Febre Puerperal: Peste dos Médicos
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Febre Puerperal: Peste dos Médicos

on

  • 27,920 views

 

Statistics

Views

Total Views
27,920
Views on SlideShare
27,821
Embed Views
99

Actions

Likes
1
Downloads
42
Comments
0

3 Embeds 99

http://www.slideshare.net 73
http://pestedosmedicos.wikispaces.com 25
http://webcache.googleusercontent.com 1

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Febre Puerperal: Peste dos Médicos Febre Puerperal: Peste dos Médicos Presentation Transcript

  • Febre Puerperal: A Peste dos Médicos A febre puerperal é uma doença que matava milhares de mulheres. Após o parto, a mãe sentia dores no abdômen, que inchava, tinha muita febre, emanava um mau cheiro e tinha períodos de delírio. O problema era que ninguém sabia ao certo qual era a causa da doença.
  • Havia diferentes teorias da causa da febre puerperal. Uma delas era a teoria da metástase do leite. Como acreditavam que o leite materno era o sangue menstrual transformado que seguia um caminho do útero ao seio da mãe, a hipótese era que este leite materno que havia saído do seu caminho normal estagnando-se no útero. Outra teoria era do lóquio interrompido, esta hipótese dizia que o pus encontrado no útero era o lóquio da mulher que havia sido impedido de sair após o parto, causando contaminação do sangue.
  • O que Ignac Philipp Semmelweis acreditava, era que a causa da doença eram os próprios médicos. Após fazer uma autópsia, o médio e os estudantes de medicina iam direto à sala de parto, sem lavar as mãos ou se preocupar em ter qualquer forma de higiene. Ao tocar na mulher, estavam com suas mãos contaminadas, passando germes. Os médicos não acreditavam e não aceitavam que eles eram a causa de tantas mortes, mas a teoria de Ignac estava certa. Não se acreditou no médico que dizia a verdade, e este foi dito como louco e não conseguiu publicar seu livro dizendo a real causa.
  • Partos
    • Em compensação, Semmelweis modificou o procedimento para o parto, era necessário desinfetar as mãos com o cloreto de cálcio após o contato com alguma ferida ou material pútrido, mas ainda não era o suficiente. Então, foi preciso isolar das demais pacientes qualquer pessoa que tivesse alguma doença que pudesse infectá-las.
  • Limpeza Hospitalar Muito diferente dos tempos de Ignac Semmelweis, a medicina hoje em dia exige uma intensa limpeza e cuidados com contaminação. As infecções hospitalares são um perigo muito preocupante para a comunidade médica.
  • “ LIMPEZA hospitalar é o processo de remoção de sujidades mediante a aplicação de energia química, mecânica ou térmica, num determinado período de tempo.” (ANVISA, 2000) Explicaremos portanto como funcionam os três métodos: químico, mecânico e térmico. -O método químico consiste em aplicar substancias que limpam através da propriedade de dissolução, dispersão e suspensão da sujeira. -Para o mecânico realiza-se uma força física sobre a superfície para remover a sujeira que não saiu com o produto químico. Isso pode ser feito esfregando manualmente com esponja, escova, pano ou sob pressão de uma máquina de lavar. -Por fim o térmico no qual o aumento da temperatura permite melhor ação dos produtos químicos.
  • Desinfecção de Materiais
    • O grau limpeza depende do potencial risco de transmissão de infecções para os pacientes que apresenta o material.
    • -Em materiais de baixo risco basta uma lavagem com detergente, água morna, facilitando a ação enzimática e uma força mecânica, como esfregar por exemplo. Hoje existem máquinas lavadoras, funcionando por jatos de água ou por ultra-som, o que torna a limpeza automatizada.
    • - Alguns casos exigem uma limpeza mais intensa, pois o risco de contaminação é maior, utiliza-se então a termo desinfecção ou desinfecção química. Na desinfecção térmica o material é exposto em temperaturas variadas como 70°C, 85°C, 92°C, 95°C. Já no processo químico o material pode ser submetido a diversos produtos químicos dependendo da natureza do material. Por exemplo ser mergulhado em soluções à base de glutaraldeído a 2% por 20 a 30 minutos ou ácido peracético a 0,2% por dez minutos. A combinação desses métodos permite a eliminação de fungos, bactérias, protozoários e vírus.