Your SlideShare is downloading. ×
  • Like
  • Save
Insuficiencia Respiratoria
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×

Now you can save presentations on your phone or tablet

Available for both IPhone and Android

Text the download link to your phone

Standard text messaging rates apply

Insuficiencia Respiratoria

  • 4,071 views
Published

 

  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
No Downloads

Views

Total Views
4,071
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1

Actions

Shares
Downloads
79
Comments
1
Likes
4

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS DEPARTAMENTO DE CLÍNICA MÉDICA DISCIPLINA DE PNEUMOLOGIA E TISIOLOGIA
  • 2. Regulação do Equilíbrio Ácido – Básico Moléculas capazes de liberar íons H(+) = Ácidos Moléculas capazes de aceitar íons H(+) = Bases Sistema tampão tampões são substâncias que impedem que ácidos ou bases, quando adicionados a uma solução, alterem significativamente seu pH.
  • 3. 1) Tampões Plasmáticos - Tendem a se opor à mudanças de pH - o efeito de ácidos ou bases adicionados nos liquidos corporais - Atuação imediata 2) Sistema Pulmonar - elimina ou retém CO2 (Hiperventilação ou Hipoventilação) - atuação em minutos a horas 3) Sistema Renal - Filtração de Bicarbonato, filtração de cloreto de sódio, excreção de bicarbonato de sódio (Alcalose) = excreção de urina ácida ou alcalina, reajustando a concentração de íons hidrogênio do líquido extracelular normal durante a acidose ou alcalose - atuação em horas ou dias
  • 4. ÁCIDO RESPIRATÓRIO BASE METABÓLICO
  • 5.  Exprime a eficácia das trocas gasosas através da membrana alveolocapilar  Valores normais: de 80 a 100 mmhg ↓ 60 mmhg = hipoxemia severa Relacionar PaO2 com fiO2 ofertada  
  • 6.      Eficácia da ventilação alveolar Valores normais: de 35 a 45 mmhg Reflete distúrbios respiratórios do pH ↓PaCO2 = hiperventilação = Alcalose respiratória ↑PaCO2 = hipoventilação = Acidose respiratória
  • 7.      Concentração depende da função renal Valores normais: de 22 a 24mMol/l Reflete distúrbios metabólicos ↓HCO3 = ↓ pH = acidose metabólica ↑HCO3 = ↑ pH = alcalose metabólica
  • 8.  Nos indica se o organismo perdeu ou ganhou bases.  Quando baixo indica perda de bases  Quando alto indica ganho de bases  Nos ajuda a distinguir distúrbios agudos dos distúrbios crônicos  Nos quadros agudos o BE costuma encontrar-se normal  Nos quadros crônicos costuma encontrar-se alterado  Nos auxília a avalia a gravidade  Ex: > + 10 = Alcalose grave; < -10 = Acidose grave
  • 9. VALORES NORMAIS DE GASOMETRIA ARTERIAL pH = 7,35 – 7,45 pCO2 = 35 – 45 mmHg pO2 = 80 – 100 mmHg SO2 = 96 – 98 % BE= -2 /+2 HCO3 = 22 – 24 mEq/l
  • 10.        Acidose respiratória Alcalose respiratória Acidose metabólica Alcalose metabólica Acidose mista Alcalose mista Gasometria compensada
  • 11. OLHE PARA O PH ATENÇÃO: o pH pode estar normal na presença de um distúrbio misto, particularmente se outros parâmetros da gasometria estiverem anormais.
  • 12. OLHE PARA A PACO2 E PARA O HCO3 Que processo AB (alcalose,acidose) está contribuindo para o pH anormal? Nos distúrbios AB simples, ambos os valores são anormais e a direção da alteração anormal é a mesma para ambos os parâmetros. -um valor anormal será a alteração inicial e o outro será a resposta compensatória.
  • 13. A alteração inicial será o valor anormal que se correlaciona com o pH anormal. Se alcalose: Pco2 - estará BAIXA HCO3- estará ALTO Se acidose: pCO2 - estará ALTO HCO3- estará BAIXO ou ou Achou a alteração inicial? Ótimo! Então o outro parâmetro anormal será a resposta compensatória.
  • 14. Se o pCO2 é a alteração química inicial,então, o processo é respiratório Se o HCO3- é alteração química inicial, então, o processo é metabólico
  • 15.       Ph= 7.32 pCO2= 52 pO2 = 60 HCO3- = 24 EB = - 1 spO2 = 94% Acidose Alto = Ácido Normal ACIDOSE RESPIRATÓRIA
  • 16.       pH = 7.32 pCO2 = 42 pO2= 90 HCO3-= 19 EB = -6 spO2 = 98% Acidose Normal pH = 7,35 – 7,45 pCO2 = 35 – 45 mmHg pO2 = 80 – 100 mmHg Baixo = Ácido ACIDOSE METABÓLICA SO2 = 96 – 98 % BE= -2 /+2 HCO3 = 22 – 24 mEq/l
  • 17.       Alcalose pH= 7.49 PCO2 = 33 Baixo = Alcalino PO2 = 160 Normal HCO3- = 23 EB = +2 spO2 = 100% ALCALOSE RESPIRATÓRIA pH = 7,35 – 7,45 pCO2 = 35 – 45 mmHg pO2 = 80 – 100 mmHg SO2 = 96 – 98 % BE= -2 /+2 HCO3 = 22 – 24 mEq/l
  • 18.       pH = 7.49 Pco2= 44 Po2 = 90 HCO3- = 32 EB = +10 spO2= 98% Alcalose Normal pH = 7,35 – 7,45 pCO2 = 35 – 45 mmHg pO2 = 80 – 100 mmHg SO2 = 96 – 98 % Alto = Alcalino ALCALOSE METABÓLICA BE= -2 /+2 HCO3 = 22 – 24 mEq/l
  • 19.       pH=7.31 Pco2= 52 pO2=80 HCO3- = 19 EB = -4 spO2 = 95% Acidose Alto = Ácido pH = 7,35 – 7,45 pCO2 = 35 – 45 mmHg pO2 = 80 – 100 mmHg Baixo = Ácido ACIDOSE MISTA Duas alterações de sistemas diferentes que diminuem o pH! SO2 = 96 – 98 % BE= -2 /+2 HCO3 = 22 – 24 mEq/l
  • 20.       Ph=7.49 PCO2=31 PO2 = 180 HCO3 = 32 EB = +10 spO2 = 100% Alcalose pH = 7,35 – 7,45 Baixo = Alcalino pCO2 = 35 – 45 mmHg pO2 = 80 – 100 mmHg Alto = Alcalino ALCALOSE MISTA Duas alterações de sistemas diferentes que diminuem o pH! SO2 = 96 – 98 % BE= -2 /+2 HCO3 = 22 – 24 mEq/l
  • 21.       Acidose Ph=7.31 PCO2=33 Baixo = Alcalino PO2 = 180 HCO3 = 16 Baixo= ACIDO EB = +10 spO2 = 100% ACIDOSE METABÓLICA pH = 7,35 – 7,45 pCO2 = 35 – 45 mmHg pO2 = 80 – 100 mmHg SO2 = 96 – 98 % BE= -2 /+2 HCO3 = 22 – 24 mEq/l
  • 22.  Como saber se a compensação está adequada?  Na acidose metabólica pCO2 esperada = 1.5 x [HCO3-] + 8 (+/- 2) ▪ pH=7,31, pCO2=33 mmHg,HCO3 = 16 ▪ 1,5 X (16) + 8 = 32 (+/- 2)  Pco2 esperada: entre 30 e 34.
  • 23.  Na Alcalose metabólica pCO2 esperada = [HCO3-] + 15  (+/- 2) Na Acidose Respiratória Crônica HCO3 aumenta 3,5 para cada 10 mmhg de pCO2  Na Alcalose Respiratória Crônica HCO3 cai 4,0 para cada 10 mmhg de pCO2
  • 24.  Auxilia a diferenciar se a acidose ocorreu por perda de bases ou acréscimo de ácidos  Quando alto = acrescimo de ácidos  Quando baixo = perda de bases  COMO CALCULAR? AG = NA- (CL + HCO3) VR: < 16
  • 25.  É uma estimativa da diferença de concentração de oxigênio no alvéolo e na artéria.  Quando a diferença é grande, ou seja, quando o A-a é elevado indica que há alteração na troca gasosa. ▪ Distúrbios V/Q ▪ Hipoventilação alveolar A-a = (pAtm – pH2O) x FiO2 – pO2 – pCO2/Resp Q* *Resp Q = 0,8 sem em ar ambiente e 1,0 c/O2 suplementar
  • 26.  O processo de transferência do ar do ambiente até os alvéolos exige integridade do aparelho respiratório como um todo       SNC SN periférico Estruturas Musculares Caixa torácica Vias aéreas Parênquima Pulmonar
  • 27.  A alteração da qualidade do ar ou de qualquer componente leva a prejuízo da bomba ventilatória podendo interferir nos seguintes processos:  Eliminação de CO2  Captação de O2
  • 28.  Desequilíbrio funcional que acontece devido à incapacidade de manutenção da adequada oxigenação dos tecidos e consequente eliminação do CO2.
  • 29.  Aguda ▪ ▪ ▪ ▪  Crise Asmática Lesão Pulmonar Aguda Síndrome do Desconforto Respiratório do Adulto Bronquiolite viral aguda Crônica ▪ ▪ ▪ ▪ DPOC Fibroses Pulmonares Pneumopatias intersticiais Hipertensão Pulmonar
  • 30.  Expressão gasométrica: Pao2 < 60 mmhg e/ou Paco2>55 mmhg
  • 31.  A) Classificação:  A1) IRA Hipoxêmica- PaO2<60 mmhg/SpO2 <90%  A2) IRA Hipercápnica- PaCO2> 55 mmhg/pH <7,3
  • 32.   B) Causas de IRA Adulto – multifatoriais  Distúrbios pulmonares ▪ Vias aéreas inferiores ▪ Parênquima pulmonar  Distúrbios não pulmonares ▪ ▪ ▪ ▪ Anormalidades do SNC, Sistema neuromuscular, Vias Aéreas Superiores Sistema cardiovascular
  • 33. 37
  • 34. 38
  • 35. 39
  • 36. 40
  • 37. 41
  • 38.  Hipoxemia:  Incompatibilidade entre a ventilação alveolar e     perfusão pulmonar. Shunt: perfusão > ventilação Difusão diminuída de O2 através da membrana alveolo-capilar Hipoventilação alveolar Altitudes elevadas 42
  • 39.  HIPERCAPNIA:  Incapacidade de detectar PaCO2 elevada  Incapacidade de resposta neurológica com mecanismos efetores da ventilação  Incapacidade resposta muscular  Espaço morto: fluxo gasoso adequado x fluxo sanguíneo inadequado 43
  • 40. 44
  • 41.  Causas  Captação anormal de oxigênio: Neoplasia  Infecções : virais ,bacterianas ,fúngicas  Trauma:contusão pulmonar,laceração  Outros: broncoespasmo,ICC,SDRA,atelectasia,embolia pulmonar. 45
  • 42.  Causas  Distúrbios associados com eliminação inadequada de CO2  Drogas:opióides,benzodiazepínicos,vene-nos,barbituricos  Metabólicos:hiponatremia,hipocalcemia,hiperglicemia, mixede ma ,neoplasias.  Infecção de SNC:meningite ,encefalite,poliomielite 46
  • 43.  Causas  Nervos e músculos: ▪ Trauma : medula espinhal,diafragma ▪ Drogas /toxinas: Benzodiazepínicos, aminoglicosídeos  Metabólicos: ▪ hipocalemia ,hipercalemia , hipofosfatemia,hipomagnesemia  Infecções: ▪ tétano, poliomielite 47
  • 44.  Causas  Vias aéreas superiores: ▪ Crescimento tissular:neoplasias malignas, pólipos,bócio ▪ Infecções : epiglotite,laringotraqueíte  Trauma: Trauma de traquéiafratura de costela,contusão torácica  Outras:paralisia bilateral de cordas vocais, edema de laringe,traqueomalácia,  Outras : ▪ miastemia gravis,esclerose múltipla, distrofia muscular, Guilhain- barre 48
  • 45.  Síndrome de insuficiência respiratória de instalação aguda, caracterizada por:  Infiltrado pulmonar bilateral à radiografia de tórax  Hipoxemia grave (relação PaO2/FIO2 ≤ 200);  Pressão de oclusão da artéria pulmonar ≤ 18 mmHg ▪ ou ausência de sinais clínicos ou ecocardiográficos de hipertensão atrial esquerda;  Presença de um fator de risco para lesão pulmonar.
  • 46. Definição idêntica a da SDRA, porém com PaO2/FiO2 entre 200 e 300 
  • 47.  Dano Alveolar Difuso PEQUENO AUMENTO GRANDE AUMENTO
  • 48.  Pode ocorrer por condições que agridem os pulmões diretamente, ou de condições de resposta inflamatória sistêmica, que agridem os pulmões indiretamente.
  • 49.  FASE EXSUDATIVA (Inicial)  Edema rico em proteínas nas paredes e espaço alveolar por quebra da integridade da barreira alvéolo-capilar.  A persistência do edema leva a formação da membrana hialina.  Infiltrado inflamatório neutrofílico
  • 50.  Fase Proliferativa  Organização do processo inflamatório  Formação de fibrose  Atelectasias  Fase resolutiva  Reabsorção do edema  Controle do processo inflamatório  Fibrose pode reverter por apoptose em alguns casos
  • 51.  Estado mental alterado: agitação - sonolência  Trabalho respiratório aumentado:  batimento de asa de nariz,uso de musculatura acessória,taquipnéia , hiperpnéia  Bradipnéia  Cianose de extremidades  Diaforese ,taquicardia ,hipertensão. 60
  • 52.  E) Testes laboratoriais :  Gasometria arterial  Radiografia de tórax em PA e perfil (se possível)  Hemograma , eletrólitos etc  Relação Pao2 / FiO2  Ideal > 400  Lesão pulmonar aguda : > 200 < 300  SDRA: < 200  SDRA grave : < 100 62
  • 53.  Fornecimento de o2 -Movimento do O2 pela MAC:PAo2 e Po2 capilar -PAo2 – aumenta com o fornecimento de o2 suplementar, melhorando Po2. - intervenção para ganhar tempo. 64
  • 54.  CÂNULA NASAL  O2 fluxo baixo ( 0,5 – 5 lim/min)  Resseca mucosa – fluxo alto  Baixo fluxo – baixo o2  Dificulta precisão da FiO2 que está sendo ofertada. 65
  • 55. Máscara facial de entrada de ar (máscara de Venturi)  Liberam o2 através da de jato de ar  Fio2 0,24 – 0,50  Alto fluxo e o2 controlado  66
  • 56. Máscara facial com aerosol  O2 variável e fluxo moderado  Máscara facial com reservatório  Alto fluxo e alta concentração  Fio2 0,6 – 0,7  67
  • 57.  Ventilação não Invasiva com pressão positiva ( VNPP)  Assistência ventilatória sem uma via aérea definitiva  Máscara nasal ou facial conectado VM 68
  • 58.  Ventilação mecânica não invasiva  Objetivo:  Melhorar trocas gasosas  Aliviar trabalho respiratório  Evitar TOT 69
  • 59.       Indicações: Apnéia obstrutiva do sono Asma /Dpoc Edema agudo de pulmão Pneumonia/ LPA/SDRA Doença neuromuscular 70
  • 60.        Contra-indicações: PCR Trauma grave Redução drive respiratório Instabilidade hemodinâmica Hemorragia digestiva alta Po recente facial / esofágico 71
  • 61.         Contra-indicações relativas: Ansiedade Paciente não colaborativo SDRA Trauma / queimadura da face Alterações anatômicas faciais Obesidade mórbida Aumento de secreção 72
  • 62.  Complicações :  Ventilador: correção lenta da IRA , distensão gástrica  Máscara : vazamentos, irritação ocular , necrose tecidual  Perda da proteção das vias aéreas inferioresbronco-aspiração , aspiração mais dificil 73
  • 63.  Ventilação Mecânica Invasiva  Via aérea definitiva  Sedação  Indicações  Rebaixamento do nível de consciência (glasgow <8)  Falência Respiratória  PCR  Hemoptise maciça
  • 64. PRESSÃO POSITIVA DISTENSÃO RECRUTAMENTO VOL/P VOL/P VD/V1 VD/V1 D.C. SHUNT VAZAMENTO DE AR D.C. SHUNT VAZAMENTO DE AR
  • 65.  Materiais disponíveis no site: www.draflaviasalame.com