno, têm aulas de natação, língua estrangeira, futebol, e ficam na companhia de parentes ou irmãos mais velhos. As famílias consomem jornais, revistas, leem notícias na internet, leem livros técnicos (apenas para o trabalho), dão livros de literatura para seus filhos, mesmo aqueles que não têm condições acreditam que a leitura é necessária e acabam comprando livros de literatura mais baratos. Os alunos têm a prática de levar livros da biblioteca semanalmente, alguns pais retiram livros da biblioteca. IDEB 5,6
  • 3. d) Escola 4: Situada na periferia de Novo Hamburgo, a escola tem 1100 alunos. As famílias são pobres, muitas em situação de risco social. Os pais que trabalham exercem atividades de baixa remuneração (como faxineiras, pedreiros) e já não têm uma constituição tradicional. Os alunos têm padrasto, algumas mães são separadas ou solteiras; alguns moram com avós. Apesar de a escola oferecer um amplo espaço e diferentes ambientes, falta conservação desses espaços, pois falta a valorização do espaço físico da escola pelos próprios alunos, e, além disso, está sem manutenção e o prédio precisa de reparos.IDEB 4,1 e) Escola 5: com 350 alunos, a escola fica numa região periférica com forte influência de tráfico. As famílias são bastante carentes, e a merenda escolar, em muitos casos, é a principal refeição dos alunos, muitos deles em situação de risco. São 29 alunos: 7 meninas e 22 meninos. Apesar de todas as dificuldades, grande parte dos pais participam das atividades da escola, porque veem nela uma oportunidade de melhorar a sua vida. Esta escola faz parte de um projeto-piloto do município que propõe ciclos em todo o Ensino Fundamental e também do Programa Federal UCA ( um computador por aluno). IDEB 4,4 Os professores foram desafiados a elaborar uma proposta didática para seraplicada aos seus alunos. A proposta é trabalhar com os gêneros textuais como umaforma de abordar a leitura e a produção textual em suas aulas, na busca de qualificara aprendizagem dos alunos. A idéia é a criação de um projeto que tem como ponto departida o trabalho desenvolvido pela equipe de Didática de Línguas da Universidadede Genebra, a sequência didática, que segundo Drey e Silveira é definida como“conjunto de atividades que apresentam um número limitado e preciso de objetivos eque são organizados a partir de um projeto de apropriação de dimensões constitutivasde um gênero de texto”. A proposta aqui apresentada é denominada de PROJETODIDÁTICO DE GÊNERO (PDG) que busca ampliar o trabalho com os gêneros textuaisconsiderando as práticas sociais em que os alunos estão inseridos.Práticas sociais como elemento provocativo do projeto As práticas sociais dos alunos são consideradas pelos professores comodisparadoras no processo de construção dos elementos que irão nortear o PDG, provadisso é o relato dos mesmos ao se referirem ao contexto ao qual a escola estáinserida. A maioria das escolas está localizada na periferia do município de NovoHamburgo, dentre elas, uma escola se destaca pela precariedade de infra-estrutura,sendo que a grande maioria desta população tem uma baixa renda. Em relação aviolência do lugar, brigas e mortes na vila são com freqüência presenciado pelosmoradores, segundo o relato dos professores que trabalham na escola deste bairro.Este cenário provocou na professora a seleção do gênero textual narrativa de detetivepara elaborar um projeto que despertasse o interesse dos alunos, já que a
  • 4. investigação faz parte do cotidiano das famílias desta escola. A intenção da professoraé apresentar ao aluno um contexto diferente do seu, como neste caso a narrativaacontece em Londres, a idéia é também conhecer dados da cultura inglesa. Os demais projetos também se apóiam em práticas sociais num movimento derelação com os gêneros textuais, já que, segundo Socorro, “o gênero é, em suma, ummodo próprio de dizer que revela quem fala e de que lugar fala”. Nesse sentido, oplanejamento destes professores considera de fato a realidade local e significa a suaação docente na tarefa de dar visibilidade às práticas cotidianas de determinado lugarnum diálogo com a realidade global. Como diz a referida autora “o global se imbrica aolocal à medida que essas comunidades tencionam garantir seus direitos enecessidades locais.” A partir destas relações é que o professor busca ensinar numa proposta críticae desafiadora. Mas, para efetivar esta tarefa, é necessário que o professor analise asua ação e perceba o que pode ser mudado e aquilo que deve ser mudado, sempreapoiado em reflexões teóricas sobre temas que o auxiliem a ter uma prática reflexiva.Prática Reflexiva e Profissionalização do professor Um dos momentos mais ricos do projeto é quando o professor participa deseminários na universidade sob coordenação da professora Ana, com os demaiscolegas professores e alunos bolsistas do curso de Letras. Nestes espaços, leiturasprovocativas sobre concepção de linguagem, políticas públicas e concepções,educação lingüística, educação para a inclusão, letramento do professor/letramento doaluno, concepções de leitura/escrita/gênero e trabalho com gêneros (EAD) sãodiscutidas com base nas práticas dos professores e como pano de fundo o contextoeducacional brasileiro, em especial o do município de Novo Hamburgo. Nesta conversa que considera a prática do professor e a teoria de linguagem ,é possível visualizar o processo de formação continuada numa proposta cooperativaque busca valorizar e discutir as práticas das escolas envolvidas. O grupo se apóianas discussões produzidas coletivamente, sendo ele próprio apoiador das iniciativaspropostas. Como fala Perrenoud, “A prática reflexiva pode ser orientada de forma específica em seminários de análise das práticas, em grupos de reflexão sobre problemas profissionais, em oficinas de escrita clínica, em estudos de caso ou de histórias de vida, ou, ainda, em estudos dos ensinamentos orientados para a metodologia da observação ou da pesquisa.” (2002. p.67)
  • 5. Estes encontros são importantes no processo de discussão dos PDGindividuais, pois a partir do relato dos professores, da análise dos textos produzidosdos alunos e das aulas desenvolvidas é que se torna possível a reflexão coletiva apartir de pontos de relevância elencados pelo grupo. As aulas dos professores são gravadas em áudio e vídeo pelos bolsistas doprograma o que propicia um repertório de dados significativos para o próprio professoranalisar a sua aula distanciado da sua ação. Segundo Perrenoud, “Na vivência diária, a atividade parece “pré-refletida” no limite da consciência. Pensamos, mas não somos conscientes desse fato. Não há deliberação interna nem hesitação e, portanto, não há reflexão no sentido mais profundo da expressão. Ao distanciar-se da ação, o professor não está interagindo com alunos, pais ou colegas. Ele reflete sobre o que aconteceu, sobre o que fez ou tentou fazer, sobre os resultados de sua ação. Além disso, ele reflete para saber como continuar, retomar, enfrentar um problema, atender a um pedido. Com frequência, a reflexão longe do calor da ação, é simultaneamente, retrospectiva e prospectiva, ligando o passado e o futuro, sobretudo quando o profissional está imerso em uma atividade que exige dias e mesmo semanas para ser concluída como um procedimento de projeto.” .( 2002, p. 33) A medida dos níveis de retrospectiva e prospectiva é observada emcomentários realizados nos momentos de seminários, onde falas como: “eu não tinhapensado” ou “é mesmo, não tinha me dado conta disto” são recorrentes entre osprofessores que participam dos encontros. Os relatos evidenciam um profissional queestá em busca de aperfeiçoar o seu trabalho numa visão de profissionalização eafastada do conceito de professor em uma visão romântica e vocacional. Para isso éfundamental a parceria entre academia e escola que vem a comprovar quenecessitamos de profissionais que saibam avaliar a prática desenvolvida discutida como viés teórico de pesquisadores em educação. Como diz Perrenoud, “O que os professores mais podem aprender, em contato com a pesquisa de educação, provém do olhar, das questões que ela suscita, e não tanto dos métodos e das técnicas. É próprio da pesquisa subverter a percepção, revelar o oculto, suspeitar o inconfenssável, estabelecer ligações que não saltam aos olhos, reconstituir as coerências sistêmicas sob a aparente desordem.” (2002. p. 101) Somos convidados a um olhar mais concentrado para a escola, um olhar com mais cuidado e menos ingênuo, cruzados com tudo aquilo que vai surgindo no caminho, a rotina escolar que a muitos incomoda tanto, a hora da merenda, de cantar o hino Nacional, de fazer o flúor, da entrega de bilhetes para casa... Enfim, de
  • 6. tarefas que fazem parte do cotidiano escolar. É importante estar atento à prática, mas com uma visão crítica e profissional que possa ressignificar o que é dado como pronto e acabado.Formação Continuada A questão aqui levantada é o posicionamento do professor frente à sua práticaconsiderando a sua trajetória de formação inicial articulada com a sua formaçãocontinuada, já que a etapa seguinte do projeto é a participação de 50 professores dosanos finais do município de Novo Hamburgo. Sendo assim, os cinco professores queestão colocando em prática os seus PDG irão apresentar a proposta para os colegasem um ambiente colaborativo, ampliando assim, o arcabouço reflexivo da açãodocente. A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional – LDB nº 9394/96 prevê oaperfeiçoamento profissional continuado e a garantia de períodos de estudos, deplanejamento e de avaliação na carga horária dos professores. Também indica que éda competência da mantenedora, dos estabelecimentos de ensino e dos próprioseducadores a efetivação das propostas de formação continuada, a partir da realidadede cada escola. A formação profissional, entendida como o conjunto de experiências formativasrelacionadas direta ou indiretamente ao exercício da profissão (SOLIGO, 2007), se dáem diversos espaços e momentos e exige investimento individual e coletivo. Quando areferida autora diz que a formação centrada na escola é considerada como umamodalidade privilegiada para os professores, ela reforça a ideia de que a própriaprática é tomada como objeto de reflexão e pesquisa, possibilitando que asexperiências sejam transformadas em aprendizagens. Nesse sentido, os espaços deestudo e discussão destinados à formação continuada precisam contemplar temas queemergem do cotidiano da escola, num movimento de construção prática-reflexiva doprofessor, aliada ao estudo de referencial teórico específico sobre a educação. Éimportante que ocorra de forma permanente, inserida no trabalho pedagógico,nutrindo-se dele e renovando-o constantemente, através da proposição de iniciativasque considerem os professores como protagonistas e investigadores, comdispositivos e estratégias formativas adequadas à realidade de cada escola. O projeto “Por uma formação continuada cooperativa: o processo deconstrução de objetos de ensino relacionados à leitura e produção textual” propõe uma
  • 7. formação continuada que tem como meta aprendizagens significativas em umaparceria entre academia e escola e numa proposta colaborativa de formação.Considerações Finais Pensar em uma formação continuada cooperativa abre as possibilidades detensionamento entre o letramento acadêmico e as práticas sociais em instituições queeste professor atua. O lugar de “formado em” transforma-se em “professorpesquisador” que busca entender as ações que acontecem na sala de aula vinculadasa uma prática reflexiva. Este movimento precisa de um diálogo constante entre os pares, entrediferentes visões e pensamentos. Como diz Gadotti “...a nova formação do professor deve estar centrada na escola sem ser unicamente escolar, sobre as práticas escolares dos professores, desenvolver na prática um paradigma colaborativo e cooperativo entre os profissionais da educação.” (2003,p.34) Faz parte do ofício de ser professor indagar-se constantemente e procurarensinar e aprender, dando sentido para aquilo que o desafia a construir umaidentidade profissional. É nesta acepção que se torna possível pensar num professorcomprometido com a aprendizagem e com o ensino.
  • 8. Referência Bibliográfica:KERSCH, Dorotea Frank; GUIMARÃES, Ana Maria Mattos. Po uma formaçãocontinuada: o desenvolvimento do processo educativo de leitura e produção textualescrita no ensino fundamental no contexto de um município brasileiro. InV SimpósioInternacional de Estudos de Gêneros Textuais – SIGET, Caxias do Sul: UCS, 2011BRASIL. Lei n.9.394, de 20 de dezembro de 1996. Diretrizes e bases da educaçãonacional. Diário Oficial da União, Brasília, 23 dez.1996.GADOTTI, Moacir.Boniteza de um sonho, ensinar-e-aprender com sentido. NovoHamburgo.Feevale, 2003.OLIVEIRA, Maria do Socorro. Gêneros textuais e letramento. RBLA, Belo Horizonte,v.10, n.2, p.325-345,2010.PERRENOUD,Philippe. A Prática Reflexiva no ofício de professor:Profissionalização e Razão Pedagógica. Porto Alegre: Artmed,2002.SILVEIRA, Rosa Maria Hessel; DREY, Rafaela Fetzner. Alfabeletrar: fundamentos epráticas.In: ZEN, Maria Isabel Dalla, XAVIER, Maria Luisa.( Org. ). Porto Alegre:Mediação,2010.SOLIGO, Rosaura. Quem forma quem, afinal? Instituição dos sujeitos. São Paulo:UNICAMP, 2007.