Your SlideShare is downloading. ×
  • Like
Reaes De Hipersensibilidades e Alergias - Imunologia
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×

Now you can save presentations on your phone or tablet

Available for both IPhone and Android

Text the download link to your phone

Standard text messaging rates apply

Reaes De Hipersensibilidades e Alergias - Imunologia

  • 15,904 views
Published

2º semestre 09

2º semestre 09

Published in Technology , Travel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
  • gsgsgsg
    Are you sure you want to
    Your message goes here
No Downloads

Views

Total Views
15,904
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0

Actions

Shares
Downloads
420
Comments
1
Likes
2

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA Imunodeficiências e Avaliação da Imunocompetência CURSOS DE ENFERMAGEM E FISIOTERAPIA 1. O QUE É ALERGIA, ATOPIA E ANAFILAXIA ? DISCIPLINA DE IMUNOLOGIA 2. TIPOS DE HIPERSENSIBILIDADE a) Hipersensibilidade tipo I (Imediata ou Anafilática) b) Hipersensibilidade tipo II (Citotoxicidade mediada por Ac) c) Hipersensibilidade tipo III (Citotoxicidade mediada por Imunocomplexos) REAÇÕES DE HIPERSENSIBILIDADE d) Hipersensibilidade tipo IV (Citotoxicidade mediada por linfócitos T) E ALERGIAS 3. QUAL A FUNÇÃO DO IgE ? 4. O QUE É UM ALÉRGENO ? 5. REAÇÃO ALÉRGICA AOS ALIMENTOS a) Intolerância a lactose b) Doença do Celíaco 6. DIAGNÓSTICO IN VIVO DAS DOENÇAS ALÉRGICAS Dr. Alexandre M. Fuentefria Prof. Adjunto da Universidade Federal do Pampa 7. DIAGNÓSTICO LABORATORIAL DAS DOENÇAS ALÉRGICAS 1. ALERGIA, ATOPIA E ANAFILAXIA a) ALERGIA # é uma resposta exagerada do sistema imunológico a um Ag externo (ALÉRGENO) específico, uma reação de hipersensibilidade; # organismo tecido ou célula capaz de apresentar uma reação de hipersensibilidade diz-se estar sensibilizado. # Os portadores de alergias são chamados de “alérgicos”.
  • 2. b) ATOPIA c) ANAFILAXIA # Atopia é um distúrbio de hipersensibilidade à diversos fatores ambientais, COM CARÁTER GENÉTICO; # ANAFILAXIA: Certos alégenos (especialmente drogas, picada de insetos, látex e alimentos) podem induzir à resposta mediada pela IgE, # Exemplos de doenças atópicas: asma brônquica, rinite alérgica, causando uma generalizada liberação de mediadores pelos mastócitos e dermatite atópica, conjuntivite alérgica, síndrome da hipereosinofilia e resultando em ANAFILAXIA SISTÊMICA. alergias alimentares; # A Anafilaxia é caracterizada por hipotensão ou choque pela # A maioria dos indíviduos com atopia apresentam uma hiperprodução de vasodilatação total, broncoespasmo, contração uterina e imuglobulina do tipo E; gastrointestinal, urticária ou angioedema. É uma condição potencialmente fatal e pode afetar pessoas com atopia ou não. Urticária e angioedema são formas cutâneas da anafilaxia muito comuns, e tem o melhor prognóstico.
  • 3. 2. TIPOS DE HIPERSENSIBILIDADE a) HIPERSENSIBILIDADE TIPO I # Caracterizada por uma reação alérgica imediatamente após o contato com o antígeno (5 a 15 min) portanto mediada por IgE LB # provoca a degranulação dos mastócitos (liberando histamina, prostaglandinas e citocinas) TH2 # As citocinas atuam como mediadores químicos sobre os basófilos; # Também denominada de Imediata ou Anafilática; Histamina, triptase, cininogenase Leucotrienos-B4, C4, D4, Mediadores recem prostaglandinas D sintetizados MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS DA HIPERSENSIBILIDADE TIPO I: b) HIPERSENSIBILIDADE TIPO II # Hipersensibilidade mediada por IgM e IgG # Citotoxicidade mediada por Ac # Desencadeia a opsonização e ativação do sistema complemento; # É uma reação citotóxica envolve uma reação entre IgG ou IgM Rinite contra antígeno aderido à célula (do órgão afetado). Asma # Isso tipicamente resulta na destruição da célula, a qual o antígeno está aderido (devido a cascata do complemento). # Manifestação clínica mais comum: a) anemia hemolítica ou doença hemolítica (sist. Rh) do recém nascido. Dermatite atópica Alergia Alimentar
  • 4. d) HIPERSENSIBILIDADE TIPO IV c) HIPERSENSIBILIDADE TIPO III # Também chamada de hipersensibilidade retardada ou tardia; # Reação de IgM e IgG sobre Ag solúveis formando imunocomplexos que se depositam sobre os tecidos; # É uma reação de hipersensibilidade mediada por células T (CD4 e CD8), portanto é celular (hipersensibilidade celular) # Citotoxicidade mediada por imunocomplexos; # A reação ocorre geralmente depois de 2 dias; # Os imunocomplexos permanecem circulantes até depositarem-se nos tecidos principalmente glomérulos e endotélio vascular; # Formação de granuloma típico cerca de # Manifestações clínicas mais comuns: 20 dias ocorrendo necrose e calcificação no final do processo; a) glomerulonefrite # Manifestações clínicas mais comuns: b) artrite - Dermatite de contato - Micobacterioses Dermatite de contato
  • 5. 3. QUAL A FUNÇÃO DO IgE ? 4. O QUE É UM ALÉRGENO ? # Substância que pode provocar uma reação alérgica. # Os alérgenos são substâncias que, em algumas pessoas, o sistema imune reconhece como "estranhas“, mas que não causam reação na maioria das pessoas Exemplos de alérgenos comuns: contactantes (como substâncias químicas, plantas), medicamentos (como antibióticos, soros), alimentos (como leite, chocolate, trigo), agentes infecciosos (como bactérias, vírus, parasitas animais), inalantes (como pó, pólen, perfumes, e fumaça), agentes físicos (como calor, luz, fricção, radiação) REAÇÃO ALÉRGICA AOS ALIMENTOS (RAA) HISTÓRICO DAS RAA - INTOLERÂNCIA ALIMENTAR - Hipócrates observou problemas gastrintestinais e urticária Mecanismos não imunológicos envolvidos. com uso do leite; Exemplo = chocolate, tomate, queijos e aditivos alimentares - 1888 → Samuel Gee, descreveu a doença celíaca (DC) relacionando-a ao consumo das farinhas; - 1906 → Von Pirquet introduziu o conceito de alergia; - HIPERSENSIBILIDADE ALIMENTAR (Alergia) - 1966 → descoberta da IgE - hipersensibilidade imediata; Mecanismos imunológicos - Década de 40 → desenvolvido a “ecologia clínica” a partir 1 – Manifestações intestinais: dos estudos das alergias; imediatas – minutos após a ingestão – IgE ALIMENTOS MAIS ALERGÊNICOS: tardias – horas a dias após a ingestão – IgG leite de vaca, carne de porco, carne de vacasoja, ovo, 2 – Manifestações extra-intestinais: trigo, amendoim, milho, nozes, crustáceos, cítricos, sistema geniturinário, nervoso e locomotor chocolate, açúcar e corantes.
  • 6. ALÉRGENOS ALÉRGENOS Intolerância à lactose Intolerância à lactose Resulta de uma deficiência da enzima lactase ou β-galactosidase na mucosa intestinal. Como a lactose não é desdobrada em galactose e glicose, ela passa do intestino delgado para o cólon. No cólon as bactérias metabolizam a lactose em CO2 e H2O; o resultado é câimbra abdominal, flatulência e diarréia espumosa, o principal sintoma da intolerância à lactose. A prevalência da intolerância à lactose aumenta com a idade. Muitos indivíduos podem tolerá-la quando pequenos e desenvolver a intolerância com o avanço da idade. ALÉRGENOS ALÉRGENOS O que é glúten? DOENÇA DO CELÍACO: # Tradicionalmente, o glúten é definido como uma proteína coesiva, elástica, que sobra # Também conhecida como enteropatia glúten-sensitiva. quando uma massa de farinha de trigo é lavada com água. # É caracterizada pela má absorção de nutrientes do intestino como conseqüência do dano das células epiteliais do intestino delgado. # Somente o trigo possui o glúten verdadeiro. # Este dano intestinal ocorre em indivíduos suscetíveis, após o # No glúten existem dois tipos de consumo das frações de proteína do trigo, cevada, aveia e centeio. proteínas chamadas de gliadinas e glutelinas. # Nestas proteínas um polipeptídeo tem se mostrado danoso aos celíacos.
  • 7. ALÉRGENOS COMO SER PREVENTIVO ÀS ALERGIAS ? DOENÇA DO CELÍACO: # No centeio e na cevada existem cadeias de polipeptídeos que são similares às do trigo. # No caso da aveia, existem cadeias de polipeptídeos pouco diferentes das do trigo, que podem ou não ser danosas aos celíacos. # A fração gliadina da proteína do trigo e as frações equivalentes da prolamina da cevada, aveia e centeio são as responsáveis pela destruição das vilosidades do intestino delgado, resultando na má absorção de nutrientes. Testes Cutâneos (Patch-test) 5. DIAGNÓSTICO IN VIVO DAS DOENÇAS ALÉRGICAS: a) Teste cutâneo de leitura imediata # Testes para reações de hipersensibilidade tipo I # Prick test; Patch test # Testes geralmente realizados na superfície volar do antebraço, em local sem ferimentos (Prick-test) # Uma gota do extrato alergênico é colocada sobre a superfície da pele e o alérgeno é introduzido pela punctura (picada) através da gota. # Reação imediata é observada 15 a 20 minutos depois pápula; # Utilizar controle positivo (histamina) e controle negativo (diluente do extrato)
  • 8. b) Dosagem do IgE sérica total 6. DIAGNÓSTICO LABORATORIAL DAS DOENÇAS ALÉRGICAS (tipo I): # Possui baixa especificidade para a etiologia; # Na homeostase, há níveis baixos de IgE (130 ng/mL) a) Eosinofilia sanguínea periférica # Entretanto, indivíduos alérgicos (atópicos) podem apresentar níveis normais de IgE total, mas níveis altos de IgE específica # Os eosinófilos periféricos representam 2 – 4% do total de # Por isso recomenda-se dosagem de IgE específica !!! leucócitos circulantes (60 - 300 células/mm3) # Eosinofilia ocorre quando o número de eosinófilos ultrapassa 5% do c) Dosagem do IgE específica total de leucócitos, ou seja, 400 células/mm3 # Teste de IgE direcionado a um Ag (complexo Ag-Ac) # Está relacionada com infecções parasitárias e doenças alérgicas; # Particularmente útil quando os testes cutâneos não podem ser Obs:. Em virtude do grande número de helmintos no Brasil, deve-se realizados (pacientes com uso de anti-histamínicos ou doenças ter cuidado no diagnóstico de alergias pela observação da eosinofilia; cutâneas generalizadas) # Primeiro ensaio Radioallergosorbent test (RAST) RIE # Atualmente ELISA, Quimioluminescência, Fluorescência