Radiografia normal do tórax

115,777 views
115,761 views

Published on

Aula ministrada pela Dra Adriana Barreto.
Sessão científica da Residência Médica em Pneumologia do HUJBB/UFPA

4 Comments
36 Likes
Statistics
Notes
No Downloads
Views
Total views
115,777
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
8,674
Actions
Shares
0
Downloads
1,467
Comments
4
Likes
36
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Radiografia normal do tórax

  1. 1. UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ HOSPITAL UNIVERSITÁRIO JOÃO DE BARROS BARRETO RESIDÊNCIA MÉDICA EM PNEUMOLOGIA E TISIOLOGIA CURSO DE RADIOLOGIA TORÁCICA AULA 1: RADIOGRAFIA DE TÓRAX NORMAL Dra GRAÇA PANTOJA Preceptoria da Pneumologia PALESTRANTE: Dra Adriana Barreto Preceptoria da Pneumologia
  2. 2. RADIOGRAFIA DE TÓRAX
  3. 3. Radiologia Torácica Incidências: 1. Postero-anterior: evitar a magnificação do coração e possibilita o posicionamento dos ombros de tal forma que a escápula fique fora do filme. 2. Antero-posterior: crianças pequenas e pacientes graves 3. Perfil: Sempre solicitada com a PA. Auxilia bastante na localização e caracterização de lesões. Rotineiramente realiza-se o perfil esquerdo O perfil direito é realizado para avaliação de lesões à direita.
  4. 4. Radiologia Torácica
  5. 5. RADIOGRAFIA DO TÓRAX <ul><li>Posicionamento adequado do paciente </li></ul>
  6. 6. Radiografia de tórax em PA
  7. 7. Radiografia de tórax em AP
  8. 8. Radiografia de tórax em perfil
  9. 9. Radiografia ápico-lordótica <ul><li>O feixe de raios X entra anteriormente e as costas estão em contato com o filme. O paciente assume uma posição em hiperlordose, retirando as clavículas dos campos. Esta incidência tem grande valor para a avaliação dos ápices pulmonares, lobo médio e língula. </li></ul>
  10. 10. Radiografia de tórax em decúbito lateral com raios horizontais <ul><li>Diferenciação entre derrame e espessamento pleural. </li></ul><ul><li>O paciente é colocado em decúbito lateral, deitado sobre o hemitórax a ser examinado e o feixe entra em sentido horizontal. </li></ul>
  11. 11. Radiografia de tórax <ul><li>Decúbito lateral com raios horizontais </li></ul>
  12. 12. Radiografia do tórax <ul><li>Incidências oblíquas </li></ul>
  13. 13. Radiologia do tórax <ul><li>Parâmetros técnicos </li></ul><ul><li>• com dose de radiação adequada </li></ul><ul><li>• bem inspirado </li></ul><ul><li>• adequadamente centrado </li></ul>
  14. 14. Radiologia do tórax <ul><li>Inspiração correta: em apnéia inspiratória máxima. Para sabermos se o exame está bem inspirado, devemos ter de 9 a 11 costelas posteriores projetando-se sobre os campos pulmonares. </li></ul>
  15. 15. Radiologia do tórax <ul><li>Alinhamento: as bordas mediais das clavículas devem estar eqüidistantes do centro da coluna. Além disto, as escápulas devem estar fora do campo. </li></ul>
  16. 16. Radiologia do tórax <ul><li>Radiografias mal alinhadas </li></ul>
  17. 17. Sistematização da interpretação da radiografia simples do tórax <ul><li>1. Partes moles: avaliação das mamas, região cervical, supra-escapular, tecido subcutâneo, abdome superior </li></ul><ul><li>2. Ossos: coluna, clavículas, costelas, ombros, esterno </li></ul><ul><li>3. Coração: morfologia e dimensões </li></ul><ul><li>4. Aorta e artérias pulmonares: verificação de anomalias congênitas e aneurismas </li></ul><ul><li>5. Mediastino: alargamentos, pneumomediastino, massas </li></ul><ul><li>6. Hilos: estudo comparativo da morfologia e dimensões </li></ul><ul><li>7. Parênquima pulmonar: nódulos, massas, consolidações, cavidades </li></ul><ul><li>8. Pleura: espessamentos, pneumotórax, derrame pleural </li></ul><ul><li>9. Diafragma: altura, morfologia, estudo comparativo </li></ul><ul><li>10. Seios costofrênicos: verificar se estão livres; em casos duvidosos realizar decúbito lateral. </li></ul>
  18. 18. Radiologia do tórax Partes moles Arcabouço ósseo Hilos pulmonares Diafragmas e seios costofrênicos
  19. 19. Radiologia do tórax Partes moles Arcabouço ósseo Hilos pulmonares Diafragmas e seios costofrênicos
  20. 20. Radiologia do tórax Partes moles Arcabouço ósseo Hilos pulmonares Diafragmas e seios costofrênicos
  21. 21. Radiologia do tórax Partes moles Arcabouço ósseo Hilos pulmonares Diafragmas e seios costofrênicos
  22. 22. Radiologia do tórax Partes moles Arcabouço ósseo Hilos pulmonares Diafragmas e seios costofrênicos
  23. 23. Parênquima pulmonar: divisão em lobos <ul><li>Pulmão direito </li></ul>
  24. 24. Parênquima pulmonar: divisão em lobos <ul><li>Lobo superior direito </li></ul>
  25. 25. Parênquima pulmonar: divisão em lobos <ul><li>Lobo médio </li></ul>
  26. 26. Parênquima pulmonar: divisão em lobos <ul><li>Lobo inferior direito </li></ul>
  27. 27. Pulmão direito: divisão em segmentos
  28. 28. Pulmão direito: divisão em segmentos
  29. 29. Pulmão direito: divisão em segmentos
  30. 30. Parênquima pulmonar: divisão em lobos <ul><li>Lobo superior esquerdo </li></ul>
  31. 31. Parênquima pulmonar: divisão em lobos <ul><li>Lobo inferior esquerdo </li></ul>
  32. 32. Pulmão esquerdo: divisão em segmentos
  33. 33. Pulmão esquerdo: divisão em segmentos
  34. 34. Mediastino <ul><li>Divisões do mediastino </li></ul>
  35. 35. Linhas cardíacas
  36. 36. Linhas cardíacas
  37. 37. Linhas Mediastinais <ul><li>Linha de junção anterior: ponto de encontro entre os pulmões anteriormente. Fica na linha mediana e abaixo do manúbrio esternal. É vista em 20% das radiografias de tórax. Esta linha é de difícil visualização e, portanto, não tem importância prática. </li></ul>
  38. 38. Linhas Mediastinais <ul><li>Linha da veia cava superior: situada à direita da coluna vertebral, dirigindo-se para o átrio direito. </li></ul>
  39. 39. Linhas Mediastinais <ul><li>Linha da artéria subclávia esquerda: a artéria subclávia esquerda emerge do arco da aorta e se dirige antero-superiormente à esquerda. Visualizada na maior parte das radiografias. </li></ul>
  40. 40. Linhas Mediastinais <ul><li>Linha da aorta descendente: deve estar à esquerda da coluna vertebral. A porção ascendente da aorta é de difícil visualização, a não ser que haja uma ectasia ou um aneurisma da aorta. </li></ul>
  41. 41. Linhas Mediastinais <ul><li>Linhas paratraqueais: são finas; a direita é mais facilmente visualizada (cerca de 60% das radiografias). Alargamentos podem ocorrer em diversas condições, como hematomas, linfonodomegalias, massas mediastinais ou tumores traqueais. </li></ul>
  42. 42. Linhas Mediastinais <ul><li>Linha do recesso azigoesofágico: representa uma reentrância do pulmão, próximo ao trajeto do esôfago e da ázigos. Ela se inicia na carina e se dirige para baixo, em direção ao diafragma, num trajeto, levemente, inclinado. Abaulamentos desta linha podem ser decorrentes de linfonodomegalias, carcinoma esofágico, dilatação da ázigos, cistos broncogênicos, etc. </li></ul>
  43. 43. Linhas Paratraqueais <ul><li>Linhas paravertebrais: geralmente são imperceptíveis. Podem estar alargadas em caso de alterações no mediastino posterior (abscessos, neoplasias, ectasia da ázigos) ou na própria coluna vertebral (osteófitos, tumores). </li></ul>
  44. 44. Radiografia do tórax <ul><li>Conseguimos visualizar silhuetas vasculares até cerca de ¾ do pulmão. </li></ul><ul><li>As marcas vasculares tem maior intensidade nos campos inferiores. </li></ul>
  45. 45. Radiografia de tórax em perfil
  46. 46. Radiografia de tórax em perfil
  47. 47. Radiografia de tórax em perfil
  48. 48. Radiografia de tórax em perfil

×