Your SlideShare is downloading. ×
0
Brasil colonial
Brasil colonial
Brasil colonial
Brasil colonial
Brasil colonial
Brasil colonial
Brasil colonial
Brasil colonial
Brasil colonial
Brasil colonial
Brasil colonial
Brasil colonial
Brasil colonial
Brasil colonial
Brasil colonial
Brasil colonial
Brasil colonial
Brasil colonial
Brasil colonial
Brasil colonial
Brasil colonial
Brasil colonial
Brasil colonial
Brasil colonial
Brasil colonial
Brasil colonial
Brasil colonial
Brasil colonial
Brasil colonial
Brasil colonial
Brasil colonial
Brasil colonial
Brasil colonial
Brasil colonial
Brasil colonial
Brasil colonial
Brasil colonial
Brasil colonial
Brasil colonial
Brasil colonial
Brasil colonial
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Brasil colonial

7,817

Published on

vídeo de história

vídeo de história

Published in: Technology, Business
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
7,817
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
6
Actions
Shares
0
Downloads
193
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Brasil Colonial
  • 2.  
  • 3.  
  • 4. Os Governos gerais. <ul><li>Centralização do poder nas colônias: Maior controle sobre o mercantilismo e defender de invasores. </li></ul><ul><li>Função dos governadores gerais: Doar sesmarias. Incentivar os engenhos de açúcar. Organizar a cobrança de impostos. </li></ul>
  • 5. Chegada dos Jesuítas. <ul><li>Padre Antonio Vieira. </li></ul><ul><li>Padre José de Anchieta </li></ul>
  • 6. 1549: Tomé de Souza <ul><li>Fundação da cidade de São Salvador: Capital da colônia. </li></ul><ul><li>Função: Catequizar os índios e combater os invasores. </li></ul>
  • 7. <ul><li>Tomé de Souza. </li></ul>
  • 8. Caravela Portuguesa.
  • 9. <ul><li>Cabia ao governo-geral organizar um sistema de cobrança e fiscalização dos impostos, criando o cargo de provedor-mor (fiscal), e desenvolver a política de incentivos aos engenhos de açúcar. </li></ul><ul><li>O governador deveria ainda criar a Casa de Alfândega </li></ul>
  • 10. Duarte da Costa: 1553 <ul><li>Governo marcado por vários problemas: </li></ul><ul><li>Duarte da Costa sem autoridade e invasão francesa no Rio de Janeiro. </li></ul>
  • 11. Men de Sá: 1558 <ul><li>Prioridade: Impor a autoridade real aos índios. </li></ul><ul><li>Ações violentas para apaziguar as tribos inimigas. </li></ul>
  • 12. A invasão francesa a Baia da Guanabara. <ul><li>Formação de uma colônia hugenotes (protestantes). </li></ul><ul><li>Guerra entre portugueses e franceses. </li></ul><ul><li>Estácio de Sá. </li></ul>
  • 13. <ul><li>Mapa da França Antártica (Rio de Janeiro), de Duval, elaborado a partir das viagens de Villegagnon e Jean de Leri ao Brasil nos anos de 1557 e 1558 </li></ul>
  • 14. Os Jesuítas no Brasil.
  • 15. 1549: Chegada dos Jesuítas: Manuel da Nóbrega.
  • 16. Função dos Jesuítas: Reconquistar o terreno perdido para o protestantismo. <ul><li>Na colônia queriam se antecipar e deter a expansão protestante. </li></ul><ul><li>Catequese do índio: um cristão em potencial. </li></ul>
  • 17. <ul><li>Divergências com os colonos: colonos queriam escravizar o índio e implantar o trabalho deles nos canaviais. </li></ul><ul><li>Estado português dá causa ganha aos Jesuítas. </li></ul><ul><li>Novos súditos reais e alta rentabilidade do tráfico negreiro. </li></ul>
  • 18. Padre Antonio Vieira.
  • 19. <ul><li>A catequese e as Missões: comunidades que produziam para o autoconsumo e excedentes que eram comercializados pelos jesuítas. </li></ul><ul><li>Jesuítas: monopólio do ensino em Portugal e nas colônias. </li></ul><ul><li>Fundação de escolas: Colégio de São Paulo e Colégio de São Tiago ( Palácio Anchieta ). </li></ul>
  • 20. O pacto colonial: <ul><li>As metrópoles detinham o monopólio do comércio com as colônias. Pelo monopólio, a burguesia mercantil da metrópole adquiria os produtos coloniais a baixíssimos preços e os revendia, na própria metrópole ou em outras regiões da Europa, obtendo elevados lucros. Ao mesmo tempo, a metrópole se reservava o direito exclusivo de vender produtos manufaturados às colônias, o que aumentava os lucros da burguesia mercantil. </li></ul>
  • 21. A empresa agrícola colonial portuguesa. <ul><li>Até o século XVI: lucro português no comércio de especiarias. </li></ul><ul><li>Com a crise do comércio com o oriente Portugal decide investir na produção das colônias no atlântico. </li></ul><ul><li>No Brasil instalou-se um tipo de colonização baseado na lavoura da cana-de-açúcar e no trabalho escravo, que oferecia grandes lucros aos colonos que se dispusessem a explorar essa atividade, para a qual o Nordeste do Brasil oferecia condições favoráveis. </li></ul>
  • 22. Escolha pelo açúcar: bom mercado na Europa.
  • 23. <ul><li>Ajuda financeira e logística dos holandeses. </li></ul><ul><li>Mão-de-obra escrava africana: altos lucros aos traficantes. </li></ul>
  • 24. Estrutura da produção no Brasil. <ul><li>Plantation: Latifúndio, monocultura e produção voltada para o mercado externo formavam o trinômio básico do sistema colonial. </li></ul>
  • 25. O engenho de açúcar: Auto-suficiente. <ul><li>Além da cana-de-açúcar: criava-se gado, plantavam-se arroz, mandioca e algodão somente para atender ao consumo interno do engenho, sem afetar a estrutura mercantil da empresa colonial. Somente aguardente, subproduto da cana-de-açúcar, era utilizada para necessidades comerciais externas. Ela servia de moeda de troca na compra de escravos na África. </li></ul>
  • 26.  
  • 27.  
  • 28. O tráfico negreiro. <ul><li>A compra de escravos nos portos da África, seu transporte para a América e depois sua venda aos colonos fazendeiros significava grandes lucros para os traficantes, não só de Portugal, como de outros países da Europa. A exploração do trabalho escravo dos índios continuou, mas em pequena escala e em regiões da colônia onde a empresa açucareira não se instalou efetivamente. </li></ul><ul><li>Luanda, Angola: principal centro comercial de escravos ao Brasil. </li></ul>
  • 29. <ul><li>A viagem nos navios negreiros era um verdadeiro inferno para os escravos. Amontoados pelos traficantes nos porões, mal tinham condições de respirar. Quanto maior a quantidade de escravos transportados, maior o lucro apesar de pouco mais da metade sobreviver à viagem. </li></ul>
  • 30. Dois grandes grupos étnicos: Bantos e sudaneses.
  • 31.  
  • 32. Sociedade colonial. <ul><li>Engenhos localizados no litoral: Senhores, trabalhadores livres e escravos. </li></ul><ul><li>Senhores: autoridade máxima nos engenhos. </li></ul><ul><li>Família patriarcal. </li></ul>
  • 33.  
  • 34. Trabalhadores livres. <ul><li>Trabalhadores livres: responsáveis pela manutenção do engenho e pelo comércio além dos habitantes das cidades. </li></ul>
  • 35. Escravos: moradores das senzalas. <ul><li>A humilhação e o castigo corporal tinham por objetivo destruir a identidade e a personalidade dos negros, facilitando assim a sua submissão e o aproveitamento máximo de sua força de trabalho. </li></ul>
  • 36.  
  • 37.  
  • 38.  
  • 39. <ul><li>Essa situação de inferioridade a que os brancos relegavam os negros era reforçada pela idéia negativa que se tinha das atividades manuais. </li></ul>
  • 40. <ul><li>Formas de resistência: Fugas e formação de quilombos. </li></ul><ul><li>Outras formas de resistência: violência e suicídio. </li></ul>
  • 41. Enviado pelo: Professor Francesco

×