Posfisiocardiorresp sabmanha
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Like this? Share it with your network

Share

Posfisiocardiorresp sabmanha

  • 2,978 views
Uploaded on

 

  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
2,978
On Slideshare
1,734
From Embeds
1,244
Number of Embeds
11

Actions

Shares
Downloads
108
Comments
0
Likes
0

Embeds 1,244

http://fisiologiadofutebol.blogspot.com.br 882
http://fisiologiadofutebol.blogspot.com 303
http://fisiologiadofutebol.blogspot.pt 38
http://www.fisiologiadofutebol.blogspot.com.br 9
http://fisiologiadofutebol.blogspot.com.es 4
http://translate.googleusercontent.com 3
http://fisiologiadofutebol.blogspot.com.ar 1
http://fisiologiadofutebol.blogspot.fi 1
http://www.fisiologiadofutebol.blogspot.com 1
http://fisiologiadofutebol.blogspot.ie 1
http://fisiologiadofutebol.blogspot.it 1

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. Fisiologia do sistema Cardiorrespiratório aplicada ao Exercício Físico. DANIEL ALVES FERREIRA JR
  • 2. CRONOGRAMA DE ATIVIDADES:Sábado 30/04 -8h – Sistema Respiratório: Anatomia e funcionamento do sistema;Ventilação Alveolar.10h – Sistema Respiratório: Perfusão e transporte de gases; regulaçãoda respiração; volumes e capacidades pulmonares.13h – Sistema Cardiovascular: Anatomia e funcionamento do sistema;Circulação Sanguínea; Débito Cardíaco.15h – Regulação Humoral da circulação; Microcirculação e Pressãoarterial.Domingo 01/05 -8h – Efeitos Agudos da Prática de Exercícios Físicos – Duplo Produto,Diferença artério-venosa.10h – Efeitos Crônicos da prática Regular de Exercícios Físicos –Adaptações dos sistemas respiratório, circulatório e muscularesquelético.13h – Avaliação da Disciplina DANIEL ALVES FERREIRA JR
  • 3. DANIEL ALVES FERREIRA JR
  • 4. DANIEL ALVES FERREIRA JR
  • 5. DANIEL ALVES FERREIRA JR
  • 6. DANIEL ALVES FERREIRA JR
  • 7. DANIEL ALVES FERREIRA JR
  • 8. DANIEL ALVES FERREIRA JR
  • 9. DANIEL ALVES FERREIRA JR
  • 10. DANIEL ALVES FERREIRA JR
  • 11. DANIEL ALVES FERREIRA JR
  • 12. DANIEL ALVES FERREIRA JR
  • 13. DANIEL ALVES FERREIRA JR
  • 14. DANIEL ALVES FERREIRA JR
  • 15. DANIEL ALVES FERREIRA JR
  • 16. DANIEL ALVES FERREIRA JR
  • 17. DANIEL ALVES FERREIRA JR
  • 18. DANIEL ALVES FERREIRA JR
  • 19. DANIEL ALVES FERREIRA JR
  • 20. DANIEL ALVES FERREIRA JR
  • 21. DANIEL ALVES FERREIRA JR
  • 22. DANIEL ALVES FERREIRA JR
  • 23. DANIEL ALVES FERREIRA JR
  • 24. DANIEL ALVES FERREIRA JR
  • 25. DANIEL ALVES FERREIRA JR
  • 26. DANIEL ALVES FERREIRA JR
  • 27. DANIEL ALVES FERREIRA JR
  • 28. COFEE BREAK !!!! DANIEL ALVES FERREIRA JR
  • 29. Perfusão e transportedos gases respiratórios - DANIEL ALVES FERREIRA JR
  • 30. Nos alvéolos pulmonares o gás oxigênio do ar difunde-separa os capilares sangüíneos e penetra nas hemácias,onde se combina com a hemoglobina, enquanto o gáscarbônico (CO2) é liberado para o ar (processo chamadohematose). DANIEL ALVES FERREIRA JR
  • 31. Nos tecidos ocorre um processo inverso: o gás oxigêniodissocia-se da hemoglobina e difunde-se pelo líquidotissular, atingindo as células.A maior parte do gás carbônico (cerca de 70%) liberadopelas células no líquido tissular penetra nas hemácias ereage com a água, formando o ácido carbônico, que logose dissocia e dá origem a íons H+ e bicarbonato (HCO3-),difundindo-se para o plasma sangüíneo, onde ajudam amanter o grau de acidez do sangue DANIEL ALVES FERREIRA JR
  • 32. Cerca de 23% do gás carbônico liberado pelos tecidosassociam-se à própria hemoglobina, formando acarboemoglobina. O restante dissolve-se no plasma.O transporte de gás oxigênio está a cargo dahemoglobina, proteína presente nas hemácias. Cadamolécula de hemoglobina combina-se com 4 moléculasde gás oxigênio, formando a oxi-hemoglobina. DANIEL ALVES FERREIRA JR
  • 33. Sistema Respiratório - DANIEL ALVES FERREIRA JR
  • 34. DANIEL ALVES FERREIRA JR
  • 35. DANIEL ALVES FERREIRA JR
  • 36. DANIEL ALVES FERREIRA JR
  • 37. DANIEL ALVES FERREIRA JR
  • 38. DANIEL ALVES FERREIRA JR
  • 39. DANIEL ALVES FERREIRA JR
  • 40. DANIEL ALVES FERREIRA JR
  • 41. DANIEL ALVES FERREIRA JR
  • 42. DANIEL ALVES FERREIRA JR
  • 43. DANIEL ALVES FERREIRA JR
  • 44. DANIEL ALVES FERREIRA JR
  • 45. FOR NOW...... SEE YOU AFTER LUNCH.... DANIEL ALVES FERREIRA JR
  • 46. EFEITOS CRÔNICOS DA PRÁTICA REGULAR DE EXERCÍCIOS FÍSICOS SOBRE O APARELHO CARDIORRESPIRATÓRIO. DANIEL ALVES FERREIRA JR
  • 47. O treinamento aeróbico estáassociado a adaptações em váriasdas capacidades funcionaisrelacionadas com o transporte eutilização do oxigênio DANIEL ALVES FERREIRA JR
  • 48. Adaptações metabólicas:Segundo Mccardle, Katch & Katch (2003, p.378);“as mitocôndrias do músculo esquelético treinadosão maiores e mais numerosas, em comparação comaquelas das fibras musculares menos ativas.”Ainda Terjung (1997) p.2 afirma que, “com oaumento das mitocôndrias, há um aumento na utilização de ácidos graxos como fonte de energiaapós o exercício.”Piovezan (1985) descreve um aumento de 120% demitocôndrias no músculo com o treinamento regular. DANIEL ALVES FERREIRA JR
  • 49. Adaptações metabólicas:Enzimas: existe uma capacidade muitoaumentada de gerar ATP aerobicamente atravésda fosforilação oxidativa”, afirma Mccardle,Katch & Katch (2003, p.378). Com esseacontecimento o nível das enzimas no sistemaaeróbico aumenta cerca de duas vezes,resultando um aumento na atividade enzimáticapor unidade de proteína mitocondrial. DANIEL ALVES FERREIRA JR
  • 50. Adaptações metabólicas:Obs:Essas alterações são prováveis fatores paraexplicar um baixo acúmulo de lactato duranteum exercício prolongado. Piovezan (1985)descreve um aumento na concentração deenzimas implicadas no ciclo de Krebs. DANIEL ALVES FERREIRA JR
  • 51. Adaptações metabólicas:Metabolismo das gorduras: segundo Fox, Bowers& Foss (2007, p.19); “o sistema aeróbico liberaenergia para a produção de ATP graças adesintegração de carboidratos e gorduras.” Como treinamento os músculos conseguemmobilizarem, transportarem e oxidarem agordura, aumentando o fluxo sangüíneo emaiores quantidades de enzimas paramobilizarem e metabolizarem as gorduras. DANIEL ALVES FERREIRA JR
  • 52. Adaptações metabólicas:Metabolismo dos carboidratos: os músculostreinados exibem uma maior capacidade deoxidar os carboidratos, com isso grandesquantidades de piruvato penetram nas viasenergéticas aeróbicas, aumentando a capacidadeoxidativa das mitocôndrias e o maiorarmazenamento de glicogênio. DANIEL ALVES FERREIRA JR
  • 53. Adaptações metabólicas:O treinamento aprimora a capacidade de catabolizar asgorduras. Durante um exercício prolongado com umacarga constante, a energia que deriva da oxidação dasgorduras aumenta muito após o treinamento aeróbico,com uma redução correspondente no fracionamento doscarboidratos. Essa adaptação capaz de preservar(poupar) os carboidratos pode resultar da liberação deácidos graxos pelos depósitos de tecido adiposo(exacerbada por um menor nível de lactato no sangue) ede uma maior quantidade de gordura intramuscular nosmúsculos treinados para endurance.” DANIEL ALVES FERREIRA JR
  • 54. Adaptações metabólicas:Tipo de fibra muscular: o treinamento aeróbicoinduz adaptações metabólicas em cada fibramuscular. Segundo Mccardle, Katch & Katch(2003, p.379), “provavelmente, o tipo básico defibra não se “modifica” num grau acentuado.”,mas as fibras aprimoram seus potenciaisaeróbicos já existentes. DANIEL ALVES FERREIRA JR
  • 55. Adaptações metabólicas:Tamanho das fibras musculares: segundoPinheiro (1998, p.3), “existe hipertrofiaseletiva nas fibras vermelhas e brancas deacordo com o tipo de treinamento, comsobrecargas específica.” DANIEL ALVES FERREIRA JR
  • 56. Adaptações cardiovascularese pulmonares :O sistema cardiovascular e o pulmonar estãodiretamente ligados a prática do treinamentoaeróbico, podemos observar modificações tantofuncionais quanto estruturais nesses sistemas. DANIEL ALVES FERREIRA JR
  • 57. Adaptações cardiovasculares e pulmonares :Frequência cardíaca: a frequência cardíaca emrepouso e durante o treinamento aeróbico diminui,mas isto é visto principalmente em indivíduossedentários. Esse comentário é descrito porCarneiro (2001). Matsudo (1980) afirma que nosseus estudos a frequência cardíaca em repousodiminui com atividades físicas regulares. Além deCostill [citado por Fetter (1994, p.10)], asseguraque “a frequência cardíaca de repouso diminuinotoriamente como resultado do treinamentoaeróbico.” DANIEL ALVES FERREIRA JR
  • 58. Adaptações cardiovasculares e pulmonares :Volume cardíaco: segundo Fox, Bowers & Foss(2007, p.235); “há hipertrofia cardíaca nosatletas, ..., caracteriza-se por um aumento dacavidade ventricular e por espessura normal daparede ventricular.” Júnior (1990), afirma tambémque com treinamento aeróbico o sistemacardiovascular é induzido à uma hipertrofiamiocárdica. Nadeau (1985), confirma que há umaumento no volume cardíaco. DANIEL ALVES FERREIRA JR
  • 59. Adaptações cardiovasculares e pulmonares :Volume plasmático: ocorre um aumentosignificativo após 3 a 5 sessões de treinamento.Segundo Mccardle, Katch & Katch (2003);também aumenta o transporte de oxigênioquanto a regulação da temperatura durante oexercício. DANIEL ALVES FERREIRA JR
  • 60. Adaptações cardiovascularese pulmonares :Volume de ejeção: o treinamento faz com queexista um aumento de volume de ejeção docoração tanto em repouso quanto durante oexercício. Júnior (1990), confirma estaafirmativa dizendo que com o treinamentoaeróbico o sistema cardiovascular é induzido aoum maior volume sistólico ou de ejeção. DANIEL ALVES FERREIRA JR
  • 61. Adaptações cardiovascularese pulmonares :Débito cardíaco: há um aumento do débitocardíaco máximo, resultando um maior volume deejeção. Um grande débito cardíaco máximo é oque difere atletas campeões de endurance deoutros atletas ou pessoas destreinadas. DANIEL ALVES FERREIRA JR
  • 62. Adaptações cardiovascularese pulmonares :Extração de oxigênio: Há um significativoaumento de extração de oxigênio dosangue circulante. Isso resulta em umamelhor distribuição do débito cardíacopara os músculos ativos. DANIEL ALVES FERREIRA JR
  • 63. Adaptações cardiovasculares e pulmonares :Pressão arterial: o treinamento aeróbico regulartende a diminuir a pressão sistólica e diastólicaem repouso e no exercício. A maior redução éda pressão sistólica. DANIEL ALVES FERREIRA JR
  • 64. Adaptações cardiovasculares e pulmonares :Função pulmonar: aumentos nos volumes respiratóriosacompanham o aumento do consumo de oxigênio máximo(VO2máx). Estas alterações são importantes, pois émuito útil em exercícios prolongados, porque com maioreficiência ventilatória significa mais oxigênio para osmúsculos ativos.Grünewald & Wöllzenmüller (1984), afirmam que otreinamento aeróbico traz um aumento da capacidadevital e diminuição do espaço morto do pulmão. Alémdisso, Nadeau (1985), descreve que há um aumento nonúmero e tamanho dos alvéolos do pulmão através dotreinamento aeróbico. DANIEL ALVES FERREIRA JR
  • 65. Outras adaptações:Alterações nos níveis de colesterol e detriglicerídeos: os programas regulares deexercícios causam reduções nos níveis decolesterol e triglicerídeos no organismo. Júnior(1990, p.1), cita que com o treinamentoaeróbico a um “menor nível de colesterol sérico,LDL e aumento nos níveis de HDL”. DANIEL ALVES FERREIRA JR
  • 66. Outras adaptações:Alterações nos ossos: pode ocorrer aestimulação do crescimento no comprimento e nacircunferência do osso, com baixa intensidadeno exercício. Em alta intensidade esses efeitossão inibidos, fazendo aumentar a densidadeóssea, Mccardle, Katch & Katch (2003). DANIEL ALVES FERREIRA JR
  • 67. Outras adaptações:Alterações nos ligamentos e tendões: com otreinamento o indivíduo consegue sustentarmaiores tensões e, com isso existe menoschances de surgirem lesões nos ligamentos e nostendões. DANIEL ALVES FERREIRA JR
  • 68. Outras adaptações:Alterações nas articulações e nas cartilagens:há um aumento na espessura da cartilagem emtodas as articulações. DANIEL ALVES FERREIRA JR
  • 69. Outras adaptações:Alterações na composição corporal: o exercíciode endurance regular proporciona uma reduçãona massa e gorduras corporais, além de umaumento na massa magra. Um maior percentualda perda de peso é representado por gordura,pois o exercício exerce um efeito depreservação sobre o tecido magro do corpo. DANIEL ALVES FERREIRA JR
  • 70. Outras adaptações:Transferência de calor corporal: os indivíduostreinados e bem hidratados se exercitam melhorem ambientes mais quentes, por causa de ummenor volume sangüíneo e dos mecanismostermorreguladores mais solicitados. Comoresultado, o calor metabólico gerado peloexercício torna-se menos prejudicial para arealização do exercício. DANIEL ALVES FERREIRA JR
  • 71. Outras adaptações:Benefícios psicológicos: o exercício regular,independente da idade, tem a possibilidade demodificar favoravelmente o estado psicológicos dehomens e mulheres. Os exercícios regulares podemexercer uma redução no estado de ansiedade, istoé, o nível de ansiedade por ocasião da mensuração;redução na depressão de ligeira a moderada;redução no neuroticismo (em exercícios a longoprazo); coadjuvante do tratamento profissional dadepressão grave; melhora no humor, auto- estima eauto- imagem (conceito) e a redução nos váriosíndices de estresse DANIEL ALVES FERREIRA JR
  • 72. DANIEL ALVES FERREIRA JR
  • 73. professordaniel_93@hotmail.comhttp://fisiologiadofutebol.blogspot.com DANIEL ALVES FERREIRA JR