Your SlideShare is downloading. ×
0
Liderança (Estudo de Caso) : Bernardinho
Liderança (Estudo de Caso) : Bernardinho
Liderança (Estudo de Caso) : Bernardinho
Liderança (Estudo de Caso) : Bernardinho
Liderança (Estudo de Caso) : Bernardinho
Liderança (Estudo de Caso) : Bernardinho
Liderança (Estudo de Caso) : Bernardinho
Liderança (Estudo de Caso) : Bernardinho
Liderança (Estudo de Caso) : Bernardinho
Liderança (Estudo de Caso) : Bernardinho
Liderança (Estudo de Caso) : Bernardinho
Liderança (Estudo de Caso) : Bernardinho
Liderança (Estudo de Caso) : Bernardinho
Liderança (Estudo de Caso) : Bernardinho
Liderança (Estudo de Caso) : Bernardinho
Liderança (Estudo de Caso) : Bernardinho
Liderança (Estudo de Caso) : Bernardinho
Liderança (Estudo de Caso) : Bernardinho
Liderança (Estudo de Caso) : Bernardinho
Liderança (Estudo de Caso) : Bernardinho
Liderança (Estudo de Caso) : Bernardinho
Liderança (Estudo de Caso) : Bernardinho
Liderança (Estudo de Caso) : Bernardinho
Liderança (Estudo de Caso) : Bernardinho
Liderança (Estudo de Caso) : Bernardinho
Liderança (Estudo de Caso) : Bernardinho
Liderança (Estudo de Caso) : Bernardinho
Liderança (Estudo de Caso) : Bernardinho
Liderança (Estudo de Caso) : Bernardinho
Liderança (Estudo de Caso) : Bernardinho
Liderança (Estudo de Caso) : Bernardinho
Liderança (Estudo de Caso) : Bernardinho
Liderança (Estudo de Caso) : Bernardinho
Liderança (Estudo de Caso) : Bernardinho
Liderança (Estudo de Caso) : Bernardinho
Liderança (Estudo de Caso) : Bernardinho
Liderança (Estudo de Caso) : Bernardinho
Liderança (Estudo de Caso) : Bernardinho
Liderança (Estudo de Caso) : Bernardinho
Liderança (Estudo de Caso) : Bernardinho
Liderança (Estudo de Caso) : Bernardinho
Liderança (Estudo de Caso) : Bernardinho
Liderança (Estudo de Caso) : Bernardinho
Liderança (Estudo de Caso) : Bernardinho
Liderança (Estudo de Caso) : Bernardinho
Liderança (Estudo de Caso) : Bernardinho
Liderança (Estudo de Caso) : Bernardinho
Liderança (Estudo de Caso) : Bernardinho
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Liderança (Estudo de Caso) : Bernardinho

16,154

Published on

Estudo de caso sobre Bernardinho e os aspectos da Liderança. Trabalho realizado para a disciplina de Relações Humanas e Liderança, do Curso de Formação de Oficiais da Marinha do Brasil, em 2010

Estudo de caso sobre Bernardinho e os aspectos da Liderança. Trabalho realizado para a disciplina de Relações Humanas e Liderança, do Curso de Formação de Oficiais da Marinha do Brasil, em 2010

Published in: Career
0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
16,154
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
233
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Relações Humanas e LiderançaEstudo de Caso: Bernardinho • GM (EN) Henrique Ermínio • GM (EN) Celestino • GM (EN) Fernando Neto • GM (EN) Cléber Renan • GM (EN) Fabiano • GM (EN) Ulisses • GM (EN) Marchetti • GM (EN) Coriolano • GM (EN) Felipe Souza • GM (EN) Emérson
  • 2. Tópicos1. PorIntroduçãoRenan GM (EN) Cleber2. PorDados Emerson Coelho (& Scout) GM (EN) Biográficos3. Competências do Líder Por GM (EN) Henrique e GM(EN) Celestino Janela de Johari4. Por GM (EN) Felipe Souza e GM (EN) Ulisses
  • 3. Tópicos Bases da Liderança5. Por GM (EN) Marchetti Liderança Transacional x Transformacional6. Por GM (EN) Fabiano e GM(EN) Coriolano Estilos de Liderança7. Por GM (EN) Fernando Neto Processos de Influenciação8. Por GM (EN) Fabiano e GM(EN) Coriolano Conclusão9. Por GM (EN) Fernando Neto e GM (EN) Ulisses
  • 4. Introdução• Até a década de 1980 – Os resultados da seleção masculina de voleibol variavam entre os décimo-quinto e quinto lugares. – o voleibol era um esporte com pouco charme para o brasileiro
  • 5. Introdução• A partir de década de oitenta – Obteve medalha de prata das Olimpíadas de Los Angeles, Campeonato Sul-americano de Voleibol Masculino de 1983; – Investimentos de marketing e formação de base;
  • 6. Introdução• A partir de década de noventa – Criação da Liga Mundial de Voleibol – Vôlei consagra, enfim, Geração de ouro – o Brasil começou a ter equipes fortes e também a exportar jogadores para todo o mundo.
  • 7. Introdução• início do século XXI – Geração Bernadinho – De 2001 a 2006, a seleção disputou 20 títulos, obtendo 16 primeiros lugares, 3 segundos lugares e 1 terceiro lugar; – Muitos atribuem à grande qualidade da equipe, mas principalmente à capacidade do técnico Bernardinho de obter resultados.
  • 8. Introdução• Bernardinho disse que teve forte influencia de seu treinador Bené, que lhe ensinou licões e ensinamentos sobre como conduzir sua vida pessoal, profissional dali para frente, e que assim descobriu um dos GRANDES SEGREDOS DA LIDERANÇA VERDADEIRA.• Inspirado pela leitura de biografias de líderes históricos como Churchill e de grandes esportistas e treinadores como Vince Lombardi.
  • 9. Introdução• Bernardinho formulou uma ferramenta de trabalho que denominou de ”Roda da Excelência”, nela dispõe valores como trabalho em equipe, liderança, motivação, perseverança e outros conceitos comuns a manuais de recursos humanos.• A essência do sucesso de Bernardinho nas quadras é a crença numa equação simples que nada tem de matemática: TRABALHO + TALENTO = SUCESSO.
  • 10. Dados Biográficos• Nasceu em Copacabana, Rio de Janeiro.• Formado em Economia.• Começou a jogar Vôlei na praia com o irmão.• Iniciou sua carreira de técnico em 1988 como assistente técnico de Bebeto de Freitas• Em 1994 assumiu a liderança da seleção feminina de Vôlei onde ficou até 2000.
  • 11. Dados Biográficos• Nesse período conquistou 4 títulos em competições internacionais e 2 medalhas de bronze em olimpiadas.• Em 2001 assumiu a seleção masculina onde conquistou um série de títulos.• Foram 5 títulos mundiais e o título olímpico nas Olimpíadas de Atenas.• Cunhou-se o termo “A Era Bernardinho”, para definir o período áureo da seleção de vitórias sucessivas.
  • 12. Scout • Na seleção masculina• - Títulos conquistados • 2001 - Campeão da Liga Mundial de Voleibol• Como jogador • 2001 - Campeão sul-americano• 1981 - Campeão sul-americano • 2001 - Campeão do Torneio Ponte di Legno• 1981 - Bronze na Copa do Mundo de Voleibol de 1981 • 2001 - Campeão do Torneio Consorzio Metano de Vellecamonica• 1982 - Campeão do Mundialito • 2002 - Vice-campeão da Liga Mundial de Voleibol• 1982 - Prata no Mundial de 1982 • 2002 - Campeão Mundial na Argentina• 1983 - Bicampeão sul-americano • 2002 - Campeão do Torneio Sei Nazioni• 1983 - Ouro no Pan-americano de Caracas • 2003 - Campeão da Liga Mundial de Voleibol• 1984 - Prata na Olimpíada de Los Angeles • 2003 - Campeão sul-americano• 1985 - Tricampeão sul-americano • 2003 - Campeão da Copa do Mundo de Voleibol, no Japão• • 2003 - Bronze no Pan-americano de Santo Domingo• Como técnico • 2004 - Campeão da Liga Mundial de Voleibol• Na seleção feminina • 2004 - Ouro na Olimpíada de Atenas• 1994 - Vice-campeão no Mundial de Voleibol Feminino • 2005 - Campeão da Liga Mundial de Voleibol• 1994 - Ouro no Grand Prix de Voleibol • 2005 - Vice-campeão da Copa América• 1996 - Bronze na Olimpíada de Atlanta • 2006 - Campeão da Liga Mundial de Voleibol• 1996 - Ouro no Grand Prix de Voleibol • 2006 - Campeão Mundial no Japão• 1998 - Campeão sul-americano de voleibol • 2007 - Campeão da Liga Mundial de Voleibol• 1998 - Bronze na Copa dos Campeões • 2007 - Ouro no Jogos Pan-Americanos do Rio de Janeiro• 1999 - Ouro no Pan-americano de Winnipeg • 2007 - Vice-campeão da Copa América • 2007 - Campeão da Copa do Mundo de Voleibol, no Japão.• 1999 - Prata no Grand Prix • 2008 - Quarto colocado da Liga Mundial, no Rio de Janeiro.• 1999 - Ouro no Sul-Americano • 2008 - Prata nas Olimpíadas de Pequim, na China• 1999 - Prata na Copa do Mundo de Voleibol • 2008 - Vice-campeão da Copa América• 2000 - Bronze no Grand Prix de Voleibol • 2009 - Campeão da Liga Mundial de Voleibol (Sérvia)• 2000 - Bronze na Olimpíada de Sydney • 2010 - Campeão da Liga Mundial de Voleibol (Argentina)
  • 13. Competências do Líder• Capacidade em criar, compartilhar uma estratégia criar condiçõespara torná-la realidade e humildade para executar correções derumo, se necessárias;1) “Bernardinho é fanático por vídeos e estatísticas. Durante ascompetições, a auxiliar Roberta Giglio passa noites em clarolevantando dados dos adversários. O técnico pede videoteipes dosjogos dos rivais e elabora diagramas que mostram os setores daquadra em que os jogadores adversários mais atuam e suas principaiscaracterísticas. A estratégia é montada jogo a jogo. Durante os jogos,quatro auxiliares, em pontos diferentes da quadra, ficam ligados aBernardinho por um ponto eletrônico, prontos para alertar sobrequalquer mudança de tática dos adversários.”(Fonte:http://vocesa.abril.com.br/blog/ricardo-nakai/2010/02/19/lideranca-esportiva/)
  • 14. Competências do Líder• Capacidade em criar, compartilhar uma estratégia criar condições paratorná-la realidade e humildade para executar correções de rumo, senecessárias;2) “É fácil dizer que esse time é do Bernardinho, mas não é. Sou só umdeles. Às vezes tenho de pressioná-los, às vezes acalmá-los. Estou aquipara dar-lhes os meios para as vitórias e questioná-los sobre comocontinuar melhorando. Esse é meu principal papel.” (Entrevista de Bernardinho para Você S/A)(Fonte:http://vocesa.abril.com.br/blog/ricardo-nakai/2010/02/19/lideranca-esportiva/)
  • 15. Competências do Líder• Entusiasmo (automotivação) e capacidade em energizar / mobilizaroutras pessoas, obtendo a cumplicidade dos membros da sua equipe eo comprometimento com os objetivos propostos;1) “Bernardinho é um líder vibrante!! Sofre nos erros, nas jogadas quenão dão certo, faz cara feia, chuta o banco de reservas, chegando até acontundir-se em uma partida, dirigindo um time. Quando o time acerta,ele vibra, comemora, joga com o time!! Ergue as mãos no erro do timeadversário, chegando até a influenciar na arbitragem.”(Dill Casella – Consultor empresarial e palestrante em liderança emotivação)(Fonte: http://www.artigos.com/artigos/sociais/administracao/recursos-humanos/bernardinho)
  • 16. Competências do Líder• Entusiasmo (automotivação) e capacidade em energizar / mobilizaroutras pessoas, obtendo a cumplicidade dos membros da sua equipe eo comprometimento com os objetivos propostos;2º) “Algumas coisas são essenciais. Têm de permanecer porque eu nãoaceitaria se não fosse dessa forma. Por exemplo: quem não tenha totalenvolvimento. Dos jogadores mais antigos, eles dão tudo no treino, comose fosse o primeiro deles na seleção. Não preciso nem cobrar dos maisnovos, porque para eles mesmos seria constrangedor não treinar damesma forma. Eles vêm exemplos, sabem que têm de dar tudo ali,porque os resultados vêm do trabalho de muitos, de gerações anteriores.É um afluxo de jovens, que empurram a fila. Mas sempre existem aquelesque são as molas propulsoras, as molas propulsoras de sonhos dessesmais novos.”(Entrevista de Bernardinho ao R7) (Fonte: http://esportes.r7.com/esportes-olimpicos/noticias)
  • 17. Competências do Líder• Habilidade em criar condições necessárias para a manifestação dotalento latente em cada membro da equipe.1 ) “Todas as pessoas têm um determinado talento e cabe a nósdescobri-lo e desenvolvê-lo.”(Bernardo Rezende – Bernardinho) (Fonte: http://www.canalrh.com.br)
  • 18. Competências do Líder• Habilidade em criar condições necessárias para a manifestação dotalento latente em cada membro da equipe.2 )“É importante criar dificuldades para os que têm talento. Asfacilidades os limitam.”(Bernardo Rezende – Bernardinho) (Fonte: http://www.netfrases.com/frases-bernardinho/)
  • 19. Janela de Johari• Apesar de seu temperamento forte, sempre buscou a cumplicidade dos jogadores.“É um grande amigo. Temos uma relação de pai e filha. Sinto enorme respeito e confiança. (...) posso contar nos momentos bons e ruins. (...) sempre me diz para economizar energia para o momento certo.” (Entrevista Erika – www.esportesite.com.br – 30JAN2010)
  • 20. Janela de Johari• “Desentendimento não atrapalha, o que atrapalha é a falsidade. (...) Preferia que a menina me xingasse a falar pelas costas. (...) Tem que falar na cara da pessoa, nem que seja pra depois sair na porrada. Melhor falar “na lata” e resolver ali, na hora, do que ficar fazendo intriga. Tudo era dito abertamente e tudo era superado, pois acima de tudo éramos uma grande equipe e tínhamos um grande chefe que sabia lidar com isso muito bem (...)” (Entrevista Marcia Fu – Melhor do Volei – 11FEV2008)
  • 21. Janela de Johari• Em sua autobiografia expõe diversas impressões pessoais sobre situações vivenciadas, estimulando o aumento de sua Arena Pública.“Eu era excessivamente intenso, muitas vezes deixei que minha emoção tomasse conta, que meu excesso de vontade me prejudicasse”. (Entrevista ao `Bom Dia PE` : http://pe360graus.globo.com/esportes/esportes/volei/2009/08/31/NWS,497290,6,109,ESPORTES,751- BERNARDINHO-FALA-SOBRE-LIDERANCA-MOTIVACAO-PALESTRA-RECIFE.aspx )
  • 22. Janela de Johari
  • 23. Bases de Liderança• Autoridade Moral: deriva do comportamento do líder e da comunhão entre ele e os seus seguidores no que diz respeito a: valores, crenças, idéias, objetivos e metas a atingir “ Bernardinho é um vencedor por colocar no seu trabalho valores e princípios que tanto apreciamos liderança, determinação, competência para treinar e motivar equipes e capacidade de levar crescimento pessoal e alegria aos jovens ” Vinícius Priantí, PRESIDENTE DA UNILEVER BRASIL
  • 24. Bases da Liderança “Se você é um líder realmente duro e exigente, seu próprio sacrifício serve como fonte de motivação, pois demonstrará que a equipe não está sozinha.” Bernardinho• Competência Técnica: conhecimento a respeito do assunto ou tema sobre o qual dá ordens. É fundamental para conquistar a confiança dos liderados. ”Liderança, competência e obstinação são traços marcantes na carreira de Bernardinho, um profissional com ambição constante pela vitória. É uma pessoa extremamente estudiosa, dedicada e apaixonada pelo que faz. Essas características o tornam um dos melhores técnicos da história do voleibol mundial ” Carlos Arthur Nuzman, PRESIDENTE DO COMITER OLÍMPICO BRASILEIRO
  • 25. Bases da Liderança“Bernardinho é o divisor de águas num país que precisa aprender a importância da cooperação, da solidariedade e do trabalho em equipe. Diga que seus jogadores são baixos e Bernardinho os fará saltar mais alto. Diga que são fracos no bloqueio e ele irá torná-los os melhores do mundo. Diga que a seleção de vôlei do Brasil é deficiente na defesa e ele fará dos seus comandados defensores imbatíveis.” Trecho do livro Transformando Suor em Ouro escrito por JOÃO PEDRO PAES LEME
  • 26. Bases da Liderança• Carisma: identificação dos liderados com os traços de personalidade do líder que eles gostariam de ter. O carisma em alto grau é magnético e hipnótico “... O Bernardinho é um palestrante muito carismático, tem uma energia contagiante e sua palestra cresce assim como ele evoluiu em seu trabalho nos últimos anos como palestrante. Consegue prender a atenção de todos, mesmo sendo a segunda apresentação para o público da DIRECTV. Os exemplos utilizados são muito elucidativos, embora alguns já fossem conhecidos. É simpático, gentil e acessível a todos. Enfim, Bernardinho é um sucesso garantido e unanimidade nacional...” Liliane Blondel, DIRECTV
  • 27. Bases da Liderança“... a palestra foi um sucesso, o Bernardo éextremamente simpático e carismático, tivemos umpúblico maravilhoso (330 pessoas), o quesurpreendeu, inclusive, a organização do evento,que nos cedeu os auditórios. Durante toda a noite,os comentários que ouvi sobre a palestra foram osmelhores possíveis, saímos entusiasmados econfiantes nos conceitos transmitidos por ele.” Izabelle,INATEL
  • 28. Liderança Transacional x TransformacionalLiderança Transformacional- Amanhã faremos dois treinos, um pela manhã e outro à tarde.Pude perceber o espanto, quase pavor, nos olhos daquelas italianas. Dois treinos por dia? Nunca tinham ouvido falar em nada parecido. Para ser honesto, nem eu mesmo sei por que tomei aquela decisão. É possível que quisesse apenas mudar alguma coisa, provocar uma mexida no que elas vinham fazendo até então. Tinha plena convicção de que mudar era importante. Afinal, ”estratégias iguais nos levariam a resultados iguais”. Ou seja, era preciso mudar o método de preparação.Fonte: Bernardinho, Transformando Suor em Ouro, Pág. 60
  • 29. Liderança Transacional x TransformacionalLiderança Transformacional- Hoje ela não pode treinar.- Como não? Ela treinou ontem...- É que hoje ela está ”naqueles dias”.Aí é que perdi a paciência de vez. Imagine um dia em que três ou mais jogadoras estejam ”nos seus dias” e por causa disso não haja um time para treinar ou jogar. Fiz que a atleta mudasse de roupa e voltasse à quadra, sem saber que, no caso dela, aquele era de fato um período difícil, de dores intensas e muito desconforto.Fonte: Bernardinho, Transformando Suor em Ouro, Pág. 63
  • 30. Liderança Transacional x TransformacionalLiderança TransacionalQuando assumimos a seleção, Virna foi franca:- Bernardinho, eu não sei passar.De fato, ela jogava no fundo da quadra, quase escondida, como se não quisesse correr riscos. Evitava fazer a recepção (passar), fundamento importante para sua função.- Mas por que você não passa? - perguntei.- Porque meu antigo técnico me disse que eu não tenho capacidade pra isso, que eu sou lenta e limitada.Não perdi tempo:- Foi Só isso que ele disse? Mais nada? Então, filha, Deus a ajude, porque você não vai jogar comigo se não passar.Fonte: Bernardinho, Transformando Suor em Ouro, Pág. 86
  • 31. Liderança Transacional x TransformacionalLiderança TransacionalResolvi, então, ter uma longa conversa com ela: ”Creio que seus problemas são dois, Leila. O mais sério, infelizmente, não depende de você. O outro, sim. Como é que você pode dar carinho, apoio e assistência à sua mãe quando ela percebe que você não está bem, não está feliz? Como toda mãe quer o melhor para a filha, se ela perceber que seu estado de espírito está afetando seu desempenho profissional, isso pode acabar prejudicando a recuperação dela.”Como palavras, só, não adiantam, tentei de tudo para reaver o que o voleibol de Leila tinha de melhor. Por ”tudo” entenda-se uma única palavra: desafio.
  • 32. Estilos de Liderança• Com a Comissão Técnica1) “Ricardo Tabach era meu assistente técnico, especialista em recepção e defesa. Sua principal atribuição era, portanto, o desenvolvimento técnico das atletas. Em 1999, José Francisco dos Santos, o Chico, assumiria a responsabilidade pelo treinamento de bloqueio e passaria a dividir comigo as questões táticas, revelando-se um excepcional estrategista”.(Fonte: Transformando Suor em Ouro – Livro escrito porBernardinho)
  • 33. Estilos de Liderança• Com a Comissão Técnica2) “Como médicos tivemos Serafim Ferreira Borges e Carlos Mourae, mais recentemente, Álvaro Chamecki e Ney Pecegueiro doAmaral. O responsável pela fisioterapia era Guilherme Tenius, oFiapo, e na função cada vez mais importante de estatística tivemosMaria Auxiliadora Castanheira, a Dora, e, a partir de 1998, RobertaGiglio. Formamos, assim, um time multidisciplinar de talentoscomplementares.”(Fonte: Transformando Suor em Ouro – Livro escrito porBernardinho)
  • 34. ESTILOS DE LIDERANÇA (fonte: adaptada de Hersey e Blanchard)CO APOIAR EDUCARMPORT. E3 E2A E4 E1POIO DELEGAR DIRIGIR COMPORTAMENTO DE DIREÇÃO M4 M3 M2 M1 ALTA MODERADA BAIXA
  • 35. Estilos de Liderança• Com os Atletas1) “Pressionava-a nos treinos, exigia mais dela, impunha-lhesacrifícios, animado pela esperança de que se transformasse numaverdadeira líder: aquela que, além de jogar bem, faz toda a equipejogar melhor. Foi na China, dias antes de estrearmos no Grand Prix,que Fernanda se rendeu. Já não suportava aquela pressão. Talveztenha se conscientizado de que ninguém é excepcional o bastantepara fazer sozinho o que deve ser feito em equipe.”(Fonte: Transformando Suor em Ouro – Livro escrito porBernardinho)
  • 36. Estilos de Liderança• Com os Atletas2) “Algo que passou a me incomodar nas reuniões táticas quetínhamos no início de 2002 foi a pouca participação dos jogadores.Senti-me protagonizando monólogos. Eu falava e eles ouviam, semretrucar ou dar sequer uma opinião. Isso me deixava com asensação de que havia alguma coisa mal resolvida.À noite, durante a reunião para análise do vídeo em quedeveríamos discutir as estratégias para a partida seguinte, osjogadores, enfim, resolveram dar suas opiniões.- Agora vocês querem falar? - perguntei em tom provocativo. -Vocês estão há um ano calados.
  • 37. Estilos de Liderança• Com os Atletas3) Pela primeira vez me contestaram. Gostei dasreclamações que fizeram sobre a bronca aparentementegratuita que lhes dera. Eu vivia me perguntando: ”Seráque eles pensam que eu nunca estou errado?” Temiaestar ali o silêncio do comodismo, o distanciamento donão-envolvimento e da não-cumplicidade.”(Fonte: Transformando Suor em Ouro – Livro escrito porBernardinho)
  • 38. ESTILOS DE LIDERANÇA (fonte: adaptada de Hersey e Blanchard)CO APOIAR EDUCARMPORT. E3 E2A E4 E1POIO DELEGAR DIRIGIR COMPORTAMENTO DE DIREÇÃO M4 M3 M2 M1 ALTA MODERADA BAIXA
  • 39. Processo de InfluenciaçãoMotivação“Jamais desconsiderei o talento de qualquer um desses excepcionais atletas, embora, para mim, sejam astros cuja luminosidade se torna mais acentuada quando formam uma constelação. Os rapazes que enfrentarão os italianos daqui a algumas horas estão unidos, determinados, confiantes, movidos pela mesma paixão e convencidos de que não teriam chegado até aqui se não fossem o que são: uma equipe.”Fonte: Bernardinho, Transformando Suor em Ouro, Pág. 25.
  • 40. Processo de InfluenciaçãoMotivação• “E o talento de Dante, para quem um dia enviei um e-mail dizendo ”Não me faça desistir de você”? Ele foi à luta e provou ter força suficiente para carregar o peso de substituir o aparentemente insubstituível Nalbert. Grande jogador, espero que Dante se torne um líder para as novas gerações, transmitindo tudo o que aprendeu com esta.” (Bernardinho, Transformando Suor em Ouro, Pág. 24).
  • 41. Processo de InfluenciaçãoExemplo• “(...) três meses antes das Olimpíadas, estourei o menisco e tive de ser operado. (...) todo mundo me viu fora da seleção. Todo mundo menos eu. Muitas vezes dormia durante o dia em um colchonete, no Fluminense, para aproveitar melhor o tempo. Nadava, malhava, caminhava, alongava e combinava à fisioterapia treinos com bola: sentava-me no chão e ficava jogando vôlei com a parede. Reapresentei-me à seleção e voltei a jogar em tempo recorde: 28 dias” (Bernardinho, Transformando Suor em Ouro, Pág. 43).
  • 42. Processos de InfluenciaçãoEfeito de Atmosfera / Ambiente• “Foi quando o incômodo deu lugar a preocupação Achei que era hora de falar com elas ”De agora em diante e até que o Campeonato termine vocês estão proibidas de dar entrevistas que não sejam sobre vôlei ” Bernardinho, Transformando Suor em Ouro, Pág. 84O ambiente de trabalho é modificado pelas determinações de Bernadinho que visa evitar que as jogadoras da seleção percam a concentração por causa do excesso de vaidade durante as entrevistas coletivas. A mudança de ambiente ocorre com a restrição às entrevistas.
  • 43. Processos de InfluenciaçãoEfeito de Atmosfera / Ambiente• “(...) antes de trocar de roupa, André tirou da bolsa a camisa 5, que era de Henrique e perguntou: -Posso? -Jogar com ela não, você foi inscrito com a 9 - respondi. -Não, não, quero saber é se posso pendurá-la ali. Era evidente que sim. A partir dali e até que os Jogos Olímpicos chegassem ao fim, a camisa de Henrique ficaria no vestiário como se a marcar presença numa equipe que também era sua." (Transformando Suor em Ouro , pg 168)Reforçou o ambiente de união e cumplicidade da equipe. Todos lamentam o corte de Henrique e evocam sua presença nos vestiários.
  • 44. Conclusão• Liderança Conceitual: – Influência Interpessoal: • Motiva seus liderados pelo exemplo de sacrifício, empenho e comprometimento com o trabalho. • Excelente argumentador, combina analise objetiva de fontes estatisticas para embasar sua visão subjetiva. – Exercida na Situação: Alterna os estilos de liderança para cada caso, chega a combina-los simultâneamente.
  • 45. Conclusão• Liderança Conceitual: – Dirigida pelo processo de comunicação: • Pedagógico, explica os porques de suas decisões. – Consecução voluntária de objetivos específicos: • Transformou a seleção numa familia focada e envolvida com a conquista contínua e sistemática.
  • 46. Conclusão• Bernardinho = Gerente e Lider ! – “Faz as coisas certas para fazer certo as coisas”. – Trabalha com processos, planos E relacionamentos. – Atua na previsibilidade e nos momentos de crise: (Zona de desconforto permanente) – Otimiza E Inova: Utiliza métodos estatisticos detalhados (Inova) e persegue melhoria de desempenho (Otimiza).
  • 47. Conclusão• Liderança Cientificamente Embasada ! – Segue o princípio do `Equilibrio de Nash`: • Cria estratégias racionais de equipe em situações onde o resultado depende das diferentes estratégias dos agentes individuais com objetivos comuns. • Percebe que o máximo desempenho da equipe é alcançado quando o indivíduo busca o melhor para sí E para a equipe. • Mudança de paradigma : Competição Colaborativa.
  • 48. Conclusão• Liderança Contemporânea ! – Usa o conceito Líder-Servidor: Vacina contra o egocentrismo. – Democratização da Informação: Compartilha sua receita de sucesso. Gera e distribui dados em equipe, possui ampla arena pública. – Preparação mais importante que a vitória: Eterna Insatisfação = Contínua busca por resultados = Auto- Realização advem do caminho e não do destino.

×