A1a Comunicacao Cient+¡Fica
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

A1a Comunicacao Cient+¡Fica

on

  • 2,150 views

Aula apresentada pela Prof. Sandra Rebel - Fontes Bibliograficas II/GCI/UFF

Aula apresentada pela Prof. Sandra Rebel - Fontes Bibliograficas II/GCI/UFF

Statistics

Views

Total Views
2,150
Views on SlideShare
2,140
Embed Views
10

Actions

Likes
1
Downloads
27
Comments
0

1 Embed 10

http://www.slideshare.net 10

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

A1a Comunicacao Cient+¡Fica A1a Comunicacao Cient+¡Fica Presentation Transcript

  • “todo espectro de atividades associadas com a produção, disseminação e uso da informação, desde a busca de uma idéia para pesquisa, até a aceitação da informação sobre os resultados dessa pesquisa como componente do conhecimento científico” Garvey
  • Mudança e crescimento Meadows, 1999, p.1-38 “A maneira como o cientista transmite informações depende do veículo empregado, da natureza das informações e do público alvo. Da mesma forma que, com o passar do tempo, isso sofre mudanças, também sofrem alterações a formulação e o acondicionamento das informações”. (p.1) Ex: “A conferência que se ministra hoje em dia não é idêntica, quanto à forma, à sua equivalente de 2 anos atrás (...) O meio empregado, as informações e a platéia interagem para produzir o pacote a que chamamos ‘conferência’ (p.1)
  • Mudança e crescimento “As mudanças técnicas muitas vezes têm sido um fator menos importante nessas transformações do que as necessidades cambiantes da comunidade científica”. (p.2) “O meio disponível e a natureza da comunidade científica afetam não só a forma como a informação é apresentada, mas também a quantidade de informações em circulação”. (p.2) “A pesquisa científica pode ser comunicada de várias formas, sendo que as duas mais importantes são a fala e a escrita”. (p.3) “A capacidade de multiplicar os exemplares de um livro representou um passo importante rumo a uma difusão melhor e mais rápida das pesquisas” (p.3)
  • Meadows: mudança e crescimento  Ainda que os novos meios de comunicação criados pelas tecnologias de informação sejam responsáveis pelo ritmo acelerado das mudanças na comunicação científica, “as características básicas dos pesquisadores e de sua comunidade mudam lentamente”;  Trabalham, muitas vezes de modo inconsciente, com base nas práticas instituídas da comunidade científica, determinadas por sua história e suas normas sociais”. “os métodos de apresentação e tratamento da informação durante a transição para outro meio de comunicação são inevitavelmente influenciados por essa memória coletiva”.  um ambiente criado pelos meios eletrônicos tem, como aspecto positivo, dentre outros, o fato de proporcionar uma comunicação mais democrática e estimular a colaboração MEADOWS, A.J. A Comunicação Científica, 1999
  • Meadows: mudança e crescimento Da mesma forma que intermediários humanos – editores, bibliotecários e outros – filtram e processam a informação no ambiente tradicional, oferecendo catálogos, índices também no meio eletrônico estão comprometidos com as mesmas práticas Além de oferecerem modos de orientar usuários no processo de descoberta de informação de alta qualidade na Internet, rápida e eficientemente, universidades e seus repositórios institucionais, bibliotecas e outras instituições acadêmicas passam a ter outra importante missão: divulgar o conhecimento e propiciar o acesso público à informação;
  • Mudança e crescimento Este é um “cenário custoso e demorado” (Meadows, 1999) Dificuldade: ausência de estabilidade neste domínio (Meadows, 1999) A rede “é também social e política, pelas pessoas, mensagens, valores que a frequentam” (Milton Santos); Mesmo considerando a relativa abertura dos cientistas às possibilidades criadas pela Internet, continuam valendo, no campo da Ciência, práticas tradicionais e a legitimação pelos pares.
  • A Ciência, o Sistema de Comunicação Científica e a Literatura Científica A confiabilidade é uma das características mais importantes da ciência. A ampla exposição dos resultados de pesquisa ao julgamento da comunidade científica e sua aprovação por ela propicia confiança nesses resultados. O trabalho intelectual de pesquisadores depende de um intrincado sistema de comunicação, que compreende canais formais e informais, os quais os cientistas utilizam tanto para comunicar os resultados que obtêm quanto para se informarem dos resultados alcançados por outros pesquisadores. MUELLER, S. (2000, p.21)
  • Estrutura da Literatura Especializada As classificações da literatura se baseiam no fluxo da informação: os documentos são classificados de acordo com o lugar e a função que ocupam no fluxo da informação. Os canais informais são geralmente aqueles usados na parte inicial do contínuo do modelo; a informação veiculada é recente e destina- se a públicos restritos e, portanto, o acesso é limitado. As informações veiculadas nem sempre serão armazenadas e assim, será difícil recuperá-las. Os canais formais permitem o acesso amplo (as informações são facilmente coletadas e armazenadas e correspondem aos estágios mais adiantados do modelo. Os documentos (ou fontes) podem ser classificados como primários, secundários e terciários. O fluxo da informação científica é geralmente representado através de um modelo. MUELLER, S. (2000, p.21)
  • 3. Uma experiência bem sucedida Chat: mecanismo destinado à comunicação informal, que, diga-se de passagem, “em geral é efêmera e posta à disposição de um público restrito” (Meadows) “simpósio eletrônico” – 1º chat realizado em  • Países: Brasil, Uruguai, México, março de 2000; 10 pesquisadores Estados Unidos, Canadá, França, brasileiros e estrangeiros de diversas e importantes instituições da área de Inglaterra, Escócia, Israel e Japão Neurociências – SBNeC;  transcrição dos debates ocorridos na sala virtual– 9 artigos gerados. Sete publicados No Brasil: USP, UFP, UFRJ, UFSP, UFRGS, na revista Brazilian Journal of Medical and UFSC, UFES, UFRN, Faculdade de Filosofia Biological Research e um publicado na Ciências e Letras de Ribeirão Preto, Faculdade de revista Progress in Neuro- Medicina de Ribeirão Preto, Faculdade de Psychopharmacology and Biological Psychiatry Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo, Fundação Faculdade de Ciências Médicas de Porto Alegre • Origem institucional dos participantes: todos vinculados a universidades Profª. Sandra Lúcia Rebel Gomes GCI/UFF
  • 3. Uma experiência bem sucedida  recebido pelos editores da Brazilian Journal of Medical and Biological Research em 16 de maio e aceito em 21 de junho do mesmo ano Profª. Sandra Lúcia Rebel Gomes GCI/UFF
  • Respostas da comunidade • aquele tipo de artigo era uma “forma inovadora de apresentar uma revisão”, porém não permitia ao participante “maior aprofundamento no assunto, com exemplos de dados”. No entanto, considerou que, como “grandes experts” estavam envolvidos, era oferecida “uma representação viva do estado-da-arte de um tópico particular” • mesmo considerando ter havido “uma longa discussão entre especialistas diferentes”, concluiu que “o resumo no início não seria suficiente, já que os leitores esperam encontrar as principais conclusões no final do artigo”. A publicação do chat foi também reforçada pela possibilidade de alguém poder “aproveitar imediatamente ou ler quando houvesse oportunidade”. • Sobre o conteúdo do artigo, houve o reconhecimento de que “foram discutidos vários dos principais tópicos sobre memória, foram clarificados vários aspectos importantes deles, e até acabou havendo um certo consenso em torno de muitos deles, o que não deixa de ser surpreendente e positivo” Profª. Sandra Lúcia Rebel Gomes GCI/UFF
  • As novas tecnologias de informação e comunicação  Nestes últimos anos, temos assistido ao aparecimento de livros em versão digital, de editores eletrônicos, de livrarias virtuais, de obras de referência e bases de dados textuais online, de obras hipertextuais e de dispositivos de leitura de livros eletrônicos. José Afonso Furtado - O Papel e o Pixel 
  • As novas tecnologias de informação e comunicação “As tecnologias eletrônicas penetraram já em todos os  aspectos do processo de publicação: “Os autores escrevem os seus textos em processadores e enviam- nos para os editores via online ou em disquete. Imagens, quadros e gráficos são também quase na sua totalidade criados em computadores. Mesmo que os autores não criem originalmente os seus textos sob formas eletrônicas, a grande maioria dos editores digitaliza esses conteúdos para a produção”. Em suma, a maior parte dos aspectos e das atividades envolvidas na edição moderna são eletrônicos (Borgman, 2000, p.83). José Afonso Furtado - O Papel e o Pixel 
  • As novas tecnologias de informação e comunicação  Borgman salienta a importância de se olhar para além dos meros fatores tecnológicos e refere que “os debates sobre publicação eletrônica envolvem a interação de fatores tecnológicos, psicológicos, sociológicos, econômicos, políticos e culturais que influenciam o modo como as pessoas criam, usam, procuram e adquirem informação” (Borgman, 2000, pp.83-84). José Afonso Furtado - O Papel e o Pixel 
  • O papel das Sociedades Científicas “prover o especialista com informação detalhada sobre os avanços nos seus campos; prover acesso ao conhecimento acumulado no campo” •para atender a tais requerimentos, as sociedades mantêm várias atividades de comunicação, como encontros que permitam a comunicação de artigos especializados relacionados a campos específicos e artigos que resumem avanços mais abrangentes. • as sociedades são ativas na publicação de revisões feitas com o objetivo, quase sempre deliberado, de permitir que o especialista mantenha uma larga visão do seu campo e que estas revisões podem assumir variadas formas de publicação, dentre as quais destaca os simpósios. ( Lewis,1956)
  • O Periódico Científico Funções do Periódico Científico Moderno: segundo a Royal Society, seriam 4 as funções atuais: Comunicação formal dos resultados da pesquisa original para a comunidade científica e demais interessados; Preservação do conhecimento registrado; Estabelecimento da propriedade intelectual; Manutenção do padrão da qualidade na ciência;
  • O Periódico Científico SciELO - Scientific Electronic Library Online (Biblioteca Científica Eletrônica em Linha) é um modelo para a publicação eletrônica cooperativa de periódicos científicos na Internet. Especialmente desenvolvido para responder às necessidades da comunicação científica nos países em desenvolvimento e particularmente na América Latina e Caribe, o modelo proporciona uma solução eficiente para assegurar a visibilidade e o acesso universal a sua literatura científica. Permite a publicação eletrônica de edições completas de periódicos científicos, a organização de bases de dados bibliográficas e de textos completos, a recuperação de textos por seu conteúdo, a preservação de arquivos eletrônicos e a produção de indicadores estatísticos de uso e impacto da literatura científica. http://www.scielo.org/
  • Serviços de Indexação e Resumo Bases de Dados, Índices ou Abstracts (Periódicos de Indexação e Resumo) Listam os trabalhos produzidos em um determinado assunto ou área com a finalidade de facilitar a identificação e acesso à informação que se encontra dispersa em um grande número de publicações. Apresentam-se sob as formas impressa e eletrônica (on-line e CD- ROM) A função principal é a identificação do conteúdo de publicações. Indexam e resumem partes específicas de livros, anais de congressos ou periódicos. Ex: LISA - Library and Information Science Abstracts
  • LISA - Library and Information Science Abstracts http://www.csa.com/factsheets/lisa-set-c.php
  • As novas tecnologias de informação e comunicação “As tecnologias eletrônicas penetraram já em todos os  aspectos do processo de publicação: “Os autores escrevem os seus textos em processadores e enviam- nos para os editores via online ou em disquete. Imagens, quadros e gráficos são também quase na sua totalidade criados em computadores. Mesmo que os autores não criem originalmente os seus textos sob formas eletrônicas, a grande maioria dos editores digitaliza esses conteúdos para a produção”. Em suma, a maior parte dos aspectos e das atividades envolvidas na edição moderna são eletrônicos (Borgman, 2000, p.83). José Afonso Furtado - O Papel e o Pixel 
  • As novas tecnologias de informação e comunicação  Borgman salienta a importância de se olhar para além dos meros fatores tecnológicos e refere que “os debates sobre publicação eletrônica envolvem a interação de fatores tecnológicos, psicológicos, sociológicos, econômicos, políticos e culturais que influenciam o modo como as pessoas criam, usam, procuram e adquirem informação” (Borgman, 2000, pp.83-84). José Afonso Furtado - O Papel e o Pixel 
  • “Não-presença” Desterritorialização “Seus membros estão reunidos pelos mesmos núcleos de interesses (...) Ela vive sem lugar de referência estável: em toda a parte onde se encontram seus membros móveis ... ou em parte alguma...” Pierre Lévy
  • Meadows: mudança e crescimento  Ainda que os novos meios de comunicação criados pelas tecnologias de informação sejam responsáveis pelo ritmo acelerado das mudanças na comunicação científica, “as características básicas dos pesquisadores e de sua comunidade mudam lentamente”;  Trabalham, muitas vezes de modo inconsciente, com base nas práticas instituídas da comunidade científica, determinadas por sua história e suas normas sociais”. “os métodos de apresentação e tratamento da informação durante a transição para outro meio de comunicação são inevitavelmente influenciados por essa memória coletiva”.  um ambiente criado pelos meios eletrônicos tem, como aspecto positivo, dentre outros, o fato de proporcionar uma comunicação mais democrática e estimular a colaboração
  • Meadows: mudança e crescimento Da mesma forma que intermediários humanos – editores, bibliotecários e outros – filtram e processam a informação no ambiente tradicional, oferecendo catálogos, índices também no meio eletrônico estão comprometidos com as mesmas práticas Além de oferecerem modos de orientar usuários no processo de descoberta de informação de alta qualidade na Internet, rápida e eficientemente, universidades e seus repositórios institucionais, bibliotecas e outras instituições acadêmicas passam a ter outra importante missão: divulgar o conhecimento e propiciar o acesso público à informação;
  • Mudança e crescimento Este é um “cenário custoso e demorado” (Meadows, 1999) Dificuldade: ausência de estabilidade neste domínio (Meadows, 1999) A rede “é também social e política, pelas pessoas, mensagens, valores que a frequentam” (Milton Santos); Mesmo considerando a relativa abertura dos cientistas às possibilidades criadas pela Internet, continuam valendo, no campo da Ciência, práticas tradicionais e a legitimação pelos pares