Your SlideShare is downloading. ×
Distúrbios Respiratórios do Sono
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Distúrbios Respiratórios do Sono

300

Published on

Distúrbios Respiratórios do Sono

Distúrbios Respiratórios do Sono

Published in: Health & Medicine
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
300
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
2
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS DEPARTAMENTO DE CLINICA MÉDICA DISCIPLINA DE PNEUMOLOGIA ETISIOLOGIA
  • 2.  Sono é um estado de repouso periódico do corpo, especialmente do sistema nervoso, onde há uma redução do alerta em relação ao ambiente, redução das atividades dos órgãos dos sentidos e movimento. Adrian R. Morrison. Fishman’s Pulmonary Diseases and Disorders.Stages of Sleep. 4th ed. Part XIII,Cp.95. P.1679, 2008.
  • 3.  Durante o sono os mamíferos ciclam em duas fases distintas: Sono REM e sono não-REM.  O sono não-REM sempre precede o sono REM.  Duração de cada ciclo dura em média 90 minutos.  As características fisiológicas de cada fase são dramaticamente diferentes.
  • 4. Arquitetura do sono  Após 90 minutos de NREM (os 4 estágios), ocorre o primeiro REM. (1º ciclo)  Cerca de 5 a 6 ciclos de sono NREM-REM em uma noite de 8 horas de sono.
  • 5.  SistemaCardiovascular: • PA e FC diminuem no sono NREM, aumentando na vigília e no sono REM.  Sistema Respiratório: • Perda do controle voluntário. • Decréscimo no padrão respiratório. • No sono REM, o padrão é irregular.  Sistema Digestório: • Diminuição da atividade.
  • 6.  Sistema Endócrino: • GH atinge seu pico 90 minutos após início do sono (NREM) • Cortisol atinge o pico nas primeiras horas da manhã (4 a 8 horas), reduzindo ao longo do dia. Valor mínimo no início do sono.  Sistema Renal: • Fluxo de urina e excreção de eletrólitos são menores.  TemperaturaCorporal: • Reduz. Menores valores durante o sono NREM.
  • 7.  Indivíduos indiferentes (78 a 82%): não têm horário preferencial para dormir ou acordar.  Indivíduos matutinos (10 a 12%): acordam espontaneamente bem cedo e preferem dor- mir mais cedo. Picos adiantados em relação aos indiferentes.  Indivíduos vespertinos (8 a 10%): tendem a acordar tarde e deitar tarde, preferindo realizar atividades à tarde e à noite. Picos atrasados em relação aos indiferentes.
  • 8.  Média de sono da maioria da população: entre 6 horas e meia e 8 horas e meia.  Dormidor curto: precisa de no máximo 6 ho- ras e meia de sono.  Dormidor longo: precisa de no mínimo 8 ho- ras e meia de sono.
  • 9.  Episódios recorrentes de obstrução parcial ou completa de vias aéreas superiores durante o sono, geralmente interrompidos por despertar.  A interrupção da ventilação resulta, em geral, em dessaturação e, ocasionalmente, em hipercapnia.
  • 10.  Sonolência excessiva diurna  Fadiga  Sensação de sono não reparador  Irritabilidade  Dificuldades de concentração  Roncos  Episódios de apnéia noturna observado por terceiros.  Hipertensão arterial refratária  Cefaléia matinal  Disfunção erétil  Dificuldades de concentração
  • 11.  1º passo: Investigar hábitos do sono (sonolência por privação do sono?)  2º passo: Não tratando-se de privação do sono. Aplicar a escala de sonolência de Epworth para avaliar se a sonolência é patológica.  > 10 pontos: sonolência excessiva.
  • 12.  Obesidade  Circunferência cervical aumentada ▪ > 38 cm em mulheres ▪ > 43 cm em homens  Circunferência abdominal aumentada ▪ 85 cm em mulheres ▪ 95 cm em homens  Classificação de Mallampatti III e IV  Hipertrofia tonsilar III e IV (Brodsky)  Palato Ogival  Retrognatia
  • 13.  POLISSONOGRAFIA
  • 14.  Pelo número de episódios de hipopnéia e apnéia que ocorrem por hora. ▪ < 5/hora - normal ▪ 5 a 15/hora - leve ▪ 15 a 30/hora - moderada ▪ > 30/hora - grave  Pela ocorrência de quedas importantes nos níveis de saturação periférica de O2 durante os episódios.  Duração dos episódios de hipoxemia.  Duração dos episódios de apnéia.  Grau de fragmentação do sono.
  • 15.  Comportamental – Higiene do sono  Clínico ▪ CPAP ▪ Aparelho intra-oral  Cirúrgico ▪ Traqueostomia ▪ Cirurgias de correção de vias aéreas superiores. ▪ Uvulopalatofaringoplastia ▪ Cirurgias ortognáticas
  • 16.  Melhora em qualidade de vida e produtividade  Evitar os efeitos nocivos de hipoxemia prolongada (ex. HAP)  Redução de complicações neurocognitivas e Psicológicas.
  • 17.  É o estudo eletrográfico do sono com vistas à avaliação de variáveis fisiológicas que podem estar comprometidas, nos vários distúrbios do sono.
  • 18. Polissonógrafo
  • 19.  Eletroencefalograma (EEG): • Registro da atividade elétrica cerebral.  Eletroculograma (EOG): • Registro dos movimentos oculares  Eletromiograma (EMG): • Registro do tônus muscular mentoniano. Componentes obrigatórios
  • 20.  Movimentos dos membros inferiores  Fluxo aéreo nasal e bucal (temperatura)  Movimentos respiratórios (EMG intercostal)  Saturação de oxigênio  Eletrocardiograma  Outros Componentes opcionais

×