Gaudencio e as emoções na conta certa

  • 146 views
Uploaded on

Na reportagem intitulada "Emoções na conta certa", o psiquiatra Paulo Gaudencio, talvez de forma inadvertida, embaralhou as noções de agressividade e de assertividade. Esse embaralhamento, …

Na reportagem intitulada "Emoções na conta certa", o psiquiatra Paulo Gaudencio, talvez de forma inadvertida, embaralhou as noções de agressividade e de assertividade. Esse embaralhamento, infelizmente, prejudica a causa da Ética.

  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
146
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0

Actions

Shares
Downloads
2
Comments
0
Likes
0

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. Gaudencio e as emoções na conta certaFlavio Farah*Em uma reportagem intitulada “Emoções na conta certa”,1 o psiquiatra Paulo Gaudencio defende queo ser humano precisa expressar suas emoções no ambiente de trabalho, caso contrário adoecerá. Gau-dencio afirma que “é preciso ser muito agressivo no ambiente profissional” mas que “ser agressivonão é bater no chefe”.O psiquiatra sustenta que a dificuldade em compreender o que significa “agressividade saudável” éque se costuma confundi-la com violência. Para ele, uma das funções da agressividade é colocar limi-tes no espaço vital da pessoa. Ele sustenta que “Usar a agressividade é não se deixar invadir, não sedeixar acuar. A coisa mais agressiva que a pessoa pode fazer, portanto, é dizer: ‘Não vou, não quero,não faço, não pode’. Suavemente”.Para esclarecer sua tese, Gaudencio usa este exemplo: “Imagine um barco indo para uma cachoeira.Há três tipos de pessoas: A passiva, a maioria, se deita no barco e se deixa destruir. A agressiva é aque pega o leme e muda a direção do barco. Não fala, faz. O terceiro tipo, muito frequente, chamo demalcriado. Fica em pé no barco. Xingando. Protesta, acha ruim, mas não age, não muda nada”.Vejo-me obrigado a fazer reparos à manifestação de Gaudencio porque penso que ele, talvez inadver-tidamente, misturou os conceitos, o que pode estimular as pessoas a se comportar de forma inaceitávelno ambiente de trabalho. Primeiro, o conceito de agressividade. Agressão é qualquer comportamentocuja finalidade é causar dano a outrem.2 Em tais condições, a agressão deve ser tida como uma con-duta intrinsecamente antiética, salvo se sua finalidade for a auto-defesa. A expressão, “agressividadesaldável”, portanto, não pode existir pelo fato de ser contraditória em si mesma.Segundo, o conceito de violência. Segundo o Dicionário Houaiss, violência é a “ação ou efeito de vio-lentar, de empregar força física (contra alguém ou algo) ou intimidação moral contra (alguém)”. Noaspecto jurídico, o mesmo dicionário define o termo como o “constrangimento físico ou moral exerci-do sobre alguém, para obrigá-lo a submeter-se à vontade de outrem; coação”.3 A palavra violência sig-nifica usar a força ou ameaçar alguém. A diferença é que, no caso da violência, a finalidade do uso daforça ou da ameaça não é necessariamente causar dano à vítima. A violência pode ser exercida com aúnica finalidade de fazer a vítima realizar algo que o violentador deseja. Violência, portanto, tem sig-nificado distinto de agressividade.Aquilo que Gaudencio conceitua como “agressividade saudável” tem sido definido como assertivida-de. O termo assertividade origina-se de asserção, que quer dizer afirmação. Fazer asserções quer dizerafirmar, do latim afirmare, tornar firme, consolidar, confirmar e declarar com firmeza.4 Assertividadeé o estilo de comunicação por meio do qual as pessoas expressam suas necessidades, seus pensamen-tos e sentimentos de forma honesta e direta, mas sem violar os direitos dos outros.5 Se assertividade édefinida como uma conduta que respeita os direitos alheios, então esse estilo de comunicação deve serconsiderado intrinsecamente ético. No exemplo do barco de Gaudencio, aquele que faz seria o asserti-vo. O que xinga seria o agressivo. Gaudencio, talvez sem querer, embaralhou as noções de agressivi-dade e de assertividade, o que, infelizmente, prejudica a causa da Ética.Notas1 GAUDENCIO, Paulo. “Emoções na conta certa”. Melhor Gestão de Pessoas. Ago/2009. pp. 147-149.2 RODRIGUES, Aroldo. Psicologia Social. 7ª ed. Rio de Janeiro: Vozes, 1971. p. 366.3 Violência. Disp. em: http://www.serasaexperian.com.br/guiacontraviolencia/violencia.htm .4 MARTINS, Vera. Seja Assertivo!: como conseguir mais autoconfiança e firmeza na sua vida profissional e pessoal. Riode Janeiro: Elsevier. 2005. p. 21.5 MARTINS, Vera. Idem. p. 22.*Flavio Farah é Mestre em Administração de Empresas, Professor Universitário e autor do livro “Ética na gestão depessoas”. Contato: farah@flaviofarah.com.