Temperatura e dilatação de sólidos

16,063 views
15,821 views

Published on

Published in: Technology, Business
3 Comments
6 Likes
Statistics
Notes
No Downloads
Views
Total views
16,063
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
4
Actions
Shares
0
Downloads
382
Comments
3
Likes
6
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Temperatura e dilatação de sólidos

  1. 1. TEMPERATURA E DILATAÇÃO DE SÓLIDOS
  2. 3. TEMPERATURA E CALOR A temperatura é uma grandeza escalar que mede o grau de agitação molecular de um corpo. A temperatura de um corpo é proporcional à energia cinética média das moléculas do corpo. Calor é energia que flui de um corpo para outro devido a uma diferença de temperatura entre corpos.
  3. 4. Se 2 corpos A e B estão, separadamente, em equilíbrio térmico com um terceiro corpo T, então A e B estão em equilíbrio térmico entre si. OBS : equilíbrio térmico = mesma temperatura
  4. 5. São dispositivos construídos para medir a temperatura. Um termômetro é baseado em qualquer propriedade de um corpo que mude com a temperatura. Podem ser: de mercúrio, a álcool, clínico, de resistência elétrica, bimetálico, de pressão de gás, laser e infravermelho.
  5. 6. ESCALAS TERMOMÉTRICAS Uma escala termométrica corresponde a um conjunto de valores numéricos onde cada um desses valores está associado a uma temperatura. Para a graduação das escalas foram escolhidos, para pontos fixos, dois fenômenos que se reproduzem sempre nas mesmas condições: a fusão do gelo e a ebulição da água, ambos sob pressão normal. 1o. Ponto Fixo: corresponde à temperatura de fusão do gelo, chamado ponto do gelo. 2o. Ponto Fixo: corresponde à temperatura de ebulição da água, chamado ponto de vapor.
  6. 7. ESCALAS TERMOMÉTRICAS MAIS UTILIZADAS <ul><li>Celsius: o ponto de fusão do gelo é de 0°C e a temperatura de fusão da água é de 100°C. Esta escala, facilitada pela divisão centesimal (100 partes). logo teve ampla aceitação. A escala Celsius é a mais usada em todo o mundo, menos nos países de língua inglesa, onde se usa a escala Fahrenheit. </li></ul><ul><li>Fahrenheit: o ponto de fusão do gelo é 32°F e a temperatura de ebulição da água é de 212°F e o seu ponto zero é a temperatura de uma mistura de gelo e sal. É usada nos países de língua inglesa e tem grande aplicação na indústria. </li></ul><ul><li>c) Kelvin: o ponto zero dessa escala corresponde ao zero absoluto, ou seja, -273°C e segue a mesma divisão da escala Celsius. O zero absoluto corresponde a temperatura em que a energia cinética das moléculas de um corpo é nula, mas essa temperatura nunca foi atingida. </li></ul>
  7. 8. TRANSFORMAÇÃO DE TEMPERATURA
  8. 9. aumento de temperatura o corpo sofre uma variação nas suas dimensões, quando varia a sua temperatura. A dilatação de um sólido com o aumento de temperatura ocorre porque com o aumento da energia térmica aumentam as vibrações dos átomos e moléculas que formam o corpo, fazendo com que passem para posições de equilíbrio mais afastadas que as originais.
  9. 10. Dilatação de Sólidos a) Dilatação Linear: Quando um sólido apresenta o comprimento como dimensão principal, ao ser aquecido ele varia muito mais de comprimento que de área ou de volume. Exemplo: fios, cabos, barras, trilhos, lâminas, etc.
  10. 11. Quanto maior o coeficiente de dilatação linear do material, mais o material dilata ao ser aquecido e maior a probabilidade de rachar como aquecimento. Como os coeficientes de dilatação são muito pequenos ( 𝛂 ≌ / ), existe dificuldade em observar a dilatação. Em média, um fio metálico de 1 metro, sofrendo um aumento de temperatura de ,aumenta seu comprimento de 1 milímetro.
  11. 12. Num trilho temos que deixar uma folga (junta de dilatação) para compensar possíveis dilatações: Quando o aquecimento é acima do normal, a dilatação é tão grande que mesmo com a junta de dilatação haverá deformação:
  12. 13. O metal apresenta coeficiente de dilatação linear grande. Isso significa que ele dilata muito e também contrai muito. Em linhas de transmissão, temos que deixar uma folga, para compensar possíveis contrações que podem ocorrer com a diminuição de temperatura.
  13. 14. Como α latão > α invar, para um mesmo aumento de temperatura o latão sofre uma dilatação maior, fazendo com que na lâmina ocorra uma dilatação desigual, produzindo o encurvamento. Como a dilatação do latão é maior, ele ficará na parte externa da curvatura. Se a temperatura ambiente atingir um valor muito alto, a lâmina encurva, fecha o circuito e dispara o alarme. LÂMINA BIMETÁLICA
  14. 15. b) Dilatação Superficial: Quando um sólido apresenta a superfície como dimensão principal, ao ser aquecido ele varia muito mais de área que de comprimento ou de volume. Exemplo: placas, chapas, etc.
  15. 16. A esfera não passa pelo anel: Após o anel ser aquecido, a esfera passa pelo anel: Ao aquecermos um corpo com um orifício, o orifício se dilata como se fosse constituído da substância que o envolve.
  16. 17. b) Dilatação Volumétrica:
  17. 18. RELAÇÃO ENTRE COEFICIENTES

×