Incidencia E Epidemiologia

  • 65,757 views
Uploaded on

visite: www.odontostation.com

visite: www.odontostation.com

  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
No Downloads

Views

Total Views
65,757
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1

Actions

Shares
Downloads
184
Comments
2
Likes
22

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. Epidemiologia
  • 2. Incidência X Prevalência
  • 3. Incidência A incidência (ou taxa de incidência) expressa o número de casos novos de uma determinada doença durante um período definido, numa população sob o risco de desenvolver a doença.
  • 4. Incidência Nº de casos novos ocorridos numa pop em deter período x 1.000 Nº de pessoas sob risco de desev a doença no mesmo período
  • 5. Devemos usar a incidência, e não números absolutos, para comparar a ocorrência de doenças em diferentes populações.
  • 6. O ponto fundamental da definição de incidência é o de incluir somente casos novos no numerador, medindo, portanto, um evento que se caracteriza pela transição do estado de ausência da doença para o de doença. Logo, a incidência mede o risco ou probabilidade de ocorrer o evento doença na população exposta.
  • 7. Taxa de ataque Nos casos de doenças ou agravos de natureza aguda que coloquem em risco toda a população ou parte dela por um período limitado, a incidência recebe a denominação taxa de ataque. As taxas de ataque são expressas geralmente em percentagem !
  • 8. Dos 257 estudantes que almoçaram no RU no dia 25 de setembro de 1997, 90 desenvolveram um quadro agudo de gastroenterite. Taxa Numerador ? 90 x 100 = 35% de ataque Denominador? 257 Considerando que a taxa de ataque é uma forma particular de calcular a incidência e, portanto, o risco ou probabilidade de adoecer, podemos dizer que a probabilidade de desenvolver um quadro de gastroenterite entre os participantes do almoço no restaurante universitário em 25 de setembro de 1997 foi de 35%.
  • 9. Taxa de incidência de AIDS Regiões 1990 1993 1996 1999 2002 2005 Norte 0,9 2,2 4,1 6,5 9,7 9,5 Sudeste 11,3 19,0 23,5 22,7 25,8 19,1 Número de casos novos confirmados de síndrome de imunodeficiência adquirida, por 100 mil habitantes, na população residente em determinado espaço geográfico, no ano considerado. Número de casos novos de Aids em residentes x 100.000 População total residente no período determinado
  • 10. Notificação compulsória é um registro que obriga e universaliza as notificações, visando o rápido controle de eventos que requerem pronta intervenção.
  • 11. Art. 1o Para os efeitos da aplicação da Lei no 6.259, de 30 de outubro de 1975, e de sua regulamentação, constituem objeto de notificação compulsória, em todo o território nacional, as doenças a seguir relacionadas: · Cólera -Leptospirose · Coqueluche · Malária (em área não endêmica) · Dengue · Meningite por Haemophilus influenzae · Difteria · Poliomielite · Doença de Chagas (casos agudos) · Paralisia Flácida Aguda · Doença Meningocócica e Outras Meningites · Peste · Febre Amarela · Raiva Humana · Febre Tifóide · Rubéola · Hanseníase · Síndrome da Rubéola Congênita · Hantavirose · Sarampo · Hepatite B · Sífilis Congênita · Hepatite C · Síndrome da Imunodeficiência Adquirida · Leishmaniose Visceral (Aids) · Tétano · Tuberculose
  • 12. Prevalência A prevalência mede a proporção de pessoas numa dada população que apresentam uma específica doença ou atributo, em um determinado ponto no tempo.
  • 13. A prevalência é muito útil para medir a freqüência e a magnitude de problemas crônicos, ao passo que a incidência é mais aplicada na mensuração de freqüência de doenças de curta duração.
  • 14. Prevalência Nº de casos conhecidos da doença num determinado período x 100.000 População durante o mesmo período
  • 15. A escola de primeiro grau do município de Palmeira tem 321 alunos matriculados. Durante os meses de agosto e setembro de 1996, ocorreram 91 casos de sarampo entre os alunos. Qual foi a taxa de ataque (em %) do sarampo, nessa escola, no período de agosto a setembro?
  • 16. No dia 17 de agosto, 15 alunos estiveram ausentes da escola durante o dia inteiro ou parte dele (a escola mantinha as crianças em tempo integral) em virtude de estarem acometidas pelo sarampo. Sete desses alunos ausentes constituíam casos novos de sarampo. No horário do almoço desse dia, 12 daquelas 15 crianças estavam ausentes da escola em conseqüência da doença, enquanto as outras 3/15 não haviam até aquele momento apresentado qualquer sintoma da doença. Calcule as seguintes taxas (em %), relativas a esse dia: a. incidência; b. prevalência;
  • 17. Dos 321 alunos da escola e dos 91 casos de sarampo ocorridos no período de agosto a setembro, pertenciam ao sexo masculino, respectivamente, 155 e 46 crianças. Calcule e compare as taxas de ataque, específicas por sexo, relativas ao surto ocorrido nesse período. Taxa de ataque no sexo masculino = 46 casos no sexo masculino x 100 = 29,67% 155 alunos do sexo masculino Taxa de ataque no sexo feminino = 45 casos no sexo feminino x 100 = 166 alunas do sexo feminino 27,10%