UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS
DEPARTAMENTO DE CLÍNICA MÉDICA
DISCIPLINA DE PNEUMOLOGIA ETISIOLOGIA
 Doença Milenar. 3700 a.C
FONTE: TARANTINO. Doenças Pulmonares. 6ª edição. Editora Sextante. 2008.
 Descoberta do agente causal por Robert
Koch em 1882.
FONTE: TARANTINO. Doenças Pulmonares. 6ª edição. Editora Sextante. ...
CONCEITOS INICIAIS
Mycobacterium tuberculosis
Atenção: Existem muitas outras espécies de micobactérias, algumas delas tamb...
 A doença pulmonar por MNT geralmente
ocorre em pacientes com doença pulmonar
crônica como:
 Pneumoconiose.
 DPOC.
 Se...
 Tratamentos iniciais: leite de burrica, leite de
camelo, sangrias, ventosas, cavalgadas.
FONTE: TARANTINO. Doenças Pulmo...
 Até a década de 1950 o pneumotórax
artificial foi o tratamento mais utilizado
FONTE: TARANTINO. Doenças Pulmonares. 6ª e...
 Sanatórios
 Doença grave, porém curável em
praticamente 100% dos casos
novos.
 Tratamento adequado é o meio
para evitar a persistên...
 Para que ocorra a transmissão
da tuberculose é necessário que
haja:
• O AGENTE INFECCIOSO
• O MODO DE TRANSMISSÃO DO MES...
OMS – Tuberculose, 2007:
 Casos novos no mundo: 9,27 milhões;
 Maioria: Ásia (55%) e África (31%);
 Incidência TB/HIV +...
OMS. Relatório 2009: http://www.who.int/tb/publications/global_report/2009/en/index.html
 Dentro dos 22 países (80%) priorizados pela OMS;
 2007 : 72.194 casos novos – 38 casos/105
hab;
41.117 bacilíferos;
 1...
Dados de 2008:
1. Rio de Janeiro (68,64/100 mil hab);
2. Amazonas (67,88);
3. Pernambuco (47,61);
4. Pará (43,72);
5. Cear...
A tuberculose é transmitida de pessoa a pessoa através do ar.
O paciente bacilífero ao tossir ou falar elimina aerosóis co...
PATOGENIA
Macrófago ativado
IL-6, IL-12, TNF
Interferon gama
Novos
macrófagos
Morte dos macrófagos
acumulo de células
infl...
 A probabilidade que a TB seja transmitida depende de alguns
fatores:
 Da contagiosidade do doente bacilífero fonte da i...
 O risco de progressão da infecção para a doença aumenta na
presença de situações que debilitem o sistema imunológico da
...
 TUBERCULOSE LATENTE ou INFECÇÃO
LATENTE DE TUBERCULOSE (ILTB) – Quando
o indivíduo encontra-se infectado pelo M.
tubercu...
 DEFINIÇÃO DE CASO – Todo indivíduo que tem
este diagnóstico confirmado por baciloscopia ou
cultura ou aquele em que o mé...
FEBRE
VESPERTINA/NOTURNA
ASTENIA
HEMOPTÓICOS
PERDA PONDERAL
TOSSE
 Outras formas de manifestação:
- Pneumonia de resolução lenta
- Pneumonia persistente
- Pneumonias de repetição
ÓRGÃOS MAIS COMUMENTE ACOMETIDOS.
Nos suspeitos de TB pulmonar (SR) a baciloscopia de escarro deve ser realizada
em, no mínimo, duas amostras, sendo a reali...
 Contatos de casos de tuberculose resistente;
 Pacientes com antecedentes de tratamento prévio independentemente do
temp...
Injeção intradérmica da tuberculina. Formação de pápula de inoculação.
Mensuração Correta
 Características do M. tuberculosis,
importantes para entender o tratamento
quimioterápico:
 Aerobiose estrita.
 Multip...
 Necessidade de oxigênio para seu metabolismo.
 Mácrofagos: meio ácido, pouco oxigenado 
crescimento lento.
 Lesões Ca...
 Com a liquefação do cáseo e o esvaziamento
da lesão, o bacilo encontra na parede da
cavidade condições ideais para sua
m...
 Interior dos macrófagos  Rifampicina (R),
Pirazinamida (P) e Etambutol (E).
 Difundem no meio intracelular e atuam em ...
 O bacilo desloca de forma prioritária seu metabolismo
para a construção da cápsula, em detrimento da própria
construção ...
 Quanto mais lento o metabolismo, mais
demorada será a atividade medicamentosa.
 No estado de infecção, sem doença e sem...
 A quimioterapia moderna para TB,
corretamente prescrita e
administrada, cura 98 a 99% dos
casos nunca tratados.
 O M. t...
 Esta resistência natural aos medicamentos se deve a
mutações genéticas e existem previamente nas populações
bacilares, a...
 A Rifampicina diminui substantivamente sua
ação com a ingestão concomitante de
alimentos e se altera com o uso de antiác...
 R = RIFAMPICINA
 H = ISONIAZIDA
 Z= PIRAZINAMIDA
 E= ETAMBUTOL
 Recomenda‐se a solicitação de cultura, identificação e teste de
sensibilidade (TS) para todos os casos com baciloscopia ...
 FALÊNCIA TERAPÊUTICA:
 Persistência de baciloscopia positiva ao final do
tratamento
 Casos fortemente positivos (++ ou...
 Abandono de Tratamento
 Interrupção do tratamento por período período
acima de 30 dias consecutivos.
 Visa o fortalecimento do paciente ao tratamento e
prevenção de resistência, reduzindo os casos de abandono e
aumentar a ...
Supervisão:
 Domiciliar
 Unidade de Saúde
 Prisional
 Compartilhada – Unidade Secundária/Terciária x
UBS
 Caso índice – Todo paciente com TB
pulmonar ativa, prioritariamente com
baciloscopia positiva.
 Contato – Toda pessoa q...
 Sintomáticos criancas ou adultos (incluindo pessoas com HIV/aids)
deverão ter sua investigação diagnostica ampliada com ...
 O tratamento da ILTB com ISONIAZIDA
reduz em 60% a 90% o risco de adoecimento
 Fármaco utilizado: Isoniazida
 Dose de ...
1)Manual de recomendações para controle da tuberculose. MS. 2010.
2) Doenças Pulmonares. 6ª Edição.Affonso Berardinelli Ta...
TUBERCULOSE
TUBERCULOSE
TUBERCULOSE
TUBERCULOSE
TUBERCULOSE
TUBERCULOSE
TUBERCULOSE
TUBERCULOSE
TUBERCULOSE
TUBERCULOSE
TUBERCULOSE
TUBERCULOSE
TUBERCULOSE
TUBERCULOSE
TUBERCULOSE
TUBERCULOSE
TUBERCULOSE
TUBERCULOSE
TUBERCULOSE
TUBERCULOSE
TUBERCULOSE
TUBERCULOSE
TUBERCULOSE
TUBERCULOSE
TUBERCULOSE
TUBERCULOSE
TUBERCULOSE
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

TUBERCULOSE

6,631

Published on

0 Comments
14 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
6,631
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
7
Actions
Shares
0
Downloads
3
Comments
0
Likes
14
Embeds 0
No embeds

No notes for slide
  • desde que obedecidos os princípios da moderna quimioterapia.
  • Transcript of "TUBERCULOSE"

    1. 1. UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS DEPARTAMENTO DE CLÍNICA MÉDICA DISCIPLINA DE PNEUMOLOGIA ETISIOLOGIA
    2. 2.  Doença Milenar. 3700 a.C FONTE: TARANTINO. Doenças Pulmonares. 6ª edição. Editora Sextante. 2008.
    3. 3.  Descoberta do agente causal por Robert Koch em 1882. FONTE: TARANTINO. Doenças Pulmonares. 6ª edição. Editora Sextante. 2008.
    4. 4. CONCEITOS INICIAIS Mycobacterium tuberculosis Atenção: Existem muitas outras espécies de micobactérias, algumas delas também são patogênicas para a espécie humana. Esses quadros são conhecidos como micobacterioses não tuberculosas.
    5. 5.  A doença pulmonar por MNT geralmente ocorre em pacientes com doença pulmonar crônica como:  Pneumoconiose.  DPOC.  Sequela de tuberculose.  Bronquiectasia.  Doença esofágica associada à aspiração crônica de material alimentar pelas vias aéreas.
    6. 6.  Tratamentos iniciais: leite de burrica, leite de camelo, sangrias, ventosas, cavalgadas. FONTE: TARANTINO. Doenças Pulmonares. 6ª edição. Editora Sextante. 2008.
    7. 7.  Até a década de 1950 o pneumotórax artificial foi o tratamento mais utilizado FONTE: TARANTINO. Doenças Pulmonares. 6ª edição. Editora Sextante. 2008.
    8. 8.  Sanatórios
    9. 9.  Doença grave, porém curável em praticamente 100% dos casos novos.  Tratamento adequado é o meio para evitar a persistência bacteriana e o desenvolvimento de resistência.  O tratamento reduz as fontes de infecção e o impacto da doença na comunidade.
    10. 10.  Para que ocorra a transmissão da tuberculose é necessário que haja: • O AGENTE INFECCIOSO • O MODO DE TRANSMISSÃO DO MESMO • A PESSOA SUSCEPTÍVEL
    11. 11. OMS – Tuberculose, 2007:  Casos novos no mundo: 9,27 milhões;  Maioria: Ásia (55%) e África (31%);  Incidência TB/HIV +: 1,37 milhão, 79% na África  Óbitos em casos novos : 1,75 milhão, sendo 456 mil nos HIV positivos.  TB multirresistente (TBMR) 500 mil casos.
    12. 12. OMS. Relatório 2009: http://www.who.int/tb/publications/global_report/2009/en/index.html
    13. 13.  Dentro dos 22 países (80%) priorizados pela OMS;  2007 : 72.194 casos novos – 38 casos/105 hab; 41.117 bacilíferos;  19° posição/ n° de casos;  SP maior número absoluto de casos  RJ maior coeficiente de incidência;  Óbitos 4500/ano  TB 4° causa morte DIPs, 1° AIDS/TB. FONTE: (SINAN).
    14. 14. Dados de 2008: 1. Rio de Janeiro (68,64/100 mil hab); 2. Amazonas (67,88); 3. Pernambuco (47,61); 4. Pará (43,72); 5. Ceará (43,2); 6. Rio Grande do Sul (42,53). As menores taxas de incidência do país foram registradas no Distrito Federal (13,73), Tocantins (13,67) e Goiás (13,91). FONTE: (SINAN).
    15. 15. A tuberculose é transmitida de pessoa a pessoa através do ar. O paciente bacilífero ao tossir ou falar elimina aerosóis contendo o germe.
    16. 16. PATOGENIA Macrófago ativado IL-6, IL-12, TNF Interferon gama Novos macrófagos Morte dos macrófagos acumulo de células inflamatórias e fibrina formam um granuloma (tubérculo) Células gigantes de Langhans que retiram água e depositam sais de cálcio
    17. 17.  A probabilidade que a TB seja transmitida depende de alguns fatores:  Da contagiosidade do doente bacilífero fonte da infecção;  Do tipo de ambiente onde a exposição ocorreu;  Da duração da exposição.
    18. 18.  O risco de progressão da infecção para a doença aumenta na presença de situações que debilitem o sistema imunológico da pessoa, como, por exemplo:  Diabetes Mellitus (DM);  Infecção pelo HIV;  Tratamento prolongado com corticosteroídes;  Terapia imunossupressora;  Doenças renais crônicas, entre outras.
    19. 19.  TUBERCULOSE LATENTE ou INFECÇÃO LATENTE DE TUBERCULOSE (ILTB) – Quando o indivíduo encontra-se infectado pelo M. tuberculosis, mas sem clínica ou alteração radiológica. Um marcador é o PPD reator forte.  TUBERCULOSE – Quando as manifestações clínicas da doença pulmonar ou extra-pulmonar se tornam aparentes, através de exames ou achados clínicos.
    20. 20.  DEFINIÇÃO DE CASO – Todo indivíduo que tem este diagnóstico confirmado por baciloscopia ou cultura ou aquele em que o médico, com base em dados clínico-epidemiológicos e no resultado de exames complementares, firma o diagnóstico de tuberculose.  CASO NOVO – É o doente com tuberculose que nunca foi tratado ou que usou drogas anti- tuberculosas por menos de 30 dias.
    21. 21. FEBRE VESPERTINA/NOTURNA ASTENIA HEMOPTÓICOS PERDA PONDERAL TOSSE
    22. 22.  Outras formas de manifestação: - Pneumonia de resolução lenta - Pneumonia persistente - Pneumonias de repetição
    23. 23. ÓRGÃOS MAIS COMUMENTE ACOMETIDOS.
    24. 24. Nos suspeitos de TB pulmonar (SR) a baciloscopia de escarro deve ser realizada em, no mínimo, duas amostras, sendo a realização da segunda amostra independente do resultado da primeira.
    25. 25.  Contatos de casos de tuberculose resistente;  Pacientes com antecedentes de tratamento prévio independentemente do tempo decorrido;  Pacientes imunodeprimidos, principalmente portadores de HIV;  Paciente com baciloscopia positiva no final do 2º mês de tratamento;  Falência ao tratamento anti-TB.  Em investigação de populações com maior risco (profissionais de saúde, indígenas, prisionais, moradores de rua) ATENÇÃO: Atualmente as culturas demandam um tempo de 45 a 60 dias para serem liberadas.
    26. 26. Injeção intradérmica da tuberculina. Formação de pápula de inoculação. Mensuração Correta
    27. 27.  Características do M. tuberculosis, importantes para entender o tratamento quimioterápico:  Aerobiose estrita.  Multiplicação lenta.  Alta proporção de mutantes resistentes.
    28. 28.  Necessidade de oxigênio para seu metabolismo.  Mácrofagos: meio ácido, pouco oxigenado  crescimento lento.  Lesões Caseosas/fechadas  pH ácido ou neutro necessita acumular O2 proveniente do metabolismo tecidual. Crescimento intermitente  Persistentes  RECAÍDAS/RECIDIVAS.
    29. 29.  Com a liquefação do cáseo e o esvaziamento da lesão, o bacilo encontra na parede da cavidade condições ideais para sua multiplicação, tanto pela boa oferta de oxigênio e pelo pH neutro como pela presença de substâncias nutrientes, desenvolvendo então um crescimento rápido.  Nestas lesões, formam-se grandes populações bacilares que, se tratadas inadequadamente, resultam na falência do tratamento pelo aparecimento de "bacilos resistentes" .
    30. 30.  Interior dos macrófagos  Rifampicina (R), Pirazinamida (P) e Etambutol (E).  Difundem no meio intracelular e atuam em pH ácido.  Lesões fechadas  a mais efetiva e de maior rapidez de ação é a R, sendo a atuação da isoniazida (H) mais lenta e demorada.  Na parede cavitária  as ações da Rifampicina, da isoniazida e da estreptomicina (S), que só age em pH neutro, são boas .
    31. 31.  O bacilo desloca de forma prioritária seu metabolismo para a construção da cápsula, em detrimento da própria construção proteica celular, apresentando uma contradição entre conteúdo (citoplasma) e continente (cápsula), tornando lenta sua divisão celular.  Por encontrar dificuldades de penetração através da cápsula, os medicamentos só agem durante o metabolismo ativo, ou seja, momento da divisão bacilar.
    32. 32.  Quanto mais lento o metabolismo, mais demorada será a atividade medicamentosa.  No estado de infecção, sem doença e sem atividade bacilar, os medicamentos nãoapresentam atividade. Esta característica do bacilo determina uma evolução crônica para a doença e exige um tempo maior de tratamento .
    33. 33.  A quimioterapia moderna para TB, corretamente prescrita e administrada, cura 98 a 99% dos casos nunca tratados.  O M. tuberculosis apresenta uma freqüência de mutantes naturalmente resistentes às drogas, variável de acordo com cada uma delas.
    34. 34.  Esta resistência natural aos medicamentos se deve a mutações genéticas e existem previamente nas populações bacilares, antes mesmo da exposição a eles (resistência primária)  Tratamentos irregulares, interrompidos antes de uma completa esterilização dos germes (abandono) ou com doses inadequadas, condicionam o aparecimento de cepas resistentes aos medicamentos (resistência pós-primária).
    35. 35.  A Rifampicina diminui substantivamente sua ação com a ingestão concomitante de alimentos e se altera com o uso de antiácidos, levando à menor concentração sérica.
    36. 36.  R = RIFAMPICINA  H = ISONIAZIDA  Z= PIRAZINAMIDA  E= ETAMBUTOL
    37. 37.  Recomenda‐se a solicitação de cultura, identificação e teste de sensibilidade (TS) para todos os casos com baciloscopia positiva ao final do segundo mês de tratamento.  De acordo com o resultado do TS será identificada a possível resistência aos fármacos e mudança do esquema será avaliada na unidade de referência terciária  Até o retorno e avaliação do TS deverá ser mantido o esquema inicial.
    38. 38.  FALÊNCIA TERAPÊUTICA:  Persistência de baciloscopia positiva ao final do tratamento  Casos fortemente positivos (++ ou +++) no início do tratamento e que mantêm essa situação até o quarto mês de tratamento  Casos com positividade inicial seguida de negativação e nova positividade a partir do quarto mês de tratamento.
    39. 39.  Abandono de Tratamento  Interrupção do tratamento por período período acima de 30 dias consecutivos.
    40. 40.  Visa o fortalecimento do paciente ao tratamento e prevenção de resistência, reduzindo os casos de abandono e aumentar a probabilidade de cura;  Todo caso de tuberculose (novos e retratamentos) deve realizar o tratamento diretamente observado, pois não é possível predizer os casos que irão aderir ao tratamento;  Tomada observada diária de segunda a sexta;  Uso de incentivos;
    41. 41. Supervisão:  Domiciliar  Unidade de Saúde  Prisional  Compartilhada – Unidade Secundária/Terciária x UBS
    42. 42.  Caso índice – Todo paciente com TB pulmonar ativa, prioritariamente com baciloscopia positiva.  Contato – Toda pessoa que convive no mesmo ambiente com o caso índice, no momento do diagnostico da TB.
    43. 43.  Sintomáticos criancas ou adultos (incluindo pessoas com HIV/aids) deverão ter sua investigação diagnostica ampliada com radiografia de tórax, baciloscopia de escarro e/ou outros exames, de acordo com cada caso.  Assintomáticos adultos e adolescentes (>10 anos) – realizar PT .  Assintomáticos crianças (<10 anos) – realizar PT e RX.  Contatos com historia previa de TB tratada anteriormente com quaisquer resultados da PT nao devem ser tratados para ILTB.
    44. 44.  O tratamento da ILTB com ISONIAZIDA reduz em 60% a 90% o risco de adoecimento  Fármaco utilizado: Isoniazida  Dose de 5 a 10 mg/kg de peso ate a dose maxima de 300mg/dia.  Tempo de tratamento: mínimo de seis meses.
    45. 45. 1)Manual de recomendações para controle da tuberculose. MS. 2010. 2) Doenças Pulmonares. 6ª Edição.Affonso Berardinelli Tarantino.

    ×