Your SlideShare is downloading. ×
  • Like
O jogo da culpa e a aprendizagem no ambiente de trabalho
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×

Now you can save presentations on your phone or tablet

Available for both IPhone and Android

Text the download link to your phone

Standard text messaging rates apply

O jogo da culpa e a aprendizagem no ambiente de trabalho

  • 418 views
Published

Embora bastante comum nas empresas, o jogo da culpa é extremamente prejudicial ao ambiente de trabalho e à produtividade. O propósito deste artigo é propor uma estratégia para eliminá-lo.

Embora bastante comum nas empresas, o jogo da culpa é extremamente prejudicial ao ambiente de trabalho e à produtividade. O propósito deste artigo é propor uma estratégia para eliminá-lo.

Published in Business
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
418
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0

Actions

Shares
Downloads
3
Comments
0
Likes
0

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. O jogo da culpa e a aprendizagem no ambiente de trabalhoFlavio Farah*A coragem de assumir os próprios erros em vez de ficar buscando culpados é uma qualidade quepoucos possuem. Quando ocorrem problemas nas empresas, é comum tanto os funcionários comoos gerentes tentarem se eximir da responsabilidade transferindo-a para outros. Qualquer ação nessesentido, porém, dá início ao chamado “jogo da culpa”. Trata-se de um jogo porque, no final, haveráganhadores e perdedores entre os envolvidos. Ganhará quem conseguir livrar-se da culpa e perderãotodos aqueles que forem considerados “culpados”.O programa televisivo “O Aprendiz” ilustrou excepcionalmente bem essa situação. Trata-se de umreality show que, sob vários aspectos, assemelha-se a uma dinâmica de grupo: nele os participantesse dividem em equipes e assumem tarefas que os fazem expressar idéias, emoções, decisões e açõestotalmente verdadeiras. Dentro dos grupos, porém, a cooperação é apenas temporária. No dia emque o condutor do programa deve escolher um dos concorrentes para ser “demitido”, os membrosde cada equipe se engajam freneticamente na prática do jogo da culpa, apontando o dedo acusadorpara todos os colegas de grupo, menos para si próprios. Outro aspecto a se ressaltar é o fato de queos participantes são eliminados sumariamente por cometerem erros, ou seja, não existe segundaoportunidade. Esse é um dos principais fatores que os levam a praticar o jogo da culpa.Embora bastante comum nas empresas, o jogo da culpa é nocivo porque provoca medo e ressenti-mento, rebaixa o moral e a motivação, elimina a possibilidade de as pessoas confiarem umas nasoutras, prejudica o trabalho de equipe e reduz a produtividade. Por que praticamos o jogo da culpa?Por várias razões. Primeiro, porque, quando outros apontam nossos erros, sentimo-nos feridos emnossa auto-estima. Segundo, acreditamos que, se reconhecermos nossas falhas, os outros pensarãoque somos fracos ou incompetentes e nossa imagem ficará prejudicada. Terceiro, temos receio deque os outros usem os nossos equívocos para nos prejudicar ou se aproveitem deles para se promo-ver às nossas custas. Quarto, temos medo de ser punidos pelos erros que cometemos, como bem de-monstra o citado programa de televisão.O jogo da culpa é um tipo de comportamento defensivo. O comportamento defensivo é prejudicialpor várias razões: bloqueia a comunicação e o relacionamento produtivo entre duas pessoas; poderesultar em conflito, pois os métodos mais comuns que usamos para defender nossa auto-estima sãorespostas verbais agressivas; e a pessoa que está se defendendo não pode analisar sua própria con-duta nem seus sentimentos e atitudes, deixando de tirar conclusões úteis.Existe uma estreita relação entre o jogo da culpa e o treinamento, ou melhor, entre o jogo da culpa ea aprendizagem. Quando jogamos o jogo da culpa, nós ficamos totalmente concentrados em nos de-fender, por isso gastamos uma grande quantidade de energia nessa tarefa. Ficamos focados exclusi-vamente em descobrir como poderemos nos preservar, quem poderemos culpar, como ficará nossaimagem, como escaparemos de uma eventual punição e assim por diante. Como conseqüência, aojogar o jogo da culpa nós nos tornamos incapazes de fazer qualquer outra coisa. Em particular, nósdeixamos de fazer algo muito importante que é refletir sobre nosso próprio comportamento, sobrenosso papel na situação em pauta e sobre nossas ações e omissões. O resultado é que deixamos deaprender com nossos erros.Isto é profundamente lamentável. Tradicionalmente, o erro tem sido encarado como um produto quenão passou no teste de qualidade e que, portanto, deve ser descartado, jogado na lata de lixo. Todosfogem do erro como se este fosse uma doença contagiosa. O erro, porém, tem um enorme valor pe-dagógico, pois nos indica onde existem problemas. Aprender com os próprios erros é o melhor pro-grama de treinamento que existe. Primeiro, porque é um curso grátis. Segundo, é muito fácil apren-der suas lições porque se trata de um programa totalmente prático, baseado em nossas próprias vi-
  • 2. vências. Terceiro, é um curso que não tem data para começar, pois é ministrado continuamente, atodo momento. Assim, quando erramos, não deveríamos nos culpar nem ser acusados pelos outros.Deveríamos ser estimulados a identificar e admitir nossos erros, refletir sobre suas causas e tentardescobrir como poderemos modificar nossas ações para não errar outra vez.Outro benefício da admissão dos próprios erros é a possibilidade de evitar as críticas. Um conhecidoautor escreveu: “Se você estiver errado, aceite a crítica e reconheça seu erro. Mas se quiser evitar acrítica, reconheça o erro rapidamente, e com ênfase, antes que a outra pessoa comece a criticá-lo. Sevocê já sabe o que vai ouvir, é muito melhor antecipar-se e dizer você mesmo o que o outro vai di-zer. É mais fácil ouvir a crítica de sua própria boca do que da boca de outra pessoa. Se você pensaque o outro vai falar sobre o erro que você cometeu, confesse o erro antes que ele fale. Se você fizerisso é provável que a outra pessoa baixe o tom da crítica ou talvez nem fale nada. Para que falar, sevocê já disse tudo?”1 Eu acrescentaria ainda o seguinte: mesmo que o outro fale depois de você terassumido o erro, o impacto do que ele disser será muito menor, pois parecerá assunto “requentado”.Para manter um ambiente de trabalho sadio e estimulante, um gerente não deveria praticar o jogo daculpa nem permitir que sua equipe faça isso. O dever de todo gerente é criar e manter um ambienteonde todos tenham o hábito de assumir a própria responsabilidade e de reconhecer os próprios erros.Construir esse ambiente, porém, não é fácil. É preciso tempo e esforço, assim como uma estratégiabem formulada. Em primeiro lugar, é necessário que as pessoas mudem de atitude. Em segundo lu-gar, é preciso que adquiram a capacidade de se auto-avaliar e de identificar os próprios erros comprecisão.A formulação de uma estratégia capaz de mudar um ambiente de trabalho acusatório exige que an-tes se identifique aquilo que leva as pessoas a praticar o jogo da culpa. A meu ver, a causa dessaprática está em uma atitude negativa em relação à assunção de responsabilidade e ao reconhecimen-to dos próprios erros.A Psicologia nos ensina que toda atitude é constituída de três elementos: (1) crenças, (2) sentimen-tos e (3) uma tendência para agir de uma determinada forma. No caso da prática do jogo da culpa,as crenças que alimentamos a respeito da assunção de responsabilidade são, como descrito anterior-mente, que, se reconhecermos nossos erros, os outros pensarão que somos incompetentes e nossaimagem será prejudicada; os outros usarão nossos erros para nos prejudicar ou se aproveitarão delespara se promover às nossas custas; e seremos punidos.Ademais, nutrimos um sentimento negativo, de rejeição em relação à assunção de responsabilidade,pois, para nós, reconhecer os próprios erros é algo que só traz prejuízo.Por último, temos a tendência ou pré-disposição de praticar o jogo da culpa sempre que percebemosa possibilidade de sermos apontados como culpados por algum problema, em razão das crenças e dosentimento negativo que abrigamos.A tarefa do gerente, portanto, é fazer com que sua equipe mude de atitude com respeito à assunçãode responsabilidade, adquirindo uma atitude positiva. Para tanto, ele precisa mudar as crenças, osentimento e a pré-disposição de seus subordinados. Uma maneira de fazê-lo é por meio de um pro-cesso educativo de mudança. Esse processo poderá começar com uma reunião do gerente com suaequipe. A finalidade desse encontro será, de início, tomar consciência da questão. O gerente poderátentar identificar a percepção de seu pessoal sobre a existência do problema com um exercício do ti-po: “Na nossa área as pessoas fazem isto?”. O exercício poderá servir como ponto de partida parauma discussão sobre o que é o jogo da culpa e como ele se manifesta. Em seguida, o gerente poderádiscutir os malefícios advindos da prática do jogo da culpa a partir das percepções de seus subordi-
  • 3. nados. Ele poderá tentar identificar os desejos e esperanças de sua equipe em relação a um ambientemelhor bem como aferir a disposição do pessoal de fazer algo para mudar o ambiente atual.Isto posto, o gerente poderá anunciar sua disposição de tomar medidas para alterar a situação, co-meçando por sua própria disposição de mudar. Ele proporá aos subordinados um contrato constituí-do das seguintes cláusulas: 1. O gerente falará sobre seus próprios erros e pedirá à equipe que lhe dê feedback, criticando-o. 2. Não haverá punição sumária para quem comete erros, salvo atos antiéticos. Todos terão uma se- gunda oportunidade. 3. Será proibido praticar o jogo da culpa; em contrapartida, também ficará proibido ocultar os pró- prios erros. 4. Quem souber de um erro cometido por um colega poderá estimulá-lo a assumir o erro. 5. Excepcionalmente, a denúncia do erro alheio será considerada legítima quando se tratar de erro grave ou de ato antiético. 6. Será proibido usar os erros dos colegas para prejudicá-los ou para se auto-promover. Será puni- do quem fizer ou tentar fazer isso. 7. O gerente, se necessário, falará sobre os erros dos subordinados privadamente. 8. A identificação dos próprios erros, denominada “capacidade de auto-avaliação”, será considera- da como uma competência a ser desenvolvida pelos funcionários. 9. Nas avaliações de desempenho periódicas, a capacidade de auto-avaliação será considerada co- mo um fator de desempenho.10. Nas avaliações de desempenho periódicas, cada funcionário fará uma auto-avaliação antes de o gerente avaliá-lo. O gerente discutirá com o funcionário sua auto-avaliação.11. O gerente pedirá aos subordinados que falem sobre os erros que cometeram em situações rele- vantes. Ele lhes perguntará o que fizeram para corrigir ou remediar o erro, caso o tenham reco- nhecido logo, o que aprenderam com essa falha e o que pretendem fazer de diferente no futuro para não repetir o equívoco.12. Os funcionários que avaliarem a si próprios com precisão e que demonstrarem ter aprendido com a própria experiência serão reconhecidos e recompensados.Como se pode perceber, trata-se de um processo longo, difícil e delicado, características típicas dasiniciativas destinadas a promover mudanças pessoais. Alguém se habilita?Notas1 CARNEGIE, Dale. Como Fazer Amigos e Influenciar Pessoas. 25ª ed. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1969.p. 154.*Flavio Farah é Mestre em Administração de Empresas, Professor Universitário e autor do livro “Ética na gestãode pessoas”. Contato: farah@flaviofarah.com