Your SlideShare is downloading. ×
  • Like
Avaliação e ações prioritárias para a conservação da biodiversidade da Mata Atlântica e campos sulinos
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×

Now you can save presentations on your phone or tablet

Available for both IPhone and Android

Text the download link to your phone

Standard text messaging rates apply

Avaliação e ações prioritárias para a conservação da biodiversidade da Mata Atlântica e campos sulinos

  • 4,581 views
Published

 

Published in Technology
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
No Downloads

Views

Total Views
4,581
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0

Actions

Shares
Downloads
103
Comments
0
Likes
4

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. Ministério do Meio Ambiente Conservation International do Brasil • Fundação SOS Mata Atlântica • Fundação Biodiversitas Instituto de Pesquisas Ecológicas • Secretaria do Meio Ambiente do Estado de São Paulo SEMAD / Instituto Estadual de Florestas-MGAVALIAÇÃO E AÇÕES PRIORITÁRIAS PARAA CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE DA MATA ATLÂNTICA E CAMPOS SULINOS
  • 2. República Federativa do Brasil Presidente: Fernando Henrique Cardoso Vice-Presidente: Marco Antônio de Oliveira MacielMinistério do Meio Ambiente Ministro: José Sarney Filho Secretário-Executivo: José Carlos CarvalhoSecretaria de Biodiversidade e Florestas Secretário: José Pedro de Oliveira Costa Diretor do Programa Nacional de Conservação da Biodiversidade: Bráulio Ferreira de Souza DiasMinistério do Meio Ambiente - MMA Centro de Informação e Documentação Luiz Eduardo Magalhães / CID Ambiental Esplanada dos Ministérios - Bloco B - térreo 70068-900 Brasília-DF Tel: (61) 317-1235 - Fax: (61) 224-5222 e-mail: cid@mma.gov.br - homepage: http://www.mma.gov.br/AVALIAÇÃO e ações prioritárias para a conservação da bio-diversidade da Mata Atlântica e Campos Sulinos/por:Conservation International do Brasil, Fundação SOS MataAtlântica, Fundação Biodiversitas, Instituto de Pesquisas Eco-lógicas, Secretaria do Meio Ambiente do Estado de São Paulo,SEMAD/Instituto Estadual de Florestas-MG. Brasília: MMA/SBF, 2000. 40p.ISBN: 85-87166-09-31. Meio ambiente. 2. Biodiversidade. 3. Mata Atlântica. 4. Cam-pos Sulinos. 5. Política ambiental. I. Brasil. Ministério do MeioAmbiente. CDU(1997) 504.7Texto: Conservation International do BrasilEdição: Heleine Heringer e Magda Maciel MontenegroFotos cedidas: Andy Young, Anthony Rylands, Célio Haddad,Haroldo Castro, Haroldo Palo Jr., Russell Mittermeier, Zig Koch. Foto Capa: Bromélia, Floresta Atlântica, PR - Zig Koch Foto Contra-capa: Campos Sulinos - Zig KochApoio: Aliança para a Conservação da Mata AtlânticaBrasília, 2000
  • 3. Grupo Integrador I 100. Camocim / Jericoacoara (CE) 117. Chapada do Araripe (CE) 134. Murici (AL) 101. Foz do Acaraú (CE) 118. Timbaúba / Mata do Estado (PB, PE) 135. Região de Camaragibe (AL) 102. Serra de Uruburetama (CE) 119. Abiaí / Goiana (PB, PE) 136. Quebrângulo / Bom Conselho (PE, AL) 103. Serra da Meruoca (CE) 120. Brejo de Triunfo (PE) 137. Água Branca (AL) 104. Foz do Rio Ceará (CE) 121. Brejo de Taquaritinga (PE) 138. Catolé (AL) 105. Serra de Maranguape / Aratanha (CE) 122. Serra Negra / Bezerros (PE) 139. Jequiá / Fazenda Matão (AL) 106. Chapada Ibiapaba (CE) 123. Brejo de Madre de Deus (PE) 140. Corrente (PI, BA) 107. Serra de Baturité (CE) 124. Gurjaú / Camaçari (PE) 141. Piaçabuçu / Penedo (AL) 108. Baixo Jaguaribe (CE) 125. Brejo dos Cavalos (PE) 142. Jacobina (BA) 109. Litoral Norte do Rio Grande do Norte (RN) 126. Serra Negra / Floresta (PE) 143. Bonito (BA) 110. Quixadá / Estevão (CE) 127. Saltinho / Barreiro (PE) 144. Lençóis / Andaraí (BA) 111. Natal / Tibau do Sul (RN) 128. Serra das Confusões (PI) 145. Caetités (BA) 112. Serra de São Miguel (RN) 129. Complexo Catende (PE) 146. Maracás (BA) 113. Mamanguape / Baía Formosa (RN, PB) 130. Garanhuns (PE) 147. Pico do Barbado (BA) 114. Areia (PB) 131. Quipapá / Água Preta (PE) 148. Palmas do Monte Alto (BA) 115. Mata de Santa Rita / Sapé (PB) 132. Novo Lino (AL) 149. Coribe (BA, MG) 116. Pico do Jabre (PB) 133. Inajá (PE) 150. Peruaçu (MG) Grupo Integrador II 200. Reserva de Santa Isabel / Ponta dos 216. Porto Seguro / Belmonte (BA) 233. Faz. Pindobas IV / Afonso Cláudio (ES) Mangues (SE) 217. Salto da Divisa (MG) 234. Restinga de Setiba (ES) 201. Santo Amaro das Brotas / Japaratuba (SE) 218. Almenara (MG) 235. Serra do Caparaó (MG / ES) 202. Serra de Itabaiana / Matas de Areia 219. Parque Nacional de Monte Pascoal / 236. Pedra Azul / Forno Grande (ES) Branca (SE) Parque Nacional do Descobrimento (BA) 237. Região de Domingos Martins / Alfredo 203. Restingas de Itaporanga / Estância (SE) 220. Caravelas (BA) Chaves (ES) 204. Litoral Norte - Linha verde (BA) 221. Remanescentes na Região de Teófilo 238. Carangola (MG) 205. Mata do Joanes ao Pojuca (BA) Otoni (MG) 239. Cafundó / Bananal Norte (ES) 206. Recôncavo Baiano e Baía de Todos 222. Mucuri Médio e Baixo (BA) 240. Região de Viçosa (MG) os Santos (BA) 223. Itaúnas (ES) 241. Serra das Cangalhas (ES) 207. Serra da Jibóia (BA) 224. Sooretama (ES) 242. Serra do Brigadeiro (MG) 208. Wenceslau Guimarães (BA) 225. Alto Rio Santo Antônio (MG) 243. Usina Paineiras (ES) 209. Jequié (BA) 226. Região de Aimorés / Itueta (MG) 244. Serra das Torres (ES) 210. Ilhéus / Camamu /Valença (BA) 227. Delta do Rio Doce (ES) 245. Serra de São José (MG) 211. Boa Nova (BA) 228. Parque Estadual do Rio Doce (MG) 246. Praia das Neves / Maroba (ES) 212. Una / Canavieiras (BA) 229. Caratinga (MG) 247. Porciúncula / Raposo / Miracema (RJ) 213. Vitória da Conquista / Jordânia (BA, MG) 230. Região de Santa Teresa / Duas Bocas (ES) 248. Mata do Carvão (RJ) 214. Remanescentes da Região de Camacã (BA) 231. Mata do Sossego (MG) 249. Serra de Carrancas (MG)prioridades para conservação da mata atlântica e campos sulinos 215. Jordânia (MG) 232. Região de Ouro Preto / Serra do Caraça (MG) 250. Ibitipoca (MG) Grupo Integrador III Grupo Integrador IV Grupo Integrador V 300. Rio Paranaíba (GO, MG) 400. Vale do Médio Rio Paraíba do Sul (RJ) 500. Médio Rio Tibagi (PR) 301. Paulo de Faria (SP) 401. Jurubatiba (RJ) 501. Alto Médio Rio Tibagi / Alto Rio Iguaçu 302. Furnas do Bom Jesus (SP) 402. Serra dos Órgãos (RJ) (PR) 303. Orlândia / Morro Agudo (SP) 403. Poço das Antas (RJ) 502. Campos Gerais (PR) 304. Serra dos Rosas (SP) 404. Serra da Mantiqueira (SP RJ, MG) , 503. Nascentes do Rio Piquiri (PR) 305. Serra da Bodoquena (MS) 405. Niterói / Saquarema (RJ) 504. Várzeas e Cabeceiras do Rio Iguaçu e 306. Barretos (SP) 406. Cabo Frio (RJ) Vila Velha (PR) 307. Valparaíso (SP) 407. Tijuca (RJ) 505. São Mateus do Sul II (PR) 308. Aguapeí (SP) 408. Marambaia (RJ) 506. São Mateus do Sul I (SC, PR) 309. Novo Horizonte (SP) 409. Serra da Bocaina (SP RJ) , 507. Médio Rio Iguaçu e Guarapuava (PR, 310. Poços de Caldas (MG) 410. Ilha Grande (RJ) SC) 311. Matão (SP) 411. Serra da Cantareira (SP) 508. Planalto Leste (SC, PR) 312. Caetetus (SP) 412. Serra do Japi (SP) 509. Chapecó (SC) 313. Jacaré / Pepira (SP) 413. Morro Grande (SP) 510. Campos de Lages (SC) 314. Ivinhema (MS) 414. Ilha de São Sebastião (SP) 511. Rio Pelotas (RS) 315. Pontal do Paranapanema (SP) 415. Baixada Santista (SP) 512. Barracão (RS, SC) 316. Barreiro Rico / Serra de Botucatu (SP) 416. Alto do Paranapanema (SP) 513. Rio Pelotas / São Mateus (SC, RS) 317. Mata do Mosquito (SP) 417. Ilha de Alcatrazes (SP) 514. Grande Região dos Aparados da Ser- 318. Lençóis Paulista (SP) 418. Ilha da Queimada Grande (SP) ra (SC, RS) 319. Ilha Grande (MS, PR) 419. Juréia / Paranaguá (PR, SP) 515. Zona Tampão de Aparados da Serra 320. Ipanema (SP) 420. Ilha de Figueira (PR) (SC, RS) 321. Mata do Godoy (PR) 421. Ilha do Mel (PR) 322. Vila Rica (PR) 422. Tijucas do Sul (PR) 323. Iguaçu (PR) 423. Ilha de Currais (PR) Grupo Integrador VI 324. Rio Guarani (PR) 424. Itapoá / Guaratuba (SC, PR) 600. Campos do Planalto (RS) 325. Giacometti (PR) 425. Alto Itajaí (SC) 601. Campanha Gaúcha (RS) 326. Turvo (RS) 426. Serra do Tabuleiro e Ilhas Catarinenses (SC) 602. Serra do Sudeste (RS) 327. Guarita (RS) 427. Floresta de Planície Costeira (SC, RS) 603. Campo de Baixada de Bagé (RS) 328. Nonoai (RS) 604. Planície Costeira (RS) 329. Rolante / Riozinho (RS) 330. Quarta Colônia (RS) Ecorregiões abrangidas pelos grupos integradores - vide página 04.
  • 4. Figura 1 - Mapa de Áreas Prioritárias paraa Conservação da Biodiversidade daMata Atlântica e Campos Sulinos
  • 5. Apresentação ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ O Brasil é o principal país entre aqueles detentores de megadiversidade, possuindo entre 15 e 20% do número total de espécies da Terra. Gerir essa formidável riqueza demanda ação urgente, fundamentada em consciência conservacionista e espelhada em políticas públicas que representem as aspirações da sociedade. Em busca desses objetivos, o Ministério do Meio Ambiente tem empreendido esforços que envolvem, além do fortalecimento do controle ambiental e do estímulo à adoção de práticas sustentáveis pela sociedade, a criação e consolidação de uma rede de áreas protegidas, com vistas à conservação in situ da nossa riqueza biológica. Para evitar, no entanto, a criação desordenada desses espaços, o Ministério vem fazendo uso de critérios científicos para a identificação de áreas prioritárias nos ecossistemas mais ameaçados. Esse novo paradigma que orienta as ações do MMA encontra na Mata Atlântica uma situação emblemática. A Mata Atlântica e seus ecossistemas associados cobriam, à época do descobrimento, 1.360.000km2. Atualmente, apenas 8% da área do bioma preserva suas características bióticas originais. Apesar da devastação a que foi submetido, abriga ainda altíssimos níveis de riqueza biológica e de endemismos, como é exemplo o recorde mundial de diversidade de plantas lenhosas encontradas – 458 espécies – em um único hectare no sul da Bahia. Diante do estado atual de degradação do bioma Mata Atlântica, o Ministério do Meio Ambiente desenvolveu o subprojeto Avaliação e Ações Prioritárias para a Conservação da Biodiversidade nos Biomas Floresta Atlântica e Campos Sulinos, no âmbito do Projeto de Conservação e Utilização Sustentável da Diversidade Biológica Brasileira - PROBIO. O subprojeto teve por objetivo a avaliação da biodiversidade e dos condicionantes socioeconômicos para sua utilização, identificando áreas prioritárias e estratégias para a con- servação dos biomas. Para sua execução, o subprojeto contou com a parceria da Conservation International do Brasil; da Funda- ção Biodiversitas; da Fundação SOS Mata Atlânti- ca; do Instituto de Pesquisas Ecológicas; da Secre- taria de Meio Ambiente do Estado de São Paulo; da Secretaria de Meio Ambiente e Desenvolvimen- to Sustentável de Minas Gerais por intermédio do Instituto Estadual de Florestas. Após dois anos de trabalho, esse esforço foi co- roado com a realização de um workshop, em agosto de 1999, na cidade de Atibaia, SP. O evento reu- niu 198 especialistas de todo o país e resultou na identificação de 182 áreas prioritárias para a con- servação da biodiversidade na região e na proposi- ção de sugestões que vêm constituir o objeto dessa publicação. A relevância deste estudo para a ‘política nacio- nal de biodiversidade’ leva-nos a incorporar suas recomendações às metas institucionais do Minis- tério do Meio Ambiente, devendo as mesmas, por extensão, balizar ainda as ações dos demais órgãos governamentais e da sociedade na busca da conser- vação e utilização sustentável da Mata Atlântica. apresentação José Sarney Filho Ministro do Meio AmbienteSão José dos Ausentes, RS - Zig Koch AVALIAÇÃO E AÇÕES PRIORITÁRIAS PARA A CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE DA MATA ATLÂNTICA E CAMPOS SULINOS • 1
  • 6. Introdução ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ Os esforços para a conservação da Mata Atlântica e Campos Sulinos enfrentam grandes desafios. Os dois biomas apresentam altos índices de biodiversidade e de endemismo, mas encontram-se em situação crítica de alte- ração de seus ecossistemas naturais; seus domínios abri- gam 70% da população, além das maiores cidades e os mais importantes pólos industriais do Brasil. O resul- tado dessa concentração pode ser evidenciado, por exemplo, pelo fato de a Mata Atlântica estar reduzida a 8% de sua cobertura original e figurar entre os 25 hotspots mundiais, as regiões mais ricas e ameaçadas do planeta. Da mesma forma, os Campos Sulinos, que se estendem desde o sul de São Paulo até o sul do Rio Grande do Sul, estão sob forte pressão antrópica. Outra barreira para a conservação é a lacuna de conhe- Muriqui, Brachyteles hypoxanthus - Andy Young cimentos sobre essas regiões. A cada ano são descritas inú- meras novas espécies, porém ainda existem áreas pouco conhecidas, e os recursos humanos e investimentos continuam limitados. Além disso, faltam políticas claras que definam prioridades das ações e, no que se refere à aplicação dos recursos huma- nos e financeiros, que atendam à urgência de reverter o processo de degradação. A identificação de ações e áreas prioritárias para a conservação da biodiversidade tem-se mostrado importante instrumento de proteção no Brasil e no mundo. E, jus- tamente para construir essa estratégia, foi promovido o subprojeto Avaliação e Ações Prioritárias para Conservação dos Biomas Floresta Atlântica e Campos Sulinos, parte do projeto de Conservação e Utilização Sustentável da Diversidade Biológica Brasilei- ra-PROBIO do Ministério do Meio Ambiente. Todos os biomas brasileiros estão sendo contemplados por esses estudos, em cumprimento às obrigações do país junto à Con- venção sobre Diversidade Biológica, firmada durante a Conferência das Nações Uni- das sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento – CNUMAD (Rio-92). As metas específicas desse subprojeto são: 1. consolidar as informações sobre a diver- sidade biológica da Mata Atlântica e Campos Sulinos, e identificar as lacunas de conheci- mento; 2. identificar áreas e ações prioritárias para a conservação, com base em critérios de importância biológica, integridade dos ecossistemas e oportunidades para ações de conser- vação da biodiversidade; 3. identificar e avaliar a utilização e as alternativas para uso dos recursos naturais, compatíveis com a conservação da biodiversidade; e 4. promover maior conscientização e participação efetiva da sociedade na conservação da biodiversidade des- ses biomas. Essa iniciativa fornece um dos mais completos diagnósticos sobre a Mata Atlântica e Campos Sulinos, e direciona as políticas ambientais para níveis regionais, agilizando a implementação das medidas consideradas necessárias para garantir a conservação a longo prazo dos biomas brasileiros.introdução AVALIAÇÃO E AÇÕES PRIORITÁRIAS PARA A CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE DA MATA ATLÂNTICA E CAMPOS SULINOS • 2
  • 7. Metodologia○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ A metodologia utilizada é baseada no programa de Os conhecimentos gerados nesta fase, organizados emworkshops regionais da Conservation International, e ofe- relatórios técnicos e mapas, serviram de base para osrece extensa base de dados e mapas, sobre os quais espe- trabalhos do workshop, a fase seguinte do subprojeto.cialistas de diversas disciplinas podem, de maneiraparticipativa, definir áreas prioritárias para conservação. Realização do Workshop Para esse subprojeto considerou-se o conceito sensulato do bioma Mata Atlântica, ou seja, aquele composto A fase decisória para definição de prioridades acon-de uma série de tipologias ou unidades fitogeográficas, teceu no workshop realizado entre os dias 10 e 14 deconstituindo um mosaico vegetacional, em concordância agosto de 1999, em Atibaia, a 60 km da cidade de Sãocom o Decreto federal no 750/93. Campos Sulinos fo- Paulo. O evento contou com a participação de 198ram considerados todas as formações campestres não especialistas, representando oitenta organizações gover-savânicas ocorrentes no sul do país, incluindo aquelas namentais e não-governamentais, instituições de ensinoentremeadas à região da floresta ombrófila mista (flores- e pesquisa e empresas. Na primeira etapa do workshop,ta com araucária), até os campos do sul do Rio Grande os participantes formaram grupos temáticos para dis-do Sul, na região conhecida como Campanha gaúcha. cutir as áreas prioritárias dentro de sua especialidade O subprojeto foi planejado em quatro fases: (flora; invertebrados; répteis e anfíbios; aves; mamífe- 1. Preparatória; ros; peixes; fatores abióticos; pressão antrópica; plane- 2. Decisória (realização do workshop); jamento regional; áreas protegidas; estratégias de con- 3. Processamento e síntese dos resultados; servação e educação ambiental). 4. Divulgação dos resultados e acompanhamento de As áreas definidas como prioritárias foram classifi-sua implementação. cadas em quatro níveis de importância biológica nos grupos temáticos: Fase Preparatória Categoria A - área de extrema importância biológica; A fase preparatória consistiu no levantamento, siste- Categoria B - área de muito alta importância biológica;matização e diagnóstico das informações biológicas e não- Categoria C - área de alta importância biológica;biológicas relativas à conservação e utilização sustentável Categoria D - área insuficientemente conhecida masda Mata Atlântica e Campos Sulinos. O componente de de provável importância biológica.biodiversidade foi subdividido em estudos dos seguintes Para cada área prioritária indicada preencheu-se for-grupos taxonômicos: aves, mamíferos, anfíbios e répteis, mulário contendo todas as informações como sua ca-peixes, invertebrados, e flora. Enfatizou-se a distribuição racterização geral e a justificativa de inclusão no mapade espécies endêmicas, raras ou ameaçadas de extinção, e de prioridades.a análise do conhecimento atual de cada grupo e seu esta- Na segunda etapa do workshop, as propostas foramdo de conservação nos biomas. integradas no âmbito dos grupos multidisciplinares, Estratégias e prioridades de ação foram traçadas, pre- ocasião em que se procede à análise das prioridadesliminarmente, por consultores em função da importância para conservação, por sub-regiões biogeográficas pré-biológica sobreposta à análise das pressões demográficas estabelecidas. As ecorregiões foram adotadas comoe vulnerabilidade diante das atividades econômicas das unidades geográficas de análise, tal como proposta pordiferentes regiões. Para complementar essa análise, tam- Dinerstein et al. (1995). Segundo os autores, umabém as oportunidades e alternativas de conservação pas-saram por uma avaliação por meio do diagnóstico do ecorregião é definida como “conjunto de comunida-sistema de unidades de conservação, experiências de pla- des naturais geograficamente distintas que comparti-nejamento regional, e das características dos elementos lham a grande maioria de suas espécies, dinâmica eco-físicos determinantes de biodiversidade (clima, rios, solos lógica, e condições ambientais similares e que cujasetc). Foram realizados os seguintes estudos temáticos não- interações ecológicas são essenciais para a sua persis-bióticos: pressão antrópica, fatores abióticos, planejamento tência a longo prazo”. Desde a proposta original, oregional, áreas protegidas, estratégias de conservação e mapa das ecorregiões sul-americanas vem sendo cons-educação ambiental. tantemente aperfeiçoado pelo World Wildlife Fund. metodologia AVALIAÇÃO E AÇÕES PRIORITÁRIAS PARA A CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE DA MATA ATLÂNTICA E CAMPOS SULINOS • 3
  • 8. A Mata Atlântica e os Campos Sulinos incluem, juntos, 13 ecorregiões (a Mata Atlântica com 12 os Campos Sulinos com uma). Por motivos operacionais, as ecorregiões foram reagrupadas em seis grupos integradores, além de um grupo integrador de políticas ambientais, a saber: Grupo Florestas costeiras e interioranas da região Nordeste entre o Piauí e Alagoas, Integrador I brejos nordestinos e florestas secas do Nordeste e do Estado de Minas Gerais; Florestas de Sergipe, floresta semidecidual da Bahia, floresta costeira da Bahia, Grupo Estado do Espírito Santo, norte do Estado do Rio de Janeiro, parte da floresta Integrador II semidecidual de Minas Gerais; Florestas estacionais semideciduais do sul de Minas Gerais, divisa dos Estados Grupo de Minas Gerais, Goiás, Mato Grosso do Sul, sul do Mato Grosso do Sul (inclu- Integrador III indo a serra da Bodoquena), florestas estacionais semideciduais dos Estados de São Paulo, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul; Florestas da serra do Mar e costeiras nos Estados do Rio de Janeiro, São Paulo, Grupo Paraná, Santa Catarina, e Rio Grande do Sul, e florestas do sudeste do Estado de Integrador IV Minas Gerais (serra da Mantiqueira); Grupo Florestas de araucária e campos sulinos abrangendo o sul do Estado de São Integrador V Paulo, e os Estados do Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul; Grupo Campos sulinos abrangendo o Estado do Rio Grande do Sul; Integrador VI O Grupo de Políticas Ambientais foi formado pelos integrantes do Grupo Grupo Temático Estratégias de Conservação acrescido de membros dos demais Integrador VII grupos da primeira etapa do workshop. A identificação das prioridades nos grupos dos produtos do subprojeto o mapa na forma de integradores foi feita a partir da sobreposição dos ma- pôster, contendo o mapa síntese e os temáticos; um pas temáticos, de forma consensual entre os especia- relatório técnico com todos os documentos e resul- listas, ilustrando a importância, em termos de biodi- tados produzidos durante a execução do subprojeto; versidade, e dos principais elementos condicionantes e essa publicação, apresentando os mapas de priori- de decisão sobre a base territorial para as ações de dades e as principais ações e recomendações para a conservação. A recomendação de áreas prioritárias não conservação da Mata Atlântica e Campos Sulinos. significa que as restantes não mereçam ser conserva- das, mas indica apenas uma priorização para maximizar Divulgação dos Resultados e os esforços, recursos humanos e financeiros. O resul- tado do workshop deriva de processo decisório, por meio Acompanhamento de sua Implementação da consulta dirigida a uma amostra representativa de Os resultados estão sendo amplamente disponibili- especialistas. zados para os diferentes setores do governo, setor priva- Finalmente, na reunião plenária, última etapa do do, acadêmico e sociedade em geral. A divulgação do workshop, foram apresentados os trabalhos-sínteses, dis- andamento e resultados do subprojeto, a íntegra dos cutidas as estratégias de conservação fundamentada nas documentos resultantes do workshop de Atibaia e outras experiências regionais e o mapa geral de prioridades. informações, estão também disponibilizados para con- sulta através da Internet (Conservation International do Processamento e Síntese dos Resultados Brasil - www.conservation.org.br/ma; Fundação André do Workshop Tosello/Base de Dados Tropical - www.bdt.org.br/ workshop/mata.atlantica/br). Para o desenvolvimen- Essa etapa do processo compreendeu a revisão de to dos trabalhos de divulgação dos resultados e a manu- todos os mapas e documentos produzidos antes e tenção da interlocução técnica entre o Governo e os durante o workshop de Atibaia. Foram conferidos e re- diferentes setores da sociedade interessados, foi formada finados os mapas resultantes do trabalho dos grupos uma Comissão de Acompanhamento. Busca-se, destametodologia temáticos e regionais, e os bancos de dados com as maneira, garantir a disseminação de informações e apli- informações de cada área prioritária. Foram consoli- cação das recomendações resultantes do subprojeto, com dados também todos os documentos e relatórios téc- o envolvimento maior de pessoas, comunidades e enti- nicos produzidos durante o subprojeto. Fazem parte dades atuantes nesses biomas. AVALIAÇÃO E AÇÕES PRIORITÁRIAS PARA A CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE DA MATA ATLÂNTICA E CAMPOS SULINOS • 4
  • 9. Mapa Geral de Prioridades○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ Foram identificadas 182 áreas prioritárias para a uma área contínua de floresta montana e alto-conservação da biodiversidade na Mata Atlântica e montana, compreendendo unidades de conservaçãoCampos Sulinos; dessas, 99 foram classificadas como de uso sustentável e proteção integral, mas que, noáreas de extrema importância biológica, 35 áreas de entanto, necessitam implementação efetiva. A áreamuito alta importância, 26 áreas de alta importância apresenta expressiva riqueza de invertebrados,e 22 áreas insuficientemente conhecidas mas de pro- endemismos e espécies ameaçadas de mamíferos, anfí-vável importância biológica. Aproximadamente 33% bios e répteis. Somente em Tinguá, são encontradasda Mata Atlântica foi resguardada por áreas seis espécies de aves ameaçadas de extinção, comoprioritárias, sendo a maioria dessas, 55%, indicadas Calyptura cristata (tietê-de-coroa).como de extrema importância biológica. Os resultados valorizam também a serra do Mar Das 17 áreas prioritárias com maior sobreposição como área de extrema importância biológica, em qua-de indicações dos grupos temáticos (igual ou maior se toda sua extensão, mostrando a relevância de seque seis indicações), 12 estão na região Nordeste. Isso conservar o maior trecho contínuo de mata atlânticaconfirma informações anteriores, que indicavam a e com alto nível de integridade ambiental. A regiãogrande riqueza de espécies e endemismos de algumas apresenta ecossistemas de campos de altitude, flores-localidades nessa região, como no estudo da CEPLAC e ta sub-montana, floresta montana, afloramentosJardim Botânico de Nova Iorque, que registraram, ao calcários, restingas e manguezais, e a confluência dasnorte de Ilhéus, BA, um dos maiores índices de diver- maiores formações florestais da Mata Atlântica:sidade de plantas lenhosas no mundo. ombrófila densa, ombrófila mista e estacional Esse subprojeto também reforça os resultados do semidecidual. Verifica-se a ocorrência de espécies en-“Workshop Prioridades para Conservação da Mata Atlân- dêmicas e grande riqueza biótica e uma rede impor-tica do Nordeste”, realizado em 1993, em Recife, PE. tante de unidades de conservação (ex.: Parque Nacio-Entre as 12 áreas da região Nordeste destaca-se Murici, nal da Serra da Bocaina, Parque Estadual da Serra doAL, um dos maiores remanescentes de Mata Atlântica ao Mar, Estação Ecológica Estadual Juréia-Itatins, Par-norte do rio São Francisco, caracterizada por endemismos que Nacional dos Aparados da Serra, Parque Nacio-de répteis e anfíbios. Essa também sobressai pela alta nal da Serra Geral e outros), com potencial para aconcentração de espécies de aves endêmicas e ameaçadas implementação de corredores de biodiversidade.de extinção, como por exemplo, Philydor novaesi (limpa- Nos Campos Sulinos vale ressaltar duas áreas de má-folha-do-nordeste), Iodopleura pipra (anambezinho), xima prioridade: a Campanha gaúcha e a Planície costei-Carpornis melanocephalus (sabiá-pimenta), Phylloscartes ceciliae ra. A primeira área, indicada por cinco grupos temáticos,(cara-pintada). A região de Murici vem sofrendo forte caracteriza-se pela grande diversidade de hábitats (banha-pressão antrópica, devido ao plantio de bananeiras e cana- dos, várzeas, matas ripárias e areais), flora peculiar e ele-de-açúcar e recomenda-se a implantação urgente de uma mentos faunísticos provenientes do Uruguai e Argentina.área protegida. As principais ameaças são o gado ovino, a lavoura de Outros dois destaques na região Nordeste são as áre- arroz com drenagens dos banhados, construção deas entre Valença e Ilhéus, e Una a Canavieiras, ambas termelétrica e gasoduto, e o processo de urbanização.localizadas no sul da Bahia. Nessas áreas ocorrem espéci- A Planície costeira ocupa extensa área de vegetaçãoes de primatas ameaçadas de extinção e endêmicas do sul de restinga, com a ocorrência de banhados salinos noda Bahia (Leontopithecus chrysomelas – mico-leão-da-cara- estuário da laguna dos Patos, ambientes únicos no Brasil.dourada, Callicebus personatus melanochir – guigó e Cebus A região apresenta grande número de espécies endêmicasxanthosternos – macaco-prego-do-peito-amarelo) e outras (ex.: Ctenomys flamarioni, o ratão do banhado) e ameaçadas mapa geral de prioridadesespécies endêmicas de mamíferos da Mata Atlântica (Bradypus de extinção, além de populações numerosas de aves aquá-torquatus – preguiça-de-coleira, Chaetomys subspinosus – ouri- ticas e migratórias. A área vem sofrendo acentuada pres-ço-preto e Echimys pictus – rato-do-cacau). são antrópica, especialmente pela especulação imobiliária Na região Sudeste, uma das áreas que sobressai é a no litoral e na laguna dos Patos, e pela cultura extensivaserra dos Órgãos, RJ, indicada pela sobreposição de de arroz irrigado, que ameaça diversas áreas de banhadoseis grupos temáticos. A serra dos Órgãos constitui e campos de várzea. AVALIAÇÃO E AÇÕES PRIORITÁRIAS PARA A CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE DA MATA ATLÂNTICA E CAMPOS SULINOS • 5
  • 10. Cobertura da Vegetação Nativa da Mata Atlântica e Campos Sulinos ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ Esse subprojeto identificou, mapeou e organizou a foram interpretados a partir das imagens documentação cartográfica temática dos remanescen- de satélite na escala 1:50.000. As tipologias tes florestais e ecossistemas associados da Mata Atlân- vegetais adotadas como sendo de Cam- tica e iniciou o mapeamento dos Campos Sulinos. O pos Sulinos foram: estepe (Campanha ga- mapa completo dos remanescentes da Mata Atlântica úcha) e savana estépica (Campanha). utilizou as informações do Atlas de Evolução dos Remanes- O processo de ocupação do Brasil le- centes Florestais e Ecossistemas Associados no Domínio da Mata vou a Mata Atlântica e os Campos Sulinos Atlântica, produzido pela Fundação SOS Mata Atlânti- a uma drástica redução de sua cobertura ca em parceria com o Instituto Nacional de Pesquisas vegetal primitiva. Os dois biomas abrigam Espaciais - INPE1 , e os dados organizados para o workshop os maiores pólos industriais e silviculturais “Áreas Prioritárias para Conservação da Mata Atlânti- do Brasil, além dos mais importantes aglo- ca do Nordeste” (Figura 2). Também foram produzi- merados urbanos. A Mata Atlântica e seus ecossistemas dos mapeamento temático da mata atlântica do Rio associados envolviam, originalmente, área de 1.360.000 Grande do Sul e de Mato Grosso do Sul. km2, correspondente a cerca de 16% do território brasi- O mapeamento do bioma Campos Sulinos foi fun- leiro, distribuídos por 17 Estados: Rio Grande do Sul, damentado na geomorfologia da região e em dados agre- Santa Catarina, Paraná, São Paulo, Goiás, Mato Grosso gados do Projeto Radambrasil. Os limites do domínio do Sul, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Espírito Santo, Bahia, Alagoas, Sergipe, Paraíba, Pernambuco, Rio Grande do Norte, Ceará e Piauí. Os levantamentos indicaram 2.528 municípios total- mente inseridos na Mata Atlântica, ou seja, 46% do total de municípios do Brasil. Além desses, 270 têm mais de 70% de seus territórios na Mata Atlântica e 130, mais de 50% da área, dentro do bioma. A limitação da escala impossibilitou maior precisão, em particular no entorno desses limites. A exatidão quanto ao total de municípios será possível só após verificação e análise mais detalha- das e, nesse sentido, esforços estão sendo feitos. Atualmente, o bioma está reduzido a menos de 8% de sua extensão original, dispostos de modo esparso, ao longo da costa brasileira e no interior das regiões Sul e Sudeste, além de fragmentos no sul dos Estados de Goiás e Mato Grosso do Sul e no interior dos estados do Nor- deste. A dinâmica da destruição foi mais acentuada du- rante as últimas três décadas, resultando em sérias altera- ções para os ecossistemas que compõem o bioma, devi- do, em particular, à alta fragmentação do hábitat e perda de sua biodiversidade. Cruzamentos digitais dos remanescentes com da-cobertura da vegetação nativa dos estatísticos temáticos por unidades da federação, unidades de conservação e fisionomia vegetal também contribuíram para análises sobre a situação da Mata Atlântica, permitindo uma abordagem geopolítica e histórica (Tabela 1). Estudos revelam que houve intensa aceleração do processo de destruição da Mata Atlântica em período recente. O Atlas de Remanescentes mostra que, Fragmentação, Estado do Rio de Janeiro - Russell Mittermeier 1 Desde 1985, a Fundação SOS Mata Atlântica coordena um projeto de avaliação e monitoramento da cobertura da Mata Atlântica, por meio da interpretação visual de imagens de satélite do sistema Landsat TM, incluindo, além das fisionomias florestais, os ecossistemas associados, mangues e restingas. Deve-se ressaltar, entretanto, que este mapeamento não considerou as manchas de vegetação com área inferior a 25 ha. AVALIAÇÃO E AÇÕES PRIORITÁRIAS PARA A CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE DA MATA ATLÂNTICA E CAMPOS SULINOS • 6
  • 11. O estado de conservação do bioma Campos Suli- nos é pouco conhecido, já que a avaliação da cober- tura dos remanescentes mais importantes permanece incipiente. O Estado do Rio Grande do Sul, onde se concentra a maior extensão de Campos Sulinos, pos- sui mais de 13.000.000 ha de áreas relativas a esse bioma em diferentes estágios de conservação e antropização. Por ser uma formação campestre, é necessário o aper- feiçoamento da tecnologia de reconhecimento dos di- ferentes usos da terra na região. Outro fator influente é a pouca representantividade de Campos Sulinos no sistema de unidades de conservação e a forte pressão sobre seus ecossistemas, em particular a incidência Mata Atlântica - Haroldo Palo Jr. do fogo, a introdução de espécies forrageiras e a ativi- dade pecuária, que tem levado algumas áreas ao pro-de 1985 a 1995, mais de 1 milhão de hectares foram cesso de desertificação.desmatados em dez estados dentro do domínio do bioma. O mapeamento e monitoramento da cobertura da ve-Esse total significou o desflorestamento de mais de 11% getação nativa da Mata Atlântica e de Campos Sulinos édos remanescentes da Mata Atlântica, comprometendo, processo contínuo de análise. É importante ressaltar queregiões onde estão localizados importantes centros de até o momento, as análises permitiram apenas uma avalia-endemismo. Um exemplo é o Estado do Rio de Janeiro, ção quantitativa em termos de área remanescente dosque entre 1985 e 1990 perdeu 30.579ha e entre 1990 e biomas; isso possibilitou significativa contribuição para a1995 mais 140.372ha, ou seja, 170.951ha em dez anos. implementação das estratégias e políticas de conservaçãoMais ao sul, o Estado do Paraná perdeu nesse mesmo identificadas no âmbito desse subprojeto. Entretanto, umaperíodo 228.849ha, sendo 144.240ha entre 1985 e 1990 avaliação qualitativa faz-se necessária para verificar a situa-e 84.609ha entre 1990 e 1995. Nesse e nos demais esta- ção das áreas identificadas no mapeamento, fundamentaldos da região Sul, as florestas de araucária são as áreas para que se obtenha uma análise adequada da real situaçãomais atingidas e estão seriamente ameaçadas. da Mata Atlântica e Campos Sulinos. Tabela 1 - Área das unidades federativas e da cobertura original e dos remanescentes do Domínio da Mata Atlântica no período de 1990-1995. UF Área UF Área DMA* % DMA Remanescentes % Remanescentes (ha) (ha) no Estado florestais florestais DMA (ha) DMA AL 2.793.349 1.449.357 51,89 71.811 4,95 BA** 56.644.394 20.354.548 35,93 1.263.175 6,21 CE 14.634.809 486.652 3,33 86.598 17,79 ES 4.618.397 4.618.397 100 408.924 8,85 GO 34.128.614 1.151.269 3,37 3.161 0,27 MS** 35.815.503 6.280.101 17,53 31.296 0,50 MG 58.838.344 28.966.381 49,23 813.635 2,81 PB 5.658.340 672.432 11,88 46.280 6,88 PE 9.893.950 1.776.971 17,96 90.667 5,10 cobertura da vegetação nativa PI*** 25.237.934 2.291.830 9,08 - - PR 19.970.994 19.443.054 97,36 1.800.048 9,26 RJ 4.391.007 4.391.007 100 946.875 21,56 RN 5.330.801 328.771 6,17 47.833 14,55 RS 28.206.150 13.219.129 46,87 649.780 4,92 SC 9.544.456 9.544.456 100 1.723.513 18,06 SE 2.204.923 788.845 35,78 88.541 11,22 SP 24.880.934 20.543.452 82,57 1.815.745 8,84 Obs.: *DMA – Domínio da Mata Atlântica; ** Parcialmente avaliado; *** Sem avaliação. Áreas calculadas a partir dos dados digitais do IBGE e do Atlas de Evolução do Remanescentes da Mata Atlântica, na projeção sinusoidal. Fonte: Fundação S.O.S. Mata Atlântica e Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais - INPE. AVALIAÇÃO E AÇÕES PRIORITÁRIAS PARA A CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE DA MATA ATLÂNTICA E CAMPOS SULINOS • 7
  • 12. cobertura da vegetação nativa Figura 2 – Mapa de cobertura da vegetação nativa da Mata Atlântica. Fonte: Fundação SOS Mata Atlântica, Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais e Instituto Socioambiental. AVALIAÇÃO E AÇÕES PRIORITÁRIAS PARA A CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE DA MATA ATLÂNTICA E CAMPOS SULINOS • 8
  • 13. Biodiversidade○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ Apesar da devastação acentuada, a Mata Atlânti- variada, onde várias espécies são compartilhadas comca ainda abriga parcela significativa de diversidade a Mata Atlântica. Suas formações abrigam pelo me-biológica do Brasil, com altíssimos níveis de riqueza nos 102 espécies de mamíferos (cinco delas endêmi-e endemismo. A riqueza pontual é tão significativa cas), 476 espécies de aves (duas endêmicas, a saber,que o segundo maior recorde mundial de diversida- Scytalopus iraiensis e Cinclodes pabsti - pedreiro) e 50 espé-de para plantas lenhosas foi registrado nesse bioma cies de peixes (12 endêmicas). Dados preliminares,(458 espécies em um único hectare do sul da Bahia), indicam que cerca de 89 espécies de mamíferos (17%em estudo realizado pelo Jardim Botânico de Nova das espécies com ocorrência no Brasil) têm suas dis-Iorque e o Herbário da Comissão Executiva do Pla- tribuições geográficas restritas aos biomas Matano da Lavoura Cacaueira-CEPLAC. Atlântica e Campos Sulinos considerados em con- As estimativas obtidas a partir dos estudos rea- junto. Além disso, mesmo com uma fisionomia apa-lizados para esse subprojeto, apesar da carência de rentemente homogênea, o bioma caracteriza-se pelainformações para alguns grupos taxonômicos, tam- grande riqueza de espécies herbáceas e váriasbém indicam uma diversidade faunística bastante tipologias campestres, compondo em algumas regi-elevada. Para grupos como os primatas, mais de 2/ ões ambientes integrados com a floresta de araucária.3 das formas presentes no biomasão endêmicas. Segundo estudocoordenado pela ConservationInternational sobre os 25 hotspotsmundiais, a Mata Atlântica estáentre as cinco regiões que apresen-tam os maiores índices deendemismo de plantas vascularese vertebrados (excluindo peixes). Em conjunto, os mamíferos,aves, répteis e anfíbios que ocor-rem na Mata Atlântica, somam1.810 espécies, sendo 389 endêmi-cas (Tabela 2). Isso significa que aMata Atlântica abriga, aproxima-damente 7% das espécies conheci-das no mundo nesses grupos devertebrados. Nesse cenário de ri- Saíra-de-sete-cores, Tangara seledon - Zig Kochqueza e endemismo observa-se, Tabela 2 - Diversidade, Endemismos e Espécies Ameaçadas da Mata Atlânticapor outro lado, elevado número (MA) e Campos Sulinos (CS).de espécies ameaçadas de extinção. Grupo Total de Espécies EspéciesEm certos grupos, como as aves, Ta x o n ô m i c o Espécies Endêmicas Ameaçadas10% das espécies encontradas no MA CS MA CS MA CSbioma se enquadram em algumacategoria de ameaça. No caso de Plantas Vasculares 20.000 8.000 Mamíferos 250 102 55 5 35 13mamíferos, o número de espécies Aves 1023 476 188 2 104 10ameaçadas de extinção atinge apro- Répteis 197 60 3ximadamente 14%. Anfíbios 340 90 1 Peixes 350 50 133 12 12* 2* Os Campos Sulinos, mesmo biodiversidadesendo menos conhecidos do pon- Fontes: Relatórios Técnicos Temáticos de Biodiversidade do Subprojeto “Avaliaçãoto de vista de sua diversidade bio- Avaliação e Ações Prioritárias para Conservação dos Biomas Floresta Atlântica e Cam-lógica, apresentam também fauna pos Sulinos”, PROBIO / PRONABIO / MMA; Myers et al. (2000); * De acordo com Rosa & Menezes (1996). AVALIAÇÃO E AÇÕES PRIORITÁRIAS PARA A CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE DA MATA ATLÂNTICA E CAMPOS SULINOS • 9
  • 14. Mamíferos ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ Mata Atlântica e Campos Sulinos jun- rência são registradas a cada novo estudo. tos apresentam 264 espécies de mamíferos, Mesmo entre os primatas, mamíferos rela- sessenta formas endêmicas; são 250 espéci- tivamente conspícuos, descobertas têm sido es presentes na Mata Atlântica, sendo 55 feitas, como o caso da descrição de endêmicas, e 102 espécies registradas nos Leontopithecus caissara (mico-leão-de-cara- Campos Sulinos, cinco endêmicas a esse preta) do nordeste do Paraná e de Callicebus bioma. A caça e a fragmentação da Mata coimbrai (guigó) do Estado de Sergipe. Atlântica e Campos Sulinos tem produzi- A distribuição dos endêmicos, a riqueza do graves conseqüências para as espécies de geral de espécies, assim como os acidentes mamíferos, em particular aquelas de mai- geográficos, foram os critérios utilizados or porte, verificando-se o desaparecimen- pelo grupo no estabelecimento de zonas to total de algumas espécies em certas regi- faunísticas. Dessa forma, 11 zonas ou sub- ões e localidades. Esses fatores conjugados regiões biogeográficas foram determinadas contribuem para que 38 espécies de mamí- dentro dos biomas e, posteriormente, in- feros desses biomas estejam atualmente re- dicou-se em cada uma as áreas prioritárias lacionadas na lista oficial de espécies da para conservação. Esse processo de análise fauna brasileira ameaçadas de extinção. permitiu o estabelecimento de 84 áreas Apesar dos mamíferos da Mata Atlân- prioritárias, sendo 36 de extrema impor- tica e Campos Sulinos serem relativamen- tância biológica, 19 de muito alta impor- te conhecidos se comparados com outros tância biológica, 21 de alta importância bi- grupos taxonômicos, poucas localidades ológica e oito áreas insuficientemente co- foram inventariadas de modo satisfatório, nhecidas mas de provável importância bi- havendo consideráveis lacunas no conheci- ológica (Figura 3). Além disso, o grupo su- mento taxonômico e biogeográfico da mai- geriu o estabelecimento de três corredores oria dos gêneros e espécies, de forma que ecológicos interligando alguns agrupamen- novas espécies e novas localidades de ocor- tos de áreas prioritárias. Jaguatirica, Felis pardalis - Haroldo Castromamíferos AVALIAÇÃO E AÇÕES PRIORITÁRIAS PARA A CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE DA MATA ATLÂNTICA E CAMPOS SULINOS • 10
  • 15. Entre as áreas indicadas prioritárias para a conservação da mastofauna da Mata Atlântica e Campos Sulinos pode-se desta- car a região da Reserva Biológica de Una, que possui remanescentes importantes de floresta pluvial tropical de baixada, conectada a matas de restinga e formações paludosas, com ocorrência de espécies endêmicas e ameaçadas como Bradypus torquatus (preguiça-de-coleira), Leontopithecus chrysomelas (mico-leão-da-cara-dourada), Chaetomys subspinosus (ouriço-preto) e Echimys pictus (rato-do-cacau). O centro-norte do Estado do Espírito Santo é um dos princi- pais trechos de floresta ombrófila densa, na tipologia de floresta de tabuleiros, re- presentados pela conexão da Reserva Bio- lógica de Sooretama (IBAMA) com a Reser- va Florestal de Linhares, da CVRD, totalizando cerca de 44.000ha. Nessa área podem-se encontrar espécies de mamífe- ros de médio a grande porte, inclusive de Ouriço-preto, Chaetomys subspinosus - Arquivo CI - Brasil topo de cadeia alimentar como Panthera onca (onça-pintada) e Puma concolor (onça-parda), além de espécies raras ou ameaçadas como Cebus apella robustus (macaco-prego), Leopardus pardalis (jaguatirica), Tayassu pecari (queixada), Tapirus terrestris (anta), Lontra longicaudis (lontra), entre outras. A região do Pontal do Paranapanema foi uma das áreas de floresta estacional semidecídua indicada prioritária e abrange os mais importantes remanescentes de mata atlântica do interior de São Paulo, incluindo o Parque Estadual do Morro do Diabo, com 35.000ha e cer- ca de 10.000ha de fragmentos florestais circunvizinhos. Nessa área estão registradas espécies raras, endêmicas e ameaçadas como Panthera onca (onça-pintada), Leontopithecus chrysopygus (mico-leão-preto), Tapirus terrestris (anta), Tayassu pecari (quei- xada) e Pecari tajacu (cateto). Nos Campos Sulinos vale destacar a região leste, onde se encontram o Parque Nacional da Lagoa do Peixe e a Estação Ecológica do Taim, com- postas por dunas, lagunas e campos areno- mamíferos sos, e onde ocorre o roedor endêmico ao Rio Grande do Sul, Ctenomys flamarioni, co-Mico-leão-de-cara-preta, Leontopithecus caissara - Zig Koch nhecido como ratão-do-banhado. AVALIAÇÃO E AÇÕES PRIORITÁRIAS PARA A CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE DA MATA ATLÂNTICA E CAMPOS SULINOS • 11
  • 16. mamíferos Figura 3 - Mapa de áreas prioritárias para a conservação de mamíferos na Mata Atlântica e Campos Sulinos AVALIAÇÃO E AÇÕES PRIORITÁRIAS PARA A CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE DA MATA ATLÂNTICA E CAMPOS SULINOS • 12
  • 17. Aves ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ A Mata Atlântica possui uma das mais elevadas rique-Áreas Prioritárias - Mamíferos zas de aves do planeta, que somada às espécies de Campos1. Serra da Meruoca (CE) 44. Baixo Rio Doce / Litoral Nor- Sulinos atingem o total de 1.050 espécies. O número de2. Uruburetama (CE) te (ES) espécies endêmicas é bastante expressivo; considerando3. Serra de Maranguape / 45. Sooretama / Linhares (ES) 46. Vale do Rio Pancas (ES) os dois biomas chega a duzentas. Outra informação queAratanha (CE)4. Serra de Ibiapaba (CE) 47. Rio Bananal (ES) norteou o trabalho do grupo temático de aves foi o núme-5. Serra de Baturité (CE) 48. Baixo Rio Doce / Comboi- ro de espécies ameaçadas de extinção: 104 para a Mata6. Estação Ecológica Aiuaba os e Nova Almeida (ES)(CE) 49. Santa Teresa / Duas Bocas Atlântica e dez para Campos Sulinos.7. Floresta Nacional do Araripe (ES) Os critérios adotados para a indicação de áreas(CE) 50. Afonso Cláudio / Laranja prioritárias foram, num primeiro momento, a representa-8. Litoral Norte da Paraíba (PB) da Terra e Sobreiro (ES)9. Goiana (PE) 51. Serra do Caparaó (ES, MG) tividade dos inventários existentes e a presença de espéci-10. Conjunto Murici (AL) 52. Complexo Forno Grande / es endêmicas. Numa segunda etapa, considerou-se tam-11. Lagoa Jequiá / Lagoa Escu- Pedra Azul (ES) bém a riqueza de espécies em geral, os graus de conserva-ra (AL) 53. Litoral Sul do Espírito San-12. Nordeste de Sergipe (SE) to (ES) ção e de ameaça para o estabelecimento da ordem final de13. Rio Real (SE) 54. Serra das Torres / Usina prioridades. Essas análises permitiram a indicação de 18714. Dunas do São Francisco Paineiras (ES) áreas prioritárias para a conservação da avifauna dos(BA) 55. Porciúncula / Raposo (RJ,15. Remanescentes Florestais MG) biomas Mata Atlântica e Campos Sulinos (Figura 4).do Recôncavo Baiano (BA) 56. Serra dos Órgãos / Desen- Entre as 187 áreas, 42 foram apontadas de extrema im-16. Recôncavo Baiano ao Sul gano e Restingas do Norte portância biológica, grau mais alto de prioridade de con-do Rio Paraguaçu (BA) Fluminense (RJ)17. Região de Wenceslau Gui- 57. Mendanha / Pedra Branca / servação. Essas áreas reúnem conjunto bastante heterogê-marães (BA) Tijuca e Marambaia (RJ) neo, e algumas delas correspondem a unidades de conser-18. Remanescentes Florestais 58. Cajuru / Fazenda Santa vação existentes; outras contemplam regiões onde a reco-de Valença até o Rio de Contas Carlota (SP)(BA) 59. Vale do Rio do Peixe (SP) mendação específica demonstra a necessidade e propõe a19. Serra Grande (BA) 60. Poços de Caldas (MG, SP) criação de unidade de conservação, e outras onde a reali-20. Reserva Biológica de Una 61. Serra da Mantiqueira (SP, dade local sugere diversas medidas, como a implantaçãoe Florestas Adjacentes (BA) MG)21. Fragmentos ao Norte do Rio 62. Pontal do Paranapanema / de zonas-tampão e corredores de vegetação nativa, áreasJequitinhonha (BA) Morro do Diabo (SP) de recuperação e manejo. Merece destaque a área de22. Parque Nacional de Monte 63. Gália / Garça (SP) 64. Mosquito (SP) Murici, AL, localidade de ocorrência de duas espéciesPascoal (BA)23. Florestas da Brasil Holanda 65. Barreiro Rico / Lençóis (Philydor novaesi - limpa-folha-do-nordeste e Myrmotherula snowiS.A. (BA) Paulistas (SP) - choquinha-de-alagoas) descobertas em 1979 e populações24. Restingas e Manguezais 66. Itanhaém / Itaguaí (SP RJ) , 67. Peruíbe / Guaraqueçaba e de outras 11 globalmente ameaçadas. Houve indicação deentre Nova Viçosa e Caravelas(BA) Intervales (SP PR) , algumas áreas no Estado da Bahia, o qual, em termos de25. Florestas de Interior da 68. Parque Nacional do Iguaçu ornitologia, é, possivelmente, o mais complexo e diversi-Bahia e Minas Gerais (BA, MG) (PR) 69. Joinville (SC) ficado dos estados brasileiros extra-amazônicos, com três26. Mata de Cipó (MG)27. Salto da Divisa (MG) 70. Chapecó / Terra Indígena espécies (abrigando um novo gênero inclusive) há pouco28. Jequitinhonha (MG) Xapecó (SC) descritas da região montanhosa e cacaueira do centro-sul29. Jacinto (MG) 71. Tabuleiro / Parque Nacio- nal São Joaquim / Ilha de Santa do estado. A área da Mata Atlântica de maior conheci-30. Teófilo Otoni (MG)31. Vertente Leste do Espinhaço Catarina (SC) mento, quanto à informação ornitológica, situa-se entre o(MG) 72. Plánície Costeira de Santa Estado de São Paulo e do Rio Grande do Sul. Essas áreas32. Complexo do Parque Esta- Catarina (SC)dual do Rio Doce (MG) 73. Parque Estadual do Turvo possuem alta diversidade biológica e sofrem constantes33. Complexo Caratinga / (RS) pressões antrópicas, como a especulação imobiliária e aSimonésia (MG) 74. Alto Uruguai (RS) ocupação irregular da terra. Entre as nove áreas indicadas34. Complexo Caraça / Peti (MG) 75. Estação Ecológica de35. Região de Viçosa (MG) Aracuri (RS) para Campos Sulinos, duas foram consideradas no mais36. Serra do Brigadeiro (MG) 76. Campos de Planalto (RS) alto nível de prioridade: o planalto das Araucárias e o37. Parque Estadual do 77. Aparados da Serra / Cane- vale de Camaquã, por serem áreas de invernagem e repro-Ibitipoca e Entorno (MG) la / São Francisco de Paula (RS)38. Camanducaia (MG) 78. Depressão Central (RS) dução de Amazona pretrei (charão), respectivamente.39. Reserva Biológica Córrego 79. Coxilha das Lombas (RS) A avifauna é um dos grupos mais bem conhecidos noGrande (ES) 80. Região da Campanha Gaú- Brasil e a maioria das espécies ocorrentes possui a distribui-40. Reserva Biológica Córrego cha (RS)do Veado (ES) 81. Parque Nacional da Lagoa ção geográfica já delineada de forma razoável. Entretanto,41. Parque Estadual de Itaúnas do Peixe (RS) um melhor detalhamento ainda se faz necessário, o que le-(ES) 82. Planície Costeria (RS) vou a indicação de quarenta áreas como insuficientemente42. Floresta Nacional do Rio Pre- 83. Estação Ecológica do Taimto (ES) (RS) conhecidas mas de provável importância biológica.43. Água Doce do Norte (ES) 84. Serra da Bodoquena (MS). aves AVALIAÇÃO E AÇÕES PRIORITÁRIAS PARA A CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE DA MATA ATLÂNTICA E CAMPOS SULINOS • 13
  • 18. 51. Água Branca (AL) 122. Pedregulho / Buritizal (SP) 52. Foz do Meirim / Prataji (AL) 123. Suzanópolis / Fazenda Tapira e Fazen- 53. Catolé (AL) da Brasil (SP) 54. Lagoa Jequiá / Lagoa Escura (AL) 124. Nova Granada (Fazenda São João) (SP) 55. Fazenda Matão (AL) 125. Mata Chica e Região (SP) 56. Piaçabuçu (AL) 126. Matas da Região de Barretos (SP) 57. Reserva do Pirambu / Ponta dos Man- 127. Mata de Santo Antônio do Aracanguá gues (SE) (SP) 58. Serra de Itabaiana e Matas de Areia 128. Fazenda Anhangaí (SP) Branca (SE) 129. Fragmentos de Franca a Poços de Cal- 59. Região Metropolitana de Aracaju e San- das (SP MG) , to Amaro das Brotas (SE) 130. Novo Horizonte / Sabino (SP) 60. Mata do Crasto / Restingas de Itaporanga 131. Baixo Rio Aguapeí (SP) e Estância (SE) 132. Área de Matão (SP) 61. Fragmentos entre Avelino Lopes e Cor- 133. Lençóis Paulista (SP) rente (BA, PI) 134. Borda do Planalto – Área de Proteção 62. Matas de Conde e Jandaíra (BA) Ambiental de Corumbataí (SP) 63. Santa Maria da Vitória (BA) 135. Morro do Diabo / Pontal do 64. Santo Amaro (BA) Paranapanema (SP) 65. Chapada Diamantina (BA) 136. Caetetus e Fragmentos (SP) 66. Fragmentos entre Macaúbas e Palmas 137. Mata do Mosquito (SP) de Monte Alto (BA) 138. Campos do Jordão e Serra da 67. Marau / Camamu (BA) Mantiqueira (SP) 68. Parque Estadual Wenceslau Guimarães 139. Barreiro Rico (SP) (BA) 140. Serra da Bocaina e Adjacências (SP, 69. Jequié (BA) RJ) 70. Boa Nova (BA) 141. Fazenda Domiciana (SP) 71. Parque Estadual do Conduru (BA) 142. Caraguatatuba até Picinguaba (SP) 72. Una (BA) 143. Serra da Cantareira / Jaraguá / Parque 73. Reseva Gregório Bondar (BA) Estadual Alberto Loefgren (SP) 74. Porto Seguro (BA) 144. Floresta Nacional Ipanema (SP) Charão, Amazona petrei - Zig Koch 75. Cabruca de Pindorama (BA) 145. Parque Estadual da Serra do Mar (parte 76. Parque Nacional do Pau Brasil (BA) central incluindo Ilha de São Sebastião) (SP) 77. Itamaraju (BA) 146. Mangues de Santos / Bertioga (SP) Áreas Prioritárias - Aves: 78. Parque Nacional de Monte Pascoal (BA) 147. Parque Estadual da Serra do Mar (SP) 79. Parque Nacional do Descobrimento (BA) 148. Alto do Ribeira / Intervales / Carlos 1. Delta do Parnaíba (MA) 80. Helvécia (Rio Peruíbe) (BA) Botelho (SP) 2. Foz do Ubatuba (PI) 81. Fazenda Lagoinha (BA) 149. Ilha Comprida / Juréia (SP) 3. Parque Nacional de Sete Cidades (PI) 82. Rio Mucuri (BA) 150. Foz do Paranapanema / Ivaí (PR) 4. Camocim / Jericoacoara (CE) 83. Vale do Rio Peruaçu (MG) 151. Mata de São Francisco (PR) 5. Foz do Acarau (CE) 84. Divisópolis / Almenara (MG) 152. Parque Estadual Mata do Godoy (PR) 6. Serra da Meruoca (CE) 85. Leste da Serra do Espinhaço (MG) 153. Cianorte (PR) 7. Uruburetama (CE) 86. Norte do Triângulo Mineiro (MG) 154. Parque Estadual de Vila Rica (PR) 8. Foz do Ceará (CE) 87. Caraça / Ouro Preto (MG) 155. Médio Rio Tibagi (PR) 9. Serra de Maranguape / Aratanha (CE) 88. Parque Estadual do Rio Doce (MG) 156. Itapirapuã / Jaguariaíva (PR, SP) 10. Chapada da Ibiapaba (CE) 89. Remanescentes de Brás Pires e Viçosa 157. Lauráceas (Alto do Ribeira) (PR) 11. Serra de Baturité (CE) (MG) 158. Nascentes do Rio Piquiri (PR) 12. Baixo do Jaguaribe (CE) 90. Serra do Brigadeiro (MG) 159. Guaraqueçaba / Jacupiranga / Cananéia 13. Morada Nova (CE) 91. Floresta Nacional do Rio Preto (ES) (PR,SP) 14. Quixadá (CE) 92. Reserva Biológica Córrego do Veado 160. Campos de Ponta Grossa (PR) 15. Estação Ecológica Aiuaba (CE) (ES) 161. Parque Nacional do Iguaçu (PR) 16. Chapada do Araripe(CE) 93. Reserva Biológica de Sooretama e Re- 162. Região Metropolitana de Curitiba (PR) 17. Mata da Estrela (RN) serva da Companhia Vale do Rio Doce - 163. Várzeas do Rio Iguaçu (PR) 18. Complexo de Mamanguape (PB) Linhares (ES) 164. Acrescido de Marinha em Pontal do 19. Mata do Buraquinho (PB) 94. Santa Teresa (ES) Paraná (PR) 20. Usina Santa Rita (PB) 95. Fazenda Pindobas IV (ES) 165. APA – Guaratuba (PR) 21. Pau Ferro (PB) 96. Encostas da Região de Domingos Martins 166. Serra da Prata / Lagoa do Parado (PR) 22. Jacuípe / Pacatuba (PB) (ES) 167. Campos da Lapa (PR) 23. Mata do Além (PB) 97. Parque Nacional do Caparaó (ES, MG) 168. Nascentes do Rio Chopim (PR) 24. Açude dos Reis / Cafundó (PB) 98. Pedra Azul e Adjacências (ES) 169. Fundo da Baia da Babitonga (SC) 25. Abiaí (PB) 99. Parque Estadual Paulo César Vinha (ES) 170. Baixo Vale do Itajaí (SC) 26. Goiana - Mangue / Goiana - Mata (PE) 100. Cafundó / Bananal do Norte (ES) 171. São Cristovão do Sul (SC) 27. Timbaúba (Engenho Água Azul) (PE) 101. Serra das Cangalhas / Fazenda do Cas- 172. Ilha de Santa Catarina (SC) 28. Itamaracá (PE) telo (ES) 173. Parque Estadual da Serra do Tabuleiro 29. Caetés (PE) 102. Usina Paineiras (ES) (SC) 30. Brejo de Taquaritinga (PE) 103. Serra das Torres (ES) 174. Parque Estadual do Turvo (RS) 31. Tapacurá (PE) 104. Fragmentos de Itaperuna (RJ) 175. Parque Estadual de Nonoaí (RS) 32. Mata dos Dois Irmãos (PE) 105. Foz do Rio Itaboana e Praia das Neves 176. Planalto da Araucárias (RS, SC) 33. Serra Negra / Bezerros (PE) (ES, RJ) 177. Campos de São Borja (RS) 34. Manaçu (PE) 106. Mata do Carvão (RJ) 178. Maciço Florestal de Aparados da Ser- 35. Brejo da Madre de Deus (PE) 107. Parque Estadual do Desengano (RJ) ra (RS) 36. Brejo dos Cavalos (PE) 108. Parque Nacional do Itatiaia (RJ, MG) 179. Mata do Faxinal e Remanescentes Adja- 37. Camaçari (PE) 109. Parque Nacional de Jurubatiba (RJ) centes de Floresta Costeira (RS) 38. Complexo Gurjaú (PE) 110. Reserva Biológica União (RJ) 180. Escarpa Meridional da Serra Geral (RS) 39. Sirinhaém (PE) 111. Serra dos Órgãos e Adjacências (RJ) 181. Parque Espinilho (RS) 40. Serra Negra / Floresta (PE) 112. Morro de São João (RJ) 182. Vale do Camaquã (RS) 41. Barreiros (PE) 113. Reserva Biológica Tinguá (RJ) 183. Lagoa do Peixe e Áreas Úmidas Adja- 42. Complexo Catende (PE) 114. Poço das Antas (RJ) centes (RS) 43. Saltinho (PE) 115. Ilha de Cabo Frio (RJ) 184. Campos de Bagé e Candiota (RS) 44. Garanhuns (PE) 116. Parque Estadual Pedra Branca / Tijuca 185. Banhados e Marismas entre a Lagoa 45. Quipapá / Água Preta (PE) (RJ) Mangueira e o Estuário da Laguna dos Patos 46. Bom Conselho (PE) 117. Restinga de Maricá (RJ) (RS) 47. Novo Lino (AL) 118. Restinga de Marambaia (RJ) 186. Bodoquena (MS) 48. Murici (AL) 119. Parque Estadual da Ilha Grande (RJ) 187. Parque Nacional de Ilha Grande e Áre- 49. Quebrângulo (AL) 120. Mata do Limoeiro (SP) as do Entorno (PR, MS). 50. Camaragibe (AL) 121. Paulo de Faria (SP)aves AVALIAÇÃO E AÇÕES PRIORITÁRIAS PARA A CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE DA MATA ATLÂNTICA E CAMPOS SULINOS • 14
  • 19. Figura 4 - Mapa de áreas prioritárias para a conservação de aves na Mata Atlântica e Campos Sulinos avesAVALIAÇÃO E AÇÕES PRIORITÁRIAS PARA A CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE DA MATA ATLÂNTICA E CAMPOS SULINOS • 15
  • 20. Peixes ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ Os ecossistemas aquáticos da Mata Atlântica brasileira possuem fauna de peixes rica e variada, asso- ciada, de forma íntima, à floresta que lhe proporciona proteção e alimen- to. O traço marcante dessa fauna é seu grau de endemismo, resultante Mata Atlântica - Haroldo Palo Jr. do processo de evolução histórica das espécies em área geomorfologicamente isolada bioma é a dos riachos litorâneos do Estado do Rio das demais bacias hidrográficas brasileiras. Os de Janeiro. Um exemplo é a área prioritária Bacia do ecossistemas aquáticos de Campos Sulinos fazem rio São João, que possui como hábitats mais represen- parte de grandes drenagens que atravessam variadas tativos os rios de baixada e riachos de encosta, sendo formações vegetais, inclusive de Mata Atlântica. As considerada de extrema importância biológica em con- principais são: parte da bacia do rio Paranapanema, seqüência da altíssima diversidade, elevado grau de SP, rio Ribeira, PR, alto rio Iguaçu (incluindo seus endemismo e presença de comunidades especiais. afluentes no Paraná e Santa Catarina), alto rio Uru- Nos Campos Sulinos, três áreas foram guai (com seus afluentes formadores em Santa diagnosticadas de muito alta importância biológica. Catarina e Rio Grande do Sul) e afluentes que de- Somente a região das cabeceiras do rio Iguaçu foi sembocam nas bacias dos rios Jacuí e Guaíba, RS. indicada como de extrema importância. Essa área Assim, a ictiofauna dos ecossistemas aquáticos do prioritária possui elevados índices de diversidade, bioma Campos Sulinos é bastante heterogênea, pois endemismo, além de número bastante representativo compreende elementos de drenagens distintas quanto de espécies raras e ameaçadas e comunidades especiais. à geomorfologia (alto Paraná, alto Iguaçu, alto Uru- Esses dados biológicos, aliados à grande fragilidade guai por exemplo), que se mantiveram historica- do ecossistema e ao grau de ameaça existente, justifi- mente isoladas de outras bacias hidrográficas. cam a indicação dessa área como de alta prioridade A indicação de áreas prioritárias para peixes foi fei- para conservação. As cabeceiras do rio Paranapanema, ta dentro de grandes ecorregiões aquáticas, considera- parcialmente incluídas tanto na Mata Atlântica como das unidades biogeográficas básicas, agregando comu- nos Campos Sulinos, foram diagnosticadas como nidades que têm em comum a maioria das espécies, a prioritárias para inventário da ictiofauna. mesma dinâmica e condições ambientais idênticas. As- Vale ressaltar que das 35 áreas prioritárias indicadas, sim, dentro dos biomas Mata Atlântica e Campos oito foram consideradas insuficientemente conhecidas, Sulinos foram definidas e delineadas 22 ecorregiões prin- mas de provável importância biológica. Mesmo nas cipais, e concluiu-se que, idealmente seria importante áreas designadas para outras categorias, o conhecimen- indicar pelo menos uma área prioritária em cada to ainda é incipiente, sobretudo nas regiões de cabecei- ecorregião (Figura 5). ras de rios e riachos, onde é elevado o grau de Com base na aplicação dos elementos de diagnósti- endemismo. Fica portanto evidenciado que, além das cos e de recomendações dos dados oriundos da com- medidas de proteção, são necessárias medidas urgentes pilação preliminar e do conhecimento individual dos de apoio e incentivo a projetos de inventário e estudos participantes do grupo, foram indicadas 29 áreas de taxonomia e sistemática. A situação é ainda mais prioritárias na Mata Atlântica, cinco nos Campos Sulinos, preocupante pois algumas dessas áreas são alvo de pro- e uma parcialmente incluída nos dois biomas (Figura 6). jetos de construção de reservatórios e usinas hidréletricas, Na Mata Atlântica, 23 áreas foram enquadradas em mineração, atividades agrícolas e outros tipos de de- uma das categorias de importância biológica, e seis áre- gradação ambiental, e é possível que muitas espécies as diagnosticadas como insuficientemente conhecidas. tenham deixado de existir antes mesmo de se tornarem A área com taxa mais elevada de endemismo nesse conhecidas.peixes AVALIAÇÃO E AÇÕES PRIORITÁRIAS PARA A CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE DA MATA ATLÂNTICA E CAMPOS SULINOS • 16
  • 21. Figura 5 – Mapa de ecorregiões de água doce como unidades biogeográficas para reconhecimento e indicação de áreas prioritárias para conservação de peixes. peixesAVALIAÇÃO E AÇÕES PRIORITÁRIAS PARA A CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE DA MATA ATLÂNTICA E CAMPOS SULINOS • 17
  • 22. Figura 6 - Mapa de Áreas Prioritárias para a conservação de peixes na Mata Atlântica e Campos Sulinos Áreas Prioritárias - Peixes 1. Bacia do Rio Mamanguape (PB, RN) 14. Alto Rio Santo Antônio (MG) 25. Alto Rio Ribeira (PR, SP) 2. Brejos de Altitude do Rio Natuba (PB) 15. Lagos do Médio Rio Doce (MG) 26. Bacia do Rio Nhundiaquara (PR) 3. Brejos de Altitude do Rio Ipojuca (PE) 16. Cabeceiras dos Rios Pará e Paraopebas 27. Cabeceiras do Rio Iguaçu (PR) 4. Várzeas do Rio São Francisco (AL, SE) (MG) 28. Bacia do Rio Itajaí (SC) 5. Bacia do Rio Itapicuru (BA) 17. Calha do Alto Rio Grande entre Repre- 29. Cabeceiras do Rio Uruguai (Bacias dos 6. Bacia do Rio Paraguaçu (BA) sas de Furnas e Itutinga (MG) Rios Pelotas e Canoas) (RS, SC) 7. Bacia do Rio de Contas (BA) 18. Bacia do Rio Itapemirim (ES, MG) 30. Alto Rio das Antas (RS) 8. Bacia do Rio Una (BA) 19. Bacia do Rio São João (RJ) 31. Cabeceiras do Rio Mampituba (RS, SC) 9. Bacia do Rio Pardo (BA) 20. Parque Nacional da Tijuca (RJ) 32. Cabeceiras dos Afluentes da Margem 10. Bacia do Rio João de Tiba (BA) 21. Rio Parati - Mirim (RJ) Direita do Rio Ibicuí (RS) 11. Bacia do Rio Peruaçu (MG) 22. Bacia do Rio Paraíba do Sul (SP RJ) , 33. Bacia do Rio Maquiné (RS) 12. Bacia do Rio Jequitinhonha (BA, MG) 23. Cabeceiras do Rio Tietê (SP) 34. Alto Rio Quaraí (RS) 13. Bacia do Rio Mucuri (BA, MG) 24. Cabeceiras do Rio Paranapanema (PR) 35. Várzea do Rio Paraná (MS, PR)peixes AVALIAÇÃO E AÇÕES PRIORITÁRIAS PARA A CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE DA MATA ATLÂNTICA E CAMPOS SULINOS • 18
  • 23. Répteis e Anfíbios○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ A Mata Atlântica concentra na Caatinga. No entanto, são conhe- as florestais dos Estados de Minas340 espécies de anfíbios, o que cidas várias espécies endêmicas de Gerais, Paraná, Santa Catarina ecorresponde a cerca de 65% das es- répteis da Mata Atlântica, como Rio Grande do Sul foram propor-pécies brasileiras conhecidas. Mais Hydromedusa maximiliani (cágado) e cionalmente mais estudadas quede oitenta espécies de anfíbios Caiman latirostris (jacaré-do-papo-ama- aquelas do Nordeste, sendo que asanuros (sapos, rãs e pererecas) são relo), e aquelas ameaçadas pela ocu- florestas do Sul do Brasil tendem aendêmicas, podendo incluir famí- pação antrópica, como a Liolaemus apresentar menor riqueza de espé-lias inteiras, como é o caso dos sa- lutzae (lagartixa-da-areia) e a cies em relação às florestas tropi-pos da família Brachycephalidae. subespécie da serpente surucucu cais mais ao Norte, com exceçãoNo caso dos répteis, há 470 espéci- (Lachesis muta rhombeata). Assim, além de certas áreas, como São Bento does no Brasil: 197 representadas na das florestas úmidas, é prioritária tam- Sul, SC, com elevada riqueza eMata Atlântica, o que equivale a bém a preservação de florestas mais endemismos. Também as matas do42% de todas as espécies conheci- secas ou sazonais, bem como de sul do Espírito Santo, Rio de Ja-das no país. áreas abertas como Campos Sulinos. neiro e São Paulo têm alta riqueza Como resultado do trabalho do Analisando as diferentes regiões de espécies e endemismo; são me-grupo temático foram designadas do Brasil inseridas no bioma da lhor conhecidas, porém ainda ca-101 áreas, de tamanhos variáveis, Mata Atlântica, verifica-se que os rentes de estudos, visto que novasprioritárias para a conservação de brejos nordestinos estão entre os espécies são descritas todos os anos.répteis e anfíbios na Mata Atlânti- ambientes menos estudados. As Para os Campos Sulinos, embo-ca e Campos Sulinos (Figura 7). matas mais costeiras do Nordeste, ra pouco estudados, são indicadas A definição de áreas prioritárias proporcionalmente mais estudadas, áreas prioritárias que representampara o grupo de anfíbios fundamen- são, porém, ainda pouco conheci- a fauna de anfíbios e répteis típicastou-se na dependência de ambien- das. Ambas as formações apresen- desse tipo de formação: o Parquetes úmidos e pela baixa capacidade tam elevado grau de endemismo Estadual do Espinilho, as savanasde deslocamento, o que explica a para répteis e anfíbios, e estão mui- da região de Alegrete; restingas,ocorrência de espécies endêmicas, to pressionadas por ação antrópica. campos e banhados da região de Ta-principalmente em ambientes de Particularmente ricas em espécies pes, Arambaré, Santa Rita do Sul,altitude ou com barreiras geográfi- e com elevado grau de endemismo Pacheca e São Lourenço do Sul;cas. Ambientes montanhosos e aci- são as matas do sul da Bahia e nor- restingas e banhados do Taim e Cas-dentados propiciam barreiras à dis- te do Espírito Santo. Os remanes- sino; restingas e lagoas costeiras dopersão de diversos grupos filogené- centes dessa região continuam a município de Torres até o de Rioticos de anuros, ocasionando sofrer forte pressão antrópica. Áre- Grande.especiação em topos de mon-tanhas. O levantamento anu-rofaunístico nesse tipo de am-biente tem demonstrado a exis-tência de diversas espécies no-vas, raras e endêmicas. Portan-to, para os anfíbios é necessá-rio maior empenho na prote-ção de regiões como, por exem-plo, as matas da serra do Mar,serra da Mantiqueira, serra Ge-ral, brejos de altitude do Nor-deste, bem como a MataAtlântica úmida de baixada. répteis e anfíbios Grande parte da fauna derépteis é de ampla distribui-ção geográfica, ocorrendo emoutras formações, como naAmazônia, Cerrado e mesmo Lagarto, Enyalius iheringii - Célio Haddad AVALIAÇÃO E AÇÕES PRIORITÁRIAS PARA A CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE DA MATA ATLÂNTICA E CAMPOS SULINOS • 19
  • 24. Áreas Prioritárias - Répteis e Anfíbios 1. Serra da Meruoca (CE) 52. Região da Serra do Órgãos (RJ) 2. Serra Uruburetama (CE) 53. Tinguá (RJ) 3. Região Metropolitana de Fortaleza (CE) 54. Restingas de Maricá, Araruama e Cabo Frio (RJ) 4. Chapada do Ibiapaba (CE) 55. Região Metropolitana do Rio de Janeiro (RJ) 5. Serra de Maranguape e Aratanha (CE) 56. Região da Bocaina e Paraty (RJ) 6. Serra do Baturité (CE) 57. Ilha Grande (RJ) 7. Serra do Estevão (CE) 58. Parque Catetus (SP) 8. Chapada do Araripe (CE) 59. Complexo da Mantiqueira (RJ, SP MG) , 9. Litoral Sul do Rio Grande do Norte (RN) 60. Parque Estadual Morro do Diabo (SP) 10. Serra de São Miguel (RN) 61. Região de Botucatu (SP) 11. João Pessoa / Mamanguape (PB) 62. Serra do Japi (SP) 12. Pau Ferro (Borborema) (PB) 63. Paranapiacaba / Boraceia (SP) 13. Pico do Jabre (PB) 64. Morro Grande (SP) 14. Litoral Norte de Pernambuco (PE) 65. Parque Estadual da Serra do Mar (SP) 15. Brejo de Triunfo (PB, PE) 66. Ilha de São Sebastião (SP) 16. Brejo dos Cavalos (PE) 67. Ilha de Alcatrazes (SP) 17. Brejo de Madre de Deus (PE) 68. Parques Estaduais: PETAR, Intervales e Carlos Botelho (SP) 18. Serra Negra (PE) 69. Ilha da Queimada Grande (SP) 19. Murici (AL) 70. Parque Estadual de Jacupiranga (SP) 20. Quebrângulo / Bom Conselho (AL, PE) 71. Terço Final do Rio Tibagi (PR) 21. Passo de Camaragibe (AL) 72. Parque Nacional de Ilha Grande até a Foz do Rio Ivaí (PR) 22. Penedo (AL) 73. Bacia do Rio Ivaí (PR) 23. Região Metropolitana de Aracaju (SE) 74. Turvo / Bacia do Ivaí / Nascentes (PR) 24. Rio Real / Abais (SE) 75. Parque Estadual Lauráceas (PR) 25. Região da Chapada Diamantina (BA) 76. Guaraqueçaba / Iguape / Jórgia (PR, SP) 26. Baía de Todos os Santos (BA) 77. Campos Gerais (Parque Estadual Vila Velha, Palmeira) (PR) 27. Serra do Ramalho (BA) 78. Parque Nacional do Iguaçu (PR) 28. Região de Valença (Camamu) (BA) 79. Mananciais da Serra (Vertente Ocidental da Serra do Mar) 29. Ilhéus / Itabuna (BA) (PR) 30. Região de Una (BA) 80. Rio Guarani (PR) 31. Monte Pascoal / Porto Seguro (BA) 81. Rio Jordão (PR) 32. Extremo Sul do Litoral Baiano / Complexo Estuarino de 82. Litoral Sul do Paraná / Serra do Mar (PR) Caravelas (BA) 83. Várzeas de Tijuca do Sul (PR) 33. Bom Jesus da Lapa / Jaiba (BA, MG) 84. Nascentes do Rio Chopim (Campos de Palmas, Matas do 34. Região de Almenara (MG) Sul do Paraná) (SC, PR) 35. Serra dos Aimorés (MG) 85. Serra do Mar Santa Catarina (SC) 36. Região de Teófilo Otoni (MG) 86. Vale do Itajaí / Vale do Rio Tijucas (SC) 37. Região do Alto Rio Doce (MG) 87. Ilhas de Santa Catarina (SC) 38. Região de Caratinga (MG) 88. Serra da Boa Vista (SC) 39. Complexo Belo Horizonte / Caraça / Itacolomi (MG) 89. Serra do Tabuleiro (SC) 40. Serra do Brigadeiro (MG) 90. Parque Nacional de São Joaquim (SC) 41. Serra do Ibitipoca (MG) 91. Região do Parque do Turvo (RS) 42. Região de Poços de Caldas (MG) 92. Parque Florestal de Nonoai (RS) 43. Córrego do Veado / Rio Preto / Itaúnas (ES) 93. Parque Espigão Alto (RS) 44. Sooretama/Rio Doce (ES) 94. Encosta e Canions da Serra Geral (RS, SC) 45. Região de Santa Teresa (ES) 95. Planalto Central do Rio Grande do Sul (RS) 46. Duas Bocas (ES) 96. Parque de Ibirapuitã (RS) 47. Região de Caparaó (ES, MG) 97. Planície Costeira do Sul do Brasil (RS,SC) 48. Região de Domingos Martins (ES) 98. Serra do Sudeste (RS) 49. Restingas de Setiba (ES) 99. Litoral Interno das Lagunas dos Patos (RS) 50. Região de Desengano (RJ) 100. Banhados do Taim (RS) 51. Região de Carapebus (RJ) 101. Serra da Bodoquena (MS).répteis e anfíbios Perereca, Brachycephalus ephippium - Célio Haddad AVALIAÇÃO E AÇÕES PRIORITÁRIAS PARA A CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE DA MATA ATLÂNTICA E CAMPOS SULINOS • 20
  • 25. répteis e anfíbios Figura 7 - Mapa de áreas prioritárias para a conservação de répteis e anfíbios na Mata Atlântica e Campos SulinosAVALIAÇÃO E AÇÕES PRIORITÁRIAS PARA A CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE DA MATA ATLÂNTICA E CAMPOS SULINOS • 21
  • 26. Invertebrados ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ A grande maioria das coleções em conjunto, oferecer subsídios inte- ológica, levando em consideração a de invertebrados não está cataloga- ressantes para a análise pretendida. existência de remanescentes de ve- da nem informatizada; isso se deve As análises realizadas permitiram getação, levantamentos da a razões históricas, ao tamanho dos a identificação de áreas de similari- entomofauna existentes e grau de acervos, ao grau ainda insatisfatório dade faunística, as quais pudessem conservação. Indicou-se 146 áreas de conhecimento sobre muitos gru- gerar hipóteses sobre a divisão da prioritárias para a conservação de pos e à carência de pessoal e equi- Mata Atlântica em oito sub-regiões, invertebrados na Mata Atlântica e pamento. representando a porção sul-sudeste Campos Sulinos: 60 de extrema im- Os trabalhos de priorização de do bioma: 1. Capixaba-sul; 2. Serra portância biológica, 24 de muito alta áreas para conservação do grupo do Mar; 3. Catarinense; 4. Leste de importância biológica, 23 de alta invertebrados baseou-se na distribui- Minas; 5 Mantiqueira; 6. Sul paulista; importância biológica e 39 áreas in- ção de espécies de formigas, opiliões, 7. Planalto meridional; e 8. suficientemente conhecidas mas de aranhas e borboletas. Esses grupos Bodoquena. Para o Nordeste, fo- provável importância biológica (Fi- foram selecionados por incluírem ram analisadas também as priorida- gura 8). espécies importantes no manejo de des estabelecidas no workshop sobre a Devido ao conhecimento escas- ecossistemas (pragas agrícolas, para- Mata Atlântica dessa região, realizado so dos invertebrados desses biomas, sitas ou predadores de outras pra- em 1993, com o objetivo de aprimo- torna-se necessário um esforço con- gas), animais peçonhentos ou vene- rar decisões estabelecidas naquele junto para inventariar áreas remanes- nosos ou bons indicadores de im- evento mediante incorporação de centes, avaliar a possibilidade de pro- pacto ambiental. Além disso, os or- novos conhecimentos. teção e manejo, e fundamentar a ganismos escolhidos representam Dentro das sub-regiões, foram conservação efetiva daquelas de diversas categorias tróficas e podem, definidas as áreas de importância bi- maior valor biológico.invertebrados Borboleta, Morpho sp. -Russell Mittermeier AVALIAÇÃO E AÇÕES PRIORITÁRIAS PARA A CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE DA MATA ATLÂNTICA E CAMPOS SULINOS • 22
  • 27. invertebrados Figura 8 - Mapa de áreas prioritárias para a conservação de invertebrados na Mata Atlântica e Campos SulinosAVALIAÇÃO E AÇÕES PRIORITÁRIAS PARA A CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE DA MATA ATLÂNTICA E CAMPOS SULINOS • 23
  • 28. Áreas Prioritárias - Invertebrados 1. Delta do Parnaíba (PI, MA) 76. Boa Nova (BA) 2. Foz do Ubatuba (PI) 77. Serra Grande (BA) 3. Parque Nacional de Sete Cidades (PI) 78. Itajuipe (BA) 4. Rio Grande do Piauí (PI) 79. Corredor da Área Cacaueira da Bahia (BA) 5. Avelino Lopes / Encosta da Serra do Bom Jesus 80. Una (BA) do Gurguéia (PI, BA) 81. Vitória da Conquista (BA) 6. Camocim / Jericoacoara (CE) 82. Itapetinga (BA) 7. Foz do Acarau (CE) 83. Camacã (BA) 8. Serra da Meruoca (CE) 84. Belmonte / Canavieiras (BA) 9. Uruburetama (CE) 85. Barrolândia (Reserva Gregório Bondar) (BA) 10. Foz do Ceará (CE) 86. Porto Seguro (BA) 11. Serra de Maranguape / Aratanha (CE) 87. Salto da Divisa (BA) 12. Chapada da Ibiapaba (CE) 88. Guaratinga (BA) 13. Serra de Baturité (CE) 89. Parque Nacional de Monte Pascoal (BA) 14. Baixo do Jaguaribe (CE) 90. Reserva Florestal Bralanda (BA) 15. Morada Nova (CE) 91. Alcobaça (Arcel) (BA) 16. Quixadá (CE) 92. Complexo Estuarino de Caravelas (Prado - 17. Estação Ecológica Aiuaba (CE) Mucuri) (BA) 18. Chapada do Araripe (CE) 93. Medeiros Neto / Itanhem (BA) 19. Litoral do Rio Grande do Norte (RN) 94. Nova Viçosa (Arcel) (BA) 20. Serra de São Miguel (RN) 95. Mucuri (Arcel) (BA) 21. Mata da Estrela (RN) 96. Remanescentes de Janaúba (MG) 22. Grupiúna / Mata das Pratas (PB) 97. Rio Mucuri (MG, BA) 23. Mata do Buraquinho (PB) 98. Poços de Caldas (MG) 24. Usina Santa Rita (PB) 99. Juiz de Fora (MG) 25. Pau Ferro (PB) 100. Corredor do Extremo Sul da Bahia / Norte do 26. Jacuípe / Pacatuba (PB) Espírito Santo (ES, BA) 27. Mata do Além (PB) 101. Reserva Biológica Córrego Grande (ES) 28. Açude dos Reis / Cafundó (PB) 102. Reserva Biológica Córrego do Veado (ES) 29. Pico do Jabre (PB) 103. Floresta Nacional do Rio Preto (ES) 30. Abiaí (PB) 104. Parque Estadual de Itaúnas / Grotas da Arcel (ES) 31. Timbaúba (Engenho Água Azul) (PE) 105. Água Doce do Norte (ES) 32. Goiana - Mangue (PE) 106. Região da Barra de São Francisco (ES) 33. Goiana - Mata (PE) 107. São Mateus. Grotas (ES) 34. Água Azul (PB, PE) 108. Ilha de Guriri (ES) 35. Itamaracá (PE) 109. Reserva Biológica Sooretama (ES) 36. Brejo de Triunfo (PE) 110. Reserva Florestal de Linhares (ES) 37. Caetés (PE) 111. Lagoa Juparanã (ES) 38. Brejo de Taquaritinga (PE) 112. Rio Bananal (ES) 39. Tapacurá (PE) 113. Vale do Rio Pancas (ES) 40. Mata dos Dois Irmãos (PE) 114. Delta do Rio Doce (ES) 41. Serra Negra - Bezerros (PE) 115. Linhares / Jacupemba (ES) 42. Manaçu (PE) 116. Santa Teresa (ES) 43. Brejo Madre de Deus / Pesqueira (PE) 117. Caparaó e Vale do Itapemirim (ES, MG) 44. Brejo dos Cavalos (PE) 118. Miracema (RJ) 45. Camaçari (PE) 119. Serra dos Órgãos (RJ) 46. Complexo Gurjaú (PE) 120. Barra de São João (RJ) 47. Sirinhaém (PE) 121. Angra dos Reis / Barra do Piraí / Ilha Grande 48. Serra Negra - Floresta (PE) (RJ) 49. Barreiros (PE) 122. Saquarema (RJ) 50. Complexo Catende (PE) 123. Cajuru (SP) 51. Saltinho (PE) 124. Morro do Diabo (SP) 52. Garanhuns (PE) 125. Itatiaia a Campos do Jordão (SP RJ, MG) , 53. Serra Talhada (PE) 126. Serra da Bocaina (SP RJ) , 54. Bom Conselho (PE) 127. Serra do Mar - SP (SP) 55. Quipapá / Água Preta (AL, PE) 128. Mata do Godoy (PR) 56. Novo Lino (AL) 129. Vila Velha (PR) 57. Murici (AL) 130. Parque Nacional do Iguaçu (PR) 58. Quebrângulo (AL, PE) 131. Guarapuava (PR) 59. Camaragibe (AL) 132. Médio Rio Iguaçu (PR) 60. Água Branca (AL) 133. Cananéia a Joinville / Blumenau (SP PR, SC) , 61. Foz do Meirim / Prataji (AL) 134. Monte Castelo / Santa Cecília (SC) 62. Catolé (AL) 135. Palmas (SC, PR) 63. Lagoa Jequiá / Lagoa Escura (AL) 136. Lages (SC) 64. São Miguel dos Campos (AL) 137. Jaraguá do Sul / Alfredo Wagner (SC) 65. Piaçabuçu (AL) 138. Turvo (RS) 66. Trancoso (BA) 139. Cambará / Vacaria / Aparados da Serra / São 67. Crastos / Santa Luzia (SE) Joaquim / São José dos Ausentes (RS, SC) 68. Restingas ao Norte de Salvador (BA) 140. Santa Maria / Mata / São Vicente do Sul / São 69. Chapada Diamantina - Contrafortes Leste (BA) Pedro do Sul (RS) 70. Recôncavo Baiano e Região Metropolitana de 141. Barra do Quaraí (RS) Salvador (BA) 142. Restinga e encosta dos Aparados da Serra (RS) 71. Ilha de Itaparica (BA) 143. Banhados do Forte de Santa Tecla (RS)invertebrados 72. Wenceslau Guimarães (BA) 144. Feixe Litorâneo Lagoas dos Patos e Manguei- 73. Jequié (BA) ras (RS) 74. Serra do Ramalho (BA) 145. Serra da Bodoquena (MS) 75. Camamú (BA) 146. Inhandui Guaçu (MS). AVALIAÇÃO E AÇÕES PRIORITÁRIAS PARA A CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE DA MATA ATLÂNTICA E CAMPOS SULINOS • 24
  • 29. Flora○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ Mata Atlântica - Haroldo Palo Jr. Considerando a grande diversidade de formações res, onde essa formação constitui amplas áreas de transi-vegetais presentes nos biomas em questão, foram indi- ção (ecótonos), com a floresta estacional semidecidual.cadas 147 áreas prioritárias para conservação, sendo 79 Nas porções mais interiores do Estado de São Paulo ede extrema importância biológica (Figura 9). Cerca de em Minas Gerais várias áreas propostas incluem rema-48% das áreas propostas estão na região Nordeste, prin- nescentes mais ou menos extensos de floresta estacionalcipalmente nos Estados da Bahia, Ceará, Alagoas e semidecidual, representados por fragmentos cujo po-Pernambuco, a maioria de extrema importância bioló- tencial de conectividade ainda carece de maiores in-gica. De um modo geral, as áreas são de pequena ex- vestigações, mas que nem por isso deixam de ser im-tensão, o que reflete a fragmentação existente na Mata portantes como bancos para conservação in situ deAtlântica da região, em parte decorrente de causas na- germoplasma de espécies nativas.turais (formações florestais em meio ao semi-árido como Embora a região Sudeste concentre um conjunto‘brejos’ e ‘encraves’), por outra devido à ocupação hu- substancial das mais renomadas instituições de pesqui-mana e seu conseqüente impacto sobre a vegetação. sa na área ambiental, nela foram plotadas a maioria Algumas dessas áreas merecem destaque, como os das áreas consideradas de provável importância bioló-‘brejos do Nordeste’, tendo em vista o grande potenci- gica mas insuficientemente conhecidas. Grande parte des-al para ocorrência de endemismos e de espécies ainda sas áreas representa justamente remanescentes de flores-desconhecidas. As áreas de ‘mata seca’ (floresta ta estacional semidecidual, sendo, por isso necessário umestacional decidual) localizadas em porções mais inte- maior esforço para analisar o efeito da fragmentação flo-riores da região também sobressaem, uma vez que, além restal na composição quali-quantitativa e dinâmica da ve-de constituírem áreas de valor biológico, estão sob pres- getação.são, por causa da extração de madeira, da mineração e Na região Sul do Brasil destaca-se a floresta ombrófilada ampliação de áreas agrícolas. As florestas situadas mista, mais conhecida como floresta com araucária.no sul da Bahia e norte do Espírito Santo são forma- Trata-se de vegetação com ocorrência praticamente res-ções muito interessantes, sob o aspecto fitogeográfico, trita a essa região, cujo ritmo de desmatamento provo-com ocorrência de vários táxons amazônicos em meio cou uma diminuição de sua área de distribuição a me-a outros tipicamente atlânticos, além da presença de nos de 5% da superfície originalmente ocupada.grande diversidade de espécies. A escolha de áreas prioritárias para conservação de Na região Sudeste, extensas áreas foram indicadas Campos Sulinos considerou, em especial, a nature-como prioritárias. Começam no litoral norte do Paraná za fragmentada da área de ocorrência dos campos,e acompanham a costa até a divisa dos Estados do Rio acentuada pelas atividades antrópicas, pois existemde Janeiro e Espírito Santo, incluindo algumas das áre- alguns indícios de variação entre ‘manchas’ de cam-as melhor conservadas de floresta ombrófila densa atlân- pos com tamanhos e localização diferentes. Dessatica do Brasil: trechos da conhecida serra do Mar, com forma, procurou-se abranger as diferentes formaçõesvárias denominações regionais, e serras mais interio- inseridas no bioma. flora AVALIAÇÃO E AÇÕES PRIORITÁRIAS PARA A CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE DA MATA ATLÂNTICA E CAMPOS SULINOS • 25
  • 30. Áreas Prioritárias - Flora 1. Delta do Parnaíba (PI, MA) 39. Complexo Catende (PE) 97. Remanescentes Florestais do Vale do 2. Foz do Ubatuba (PI) 40. Saltinho / Complexo de Gurjaú / Rio Pancas (ES) 3. Serra da Capivara (PI) Sirinhaém / Barreiros (PE, AL) 98. Delta do Rio Doce e Remanescente na 4. Camocim / Jericoacoara (CE) 41. Itaparica (PE) Lagoa do Juparanã (ES) 5. Foz do Acaraú (CE) 42. Garanhuns (PE) 99. Santa Teresa / Santa Leopoldina / Santa 6. Serra da Meruoca (CE) 43. Quipapá / Água Preta (AL, PE) Rita do Jequitibá (ES) 7. Uruburetama (CE) 44. Novo Lino (AL) 100. Remanescentes entre Cariacica e Do- 8. Foz do Ceará (CE) 45. Murici (AL) mingos Martins, incluindo a Reserva Bioló- 9. Serra de Maranguape (CE) 46. Bom Conselho (AL, PE) gica Duas Bocas (ES) 10. Chapada da Ibiapaba (CE) 47. Camaragibe (AL) 101. Serra dos Fornos (Pedra Azul e Entor- 11. Serra do Baturité (CE) 48. Quebrângulo (AL, PE) no de Marechal Floriano) (ES) 12. Baixo Jaguaribe (CE) 49. Barra de Santo Antônio / Fazenda Matão 102. Caparaó (MG, ES) 13. Quixadá-Estevão (CE) / Catolé / Foz do Meirim (AL) 103. Remanescentes da Bacia do Rio 14. Estação Ecológica Aiuaba (CE) 50. Lagoa do Jequiá (AL) Itapemirim (ES) 15. Litoral Norte do Rio Grande do Norte (RN) 51. Piaçabuçu (AL) 104. Remanescentes na Serra das Torres (ES) 16. Litoral Sul do Rio Grande do Norte (RN) 52. Reserva Biológica Santa Isabel / Pirambú 105. Remanescentes Florestais de Terras Bai- 17. Serra de São Miguel (RN) / Ponta dos Mangues (SE) xas no Norte do Estado do Rio de Janeiro (RJ) 18. Mata da Estrela (RN) 53. Região Metropolitana de Aracajú (SE) 106. Remanescentes Florestais do Vale do 19. Complexo de Mamanguape (PB) 54. Serra de Itabaiana (SE) Paraíba no Estado do Rio de Janeiro (RJ) 20. Mata do Buraquinho (PB) 55. Rio Real / Abais (SE) 107. Maciços da Serra do Mar no Trecho da 21. Pau Ferro (PB) 56. Formosa do Rio Preto / Mansidão (BA, PI) Serra do Desengano até Serra dos Órgãos (RJ) 22. Jacuípe / Pacatuba (PB) 57. Barra (BA) 108. Remanescentes Florestais sobre Mor- 23. Usina Santa Rita / Mata do Além (PB) 58. Miguel Calmon / Jacobina (BA) ros Mamelonares e Baixadas de Silva Jar- 24. Açude dos Reis / Cafundó (PB) 59. Bonito (BA) dim e Casemiro de Abreu (RJ) 25. Pico do Jabre (PB) 60. Área Metropolitana de Salvador / Área 109. Remanescente Florestais da Região 26. Timbaúba (PB) de Proteção Ambiental Litoral Norte da Bahia do Lagos (RJ) 27. Abiaí (PB) e Matas Circuvizinhas (BA) 110. Maciços Litorâneos entre Niterói e 28. Chapada do Araripe (PE, CE) 61. Serra da Chapadinha / Lençóis (BA) Saquarema (RJ) 29. Vicência / Aliança (PE) 62. Matas a Oeste da Baia de Todos os San- 111. Maciços Litorâneos do Município do 30. Brejo do Triunfo (PE, PB) tos (BA) Rio de Janeiro (RJ) 31. Goiana - Mangue / Mata de Dois Irmãos 63. Matas de Encosta da Chapada Diamanti- 112. Rifaina (SP) / Itamaracá (PE) na (BA) 113. Olímpia (Rio Grande) (SP) 32. Brejo de Taquaritinga (PE) 64. Serra da Jibóia (BA) 114. Orlândia / Morro Agudo (SP) 33. Tapacurá (PE) 65. Maracás (BA) 115. Valparaíso / Baixo Tietê (SP) 34. Serra Negra / Bezerros (PE) 66. Serra do Ramalho (BA) 116. Aguapeí (SP) 35. Brejo da Madre Deus (PE) 67. Pico das Almas / Pico do Barbado (BA) 117. Novo Horizonte (SP) 36. Manaçu / Camaçari (PE) 68. Wenceslau Guimarães (BA) 118. São José do Rio Pardo (SP MG), 37. Brejo dos Cavalos (PE) 69. Jequié (BA) 119. Matão (SP) 38. Serra Negra (PE) 70. Boa Nova (BA) 120. Jacaré / Pepira (SP) 71. Itajuipe / Serra Grande (BA) 121. Serra de Marília (SP) 72. Vitória da Conquista 122. Barreiro Rico (SP) 73. Belmonte / Canavieiras / Una / 123. Serra da Mantiqueira (SP RJ) , Camacã / Itapetinga (BA) 124. Mosquito (SP) 74. Trancoso / Porto Seguro (BA) 125. Maciços da Serra do Mar entre Sepetiba 75. Salto da Divisa (MG, BA) e Paratí (SP RJ) , 76. Reserva Florestal Bralanda (BA) 126. Serra do Japi (SP) 77. Complexo Estuarino de Caravelas 127. Serra da Cantareira (SP) (BA) 128. Serra do Mar - Norte (SP) 78. Bandeira (MG) 129. Morro Grande / Ibiúna (SP) 79. Teófilo Otoni (MG) 130. Serra do Mar - Centro (SP) 80. Rio Vermelho (MG) 131. Remanescentes da Bacia do Ivaí (PR) 81. Macedônia (MG) 132. Serra de Paranapiacaba (SP PR) , 82. Resplendor (MG) 133. Ponta Grossa / Castro (PR) 83. Rio Doce (MG) 134. Lagamar (SP PR) , 84. Caratinga (MG) 135. Parque Nacional do Iguaçu (PR) 85. Mata do Sossego (MG) 136. Região Centro Sul do Paraná / São 86. Ouro Preto (MG) Mateus do Sul / Canoinhas (PR, SC) 87. Zona da Mata 1 (MG) 137. Nordeste de Santa Catarina e Litoral 88. Serra do Brigadeiro (MG) Sul do Paraná (PR, SC) 89. Pedra Dourada (MG) 138. Centro - Sul do Paraná / Norte de San- 90. Ibitipoca (MG) ta Catarina (PR, SC) 91. Andradas (MG) 139. Vale do Itajaí / Tijucas (SC) 92. Reserva Biológica Córrego Gran- 140. Serra do Tabuleiro e Campos de Alti- de (ES, BA) tude (SC) 93. Reserva Biológica Córrego do Ve- 141. Região de Nonoai (RS) ado / Floresta Nacional Rio Preto 142. Aparados da Serra / Rio Pelotas / Vale 94. Remanescentes Florestais da Ba- do Rio das Antas (SC, RS) cia do Rio São Mateus (ES) 143. Campos e Matas da Região Central (RS) 95. Remanescente entre Ecoporan- 144. Campanha Oeste (RS) ga e Barra de São Francisco (ES) 145. Rio Camaquã (RS) 96. Reserva Biológica de Sooretama 146. Bodoquena (MS) e Reserva Florestal da CVRD (ES) 147. Pontal do Paranapanema (MS, SP PR) ,flora Heliconia sp. - Zig Koch AVALIAÇÃO E AÇÕES PRIORITÁRIAS PARA A CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE DA MATA ATLÂNTICA E CAMPOS SULINOS • 26
  • 31. Figura 9 - Mapa de áreas prioritárias para a conservação da flora na Mata Atlântica e Campos Sulinos floraAVALIAÇÃO E AÇÕES PRIORITÁRIAS PARA A CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE DA MATA ATLÂNTICA E CAMPOS SULINOS • 27
  • 32. Fatores Abióticos ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ Sob as manchas de presença e cos que conectam os biomas da aqüíferos. Convém ressaltar as áreas ausência de fragmentos de vegeta- Mata Atlântica e de Campos que apresentam alta biodiversidade, ção foram considerados alguns ele- Sulinos entre si, ou esses a outros onde há mosaicos com maior núme- mentos abióticos como classes de ecossistemas sul-americanos. ro de classes de solos articuladas, solos, sistemas hídricos, geomorfo- Com base nesses critérios, fo- como por exemplo, nas áreas de con- lógicos e formações geológicas e, em ram identificadas 18 áreas prioritá- tato entre as formações serra Geral alguns casos, características climá- rias para ações de conservação, sen- com as do Arenito (Botucatu e Ro- ticas especiais. A fragilidade dos do 13 de extrema importância, uma sário do Sul) e a dos siltitos (rio do fatores abióticos à ação antrópica de muito alta importância e qua- Rastro). aparece principalmente na susceti- tro de alta importância (Figura 10). Recomenda-se ainda a obtenção bilidade erosiva de certas classes de Destaca-se a região dos tabuleiros de mais informações sobre ocorrên- solo, na instabilidade do sistema costeiros, especialmente nas áreas cias de outras áreas e formações, hídrico e na instabilidade geológi- íngremes. Esses solos, mesmo nas que permitam mapeamento com- ca, embora situações de microcli- condições naturais, apresentam pleto do componente abiótico des- ma possam estar sujeitas às graves densidade elevada com baixa capa- ses biomas. Um exemplo é a região conseqüências da antropização. cidade de infiltração de água, e com da província de São Pedro, RS, com Apesar da carência de informa- isso há nas áreas mais íngremes a área de árvores petrificadas e regi- ções básicas, foram propostas três retirada do horizonte A. Deve-se ões de importância paleontológica e formas de identificação das priori- dar também atenção às áreas de arqueológica. São valiosas também dades de conservação: chapadas, como a do Araripe, as áreas de interesse espeleológico 1. regiões com mais variabilida- Ibiapaba e a serra do Machado, CE, que incluem a ocorrência de caver- de de fatores e que potencializam a região das encostas da chapada nas em regiões de arenito, priorizadas uma maior biodiversidade local, por Diamantina, BA, e serra Negra, inicialmente pela preservação dos oferecerem à biota condições ener- PE, importantes na proteção dos aqüíferos e pela suscetibilidade géticas amplamente diferenciadas mananciais e na recarga dos erosiva dos solos. em pequeno espaço relativo. É o caso de regiões com mosaicos de ti- pos de solos, com características quí- micas e físicas bem distintas, asso- ciados à confluência de condições climáticas e geomorfológicas díspa- res, que podem ocorrer em áreas de contato entre formações geológicas; 2. regiões onde aparecem fato- res abióticos frágeis à ação antrópica, como áreas formadoras de micro- climas, mananciais e recarga de aqüíferos, solos com alta suscetibi- lidade à erosão, cuja seleção pode estar associada às estratégias de pre- servação de corredores ecológicos naturais ou legais; 3. regiões cuja associação de fa- tores abióticos propicia maior flu-fatores abióticos xo energético e biológico, sendo res- ponsável pelas trocas genéticas en- tre regiões. É o caso da área de con- tribuição de grandes corpos hídri- Serra do Mar, SP - Russell Mittermeier AVALIAÇÃO E AÇÕES PRIORITÁRIAS PARA A CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE DA MATA ATLÂNTICA E CAMPOS SULINOS • 28
  • 33. Figura 10 - Mapa de áreas prioritárias para ações de conservação considerando os fatores abióticos da Mata Atlântica e Campos Sulinos Áreas Prioritárias - Fatores Abióticos 1. Região da Serra de Ibiapaba (CE) 2. Serra do Machado (CE) 3. Região da Chapada do Araripe (CE, PE, PI) 4. Vale do São Francisco (BA) 5. Planície Costeira 6. Podzóis Hidromórficos (ES) 7. Região de São Gabriel da Palha (ES) 8. Deltas do Rio Doce e Paraíba do Sul (ES, RJ) 9. Marília e Lins (SP) 10. Cabo Frio (RJ) 11. Vale do Ribeira (SP) 12. Ponta Grossa (PR) 13. Serras Geral, do Mar e da Mantiqueira (RS, SC, PR, SP RJ, ES) , 14. Nascentes dos Rios das Antas e Pelotas fatores abióticos (RS, SC) 15. Região do Deserto de Alegrete (RS) 16. Vale do rio Jacuí (RS) 17. Campos da Campanha Gaúcha 18. Lagunas Costeiras do Litoral Sul do Rio Grande do Sul.AVALIAÇÃO E AÇÕES PRIORITÁRIAS PARA A CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE DA MATA ATLÂNTICA E CAMPOS SULINOS • 29
  • 34. Pressão Antrópica ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ A região que compreende a Mata sobre os recursos naturais (Mercosul, cos públicos não agrave a conversão Atlântica e Campos Sulinos caracte- gasoduto, rodovias etc.). de matas em áreas agrícolas; agri- riza-se por forte ocupação popula- Como resultado final, foram de- cultura - garantir que a cional. Aproximadamente 112 mi- finidas 36 áreas (Figura 11), dividi- implementação dos assentamentos e lhões de habitantes residem em mu- das em dois grupos distintos: 1. áre- a expansão agrícola ocorram em áre- nicípios existentes no domínio dos as de pressão alta, que correspondem as já desmatadas, como também in- dois biomas, correspondendo a às proximidades de regiões metropo- corporar a sustentabilidade ambiental 71,3% da população total do Brasil. litanas, algumas cidades de médio por- nos mesmos, e estudar a possibilida- Os dados demográficos indicam den- te, como São José dos Campos, Juiz de de negociação das dívidas agríco- sidade elevada, superior à média bra- de Fora e Dourados, ao longo da BR- las em troca de benefícios ambientais; sileira. No período 1991 a 1996, a 101 no Nordeste; e pontos dispersos manejo florestal – enfatizou-se a taxa de crescimento populacional foi no interior de São Paulo, oeste do importância de não permitir a explo- de 1,26% ao ano. O grau de urbani- Paraná e Santa Catarina; e 2. áreas ração madeireira em floresta primá- zação também é alto, cerca de de pressão antrópica média-alta, com ria ou secundária avançada, e tam- 83,41%, também superior à média pressões específicas e que merecem bém a reavaliação dos planos de brasileira (70,59%). cuidados especiais: vale do Jequiti- manejo, visando uma estratégia de A economia da região é muito nhonha e oeste da Bahia, vale do consorciamento entre a extração de diversificada. As atividades agropecu- médio Paraíba, vale do Ribeira e li- madeira e produtos não-madeireiros árias apresentam grande concentração toral de São Paulo. (plantas medicinais e frutos, entre no interior de São Paulo e nos estados Uma estratégia comum a todas outros); incentivos econômicos – da região Sul. As zonas industriais, essa áreas é a abordagem integrada incorporação de cobrança por ser- concentradas basicamente em torno água, biodiversidade e carbono, a re- viços ambientais prestados, promo- das principais regiões metropolitanas partição eqüitativa dos custos e dos ção do uso da taxa de reposição flo- e dos eixos de desenvolvimento, ge- benefícios para as comunidades lo- restal por associações e incentivos ram pressões sobre a biodiversidade à cais, e a valorização da sociobiodi- fiscais para estímulo da conservação medida que necessitam de recursos versidade associada à biodiversida- e uso sustentável dos recursos natu- naturais e energia para suprimento das de. Recomendações específicas fo- rais; municipalização – disciplina- atividades. A extração de madeira, a ram estabelecidas para diversos se- mento da expansão urbana, desen- silvicultura, a pesca e o turismo tam- tores: planejamento – é importan- volvimento de programas de educa- bém ocorrem na região, e são impor- te a retomada do gerenciamento cos- ção ambiental, e a aplicação mais ade- tantes para a avaliação dos impactos teiro, GERCO, assim como garantir quada das leis existentes, como a Lei sobre a biodiversidade. que o saneamento financeiro de ban- de Crimes Ambientais. Os níveis de pressão antrópica foram deter minados mediante a superposição dos dados provenien- tes do Índice de Pressão Antrópica- IPA com o mapa de remanescentes, identificando e agrupando municípi- os em áreas de pressão alta ou mé- dia-alta. O IPA consiste em metodologia do tipo estoque-fluxo, baseada em dados municipais sobre densidade e crescimento da popula- ção urbana e rural, grãos (arroz, mi- lho, feijão, soja e trigo) e bovinos. Os dados em questão existem para to-pressão antrópica dos os municípios, oferecendo uma visão geral da situação. Para auxiliar a análise, foram debatidos também, em uma visão prospectiva, os novos projetos governamentais, como o Avança Brasil e os eixos de desen- volvimento capazes de gerar pressão Sul da Bahia - Haroldo Castro AVALIAÇÃO E AÇÕES PRIORITÁRIAS PARA A CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE DA MATA ATLÂNTICA E CAMPOS SULINOS • 30
  • 35. Figura 11 – Mapa das principais áre- as de pressão antrópica na Mata Atlân- tica e Campos SulinosÁreas de Pressão Antrópica 12. Belo Horizonte (MG) 24. Norte do Paraná (PR)1. BR - 222 Ceará (CE) 13. Zona da Mata de Minas Gerais (MG) 25. Curitiba / Castro (PR)2. Chapada do Araripe (CE) 14. Sul de Minas (MG) 26. Oeste do Paraná (PR)3. Zona da Mata do Nordeste (BA,PE, AL, 15. Litoral do Espírito Santo (ES) 27. Abelardo Luz (PR, SC)SE, PB, RN) 16. Macaé / Campos (RJ) 28. Curitibanos / Caçador (SC)4. Oeste da Bahia e Chapada Diamantina 17. Médio Paraíba (Fluminense) (RJ, MG) 29. Extremo Oeste de Santa Catarina (SC) pressão antrópica(BA) 18. Região dos Lagos (RJ) 30. Florianópolis / Vale do Itajaí / Joinville5. Sebastião Laranjeiras (BA) 19. Lagos e Serra dos Órgãos (RJ) (SC)6. Vitória da Conquista (BA) 20. Estado de São Paulo (exceto Vale do 31. Serra Gaúcha (RS)7. Sul da Bahia (BA) Ribeira e extremo oeste) (SP) 32. Pontal / Mercosul (RS)8. Matas do Jaíba (MG) 21. Litoral Norte do Estado de São Paulo e 33. Porto Alegre (RS)9. Jequitinhonha (MG) Sul do Rio de Janeiro (SP, RJ) 34. Pelotas / Rio Grande (RS)10. Triângulo Mineiro (MG) 22. Vale do Ribeira (SP) 35. Bodoquena (MS)11. Vale do Aço (MG) 23. Vale do Paraná (PR) 36. Dourados (MS) AVALIAÇÃO E AÇÕES PRIORITÁRIAS PARA A CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE DA MATA ATLÂNTICA E CAMPOS SULINOS • 31
  • 36. Áreas Protegidas ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ Dois critérios direcionaram os trabalhos do grupo temático de áreas protegidas: a necessidade de ampliar a representatividade das tipologias vegetais no sistema Parque Nacional Aparados da Serra, RS - Zig Koch de unidades de conservação e a urgência de promover a conectividade entre essas mesmas unidades. Não resta dúvida que a área coberta por unidades de conservação tre as unidades de conservação. federais de proteção integral na Mata Atlântica e Cam- Várias recomendações foram apresentadas para auxi- pos Sulinos é insuficiente para conservar parcela signi- liar na consolidação de uma rede de áreas protegidas para ficativa da biodiversidade que abrangem. A grande maio- a Mata Atlântica e Campos Sulinos: 1. integrar e disponi- ria das ecorregiões apresenta menos de 1% de suas áreas bilizar informações básicas sobre as unidades de conser- ocupadas por unidades de conservação. Mais ainda, as vação; 2. estabelecer programa especial de apoio a pes- existentes protegem apenas pequena parte dos conjuntos quisas em áreas protegidas; 3. estabelecer sistema de ava- espaciais formados pela combinação de tipos de vegeta- liação e monitoramento da eficácia das unidades de con- ção x ecorregião. A porcentagem de tipos de vegetação servação; 4. utilizar o planejamento biorregional como representados nas unidades de conservação por ecorregião instrumento básico para definir paisagens sustentáveis para variou de 17 (manguezais e Campos Sulinos) a 62,5% a conservação da biodiversidade, que exigem grandes áreas (florestas de araucária). Somente quatro ecorregiões (Cam- nucleares compostas por unidades de conservação de pro- pos de altitude, florestas secas do Nordeste, florestas da teção integral; 5. conservar as maiores áreas de remanes- serra do Mar e florestas de araucária) tiveram 50% ou centes em cada estado como unidades de conservação mais dos seus tipos de vegetação representados em uni- públicas, de proteção integral; 6. ampliar e implementar dades de conservação. Por isso, deve-se buscar estratégi- as unidades de conservação existentes; 7. garantir que as para ampliar as áreas existentes e criar novas unidades, pelo menos 60% dos remanescentes atuais de mata atlân- especialmente aquelas de proteção integral, já que essas tica estejam oficialmente protegidos como unidades de constituem o núcleo dos sistemas de conservação da bio- conservação públicas de proteção integral até o ano de diversidade, funcionando como fonte de populações de 2004; 8. identificar e fomentar tecnologias ambientais no várias espécies para as áreas adjacentes sob outras formas entorno das unidades de conservação de proteção inte- de manejo. gral, consolidando zonas de amortecimento; 9. incorpo- Quatro categorias de ação foram definidas para as 80 rar toda a terra devoluta à União, de interesse ambiental, áreas indicadas no mapa de prioridades (Figura 12): 1. ao sistema de unidades de conservação; 10. promover a para o maior número (40) sugeriu-se a criação de novas cooperação com o INCRA e institutos estaduais de terra unidades de conservação, visando a complementação do para solucionar as invasões e ocupações de populações sistema de áreas protegidas dos biomas; 2. 19 áreas fo- humanas em unidades de conservação de proteção inte- ram indicadas para a implementação e regularização gral; 11. priorizar a solução da questão fundiária das uni- fundiária de unidades de conservação existentes; 3. em 7 dades de conservação nas agendas governamentais; 12. áreas, indicou-se a ampliação de unidades de conserva- aumentar os recursos humanos que atuam na gestão das ção existentes; e 4. 14 tiveram propostas para o estabele- unidades de conservação, bem como realizar capacitação cimento de corredores ecológicos e manejo das áreas en- específica. Áreas Prioritárias - Áreas Protegidas 1. Parque Nacional da Serra das 12. Jacuipe / Pacatuba (PB) 24. Rio Real (SE) 36. Belmonte / Canavieiras (BA) Confusões (PI) 13. Goiana (PE) 25. Avelino Lopes (BA, PI) 37. Parque Nacional do Pau 2. Uruburetama (CE) 14. Taquaritinga (PE) 26. Rui Barbosa (BA) Brasil (BA) 3. Meruoca (CE) 15. Madre de Deus (PE) 27. Litoral Norte da Bahia (BA) 38. Parque Nacional de Monte 4. Maranguape (CE) 16. Brejo dos Cavalos (PE) 28. Parque Nacional da Chapada Pascoal (BA) 5. Parque Nacional de Ubajara (CE) 17. Reserva Biológica Saltinho (PE) Diamantina (BA) 39. Caravelas (BA) 6. Baturité (CE) 18. Reserva Biológica Serra 29. Recôncavo (BA) 40. Peruaçú (MG) 7. Chapada do Araripe (CE) Negra (PE) 30. Estação Ecológica Estadual 41. Salto da Divisa (MG) 8. São Miguel (RN) 19. Murici (AL) Wenceslau Guimarães (BA) 42. Rio Mucuri (MG)áreas protegidas 9. Mata da Estrela (RN) 20. Reserva Biológica Pedra 31. Santa Maria da Vitória (BA) 43. Matas de Itumbiara / 10. Reserva Biológica Guaribas Talhada (AL, PE) 32. Macaúbas (BA) Araguari (MG) / Área de Proteção Ambiental da 21. Lagoa de Jequiá (AL) 33. Camamu (BA) 44. Zona da Mata Mineira (MG) Barra do Mamanguape (PB) 22. Área de Proteção Ambiental 34. Parque Estadual da Serra do 45. Campos de Altitude da Serra 11. Reserva Ecológica Estadual Piaçabuçu (AL) Conduru (BA) da Mantiqueira (MG) Pau - Ferro (PB) 23. Aracajú (SE) 35. Reserva Biológica de Una (BA) 46. Itaúnas (ES) AVALIAÇÃO E AÇÕES PRIORITÁRIAS PARA A CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE DA MATA ATLÂNTICA E CAMPOS SULINOS • 32
  • 37. Figura 12 - Mapa de áreas prioritárias para ações em unidades de conserva- ção na Mata Atlântica e Campos Sulinos47. Reserva Biológica de (RJ, SP) 61. Paranapanema / Itaberá (SP) 69. Turvo (RS, SC)Sooretama (ES) 57. Paulo Faria / Sertãozinho / 62. Ilha do Cardoso / Juréia - 70. Parque Nacional do Iguaçu (PR)48. Linhares (ES) Pindorama / Furnas de Bom Itatins / Chavãs / Campina do 71. Rio Pelotas (RS, SC)49. Cabruca (ES) Jesus / Vassununga / Mogi - Encantado (SP) 72. São Joaquim / Aparados da50. Santa Teresa (ES) Guaçú / Águas da Prata (SP) 63. Área Núcleo do Parque Es- Serra (RS, SC)51. Parque Nacional do Caparaó 58. Caetetus / Bauru / Andradina tadual Guartecá (PR) 73. Quarta Colônia (RS)(ES, MG) / Rio do Peixe (SP) 64. Floresta Nacional de Iraty / 74. Espinilho (RS)52. Jacarenema (ES) 59. Campos do Jordão / Manan- Reserva Biológica de Iraty (PR) 75. Ibirapuitã (RS)53. Cachoeira da Fumaça (ES) ciais de Campos do Jordão / 65. Serra do Mar / Parque 76. Lagoa do Peixe (RS) áreas protegidas54. Parque Estadual Vila Rica (PR) Itatiaia / Usina do Fogo e Área Nacional de Superagui / Parque 77. Rio Camaquã (RS)55. Reserva Biológica de Poço de Proteção Ambiental da Estadual do Marumbi (PR, SP) 78. Taim (RS)das Antas (RJ) Mantiqueira (SP RJ) , 66. Araucária (PR, SC) 79. Serra da Bodoquena (MS)56. Parque Estadual da Serra do 60. Alberto Luefgren / Fontes 67. Vale do Itajaí (SC) 80. Área Núcleo Morro do DiaboMar / Parque Nacional da Serra Ipiranga / Cantareira / Jaraguá / 68. Parque Estadual da Serra / Ilha Grande (PR, SP MS). ,dos Órgãos / Intervales e PETAR Juqueri e Jurupará (SP) do Tabuleiro (PR) AVALIAÇÃO E AÇÕES PRIORITÁRIAS PARA A CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE DA MATA ATLÂNTICA E CAMPOS SULINOS • 33
  • 38. Planejamento Regional ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ O planejamento regional no Bra- Atlântica (Corredores Ecológicos de decisões. Para isso, é preciso sil sempre esteve ligado ao desen- do Descobrimento e da Serra do prestar informações sobre os pro- volvimento econômico e social, en- Mar), no âmbito do Programa Pi- blemas institucionais, técnicos e quanto as questões ambientais eram loto para a Proteção das Flores- políticos enfrentados para manter tratadas de maneira setorial em pla- tas Tropicais do Brasil, conheci- a qualidade ambiental, tanto em ter- nos específicos, relacionadas em ge- do como PPG-7. Por meio desse mos de conservação de biodiver- ral a uma área legalmente protegi- enfoque, em vez de se perpetuar sidade como de recursos naturais, da. A primeira abordagem um pou- o planejamento pontual, as neces- como água e solo. co mais integrada surgiu em 1981 sidades da biodiversidade são exa- O setor ambiental, que na déca- com a publicação da Política Naci- minadas em maior escala, desen- da de 90 consolidou uma visão mais onal do Meio Ambiente, que tem volvendo estratégias conjuntas abrangente e integrada sobre as ques- entre seus objetivos a “compatibi- para as unidades de conservação tões de conservação da biodiversi- lização do desenvolvimento econô- e para os espaços não estritamen- dade, agora deverá centrar esforços mico-social com a preservação da te protegidos, com a meta final para encontrar caminhos que garan- qualidade do meio ambiente e do de incrementar a real extensão tam a efetividade das ações propos- equilíbrio ecológico”. Dessa ma- disponível para a conservação. tas (reserva da biosfera, corredores neira, mesmo que de modo indi- O planejamento regional da de biodiversidade etc.). Grandes reto, o componente ambiental Mata Atlântica e Campos Sulinos possibilidades já foram criadas para passou a ser considerado nos pla- só terá sentido quando se tornar a consolidação de um desenvolvi- nos de desenvolvimento, uma parte integrante do planejamen- mento mais sustentável em termos vez que se tornou obrigatório o to do desenvolvimento da região, ambientais, sociais e econômicos. As licenciamento ambiental para o que significaria a adoção de um perspectivas futuras tornam-se mais qualquer “construção, instalação, modelo de desenvolvimento sus- favoráveis se considerados os avan- ampliação e funcionamento de es- tentável nesses biomas. A constru- ços na discussão em torno da tabelecimentos e atividades utili- ção desse modelo passa obrigato- temática ambiental, conseguidos zadoras de recursos ambientais, riamente pela mudança de cultura com o incremento de fóruns de par- considerados efetiva e potencial- e paradigmas, que só poderá ser al- ticipação e o aumento da cidadania, mente poluidores, bem como os cançada a longo prazo com a par- premissas fundamentais às profun- capazes, sob qualquer forma, de ticipação da sociedade na tomada das mudanças sociais. causar degradação ambiental”. Desde então, várias ações de planejamento e ordenamento ter- ritorial foram implementadas ou estão em curso, em particular na Mata Atlântica. Como exemplos de experiências em andamento; podem ser citadas as áreas de pro- teção ambiental - APAs (catego- ria de unidade de conservação de uso sustentável) e, numa escala maior, a Reserva da Biosfera daplanejamento regional Mata Atlântica (Figura 13). Mais recentemente, foi introduzido outro mecanismo de planejamen- to, os corredores ecológicos do Projeto Parques e Reservas pro- postos para a Amazônia e Mata Sul da Bahia - Anthony Rylands AVALIAÇÃO E AÇÕES PRIORITÁRIAS PARA A CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE DA MATA ATLÂNTICA E CAMPOS SULINOS • 34
  • 39. planejamento regional Figura 13 – Mapa da Reserva da Biosfera da Mata Atlântica e corredores ecológicos do Projeto Parques e Reservas do PPG-7. Fonte: Instituto Socioambiental.AVALIAÇÃO E AÇÕES PRIORITÁRIAS PARA A CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE DA MATA ATLÂNTICA E CAMPOS SULINOS • 35
  • 40. Estratégias de Conservação ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ Para a Mata Atlântica, o conjunto de do Ministério Público, da Magistratura e de ONGs recomendações listadas pelo workshop deve ser uma ambientalistas; c) fortalecimento e integração contribuição à Política de Conservação e institucional, com destaque para a capacitação de Desenvolvimento Sustentável da Mata Atlântica, cujas recursos humanos nas instituições (governamentais ou diretrizes foram aprovadas pelo CONAMA, em dezembro não), especialmente no âmbito local, assegurando de 1998. Para os Campos Sulinos, as recomendações participação da sociedade civil nos órgãos colegiados, e apresentadas aqui significam um passo inicial na promovendo parcerias e redes voltadas à conservação definição de políticas específicas para a proteção desse da Mata Atlântica. bioma. Uma estratégia similar à adotada para a Mata Atlântica deve ser tomada como ‘modelo’ para defesa 3. Política de Recuperação, do bioma. Monitoramento e Controle Estão agrupadas em cinco principais linhas de ação as a) Licenciamento ambiental, aprimorando os recomendações finais sobre as prioridades de conservação processos referentes às audiências públicas, aos estudos da Mata Atlântica. de capacidade de suporte regional, e disponibilizando na Internet as informações geradas nos procedimentos 1. Política de Áreas Protegidas e de licenciamento e monitoramento; b) denúncias de Ordenamento Territorial agressões ambientais, promovendo a criação de a) Criação e implantação efetiva das unidades ouvidorias, de disque-denúncias, de mecanismos de de conservação, em especial as de proteção integral, monitoramento e de divulgação das ações adotadas em para assegurar a conservação da biodiversidade; e as de decorrência de acusações; c) recuperação e uso sustentável, para um trabalho integrado com as recomposição de áreas degradadas, com destaque comunidades tradicionais. Para tanto, é imprescindível a para o uso do instrumento do ‘termo de compromisso de regularização fundiária, o fortalecimento e integração das ajustamento de conduta’ pelo Ministério Público e outros instituições gestoras, as parcerias com a sociedade civil e órgãos públicos, obrigando a recuperação da área a busca da sustentabilidade financeira dessas unidades; degradada, bem como incentivos para o enriquecimento b) definição de áreas e ações prioritárias para de formações vegetais em regeneração; d) controle e conservação e recuperação, aprimorando a metodologia fiscalização, priorizando a ampliação da estrutura e e realizando revisões periódicas; c) integração regional capacitação dos recursos humanos dos órgãos das áreas protegidas, com especial atenção para a fiscalizadores, a incorporação da sociedade civil e formação de corredores de biodiversidade e mosaicos comunidades locais no controle e integração de ações ecológicos, para as reservas da biosfera, integração da repressivas com as de educação ambiental, além do gestão das unidades de conservação e sua zona tampão combate ostensivo ao tráfico nacional e internacional de com os sistemas de planejamento regionais, bacias espécies da fauna e flora silvestres. hidrográficas, gerenciamento costeiro e outros; d) conservação de fragmentos florestais, priorizando sua 4. Política de Educação Ambiental, Geração e conectividade, a proteção de mananciais e sistemas Difusão de Conhecimento agroflorestais na zona tampão; e) associação entre a) Educação ambiental permanente, embasada conservação da Mata Atlântica e proteção dos em informações cientificamente corretas, apoiadas em recursos hídricos, integrando as respectivas políticas abordagens participativas, priorizando ações de médio e nacionais e estaduais, e assegurando o cumprimento das longo prazo e o trabalho para formação de agentes leis de proteção das matas ciliares e mananciais.estratégias de conservação multiplicadores; b) exigência de componentes de educação ambiental nos projetos com financiamento 2. Política de Fortalecimento e Integração público; c) sensibilização popular para a Institucional conservação, utilizando espécies-símbolo, e a conexão a) Compatibilização entre política ambiental e entre os elementos floresta-água e outros mecanismos; políticas setoriais (transporte, agricultura, reforma d) difusão e reprodução de projetos-piloto de caráter agrária, turismo etc.), especialmente em relação à política experimental e demonstrativo; e) difusão de econômica e aos grandes planos governamentais como o resultados de pesquisas, em especial das técnicas para Avança Brasil; b) capacitação e fortalecimento do manejo de recursos naturais, além da publicação de setor jurídico, sensibilizando e habilitando membros inventários biológicos da Mata Atlântica e divulgação AVALIAÇÃO E AÇÕES PRIORITÁRIAS PARA A CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE DA MATA ATLÂNTICA E CAMPOS SULINOS • 36
  • 41. Educação Ambiental ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○do monitoramento do estado dos ecossistemas; f) O diagnóstico dos projetos e programas de edu-infor mação e comunicação, priorizando a cação ambiental na Mata Atlântica e Campos Suli-popularização das redes virtuais de discussão, integração nos foi feito a partir de questionários enviados aosde bancos de dados, divulgação permanente das ações órgãos governamentais e instituições não-governa-promovidas para a conservação de biodiversidade; g) mentais. O público-alvo da maioria desses progra-divulgação da legislação ambiental, ampliando canais mas corresponde a estudantes e professores, princi-de participação na elaboração e regulamentação das leis, palmente dos ensinos fundamental e médio. Porém,em linguagem acessível para proprietários rurais e técnicos observa-se a diversificação cada vez maior de públi-ligados ao crédito rural, reforma agrária, fiscalização cos, tais como: proprietários rurais; turistas, visi-ambiental, entre outros. tantes e comunidades do entorno de unidades de conservação; comunidades tradicionais; assentamen- 5. Política de Incentivos Econômicos tos; posseiros; artistas e associação indígena. Nota- e Financeiros se, pelos resultados do estudo, um aprofundamento a) Leis de ICMS ecológico, aprimorando as leis significativo nas abordagens e abrangência dos pro-existentes e incentivando sua implementação em todos jetos de educação ambiental desenvolvidos nessesos estados; b) criação de mecanismos que assegurem biomas, que têm utilizado diferentes estratégias, en-recursos financeiros para conservação, em especial volvendo desde a mobilização comunitária, a difu-os orçamentos governamentais, linhas de financiamento são de informações, a implementação de alternativaspara fortalecimento institucional de ONGs e cooperativas, de desenvolvimento e manejo sustentável, planeja-e linhas de crédito especiais para recomposição florestal, mento rural até a capacitação em vários níveis.projetos de conservação da biodiversidade, manejo A integração entre educação ambiental e as de-florestal sustentável, sistemas agroflorestais e ecoturismo. mais ciências foi considerada fundamental para a efi-É preciso aumentar a abrangência dos mecanismos decompensação ambiental e fortalecer e efetivar os fundos cácia na conservação dos biomas. As informaçõesambientais federais e estaduais. E ainda, estabelecer leis científicas que vão subsidiar os projetos de educaçãode incentivos fiscais para projetos ambientais, aprimorar devem ser consistentes e repassadas em linguagemo marketing ecológico e efetivar a adoção do Protocolo acessível, pois servem para valorizar os biomas,Verde por todas as instituições financeiras do país; c) enfocar os aspectos regionais e aumentar a auto-esti-incentivos à conservação, por intermédio de processos ma, favorecendo o engajamento e maior participa-de certificação de produtos e orientação do consumidor, ção da sociedade. Nesse contexto, a comunidade ci-instituição de prêmios para projetos ambientais, entífica tem uma grande responsabilidade em divul-garantia de participação das comunidades locais nos gar as informações às comunidades locais e, prefe-benefícios advindos daconservação e desenvolvimentosustentável, e realização deestudos de formas de valoraçãoeconômica e compensação pelosserviços ambientais prestadospelas áreas privadas. Todas essas linhasestratégicas, incorporadas àspolíticas públicas ambientais edevidamente implementadas, educação ambientalpoderão ampliar a proteção daMata Atlântica e dos CamposSulinos, estancando, ou talvezaté mesmo revertendo o quadrode degradação observado hoje. Pescador na Ilha do Cardoso, SP - Haroldo Castro AVALIAÇÃO E AÇÕES PRIORITÁRIAS PARA A CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE DA MATA ATLÂNTICA E CAMPOS SULINOS • 37
  • 42. e Campos Sulinos são: 1. realização de projetos e programas em áreas prote- gidas, ameaçadas, ou onde existam de- mandas específicas, incluindo a capacitação em todos os níveis, divul- gação de metodologias e troca de ex- periências; 2. criação de grupo de tra- balho para atuar como facilitador na elaboração de produtos desse subpro- jeto e sua divulgação diferenciada para os setores da sociedade, usando prin- cípios de comunicação e marketing, e com caráter didático; 3. implementação e disponibilização de banco de dados permanente dos projetos/programas de educação ambiental a partir do le- vantamento efetuado para o workshop, que deverá incluir estudos de casos de- monstrando a eficácia da educação am- biental na conservação dos biomas; 4. exigência de inserção da educação am- biental em projetos e financiamentos públicos na Mata Atlântica e Campos Sulinos, em articulação com escolas da região e instituições envolvidas com educação ambiental; 5. efetivar proje- Caratinga, MG - Russell Mittermeier tos e programas que usem espécies-sím- bolo, com a valorização da cultura lo- rencialmente, aos educadores ambientais, não só na cal, interpretação da produção científica e incenti- conclusão dos estudos mas durante sua realização. vos à participação social; 6. realização de workshops A educação ambiental é, portanto, aglutinadora para a sistematização de metodologias de educação das demais áreas temáticas, e pode alavancar proces- ambiental mais eficientes; e 7. efetivação de um diag- sos participativos que favoreçam à conservação. Para nóstico de projetos e programas de educação ambi- cumprir esse papel, deve basear-se em metodologias ental nas áreas prioritárias indicadas no workshop. que contribuam para planos consistentes, incluindo Como as regiões definidas pelos biomas avalia- mecanismos de monitoramento e avaliação em to- dos concentram a maior parte da população brasi- dos os projetos e programas. É importante ressal- leira, e esse é um dos principais fatores de destruição tar: a educação ambiental exige tempo, e ações a lon- de hábitats e perda da biodiversidade, a inclusão da go prazo que devem levar em conta as condições educação ambiental no workshop foi de fundamental dos biomas e o contexto local, respeitar as diversida- importância. É só com mudanças de posturas basea- des e adotar abordagens participativas. das em novos valores e novos paradigmas que se po- As recomendações de ações prioritárias para uma derá chegar a inovações que favoreçam a proteção daeducação ambiental estratégia de educação ambiental na Mata Atlântica riquíssima biodiversidade brasileira. AVALIAÇÃO E AÇÕES PRIORITÁRIAS PARA A CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE DA MATA ATLÂNTICA E CAMPOS SULINOS • 38
  • 43. Ações Prioritárias ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ Inventários biológicos e ações relacionadas às unida- a conservação da biodiversidade em virtude das restri-des de conservação (criação, implementação, ampliação ções de uso, menos de 2% da Mata Atlântica encontra-see mudança de categoria) foram as recomendações mais dedicado oficialmente a esse objetivo, isso sem estimar ossugeridas para as áreas prioritárias. Os estudos temáticos problemas específicos de cada uma. Salienta-se que essados componentes bióticos do subprojeto indicam ainda pequena fração territorial não está distribuída segundoenorme lacuna de conhecimento sobre a biodiversidade critérios de representatividade ao longo das diferentesda Mata Atlântica e Campos Sulinos, apesar de dentro sub-regiões biogeográficas, como demonstrado pelo es-dos limites desses biomas existir as maiores universidades tudo feito nesse subprojeto, o que resulta em grandese centros de pesquisa do país. Uma das ações mais reco- lacunas e reduz a efetividade do sistema em preservar amendadas em todo o processo desse subprojeto foi a biodiversidade. Esse fato pode ser parcialmente atribuí-criação de mecanismos que possam tornar viáveis a rea- do ao histórico de uso e ocupação territorial e, por conse-lização de inventários biológicos e pesquisas sobre a fauna qüência, às pressões antrópicas internas e externas dife-e flora, seja mediante a capacitação de recursos humanos renciadas, ao longo da rede de áreas protegidas em cadaou proporcionando programas de financiamento nas re- bioma.giões abrangidas pelos dois biomas. Para esse fim, as agên- Mesmo constituindo elos vitais de um sistema maiorcias de fomento nacionais e estaduais deveriam estabele- de proteção à biodiversidade, as unidades de conserva-cer linhas especiais de financiamento. ção são e serão sempre insuficientes em número e ex- A criação de unidades de conservação foi a ação es- tensão, e só poderão manter a integridade dos compo-pecífica mais recomendada pelos especialistas, represen- nentes da biodiversidade com a incorporação das áreastando quase metade das indicações de ações nas áreas influenciadas, de forma direta, pelo homem. A matrizprioritárias. Esse resultado reflete a necessidade urgen- da paisagem é pois complemento essencial para assegu-te de proteção dos últimos remanescentes da Mata rar a proteção da diversidade biológica. Nesse contex-Atlântica e Campos Sulinos, e o reconhecimento das to, sugeriu-se a implementação de corredores ecológicosáreas protegidas como o mais importante instrumento em vários trechos da Mata Atlântica, visando examinarpara conservação de biodiversidade. A Mata Atlântica as necessidades da biodiversidade em maior escala, de-possui hoje mais de trezentas unidades de conserva- senvolvendo-se estratégias conjuntas para as unidades deção, federais e estaduais, totalizando cerca de nove mi- conservação e para os espaços não estritamente protegi-lhões de hectares. Considerando só as unidades de con- dos; procedendo assim, a real extensão disponível para aservação de proteção integral, as de maior relevância para conservação. A implementação de corredores ecológicos foi indicada, por exemplo, como ação prioritária na re- gião cacaueira tradicional, no sul da Bahia (Valença-Ilhé- us e Una-Canavieiras), antes selecionada como um dos núcleos do Corredor Ecológico do Descobrimento do Projeto Parques e Reservas do Programa Piloto para a Proteção das Florestas Tropicais do Brasil – PPG-7. Mes- mo com a crise cacaueira, a região possui ampla cobertu- ra florestal propiciada pelos remanescentes de Mata Atlân- tica entremeados pelas cabrucas (plantio tradicional do cacau que utiliza parte da vegetação nativa). O documen- to Planejamento regional, elaborado para esse subprojeto, analisa o projeto de Corredores Ecológicos do PPG-7 e outras iniciativas dessa natureza (áreas de proteção ambiental e reserva da biosfera), mostrando sua impor- tância como estratégia de conservação, sugerindo, ao mes- mo tempo, maior agilidade na execução dos projetos, as- ações prioritárias sim como o entendimento e participação comunitária no processo, fatores essenciais para o sucesso desses empre- endimentos. O planejamento regional voltado para a conservação da biodiversidade e o sistema regional de unidades de Zig Koch AVALIAÇÃO E AÇÕES PRIORITÁRIAS PARA A CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE DA MATA ATLÂNTICA E CAMPOS SULINOS • 39
  • 44. conservação foram os principais temas abordados pelo gerado a demanda de formas inovadoras e criativas grupo integrador de políticas ambientais do workshop. O para ampliar as ações de conservação (Lei de Incentivo grupo indicou cinco políticas estratégicas consideradas Fiscal direcionado para a área ambiental, seqüestro de prioritárias para a conservação dos dois biomas: 1. políti- carbono, por exemplo), assim como a aplicação de meca- ca de áreas protegidas e ordenamento territorial; 2. políti- nismos existentes (ICMS Ecológico e Protocolo Verde). ca de fortalecimento e integração institucional; 3. política Um dos aspectos mais importantes a ser mencio- de recuperação, monitoramento e controle; 4. política de nado refere-se aos resultados desse subprojeto, que de- educação ambiental, geração e difusão de informações; e verão catalisar outras iniciativas locais, regionais e na- 5. política de incentivos econômicos voltados para a con- cionais de conservação junto ao setor público, à socie- servação de biodiversidade. As ações recomendadas re- dade civil organizada e ao setor privado. Além disso, fletem anos de discussões em diversos fóruns sobre as vão contribuir para a determinação de uma política maiores necessidades e melhores estratégias para a con- nacional para os dois biomas, estabelecendo as regras servação da Mata Atlântica e Campos Sulinos. No caso para o uso da terra nas diferentes regiões. Entretanto, da Mata Atlântica, em um estágio mais avançado, os re- é preciso ressaltar que a busca de instrumentos e con- sultados desse subprojeto contribuirão ainda mais para o dutas que propiciem maior sustentabilidade ao uso da fortalecimento das diretrizes aprovadas pelo CONAMA em terra e possam permitir a conservação do meio ambiente 1998, com vistas à conservação e ao desenvolvimento e a melhoria da qualidade de vida da população na Mata sustentável do bioma, além de subsidiar o plano de ação, Atlântica e Campos Sulinos, só terá sucesso quando go- ora desenvolvido pelo Ministério do Meio Ambiente. verno, setor privado, setor acadêmico e sociedade civil Outro tema fundamental para a Mata Atlântica e Cam- organizada estiverem juntos, engajados em um trabalho pos Sulinos, foi o reconhecimento da necessidade de investi- de colaboração e parcerias. mentos em projetos e programas de recuperação e recompo- sição de áreas degradadas em regiões chaves para incrementar o grau de conectividade da paisagem nesses biomas. Os re- cursos voltados para a redução do desmatamento e para a recuperação da cobertura da vegetação nativa estão em ní- veis muito inferiores ao necessário. É preciso desenvolver tecnologias de baixo custo e fácil disseminação entre os pro- dutores rurais, além de utilizar as propostas da revisão do Código Florestal para garantir maior proteção e recuperação da reserva legal e áreas de preservação permanente das pro- priedades. Pela primeira vez discutiu-se uma estratégia de educa- ção e conscientização da sociedade para a conservação da Mata Atlântica e Campos Sulinos. O aumento da interface entre educador ambiental e o pesquisador e o estabelecimento de projetos com metodologias adequa- das de avaliação periódica, são dois aspectos apontados como essenciais para que a educação ambiental se torne instrumento efetivo para a conscientização pública. Todas essas ações têm um custo, o que nos remete a outro tema prioritário: criação de mecanismos e incenti- vos que assegurem recursos financeiros para a conserva- ção da biodiversidade. Nos últimos anos, o país tem verificado o aumento gradativo de fundos de financia- mento na área ambiental (ex.: FUNBIO, PPG-7) e de-ações prioritárias senvolvimento de novos mecanismos econômicos de promoção de ações para conservação. Entretanto, ape- sar da diversificação das fontes de financiamentos, os recursos ainda são limitados e insuficientes, o que tem Estado do Paraná - Russell Mittermeier AVALIAÇÃO E AÇÕES PRIORITÁRIAS PARA A CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE DA MATA ATLÂNTICA E CAMPOS SULINOS • 40
  • 45. Participantes do Workshop○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○Coordenação Geral Cláudia Bauer Cesar - UFRJ Guillermo Placci - Fundacion Vida Carly Vynne - CILuiz Paulo Pinto- CI do Brasil Cláudia T. Schaalmann - SMA/SP Silvestre Argentina Cássio Soares - Fundação Clinton Jenkins - Columbia Helverton Luiz Corino - IAP/PR BiodiversitasCoordenação University Ivan Carlos Baptiston - FBPN Eduardo Ditt - IPÊAdriano Paglia - UFMG Edwin Willis - UNESP João Regis Guilaumon - Instituto Márcia Hirota - Fund. SOS MataHeloísa Oliveira - CI do Brasil Fernando Straube - Soc. Fritz Müller Florestal-SP AtlânticaLuiz Paulo Pinto- CI do Brasil Glayson Bencke - Fund. Zoobotâ- Karla Canuto - DDF/BA Paulo Inácio Prado - UNICAMPMônica Fonseca - CI do Brasil nica - RS Kathia Vanconcellos Monteiro - Renata Mendonça - PROBIO/SPRoberto Cavalcanti - UnB/CI do Jaqueline Goerck - Birdlife Núcleo dos Amigos da Terra Walter Kudo Maejima - Fund.Brasil International Leandro Ferreira - WWF/Brasil SOS Mata Atlântica Lívia Vanucci Lins - Fundação Marcelo M. Oliveira - IBAMAFlora Biodiversitas Maria Cecília de Brito - SMA/SP PlenáriaCoord.: Waldir Mantovani - USP Luis Fábio Silveira - USP Maria da Penha Padovan - Adnéa Ali Fakih - FundaçãoCoord.: Sandro Menezes Silva - Marcelo Cardoso de Souza - SEAMA/ES Florestal-SPUFPR UFPE Maurício Savi - IAP/PR Adriana Mattoso - PPMA-KfWAna Maria Giulietti - UFFS Marcos Rodrigues - UFMG Roberto Frossard Filho - Pró- André Victor Freitas - UNICAMPAriane Luna Peixoto - UFRRJ Maria Alice S. Alves - UERJ Natura Beloyanes Bueno Monteiro -Carlos Alfredo Joly - UNICAMP Mauro Galetti - UNESP Sérgio Rocha Brant - IBAMA Fund. SOS Mata AtlânticaEliana Nogueira - CNPq Paulo Cordeiro - UFMG Whitson Costa Junior - IBAMA Bráulio Dias - MMAFabiana M. Andrade - Baldo S/A Pedro Scherer Neto - MHNCI Claudia Linhares de Sousa - INPEGiselda Durigan - Instituto Stuart Pimm - Columbia Pressão Antrópica Clodoaldo Gazzetta - ISAFlorestal-SP University Coord.: Donald Sawyer - ISPN Cristiane Fontes - Fund. SOSHaroldo Lima - JBRJ Carlos Eduardo F. Young - UFRJ Mata AtlânticaIlio Montanari Jr - UNICAMP Mamíferos Cristina Azevedo - SMA/PROBIO/SP Elci Camargo - Fund. SOS MataIlsi Iob Boldrini - UFRGS Coord.: Sérgio Mendes - MBML/ Josilene Ferrer - CPLA/SMA/SP AtlânticaJoão Vicente C. Nunes - USP UFES Keith Alger - IESB Eli Serenza - CETESB/SPJosé Jaime V. Cavalcanti - Adriano Chiarello - MBML Mário Mantovani - Fund. SOS Fábio Feldmann - Fábio FeldmannEmbrapa/CE Anthony Rylands - UFMG Mata Atlântica Consultores SC LtdaLuis Rios Baptista - UFRGS Cecília Alves Costa - UNICAMP Maurício Pontes - ISPN Fabrízio G. Violini - Fund. SOSMarcelo Tabarelli - UFPE Helena Bergallo - UERJ Paulo Gustavo P Pereira - CI do . Mata AtlânticaMaria M. Barradas - Soc. Bras. de Jader S. Marinho Filho - UnB Brasil Flavio Ponzoni - INPEBotânica Laury Cullen Jr. - IPÊ Tasso Azevedo - IMAFLORA Guilherme Dutra - CI do BrasilMarinez F de Siqueira - BDT . Thales de Freitas - UFRS José Pedro Costa - MMAMaurício Sedrez dos Reis - UFSC Planejamento Regional Luciana Honigman - TNCSônia Aragaki - USP Fatores Abióticos Coord.:Gisela Herrmann - Luiz Carlos Ros Filho - Banco João Luiz Lani - UFV Fundação Biodiversitas MundialAnfíbios e Répteis Alexandre Diehl Krob - Projeto Adriana Citrinovitz - Reserva da Marcelo Cardoso - Vitae CivilisCoord.: Célio Fernando B. Curicaca Biosfera Binacional AG/CH Mário Soares - UERJHaddad - UNESP Antônio Paulo Farias - UFRJ Ana Fernandes Xavier - SMA/SP Martinus Filet - SMA/SPCarlos Frederico Rocha - UERJ Cláudio Pádua - IPÊ/UnB Miguel Rodrigues - MZUSPDiva Maria Borges Nojosa - UFCE Estratégias de Conservação Danilo Sette - Veracruz Florestal Paulo de Tarso Antas - FUNATURAJosé Perez Pombal Junior - MNRJ Coord.: Clayton F. Lino - CNRBMA Fábio Sanson - NUPAUB/USP Paulo Nogueira Neto - USPJúlio Cesar Moura Leite - MHNCI Beatriz de Bulhões Mossri - Jean Paul Metzger - USP Ricardo Tripoli - SMA/SPMárcio Martins - USP CEBDS José Augusto Tosato - Cepedes Roberto Fernandes - FundaçãoOtávio Marques - Instituto Butantã Cláudia Costa - Fundação Kátia Lemos Costa - WWF/Brasil Florestal-SPPaulo C. A. Garcia - UNESP Biodiversitas Mario Rojas - Rede Ibero- Roberto L. Leme Klabin - Fund.Renato Feio - UFV Denise Rambaldi - Ass. Mico- Americana de Reservas da SOS Mata AtlânticaThales de Lema - PUC-RS Leão-Dourado Biosfera Samuel Roiphe Barreto - Fund. Enrique Svirsky - SMA/SP Marussia Whately - ISA SOS Mata AtlânticaInvertebrados Érika Bechara - Fund. SOS Mata Miguel Angel Lopez - Facultad de Sílvio Jablonski - UERJCoord.: Carlos R.F Brandão - . Atlântica Ciencias Forestales/Argentina Suzana Soares - Fund. SOS MataMZUSP Francisco Mourão - IEF/MG Moacir Arruda - IBAMA AtlânticaCecília V. Ribeiro - Fund. Gerardo Bressan - Governo do Nelida Rivorola - WWFZoobotânica do RS Estado da Bahia Rob Clay - WWF ApoioChristiane I. Yamamoto - MZUSP Ibsen de Gusmão Câmara - FBCN Ronaldo Cavalcanti - SECTMA/PE Alícia Rolla - ISAJacques Delabie - UESC João Paulo Capobianco - ISA Ronaldo Vieira Almeida - IEF/MG Cicero Cardoso Augusto - ISAKeith Brown Jr. - UNICAMP Maria das Dores Melo - SNE Daniel Rosário - SMA/SPOlaf Milke - UFPR Maria Iolita Bampi - IBAMA Educação Ambiental Marcos Reis Rosa - ArcPlanPedro Marcos Linardi - UFMG Maria Luiza Gastal - MMA Coord.: Suzana Pádua - IPÊ GeoprocessamentoRicardo Pinto da Rocha - MZUSP Marília Britto de Moraes - Lazara Gazzetta - Fund. SOS Mata Núbia Jaqueline Dias - SMA/SPThomas Lewinshon - UNICAMP CNRBMA Atlântica Rosemeire Sacó - ISA Paulo Roberto Castella - IAP/PR Lúcia Helena Manzochi - BDTPe i x e s Renato Cunha - Rede de ONGs da Lucila Pinsard Vianna - MECCoord.: Naércio A. Menezes - Mata Atlântica Luiz Eduardo Fontes - UFV Projeto Gráfico eMZUSP Rui Rocha - IESB Marlene Tabanez - Instituto Edição de Arte: Traço e Letra Comunicação &Alexandre Godinho - UFMG Sérgio Coutinho - EMBRAPA Florestal-SP MarketingFábio Vieira - UFMG Teresa Urban - SPVS Miriam Ester Soares - Ministério Fotolito:Paulo A. Buckup - MNRJ Tereza Muricy Abreu - CRA/BA da Agricultura BetelRenato Silvano - UNICAMP Weber Amaral - ESALQ/USP Miriam Prochnow - Rede ONGs Impressão:Ricardo Rosa - UFPB da Mata Atlântica/APREMAVI DelRey - Gráfica e EditoraRoberto Reis - PUC-RS Áreas Protegidas Rua Geraldo Antônio de Oli- Coord.: José Maria Cardoso - Banco de Dados e Técnicas veira, 88 - Inconfidentes - BeloAves UFPE de Monitoramento Horizonte/MGCoord.: José Fernando Pacheco - Alceo Magnanini - IEF/RJ Ambiental Tiragem:UFRRJ Daniela América Oliveira - MMA Coord.: Sílvio Olivieri - CI 4.000 exemplaresBianca Luiza Reinert - UFPR Gerson Jacobs - IAP/PR Alexandre Dinnouti - CI do Brasil
  • 46. Fundação SOS Mata Atlântica