Your SlideShare is downloading. ×
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

René Menard - Mitologia greco-romana – vol. 3

1,003

Published on

Published in: Education
0 Comments
2 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
1,003
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
0
Comments
0
Likes
2
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. RENÉ MENARD VOLUME III
  • 2. Titulo do original francêsLA MYTHOLOGIE DANS LART ANCIEN ETMODERNE EDITOR PIETRO MACERA DIREÇÃO EDITORIAL TRADUÇÃO REVISÃO FINALMONTAGEM E ARTE FINAL EQUIPE DE ARTE SALVATORE MACERA NETO EQUIPE DE REDAÇÃO Nossos agradecimentos pelo constante incentivo que recebemos de: MARGHERITA STEFANELLI MACERA IN MEMORIAM R. MARIO STEFANELLI SALVATORE MACERA CHRISTINA MACERA NICOLA STEFANELLI ANGELINO MACERA GIOVANNI GRILO EMILIA GIOVANNA A. MACERA JOSÉ LASTORINA MARIANA MACERA
  • 3. Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta obra podeser reproduzida ou utilizada de qualquer forma ou por qualquermétodo, eletrônico ou mecânico, sem autorização prévia porescrito dos Editores. 1ª Edição 1985 2 ª Edição 1991 Impresso no Brasil Printed in Brazil
  • 4. Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) (Câmara Brasileira do Livro, SP, Brasil) Ménard, René, 1827-1887. Mitologia greco-romana / Rene Menard ; tradução Aldo Della Nina. — São Paulo : Opus, 1991. Obra em 3 v. 1. Mitologia grega 2. Mitologia romana I. Título. 91-1334 CDD-292 Índices para catálogo sistemático: 1. Mitologia greco-romana 292
  • 5. CAPITULO VI CUPIDO Nascimento de Cupido. — Educação de Cupido. — Tipo e atributos de Cupido. — Esaco. — Pico e Circe. — O cabelo de Niso. Nascimento de Cupido Cupido nos tempos primitivos é considerado um dosgrandes princípios do universo e até o mais antigo dos deuses.Representa a força poderosa que faz com que todos os seressejam atraídos uns pelos outros, e pela qual nascem e seperpetuam todas as raças. Mitologicamente, não sabemos quemé seu pai, mas os poetas e escultores concordam em lhe darVênus por mãe, e é realmente naturalíssimo que Cupido sejafilho da beleza.
  • 6. O nascimento de Cupido proporcionou a Lesueur o temade uma encantadora composição. Vênus sentada nas nuvensestá rodeada das três Graças, uma das quais lhe apresenta ogracioso menino. Uma das Horas, que paira no céu, esparzeflores sobre o grupo (fig. 372). Educação de Cupido Notando Vênus que Eros (Cupido) não crescia epermanecia sempre menino, perguntou o motivo a Têmis. Aresposta foi que o menino cresceria quando tivesse umcompanheiro que o amasse. Vênus deu-lhe, então, por amigoAnteros (o amor partilhado). Quando estão juntos, Cupidocresce, mas volta a ser menino quando Anteros o deixa. É umaalegoria cujo sentido é que o afeto necessita de sercorrespondido para desenvolver-se. A educação de Cupido por Vênus proporcionou assuntopara uma multidão de maravilhosas composições em pedrasgravadas. Vênus brinca com ele de mil modos diversos,pegando-lhe o arco ou as setas e seguindo-lhe com o olhar osgraciosos movimentos (fig. 376). Mas o malicioso menino vinga-se, e várias vezes a mãe experimenta o efeito das suasflechadas. Cupido era freqüentemente considerado um civilizadorque soube mitigar a rudeza dos costumes primitivos. A arteapoderou-se dessa idéia, apresentando-nos os animais ferozessubmetidos ao irresistível poder do filho de Vênus. Nas pedrasgravadas antigas vemos Cupido montado num leão a quemenfeitiça com os seus acordes; outras vezes atrela animaisferozes ao seu carro, após domesticá-los, ou então quebra osatributos dos deuses, porque o universo lhe está submetido(figs. 374 e 375). Não obstante o seu poder, jamais ousouatacar Minerva e sempre respeitou as Musas.
  • 7. Cupido é o espanto dos homens e dos deuses. Júpiter,prevendo os males que ele causaria, quis obrigar Vênus adesfazer-se dele. Para o furtar à cólera do senhor dos deuses,viu-se Vênus obrigada a ocultá-lo nos bosques. Fig. 372 — Nascimento de Cupido (segundo um quadro de Lesueur).onde ele sugou o leite de animais ferozes. Também os poetasfalam sem cessar da crueldade de Cupido: "Formosa Vênus, filhado mar e do rei do Olimpo, que
  • 8. ressentimento tens contra nós? Por que deste a vida a tal flagelo,Cupido, o deus feroz, impiedoso, cujo espírito corresponde tãopouco aos encantos que o embelezam? Por que recebeu asas e opoder de lançar setas, a fim de que não pudéssemos safar-nosdos seus terríveis golpes?" (Bíon). Fig. 373 — Vênus e Cupido. Um epigrama de Mosco mostra a que ponto conheciaCupido o seu poder, até contra Júpiter. "Tendo deposto o arco eo archote, Cupido, de cabelos encaracolados, pegou um aguilhãode boieiro e suspendeu ao pescoço o alforje de semeador; depois,atrelou ao jugo uma parelha de bois vigorosos e nos sulcosatirou o trigo de Ceres. Olhando, então para o céu, disse aopróprio Júpiter: "Fecunda estes campos, ou então, touro daEuropa, eu te atrelarei a este arado." (Antologia).
  • 9. Fig. 374 — A força de Cupido (segundo uma pedra gravada antiga).Fig. 375 —Cupido triunfante [segundo uma pedra gravada antigaCupido pode ser considerado aqui por amor ao vinho, em virtude dos seus atributos báquicos.
  • 10. Luciano, nos seus diálogos dos deuses, assim formula asqueixas de Júpiter a Cupido: "Cupido. — Sim, se cometi um erro, perdoa-me, Júpiter.Sou ainda menino e não atingi a idade da razão. Júpiter. — Tu, Cupido, um menino?! Mas se és mais velhoque Japeto. Por não teres barba nem cabelos Fig. 376 — Vênus e Cupido (segundo uma pedra gravada antiga).brancos, julgas-te ainda menino? Não. És velho e velhomaldoso. Cupido. — E que mal te fez, pois, este velho, como dizes,para que penses em encadeá-lo? Júpiter. — Vê, pequenino malandro, se não é grande malinsultar-me a ponto de fazeres com que eu me revestisse daforma de sátiro, touro, cisne e águia. Não fizeste com quemulher alguma se apaixonasse de mim próprio,
  • 11. e não sei absolutamente que, pelo teu sortilégio, eu tenhaconseguido agradar a uma que fosse. Pelo contrário, devorecorrer a metamorfoses e ocultar-me. É verdade que amam otouro ou o cisne, mas se me vissem morreriam de medo."(Luciano). Cupido inspirou encantadores trechos a Anacreonte: "Nomeio da noite, na hora em que todos os mortais dormem, Cupidochega e, batendo à minha porta, faz estremecer o ferrolho:"Quem bate assim? exclamei. Quem vem interromper-me ossonhos cheios de encanto? — Abre, responde-me Cupido, nãotemas, sou pequenino. Estou molhado pela chuva, a luadesapareceu e eu me perdi dentro da noite." Ouvindo taispalavras apiedei-me; acendo a lâmpada, abro e vejo um meninoalado, armado de arco e aljava; levo-o ao pé da lareira, aqueço-lhe os dedinhos entre as minhas mãos, e enxugo-lhe os cabelosencharcados de água. Mal se reanima: "Vamos, diz-me,experimentemos o arco. Vejamos se a umidade o não estragou."Estica-o, então, e vara-me o coração, como faria uma abelha;depois, salta, rindo com malícia: "Meu hóspede, diz, rejubila-te.O meu arco está funcionando perfeitamente bem, mas o teucoração está agora enfermo." (Anacreonte). "Um dia, Cupido, não percebendo uma abelha adormecidanas rosas, foi por ela picado. Ferido no dedinho da mão, soluça,corre, voa para o lado de sua mãe: "Estou perdido, morro! Umaserpentezinha alada me picou. Os lavradores dizem que é umaabelha." Vênus responde-lhe: "Se o aguilhão de uma simplesabelha te faz chorar, meu filho, reflete como devem sofreraqueles a quem tu atinges com as setas!" (Anacreonte). Tipo e atributos de Cupido Na arte Cupido apresenta dois tipos distintos, pois uma dasvezes o vemos como adolescente, outras sob o
  • 12. aspecto de gracioso menino. Mas o primeiro de tais tipos é omais antigo. Uma pedra gravada nos mostra Cupido de estiloantigo, representado por um éfebo alado e disparando uma seta(fig. 377). O arco, as setas e as asas são sempre os atributos deCupido. Fig. 377 — Cupido de antigo estilo (segundo uma pedra gravada)O tipo de Cupido adolescente está fixado perfeitamente numtronco do museu. Pio-Clementino (fig. 378). Os membros,infelizmente, faltam. Os ombros apresentam vestígios deorifícios abertos para acolherem o pé das asas. A cabeça, dedelicada beleza, está coberta de cabelos encaracolados. Foi Praxíteles, contemporâneo de Alexandre, que fixou naarte o tipo de Cupido. Sabe-se que o grande escultor erafreqüentador assíduo da famosa cortesã Frinéia. Esta, ao lhepedir um dia que ele lhe cedesse a mais bela das suas estátuas,teve o prazer de ser ouvida. Mas Praxíteles não lhe explicou qualdelas seria. Frinéia, então, mandou que um escravo fosse à casado escultor, e dali a pouco o escravo voltou dizendo que umincêndio destruíra a casa de Praxíteles e com ela a maior
  • 13. parte dos seus trabalhos; no entanto, acrescentou, que nem tudodesaparecera, Praxíteles precipitou-se imediatamente para aporta, gritando que estaria perdido todo o fruto dos seus longosesforços, se o incêndio lhe não tivesse poupado o Cupido e oSátiro. Frinéia tranqüilizou-o assegurando-lhe que nada estavaqueimado e que, graças ao ardil, ficara sabendo dele próprio oque de melhor havia em escultura. Escolheu, assim, o Cupido.Mas não era para guardá-la que a cortesã pedira a obra-prima aogrande escultor, pois, na Grécia, os costumes licenciosos nãoimpediam sentimentos elevados. Frinéia doou a estátua à cidadede Téspies, sua pátria, que Alexandre Fig. 378 — Cupido adolescente (segundo um busto antigo).acabara de devastar. A escultura foi consagrada num antigotemplo de Cupido, e foi graças a esse Destino religioso que setornou espécie de compensação para uma cidade destruída pelaguerra. "Téspies já não é mais nada, diz Cícero, mas conserva oCupido de Praxíteles, e não há viajante que não vá visitá-la paraconhecer tão esplêndida obra-prima." Esse Cupido era demármore, as asas eram douradas, e ele empunhava o arco.Calígula mandou que o transportassem para Roma; Cláudiodevolveu-o aos habitantes de Téspies, Nero roubou-o de novo.
  • 14. A célebre estátua foi, então, colocada em Roma sob os pórticosde Otávio, onde pouco depois a destruiu um incêndio. O escultor Lisipo também fizera uma estátua de Cupidopara os habitantes de Téspies, colocada ao lado da obra-primade Praxíteles. A famosa estátua conhecida pelo nome de Cupidoempunhando o arco passa por ser cópia de uma dessas duasobras (fig. 379). Via-se também no templo de Vênus em Atenasum famosíssimo quadro de Zêuxis, representando Cupidocoroado de rosas. Fig. 379 — Cupido entesando o arco (segundo uma estátua ant i ga).
  • 15. Até a conquista romana, quase sempre fora Cupido representadocomo adolescente de formas esbeltas e elegantes. A partir de talépoca, surge mais freqüentemente sob o aspecto de menino. A arte dos últimos séculos representou muitas vezesCupido. No quarto de banho da cardeal Bibbiena, no Vaticano.Rafael fixou Cupido triunfante, fazendo puxar o carro porborboletas, cisnes, etc. Numa multidão de encantadorascomposições mostra-o doidejando ao lado de sua mãe ou entãoabandonando-a, após havê-la picado. Parmeggianino fez com Cupido e o seu, arco uma graciosafigura que, por longo tempo foi atribuída a Correggio. Correggio eTiciano, por sua vez, fixaram Cupido em todas as suas formas,mas nenhum pintor o representou tantas vezes quantas Rubens.Os cupidos frescos e bochechudos do grande mestre flamengopodem ser vistos em todas as galerias, brigando, brincando.voando, correndo, colhendo frutos, etc. Na Escola francesa, le Poussin representou muitas vezesCupido, mas le Sueur pintou a história completa nos salões dopalácio Lambert, e o austero pintor de São Bruno soubeevidenciar, sem jamais deixar de ser casto, uma graçaencantadora nesses temas mitológicos. Vemos, desde os primórdios do século dezoito, aimportância desmedida que Cupido terá nas produções artísticasda época. Coypel pintara, nos salões do cardeal Dubois, um forrorepresentando o Grupo celestial desarmado pelos cupidos. Nota-se ali, diz o biógrafo do pintor, um desses pequeninos deusesque se eleva, rindo, na águia de Júpiter; mas quem ousa tentarapoderar-se do raio, queima-se, arrepende-se e foge. Outro, maisobstinado, nota com despeito que todas as suas setas se partemcontra a égide de Minerva, e tenta inutilmente novos esforços. OTempo detém pela asa o temerário que acaba de lhe roubar orelógio e a foice, Vê-se a balaustrada que encima a cornijadesabar sob os passos do impiedoso destruidor. O resto dacomposição apresenta aos olhos a simpática e nobre brincadeiraque tanto apraz ao espírito e da qual somente o espírito pode serinventor. Cupido fazendo o seu arco, de Bouchardon, atualmente nomuseu do Louvre (fig. 381), encontrava-se, outrora numa ilha nomeio do lago do Trianon. A formosa
  • 16. estátua, fortemente desdenhada no começo deste século,conforma-se bastante ao espírito do século dezoito. Cupido,vencedor dos deuses e dos homens, apoderou-se, sem nenhumtrabalho, da maça de Hércules, e enquanto se Fig. 380 — Cupido (segundo uma estátua antiga).ocupa em dela fazer um arco, inclina a cabeça com ummovimento de faceirice algo afetado, mas cheio de graça. Namesma época, Boucher cobria os seus entrepanos decupidozinhos rechonchudos, cheios de encanto, mas que só
  • 17. possuem longínqua relação com o tipo fixado por Praxíteles eLisipo. Citemos uma Mercadora de cupidos, imitação de antigapintura famosa, que reproduzimos (fig. 383) ; a escola imperialrepresentou freqüentemente Cupido. Mas entre os artistas dosúltimos séculos, nenhum o representou tantas vezes comoPrudhon. Fig. 381 — Cupido fazendo o seu arco (por Bouchardon, museu do Louvre). Embora tais composições pequem, uma vez que outra, porum pouco de afetação, são quase sempre encantadoras. Amaioria foi popularizada pela gravura ou pela litografia. Aqui,vemos Cupido de pé, asas abertas, passar os braços em volta dopescoço da Inocência sentada num cabeço. Mais longe, aInocência seduzida por Cupido é arrastada pelo Prazer e seguidapelo Arrependimento. Outras vezes, o autor representa Cupidopreso por um elo de ferro ao pedestal de um busto de Minerva episando com o pequenino pé, mas em troca, outras é Cupidotriunfante que se vinga da mulher insensata a qual julgouencadeá-lo para sempre.
  • 18. Cupido fere muitas vezes sem ver, e dá origem asentimentos que nem o mérito, nem a beleza explicamsuficientemente. Foi o que Correggio pretendeu exprimir aorepresentar Vênus prendendo uma venda sobre os olhos do filho.Ticiano pintou o mesmo tema que se vê reproduzido comfreqüência na arte dos últimos séculos. Fig. 382 — Cupido num hipocampo (segundo uma pedra gravada antiga). Esaco Cupido produz naqueles aos quais fere efeitos sur-preendentes, que na Lenda se traduzem sempre por meta-morfoses. Assim, o mergulhão é uma ave que voa sempre acimadas águas e nela mergulha freqüentemente. Noutros tempos,tratava-se do filho de um rei, que tinha
  • 19. aversão à corte do pai e evitava participar das festas que ali serealizavam, preferindo ir aos bosques, por ter a esperança deencontrar a ninfa Hespéria a quem amava ternamente.Entretanto Esaco, assim se chamava ele, não era correspondido.Um dia, estando a ninfa a fugir-lhe à perseguição amorosa, foipicada por uma serpente venenosa e morreu. Esaco,desesperado por lhe ter causado a morte, atirou-se ao mar doalto de um rochedo. Mas Tétis, comovida, sustentou-o na queda,cobriu-o de penas, antes que ele caísse na água e impediu-o,assim, de morrer, por maior que fosse o seu desejo de nãosobreviver à querida Hespéria. Indignado contra a mão favorávelque o protege, queixa-se da crueldade do Destino que o força aviver. Eleva-se no ar, depois se precipita com impetuosidade naágua; mas as penas o sustêm e reduzem o esforço que ele fazpara morrer. Furioso, mergulha a todo instante no mar, eprocura a morte que o evita. O amor tornou-o magro, tem coxaslongas e descarnadas e um pescoço muito comprido. Ama aságuas, e é pelo fato de nelas mergulhar constantemente que sechama mergulhão. (Ovídio). Pico e Circe Pico, filho de Saturno e rei da Itália, era um jovem príncipede maravilhosa beleza. Todas as ninfas o admiravam quando oviam, mas a feiticeira Circe não se contentou com admirá-lo, equis que ele a desposasse. No entanto, só colheu desdém. poisele amava perdidamente Canenta, filha de Jano. Um dia, tendoido caçar javalis, encontrou Circe, que lhe confessouabertamente a sua paixão. Vendo-se desdenhada, a feiticeiraproferiu as terríveis palavras de que se serve para fazerempalidecer a lua ou obscurecer o sol. Pico, aterrorizado com asfórmulas mágicas, começou a fugir; mas imediatamente
  • 20. notou que estava correndo muito mais velozmente do que dehábito, ou antes que estava voando, visto que forametamorfoseado em ave. Na sua cólera, pôs-se a dar fortesbicadas nas árvores; as penas tinham conservado a cor dasvestes usadas por ele naquele dia, e o broche de ouro que asprendia ficou assinalado no seu pescoço por uma manchaamarelada, brilhante. Canenta chorou tanto que o seu formosocorpo terminou por se evaporar nos ares. e dela nada maisrestou, O cubelo de Niso De todas as metamorfoses operadas por Cupido, não hánenhuma que seja tão surpreendente como a de que foi vítimaCila, filha do rei Niso. O rei de Creta, Minos, após devastar as costas de Megara,iniciara o cerco da cidade, cujo Destino dependia de um cabelode ouro que Niso, rei do país trazia entre os cabelos brancos. Osítio já durava havia seis meses sem que a sorte se declarassenem por um partido, nem por outro. Em Megara havia umatorre cujas muralhas produziam um som harmonioso desde queApolo ali deixara a sua lira. A filha do rei, Cila, subiafreqüentemente, em tempo de paz, a essa torre, para ter oprazer de produzir nas muralhas alguns sons atirando-lhespequeninas pedras. Durante o cerco, também visitava o mesmolugar para de lá ver os ataques e os combates feridos em tornoda cidade Como fizesse bastante tempo que os inimigos seachavam acampados em torno, ela conhecia os principaisoficiais, as suas armas, os seus cavalos e a sua maneira decombater. Nota sobretudo o chefe, Minos, com particularatenção e mais do que o necessário para a sua tranqüilidade,tanto que a paixão atingiu tal ponto que ela resolveu sacrificar opaís à glória do estrangeiro a quem amava.
  • 21. Uma noite, enquanto a cidade inteira estava imersa nosono, penetrou no aposento do pai e cortou-lhe o cabelo fatal.Munida do precioso objeto, a infeliz Cila, a quem o crime davanova ousadia, saiu da cidade, atravessou o campo inimigo,chegou à tenda de Minos a quem confiou o cabelo do qualdependia a salvação da cidade. Minos sentiu aversão por tãodesnaturada filha, e recusou-se a Fig. 383 — Mercadora de cupidos (segundo uma pintura antiga).vê-la. O cabelo estava cortado, a cidade caiu entre as mãos dosinimigos, mas Minos partiu imediatamente depois, proibindo oembarque de Cila nos seus navios. Foi em vão que ela alcançou,banhada em lágrimas, a praia, cabelos desalinhados, braçosestendidos para o homem que a repelia. Viu partir o navio, e, noseu desespero, atirou-se ao mar para seguir a nado o enteamado. Mas notou seu pai, Niso, que, metamorfoseado emgavião, a perseguia, e começava a cair sobre ela para a dilacerara bicadas. Assim, em vez de nadar, Cila começa também
  • 22. a voar sobre a superfície da água, pois estava, por sua veztransformada em calhandra. Desde então a ave de rapina, queela tão indignamente traíra. não cessa de lhe fazer cruel guerra.(Ovídio). Fig. 384 — Arco e aljava de Cupido com a borboleta de Psique.
  • 23. CAPÍTULO VII PSIQUE Beleza de Psique. — Ciúme de Vênus. — O oráculo de Apolo. — Psique raptada por Zéfiro. — O palácio de Psique. — As irmãs de Psique. — A gota de azeite. — Cólera de Vênus. — As núpcias de Psique. — A alma humana. Beleza de Psique Tinha um rei três filhas belíssimas. Mas, por maisencantadoras que fossem as duas mais velhas, era possívelencontrar na linguagem humana elogios proporcionados ao seumérito, ao passo que a menor era de perfeição tão rara, tãomaravilhosa, que não havia termos que a exprimissem. Oshabitantes do país, os forasteiros, enfim todos acorriam, atraídospela reputação de semelhante prodígio; e depois decontemplarem tal beleza de que nada se aproximava, ficavamconfusos de admiração, e,
  • 24. prosternando-se, a adoravam com religioso respeito, comose se tratasse da própria Vênus. Em breve, espalhou-se a nova de que era a própriaVênus que vinha habitar a terra sob a aparência de simplesmortal, e o prestígio da verdadeira deusa ficou abalado.Ninguém mais ia a Cnido, ninguém mais ia a Pafos,ninguém mais navegava para a risonha ilha de Cítara. Osantigos templos de Vênus estavam vazios, as cerimôniasnegligenciadas, os sacrifícios suspensos, e os seus altaressolitários só apresentavam uma cinza fria no lugar do fogoonde antes ardiam incensos. Mas quando Psique passava, opovo, apinhado, tomando-a por Vênus, lhe apresentavagrinaldas, atirava-lhe flores, dirigia-lhe votos e preces. Detodas as partes do mundo vinham peregrinos oferecer-lhevitimas. Essa homenagem à beleza, tão de acordo com oespírito antigo, constitui o tema de uma composição deRafael (fig. 385).Fig. 385 — O povo ajoelhado perante Psique (segundo uma composição de Rafael)
  • 25. Ciúme de Vênus Vênus, que do alto do céu via tudo, não pôde refrear aindignação. "Como? dizia ela. Eu, Vênus, a primeira alma danatureza, origem e germe de todos os elementos, eu que fecundoo universo inteiro, devo partilhar com uma simples mortal ashonras devidas à minha posição suprema ! Deverá o meu nome,que é consagrado no céu, ser profanado na terra, terei eu de veros meus altares descuidados por uma criatura destinada amorrer? Ah, a que assim usurpa os meus direitos vaiarrepender-se da sua insolente beleza!" Imediatamente chama o filho, o menino de asas, tão audaz,o qual, na sua perversidade, desafia a moral pública, arma-sede archotes e setas, cometendo com impunidade as maioresdesordens e jamais fazendo o menor bem. Excita-o com as suaspalavras, e diante dele dá vazão a todo o seu enorme despeito."Meu filho, em nome da ternura que te une a mim, vinga tuamãe ultrajada; mas vinga-a plenamente. Só te peço uma coisa:faze que a jovem se inflame da mais violenta paixão pelo últimodos homens, por um infeliz condenado pela sorte a não ter nemposição social, nem patrimônio, nem segurança de vida; enfim,por um ser de tal modo ignóbil que no mundo inteiro não seencontre outro igual !" Assim falando, beijava o filhinho amado. O oráculo de Apolo Vênus, por sua vez, extravasava a sua cólera, cujos efeitosjá se faziam sentir, porque, enquanto as duas irmãs de Psiquedesposavam reis, a infeliz jovem, culpada
  • 26. de excesso de beleza, encontra por toda parte adoradores, masnão marido, e seu pai, desconfiando de que uma divindadequalquer obstaculasse o homem da filha, vai consultar o máculade Apolo que lhe ordena expor a filha num rochedo para umhimeneu de morte. Seu marido não será um mortal: traz asascomo as aves de rapina cuja crueldade ele possui e escraviza oshomens e os próprios deuses. Sempre é necessário obedecer,quando um deus fala. Após vários dias consagrados ao pranto eà tristeza, prepara-se a pompa do fúnebre himeneu. O archotenupcial é representado por archotes cor de fuligem e cinza. Oscantos jubilosos de himeneu se transformam em uivos lúgubres,e a jovem noiva enxuga as lágrimas com o próprio véu decasamento. Psique raptada por Zéfiro Uma vez terminado o cerimonial de morte, conduziram ainfeliz Psique ao rochedo em que deveria aguardar o esposo. Erauma montanha alcantilada. Quando ali chegou, apagaram-se osarchotes nupciais que haviam iluminado a festa fúnebre do tristehimeneu, e cada um voltou para casa. Os pais de Psique,encerrados no palácio, recusaram-se a sair, condenando-se àstrevas eternas. Tremendo de espanto, Psique afogava-se naslágrimas no pico da montanha, quando de súbito o delicadosopro do Zéfiro, agitando amorosamente os ares, faz ondular dosdois lados a veste que a protegia, cujas dobras se encheminsensivelmente. Soerguida sem violência, Psique reconhece queum sopro tranqüilo a transporta suavemente. O rapto de Psique pelos Zéfiros é uma das maisarrebatadoras composições de Prudhon (fig. 386). Mais leves queas nuvens, os graciosos meninos alados se elevam docemente noar e arrebatam Psique sem lhe
  • 27. perturbarem o sono tranqüilo. Daí a pouco Psique desliza porum declive insensível até um profundo vale situado abaixo dela,e vê-se sentada no meio de uma relva coalhada de flores. Fig. 386 — Rapto de Psique (segundo Prudhon). Deposta sobre espessa e tenra relva que formava um frescotapete de verdura, ela olha em volta de si e percebe uma fontetransparente como cristal, no meio de árvores altas e copadas.Perto das margens, ergue-se uma morada real não construídapor mãos mortais senão mediante arte
  • 28. que só pode ser divina. Os muros estão recobertos de baixos-relevos de prata e os soalhos são de mosaico de pedras preciosascortadas em mil pedacinhos e combinadas em variadas pinturas. O palácio de Psique Convidada pelo encanto de tão lindo lugar, Psique criaânimo a ponto de ultrapassar o limiar, e, cedendo à atração detão grande número de maravilhas, lança cá e lá olhares deadmiração. Mas o que ao mesmo tempo a impressiona é asolidão absoluta em que se encontra. Uma voz saída de umcorpo invisível lhe fere, subitamente, os ouvidos: "Por que,soberana minha, vos admirais de tão grande opulência? Tudoquanto vedes é vosso. Entrai nestes aposentos, aguarda-vos umbanho, para refazerdes as forças, e o banquete real que vos édestinado não se fará esperar. Nós, cuja voz estais ouvindo,estamos às vossas ordens, e executaremos atentamente asvossas ordens." Psique viu realmente um repasto magnificamentepreparado. Sentou-se, então, à mesa, e diante dela se sucediamos vinhos mais deliciosos, as iguarias mais incomuns, masaparentemente trazidas por um sopro, pois não distinguianenhum ser humano. Um delicioso concerto a alegrou, mas oscantores eram invisíveis. Admirada, e ao mesmo tempo,assustada, pensando no esposo que aguardava, cedeu, noentanto, à fadiga e adormeceu sem que ninguém lhe perturbasseo repouso. Quando desperta, ouve as mesmas vozes misteriosasque na véspera, e recebe os mesmos cuidados de seres que nãoconsegue distinguir. Vários dias transcorrem sem que lhe sejadado ver alma viva. Se o esposo invisível a visitou foi com certezaquando estava adormecida, pois ela nada
  • 29. enxergou, e o amo do palácio em que está lhe é tão desconhecidocomo os criados que a servem. Psique recebendo o primeiro beijo de Cupido inspirou aGérard um belíssimo quadro que se encontra no Louvre (fig.388). A borboleta, símbolo da alma, esvoaça sobre Fig. 387 — Cupido e Psique (segundo um monumento antigo, no museu Capitolino).a cabeça da jovem sentada num cabeço de relva; o seu aspectoingênuo e algo espantado se explica pela presença de Cupidoque, invisível para ela, lhe dá um beijo na testa. No entanto, oesposo existia, pois embora ela o não visse, lhe ouvia a doce voza preveni-la de um perigo que
  • 30. correria. "Psique, minha doce amiga, dizia a voz, minhacompanheira adorada, a sorte cruel te ameaça de um terrívelperigo; tuas irmãs, já turbadas com a idéia da tua morte,procuram-te, e não tardarão em chegar a este Fig. 388 — Cupido e Psique (segundo o quadro de Gerard, museu do Louvre).rochedo. Não te comovas com os seus falsos queixumes, e nãocedas aos perniciosos conselhos que elas te derem para levar-tea me ver. E acrescentou que a sacrílega
  • 31. curiosidade os separaria para sempre e a mergulharia numabismo de males. Psique agradeceu ao marido os conselhosAliás, o tom daquela voz era tão penetrante que se sentia atraídaa ele por urna força desconhecida. Assim, prometeu-lhe queobedeceria. As irmãs de Psique Entretanto, Psique, lembrando-se do oráculo de Apolo,tremia de espanto. pensando que, apesar da voz tão doce, fosse oesposo sem dúvida um horrível monstro, visto que o temiamhomens e deuses. Estando a devanear, ouviu de súbito, ao longe,vozes de mulheres, de mistura com gemidos e SOJUCCS, e,pouco depois, escutando, reconheceu-as pelas de suas irmãs quea choravam. Comoveu-se, apesar de tudo, e, desejandotranqüilizar a família, pediu mentalmente ao invisível maridopermissão para dispor de Zéfiro. As duas irmãs foram então arrebatadas como o fora Psiquee transportadas para o palácio. Após os primeiros abraços ebeijos, Psique, com insistência de criança. mostrou-lhes osmagníficos móveis, os deliciosos jardins, os terraços de onde sedescortinavam horizontes sem fim. Tantas maravilhas sólograram aumentar o ciúme nutrido pelas duas irmãs haviatempo, e elas a cobriram de perguntas embaraçadoras sobre oesposo que tanta riqueza lhe proporcionava. A pobre Psique, queainda o não vira, não pôde satisfazer-lhes a indiscretacuriosidade. Todos os dias elas lhe pintavam o marido comohorrível dragão repulsivo. A infeliz não resistiu.
  • 32. A gota de azeite Chegada a noite, espera que todos estejam dormindo nacasa. Acende, então, a sua lâmpada, aproxima-se do leito ereconhece o filho de Vênus, perto de quem estão o arco, aaljava e as setas. Psique pega uma e fere levemente um dosdedos, inoculando, assim, em si própria e em elevada doseamor ao próprio Cupido. Mas enquanto contempla comarrebatamento o deus que lhe é esposo, cai sobre o ombro deCupido uma gota de azeite. A partir de então, já Psique nãotem mais esposo, pois Cupido desaparece, deixando-a no seupalácio solitário. A formosa cena foi freqüentementerepresentada na arte dos últimos séculos, e Picot, de quemtodos se riam tanto há alguns anos, compôs maravilhosoquadro (fig. 389). Fig. 389 — Cupido abandonando Psique (segundo um quadro de Picot).
  • 33. Psique, desesperada, corre à doida pelos campos e seprecipita a um rio de águas revoltas. Mas o rio não a quer, e asondas a devolvem sã e salva à margem. O deus Pã, que lá seencontrava, lhe revela as impiedosas ordens que Cupidorecebera de Vênus. Fig. 390 — Psique (segundo uma estátua antiga). As irmãs de Psique, desejosas de saber se o conselho foraseguido, vão ao rochedo do qual Zéfiro as arrebatara.
  • 34. Quando o vento começa a soprar, julgam que é o mensageiro quevai conduzi-las ao pé da irmã e, entregando-se-lhe semdesconfiança, tombam ao pé do rochedo onde foram encontradasno dia seguinte, mortas. Zéfiro, com efeito, não pôde receberordens de Cupido, pois Cupido está doente, e, vigiado no leito,ouve as censuras de sua mãe ultrajada: "Que lindo pai de famílianão serieis! dizia-lhe Vênus. E eu, por minha vez, não tenhoidade e dignidade para que me chamem de vovó? Cólera de Vênus Vênus manda procurar Psique por toda a terra, e, na suacólera cheia de ciúme, pergunta a si própria que suplício lhedeve infligir. Não contente de mandar que a vergastem, querimpor-lhe trabalhos superiores às suas forças, e ordena-lhe quevá aos infernos pedir a Prosérpina uma caixa de beleza de quenecessita para o seu atavio. Psique parte, certa de que nuncamais voltará; mas no caminho encontra uma velha torre quesabe falar e lhe ensina como deve proceder, recomendando-lhebem, quando estiver de posse da caixa, que não ceda à tentaçãode uma curiosidade que já lhe foi funesta uma vez. Esclarecida pela torre, Psique atravessa o rio das mortes nabarca de Caronte, faz calar Cérbero atirando-lhe um bóio commel e chega à presença de Prosérpina que lhe entrega a caixa debeleza exigida por Vênus. Quando volta à terra, Psique, sozinha,e de posse da caixa cujo conteúdo conhece, começa a refletir. Porque não há de servir à própria Psique essa beleza que o seuodioso tirano a mandou procurar no meio de mil perigos? E seroubasse uma partezinha, quem sabe se não conseguiriareconquistar o marido desaparecido? Após muita hesitação, acaixa cede finalmente ao esforço por ela feito, mas em vez dabeleza o que sai é um vapor sonífero e Psique,
  • 35. desmaiada, tomba com a face voltada para o chão. Perto dela,todavia, está um amigo, o próprio Cupido, que, vigiado de pertono palácio de sua mãe, conseguiu, não Fig. 391 — Cupido reanimando Psique (por Thorwaldsen). Fig. 392 — Psique pensativa.obstante, escapar pela janela. Desperta Psique com a ponta deuma das suas setas e pede-lhe que vá à casa de sua mãe, que elese incumbirá do resto.
  • 36. As núpcias de Psique Cupido voa ao pé do trono de Júpiter que, enternecidopelas suas lágrimas, dá a imortalidade a Psique e convida todosos deuses para o banquete de núpcias. Um baixo-relevo antigo domuseu Britânico mostra Cupido e Psique deitados no leitonupcial (fig. 393) : Cupido dá de beber à esposa a quem abraça.Um cupidozinho lhes traz uma pomba, símbolo do afeto mútuo, eoutro, colocado perto da mesa em que se realizou o banquete,brinca com uma lebre, símbolo da fecundidade. Fig. 393 — Núpcias de Cupido e Psique (segundo um baixo-relevo antigo do museu Britânico). O banquete nupcial de Cupido e Psique foi representadopor Rafael de maneira muito mais suntuosa. Vemos as Graçasvertendo perfumes sobre Psique, colocada ao lado de Cupido, e asHoras espalham flores sobre os convidados. Psique, admitida ao seio dos imortais, torna-seinseparável do marido. O sentido da alegoria é fácil de com-preender. Psique é o símbolo da alma: uma indiscreta curiosidadea impeliu e ela sofreu espantosas torturas. Mas, purificada poruma série de provas de que saiu vitoriosa, encontra a felicidadecom a imortalidade. Conhecemos poucos monumentos antigosque fixem os pormenores da história de Apuléio. Mas oencantador grupo de Cupido
  • 37. e Psique, no museu Capitolino, apresenta sob a sua formaplástica a união da alma e do corpo (fig. 387). O famoso grupo de Canova, no Louvre, nos apresenta omesmo tema, concebido de maneira totalmente diversa. O hábilescultor italiano, apesar de um pouco de afetação. conseguiuimprimir um caráter verdadeiramente etéreo às suas duas figurasde mármore (fig. 394). "A ficção Fig. 394 — Cupido e Psique (segundo um grupo de Canova, museu do Louvre).do Amor e de Psique, diz Creuzer, reúne em maravilhosa aliançao gênio da forma, que lisonjeia os sentidos, e o do fundo quemergulha a alma num devaneio sem fim. Eros, segurando umaborboleta suspensa acima de um archote é encaradopoeticamente um perfeito emblema
  • 38. dos tormentos do amor, encarado no sentido dos mistérios, esseemblema contém a idéia profunda e salutar das manchas damatéria e dos sofrimentos da alma purificada pelo fogo doimpuro contacto." A lenda de Cupido e Psique, tal qual a narramos, segundoApuléio, parece ter sido quase estranha aos artistas daantiguidade, os quais, no entanto, longe estão de lhe haveremdesconhecido o espírito. Um incrível número de pedras gravadasrepresenta Psique nas suas relações com Cupido, e fixa as dorese as alegrias daí resultantes. Aqui, vemos Cupido queimandonum archote Fig. 395 — Cupido e Psique (segundo um vidro antigo).a borboleta, símbolo da alma humana, e voltando a cabeça, empranto, para não ver o mal que faz (fig. 399). Ali, são as alegrias eas esperanças do himeneu que o artista nos apresenta. As cenasde casamento são freqüentemente representadas pela união dePsique e Cupido. Assim, vemos numa pedra gravada antiga doisesposos sob o aspecto de Cupido e Psique, com a cabeça cobertapor um véu e segurando pombas, símbolos do amor conjugal.Um cupidozinho, segurando a cadeia que liga os esposos, condu-los para o leito nupcial, e outro,
  • 39. colocado atrás deles, segura-lhes sobre a cabeça um cesto defrutos, emblema de fecundidade (fig. 395). Tais camafeus eramdados como presentes de núpcias. A borboleta (1) era para os antigos a forma visível da almahumana, e é por isso que as asas de borboletas constituíam oatributo de Psique. Os camafeus no-la mostram freqüentementesentada e sonhadora (fig. :392). É a alma de um vivo que pensana imortalidade, ou a alma de um morto que já a conquistou? Fig. 396 — Cupido e Psique (segundo uma pedra gravada antiga) Às vezes a crueldade de Cupido aparece sob luz mais brutal.As dores que ele causa, as torturas que inflige à alma, sãopersonificadas por uma alma que ele segura__________________________ (1) Psique, em grego, significa alma e borboleta.
  • 40. pelos cabelos, e que já não lhe pode escapar (fig. 397). Nãonecessita mais do arco, porque o ferimento está feito, masconserva o archote para queimar a vítima. Fig. 397 — Cupido amarrando Psique (segundo uma pedra gravada antiga). A alma humana Segundo as crenças admitidas pelos filósofos, e que, deacordo com alguns escritores, teriam sido objeto de ensinoespecial nos mistérios, as almas existem anteriormente aonascimento terreno, e são atraídas para a vida
  • 41. pela volúpia, ou se assim quisermos, por Vênus. Giram emtorno da terra, como as borboletas em torno da luz, e, quandochegam bem perto, não podem mais afastar-se e sãocondenadas à vida, cuja imagem sedutora vêem num espelhomístico, tão freqüentemente representado nas urnas fúnebres.Sofrem a tentação de beber na taça da vida, na taça de Baco, e,mal tocam com os lábios o licor sagrado, se encarnam numcorpo. "A união das almas com os corpos mortais, diz Creuzer,se deve a várias causas : diversos motivos as impelem para asesferas inferiores. Algumas ali descem, porque ainda nãotinham Fig. 398 — Mercúrio prende às costas de Psique as asas de Cupido agrilhoado (segundo uma pedra gravada antiga).descido e são necessárias à manutenção da economia do mundo.São as almas novas ou noviças. Outras voltam aos corpos paraexpiarem culpas anteriores Outras, enfim, cedemvoluntariamente à sua inclinação pela terra. Tal inclinaçãoprovém de haverem elas contemplado o espelho, o mesmoespelho em que se vira Dionísio, antes de criar as existênciasindividuais. Mal vêem a própria imagem, um desejo violento seapodera de todas elas, e o que almejam é descer e viverindividualmente. As almas, na sua sede de existência individual,abandonam a morada celestial e partem em busca de novosdestinos.
  • 42. Uma vez que tenham bebido na taça de Liber-Pater,embriagadas, apaixonadas pela matéria, perdem pouco a poucoa recordação da origem. E é tal esquecimento que as impele aunir-se aos corpos. As melhores dentre elas, temendo onascimento, evitam a fatal beberagem cuja sedução asconduziria à terra. Até entre as que não sabem resistir, há umadiferença. As mais nobres bebem comedidamente, prendem-sefortemente ao Gênio tutelar que lhes é destinado paraacompanhá-las na Terra, têm os olhos fitos nele e obedecem-lheà voz. Outras, porém, não são assim. Bebem a largos sorvos, eeste mundo, que não passa de tenebrosa caverna, lhes parecebelo. Acabam, pois, de esquecer-se, fascinadas pelos atrativos,pelas delícias da gruta de Dionísio, símbolo do mundo sensível edas suas voluptuosidades." (Creuzer). "0 que chamamos vida, diz Cícero, é uma verdadeira morte.A nossa alma só começa a viver quando, livre dos entraves docorpo, participa da eternidade e, de fato, as antigas tradições nosensinam que a morte foi concedida pelos deuses imortais, comorecompensa aos que eles amavam." (Cícero). "Os que choramos não nos foram tirados para sempre, enão estão perdidos para nós; estão apenas distantes da nossavista e do nosso contacto por determinado tempo. Assim, quandonós também chegarmos ao termo que a natureza nos prescreveu,voltaremos a privar com eles." (Cícero). Fig. 399 — Cupido queimando num archote a borboleta.
  • 43. LIVRO VI MERCÚRIO E VESTA
  • 44. CAPÍTULO I MERCÚRIO Tipo e atributos de Mercúrio. — Mercúrio, inventor da lira. — Mercúrio, deus dos ladrões. — Mercúrio, deus do comércio. — Mercúrio, deus dos ginásios. — Mercúrio pedagogo. — Mercúrio crióforo. — Mercúrio, guarda das estradas. — Mercúrio, deus da eloqüência. — Mercúrio, mensageiro dos deuses. — Mercúrio, condutor das almas. — Queixas de Mercúrio. Tipo e atributos de Mercúrio A mudança, a transição, a passagem de um estado a outroforam personificados em Mercúrio. (Hermes). Mensageiroceleste, leva aos deuses as preces dos homens e aos homens osbenefícios dos deuses; condutor das sombras, é a transiçãoentre a vida e a morte; deus da eloqüência e dos tratados, fazpassar ao espírito dos
  • 45. outros o pensamento de um orador ou de um legado. É o deusdos ginásios, porque na luta há troca de forças; é o deus docomércio e dos ladrões, porque um objeto vendido ou roubadopassa de uma mão a outra. Nos monumentos de estilo arcaico, eprincipalmente nos vasos. Mercúrio surge como homem naplenitude da idade, com barba espessa e pontiaguda, longoscabelos encaracolados, um chapéu de viagem, asas talares e namão o caduceu que freqüentemente se assemelha a um cetro.Mercúrio barbudo aparece também. algumas vezes, embelíssimas pedras gravadas de época posterior, mas que sãoimitações evidentes de um tipo mais antigo. Fig. 400 — Mercúrio barbudo (segundo uma pedra gravada antiga). Na grande época da arte, esse deus se revestiu de carátermuitíssimo diferente. Mercúrio torna-se, então, um efebo, macioe ágil, sempre imberbe, de cabelos curtos e apresentando o tipoperfeito dos jovens que freqüentam os ginásios. O seu rostonunca tem a majestosidade de Júpiter, nem a altivez de Apolo,mas freqüentemente o cunho de uma grande finura, de acordocem o seu papel na Lenda, em que personifica sempre a astúciae a habilidade.
  • 46. Fig. 401 — Mercúrio (segundo uma estátua antiga).
  • 47. O pétaso alado e o caduceu são os atributos de Mercúrio. Opétaso é um chapéu tessaliano que em Mercúrio só tem departicular as asas; quando o deus está de cabeça descoberta,como na figura 404, as asas estão simplesmente plantadas noscabelos, à guisa de pontas. O caduceu é uma vareta entrelaçadade serpentes e por vezes acompanhada de duas pequeninasasas; tem uma origem mitológica. Mercúrio, vendo duasserpentes que se batiam, separou-as com a sua vareta, emtorno da qual elas se entrelaçam. Às vezes, deparam-se-nosasas nos pés de Mercúrio (fig. 400), mas nunca nas costas. Fig. 402 — Mercúrio associado a Vênus (numa medalha de Septímio Severo). Dá-se ainda a Mercúrio outra série de atributos em relaçãocom as suas diferentes funções. Como divindade pastoral,acompanhado uma ou outra vez de um carneiro ou uma cabra;como inventor da lira, coloca-se-lhe ao lado uma tartaruga. É umgalo que o caracteriza como
  • 48. deus do ginásio, e a bolsa que segura com a mão revela o deusda mudança. Todos esses atributos se encontram reunidosnuma bela pedra gravada antiga (fig. 410). A bolsa aparece,sobretudo, nas figuras da época romana, em que o carátercomerciante do deus acaba por preponderar sobre os demais. Fig. 403 — Hermafrodita (segundo uma estátua antiga). Mercúrio nasceu da união de Júpiter e de Maia, filha doTitã Atlas. Divindade arcádia, é numa gruta do monte Cilene quevê o dia pela primeira vez, e é por isso que alguns lhe dão o nomede deus de Cilene. Poucas divindades aparecem tãofreqüentemente como Mercúrio na mitologia; o seu papel éimportantíssimo, e em numeresos casos é, como os nossoscriados de comédia, o personagem que tudo faz, embora sempredependente. Além das cenas da Lenda, das quais participa diretamente,Mercúrio surge em alguns monumentos ao lado de outrasdivindades, às quais se liga simbolicamente. Uma moeda deMarco Aurélio apresenta-o ao lado de Minerva, em virtude darelação existente entre o deus do
  • 49. Fig. 404 — Mercúrio (segundo uma estátua antiga, museu do Louvre).
  • 50. comércio e a deusa da indústria. As relações com Vênus sãoainda mais diretas, pois da união de ambos é que nasceHermafrodita (Hermes-Aphrodite). Plutarco explica tal uniãodizendo que a eloqüência e o encanto da linguagem devemassociar-se ao atrativo da beleza. Mercúrio, inventor da lira Mercúrio inventou a lira no mesmo dia em que nasceu."Mal saiu do seio materno, não ficou envolto nos sagradoscueiros; pelo contrário, imediatamente ultrapassou o limiar doantro sombrio. Encontrou uma tartaruga e dela se apoderou.Estava ela na entrada da gruta, arrastando-se devagar ecomendo as flores do campo. Ao vê-la o filho de Júpiter alegra-se; pega-a com ambas as mãos, e volta para a sua morada, como interessante amigo. Esvazia a escama com o cinzel debrilhante aço e arranca a vida à tartaruga. Em seguida, cortaalguns caniços, na medida certa, e com eles fura o costado datartaruga de escama de pedra ; em volta estende com habilidadeuma pele de boi, adapta um cabo, no qual, nos dois lados,mergulha cavilhas; em seguida, acrescenta sete cordasharmoniosas de tripa de ovelha. "Terminado o trabalho, ergue o delicioso instrumento,bate-o com cadência empregando o arco, e a sua mão produzretumbante som. Então o deus canta improvisandoharmoniosos versos, e assim como os jovens nos festins seentregam à alegria, ele também conta as entrevistas entreJúpiter e a formosa Maia, sua mãe, celebra o seu nascimentoilustre, canta as companheiras da ninfa, as suas ricas moradas,os tripés e os suntuosos tanques que se encontram na gruta."(Hino homérico). A tartaruga é o atributo de Mercúrio pois é com a escamade uma tartaruga que ele fez o primeiro modelo da lira. Nosmonumentos que o representam, vemos
  • 51. muitas vezes uma tartaruga sob o pé do deus (fig. 405), ou umalira: o jovem deus, com fisionomia cheia de malícia, acaba deajustar dois chifres de carneiro numa carapuça de tartaruga, e,tocando pela primeira vez as cordas estendidas, ouve comsurpresa os sons que lhe encantam os ouvidos arrebatados. Fig. 405 — Mercúrio inventor da lira (segundo unia estátua antiga). Fig. 406 — Mercúrio sentado (segundo um bronze do museu de Nápoles).
  • 52. Mercúrio, deus dos ladrões Desde a mais tenra infância mostrou Mercúrio asqualidades que dele iriam fazer o deus dos ladrões. No mesmodia em que nasceu, roubou o tridente de Netuno, as setas deCupido, a espada de Marte, a cintura de Vênus, etc. Foi parafechar tão belo dia que foi roubar os bois guardados por Apolo, epara que ninguém lhe seguisse as pegadas, resolveu fazê-loscaminhar de costas. Levou-os assim até Pilos, onde imolou doisaos deuses do Olimpo, e ocultou os demais numa caverna. Mercúrio desconfiou que o pastor Bato, o qual guarda emtal lugar os rebanhos do rico Neleu, divulgaria o seu roubo, sefosse interrogado, e sobretudo se disso lhe adviesse algumavantagem ; assim, aproximando-se-lhe, pôs-se a acariciá-lo, edisse-lhe pegando-o pela mão : "Meu amigo, se por acaso alguémvier pedir-te novas deste rebanho, dize que o não viste; comorecompensa, dou-te esta bela novilha. — Podes estar certo,retrucou Bato, recebendo-a; esta pedra que vês será mais capazde trair-te o segredo do que eu." Mercúrio fingiu, então, afastar-se, e voltando um instante depois sob outro aspecto: "Bomhomem, disse-lhe, se viste passar por aqui um rebanho, peço-teque me ajudes a procurá-lo; não favoreças com o teu silêncio oroubo que sofri; dar-te-ei uma vaca e um touro." O ancião, vendoque lhe ofereciam o dobro do que recebera : "Penso, respondeu,que o teu rebanho deve estar nas cercanias desta montanha;sim, deve estar, se me não engano." Mercúrio, rindo-se de taispalavras, disse-lhe: "Ah, tu me trais, não é verdade? Pérfido,enganas-me!" Assim dizendo, metamorfoseou-o na pedra que sechama de toque, a qual serve para reconhecer-se se o ouro é deboa liga ou se é falso. (Ovídio). Quando sobreveio o dia, Mercúrio voltou às alturas deCilene. Ali, curva-se e esgueira-se para dentro da morada,entrando pela fechadura. Caminha com passo furtivo no redutosagrado da gruta, penetra sem ruído como faz habitualmente naTerra, e assim chega até o seu leito, onde se cobre com fraldas,como qualquer
  • 53. criancinha e fica deitado, com uma das mãos brincando com afaixa, e com a outra empunhando a melodiosa lira. Mas o deusnão pudera ocultar a fuga a sua mãe, que lhe dirigiu a palavranestes termos: "Pequenino astuto, menino cheio de audácia, deonde vens durante a treva da noite? Temo que o poderoso filhode Latona te cubra os membros de pesados laços, te arranque aesta morada, ou te surpreenda nos vales, ocupado emtemerários roubos." Mercúrio respondeu-lhe com palavras cheias de astúcia:"Mamãe, por que pretendes assustar-me como se eu fora umacriança débil que mal conhece uma fraude e treme ouvindo avoz de sua mãe? Quero continuar a exercer esta arte que meparece a melhor para a tua glória e a minha". (Hino homérico). Apolo não conseguira informações sobre os bois; masnotando um pássaro que cruza o céu, com as asas abertas,reconhece imediatamente, na sua qualidade de profeta eáugure, que o ladrão é o filho .de Júpiter. Atira-se com rapidezaos picos de Cilene, e penetra na gruta, onde Maia deu à luzMercúrio. O menino, vendo Apolo irritado pelo roubo das reses,amontoa-se numa bola e envolve-se nas fraldas. O filho de Latona, após procurar por toda parte, dirigeestas palavras a Mercúrio : "Menino, que repousas neste berço,dize-me imediatamente onde estão as minhas reses; se o nãofizeres, erguer-se-ão entre nós funestos debates ; agarrar-te-ei eprecipitar-te-ei no sombrio Tártaro, no seio das sombrasfunestas e horríveis. Nem teu pai, nem tua mãe venerávelpoderão devolver-te à luz, e tu viverás eternamente sob a Terra."Mercúrio responde-lhe com astúcia : Filho de Latona, por quefalas de maneira tão impressionante comigo? Por que vensprocurar aqui as tuas reses? Eu nunca as vi, e delas nunca ouvifalar; não me é possível indicar-lhe o ladrão; por conseguinte,não receberia a recompensa prometida a quem fizer com que odescubras. Não tenho a força de homem capaz de roubarrebanhos. Não é esse o meu trabalho, porquanto outroscuidados me reclamam: preciso do suave sono, do leite deminha mãe, destas fraldas que me cobrem, e dos banhosmornos. Trata de evitar, pelo contrário, que se saiba destadivergência: seria um escândalo para todos
  • 54. os imortais saberem que um menino recém-nascido transpôs olimiar de tua morada com reses não domesticadas. O que dizessão palavras de insensato. Nasci ontem, as pedras houveramdilacerado a pele delicada dos meus pés; mas se exigespronunciarei um juramento terrível: jurarei pela cabeça de meupai que não conheço o ladrão das tuas reses." (Hino homérico). Fig. 407 — Mercúrio, deus dos ladrões (segundo uma estátua antiga do museu Pio-Clementino). Entretanto, Apolo não se deu por vencido, e pegando ogaroto ao colo, o levou a Júpiter, a quem pediu os bois que ofilho lhe roubara. Mercúrio começou por negar descaradamente oroubo; mas Júpiter, que tudo sabe, ordenou-lhe que devolvesse oque pegara indevidamente, e o menino conduziu Apolo para agruta em que ocultara os animais. Enquanto Apolo os contava,Mercúrio começou a tocar lira, instrumento que ele acabara deinventar, e Apolo ficou de tal modo encantado que quis comprar-lho. Mercúrio, na sua qualidade de deus do comércio, valeu-seda ocasião para um bom negócio, e pediu em troca os bois.Apolo, imediatamente, tentou tocar lira, mas enquanto lidavapara arrancar os acordes, Mercúrio descobriu o meio de inventaro cálamo. Apolo desejou também o novo instrumento, queMercúrio lhe vendeu em troca
  • 55. do caduceu, vareta mágica, entrelaçada de serpentes e que lheserviu mais tarde para adormecer Argos. O descaramento com oqual Mercúrio soube mentir no mesmo dia em que nascera, e ainteligência com a qual defendeu uma péssima causa, lhegarantiram o patronato dos advogados. Fig. 408 — Busto e atributos de Mercúrio. Um epigrama da Antologia zomba do deus dos ladrões:"Posso tocar numa couve, deus de Cilene? — Não, transeunte. —Que vergonha há nisso? — Não há vergonha, mas existe uma leique proíbe apoderar-se do bem alheio. — Que coisa estranha!Mercúrio estabeleceu uma lei contra o roubo!"
  • 56. Mercúrio, deus do comércio Desde o nascimento possuíra Mercúrio o gênio da permuta,e é por isso que é o deus do comércio. A arte o caracteriza, então,pela bolsa segura pela mão. O emblema é o mesmo que o que seatribui ao deus dos ladrões; mas em vez de aparecer sob asfeições de um menino que acaba de fazer uma peraltice,apresenta a grave fisionomia de homem que refletiu e pesa ovalor dos atos. Fig. 409 — Medalhas arcádias e romanas, com o galo, atributo de Mercúrio. Considerado como deus do comércio e da permuta,Mercúrio segura habitualmente uma bolsa: traz o mesmoatributo quando é deus dos ladrões, mas neste caso estárepresentado com as feições de menino que sorri malicio-samente, por alusão às aventuras que lhe assinalaram a maistenra infância. Uma estátua do museu Pio-Clementino assim orepresenta, segurando uma bolsa com uma
  • 57. das mãos, e aplicando com significativo sorriso um dedo sobre oslábios, como que recomendando silêncio (fig. 407). Temos no Louvre duas estátuas de análogo caráter; numadelas, o menino usa uma camisa curta, na outra um pequeninomanto guarnecido de capuz. Fig. 410 — Mercúrio (segundo uma pedra gravada antiga). Mercúrio, deus dos ginásios Mercúrio preside aos exercícios. Mas sob tal aspecto, a artelhe modifica o caráter; não traz mais o capacete e as asas, e seapresenta inteiramente nu sob o aspecto de vigoroso efebo, queocupa o lugar médio entre o caráter delgado de um Apolo e ocaráter robusto de um Hércules. Numa soberba estátua domuseu Pio-Clementino, que fora erradamente denominadaAntinoo, Mercúrio está apoiado
  • 58. â um tronco de palmeira, e traz a clâmide enrolada em volta dobraço esquerdo (fig. 411). Os atributos de Mercúrio como deus dos ginásios são apalmeira e o galo. O galo é, por excelência, a ave de luta, e oscombates de galos eram um grande divertimento para os gregos.Não é de surpreender, portanto, que tenha sido escolhido parasimbolizar a luta e os exercícios que a ela se ligam. Fig. 411 — Mercúrio, deus dos ginásios (segundo uma estátua antiga do museu Pio-Clementino). As imagens de Mercúrio figuravam sempre nos ginásios."Aqui se colocou, para proteger este belo ginásio, o deus quereina no monte Cilene e nas suas elevadas florestas, Mercúrio, aquem os jovens gostam de oferecer amarantos, jacintos e violetasperfumadas." (Antologia). Essas imagens do deus eram às vezes uma simples cabeçapousada numa mísula. O deus ri-se, ele também, de tal uso,num epigrama da Antologia: "Chamam-me Hermes, o veloz. Ah,não me coloqueis nos ginásios, privado de pés e de mãos ! Sobreuma base, sem mãos e sem pés, como poderei ser veloz nacorrida ou hábil na luta?"
  • 59. Mercúrio pedagogo As letras servem para a transmissão das idéias. Comodeus da permuta e da tradição, Mercúrio é, pois, inventor dasletras: ensinando aos homens a transformação das suas idéiasem caracteres que as exprimem, esse deus tornou-senaturalmente protetor dos ginásios. Invocam-no os mestresque ensinam aos meninos os elementos da ciência; invocam-no também os escrivães públicos e todos os que se dedicam aescrever. Os instrumentos de que nos servimos para a escrita,para a geometria, fazem parte das suas atribuições, e os queganham a vida, deles se valendo, os dedicam ao deus quandosão demasiado velhos. É o que se vê num pequenino trecho daAntologia grega, onde um velho mestre de escola se coloca soba proteção do deus a quem serviu. "Um disco de chumbonegro para traçar linhas, uma régua que assegura aconstância de direção, vasos de liquido negro para escrever,penas bem aparadas, a dura pedra que aguça o caniço e lhedevolve a finura, o ferro que o modela com a sua ponta e a sualâmina, todos esses instrumentos do seu ofício, Menedemotosconsagra, ó Mercúrio, pois que a idade lhe toldou os olhos. Etu, deus prestativo, não deixes morrer de fome o teu obreiro." Fig. 412 — Mercúrio-menino no seu carro (segundo um baixo-relevo antigo),
  • 60. Mercúrio crióforo A Arcádia, um dos principais centros da velha raçapelásgica, sonharia em Mercúrio, ou antes em Hermes, umapersonificação da potência protetora da natureza eespecialmente da terra. Era figurado na origem por um pedaçode madeira encimado por uma cabeça, e ali se fixava umsímbolo grosseiro, que entre os povos pastores exprimesimplesmente a força geratriz. Esse caráter pastoral desaparece,de resto, rapidamente, para passar ao deus Pã, que em váriastradições é filho de Mercúrio. Mas o carneiro, que lhe éconsagrado, e que vemos às vezes entre os seus atributos,relembra o seu antigo caráter de divindade campestre, e é sobtal aspecto que se chama Mercúrio crióforo, ou porta-carneiro. Fig. 413 — O carneiro de Mercúrio. Um monumento antigo nos mostra o carneiro de Mercúriotrazendo a bolsa do deus (fig. 413), que numa antiga moedaparece estar montado num carneiro: uma espiga, na sua frente,indica o seu caráter pastoral (fig. 414).
  • 61. Mercúrio, guarda das estradas Mercúrio, como deus do comércio, é naturalmente protetordas estradas e da navegação. Nos tempos primitivos, montes depedras colocados nas encruzilhadas dos caminhos serviam dealtares destinados ao deus: mais tarde, foram feitos de outramaneira, mas sempre com o mesmo Destino. Uma linda pedragravada nos apresenta Mercúrio tocando uma coluna miliar como seu caduceu. A coluna está ornada de um ramo, e um bordãorecurvo, do tipo dos usados pelos viajantes, se acha no altar quea suporta. Há de notar-se que o deus, não sendo aquiconsiderado como mensageiro, está desprovido de asas. O mantoaberto ao lado, chamado paenula, e o gorro, indicam o costumehabitual dos viajantes de quem Mercúrio é o deus tutelar (fig.415). Fig. 414 — Mercúrio no carneiro (segundo uma medalha antiga). Mercúrio, deus da eloqüência Os monumentos da arte dão a Mercúrio, quando éconsiderado como deus da eloqüência, uma atitude particular:ele levanta levemente o braço direito como se
  • 62. pretendesse demonstrar alguma coisa. Pode ver-se essa atitudetio Germânico do Louvre, que não é um Germânico, senão umorador romano com os atributos de Mercúrio, como indica atartaruga posta ao seu lado. Mas os monumentos em que opróprio deus está representado com o gesto característico doorador são assaz raros, embora os autores falem constantementedeles. Entretanto, vemo-lo sob tal aspecto numa linda pedragravada, em que o deus se acha caracterizado pelo caduceualado que ele empunha com a outra mão. Fig. 415 — Mercúrio, deus dos viajantes (segundo uma pedra gravada antiga). A arte de comunicar as idéias pela linguagem participavanaturalmente dos atributos de Mercúrio, porque ele é o deus dapermuta sob todas as formas. Era ele também que todosinvocavam para adquirir os dons da memória e da palavra, comose pode ver num hino órfico a Mercúrio que contém as litaniasdo deus: "Filho bem amado de Maia e de Júpiter, deus viajante,mensageiro dos imortais, dotado de grande coração, censorsevero dos homens, deus prudente de mi] formas, assassino de
  • 63. Fig. 416 — Mercúrio, cognominado Germânico (estátua antiga no museu do Louvre). Fig. 417 — Mercúrio, deus da eloqüência (segundo uma pedra gravada antiga).
  • 64. Argos, deus de pés alados, amigo dos homens, protetor daeloqüência, tu que gostas da astúcia e dos combates, intérpretede todas as línguas, amigo da paz, que trazes um caduceusangrento, deus venturoso, deus utilíssimo, que presides aostrabalhos e às necessidades dos homens, generoso auxiliar paraa língua dos mortais, ouve as minhas preces, concede um felizfim à minha existência, concede-me felizes obras, um espíritodotado de memória e de palavras escolhidas." (Hino órfico). Mercúrio, mensageiro dos deuses Mercúrio transmite aos deuses as preces dos homens e fazsubir a eles a fumaça dos sacrifícios. Mas é sobretudo omensageiro dos deuses e o fiel intérprete das ordens que estáincumbido de levar. É ele que por ordem de Júpiter conduz astrês deusas à presença do pastor Paris encarregado de lhesadjudicar o prêmio da beleza. Possui asas no pétaso e tem asastalares para indicar a rapidez do seu vôo. Devotado maisespecialmente a Júpiter, torna-se, se preciso, ministrocomplacente dos seus prazeres. O caduceu usado por Mercúrioparece ter significados diversos: primitivamente era apenas avareta usada pelos arautos que iam e vinham por diversos paísesem prol das relações internacionais. Em outras circunstâncias avareta reveste-se de uma espécie de caráter mágico: é com elaque Mercúrio adormece Argos e é dela que se serve para evocaras sombras. Em torno dos emblemas que caracterizam Mercúrio,Gabriel de Saint-Aubin colocou mariposas para indicar a leveza ea rapidez do vôo. "0 apelido de mensageiro, de servidor, dizCreuzer, tão freqüentemente dado a Hermes, está quase sempreacompanhado do de assassino de Argos, em que se revelam tãobem nas lendas pelásgicas as suas relações com a lua e o céuestrelado. A vaca Io, efetivamente, e o vigilante
  • 65. Fig. 418 — Mercúrio, estátua de bronze (por Gian di Bologna. em Florença).
  • 66. Argos, que traz os seus inúmeros olhos fitos nela, não parecemser outra coisa. Quanto a Hermes, enviado pelo senhor dosdeuses a libertar a sua amante de tão incômoda vigilância, nadamais faz, ao matar Argos, do que cumprir a missão que lhe éconfiada, de presidir à alternativa do dia e da noite, da vida e damorte." (Creuzer). 0 famoso Mercúrio de Gian di Bologna, em Florença,mostra o deus sob o seu aspecto de mensageiro, correndo comextrema leveza e empunhando o caduceu (fig. 418). Fig. 419 — Mercúrio, mensageiro dos deuses (segundo uma pedra gravada antiga). Mercúrio, condutor de almas Além do seu papel de mensageiro dos deuses, Mercúrioestá especialmente incumbido de transportar as almas dosmortos ao reino de Plutão. Vários monumentos no-loapresentam sob tal aspecto, que, aliás, se conforma àsnarrações dos poetas. Assim é que, numa
  • 67. pintura antiga, vemos Plutão e Prosérpina sentados num tronoe recebendo uma jovem que Mercúrio lhes conduz. Estáprotegido por uma ampla clâmide envolta sobre o braço e trazo pétaso alado. Com uma das mãos, empunha o caduceu ecom a outra conduz a jovem, seguida por sua vez de outramulher velada (fig. 421). Fig. 420 — Mercúrio, condutor das almas (segundo uma pedra gravada antiga). Vemos também, por vezes, Mercúrio caminhandorapidamente e segurando com a mão uma almazinhacaracterizada pelas asas de borboleta: é por isso que Horácio,invocando Mercúrio, lhe dirige estas palavras: "És tu que,amado igualmente pelos deuses do Olimpo e pelos deuses doInferno, reúnes com a tua varinha de ouro as sombras leves econduzes as almas piedosas à venturosa morada que lhes estáreservada." Uma interessante pedra gravada antiga nos apresentaMercúrio evocando uma sombra a quem ajuda a sair da Terra(fig. 422). Dessa feita não é uma alma que ele conduz aosinfernos, pois, muito pelo contrário, a tira
  • 68. Fig. 421 — Mercúrio conduzindo uma alma ao reino de Plutão.Fig. 422 — Mercúrio evocando urna sombra (segundo uma pedra gravada antiga).
  • 69. do reino subterrâneo. Embora fatos semelhantes nãoconstituíssem nada de surpreendente na mitologia, é difícildeterminar a que lenda essa pedra gravada faz referencia. Queixas de Mercúrio Dentre todos os deuses da antiguidade, não há nenhum quetenha exercido tantas ocupações como Mercúrio. Intérprete eministro fiel dos demais deuses, e em particular de Júpiter, seupai, serve-os nos seus problemas ou nos seus prazeres cominfatigável zelo. Fig. 423 — Atributos de Mercúrio. A multiplicidade das funções de Mercúrio éverdadeiramente extraordinária, e o mais ativo dos deuseschega às vezes a lamentar-se. "Há, por acaso, um deus
  • 70. mais Infeliz do que eu? Ter, sozinho, que fazer tanta coisa.sempre curvado ao peso de tantos trabalhos! Desde o romper dodia, devo levantar-me para varrer a sala do banquete; depois,quando já estendi tapetes para a assembléia e pus tudo emordem, preciso ir ao pé de Júpiter, a fim de levar ordens à Terra,como verdadeiro correio. Mal regresso, ainda coberto de pó, devoservir-lhe a ambrósia, e antes da chegada do escanção, era euquem lhe dava o néctar. O mais desagradável, porém, é que,único dentre os deuses, não fecho olho durante a noite, poistenho de conduzir as almas a Plutão, levar-lhe os mortos esentar-me ao tribunal. Os trabalhos do dia não têm fim; além deassistir aos jogos, de fazer o papel de arauto nas assembléias, dedar aulas aos oradores, encarrego-me, simultaneamente, de tudoquanto diz respeito às pompas fúnebres." (Luciano).
  • 71. CAPÍTULO II PÃ, DEUS DA ARCÁDIA Nascimento de Pã. — Cupido, vencedor de Pã. — Pã e Syrinx. — Pítis metamorfoseada em pinheiro. — Pã e a ninfa Eco. — Pã, filho de Mercúrio. — Pã, divindade pastoril. — Pã, deus universal. Nascimento de Pã Pã, antiquíssima divindade pelásgica especial à Arcádia, é oguarda dos rebanhos que ele tem por missão fazer multiplicar.Deus dos bosques e dos pastos, protetor dos pastores, veio aomundo com chifres e pernas de bode. Pã é filho de Mercúrio. Eraassaz natural que o mensageiro dos deuses, sempre consideradointermediário, estabelecesse a transição entre os deuses deforma humana e os de forma animal. Parece, contudo, que onascimento de Pã provocou certa emoção em sua mãe,assustadíssima
  • 72. com tão esquisita conformação: e as más línguas pretendem atéque, quando Mercúrio apresentou o filho aos demais deuses,todo o Olimpo desatou a rir. Mas como é provável que haja nissoum pouco de exagero, convém restabelecer os fatos na suaverdade, e eis o que diz o hino homérico sobre a estranhaaventura. "Mercúrio chegou à Arcádia fecunda em rebanhos ; alise estende o campo sagrado de Cilene; nesses páramos, ele, deuspoderoso, guardou as alvas ovelhas de um simples mortal, poisconcebera o mais vivo desejo de se unir a uma bela ninfa, filhade Dríops. Realizou-se enfim o doce himeneu. A jovem ninfa deuà luz o filho de Mercúrio, menino esquisito, de pés de bode, etesta armada de dois chifres. Ao vê-lo, a nutriz abandona-o efoge. Espantam-na aquele olhar terrível e aquela barba tãoespessa. Mas o benévolo Mercúrio, recebendo-o imediatamente,pô-lo ao colo, rejubilante. Chega assim à morada dos imortaisocultando cuidadosamente o filho na pele aveludada de umalebre. Depois, colocando-se em frente de Júpiter e dos demaisdeuses, apresenta-lhes o menino. Todos os imortais se alegram,sobretudo Baco, e dão-lhe o nome de Pã, visto que para todosconstituiu objeto de diversão." Figs. 424, 425 — Cabeças de Pã (segundo antigas moedas). Na estátua de Pã, que se acha no Louvre, possui a cabeçaum caráter de animalidade muito bem expresso pelaconformação estreita da testa, pela disposição dos olhos e pelacurvatura do nariz, que relembra a cabeça do bode (fig. 430). Àsvezes, tem pernas de homem, e em várias moedas o vemos sob aforma de rapaz. Está,
  • 73. aliás, perfeitamente caracterizado pelo cajado pastoril (fig. 427).Mas nas tradições mitológicas, é sempre velho e contrasta,mediante a estrema fealdade, com as outras divindades. Fig. 426 — Pã (segundo uma moeda de Messena). (Sicília). Fig. 427 — Pã (segundo uma antiga moeda arcádia). Cupido, vencedor de Pã As ninfas zombavam incessantemente do pobre Pã emvirtude do seu rosto repulsivo, e o infeliz deus, ao que se diz,tomou a resolução de nunca amar. Mas Cupido é cruel e afirmauma tradição que Pã, desejando um dia lutar corpo a corpo comele, foi vencido e abatido, diante das ninfas que se riam. O dueloestá
  • 74. figurado em pinturas antigas e Carraci, na gravura que fezsobre o tema, escreveu em baixo como divisa: Omnia vincit amor(Pã, em grego, significa omnia em latim. ou tudo, em português).Deparam-se-nos ali duas ninfas contemplando com um sorrisomalicioso o singular combate, em que o menino alado agarra obraço nervoso do velho Pã que não pode mais resistir (fig. 428). Fig. 428 — Cupido. vencedor de Pã. Pã e Syrinx Um dia percorria Pã o monte Liceu, segundo o seu hábito,e encontrou a ninfa Syrinx que jamais quisera receber ashomenagens de nenhuma das divindades e que
  • 75. só tinha uma paixão : a caça. Aproximou-se dela, e como noscostumes campestres se vai imediatamente ao objetivo, semnenhum artifício, sem nenhum desvio, disse-lhe: "Cedei, formosaninfa, aos desejos de um deus que pretende tornar-se vossoesposo. (Ovídio). Fig. 429 — Pã (segundo uma estátua antiga). Queria falar mais; mas Syrinx, pouco sensível àquelaspalavras, deitou a correr, e já chegara perto do rio Ladon, seupai, quando, vendo-se detida, rogou às ninfas, suas irmãs, que aacudissem. Pã, que lhe saíra no encalço, quis abraçá-la, mas emvez de uma ninfa, só abraçou caniços. Suspirou e os caniçosagitados emitiram um som doce e queixoso. O deus, comovidocom o que acabava de ouvir, pegou alguns caniços de tamanhodesigual e, unindo-os
  • 76. Fig. 430 — após (estátua antiga. museu do Louvre),
  • 77. com cera, formou a espécie de instrumentos que se chamasyrinx e que constitui a flauta de sete tubos, transformada ematributo de Pã. Numa composição cheia de vida e movimento, Rúbensrepresentou o deus Pã perseguindo Syrinx. Antoine Coypel, porsua vez, nos apresenta o deus segurando instrumentos queacaba de fabricar, enquanto o maligno Cupido lhe anuncia queos sons amorosos que ele dali tirar atrairá, apesar de toda a suafealdade, as belezas que o desdenham. Pítis metamorfoseada em pinheiro Com efeito, em breve, os melodiosos acordes fazem acorrerde toda parte as ninfas que vêm dançar em volta do deuschifrudo. A ninfa Pítis parece tão enternecida que Pã renascecom a esperança e crê que o seu talento faz com que sejaesquecido o rosto. Sempre tocando a flauta de sete tubos,começa a procurar lugares solitários e percebe, finalmente, umrochedo escarpado no alto do qual resolve sentar-se. Pítis segue-o. Para melhor ouvi-lo. aproxima-se cada vez mais, tanto que Pã,vendo-a bem perto, julga o momento oportuno para lhe falar.Não sabia o infeliz que Pítis era amada por Bóreas, o terrívelvento do norte, que naquele instante soprava com grandeviolência. Vendo a amante perto de um deus estranho, Bóreas foiacometido de um acesso de ciúme furioso, e, não se contendo,soprou com tal impetuosidade que a ninfa caiu no precipício, edespedaçou contra as pedras o formoso corpo, imediatamentetransformado pelos deuses em pinheiro. Foi depois disso queessa árvore, que traz o nome da ninfa (Pítis significa, em grego,pinheiro) foi consagrada a Pã, e é por esse mesmo motivo quenas representações figuradas, a cabeça de Pã está muitas vezescoroada de ramos de pinheiro.
  • 78. Pã e a ninfa Eco O destino de Pã era amar sempre sem que nunca lograsseunir-se à criatura amada. Continuando a fazer música namontanha, ouviu, saída do fundo do vale, uma terna voz queparecia repetir-lhe os acordes. Era a voz da ninfa Eco, filha do Are da Terra. Desceu, então, para procurar a que lhe haviarespondido, sem nunca poder atingi-la, embora ela lherespondesse constantemente; a cruel ninfa parecia rir-se dele.Mas, francamente, ninguém a pode censurar por isso. Quando seama o belo Narciso, como é possível encarar o velho Pã? Pã ésempre velho, apesar de ter tido por pai Mercúrio, que é eter-namente jovem. Pã, filho de Mercúrio Um dia o pai e o filho encontraram-se: Pã. — Bom dia, Mercúrio, meu pai ! Mercúrio. — Bom dia. Como dizes que sou teu pai? Pã — Não és Mercúrio, o deus de Cilene? Mercúrio. — Sim. Mas como és meu filho?... Ah, por Júpiter!Lembro-me agora da aventura! Quer dizer que eu, que tanto meorgulho desta minha beleza, e que não tenho barba, devo serchamado teu pai ! Todos se rirão de mim, por ser meu filho umsujeito tão bonito assim! Pã. — Mas eu não vos desonro, meu pai. Sou músico e tocomuito bem flauta. Baco não dá um passo sem mim. Escolheu-mepor amigo e companheiro das danças, e sou eu quem lhe conduzos coros.
  • 79. Mercúrio. — Pois bem, Pã (creio que é esse o teu nome),sabes como podes ser-me agradável? E queres, além disso,conceder-me um favor? Pã. — Ordenai, meu pai, e nós veremos. Mercúrio. — Vem cá, dá-me um abraço. Mas cuida de menão chamares de pai na presença de estranhos. (Luciano) . Pã, divindade pastoril Como símbolo da obscuridade, Pã causa nos homens osterrores pânicos, isto é, sem motivo. Na batalha de Maratona,inspirou aos persas um desses terrores súbitos, o que contribuiubastante para assegurar a vitória aos gregos. Foi por causa desseauxílio que os atenienses lhe consagraram uma gruta naAcrópole. Todavia, a princípio, Pã nada mais era do que a divindadepastoril dos arcádios que o invocavam para que lhesmultiplicasse os rebanhos. "Glauco e Coridon, que conduzemjuntos os seus rebanhos de bois pelas montanhas, ambosarcádios, imolaram a Pã, guarda do monte Cilene, a novilha delindas pontas; e as pontas, de doze palmas, prenderam-nas emsua honra, mediante um longo cravo, ao tronco deste plátanocopado, bela oferta ao deus dos pastôres." (Antologia). As imagens primitivas de Pã eram providas de um símbolocuja crueza significativa nada possuía naquele tempo delicencioso. O seu culto, que posteriormente se sumiu diante dodas divindades do Olimpo, é extremamente antigo na Arcádia emuito certamente anterior a qualquer civilização. "Quando aeducação do gado não prosperava, diz Creuzer, os pastoresarcádios golpeavam os ídolos do deus Pã, costume que prova asua profunda barbaridade em matéria de religião,"
  • 80. Pã, deus universal Sob a influência da poesia órfica, o deus Pã tornou-se osímbolo panteísta fundado na interpretação do seu nome: aflauta de sete tubos representa, então, as sete notas daharmonia universal, e a fusão das formas animais com asformas humanas corresponde ao caráter múltiplo cia vida nouniverso. É sob tal aspecto que Pã nos surge numa lindacomposição de Gillot. Essa imagem corresponde à idéia que daantiguidade tinha o século dezoito. Toda a natureza está emfesta diante do deus que simboliza a universalidade dos seres;mas tal festa, tão repleta de vida e de movimento, nos lembra asquermesses flamengas muito mais que os baixos-relevosantigos. Sob o reinado de Tibério, estando um navio ancorado,ouviu-se uma voz misteriosa que gritava: "O grande deus Pãmorreu!" Desde então, nunca mais se ouviu falar dele. Fig. 431 — Sacrifício a Pã (segundo uma pedra gravada antiga).
  • 81. CAPITULO III VESTA Tipo e atributos de Vesta. — O altar doméstico. — A chegada da noiva. — As vestais romanas. — Os lares domésticos. — Os gênios. Tipo e atributos de Vesta Vesta é a personificação do lar, onde se mantém o fogosagrado que preside aos destinos da família ou da cidade. Nãopossui lenda: era a primeira filha nascida de Saturno e de Réa,e foi como as outras engolida por seu pai. Mais tarde, quandotornou a ver a luz, recusou-se a desposar qualquer um dosdeuses. "Os trabalhos de Vênus não são agradáveis a Vesta,virgem venerável, a primeira gerada pelo astuto Saturno, e aúltima, segundo a vontade do poderoso Júpiter. Apolo eMercúrio desejavam desposar a augusta deusa, mas ela nãoconcordou, recusou-se constantemente a ceder e, tocando acabeça do
  • 82. poderoso deus com a égide, proferiu o grande juramento quesempre manteve de ficar virgem para sempre. Em vez dohimeneu, seu pai a premiou com uma belíssima prerrogativa :com efeito, no lar, ela recebe todas as primícias das ofertas, éhonrada em todos os templos dos deuses e é para os mortais amais augusta das deusas." (Extrato do hino homérico a Vênus). Fig 432 — Vesta (segundo uma estatueta antiga). Em toda a antiguidade foi o lar considerado símbolo da vidadoméstica, cuja felicidade repousa na castidade da esposa. Vestaera a guarda da família e ligava-se aos deuses penates, isto é,aos antepassados protetores dos membros vivos da família: o seulugar era, pois, no meio da casa. Por conseqüência, tinha umaltar na cidade como guarda da comunidade, e quando oscolonos partiam para fundar nova cidade, cuidavam de levar ofogo do lar comum que ardia na cidade para acender o que iriamestabelecer na nova pátria. Ovídio, nos seus Fastos.
  • 83. assim fala de Vesta: "Devemos ver em Vesta apenas a chamaativa e pura ; e não há corpo que nasça do fogo. Portanto, ela évirgem com todos os direitos e gosta de ter companheiras na suavirgindade. O teto recurvo do templo de Vesta não ocultavanenhuma imagem. É um fogo inextinguível que se esconde nessesantuário. Nem Vesta, nem o fogo têm imagens. A terra sesustenta pela sua própria força; Vesta tira, portanto, o seu nomedo fato de se suster pela sua própria força, mas o lar é assimchamado em virtude das chamas e do fato de aquecer e avivartodas as coisas. Figurava, antigamente, entre as primeiras peçasdo aposento; é daí também, creio eu, que se derivou a palavravestíbulo, e é por isso que nas preces dizemos ainda a Vesta: tuque ocupas os primeiros lugares. Era costume outrora sentar-seem longos bancos, diante do lar, e supor que os deuses assistiamao festim." Engana-se evidentemente Ovídio quando diz que Vesta nãotem imagens. O que sucede, na verdade, é que são extremamenteraras. Plínio cita uma estátua de Vesta, esculpida por Scopas,que gozava de grande fama. A que reproduzimos é uma dasraríssimas imagens da deusa chegadas até nós. Está vestida datúnica talar, apertada por um cinto, e por cima usa amplamanta. Um longo véu lhe cai sobre os ombros; empunha umalâmpada, símbolo do fogo eterno. Vemos, por vezes, lâmpadasconsagradas a Vesta, que se caracterizam por uma cabeça deburro. Esse animal aparecia igualmente em certas festas emhonra da deusa, onde se pretendia relembrar o serviço que foraprestado a Vesta pelo burro de Sileno. Um dia, Príapo, divindadecampestre de caráter jovial e pouquíssima disposta à veneração,notou a deusa que adormecera sobre a relva e, julgando não servisto, aproximou-se sorrateiramente dela para a abraçar. Mas oburro de Sileno, que pastava pela vizinhança, indignou-se ao verque se pretendia fazer tamanha afronta à augusta deusa, e pôs-se a zurrar tão fortemente que todo o Olimpo despertou.
  • 84. O altar doméstico Toda casa antiga continha um altar no qual devia haversempre um pouco de cinza e carvões ardentes. Esse altar, era olar, que Vesta personifica. O fogo sagrado devia ficar puro dequalquer imundície. A ele não era permitido atirar objetos sujos,e a sua luz não podia iluminar ações inconvenientes ouculposas. O fogo jamais se extinguia, e devia arder enquantoexistisse a família. Se, por desgraça morria, só era possíveltornar a acendê-lo mediante certos ritos que recordam odescobrimento do fogo. Era preciso, para acender o fogosagrado, concentrar num ponto os raios do sol, e esfregarrapidamente dois pedacinhos de madeira de determinadaespécie, para deles fazer saltar uma fagulha. A não ser assim, ofogo era considerado impuro. Ninguém saía de casa sem dirigiruma prece ao lar, pois este era o deus da família. O repasto da família era para os antigos um ato religioso,pois os alimentos se coziam no lar. Antes de comer, atiravam-seàs chamas as primícias do alimento, e sobre elas se espalhava alibação do vinho: era a parte da deusa, e quando as chamas seerguiam ninguém duvidava da existência de uma comunhãoíntima entre a família e a sua divindade protetora. Em torno dolar vigiam os antepassados, pois o culto dos manes se ligavaIntimamente ao de Vesta, que, sendo o lar, constitui natu-ralmente o centro da família. Se tem o seu templo na cidade épor ser o centro das famílias que a esta compõem. Se é honradapor toda parte como grande deusa é por ser o centro do mundo.
  • 85. A chegada da noiva Embora a deusa esteja por toda parte, é na família que elatem o seu princípio. Assim, não é no templo que se contraem asnúpcias, é diante do lar. A cerimônia do casamento compreendetrês atos que se prendem, todos, ao lar. Em primeiro lugar, opretendente se apresenta ao pai da .jovem, o qual reúne a famíliaem torno do seu lar, oferece um sacrifício, e quando a chamaarde declara mediante uma fórmula consagrada que autoriza afilha a renunciar aos seus antepassados, e a deixar o seu larpara ir partilhar do do marido. Depois, a jovem, vestida debranco, inteiramente coberta por um grande véu, cabeça coroadade flores, é conduzida pelo esposo à nova morada. Precede-a umportador de archote: é o archote do himeneu. Chegada à frenteda casa, cantam todos um hino religioso e, na frente do limiar,se realiza uma cerimônia característica, o rapto. A jovem nãoentra por si na casa; pelo contrário, coloca-se no meio dasmulheres da família a que deixa de pertencer, como que lhespedindo proteção. Estas fingem, realmente, defendê-la, mas oesposo, após uma luta simulada, pega a noiva, ergue-a nosbraços, fá-la ultrapassar a soleira da porta, cuidando bastantede que os seus pés não toquem o chão. Se ela entrar tocando olimiar com os pés, estará no interior como forasteira a quem serecebe, ao passo que ali deve estar como a criança que nasceuna casa, e que não veio de fora. Então a noiva se aproxima dofogo sagrado, olha os retratos dos antepassados que rodeiam asala, e que já agora são os seus: na chama do lar pedem-lhe quecoza um pão recitando preces, e quando o pão está pronto, osdois esposos o comem. A partir de tal momento, a esposa mudouinteiramente de família. É aos antepassados do marido que faráofertas, por se terem tornado os seus. O casamento é para elaum segundo nascimento, e o lar que arde na sua morada é, porfim, a sua divindade protetora.
  • 86. As vestais romanas O colégio das vestais em Roma foi particularmente famosona antiguidade. As vestais tinham por missão guardar o fogosagrado, que não podiam deixar se extinguir. Para ser admitida ajovem devia ter pelo menos seis anos e no máximo dez, ser filhade pais livres e estimados, e não apresentar defeito físico. Assuas funções duravam trinta anos: os dez primeiros eram consa-grados ao noviciado, os dez seguintes à prática dos ritossagrados, os dez últimos ao ensino das noviças. As vestaisfaziam voto de virgindade enquanto lhes durassem as funções Asque os violassem eram enterradas vivas, e o homem quehouvesse ultrajado uma vestal condenado a ser flagelado atémorrer. Durante mil e cem anos que durou a instituição, vinteforam as vestais acusadas de impureza, e treze foramcondenadas. Fig. 433 — Vestal (segundo urna estátua antiga).
  • 87. A cerimônia do sepultamento de uma vestal culpadarealizava-se em lugar especial, situado dentro dos muros deRoma, e obedecia aos ritos prescritos. Preparava-se umasepultura à qual se podia penetrar por uma abertura praticadana superfície do solo, e ali se armava um leito. Perto do leito,punha-se uma lâmpada acesa, pão, água, um pote de leite e umapequenina provisão de azeite. A vestal culpada atravessava acidade numa liteira hermeticamente fechada, e a multidãorecebia ordem de, à sua passagem, manter o mais rigorososilêncio. Quando o cortejo chegava ao lugar do suplício, oslictores desprendiam as correias da liteira, enquanto o grandepontífice recitava as preces consagradas. Então, a vestal, cobertade um grande véu, descia ao seu túmulo que era imediatamentefechado. Às vezes, como no que se chamava juízo de Deus, na IdadeMédia, a deusa provava mediante um milagre a inocência dasacerdotisa acusada. Foi assim que a vestal Cláudia Quintaprovou a sua virtude conduzindo, com apenas o auxílio do seucinto, no porto do Tibre, o navio que trazia a estátua da deusaCibele, que Átala dera de presente aos romanos, e que nenhumesforço conseguira até então mover. As vestais que haviam terminado o seu tempo de serviçoreligioso podiam casar-se. Enquanto sacerdotisas, habitavam otemplo e eram alimentadas a expensas do tesouro público.Várias estátuas antigas nos transmitiam o costume das vestais.Essas sacerdotisas gozavam de grande consideração : a suapalavra era acreditada, e elas não prestavam juramento.Caminhavam precedidas de um lictor com os feixes, e se,durante o percurso, uma delas encontrasse um criminosoconduzido ao suplício, salvava-lhe a vida, contanto queafirmasse ser aquele um encontro fortuito e não premeditado.Enfim, por toda parte em que as vestais se apresentassem,tinham assegurado lugar de honra. Durante a decadência, asvestais, que primitivamente traziam uma longa túnica branca,uma faixa e um véu, abandonaram em grande parte asimplicidade do começo. O colégio das vestais foi abolidodefinitivamente pelo imperador cristão Teodósio, no ano de 389da nossa era.
  • 88. Uma medalha de Lucília, mulher de Lúcio Vero, nosapresenta seis vestais sacrificando num altar aceso, diante deum pequeno templo redondo com a estátua de Vesta (fig. 434). Fig. 434 — Vestais sacrificando (segundo uma medalha antiga). Os lares domésticos Os lares ou manes são deuses da família cujo culto se ligaestreitamente ao da deusa do lar. Presidiam à guarda das casase das famílias de que eram, de certo modo, gênios tutelares. Asfigurinhas que os representam eram em geral postas num nichocontíguo ao lar; o cão lhes é especialmente consagrado. O larfamiliar nos surge, freqüentemente, sob a forma de menino aga-chado que tem um cão aos pés. Traz, por vezes, o cão aosombros e um cesto de provisões lhe está na frente. pois devecuidar de que à família nada falte (fig. 435).
  • 89. Era crença universalmente difundida poder a alma dosmortos voltar à teria a fim de proteger os parentes ou amigos.Mas para tanto, mister se fazia que os mortos tivessem sidoinumados segundo os ritos, e daí advém a importância que seatribuía às cerimônias fúnebres e o temor que todos tinham devê-las faltar por ocasião do sepultamento. Fig. 435 — Lar privado (segundo uma estátua antiga). Os gênios A arte raramente representou os lares privados, masreproduziu sob toda espécie de aspectos os demônios ou gênios,seres intermediários entre o homem e a divindade, e cujo papelnunca foi bem definido. Vemo-los freqüentemente nossarcófagos, onde personificam sem
  • 90. dúvida os gostos do defunto. Lutam no estádio, correm emcarros no hipódromo, caçam javalis ou cervos, participam docortejo das divindades marinhas, colhem uvas, e exercemoutros mil misteres. Há gênios lavradores, gênios cordoeiros,gênios lutadores, gênios caça-dores, etc. Com freqüênciabrincam uns com os outros, e pregam-se mutuamente peçascheias de espírito. Os artistas gregos colocavam-nos por todaparte e a profusão com a qual os semeavam nos monumentosprovém de uma razão decorativa e de uma razão mitológica. A arte dos últimos séculos deu às vezes aos anjos a formade gênios; mas como as ocupações dos anjos não sãodemasiadamente variadas, foi preciso voltar a concepçõespagãs. Foi o que fez Rafael em várias circunstâncias, enotadamente no seu encantador Ronda de Génios. Os meninosalados dançam alegremente no prado, ao som da músicatocada por dois cupidos, reconhecíveis pela aljava que lhes estáperto. Fig. 436 — Gênios das corridas de carros (segundo um baixo-relevo antigo). Os gênios eram geralmente benéficos. Muito emboradotados de poder assaz limitado, todos se preocupavam emsatisfazê-los. Gostavam da alegria e das pessoas alegres. O quese entregasse à tristeza afligia o seu gênio, pois que todohomem tem o seu. É ele que leva a alma ao corpo que ela devehabitar, e a escolta sorridente quando deixa a terra para ir aopaís das sombras. A melancolia sempre foi desconhecida daantiguidade. Quando um gênio parte para a grande viagem, os
  • 91. companheiros abandonam um instante o folguedo para assistiraos seus funerais, como no-lo mostra le Poussin, numa dassuas graciosas composições (fig. 437). Fig. 437 — Funeral de um gênio.
  • 92. LIVRO VII BACO E O SEU CORTEJO
  • 93. CAPITULO I TIPO E ATRIBUTOS DE BACO Baco oriental. — Baco tebano. — A vinha, a hera e o tirso. — O cisto e a serpente báquica. — Os animais báquicos. — Baco inspirados. — Baco, inventor do teatro. — A taça mística. — As festas de Baco. Baco oriental Baco (Dionisos) é a personificação do vinho. O seu culto,menos antigo que o dos demais deuses, revestiu-se de certaimportância, à medida que se foi ampliando a cultura da vinha.Associou-se, então, a Ceres, e ambos foram honrados nasmesmas festas como príncipes soberanos da agricultura,
  • 94. "A Grécia antiga dos tempos primitivos, diz Ottfried Mueller,contentava-se de um Hermes fálico, como representação figuradadesse deus; e a arte grega de todas as épocas conservou o hábitode erigir cabeças de Baco, sozinhas, ou até simples máscarasdessa divindade. O Hermes fálico foi em breve substituído pelafigura soberba e majestosa do velho Baco; a cabeça está ornadade uma cabeleira magnífica cujas madeixas são seguras por meiode uma mitra, descendo a barba em linhas sinuosas, erespirando em todos os traços da sua fisionomia algo de aberto.O seu costume, de magnificência oriental, é quase o de umamulher, e o deus segura geralmente nas mãos o rhyton e umpâmpano. Foi somente mais tarde, na época de Praxíteles, quedo cinzel do escultor saiu o jovem Baco, representado econcebido com as feições de um efebo, ou de um adolescente emquem as formas do corpo, suavemente fundidas e semmusculatura bem acentuada, anunciam a natureza quasefeminina do deus; as Figs. 438, 439 — Cabeças de Baco (segundo moedas antigas).feições da fisionomia constituem uma singular mescla do delíriobáquico e de um ardor indeterminado, sem precisa finalidade.Nessa fisionomia se manifesta e fala claramente a voz da almade Baco partilhando o entusiasmo e o delírio que ele causa. Asformas e as feições dessa representação figurada de Bacodeixam lugar, contudo, à expressão grandiosa e imponente querevela em Baco o filho do raio, o deus a cujo poder ninguémresiste. A
  • 95. mitra que lhe rodeia a testa, e a coroa de pâmpano ou de heraque lhe fazem sombra, contribuem poderosamente para aexpressão báquica; a cabeleira desce em longos e sedosos anéissobre os ombros; o corpo está habitualmente nu, com exceção deuma pele de cabrito usada negligentemente; somente os pésestão presos num magnífico calçado, os coturnos dionisíacos; obordão leve rodeado de pâmpanos, com a pinha, serve de cetro ede apoio ao deus. Entretanto, o himátion que vai até oscalcanhares se adapta perfeitamente ao caráter de Baco; àsvezes, também, e nos monumentos dos últimos tempos da arte,Baco surge inteiramente vestido à maneira das mulheres. Aatitude das estátuas de Baco é em geral a do deus apoiadocomodamente, ou deitado, ou sentado no trono; em pedras e nosquadros o deus caminhando com passo avinhado, montado nosseus animais favoritos ou por eles puxado. Um sátiro favorito lheserve freqüentemente de apoio e outro desempenha o papel deescanção." A mais bela estátua que conhecemos de Baco barbudo é aoutrora designada pelo nome de Sardanápalo, em virtude deuma inscrição que tem esse nome, mas que posteriormente sereconheceu ter sido ali acrescentada mais tarde. É o Bacooriental em toda a sua majestade; os longos cabelos são retidospela mitra, e a majestosa barba desce-lhe até o peito. Um amplomanto, que envolve duas vezes o corpo, cai-lhe até os péscalçados com o coturno (fig. 440). Temos no Louvre váriosformosos bustos de Baco oriental, alguns de estilo arcaico: são,às vezes, designados pelo nome de Baco indiano (fig. 441),embora o tipo seja originário da Lídia ou da Ásia Menor. Mas ésob tal forma, aliás o mais antigo tipo do deus, que ele aparecequase sempre nos monumentos relativos à conquista da índia. De resto, o costume que lhe dão os baixos-relevos e os vasosnão é idêntico ao descrito pelos poetas. "Cada chefe, diz Nonnos,conduzia, separadamente, as suas tropas a Baco, e o deus,ardente, comandava todo o exército no seu mais brilhanteesplendor. Não usava na refrega escudo, forte lança ou gládiosuspenso aos ombros; não cobria a cabeleira com um capacetede bronze que lhe protegesse a cabeça invencível, mas cingia acabeça com
  • 96. Fig. 440 — Baco indiano, cognominado Sardanápalo (estátua antiga).
  • 97. formidável coroa Em lugar de borzeguins artisticamente feitos esubindo até os joelhos, acrescentara a coturnos de púrpura umcalçado de prata. A nébrida com a qual cobria o peito, servia-lhede couraça. Com a mão esquerda segurava um chifre de ourocheio de vinho delicioso; e Fig. 441 — Baco indiano (segundo um busto antigo).desse chifre o líquido jorrava abundantemente. Com a mãodireita, trazia o tirso agudo envolto em espessa hera, que lhesombreava a ponta de aço. Ao ouro da superfície havia adaptadouma faixa circular."
  • 98. Baco tebano O baco tebano, mais geralmente imberbe, é muito maiscomum na escultura. O pintor Aristides fizera um famosíssimoBaco, levado a Roma após a tomada de Corinto. "Múmio, dizPlínio, cognominado Acaico pela sua vitória, foi o primeiro queiniciou os romanos nos quadros estrangeiros. Por ocasião davenda do saque, Átala, rei de Pérgamo, comprara por seiscentosmil dinheiros um Baco de Aristides. O cônsul, admirado dopreço e supondo no quadro alguma virtude que ele desconhecia,retirou-o da venda, apesar das queixas do rei, e colocou-o notemplo de Ceres. Creio que foi o primeiro quadro estrangeirodado a público em Roma, mas posteriormente grande númerodeles foi colocado no Forum." Fig. 442 — Baco frígio (segundo um baixo-relevo antigo). A forma quase feminina de Baco tebano representa o deuscom as feições da mocidade e em todo o esplendor da beleza. Asua expressão descuidada indica um semi-sono, um lânguidodevaneio. Às vezes nu, outras coberto de uma pele de cervo,aparece freqüentemente montado
  • 99. Fig. 443 — Baco tebano estátua antiga)
  • 100. Fig. 444 — Baco (segundo uma estátua antiga, museu do Louvre).
  • 101. numa pantera ou num carro puxado por tigres. A vinha, a hera,o tirso, a taça e as máscaras báquicas constituem-lhe osatributos mais comuns (figs. 443 e 445). Fig. 445 — Baco deitado (segundo uma estátua antiga). A vinha, a hera e o tirso A vinha, a hera e o tirso são emblemas que se prendem aofabrico do vinho, ou aos efeitos que ele produz. A hera passava,na antiguidade, por ter a propriedade de impedir a embriaguez, eera por isso que, nos festins, os convivas com ela se coroavam.Essa planta forma também freqüentemente a coroa de Baco.Enrola-se freqüente-mente em torno do tirso cuja extremidadetermina por uma pinha. Em numerosos lugares, realmente, apinha entrava no fabrico do vinho, que devia diferir, em muitosaspectos, do que é hoje em dia. Vê-se pela facilidade com a qualUlisses adormece o ciclope, dando-lhe duas vezes
  • 102. um pouco de vinho, que essa bebida era, ao menos em algunslugares, extremamente capitosa. Os antigos misturavam-lhe mele quase sempre água. Era raríssimo ver alguém sorver vinhopuro. O cisto e a serpente báquica O cisto místico é a caixa ou cesto no qual se encerravamos objetos sagrados que serviam ao culto de Baco. O cisto é um emblema que se encontra em inúmerosmonumentos báquicos; quase sempre está unido à serpente,como verificamos nas medalhas chamadas cistóforos (fig. 446).A serpente, que já vimos estar ligada a Esculápio, encontranaturalmente o seu lugar ao lado das imagens de Baco, pormotivo das virtudes curativas que se atribuíam ao vinho. Os animais báquicos O tigre, a pantera e o lince acompanham habitualmente ocortejo de Baco, nas cenas em que o jovem deus é representadocomo triunfante. A presença deles bastaria para afirmar ocaráter oriental que se encontra em todas as lendas que lheconstituem o mito. O burro que traz Sileno se explica naturalmente, poisSileno é o pai nutridor de Baco. Esse burro, aliás, é famoso pelopapel que desempenhou na luta dos deuses contra
  • 103. os gigantes: tendo percebido o exército inimigo em ordem debatalha, pôs-se a zurrar de tal maneira que todos os gigantesimediatamente fugiram. Fig. 446 — Cisto e a serpente báquica (segundo uma medalha antiga). A lebre aparece também em alguns monumentos, e o seucaráter simbólico está bem determinado pelo fato de os antigosfazerem dela símbolo de fecundidade. Vemo-la sob tal aspectonum vaso que representa Líber e Libera; Líber é o nome que oslatinos davam habitualmente a Baco, e Libera, a deusa que lheestá ligada, parece ser a mesma que Ariadne ou Prosérpina.Essas duas divindades estão sentadas nos dois lados de umaeminência que forma uma espécie de gruta. Um velho sátiroapresenta à Libera um ovo, outro emblema de fecundidade, euma lebre, que corresponde à mesma idéia, está situada pertode Líber, o qual empunha o tirso báquico (fig. 447). Por análogas razões, o carneiro, o bode e o touro figuramfreqüentemente nos monumentos relativos ao culto de Baco. Acabeça de carneiro é emblema conhecidíssimo, e o bode, dequem os pãs e os sátiros, sequazes de Baco, tiraram a forma,era o animal que se sacrificava mais especialmente ao deus quefaz amadurecer os frutos. Num antigo camafeu, depara-se-nos osacrifício do bode; o animal está retido por um jovem sátiro,diante do qual se acha uma bacante deitada, que segura umtirso e pega um tímpano suspenso de uma árvore. As suashomenagens se dirigem a uma pequenino Baco barbudo, com ocostume lídio e uma taça (fig. 448).
  • 104. Havia, aliás, uma razão mitológica para que o bode fossemais especialmente o animal de Baco. Seu pai Júpiter, parasubtraí-lo às perseguições de Juno, tinha-o, segundo certastradições, metamorfoseado em cabrito, na Fig. 447 — Líber e Libera (segundo uma pintura de vaso). Fig. 448 — Sacrifício de bode (segundo um camafeu antigo).mocidade. Numa medalha de Laodicéia, capital da Frigia, vemosJúpiter segurando nos braços o pequeno Baco, e ao lado do reidos deuses surge o jovem cabrito, cuja forma o menino vairevestir.
  • 105. Como símbolo da agricultura, Baco, que freqüentemente seliga a Ceres (fig. 454), reveste-se por vezes da forma de touro,animal gerador que personifica a fecundidade da terra. Umalinda pedra gravada do gabinete das Medalhas nos mostra otouro báquico, ou dionisíaco, caracterizado pelo tirso que lhevemos aos pés (fig. 450). Fig. 449 — Baco (segundo urna estátua antiga). Esse emblema parece que tem a sua origem no Egito.Osíris, que é para os egípcios uma personificação do sol e maisparticularmente do sol poente, pois que reina sobre
  • 106. os mortos, encarna-se sob a forma de boi, Ápis; e Baco. que temsido freqüentemente assimilado a Osíris, devia naturalmenterevestir-se da mesma forma. O touro aparece freqüentementenas festas báquicas. A figura 451 no-lo mostra ornado das faixaspara o sacrifício; traz uma sacerdotisa ou mênade, de cabeçaornada por uma Fig. 450 — Touro báquico ou dionisíaco (segundo uma pedra gravada antiga). Fig. 451 — Touro ornado para o sacrifício (segundo uma pintura de vaso).coroa e erguendo com a mão esquerda o amplo manto que acobre. É conduzido em grande pompa e está seguido por umapersonagem armada de lança e segurando na mão ramos defolhagem. Em outro monumento, o sacrifício está prestes a se realizar.As mênades rodeiam o touro perto do qual vemos
  • 107. os archotes acesos e rodeados de uma faixa que a sacerdotisapega com a mão (fig. 452). Hébon, divindade da Campânia, por vezes identificado comBaco, era representado sob a forma de touro de rosto humano,barbudo. Julgaram muitos reconhecê-lo nas medalhas da Itáliado sul, nas quais está fixado esse emblema. Mas atualmente estáquase demonstrado que esses touros humanos são em quasetoda parte a representação de um rio local e não têm, porconseguinte, senão relação pelo menos assaz indireta com oculto de Baco. Fig. 452 — Sacrifício do touro (segundo um baixo-relevo antigo). Baco inspirador A inspiração que nasce da embriaguez fez com que seatribuíssem a Baco algumas das qualidades que, habitualmente,constituem o apanágio de Apolo, o deus inspirador porexcelência. Essas duas divindades estão reunidas nummedalhão de Adriano, onde as vemos colocadas num carropuxado por uma cabra e uma pantera (fig. 453). Baco empunhao seu tirso, Apolo a lira; Cupido, montado na cabra, parececonduzi-los, tocando a flauta dupla.
  • 108. "Baco e Apolo, diz Creuzer, se opõem. Estavam reunidos emDelfos pelo culto e pelas representações figuradas. Mas talreunião nada mais era que a conseqüência da sua oposição quese encontrava até no contraste dos hinos característicosdedicados a uma e outra divindade; a Apolo (a unidade) o peãograve e simples; a Baco (a multipli- Fig. 453 — Baco e Apolo (segundo uma medalha de Adriano). Fig. 454 — Baco e Ceres (segundo uma medalha dos nicenos).cidade) o ditirambo variado e desordenado. Daí a agitação dasfestas báquicas, comparada à regular ordenação das de Apolo.Daí Baco às vezes criança, outras rapaz, outras homem feito,outras ancião; Apolo, pelo contrário, sempre semelhante a sipróprio, dotado de mocidade eterna e divina.
  • 109. Baco, inventor do teatro Baco substitui às vezes Apolo, como condutor das Musas, eos monumentos o mostram freqüentemente associado aMelpomene, a musa da tragédia. É porque realmente Baco é oinventor do teatro, e foi durante as festas celebradas em suahonra que se representaram as primeiras peças. Tais festas serealizavam no momento da vindima : colocados num carro, osvindimadores borravam o rosto com uvas, e imediatamente seiniciavam os folguedos. O carro tornou-se uma construção,quando os vindimadores se tornaram comediantes. As máscaras(figs. 455 e 456), com as quais se ornavam muitas vezes ostúmulos, prendiam-se aos mistérios de Baco, como inventor datragédia e da comédia e indicavam que a vida, como as peças deteatro, nada mais é do que uma mescla de prazeres e dores, emque cada um desempenha um papel diferente. Assim é que Baco, o qual primitivamente era o vinhopersonificado, se tornou de certo modo símbolo da vida humana,considerada espécie de ebriedade da alma, que no seu extraviovinha apoderar-se de uma prisão terrestre nascendo num corpomaterial. Fig. 455 — Máscara trágica.
  • 110. A taça mística Segundo Creuzer, a taça, que é o atributo de Baco, tinhaum significado místico. "A alma, sorvendo-a, embriaga-se,esquece a sua natureza superior, não pensa mais senão em unir-se ao corpo pelo nascimento, e segue a estrada que deveconduzi-la à sua morada terrena. Felizmente, Fig. 456 — Máscara báquicasali encontra outra taça, a da sabedoria, onde pode beber, ondepode curar-se da sua primeira embriaguez, onde recobra alembrança da sua origem e, com ela, o desejo de regresso àmorada celeste.
  • 111. Vemos, algumas vezes, em baixos-relevos, Baco barbudo,figurado em hermas, na companhia de crianças que preparam acuba. Umas saboreiam o vinho, ou nele mergulham as mãos;outras querem imergir inteiramente no vinho ou já cambaleiam,sob a ação do licor báquico. Noutros monumentos, vemos velhos sátiros, antigoscompanheiros de Baco pisar aos pés as uvas para fazerem o licorembriagador, enquanto um dos seus companheiros espreme comos dedos o suco de uma uva num vaso (fig. 458). As festas de Baco Alguns monumentos se baseiam nas festas de Baco, queeram, como as de Ceres, destinadas a agradecer aos deuses osbenefícios da terra. Os ritos observados durante a procissão seprendiam à lenda do deus. Numeroso bando de meninos,coroados de heras e segurando pâmpanos, corria e dançavadiante da imagem do deus, colocado num berço de pâmpanos ecircundado de máscaras trágicas e cômicas. Em torno, traziam-se vasos, tirsos, grinaldas, tambores, faixas, e, atrás do carro,vinham os autores, os poetas, os cantores, os músicos de todaespécie, os dançarinos, todos os que, no exercício da sua arte,precisam de inspiração, cuja fonte era considerado o vinho.Quando a procissão chegava ao fim, começavam as representa-ções teatrais e os combates literários em honra de Baco, cujasfestas sempre se realizavam no outono. Essas festas revestiram-se, aliás, de caráter bastantediferente, segundo os países e as localidades em que secelebraram. Parece que em Roma, deram lugar a cenas dedesenfreada licenciosidade, e foram até seguidas de assassínios,pois o senado se viu obrigado a aboli-las; mas como os iniciadosnos mistérios de Baco eram ao mesmo tempo acusados deformar uma associação secreta,
  • 112. de caráter político, é difícil conhecer exatamente a verdade sobreessa misteriosa questão. Na Grécia, as festas de Baco tinhamoriginariamente um caráter exclusivamente campestre. "Outroradiz Plutarco, celebravam-se Fig. 457 — Atributos de Baco. Fig. 458 — Sátiros pisando uvas (segundo um baixo-relevo antigo)
  • 113. as festas de Baco com formas simples, que não excluíam aalegria: trazia-se à cabeça uma bilha cheia de vinho ecoroada de pâmpanos; depois vinha um bode sustentandoum cesto de figos, e finalmente o falo, símbolo da fertilidade;mas tudo isso caiu em desuso e foi esquecido." Um luxo desenfreado acompanhou mais tarde as festasde Baco, que em várias cidades, e notadamente emAlexandria, se celebravam com a maior magnificência.Ateneu nos legou uma curiosa descrição da grande procissãobáquica, que se realizou nesta última cidade, sob o reinadode Ptolomeu Filometor. Fig. 459 — Festa em honra de Baco (segundo um baixo-relevo antigo). "A divisão dionisíaca era precedida de silenos, unscobertos de mantos de púrpura escura, outros de mantos depúrpura clara. Eram seguidos de sátiros trazendo archotesde folhas de hera, de ouro. "Depois deles, surgiam Vitórias tendo asas de ouro.Traziam elas fogões para a queima de perfumes, com seiscúbitos, ornados de ramos dourados de hera. Essas Vitóriastinham túnicas cujos tecidos representavam diversas figurasde animais, e estavam ornadas do mais luxuoso atavio deouro. "Seguia-se-lhes um altar duplo, de seis cúbitos,guarnecido de uma folhagem de hera, de ouro, e em torno doqual corria uma grinalda de pâmpano de ouro, presa
  • 114. com faixas de uma mistura branca. Atrás, vinham cento e vintemeninos, cobertos de túnicas de púrpura, trazendo incenso,mirra e açafrão em bacias de ouro. Depois, avançavam quarentasátiros cingidos de coroas de hera feitas de duro. Seguravamcom a mão outra coroa igualmente de ouro. Tinham o corpopintado de púrpura e de outras cores: dois silenos, de clâmidesde cor de púrpura, traziam calçados brancos. Um deles traziaum chapéu e um pequeno caduceu de ouro, o outro seguravaum clarim. Entre eles marchava um homem de quatro cúbitosde altura, em vestes de ator trágico com uma máscara e umacornucópia de ouro. "Atrás deles, vinha uma mulher de belíssimo porte,ricamente ornada de ouro e prata: com uma das mãos traziauma coroa de perses, com a outra uma palma. Depois dela,vinham as quatro Estações, bem ornadas, trazendo cada umaos frutos que lhe são próprios: seguia-se-lhes, carregado, umaltar de ouro. Passaram, então, outros sátiros coroados de herade ouro e vestidos de púrpura. Traziam um vaso de ouro paravinho. O poeta Filisco, sacerdote de Baco, e todas as pessoasligadas, pela sua profissão, ao culto desse deus, vinham depoisEm seguida, traziam-se os tripés análogos ao de Delfos, prêmiosdestinados aos atletas. O que estava reservado aos adolescentestinha nove cúbitos de altura, e o que se destinava aos homensfeitos tinha doze. "Veio depois um carro de quatro rodas, puxado por cento eoitenta homens, trazendo uma estátua de Baco, a fazer umalibação com uma taça de ouro. Tinha esse Baco uma túnicarastejante e por cima dela um manto de tecido transparente, eoutra veste de púrpura bordada de ouro. "No carro. e diante de Baco, havia uma cratera da Lacônia,um tripé e taças de ouro. Formara-se, em torno dele, um berçocom pâmpanos, hera, e outras folhagens. donde pendiamcoroas, grinaldas, tirsos, tambores, faixas. máscaras trágicas,cômicas e satíricas. No carro viajavam também os sacerdotes,as sacerdotisas e as mulheres que traziam os crivos. Passaram,em seguida, as lídias, de cabelos esparsos, e coroadas umascom serpentes, outras com teixos, vinhas e heras; empunhavamestas punhais, aquelas serpentes.
  • 115. "Depois delas, vinha outro carro de quatro rodas, comuma largura de oito cúbitos, puxado por sessenta homens etrazendo, sentada, a figura de Nisa, revestida de uma túnicaamarela bordada de ouro e de um sobretudo da Lacônia. Afigura levantava-se artificialmente, sem que ninguém atocasse: vertia leite de uma taça e tornava a sentar-se.Segurava com a mão esquerda um tirso, em torno do qualestavam enroladas umas faixas. A testa achava-se coroada dehera e de uvas de ouro, enriquecidas de pedras preciosas.Sombreava-a também uma folhagem. Nos quatro cantos docarro haviam sido colocados archotes de ouro. Fig. 460 — Sileno e os sátiros (segundo uma pedra gravada antiga). "Em seguida, foi a vez de outro carro de vinte cúbitos,puxado por trezentos homens. Havia-se construído nele umlagar cheio de uvas. Sessenta sátiros pisavam-nas, cantandoao som da flauta a canção do espremedor. Sileno presidia atudo e o vinho doce corria ao longo do caminho.
  • 116. "Esse carro era seguido de outro puxado por sessentahomens, trazendo um odre feito de pele de leopardo. Eraacompanhado de cento e vinte sátiros e silenos, todos coroados eempunhando vasos e taças de ouro. Ao lado, via-se imensacratera de prata ornada de animais esculpidos em relevo erodeada de um cordão de ouro enriquecido por pedras preciosas.Depois vinham dez grandes bacias e dezesseis crateras de prata,uma grande mesa de prata de doze cúbitos e outras trinta deseis cúbitos, quatro tripés um dos quais de prata maciça, e osdemais enriquecidos de pedras preciosas, vinte e seis urnas,dezesseis ânforas semelhantes às das Panatenéias e cento esessenta vasos para refrescar o vinho. Todo esse vasilhame erade prata ; o de ouro seguia-se: em primeiro lugar quatro craterascom belas figuras em relevo, grandes tripés e um bufêenriquecido de pedras preciosas. cálices, urnas e um altar. "Mil e seiscentos meninos vinham depois, vestidos detúnicas alvas e coroados de hera ou de folhas de pinheiro.Traziam taças de ouro e prata: os vinhos tinham sido preparadosde maneira que os que se achavam presentes no estádiopudessem apreciar-lhe a doçura. Em seguida, aparecia um carrocontendo o leito de Semele, seguido de outro carro,representando uma gruta profunda coberta de hera e rodeada deninfas coroadas de ouro. Jorravam daí duas fontes, uma de leite,outra de vinho, e do alto saíam pombas e rolas, com fitas presasàs patinhas, de maneira que, tentando voar, pudessem seragarradas pelos espectadores. "A seguir, vimos a representação de Baco no seu regresso daÍndia. O deus, sentado num elefante, estava vestido de ummanto de púrpura, coroado de hera, e segurando na mão umtirso de ouro. Na sua frente, e sobre o pescoço do elefante, estavaum satirozinho coroado de ramos de pinheiro. Quinhentas jovensvestidas de túnicas de púrpura e com a cabeça coroada de folhasde pinheiro, caminhavam após dele e eram, por sua vez,seguidas de cento e vinte sátiros armados. Cinco grupos deburros montados por silenos e sátiros coroados eram seguidosde vinte e quatro carros puxados por elefantes.
  • 117. Havia. depois, sessenta carros puxados, cada um, por doisbodes, oito atrelagens de dois avestruzes, sete de cervos, e todosos carros estavam montados por meninos trazendo um tirso ecobertos de vestes de tecido de ouro. Os carros puxados porcamelos, que se seguiam, vinham em fileiras de três e estavamseguidos por outros puxados por burricos e trazendo as tendasdas nações estrangeiras. Acompanhavam-nos mulheres índias,na qualidade de cativas. seguidas dos etíopes que traziam ospresentes, seiscentos dentes de elefante, dois mil troncos deébano, e sessenta crateras de ouro e prata. Depois, surgiamdois caçadores, trazendo lanças de ouro, os quais abriam umamarcha de dos mil e quatrocentos cães da Índia ou da Hircânia,conduzidos por cento e cinqüenta homens trazendo árvores dasquais pendiam todas as espécies de animais selvagens e aves:em gaiolas, viam-se papagaios, pavões, galinhas de Angola,faisões e inúmeras outras aves da Etiópia. Fig. 461 — Festa em honra de Saco (segundo um baixo-relevo antigo) "Vinham depois os bandos de animais, entre os quais se notavam cento e trinta carneiros da Etiópia, trezentos da Arábia, vinte e seis bois brancos da Índia, oito da Etiópia, um grande urso branco, catorze leopardos, dezesseis panteras, quatro linces, três ursozinhos, uma girafa, um rinoceronte da Etiópia.
  • 118. "Finalmente, num carro de quatro rodas, vinha Baco,representado no momento em que se salvou no altar de Réa,quando estava sendo perseguido por Juno. Príapo estava ao seulado. Esse carro era seguido de mulheres ricamente vestidas emagnificamente ornadas, as quais personificavam as cidadesgregas das costas da Ásia e traziam, todas, coroas de ouro."
  • 119. CAPÍTULO II SILENO O pai nutridor de Baco. — Sileno e as jovens. — Embriaguez de Sileno. O pai nutridor de Baco Sileno, que é o odre personificado (fig. 462), exercenaturalmente as funções de pai nutridor de Baco, que é o vinho.Apresenta na arte dois caracteres diferentíssimos. Nos baixos-relevos e nas pedras gravadas antigas, as suas formas grosseirase obesas servem para realçar, pelo contraste, a elegância de Bacoe a ligeireza dos sátiros e das mênades. A sua perpétuaembriaguez necessita sempre de um guia. Nas cenas báquicas,vemo-lo montado num burro, que parece esmagado pelo enormepeso do ventrudo amo, e sustentado por sátiros que o impedemde cair para um dos lados.
  • 120. O vinho é uma fonte de inspiração, e como Baco é oinventor da comédia, seu pai nutridor devia, em certascircunstâncias, revestir-se de um caráter, senão mais grave, pelomenos mais digno. Quando segura o pequenino Baco nos braços,Sileno cessa de ser ventrudo. A bela estátua do Louvre,intitulada Fauno e o Menino, nos mostra o preceptor de Baco, sobo aspecto de velho sátiro de membros delgados e nervosos, egrande nobreza de Fig. 462 — Sileno, odre personificado (segundo uma estátua antiga do museu de Nápoles).feições (fig. 463). Descobriu-se também em Pompéia, ou emHerculanum, uma encantadora estátua de bronze, querepresenta Sileno tocando címbalos, para distrair Baco, menino,que lhe está sobre os ombros e a quem ele fita girando a cabeçacom ar infinitamente gracioso (fig. 464).
  • 121. Fig. 463 — Sileno e Baco (grupo antigo, chamado o Fauno e o Menino, museu do Louvre).
  • 122. Sileno e as jovens Sileno vive sempre embriagado, mas em dados momentos,possui a embriaguez adivinhadora e inspirada, a embriaguezreligiosa que sabe tudo e pode revelar aos homens os mistériosda origem do mundo. Platão o Fig. 484 — Sileno, pai nutridor de Baco (segundo um grupo antigo do museu de Nápoles).
  • 123. considera emblema de uma profunda sabedoria, oculta sob umexterior repulsivo, e Virgílio, na história de Crômis e Mnasila,nos revela o verdadeiro aspecto de Sileno no culto báquico : "Crômis e Mnasila, jovens pastores, viram no fundo de umagruta Sileno adormecido, de veias inchadas, como sempre, pelovinho bebido na véspera. Longe dele estava a coroa de flores, quelhe caíra da cabeça, e a pesada taça pendia-lhe da cintura poruma asa. Os pastores agarram-no (pois havia tempo que oancião os iludia Fig. 465 — Baco e Sileno segundo uma estátua antiga).
  • 124. com a esperança de uma canção) e o amarram com as suaspróprias grinaldas. Egle une-se a eles e os anima, Egle, que era amais bela das Náiades; e no momento em que Sileno abre osolhos, ela lhe avermelha com o suco de amora a testa e astêmporas. Sileno, rindo-se, lhes pergunta: "Para que servemesses laços? Desamarrai-me, filhos; já é bastante o me haverdessurpreendido. Ides ouvir as canções que exigis..." Imediatamente Fig 466 — Sileno montado no burro (segundo uma pedra gravada antiga).começa. Deveríeis ter visto os faunos e os animais selvagensdançar em torno dele, e os carvalhos mais duros balançar aharmoniosa copa. Com menos alegria, o Parnaso ouvia a lira deApolo; o Ródope e o Ismare ouviam com menos arrebatamento osacordes de Orfeu. Pois ele cantava como, na imensidão do vácuo,se reuniram os
  • 125. princípios da terra, dos mares, do ar e do fogo fluido, comodesses primeiros elementos saíram todos os seres, como, aprincípio mole barro, o globo se arredondou em sólida massa, seendureceu pouco a pouco, forçou Tétis a conter-se nos seuslimites, e se revestiu insensivelmente de mil formas diferentes.Cantava a terra, assombrada aos primeiros raios do sol, asnuvens a se erguerem no espaço, para tornarem a cair em chuvado alto dos ares, as florestas apresentando as pontas nascentes,e os animais errantes, pouco numerosos ainda, sobremontanhas desconhecidas." (Virgílio). Embriaguez de Sileno Sileno, que nas bacanais representa o elemento bufão, eparece ser posto ali para divertir as mênades com a suaembriaguez cambaleante e a sua obesidade, tem sidofreqüentemente empregado na decoração das fontes, doscandelabros, das taças, etc. O tipo de Sileno figura naturalmente nos quadrosmitológicos dos pintores dos últimos séculos. Rubens gostava derepresentar Sileno gordo e ventrudo, acompanhado de sátiros eninfas que espremem uvas sobre ele, e escoltado por cupidossorridentes e carregados de frutos. Gérard Honthorst tem, noLouvre, um triunfo de Sileno, magnificamente pintado, mas decaráter singularmente trivial : a bacante que o acompanha éverdadeiramente por demais flamenga. Se dermos crédito a Nonnos, os sátiros sequazes de Bacoseriam descendentes de Sileno. "O velho Sileno, diz ele erguendonas mãos a férula, Sileno. dotado de dupla natureza. filho daTerra, armou-se e levou a Baco os três filhos que lhe consagrou.Sustentam com as maças, auxílio
  • 126. da velhice, os passos de seu pai cambalaleante. Velhos elestambém apoiam o corpo preguiçoso e enfraquecido a uma cepa;os anos se lhe renovaram demais, e foi deles que saiu a dupla eardente geração dos sátiros polígamos." Fig. 467 — Sileno (segundo um quadro de Rúbens).
  • 127. CAPITULO III BACANTES E SÁTIROS As bacantes e as mênades. — Os pás e os sátiros. — Os Faunos. As bacantes e as mênades As primeiras mulheres votadas à celebração dos mistériosde Baco, chamadas bacantes ou mênades, foram as ninfas quehaviam criado o jovem deus. Nos baixos-relevos de bacanais, enotadamente no do vaso Borghese, que é o mais belo, o jovemdeus, calmo no meio da ebriedade geral, segura o tirso, ouvindouma bacante que toca lira. Os centauros e os sátiros figuramtambém no habitual cortejo do deus; os centauros arrastam-lheo carro e os sátiros dançam-lhe em torno, tocando tamborim,enquanto os meninos, montados em leões ou panteras, precedema ruidosa procissão. A arte não faz diferença nenhuma entre as mênades e asbacantes, mas um trecho de Eurípides mostra que
  • 128. há uma, mitologicamente falando. As bacantes são as mulherestebanas retiradas para o monte Citerão, e as mênades são ascompanheiras que Baco tinha na Ásia e que o acompanharam àGrécia. Entretanto, o poeta Nonnos qualifica de bacantes asmulheres que acompanharam Baco à conquista da Índia e pintaum quadro interessantíssimo dos seus modos de ser. "Entre as bacantes, diz ele, esta envolveu a cabeça com ummanto de víboras; aquela segura os cabelos sob a heraperfumada ; uma faz vibrar na mão frenética um tirso armado deferro; outra, mais furiosa ainda, deixa cair da cabeça, livre devéus e de faixas, a longa cabeleira; e os ventos brincam com asmadeixas nos dois lados dos ombros. Umas vezes agitam elas oduplo bronze dos címbalos sacudindo sobre a cabeça os anéis decabelos; outras, presas de acessos de cólera multiplicam sob apalma das mãos o rolar dos tamborins; e o ruído dos combatesse repercute. Os tirsos tornam-se chuços; e o aço oculto pelafolhagem é a ponta dessa lança ornada de pâmpanos. Umabacante, no seu ardor pela carnificina, prende sobre a cabeça ospares de serpentes mais vorazes; outra coloca sobre o peito oenvoltório dos leopardos, enquanto uma terceira, fazendo ummanto da pele malhada dos cervozinhos monteses, toma oaspecto de elegante cervo. Esta, trazendo sobre o seio umleãozinho arrancado ao peito de sua mãe, confia ao leite de umseio humano a cria ilegítima Aquela, envolvendo a cinturavirginal com os tríplices elos de uma serpente, deles se valecromo de uma cintura interior, pois a serpente move a língua emtorno dela, silva docemente, e se torna vigilante guarda do pudorda moça, enquanto esta, por sua vez. dormita entregue aosvapores do vinho. Uma, cujos pés livres de coturnos pisavam nasmontanhas os espinheiros, mantém-se sobre uma planta ericadade espinhos: outra, deslizando, inesperadamente. pelo dorso deum camelo de longas pernas, lhe aguilhoa com a ponta do tirso opescoço recurvo; depois, quase desaparece, levada por esses pésque não vêem o atalho. O enorme animal, livre de qualquer freio,desvia-se mil vezes na sua impetuosa marcha, e esburaca aterra, até o momento em que se dobra e se deita sobre a areia.Esta, nas encostas das florestas em que pastam os bois, pega apele de um touro
  • 129. furioso e selvagem; depois, dilacerando com as unhasimpiedosas o couto do animal, o despoja do envoltório,enquanto aquela, soprando. lhe enche as entranhas. No alto deum pico, via-se, privada de véu e de calçado, uma virgemsaltando de uma pedra aguda à outra beirada dos precipícios,sem estremecer; e as pedras do morro não lhe feriam os pésnus." Fig. 468 — Bacante (segundo uma pedra gravada antiga). O escultor Scopas, que vivia por volta de 450 antes danossa era. parece ter fixado o tipo dessas mênades descabeladasA sua bacante, representada em estado de embriaguez, trazia umcabrito a quem degolara, e os cabelos esparsos agitados pelovento. Não obstante a expressão do seu furor báquico,conservava a flexibilidade e a graça de uma mulher, e o deus quea agitava não lhe alterava absolutamente a beleza dos traços.
  • 130. "Quem, perguntava um poeta, embriagou esta bacante? FoiBaco ou Scopas? — Foi Scopas. — Parai, parai esta estátua,senão ela foge ! exclamava outro." Um epigrama da Antologia grega faz a crítica de umaestátua de bacante que não correspondia bastante ao caráter aelas ordinariamente atribuído pela mitologia: "O escultor fezessa bacante pudica, não sabendo ainda, sem dúvida, agitar oscímbalos. Com os olhos abaixados, tem ela aspecto reservadoque parece dizer: "Ide-vos, e eu tocarei os címbalos, quandoaqui não houver mais ninguém." Fig. 469 — Sátiros de estilo arcaico (segundo uma pintura de vaso). Os pãs e os sátiros Além das bacantes, o culto de Baco ministrou à arte tiposque, em certa medida, associam a forma animal à formahumana: é o bando dançante dos pãs e dos sátiros. Nonnosrepresenta os pãs como tendo participado da conquista da índia."Os que, nas suas grutas nativas.
  • 131. trazem o nome de Pã, seu pai, amigo das solidões; esses pãs,cuja forma humana se une à de um bode peludo, participavamdo exército de Baco; doze egipãs vigorosos avançam, e todos sejactam de ser oriundos do Pã primitivo, o deus montanhês."(Nonnos). Fig. 470 — Sátiro fazendo dançar um menino (segundo uma pedra gravada antiga). Os sátiros participam também do homem e da cabra com aqual, aliás, gostam de brincar, como se pode ver em váriaspedras gravadas antigas (fig. 471). Mas a mitologia estabeleceuma diferença entre os pãs e os sátiros. O sátiro pertence a umaordem mais elevada, por participar mais da natureza do homeme menos da natureza do animal. A animalidade é saliente nossátiros pelas orelhas pontudas, mas às vezes eles possuemformas encantadoras, embora sempre desprovidas de nobreza.Os jovens sátiros, de pequenino nariz chato, rudimentos depontas, e pregas que quase sempre possuem sob o queixo,
  • 132. como os cabritos, têm notável expressão de alegria. Riem-sefacilmente dos pãs aos quais se sentem superiores e armam-lhemil ciladas. Os pastores, cobertos de peles de cabra, muito pro-vavelmente deram origem à forma assumida pelos sátiros namitologia: a alegria e a zombaria que se lhes atribui fez com quese desse o nome de sátira ao poemeto cômico. Fig. 471 — Sátiro (segundo uma pedra gravada antiga). Os pãs, os egipãs e os faunos diferem pouquíssimo dossátiros. Todas essas pequeninas divindades aparecem namitologia como seres intermediários entre os deuses e osanimais, e a sua vida, toda instintiva, participa inteiramentedestes últimos, e mais particularmente do bode, do qual tiraramos costumes e a forma. O seu papel mitológico correspondeportanto, na vida animal, ao dos heróis na vida humana, umavez que os heróis superiores aos demais homens, emborasubordinados aos deuses, participam simultaneamente das duasnaturezas.
  • 133. Todo esse bando que acompanha Baco por toda parte,tende para a embriaguez e para a música. Os sátiros dançamtocando címbalos, correm atrás das ninfas, repousam tocandoflauta. A criação de tais tipos pertence à escultura; trata-se depuros caprichos. Nada filosófico deu origem à sua lenda, e elesnão têm outra missão senão alegrar o jovem deus sempre semi-adormecido nos vapores do vinho. Os sátiros, como todos os sequazes de Baco, acompa-nharam o deus na sua guerra contra os índios, mas, segundo oque Nonnos nos ensina dos seus hábitos, não devem ter sidomuito úteis nos campos de batalha. "Incessantemente, diz-nos opoeta nas suas Dionisíacas, o bando chifrudo dos sátiros seembriaga com taças cheias até a borda; sempre ameaçadores notumulto, sempre fujões na luta; leões distante da refrega, lebresno combate, hábeis dançarinos, mais hábeis ainda em sorver ovinho das maiores ânforas. Pouquíssimos capitães entre elesaprenderam, sob as ordens do valoroso Marte, a arte tãomultiforme da guerra, e souberam fazer manobrar batalhões. Noexército de Baco, uns se cobriam de peles de boi, outros seabrigavam sob as peles de leões; estes se envolvem em peles depantera, aqueles se armam de poderosas maças; às vezes,passam em torno dos rins peles de cervos de chifres ramosos, efazem com elas um cinto estrelado; outras, ajustam nastêmporas pontiagudos chifres; raros cabelos lhes crescem nacabeça desigual e se prolongam até os supercílios tortuosos;quando marcham, os ventos alados sopram contra as suasorelhas tesas e as faces peludas; uma cauda de cavalo lhesprolonga o dorso, arredonda-se-lhes em torno dos rins e seergue". A antiguidade primitiva representava os sátiros comformas grotescas ou terrificantes, e se aprazia em os imaginarraptores de ninfas. Continua-se sempre a fazer velhos sátirosbarbudos; mas a arte da grande época deixou também sátirosmais jovens, nos quais a elegância de formas e uma simpáticamalícia se unem ao caráter primitivo dos companheiros deBaco. Finalmente, houve sátiras e sátiros crianças, sempre bemgordinhos, de ar malicioso, mas de maneira nenhuma maus. Ossátiros possuem, como sinal distintivo da estirpe, nariz chato,orelhas pontudas, olhos oblíquos, cabelos eriçados, chifres
  • 134. nascentes e duas papadinhas sob o queixo. como os cabritos.Hesíodo diz que os sátiros são uma raça que para nada vale; oepíteto será justo, mas como correm incessantemente atrás dasninfas, a quem perseguem através dos bosques, os pintores eescultores encontraram nos costumes deles temas para umaverdadeira multidão de belíssimas composições. Fig. 472 — Baco conduzido por um sátiro (segundo uma pintura de vaso). Foi provavelmente o escultor Praxíteles que fixou o tipo dossátiros tais quais se nos deparam em numerosos monumentosantigos. Fizera ele um sátiro de bronze que, na antiguidade,conquistara tamanha reputação a ponto de, em Atenas, serconhecido apenas pelo vocábulo Célebre. Entre as demaisrepresentações famosas de sátiros, citava-se a de Protógenes. É oquadro que Protógenes se aprestava a fazer quando Demétrioassediou Rodes, onde vivia o ilustre artista, cuja casa, por ordemdo vencedor, foi respeitada. Temos nos nossos museus várias admiráveis estátuas defaunos ou de sátiros. O Fauno flautista do Louvre é consideradoimitação de uma escultura de Praxíteles. O nome de Faunoflautista corresponde, aliás, a duas estátuas quase análogas edas quais o catálogo do museu diz
  • 135. o seguinte: Estas duas encantadoras estátuas representamsátiros adolescentes, tocando flauta (figs. 474 e 475). De pernascruzadas, apoiam-se eles descuidadamente, o primeiro a umcipo, o segundo a um tronco de árvore. O manto feito de pele,preso ao ombro, recobre em parte os suportes colocados no ladoesquerdo. O Sátiro em repouso, pintado por Protógenes, apoiava-se talvez a uma colunazinha. Admite-se geralmente que océlebre sátiro de Praxíteles, conhecido pelo nome de Periboetos(o Famoso), foi o original das nossas estátuas, hipótese muitoprovável, visto que quase todos os museus possuem tal motivofreqüentemente repetido. O estilo e a idéia relembram, comefeito, as tendências da escola de Praxíteles e o florescimento dapoesia bucólica; mas o Periboetos trazia uma taça. Fig. 473 — Fauno e Fauna (segundo um busto antigo, museu de Nápoles). O Fauno em repouso, do Vaticano, passa igualmente, talvezcom maior razão, por ser imitação do sátiro de Praxíteles(fig. 477). O Fauno dançarino da galeria de
  • 136. Fig. 474 — Fauno flautista (segundo uma estátua antiga, museu do Louvre)
  • 137. Florença é um sátiro menos jovem que os precedentes e possuiformas que se aproximam da idade viril. O mesmo podemos dizerda bela estátua conhecida pelo nome de Fauno tocando címbalos(fig. 476), da qual diz Clarac, Fig. 475 — Fauno flautista (segundo uma estátua antiga).na sua grande obra sobre as estátuas antigas da Europa:"Vemos aqui uma das mais lindas estátuas da antiguidade. Étão valiosa pelo sábio trabalho do artista como peloconhecimento que nos dá do instrumento preso ao seu pé
  • 138. direito. Compunha-se esse instrumento de dois pequeninoscrótalos (hoje castanholas) fixados a duas tábuas reunidas poruma espécie de charneira, de modo que era possível batê-los umcontra o outro. Chamava-se scabillum, e a sua parte superior eraligada ao pé, como nos é dado ver. Batiam-se cadencialmente ascastanholas, quer para Fig. 476 — Fauno tocando címbalos (segundo uma estátua antiga).
  • 139. Fig. 477 — Fauno em repouso (segundo uma estátua antiga, em Roma).
  • 140. marcar o compasso, quando só havia um scabillum num coro demúsicos, quer para acompanhar os demais instrumentos,quando havia vários. Chamei Fauno a essa Fig. 478 — Fauno dançando (segundo uma estátua antiga).estátua, com os escritores que me precederam, mas o ,uverdadeiro nome deve ser Sátiro. Não se pode duvidar de queFauno seja apenas uma divindade da mitologia
  • 141. romana, e o belo mármore é indubitavelmente ou uma estátuagrega, ou copia de uma estátua grega. É sabido que os sátiros,na antiga mitologia, tinham formas humanas com exceção dasorelhas e da cauda de cavalo. Os faunos se lhe assemelhavam,mas, depois de Zêuxis, passaram a ter cauda de bode." Os Faunos O verdadeiro Fauno é primitivamente um deus itálico, que aarte confundiu com os sátiros. Entre os velhos autores surgecom todos os caracteres de um civilizador, que suaviza oscostumes nômades mediante a música. É inventor da gaitapastoril. Quando o culto dos gregos se espalhou pela Itália, asrelações que Fauno apresentava com Pã fizeram com que os doisse confundissem, não obstante a diversidade de suas lendas.Como todos os deuses primitivos da Itália, Fauno cuidava dafecundidade dos rebanhos e recebia as homenagens dospastores. Diversas lindas estátuas antigas o representam comum caráter pastoril, trazendo um cabrito aos ombros (fig. 479). O brilhante cortejo de Baco inspirou freqüentemente osartistas dos últimos séculos; mas nenhum deles penetrou tantoquanto le Poussin o caráter da mitologia grega. Possuímosbelíssimos exemplos no museu de Louvre, na Galeria Nacional deLondres, e nas várias grandes coleções da Europa. Há umaembriaguez e uma alegria encantadoras nesses sátiros quecorrem atrás das ninfas dos bosques, e não houve artista quemelhor compreendesse esses tipos estranhos. Como é lindatambém a composição em que vemos um sátiro, um fauno, umahamadríada e dois cupidos viajando juntos para irem à festa deuma divindade rústica qualquer, onde se realizarão ao ar livredanças alegres e repastos, onde as honras caberão às uvas!Cupido leva as gaitas diante do cortejo; mas a hamadríada
  • 142. cansada, quer que o sátiro a carregue, pois há pressa de chegar:tem-se a impressão de já estar ouvindo a ruidosa alegria dasfestas de Pã ou de Baco. Fragonard (fig. 480) e Clodion gostavamtambém de representar os alegres sátiros e nisso punham toda avida e encantadora inteligência da arte francesa do séculodezoito. Fig. 479 — Fauno e cabrito (segundo uma estátua antiga). Os temas de tal gênero não podiam deixar de agradar aRubens, que neles via um pretexto para grande variedade dematizes para as carnações e o tumulto de movimentos que lheinteressava a imaginação. Em enorme quantidade de quadros,disseminados pelas nossas coleções, pintou reuniões debacantes e de sátiros, com frutos, flores, tigres listados, meninosrechonchudos, ninfas
  • 143. adormecidas, e por toda parte espalhou uma alegria, umariqueza de tons, um maravilhoso arrebatamento. A grandeBacanal de Jordaens, no museu de Bruxelas, é também obra-prima de esplendor e de luz; toda essa mitologia materialistados pintores flamengos seduz a vista como um ramalhete, semcontudo jamais atingir a cadência que constitui o encanto dasconcepções antigas. Fig. 480 — Sátiros e ninfa. As cenas báquicas são freqüentemente representadas nos sarcófagos ou nos baixos-relevos dos vasos. O vaso Borghese, no museu do Louvre, é particularmente famoso por tal gênero de representações. Baco, coroado de uma faixa e de um ramo de hera, segura com a mão direita o seu tirso e coloca a outra sobre o ombro de uma bacante que toca lira. Outra bacante agita um tamborim por trás
  • 144. do deus; diante deste vemos uma pantera deitada e um sátirodançando. No outro lado do vaso, o velho Sileno se abaixapenosamente para pegar a taça. Perto, uma bacante tocacrótalos, um sátiro toca uma flauta dupla, etc. Esse magníficovaso de mármore foi descoberto no século XVI, em Roma, pertodos jardins de Salústio.
  • 145. CAPÍTULO IV OS CENTAUROS Os centauros primitivos. — Baco e os centauros. — Hércules e os centauros. — Rapto de Hipodâmia Os centauros primitivos Os montanheses da Tessália, da época pelásgica, já eramexcelentes cavaleiros quando o uso de montar a cavalo não eraconhecido no resto da Grécia. Foram considerados pelos vizinhosespantados como monstros, e por gostarem do vinho, as lendasmitológicas os classificaram imediatamente no cortejo de Baco.Nos tempos primitivos foram os centauros representados comohomens, no dorso dos quais se adapta a cauda ou até o corpo deum cavalo, mas conservando pernas de homem na parte anterior(fig. 481). A grande época substituiu a esse tipo grosseiro o deum cavalo cujo peito e cuja cabeça cedem o lugar à partesuperior do corpo de homem. Os centauros
  • 146. têm orelhas pontudas como os sátiros, mas tal caráter não épartilhado pelas centauras, cuja parte superior do corpo é,quase sempre, de estonteante beleza. O centauro Borghese, no museu do Louvre, é uma dasmais belas representações dessas personagens mitológicas(fig. 482). O catálogo diz o seguinte: "Um centauro, de mãosamarradas às costas, traz no lombo um cupido báquico para oqual volta a cabeça, e a quem tenta fustigar com a cauda decavalo. A dolorosa expressão de sua figura oferece certasemelhança com a de Laocoonte. Uma das orelhas estáabaixada e a outra se ergue em ponta. A extremidade do nariz,coberta de rugas, lembra as narinas do cavalo que relincha. Nasua impotência, o monstro implora a graça do jovem vencedor.Cupido tem os braços estendidos, como se estivesse manejandoum chicote. Inclina-se para o lado direito, de modo que o seuolhar triunfante encontra o do centauro martirizado. Tem astêmporas coroadas de folhas de hera, e nas faces se lhe nota apequena madeixa de pelos que caracteriza os sequazes deBaco." Existem várias repetições do famoso grupo. Fig. 481 — O centauro primitivo (segundo uma pedra antiga). As representações das centauras, embora muito mais rarasque as dos centauros, surgem por vezes nos sarcófagos ou naspedras gravadas. Zêuxis fizera uma centaura aleitando os filhos,quadro que gozara de grande
  • 147. Fig. 482 — O centauro Borghese (estátua antiga. museu do Louvre).
  • 148. celebridade e que Luciano assim descreve: "É sobre uma relvaverde que a centaura está representada; a sua parte inferior, queé a de uma égua, está deitada sobre o lado. Os pés traseirosestão estendidos e os dianteiros dobrados; uma das pernasparece apoiada sobre o joelho, enquanto a outra descansa sobreo chão, como fazem os cavalos quando querem levantar-se. Aparte superior é a de uma formosa mulher que se apóia numcotovelo; segura nos braços um dos dois filhos e apresenta-lhe oseio; o outro filho suga a mãe, à moda dos potrinhos. No alto doquadro está o centauro, do qual só notamos a metade do corpo, eque parece estar à espreita. Inclinado para os filhos, sorri-lhes, ecom a mão direita segura um leãozinho a quem levanta acima dacabeça, como que disposto a assustá-los." Toda a Gréciaconhecia o quadro de que vários autores falaram. Vemos também lindas centauras num baixo-relevo báquicodo museu Pio-Clementino. Uma, que segue a Baco, segura namão castanholas que um jovem sátiro tenta arrancar-lhe, aoutra se volta para expulsar um sátiro que acaba de montarnela. Baco e os centauros O poeta Nonnos fala de uma raça de centauros cornudosque acompanharam Baco na sua expedição à índia. "Outra tribode centauros com aspecto de homens se apresenta: é a raçapeluda dos Feres de lindos chifres; Juno deu-lhes um corpoportador de chifres também, mas de natureza inteiramentediversa. Foram, outrora, sob forma humana, filhos das Náiadesque se chamam Híades, filhas do rio Lamos. Cuidaram de Baco,o enjeitado de Júpiter, e esses zelosos guardas do invencívelBaco não possuíam naquela época um vulto estranho. Muitasvezes, em
  • 149. tenebroso antro, acalentavam-no nos braços, quando ele exigiaaos gritos a morada paterna. Menino ainda, e já astuto, imitavaàs vezes em tudo um cabrito recém-nascido; oculto no fundo doredil, cobria-se inteiramente de longos pelos, e sob tão estranhaaparência, imitava a marcha e os passos da cabra; às vezes,disfarçando-se com a forma mentirosa de uma mulher,assemelhava-se a uma jovem, retinha os cabelos sob adornosperfumados e vestia-se de roupa de mil cores. Depois, rindo-sedo ciúme de Juno, fazia sair dos lábios uma voz feminina. Emseguida, cruzava um pano sobre o peito, e fingia sustentar asrotundidades do seio; e como que para defender o pudor,envolvia o corpo numa faixa de púrpura. O mistério foi inútil;Juno, que lança do alto e de todos os lados o seu inevitávelolhar, surpreendeu todos esses disfarces e zangou-se com osguardas de Baco. Então, colhendo durante a noite as floresmaléficas da Tessália, impôs a eles um sono encantado; depois,destilou-lhes sobre os cabelos essências envenenadas, ungiu-lhes a cabeça com um licor penetrante e mágico, e alterou-lhesa antiga aparência humana. Assumiram, pois, a forma deanimal de longas orelhas. Atrás, nasceu-lhes a cauda de cavalo,e nas têmporas lhes brotou o chifre de boi; os olhos se lhesalargaram nas testas chifrudas. Os maxilares de alvos dentesalongaram-se para o queixo; uma crina esquisita se lhesescapou do pescoço e se lhes estendeu até os pés." Hércules e os centauros Os centauros aparecem freqüentemente na mitologia: osseus costumes selvagens eram bastante conhecidos dos gregose o termo de centauro eqüivalia ao de brutal e feroz. Comexceção do centauro Quíron, tipo absolutamente à parte, e quesabe atirar com o arco, as únicas armas conhecidas doscentauros são tições ardentes de árvores que arrancam, oupedras que colhem. O seu
  • 150. alimento era a carne crua; gostavam da embriaguez. QuandoHércules andava à procura do javali de Erimanto, encontrou ocentauro Folos, que lhe deu hospitalidade e, para lhe dar debeber, o conduziu a um tonel de vinho recebido de Baco. Umapintura de vaso de estilo arcaico nos mostra Hércules cobertocom a pele de leão avançando para o tonel ; o centauro Folos,que o segue, segura na mão a habitual arma dos centauros, istoé, um tronco arrancado da floresta (fig. 483). Mal o aroma do vinho se espalhou pelos ares, os centaurosacorreram de todos os lados, e, reunindo-se tumultuosamentediante da caverna de Folos, exigiram aos brados que lhes fosseentregue o apreciado líquido. Hércules repeliu-os, matando bomnúmero. Esse combate deu origem a várias representaçõesantigas (fig. 484). Na arte dos últimos séculos, Lebrun fez, emtorno do combate de Hércules contra os centauros, umacomposição cheia de vida e de movimento, cuja animaçãocontrasta com as produções da antiguidade nas quais raramentese vê o fogo e a paixão dos artistas modernos (fig. 485). Rapto de Hipodâmia A guerra dos atenienses contra os centauros, por ocasião dorapto de Hipodâmia, constitui também o tema de grande númerode representações. Piritus, desejando desposar Hipodâmia,convidara para as núpcias Teseu e os atenienses; mas convidaraigualmente os centauros, na esperança de que o aspecto delesdistraísse os convivas e alegrasse a festa; mal os centauroscomeçaram a se aquecer com os vapores do vinho, esqueceram-se de toda e qualquer conveniência. Um deles, Eurites, derruboua mesa do banquete e pegou Hipodâmia pelos cabelos, com o fitode a raptar. Os demais centauros, seguindo o exemplo,apoderaram-se das mulheres que lhes agradavam ou
  • 151. que estavam ao alcance das mãos. A festa transformou-seimediatamente, e por toda parte ressoaram gritos de mulheres. Fig. 483 — Hércules e o centauro Folos (segundo uma pintura de vaso). Fig. 484 — Hércules combatendo os centauros (segundo uma medalha antiga). Teseu, então, aproximou-se do centauro Eurites e lhearrancou Hipodâmia. O centauro atirou-se contra Teseu. Pertodo lugar em que se batiam havia um vaso antigo de enormetamanho; Teseu pegou-o e, atirando-o à cabeça de Eurites, lheesmagou o crânio. O centauro, rolando sobre a areia, vomitou,com o sangue. o vinho que acabava de sorver.
  • 152. Os demais centauros, vendo o irmão morrer,enfureceram-se, e animados pelo vinho, servem-se como armasde tudo quanto lhes cai nas mãos. Por toda parte voam vasos,pratos e jarras; tudo quanto servia para o festim se transformaem instrumento de guerra. Após terrível luta, foram oscentauros exterminados. O combate foi representado emgrande número de baixos-relevos, entre outros nas métopas doPartenão. Fig. 485 — Hércules combatendo os centauros. O rapto de Hipodâmia e o castigo do raptor figuramtambém em pinturas antigas (figs. 486 e 487). Vemos ocentauro segurando uma grande pedra para lutar contraTeseu que ergue a maça. Um centauro já batido pelo heróitrata de fugir. O combate de Teseu contra os centauros era consideradopelos atenienses um dos seus títulos de glória durante a idadeheróica. Os episódios estão fixados nas métopas do Partenão.Canova compôs sobre essa luta um famoso grupo, que, noentanto, está longe de possuir a energia do preparado por Bryesobre o mesmo tema.
  • 153. Aqui o herói ateniense salta sobre o centauro cuja cabeçasegura com uma das mãos, enquanto com a outra o golpeia(fig. 488)Fig. 486 — Hipodâmia raptada pelos centauros (segundo uma pintura antiga) Fig. 487 — Teseu combatendo os centauros (segundo uma pintura antiga)
  • 154. Fig. 488 — Teseu e o centauro,
  • 155. CAPÍTULO V O NASCIMENTO DE BACO Cadmo e o oráculo. — Os companheiros de Cadmo. — O dragão de Marte, — Núpcias de Cadmo e Harmonia. — Júpiter e Semeie. — A coxa de Júpiter. — A nutriz de Baco, — Ino e Palemon. Cadmo e o oráculo O rei de Tiro, Agenor. não encontrando sua filha Europa,que Júpiter mandara fosse levada para Creta ordenou ao filhoCadmo que percorresse a terra até descobrir o paradeiro da irmã,e proibiu-lhe voltar à Fenícia sem ela. Cadmo, após buscá-la emvão, foi consultar o oráculo de Apolo para saber o que deviafazer, e dele recebeu a seguinte resposta: "Encontrarás numcampo deserto uma novilha que ainda não suportou jugo nempuxou arado: segue-a, e ergue uma cidade no pasto em que elase detiver. Darás ao lugar o nome de Beócia."
  • 156. Mal Cadmo saiu do antro de Apolo, viu uma vaca que ninguémvigiava e que caminhava lentamente; não lhe notou no cangotesinal nenhum de ,jugo; por conseguinte, seguiu-a. adorando cmrespeitoso silêncio o deus que lhe servia de guia. Passara o rioCefisa e atravessara os campos de Panope, quando a novilha sedeteve e, erguendo a cabeça, mugiu. Em seguida, olhou para osque a tinham seguido, e deitou-se sobre a relva. O fato estárepresentado numa antiga moeda: Cadmo segura a lança ao ladoda novilha, muito tenra. A concha perto de Cadmo indica a suaorigem fenícia (fig. 489) . Fig. 480 — Cadmo e a novilha (segundo uma medalha antiga). Os companheiros de Cadmo Cadmo, após beijar a terra estrangeira e dirigir voto ásmontanhas e às planícies do país, resolveu oferecer umsacrifício a Júpiter, e ordenou aos companheiros que fossembuscar água. Havia nas proximidades urna antiga floresta que oferro jamais tocara, no meio da qual exista uma gruta cobertade espinheiros; a entrada era baixíssima ; e dela jorrava águaem abundância. Tratava-se do retiro do dragão de Marte : omonstro era horrível, tinha a cabeça coberta de escamasamarelas, que
  • 157. brilhavam como ouro, dos olhos saía-lhe fogo e u corpo pareciainchado pelo veneno que continha. Exibia três fileiras deaguçadíssimos dentes e três línguas (lotadas de movimentosincrivelmente rápidos. Mal os companheiros de Cadmo entraram no antro dodragão, com a intenção de tirar água, o ruído que fizeramdespertou o monstro, o qual começou a silvar; os infelizesfenícios foram todos mortos pelo dragão que a uns dilaceravacom os dentes, a outros sufocava, enrodilhando-se-lhes emtorno, ou envenenava com o hálito. O dragão de Marte Entretanto Cadmo, espantado por notar que oscompanheiros não regressavam, tratou de procurá-los.Cobrindo-se da pele de um leão, empunhou a lança e o dardo, eentrou na floresta onde imediatamente percebeu o dragão deMarte, deitado sobre o corpo dos fiéis companheiros, sugando-lhes o sangue. Pegou, então, uma pedra de enorme tamanho, eatirou-a contra o monstro com tal impetuosidade que até asmais fortes muralhas e torres houveram estremecido. A cena está figurada numa pintura de vaso onde vemosCadmo, com a clâmide e o capacete beócio, segui ando na mãoesquerda um vaso para tirar água e na direita uma pedra queatira ao dragão da fonte de Dirceu. Este se levantamedonhamente à entrada da gruta, diante da qual cresce umloureiro. Duas mulheres ricamente vestidas, sem dúvida ninfasda floresta, estão de pé de cada lado da gruta : uma delassegura na mão um ramo, a outra uma taça. No céu, vêem-se asdivindades que assistem à cena, e que, segundo um usoespalhadíssimo entre os pintores de vasos, só apresentam a
  • 158. parte superior do corpo. São elas, começando pela esquerda,Mercúrio, coroado de mirto e empunhando o caduceu, Vênuscompletamente vestida e caracterizada pelo espelho, Pãreconhecível pelos chifres de bode, e um sátiro que traz o tirso ea faixa sagrada. O sol mostra uma parte do seu disco. Enquanto o herói contemplava o enorme tamanho dodragão abatido, ouviu a voz de Palas que lhe ordenava semeasseos dentes do animal nos sulcos que trataria de abrir na terra.Cadmo obedece à ordem da deusa; imediatamente os torrõescomeçaram a mover-se, e deles saiu uma safra de combatentes.Em primeiro lugar saíram lanças, depois os capacetes ornadosde penas; em seguida, perceberam-se os ombros, o peito e osbraços armados dos novos homens, que começaram a lutar unscontra os outros, mal viram a luz. Igual fúria animou o bandointeiro; os infortunados irmãos encharcaram com o sangue aterra que os formara, e mataram-se a ponto de só restaremcinco. Estes passaram a ser companheiros de Cadmo, que osempregou na construção da cidade de Tebas, ordenada pelooráculo. (Ovídio). Núpcias de Cadmo e Harmonia Harmonia, filha de Vênus e de Marte, foi a esposa queJúpiter destinava a Cadmo, e todos os deuses quiseram assistiràs suas núpcias, realizadas na cidade recém-fundada. Cada umdeles levou um presente a Harmonia, e Vênus entregou-lhe,entre outras coisas, um colar que se tornou famoso nas lendastebanas. Segundo certas tradições, Júpiter teria dado Harmoniaa Cadmo, para recompensar o herói pelos serviços recebidos naluta contra Tifão, que descobrira o raio do rei dos deuses econseguira apoderar-se dele.
  • 159. Um baixo-relevo antigo, infelizmente assaz mutilado, nosmostra as núpcias de Cadmo e Harmonia. O herói, cobertoapenas do capacete, está sentado perto da esposa e rodeado porvárias divindades (fig. 490). Fig. 490 — Núpcias de Cadmo e Harmonia (segundo um baixo-relevo antigo). Júpiter e Semele Cadmo teve do seu casamento com Harmonia um filho,Polidoro, e quatro filhas, Autonoe, Ino, Semele e Agave Semelefoi amada de Júpiter e tornou-se mãe de Baco; mas a novapaixão do senhor dos deuses não podia ficar por muito tempooculta a Juno, que resolveu vingar-se antes do nascimento dacriança trazida p r Semele no seio. "A implacável deusa,resolvida a perder a rival, revestiu-se do aspecto de Beroé, avelha nutriz de Semele, e indo visitar a jovem, fez habilmentecom que a conversação recaísse sobre Júpiter. Prouvera ao c& ,disse à filha de Cadmo que seja o próprio Júpiter quem te ama!Mas eu temo por ti: quantas moças não foram iludidas porsimples mortais que se diziam um deus qualquer! Se
  • 160. aquele de quem me talas for verdadeiramente Júpiter, ele saberádar-te provas certas, vindo visitar-te com a majestade que oacompanha, quando se aproxima de Juno." Enganada por tãoartificiosas palavras, a filha de Cadmo pediu a Júpiter que lheconcedesse uma graça, sem especificar qual, e o pai dos deuses edos homens jurou pelo Estige que a concederia. Descontente einquieto com o que ela lhe pedira, mas não podendo retirar umjuramento pelo Estige, reuniu os trovões e os raios e foi visitarSemeie. Mas a habitação de um morta] não poderia resistiràquilo, e mal o deus se aproximou do palácio de Semeie oincêndio se generalizou. A filha de Cadmo ficou reduzida acinzas, e Júpiter mal teve tempo para retirar-lhe do seio omenino que ela ia dar à luz e encerrá-lo na sua coxa, onde ficouaté o dia designado para o nascimento". (Ovídio). Esse menino foi Dionisos, chamado pelos latinos Baco, ouLíber, que assim nasceu duas vezes e foi educado pelas ninfas deNisa. A coxa de Júpiter O poeta Nonnos assim narra o nascimento de Baco, ao sairda coxa de Júpiter: "Entretanto, ao vê-lo sair de Semeie jáqueimada, Júpiter acolheu Baco semiformado fruto de talnascimento produzido pelo raio, encerrou-o na coxa, e águardouo curso da lua que traria a maturidade. Dali a pouco arotundidade amoleceu sob as dores do parto, e o menino, quepassara do regaço feminino ao regaço masculino, nasceu semdeixar uma mãe, pois a mão do filho de Saturno, presidindopessoalmente ao parto, destruiu os obstáculos e soltou os fiosque cosiam a coxa geradora. Mal se livrou do divino parto, asHoras, que lhe haviam estipulado o tempo, coroaram Baco degrinaldas de hera como presságio do futuro.
  • 161. Cingiram-lhe a cabeça carregada de flores e ornada dos chifresde touro (alusão a Baco-Hébon). Depois, tirando-o da colina daDracônia que o vira nascer, Mercúrio, filho de Maia, voou,segurando-o, e foi o primeiro em chamá-lo de Dionisos, comolembrança da sua origem paterna. Com efeito, na língua deSiracusa, Nisos quer dizer coxo, e Júpiter caminhava coxeandoquando trazia na coxa o peso de filho. Chamaram-noigualmente Erafriotes, deus cosido, por ter estado cosido nacoxa do próprio pai (fig. 491). (Nonnos). Fig. 491 — Mercúrio e Baco (segundo uma pintura de vaso). A estranha maneira pela qual Baco veio ao mundo inspiroua Luciano um dos seus diálogos cômicos sobre os deuses. Netuno. — Posso agora, Mercúrio, ver Júpiter? Mercúrio. — Na,. Netuno: Netuno. — Em todo caso, anuncia-me. Mercúrio. — Não insistas, digo-te. O momento não convém, e tu não podes vê-lo agora. Netuno. — Estará com Juno? Mercúrio. — Nada disso: enganas-te. Júpiter está doente.
  • 162. Netuno. — De que doença, Mercúrio? O que me contas éassombroso. Mercúrio. — Tenho vergonha de to dizer, mas é exatamenteisso. Netuno. — Não te pejes em frente de mim, que sou teu tio,afinal. Mercúrio. — Pois bem, Netuno acaba de dar à luz. Netuno. — Dar à luz? Ele? Ora! E como? Quer dizer que nosocultou que tinha os dois sexos... Mas o seu ventre nunca sedilatou! Mercúrio. — Tens razão, porque não era ali que trazia ofilho. Netuno. — Compreendo. Deu à luz pela cabeça, como nocaso de Minerva. Safa, que cabeça fecunda! Mercúrio. — Nada disso! Era na coxa que trazia o filho queteve de Semeie. Netuno. — Ah, excelente deus que traz filhes e dá à luz portodos os lados! Quem é essa Semele? Mercúrio. — Uma tebana, uma das filhas de Cadmo. Júpiteramou-a, e ela concebeu um filho. Netuno. — E depois, Mercúrio? Mercúrio. — Juno, cujo ciúme bem conheces, visitandoSemeie, persuadiu-a a rogar a Júpiter que a fosse ver com ostrovões e os raios; Júpiter consentiu, chegou empunhando osraios, ateou fogo à casa, e Semele pereceu no incêndio. Ordenou-me ele, então, que fendesse o ventre da mulher, e lhe trouxesse oembrião incompleto, que ainda não contava sete meses. Obedeci,Júpiter abriu a coxa e na brecha colocou o menino. Hoje,chegado o terceiro mês, deu-o à luz. Netuno. — E onde está o menino, agora? Mercúrio. — Levei-o a Nisa e confiei-o aos cuidados dasninfas, com o nome de Dionisos. Netuno. — Por conseguinte, Júpiter é simultaneamente pai emãe desse Dionisos. Mercúrio. — Naturalmente. Mas vou levar-lhe, nestemomento, água para lavar a ferida, e ajudá-lo em tudo quanto épreciso nessas ocasiões." Cita Diodoro de Sicília algumas das explicações dadas noseu tempo sobre o segundo nascimento ou encarnação de Baco.Segundo uns, tendo a vinha desaparecido pelo dilúvio deDeucalião, reapareceu na terra, quando as
  • 163. chuvas cessaram. Ora, a vinha nada mais é do que Baco que emostrou aos homens segunda vez, após ter sido conservadopor algum tempo na coxa de Júpiter, segundo a fórmulamitológica. Diziam outros que Baco nascia realmente duasvezes, contando como primeiro nascimento a germinação daplanta, e como segundo a época em que a vinha dá uvas.Enfim, os que acreditavam na realidade histórica dapersonagem sustentavam que havia vários Bacos, reunidospela credulidade popular num único. Fig. 492 — Baco lavado pelas ninfas (segundo um baixo-relevo antigo) . O segundo nascimento de Baco foi tema de numerosasrepresentações plásticas. Num vaso arcaico do BritishMuseum de Londres, vemos Júpiter com a coxa enfaixada.Num espelho etrusco, vemos Júpiter sentado, empunhando ocetro; o jovem Baco sai-lhe da coxa. Atrás de Júpiter, umaparca alada preside ao nascimento do menino e assinala oinstante. Baco é recebido por uma ninfa que lhe estende osbraços, e atrás dela fica Apolo, segurando um ramo de loureiro(fig. 493). É assim, diz Nonnos, que em conseqüência desses partossobrenaturais, Mercúrio, seu aliado, leva nos braços o meninojá semelhante à lua e que não verte uma lágrima. Incumbiuele as ninfas, filhas do rio Lamos, de cuidar do enjeitado deJúpiter, de cabeleira ornada de
  • 164. cachos de uvas. Elos o acolheram nos braços e cada uniaofereceu o leite do seu seio. Deitado nos joelhos delas, e jamaisdormitando. o deus lançava constantemente o olhar para o céu,e divertia-se batendo o ar com os pés. À vista do pólo, novo paraele, observava com estupefação a rotundidade dos astros dapátria, e sorria." (Nonnos). Um baixo-relevo do Capitólio nos mostra as ninfasocupadas em lavar o pequenino Baco que uma delas tem nosjoelhos, enquanto a outra verte água num vaso. No mesmomomento, vemos à direita Baco um pouco maior, e divertido poralguns sátiros, e à esquerda, está ele montado num cabrito etraz nos ombros o cisto místico, seguindo um sátiro que conduzo cabrito (fig. 492). A nutriz de Baco "Mas em breve, diz Nonnos, a esposa de Júpiter notou ofilho divino, e zangou-se. Por efeito da sua terrível cólera, asfilhas de Lamos enfureceram-se sob a vergasta da péssimadivindade. Em suas casas, precipitavam-se contra os que asseguissem; nas encruzilhadas, degolavam os viajantes.Lançavam gritos horríveis, e no meio de violentas convulsões, osseus esgares lhes desfiguravam o rosto; corriam de um lado aoutro, entregues ao frenesi, umas vezes girando e saltando,outras fazendo esvoaçar ao vento a cabeleira. Os véus açafroadosdo peito tornavam-se brancos sob a espuma que lhes caía daboca. Na sua demência, teriam despedaçado o próprio Baco,ainda menino, se Mercúrio, deslizando passo a passo e em silên-cio, não o tivesse raptado segunda vez para depô-lo na casa deIno, que havia pouco dera à luz. Acabava ela de dar à luz o filhoMelicerte, e estava a acalentá-lo; o seio regurgitava-lhe de leite. Odeus falou-lhe com voz afetuosa: "Mulher, eis aqui um menino;recebe-o. É o
  • 165. filho de tua irmã Semeie. Os raios do quarto nupcial não oatingiram. e as faíscas que perderam sua mãe o pouparam.Deixa-o ficar ao pé de ti, oculto, e cuida de que nem o olho doSol, durante o dia, nem o da Lua, durante a noite, o vejam forado teu palácio. Senão, Juno será capaz de o descobrir." Assimfalando, Mercúrio, agitando nos ares as ágeis asas talares, voa edesaparece nos céus. Ino obedece; e ternamente abraça Baco,privado de mãe, e oferece o seio a ele e ao filho (fig. 494). Fig. 493 — Nascimento de Baco (segundo um espelho etrusco). Um belo baixo-relevo, esculpido em torno de uma craterado museu de Nápoles, mostra Ino, a quem Mercúrio, seguido desátiros e de mênades, leva o divino filho. Atrás de Ino, estão depé seu esposo Atamas e suas duas irmãs, Agave e Autonoe. "Ino confiou Baco à particular vigilância da ninfa Místis, ade luxuosa cabeleira, que Cadmo criara, desde a infância, parao serviço íntimo de Ino. Ela é que tirava
  • 166. menino do seio onde se alimentava, e o encerrava em tenebrosoesconderijo. Mas a resplendente luz da testa anunciava, por si,o enjeitado de Júpiter: os muros mais sombrios do palácio seiluminavam, e o esplendor do invisível Baco dissipava todas astrevas, Ino, durante toda a noite, assistia aos folguedos domenino; e muitas vezes Melicerte, inseguro, engatinhava emdireção a Baco, que balbuciava o grito de Evoé, e ia sugar comos lábios rivais Fig. 494 — Mercúrio entregando Baco a uma ninfa. Fig. 495 — Mercúrio pega o menino Baco que sai da coxa de Júpiter (segundo um baixo-relevo do museu Pio-Clementino).
  • 167. o seio vizinho. Após o leite da ama, Místis dava ao jovem deus osdemais alimentos e vigiava-o sem nunca adormecer. Hábil noseu inteligente zelo, e exercitada na arte mística cujo nometrazia, foi ela que instituiu as festas noturnas de Baco; foi elaque, para expulsar das iniciações o sono, inventou o tamborim,os guizos ruidosos e o duplo bronze dos ensurdecedorescímbalos. Foi a primeira em acender os archotes para iluminaras danças da noite, e fez ressoar Evoé em honra de Baco amigoda insônia. Foi também a primeira, curvando as hastes dasflores em grinalda, a cingir a cabeleira de uma faixa depâmpanos, e teceu a hera em torno do tirso; depois, ocultou-lhea ponta de ferro sob as folhas, para que o deus se não ferisse.Quis que os falos de bronze fossem presos aos seios nus dasmulheres, e aos seus quadris as peles de cervos; inventou o ritodo cesto místico, todo repleto dos instrumentos da divinainiciação, brinquedos da infância de Baco, e foi a primeira emprender em volta do corpo essas correias entrelaçadas, derépteis. (Nonnos). "Foi ali, sob a guarda e sob os numerosos ferrolhos dadiscreta Místis, num canto do palácio, que os olhares infalíveisda desconfiadíssima Juno descobriram Baco. Jurou ela, então,pela onda infernal e vingadora do Estige, que inundaria dedesventuras a casa de Ino; e sem dúvida teria exterminado opróprio filho de Júpiter, se Mercúrio, prevenido, o não tivesseimediatamente levado às alturas da floresta de Cibele; Juno paralá correu com toda a velocidade dos seus pés. Mas Mercúriochegou antes, e levou o deus chifrudo à deusa." (Nonnos). Ino e Palemon Entretanto Juno, que não conseguira atingir Baco,perseguiu com a sua cólera os que estavam ligados ao deus. Amorte de Semeie, mãe de Baco, não lhe bastava. Quis ela aindagolpear Ino, irmã de Semeie, que servira
  • 168. de nutriz a Baco. Ino orgulhava-se de ser filha de Cadmo emulher de Atamas, rei de Tebas, a quem dera vários filhos.Juno desceu aos infernos em busca de Tisífona, uma dasFúrias, e ordenou-lhe que afligisse de loucura furiosa Atamas eIno. A serva de Juno mal entra no palácio faz com que, tanto orei como a rainha, sintam os terríveis efeitos da sua presença.Atamas, acometido de súbita fúria, corre pelo palácio, gritando:"Coragem, companheiros, estendei as redes nesta floresta;acabo de perceber uma leoa com dois leõezinhos". Põe-se, então,a perseguir a rainha que ele supõe ser um animal feroz,arranca-lhe dos braços o jovem Learco, seu filho, o qual,divertindo-se com o arrebatamento do pai, lhe estendia osbraços, e, fazendo-o girar duas ou três vezes, atira-o contra umaparede, esmagando-o. Depois, ateia fogo ao palácio. Ino, tomadade semelhante furor, por efeito da dor que lhe causara a mortedo filhinho, ou pelo fatal veneno espalhado sobre ela porTisífona, dá gritos horríveis, trazendo ao colo Melicerte, edizendo: Evoé, Baco! Juno sorri quando ouve pronunciar onome desse deus. "Que teu filho, diz-lhe ela, te auxilie a passaro tempo nessa fúria que te possui." À margem do mar, encontra-se um rochedo escarpado,cujo fundo serve de refúgio às águas que o cavaram; o alto estáeriçado de pontas e avança bastante para o mar; Ino, a quem ofuror dava novas forças, monta sobre esse rochedo e seprecipita com Melicerte: as ondas que a recebem se cobrem deespuma e a sorvem. (Ovídio). Vênus, que era aliada da família de Cadmo por sua filhaHarmonia, foi ao encontro de Netuno e, mediante os cuidadosde ambos, Ino e Melicerte, perdendo o que tinham de mortal,tornaram-se divindades marinhas. Ino tomou, então, o nome deLeucotéia e Melicerte o de Palemon. Vários monumentos fixamtal aventura. Numa moeda de Corinto, vemos Ino apresentandoa Netuno seu filho Melicerte, e noutra vemos Melicertetransportado por um delfim (figs. 496 e 497). Finalmente, uma soberba estátua antiga representaLeucotéia, sob a forma de Ino, nutriz de Baco, segurando nosbraços o divino filho (fig. 498).
  • 169. Mal a notícia de tais fatos se espalhou pela cidade, asdamas tebanas correram à margem do mar em busca da rainhae, seguindo-lhe as pegadas, chegaram ao rochedo de onde ela sehavia atirado. Na aflição que lhes causa tão trágico desfecho,rasgam as vestes, arrancam os cabelos, e deploram asdesventuras da infeliz casa de Cadmo, zangam-se com Juno, ecensuram-lhe a injustiça e crueldade. Fig. 496 — Ino e seu filho (segundo uma moeda de Corinto). Fig. 497 — Palemon no delfim (segundo uma moeda antiga). A deusa, ofendida com as suas queixas, diz-lhes: "Ides servós outras os mais terríveis exemplos dessa crueldade que tantome censurais." O efeito segue-se à ameaça. A que maisafeiçoada fora a Ino, prestes a lançar-se ao mar, imobiliza-se evê-se presa ao rochedo. Outra, enquanto fere o próprio seio,sente os braços tornarem-se duros e inflexíveis. Outra, com osbraços estendidos para o mar, não mais consegue movê-los. Emais outra, que estava arrancando os cabelos com as mãos,sente que estas, e os cabelos se transformam em pedra.
  • 170. A maioria sofre mudança análoga e fica na mesma atitude emque estavam no momento da metamorfose. As demaiscompanheiras da rainha, transformadas em aves, desde entãoesvoaçam no mesmo lugar e roçam as ondas com a ponta dasasas. (Ovídio). Fig. 498 — Leucotéia.
  • 171. CAPÍTULO VI EDUCAÇÃO DE BACO Baco na corte de Cibele. — A infância de Baco. — Baco e Ampelos. Baco na corte de Cibele Vimos que o jovem deus, após inúmeras peripécias,acabou por ser conduzido a Cibele. Um baixo-relevo do Louvre nos mostra uma variante danarração de Nonnos. Vemos ali Cibele ou Réa, com a cabeçacoroada de torres, que acolhe o jovem Baco; mas em lugar deMercúrio, são as ninfas que apresentam o menino à deusavisível apenas a meio corpo, por sair da terra da qual épersonificação. Júpiter assiste à cena e contempla o filho comolhos satisfeitos (fig. 499). Segundo outra tradição, Baco teria ido procurar Cibelesem outro auxílio, a não ser o dele próprio. Juno, que nãoconseguia perdoar-lhe ser filho de Júpiter, feriu-o de loucurana infância, e o jovem deus quis, para curar-se,
  • 172. ir consultar o oráculo de Dodona, mas um lago formadosubitamente lhe obstaculou a passagem. Logrou, contudo,atravessar, graças ao burro no qual estava montado, e em brevesoube que Cibele lhe devolveria a saúde, iniciando-o nos seusmistérios. Após errar por algum tempo presa do delírio, chegou àFrigia, onde Cibele o curou realmente, ensinando-lhe o seu culto.O uso dos címbalos, dos archotes, dos animais ferozes paraconduzir o deus, provém com efeito dos cultos orientais. Fig. 499 — Baco acolhido por Cibele (segundo um baixo-relevo do Louvre). A infância de Baco Nonnos, a quem é preciso sempre recorrer, quando se tratade Baco, assim narra a maneira pela qual se passaram os anosda sua infância: "A deusa criou-o, e, bem mocinho ainda, o fezmontar no carro puxado por ferozes leões... Aos nove anos, jápossuído da paixão
  • 173. da caça, ultrapassa na corrida as lebres; com a sua mãozinha,dominava o vigor dos veados malhados; trazia sobre o ombro otigre intrépido de pele malhada, livre de qualquer laço, emostrava a Réa (1) nas mãos os filhotes que acabara dearrancar ao leite abundante da mãe ; depois, arrastava terríveisleões vivos; e, fechando-lhes entre os punhos os pés reunidos,dava-os de presente à mãe dos deuses, a fim de que ela osmandasse atrelar ao seu carro. Réa observava sorrindo eadmirava tal coragem e tais feitos do jovem deus, ao passo queà vista do filho vencedor de formidáveis leões, os olhos paternaisde Júpiter irradiavam maior alegria ainda. Baco, malultrapassou o limite da infância, revestiu-se de suaves peles, eornou os ombros com o envoltório malhado de um veado,imitando as variadas manchas da esfera celeste. Reuniu lincesnos seus estábulos da planície da Frígia, e atrelou ao seu carropanteras, honrando a imagem cintilante da morada dos seusmaiores. Foi assim que, desde cedo, desenvolveu o gostomontanhês ao pé de Réa, amiga das elevadas colinas; nos picos,os pãs rodeiam nos seus giros o jovem deus, também hábildançarino; atravessam os barrancos com os seus pés peludos,e, celebrando Baco nos seus tremendos saltos, fazem ressoar ochão debaixo dos seus pés de bode." (Nonnos). Vários monumentos se prendem à educação de Baco, esobretudo à sua primeira infância. Um dos mais característicosé uma terracota onde vemos o pequenino Baco no berço: umfauno segurando o seu tirso e uma bacante agitando o seuarchote executam uma dança báquica em torno do menino (fig.500). A arte dos últimos séculos se apoderou naturalmentedesse tema que tão bem convinha à pintura e à escultura. LePoussin é, dentre todos os nossos artistas, o que melhorcompreendeu o espírito da mitologia. Um dos seus melhoresquadros, nesse gênero, é a Educação de Baco. O menino divinoestá entretido em beber o suco da uva que um sátiro esmaganuma taça de ouro, enquanto alguns cupidos brincam com umacabra, ou descansam no seio das ninfas do bosque (fig. 501)._______________________ (1) Diz o autor às vezes Cibele e outras Réa. Na época em que viviaNonnos, reinava completa confusão entre a mãe de Júpiter e a deusa daFrígia.
  • 174. Fig. 500 — Berço de Baco (terracota antiga).Fig. 501 — Educação de Baco (segundo um quadro de Poussin, museu do Louvre).
  • 175. Baco e Ampelos Quando Baco estava na Ásia Menor, banhando-se com ossátiros nas águas do Pactolo e brincando com eles nas costas daFrigia, ligou-se .da mais estreita amizade com um jovem sátirochamado Ampelos. Em breve, tornaram-se inseparáveis; masum touro furioso matou um dia o infeliz Ampelos, e Baco, nãopodendo consolar-se, derramou ambrósia nos ferimentos doamigo que foi metamorfoseado em vinha, e é precisamente essedivino suco que deu à uva a qualidade embriagadora. (Nonnos) . Baco, realmente, colheu um cacho de uvas e, espremendoo suco, disse: "Amigo, a partir deste instante serás o remédiomais poderoso contra as dores humanas." Um baixo-relevo antigo do museu Pio-Clementinorepresenta Baco e Ampelos, ambos cingidos de uma grinalda, erodeados de panteras que brincam aos seus pés. Vemosigualmente no chão máscaras, uma cabeça de carneiro e umcesto místico. Algumas bacantes e alguns sátiros executam assuas danças em torno do deus, e entre eles notamos um velhocamponês, segurando um cabrito e várias serpentes, ereconhecível pela túnica cingida de cordões paralelos, dos quaispendem campainhas. Ampelos, a personagem colocada ao ladode Baco, é uma personificação da vinha (fig. 502). Foi então que Baco começou a percorrer o Oriente: noEgito, vemo-lo em relação com Proteu; na Síria, luta contraDamasco, que se opõe à introdução da cultura da vinha.Vencedor, continua a viagem, atravessa os rios sobre um tigre,lança uma ponte sobre o Eufrates, e empreende a gigantescaexpedição contra os indianos.
  • 176. Fig. 502 — Baco e Ampelos (segundo um grupo antigo).
  • 177. CAPÍTULO VII A LENDA HERÓICA DE BACO A conquista da índia. — Baco em Tebas. — Os marujos de Acetes. — Penteu dilacerado pelos bacantes. — Cadmo metamorfoseado em serpente. — As filhas de Mínias. — Baco e Licurgo. — Baco e Perseu. — Baco e Erígone. A conquista da Índia A lenda heróica de Baco parece ser apenas a história daplantação da vinha, e a narração dos efeitos produzidos pelaembriaguez, desde que o vinho se tornou conhecido. O temordesses terríveis efeitos explica naturalmente a oposição que selhe depara por toda parte, quando ensina aos homens o uso dovinho por ele personificado. O culto de Baco apresenta grandes relações com o deCibele, e o caráter ruidoso das suas orgias relembra
  • 178. a algazarra que se fazia em homenagem à deusa. Mas a históriada conquista da índia dá às tradições em torno de Baco umcaráter especialissimo. Segundo vários mitólogos, as narraçõesque a isso se prendem só se teriam popularizado após aconquista de Alexandre. Creuzer considera, pelo contrário, essahistória bastante antiga. Nessa expedição memorável, as ninfas, os rios e Sileno,sempre montado no seu burro, formavam o cortejo particular dodeus, mas o cortejo era engrossado por numeroso bando de pãs,de faunos, de sátiros, de curetes e de seres estranhos, dos quaisnos dá Nonnos uma nomenclatura pormenorizada no seu poemadas Dionisíacas. Toda essa narração apresenta caráter fantásticoe maravilhoso. Quando o rei da índia, Deríades, quis atirar-secontra Baco, uns pâmpanos que brotavam da terra lheenlaçaram subitamente os membros e lhe paralisaram osesforços : quando o exército do deus se encontra nas margens deum rio, o rio se transforma em vinho, a um sinal do deus, e osindianos sedentos que pretendem beber são imediatamentetomados por um delírio desconhecido. Fig. 503 — Baco sobre a pantera (pintura de vaso) . "À voz do indiano, diz Nonnos, os seus negros compatriotasacorrem em multidão às margens do rio de suave perfume. Um,firmando ambos os pés no limo,
  • 179. mergulhado até o umbigo nas vagas que o banham por todaparte, se mostra semi-inclinado, peito recurvado sobre acorrente, e dali sorve, no oco das mãos, a água que destila omel. Outro, perto da embocadura, possuído de ardente sede,mergulha a longa barba nas ondas purpurinas, e, estendendo-se sobre o chão da margem, aspira profundamente o orvalho deBaco. Este, debruçado, aproxima-se da fonte tão vizinha, apóiaos braços na areia úmida, e recebe nos lábios sedentos o fluxodo licor que mais sede ainda lhe dá. Os que só têm à mão ofundo do pote quebrado, retiram o vinho com uma concha.Grande número bebe na torrente vermelha, e enche as taçasrústicas dos pastores dos campos. Após assim sorverem o vinhoà vontade, vêem as pedras duplicar-se, e julgam que a água seescoa por dois lados; entretanto, o rio continua a murmurar noseu curso e a fazer ferver as águas, enquanto as margensembalsamadas enviam uma à outra as vagas da deliciosabebida. Uma torrente de embriaguez inunda o inimigo. Esteextermina a raça dos bois, como se estivesse ceifando a geraçãodos sátiros. Aquele persegue os bandos de veados de cabeçasalongadas, e julga-os, em virtude da sua pele simetricamentemanchada, o bando das bacantes, enganado pelas nébridaselegantes com que elas se adornam. Um guerreiro, dando altosbrados, agarra-se a uma árvore que ele golpeia de todos oslados, e, percebendo que os ramos ondulam movidos pelo vento,abate as pontas dos ramos mais tenros, e fende assim afolhagem de copado carvalho, julgando estar a cortar com ogládio a intacta cabeleira de Baco. Luta contra a folhagem e nãocontra os sátiros; e na sua alegria imbecil, conquista contra asombra uma sombra de vitória. Outros indianos,irresistivelmente transportados pelos vapores que entontecem oespírito, imitam com os gládios, as lanças e os capacetes, osjúbilos guerreiros dos coribantes, e na sua dança das armasbatem em torno os escudos. Um se deixa levar pelos cantos damusa báquica, e salta como nos coros dos sátiros; outro seenternece com o som do tamborim, e no seu gosto impelido aodelírio pelo sonoro ruído, atira ao vento a aljava inútil." Um vaso grego nos mostra o rei dos indianos, abatido porBaco, que segura o tirso e a cepa. Contudo, o
  • 180. combate só raramente é que aparece nos monumentos antigos;mas vemos ali freqüentemente cenas relativas ao triunfo de Bacoe do seu exército. Quase sempre se trata de prisioneirosindianos, de mãos agrilhoadas, marchando em companhia doselefantes e dos tigres do pais e escoltados por mênades ebacantes (fig. 504). Fig. 504 — Regresso da conquista da índia. Um baixo-relevo do museu Chiaramonti representa Baco,sentado num trono com Pã ao lado. O rei Deríades está preso eprosterna-se diante do jovem deus, enquanto alguns indianos seamontoam aos pés dos cavalos e dos centauros, que arrastamem carros Sileno e as bacantes. Noutro monumento vemos umleão seguido de dois camelos levando um indiano e uma indiana,símbolo dos povos submetidos. Vem em seguida o carro dotriunfo, puxado por dois elefantes e trazendo Baco vencedor,apoiado ao fiel Ampelos, e rodeado pelo seu cortejo. O velhoSileno embriagado, sobre o seu burro, figura freqüentementenessas pompas triunfais. Temos no Louvre dois baixos-relevossobre a conquista da índia: um deles representa o combate, ooutro o triunfo. No primeiro, Baco, a cavalo, acaba de abater umdos inimigos e está às voltas com outros dois. Uma mênades,situada ao lado do jovem deus, tem perto um cesto (ou cistomístico) do qual sai uma serpente. Na mesma cena, depara-se-nos um elefante com alguns indianos, um dos quais se abate emvirtude do ferimento que acaba de sofrer, enquanto outro ergue obraço pai a implorar perdão, e um terceiro oferece
  • 181. ao deus vitorioso uma coroa de flores. No triunfo de Baco, vemoso jovem conquistador da índia, indolentemente deitado no seucarro triunfal puxado pelas panteras conduzidas por Sileno; umcupido está montado nelas. O carro é precedido por sátiros,mênades tocando címbalos, ou batendo o tamborim. amazonasde capacete, e seguido (Te um elefante trazendo prisioneirosindianos. O regresso da conquista da Índia aparece igualmentena arte dos últimos séculos, e há na Galeria Nacional de Londresum admirável quadro de Ticiano sobre o tema. Fig. 505 — Baco e Pã (segundo um fragmento de baixo-relevo antigo). Baco em Tebas Após percorrer a Ásia, Baco, que nascera em Tebas, quistambém que esta cidade fosse a primeira da Grécia e conhecer-lhe o culto: disso é que lhe provém o nome de Baco tebano,
  • 182. No começo da tragédia das bacantes, de Euripides, Baco dáa conhecer a sua encarnação e a sua chegada a Tebas. "Eis-menesta terra dos tebanos, eu, Baco, gerado pela filha de Cadmo,Semele, após ser visitada pelo fogo dos raios; deixei a formadivina por outra mortal e venho visitar a fonte de Dirce e aságuas de Ismenos. Vejo perto deste palácio o túmulo de minhamãe atingida pelo raio, e as ruínas fumegantes de sua morada, ea chama do fogo celeste ainda viva, eterna vingança de Junocontra minha mãe. Aprovo a piedade de Cadmo, que, tornandoeste lugar inacessível aos pés dos profanos, o consagrou à filha;e eu o sombreei por toda parte de pâmpanos verdejantes. Deixeios vales da Lídia, onde abunda o ouro, e os campos dos frígios;atravessei as planícies ardentes da Pérsia e as cidades daBactriana, a Média coberta de pedras e a feliz Arábia, e a Ásiainteira, cujo mar salgado banha as margens cobertas de cidadesflorescentes, povoadas simultaneamente por uma mistura degregos e de bárbaros, e é essa a primeira cidade grega em queentrei após ter conduzido para lá as danças sagradas e celebradoos meus mistérios, para manifestar a minha divindade aosmortais. Tebas é a primeira cidade da Grécia em que fiz ouvir osbrados das bacantes cobertas da nébrida e armadas do tirsoenvolto em hera." Os marujos de Acetes Um dia, um navio proveniente da Lídia deteve-se na ilha deNaxos. Acetes, o capitão, ordenou aos marujos que fossem à ilhabuscar água, e eles lhes levaram um menino de singular belezaencontrado em lugar deserto; o menino, ainda adormecido equase embriagado, só caminhava cambaleando e penava paraacompanhá-los. Pelo seu aspecto e pelo seu passo, o capitãoassegurou aos
  • 183. companheiros que ele só poderia ser uma divindade. Mas osmarujos, não partilhando do entusiasmo do capitão, declararamque o menino lhes pertencia, uma vez que o haviam descoberto,e que tinham a intenção de vendê-lo, certos de que lograramobter excelente preço. Acetes tentou opor-se a tal projeto,dizendo que não permitiria se embarcasse o menino, mas aequipagem, não desejando largar a presa, revoltou-se e fez-se aolargo. Mal o navio chegou ao alto mar, deteve-se. Os marujos.espantados, remaram com mais força, e estenderam todas asvelas, esperando fazer com que o barco navegasse; mas umasfolhas de hera cobriram imediatamente os remos, e, agarrando-se também às velas, as impediram de desempenhar o seu papel.Baco, em pessoa, apareceu naquele momento coroado de cachosde uvas, segurando na mão o tirso e rodeado de tigres, linces epanteras, como tem o hábito de fazer. No mesmo instante, oscompanheiros de Acetes viram-lhes a pele recobrir-se deescamas de peixe, e os membros transformar-se em nadadeiras.Estavam metamorfoseados em delfins, e, soprando pelas ventasa água que tinham engolido, saltavam em torno do navio ondeAcetes, o único que conservara a forma humana, estavaestupefato. O jovem deus tranqüilizou-o e ordenou-lhe quesingrasse em direção a Naxos. Mal chegou, acendeu fogos nosaltares do deus e pôs-se a celebrar-lhe os mistérios. A aventurade Acetes e da sua equipagem está representada numa série depequenos baixos-relevos que decoram o monumento deLisícrates em Atenas; vemos ali os marujos transformados emdelfins, atirando-se ao mar. Fig. 506 — Um companheiro de Acetes.
  • 184. Penteu dilacerado pelas bacantes Penteu, neto de Cadmo, e rei de Tebas, quis opor-se àchegada de Baco no seu país. Os campos começavam a ressoarcom o ruído que acompanha a celebração do jovem deus, cujapróxima vinda estava anunciada, e todos se apressavam em veros mistérios até então desconhecidos. Generosos filhos de Marte,exclama Penteu, que fúria vos possui? O tumulto confuso dosinstrumentos de bronze e das flautas, vãos encantamentos, vosfarão perder a razão? Nunca vos assombraram nem o fragor dasarmas nem a vista dos dardos e das flechas; os batalhõesarmados sempre vos encontraram invencíveis; deixar-vos-eisvencer por mulheres, por um bando de homens efeminados,enlouquecidos pela embriaguez, que fazem estremecer os arescom o som dos seus tambores? Sois vós os sábios anciães queatravesssaram tantos mares para virem com os seus deusespenates estabelecer-se neste país, e aqui construir uma novaTiro? Hoje, deixar-vos-eis vencer sem combater? Se os destinosresolveram a ruína de Tebas, caia esta sob o esforço dos seusinimigos; empreguem-se, para a sua destruição, as máquinas deguerra, o ferro e o fogo; pelo menos se acontecer que sejamosvencidos, seremos infelizes sem ser culpados, e as nossaslágrimas poderão correr sem vergonha. Mas hoje esta cidade vaitornar-se conquista de um menino fraco e desarmado, de umjovem efeminado que não ama a guerra, que não ama oscombates, que não ama o manejo dos cavalos, e que semprevemos perfumado, coroado de hera, e vestido de uma túnica deouro e púrpura. Se vos não opuserdes ao meu desígnio, hei deforçá-lo a confessar a impostura da sua origem e dos seusmistérios. Acrísio não teve, por acaso, coragem bastante paradesprezar esse deus imaginário, e para lhe recusar a entrada deArgos? Será preciso que esse forasteiro faça tremer hoje Penteu etoda a cidade de Tebas?" (Ovídio). Penteu ordena, então, aos oficiais que se apoderem do deus,desde o instante em que chegue, e que lho levem agrilhoado. Afamília, no entanto, opunha-se-lhe, e todos
  • 185. quantos o rodeavam buscavam fazer com que mudasse deopinião. Os oficiais não tardam em regressar, conduzindo umprisioneiro, imediatamente atirado à prisão, mas enquanto sepreparam os instrumentos de suplício, os grilhões de que oprisioneiro está carregado tombam sem que ninguém os hajadespedaçado, as portas da prisão se abrem por si, e a cela seesvazia. Penteu percebe com que inimigo tem que lutar; mas longede desanimar, encoleriza-se a inda mais. Ele próprio querenfrentar o deus e parte para o monte Citeron, onde secelabram as suas orgias. A primeira bacante que reconhece ésua própria mãe, secretamente iniciada nos mistérios de Baco, eque, na embriaguez do delírio, não reconhece o filho. Toma-opor um monstro que vem perturbar a orgia báquica, e brada:"Eis aqui o espantoso javali, ei-lo aqui !" As companheirasdescabeladas, acorrem, dando altos gritos e o dilaceram,arrancando-lhe os membros. Quando em Tebas se sabe da sortedo desventurado rei, as mulheres da cidade correm aos altaresde Baco. e todo o povo lhe reconhece o culto. Uma pintura de vaso representa Penteu dilacerado pelasbacantes. Sua mãe, Agave, lhe arranca um braço; Ino agarra-opor uma das pernas; Autonoe e o bando furioso o atacam portodos os lados e a pantera de Baco participa também do feito,dilacerando a perna do infeliz Penteu. Nas duas extremidadesda composição, vemos, de um lado, centauros que voltam acabeça, fazendo música, de outro, a ninfa do Citeron que seguraa sua urna e está acompanhada de uma grande serpente,símbolo báquico (fig. 507). Cadmo metamorfoseado em serpente Após as espantosas desgraças que se abateram sobre asua família, Cadmo abandonou a cidade que fundara, e, depoisde errar por longo tempo por diversos países,
  • 186. chegou à Ilíria, com Harmonia, sua mulher, que jamais oquisera abandonar. Abatidos ambos pelas desventurasconversavam sobre as calamidades da casa. Cadmo, lembrando-se do dragão que matara e refletindo que, sem dúvida, estavaconsagrado a alguma divindade que agora o perseguia, suplicouaos deuses vingadores que lhe pusessem cobro aos pesares,metamorfoseando-o em serpente Mal terminou a prece,percebeu que o corpo se lhe ia mudando, e a pele endurecendo;e as pernas, que se unem, passam a formar uma longa cauda.Visto que os braços ainda não haviam experimentado a mesmametamorfose, estende-os a Harmonia e roga-lhe que o abrace,enquanto pode, antes que o corpo inteiro se lhe mude emserpente. Fig. 507 — Penteu dilacerado pelas bacantes (segundo uma pintura de vaso).Quis falar mais, porém, tendo-se fendido a língua, não proferiupalavras distintas e só logrou exprimir os seus queixumesmediante silvos; é a única voz que a natureza lhe concedeu."Caro Cadmo, exclama Harmonia, esposo infortunado, que tesucedeu? Ah, permitam os deuses que eu experimente a mesmamudança! Enquanto dava vazão às queixas, e enquanto o esposocontinuava a acariciá-la, ela própria se transformou emserpente. O prodígio encheu de assombro os companheiros deCadmo que estavam presentes. As duas serpentes, de cabeçaerguida, após se acariciarem, rastejaram por algum tempo umaao lado da outra, e penetraram a floresta mais próxima. A partirdaquele momento, tais serpentes não
  • 187. evitam a companhia dos homens e não lhes fazem mal nenhum;meigas e tranqüilas ainda se lembram do que foram noutrasépocas.” (Ovídio). Segundo outras tradições, não teria sido voluntariamenteque Cadmo se retirou para a Ilíria; pelo contrário, teria sidoobrigado a afastar-se com a família e os amigos, em virtude deuma sedição popular. Anfião, protegido de Apolo, que ergueu osmuros de Tebas ao som da lira, foi rei da região, e o suplício queinfligiu a Dirce indica certas lutas políticas que bem poderiamter tido igual-mente um caráter religioso. Mas é sempre dificílimodiscernir qual o fundo histórico dissimulado nas lendas quesempre nos apresentam o culto de Baco a se estabelecer com amaior dificuldade. Termina, contudo, por se firmar em Tebascomo no resto da Grécia, e a lenda das filhas de Mínias pareceser a última manifestação de uma oposição feita ao deus dovinho. As filhas de Mínias Enquanto o culto de Baco já era reconhecido em toda aGrécia, as filhas de Mínias se obstinavam em negar-lhe adivindade. Em vez de assistirem às festas do deus ficavam emcasa, trabalhando e rindo-se dos mistérios sagrados. Uma noite,estando a se divertir à custa de Baco e do seu culto, ouviramsubitamente um ruído confuso de tambores, flautas e clarins,que as assombrou, tanto mais que não conseguiram enxergaralma viva Um perfume de mirra e de açafrão se espalhou peloquarto, e a tela que estavam tecendo não tardou em se cobrir devegetação, produzindo pâmpanos e folhas de hera. O fio queacabavam de empregar converteu-se em cachos de uvas, e asuvas revestiram-se da cor da púrpura espalhada pelo trabalho.
  • 188. Já se estava na hora do dia em que as trevas que começama invadir tudo e a luz que se vai nos deixam sem saber se aindaé dia ou se já é noite, quando um medonho estrondo sacudiu acasa inteira, que imediatamente foi vista repleta de archotesacesos e de outros mil fogos; ouviram-se berros, como se a casaestivesse cheia de animais ferozes. As filhas de Mínias,terrorizadas, trataram de se esconder para se protegerem do fogoe da luz; mas enquanto buscavam os recantos mais secretos dacasa, uma membrana extremamente tênue lhes cobre o corpo, easas finíssimas se lhe estendem sobre os braços. A obscuridadeque reina nos lugares em que se ocultaram as impede de notarque mudaram de aspecto. Entretanto, sobem ao ar, onde, semterem pernas, se sustentam com asas compostas de uma pelemuito fina e transparente. Querem falar, mas emitem apenas umdébil som, proporcionado à pequenez do corpo; uma espécie demurmúrio queixoso é toda a voz que lhes resta para exprimir ador. O ambiente das casas continua a lhes agradar, e nãogostam dos bosques, como as demais aves; inimigas da luz daqual sempre fogem, só voam de noite. São morcegos. (Ovídio). Baco e Licurgo Enquanto isso, Baco, tendo levado o seu culto à Trácia, foiperseguido pelo rei do país, chamado Licurgo, o qual muitoprovavelmente assustado pelos efeitos da embriaguez, mandarafossem arrancadas todas as vinhas. Baco viu-se obrigado, parasalvar-se, a atirar-se ao mar, onde foi acolhido por Tétis, a quemdeu, como recompensa pela hospitalidade, uma taça de ourofeita por Vulcano. Todas as bacantes e os sátiros que o haviamacompanhado foram lançados à prisão. Foi por castigo a tal feitoque a região se viu atingida de esterilidade, e
  • 189. Licurgo, enlouquecido, matou pessoalmente seu próprio filhoDrias. Tendo o oráculo declarado que o país só recobraria afertilidade, depois de morto o rei ímpio, os súditos o encadearamao monte Pangeu, e ali o pisaram com os cavalos. As bacanteslivres, ensinaram os mistérios do novo deus à Trácia A luta entreBaco e Licurgo está representada com diversas variantes nosmonumentos antigos. Num vaso pintado, vemos o rei da Tráciagolpeando as mênades, uma das quais está caída aos seus pés.Num sarcófago, em Roma, Licurgo está representadocombatendo com o duplo machado de que se serviam osbárbaros. Urna bacante, deitada aos seus pés, se metamorfoseiaem vinha para o enlaçar com os seus ramos e embaraçar-lhe osmovimentos. Uma mênade, tendo ao seu lado a pantera báquica,combate o rei com dos archotes acesos, enquanto Bacocontempla a cena, apoiando-se indolentemente sobre Sileno.Uma pintura de vaso nos mostra Licurgo matando o filho com omachado de dois gumes. Baco e Perseu A lenda de Baco, atirado ao mar e recolhido por Tétis aquem oferece uma taça de ouro, prende-se, segundo Ateneu, aofabrico do vinho e traduz mitologicamente o hábito existente emcertas regiões de se servir da água do mar paia acelerar afermentação da uva.Em Argos, onde Juno era especialmentehonrada, o culto de Baco encontrou graves dificuldades para seestabelecer. Os habitantes recusaram-se a honrá-lo, e mataramas bacantes que o acompanhavam. O deus feriu de loucurafuriosa as mães, que começaram a dilacerar os próprios filhos. Oherói Perseu, protetor de Argos, decidiu então combater Baco, esegundo um vaso grego, em que a cena esta figurada, não pareceter tido
  • 190. vantagem (fig. 508). Entretanto, segundo outras tradições, teriasido vencedor e teria até lançado Baco ao lago de Lerna.Pausânias diz simplesmente que, quando a disputa terminou,Baco foi honrado em Argos, onde se lhe ergueu um templo. Cita Creuzer um vaso cujo tema consagra a introdução davinha na Etólia. "Vemos ali, diz ele, Altéia, mulher rei deCalidon, conversando com Dionisos por ela apaixonado, do altode uma janela, onde também no-la mostra uma pintura quecompleta esta, e que oferece o deus adormecido diante daporta, cujo limiar acaba de ser cruzado pelo marido que lhecede o lugar. Sabe-se que, como preço de tal complacência,recebeu o presente da vinha, e que Altéia teve de Baco afamosa Dejanira, esposa de Hércules, como teve de Marte oherói Meleagro." Baco e Erígone Foi no reinado de Padião, filho de Erecteu, rei de Atenas,que Baco, acompanhado de Ceres, visitou pela primeira vez aÁtica. Esse incidente mitológico tem certa importância nahistória, por mostrar que na opinião dos atenienses o cultivoda vinha e do trigo foi precedido no país pelo da oliveira, queMinerva lhes ensinara no mesmo instante da fundação dacidade. Baco, chegado, foi à casa de um ateniense chamadoIcário, que o recebeu muito bem; como recompensa pelahospitalidade Baco lhe ensinou a maneira de fazer vinho.Icário, fazendo-o, quis que o provassem os camponeses daredondeza. que o acharam delicioso. Mas embriagaram-secompletamente, e, julgando que Icário os havia envenenado,atiraram-no a um poço. A visita de Baco a Icário está figuradaem vários baixos-relevos (fig. 509). É preciso notar que, nessacena, o deus aparece sempre sob a forma do Baco oriental.
  • 191. Tinha Icário uma filha de extrema beleza, chamada Erígone,por quem Baco se apaixonou. A fim de unir-se a ela,metamorfoseou-se em cacho de uvas, e quando a jovem opercebeu sob tal forma, apressou-se em colhê-lo e comê-lo; foiassim que se tornou esposa do deus, de quem teve um filhochamado Estáfilos, cujo nome significa uva. Foi ele que, maistarde, ensinou aos homens que, misturando-se água ao divinolicor, este não mais produzia a embriaguez. Fig. 508 — Baco combatendo Perseu (segundo uma pintura de vaso). Quando Icário foi morto, Erígone nada sabia do que sepassara, mas inquieta por o não ver regressar, tratou deprocurá-lo e não tardou em ser atraída pelos uivos da pequeninacachorra Moera, que chorava ao pé do poço a que Icário foraatirado. Quando Erígone soube o que sucedera ao infeliz pai, foital o seu desespero que se enforcou. Baco encolerizado, enviouaos atenienses um delírio furioso que os levou a se enforcaremno mesmo lugar em que haviam morrido Icário e a filha. Ooráculo, consultado, respondeu que o mal cessaria quandotivessem sido punidos os culpados e prestadas homenagens àsvítimas. Júpiter colocou Icário entre os astros e dele fez aconstelação de Bootes. Erígone tornou-se a da Virgem, e acachorra Moera passou a ser a da Canícula.
  • 192. Todas essas tradições se prendem à introdução do cultivo davinha na Ática, e aos efeitos imprevistos da embriaguez. O sonode Erígone foi freqüentemente representado; Girodet fez dele otema de uma das suas composições mais graciosas. Fig. 509 — Baco na casa de Icário (segundo um baixo-relevo antigo, no Louvre).
  • 193. CAPÍTULO VIII BACO MÍSTICO Baco em Naxos. — Baco e Ariadne. — Baco e Prosérpina. — Semeie reconduzida dos infernos. Baco em Naxos Baco visitou ainda uma infinidade de regiões para aliplantar a vinha, e a tradição o faz ir até a Espanha; mas,segundo Nonnos, foi após a sua viagem à Ática que ele veio paraNaxo para aqui realizar as suas núpcias místicas com Ariadne."Em breve abandona o deus as correntes do Ilisso amado pelasabelhas, e vai com todas as suas alegrias para a ilha de Naxoscarregada de vinhas; o intrépido Eros sacode as asas em volta, eVênus, que lhe prepara o himeneu, guia-lhe a marcha. Teseuacabava de ali abandonar, dormindo ainda na margem, a virgemque deixara a pátria; e o bárbaro, esquecendo as promessas,fugira sobre as ondas Baco vê Ariadne
  • 194. dormitar solitária e o amor se une à admiração; ouve-lhe osqueixumes e aproxima-se da ninfa em todo o esplendor da suadivindade. Mas o impetuoso Eros a fere com as setas do seu arco, elhe inspira um amor mais ardente que o primeiro, poispretende unir ao deus a filha de Minos... Baco consola Ariadne,que, no seu júbilo, atira para sempre ao mar a lembrança deTeseu e recebe a promessa de himeneu com o celesteapaixonado. Eros prepara o leito nupcial. Tudo floresce emtorno dela; ressoa o coro das núpcias; as dançarinas deOrcomene rodeiam Naxos com a relva da primavera; ahamadríada canta, e a ninfa Fig. 510 — Ariadne abandonada (segundo Luca di Giordano).das fontes, a Náiade sem calçado e sem faixa, celebra a uniãoentre Ariadne e o deus do vinho. Ortigia dá gritos de alegria emhonra de Baco, irmão de Febo que a protege; entoa um hinonupcial, e dança, no meio das ondas, embora ali esteja por fiminflexível. Eros, por um esplendente presságio, forma com asrosas brilhantes, com as
  • 195. quais entrelaça os cálices, uma coroa que refulge como os astros,precursora da coroa celeste; e o enxame dos Amores queacompanha o casamento salta em volta da esposa de Baco." A chegada de Baco a Naxos forma o tema de uma pintura dePompéia e se encontra igualmente reproduzida em váriosmonumentos. Num baixo-relevo do museu Pio-Clementino, vemos Morfeu,com as feições de ancião alado, que prolonga o sono de Ariadne,adormecida em Naxos; um sátiro ergue a túnica que a cobre.Cupido guia Baco apoiado ao jovem Ampelos (a vinha) e lhemostra com a ponta do dedo a formosa abandonada. Assim é quea arte dos últimos séculos compreendeu mais habitualmente otema. Ticiano e Luca Giordano (fig. 510) compuseramencantadores quadros, onde se nos depara o bando saltante dossátiros, acompanhado de tigres e de cabras, chegar à presençade Ariadne abandonada. Fig. 511 — Ariadne adormecida (segundo uma estátua antiga). Baco e Ariadne 0 tipo de Ariadne está em conformidade perfeita com o deBaco. Ela parece representar a ebriedade eterna, e a sonolênciado seu rosto concorda muito bem com a habitual expressão dojovem deus. A antiguidade nos
  • 196. legou várias belas estátuas de Ariadne, entre outras umafamosíssima, no museu do Vaticano, por longo tempo conhecidapelo nome de Cleópatra; tal atribuição lhe provinha do braceleteem forma de serpente que usa no braço esquerdo. O lindo busto de Ariadne, cujo molde nos é dado ver em todas as nossas escolas de desenho, muito bem poderia ser apenas uma imagem de Baco, pois este deus apresenta com freqüência formas femininas (fig. 516). Ariadne está representada como companheira de Baco em quase todos os monumentos que fixam o triunfo do deus, o qual, quando está com ela, parece geralmente um rapaz jovem e imberbe. Um baixo-relevo do museu Britânico pode passar pelo tipo desse gênero de composição, assaz freqüente nos monumentos. Vemos ali, em primeiro lugar, à esquerda Baco e Ariadne, semideitados no carro triunfal: Baco derrama vinho num recipiente seguro por uma personagem rústica que se acha atrás. O carro é puxado por dois centauros um dos quais toca flauta dupla, enquanto o outro dedilha a lira. Diante deles, o deus Pã abre com o pé de bode o cesto místico. Sileno, no seu burro, acompanhado de bacantes, de sátiros e de personagens rústicas, forma o outro lado da composição. O leito nupcial de Baco e de Ariadne está representado num vaso, onde os dois esposos estão acompanhados de Hércules. Baco, coroado de hera, segura na mão direita um bastão e na esquerda uma taça. Ariadne, por sua vez, segura um tirso e um cântaro. O par está acompanhado de duas bacantes e de uma figura alada que parece ser o gênio dos mistérios ou Telete, a iniciação personificada (fig. 512). As núpcias místicas de Baco e Ariadne figuram sob as formas mais variadas numa quantidade quase infinda de monumentos. Por vezes, vemos os dois esposos, coroados de pâmpanos, segurando tirsos nas mãos e levados em carros puxados por centauros (fig. 514), outros estão semideitados, um na frente do outro, num paralelismo ornamental, e o jovem Ampelos se encaminha para eles num carro puxado por tigres, no qual se encontra um cupido tocando lira. Às vezes, Ariadne, semicoberta pelo véu de noiva, aparece na companhia de Himeneu que
  • 197. segura o seu archote num carro puxado por duas panterasguiadas por Cupido, e Baco está atrás, de cabeça coroada decachos de uvas Alhures, os dois esposos figuram num carropuxado nos ares por um centauro e uma centaura que toca lira,enquanto Cupido voa diante deles (fig. 513). Fig. 512 — Leito de Baco (segundo um vaso antigo). Baco e Prosérpina As cenas que se prendem à união mística dos dois esposossão freqüentíssimas nos monumentos funerários da antiguidade;mas Ariadne se identifica, às vezes, como Prosérpina. Baco éaqui considerado deus da morte. O sol do outono, queamadurece as uvas, é o precursor do inverno em que a vegetaçãodesaparece; é pois, natural, que Baco seja associado aProsérpina, a qual, na sua qualidade de filha de Ceres,representa a vegetação, e como esposa de Plutão assinala oinverno, ou o momento em que a vegetação desaparece sob aterra. Prosérpina. rainha dos infernos, se confundefreqüentemente com
  • 198. Ariadne, filha de Minos, que julga os mortais, à entrada dosinfernos. Ariadne, considerada como a ebriedade eterna, que tãobem corresponde à idéia dos antigos quanto à morte, liga-senaturalmente a Baco, e a união mística de ambos é, talvez, osímbolo que mais freqüentemente se encontra nos sarcófagos. Fig. 513 — Apoteose de Baco e Ariadne. Fig. 514 — Núpcias de Baco e Ariadne. Num famoso sarcófago do museu Pio-Clementino, vemosBaco e Ariadne ou Prosérpina celebrando a união no leitosagrado. Estão ambos coroados de hera. A deusa segura a taça eo tambor báquico, enquanto o jovem deus
  • 199. apresenta de beber à pantera, deitada entre eles. Mercúrio,mênades e sátiros completam a composição à direita e àesquerda. No centro, e abaixo do grupo principal, vemos Sileno eo velho Pã entre dois cupidos. Um tema análogo está fixado natampa do mesmo sarcófago. As duas divindades ocupam ocentro, e Ampelos chega num carro puxado por dois tigres sobreum dos quais está montado um cupido alado que dedilha a lira.No outro lado, vemos um Pã embriagado sustentado pelasmênades. Fig. 515 — Baco e Prosérpina (busto antigo). Num soberbo camafeu antigo, depara-se-nos Baco no seucarro triunfal, acompanhado de uma deusa, que pode serProsérpina ou Ariadne (fig. 517). Nas festas místicas do Elêusis,Baco aparecia como filho de Ceres, e tinha então o nome de Iaco.Na guerra dos Gigantes, Baco fora morto pelos inimigos dosdeuses; o corpo havia sido retalhado, e por vários dias ele sofreraa lei da mortalidade. Os seus membros dispersos foram levadosa Ceres, que lhe devolveu a vida; é por isso que Ceres eraconsiderada sua segunda mãe. Sabia-se também que estiveranos infernos em busca de sua primeira mãe, Semeie, a qualmorrera queimada, ao receber a visita de Júpiter.
  • 200. Fig. 516 — Busto de Ariadne (segundo uma estátua antiga).
  • 201. Semele reconduzida dos infernos Um belo espelho etrusco representa Baco em atituderepleta de graça, apoiando a cabeça ao seio de Semele a quemtrouxe de volta dos infernos e que está atrás dele. Apolo,segurando na mão um ramo de loureiro, assiste à cena, emcompanhia de um pequenino sátiro que toca flauta dupla (fig.518). Fig 517 — Baco e Prosérpina (segundo um camafeu antigo). Nos mistérios de Elêusis, a espiga de trigo que renasce àvida, após apodrecer na terra, e o vinho generoso, que sai dauva pisada, eram símbolos de ressurreição, apresentados aosiniciados sob a forma de bolo sagrado e de libação. Nossarcófagos, em que aparece tão freqüentemente nos baixos-relevos, Baco está por vezes
  • 202. representado com as feições de defunto, enquanto Ariadne ouProsérpina se revestem das de defunta. Havia, na antiguidade,fábricas de sarcófagos que eram preparados de antemão comtodos os atributos esculpidos convenientes ao monumento. Acabeça de Baco e a de Ariadne só ficavam reduzidas, parapermitirem a representação do resto daqueles aos quaispertencia o túmulo. Apuléio, nas suas Metamorfoses, fala de umaviúva, que manda esculpir a imagem do marido, com osatributos de Baco. Temos no Louvre um exemplo desse uso nofamosíssimo monumento designado pelo nome de Sarcófago deBordéus. Ariadne está semideitada ao lado de Baco rodeado doseu cortejo de sátiros e de mênades. A cabeça de Ariadne estáapenas preparada. Noutro baixo-relevo do Louvre, são doiscentauros, que fazem parte do cortejo de Baco e de Ariadne, queseguram nas mãos o medalhão dos mortos. Fig. 518 — Baco e Semeie (segundo um espelho etrusco).
  • 203. LIVRO VIII HÉRCULES E TESEU
  • 204. CAPÍTULO I INFÂNCIA DE HÉRCULES Júpiter e Alcmena. — O ciúme de Juno. — O leite de Juno. — Hércules sufoca duas serpentes. — Hércules entre o Vício e a Virtude. — A morte de Anfitrião. — Demência de Hércules. Júpiter e Alcmena O pai dos deuses e dos homens, querendo criar para osdeuses e para os homens um herói que os defendesse dadesventura, atirou-se do Olimpo, remoendo na mentemaravilhosos projetos (Hesíodo) ; procurando, então, que mulherpoderia ser digna do herói que pretendia dar ao mundo, nãoencontrou outra que superasse Alcmena, mulher de Anfitrião, aquem, dessarte, ficou reservada a ventura de mesclar o seusangue ao do divino filho de Saturno (Píndaro). Não foi parasatisfazer uma paixão que Júpiter quis unir-se a Alcmena; foiapenas para gerar Hércules (Diodoro), Mas Alcmena, diz Hesíodo,
  • 205. amava o esposo, como não houve mulher que amasse o seu.Assim, Júpiter revestiu-se da forma do marido, e Alcmenaignorou que estivera unida ao rei dos deuses. Daí tambémapresentar Hércules o duplo caráter do homem na terra e dedeus no céu. Essa encarnação de um deus num homem nãoferia absolutamente o sentimento popular, mas não se lhecompreendia o lado cômico. Uma pintura de vaso nos mostra uma caricatura antiga,feita sem dúvida como lembrança de um drama satírico sobre aaventura de Anfitrião (fig. 519). Vemos Fig. 519 — Júpiter diante da janela de Alcmena (segundo uma pintura de vaso).nele Júpiter disfarçado, e provido de grosso ventre; tem o módioe traz uma escada para galgar a janela de Alcmena quecontempla a cena. Mercúrio, disfarçado por sua vez, de escravo,mas reconhecível pelo caduceu e pelo pétaso, está na sua frente.Ambos trazem calças feitas, segundo um modelo que se nosdepara freqüentemente nas antigas figuras de comediantes,
  • 206. O ciúme de Juno Era Anfitrião rei de Tirinto e neto de Perseu. Após aaventura mantida com Alcmena, Júpiter declarou em voz alta noOlimpo que o primeiro filho que nascesse na família de Perseu,gozaria do poder soberano. Juno, atormentada pelo habitualciúme, obrigou o rei dos deuses a jurar que o que acabava deanunciar se verificaria, e foi ao encontro de Nicipa, mulher deEstenelo, que também pertencia à família de Perseu, e cujo filhodevia nascer pouco depois do de Alcmena. A deusa adiantou-lheo termo de gravidez, de tal modo que o filho, que foi Euristeu,nasceu antes de Hércules, e se viu, dessarte investido do podersoberano anunciado por Júpiter. A impiedosa Juno não se limitou àquilo; desejando por umobstáculo ao nascimento de Hércules, enviou à casa de Alcmenaduas feiticeiras, incumbidas de impedir, com os seus malefícios,que a criança visse a luz do dia. Mas o poder de Júpiter é maiorque os feitiços e sortilégios. Um baixo-relevo do museuPio-Clementino nos mostra as duas feiticeiras ao pé do leito deAlcmena, rodeada das suas ancilas uma das quais segura nocolo o pequeno Hércules. Os dedos entrelaçados das feiticeirasconstituem um sinal de malefício. Hércules ocupa o meio dobaixo-relevo ; no outro lado Mercúrio carrega a criança nosbraços; o rio Ismênio personificado e Anfitrião de pé terminam acomposição. O leite de Juno Quando o menino viu a luz do dia, Alcmena, temendo ociúme de Juno, mandou expor Hércules num campo. Mercúriolevou o recém-nascido ao Olimpo, e o colocou
  • 207. maliciosamente no seio da rainha dos deuses, adormecida. Omenino mordeu tão fortemente o seio da deusa, que o leite dalise escapou dando origem à Via Láctea. Juno reconhecendo oerro, repeliu imediatamente Hércules. Minerva, então, tornou alevar à mãe o filho que sugara o leite da imortalidade. Há nomuseu de Madri um quadro de Rúbens, representando Juno aaleitar Hércules (fig. 520). A deusa está sentada numa nuvem,perto do seu carro puxado por pavões, e vê-se o leite a se lheescapar do seio para cair no céu. Tintoretto, num quadrinho quefez parte da galeria do duque de Orléans, mostrou Júpiterapresentando pessoalmente ao menino o seio de Juno. Hércules sufoca duas serpentes Alcmena dera à luz dois filhos gêmeos, Hércules, filho deJúpiter, e Ificles, filho de Anfitrião. Todos os dias, após lavá-los ealeitá-los, deitava-os num escudo de bronze para os acalentar.Uma noite, a cruel Juno envia duas enormes serpentes as quaisrastejam em direção aos dois meninos adormecidos. Ificles dáum grito, mas Hércules, imperturbável, agarra os dois répteis ede tal modo os aperta que acaba por sufocá-los (fig. 521). Plínio fala de um quadro pintado por Zêuxis representandoHércules, menino, no ato de sufocar as duas serpentes napresença de Anfitrião e de Alcmena, pálida de espanto. O mesmotema figura numa pintura de Herculanum, na qual Anfitriãopuxa da espada para socorrer o filho (fig. 522). Um baixo-relevodo museu Pio-Clementino e um bronze de Herculanumapresentam Hércules sufocando as serpentes. Na arte dosúltimos séculos, um encantador quadrinho de Carracci, noLouvre, fixa perfeitamente o tema, que também foi pintado peloinglês Reynolds.
  • 208. Hércules entre o Vício e a Virtude A educação de Hércules foi completa; com Anfitriãoaprendeu a conduzir o carro, com Casto a combater munido detoda e qualquer arma, com Lino a tocar lira, com Eurito adisparar setas. O sábio Radamanto e o centauro Quiron figuramtambém entre os seus preceptores. O talento musical deHércules foi celebrado pelos artistas, os quais, nos baixos-relevos, o colocam umas vezes ao lado das Musas, e, nas pedrasgravadas, o mostram ocupado a tocar lira (fig. 523). Hércules, já adulto, afasta-se um dia para meditar nogênero de vida que deve levar; aparecem-lhe, então, duasmulheres de grande estatura, uma das quais, lindíssima, que eraa Virtude, possuía majestoso rosto cheio Fig. 520 — Juno aleitando Hércules (segundo o quadro de Rubens).
  • 209. Fig. 521 — Hércules-menino (segundo uma estátua antiga).Fig. 522 — Hércules sufocando as serpentes (segundo uma pintura de Herculanum).
  • 210. de dignidade, pudor no olhar e túnica branca. A outra, a Moleza,tinha olhar livre e vestes esplêndidas. Cada uma delas tentouconquistá-lo, mediante promessas, anunciando uma que o fariatriunfar de todas as provas da vida, assegurando a outra que lheevitaria o trabalho de lutar. Hércules preferiu a Virtude.(Xenofonte). Fig. 523 — Hércules tocando lira (segundo uma medalha antiga). A cena está representada numa medalha em que se nosdepara Hércules entre Minerva e Vênus. Rubens pintou o temapara o duque de Toscana, e o seu quadro se encontra na galeriade Florença. Gaspard de Crayer representou a mesma cena. A morte de Anfitrião Até a idade de dezoito anos, Hércules não teve outraocupação senão guardar os rebanhos nos pastos, ou perseguiras feras nas florestas. Um dia, ao voltar da caçada, viu osenviados dos minieus de Orcomene, que vinham receber otributo imposto pelo seu rei Ergino aos tebanos, e matou-os.Ergino voltou com um exército, mas foi vencido e morto porHércules, que pôs os minieus
  • 211. Fig. 524 — Hércules-menino (segundo uma estátua antiga).
  • 212. em fuga, e os obrigou, por sua vez, a um tributo duas vezessuperior ao que tinham tido a pretensão de receber. Anfitriãomorreu no combate que conquistou para Hércules a mão deMegara, filha de Creonte. Essa expedição foi o início dacelebridade de Hércules. Demência de Hércules Juno, não logrando habituar-se à idéia da glória que o filhode Júpiter deveria conquistar, deliberou desonrar-lhe a vida,enviando-lhe uma loucura furiosa. Enquanto o herói gozava empaz do repouso da família, vêem-se-lhe, repentinamente, alteraras feições; os olhos saltam-lhe e deixam ver o fundo das suasórbitas sangrentas; a espuma lhe tomba dos lábios, e lheconspurca o queixo ornado de abundante barba. E, então, eleexclama com uma gargalhada frenética: "Dai-me o arco! Ondeestá a minha maça? Vou a Micenas; armai-vos de alavancas ede picaretas para demolir as construções erguidas pelaindustriosa arte dos ciclopes." Põe-se a caminhar, e, emboranão tenha carro, pretende ter um e instala-se nele, chicoteandoos cavalos que julga ver, como se estivesse segurando as rédeas. O desventurado percorre assim o palácio, presa dademência, e, julgando golpear monstros, mata um após outro osfilhinhos que inutilmente lhe pedem graça. A pobre mãe arrastao último para o fundo do palácio e fecha as portas. O esposo,julgando-se em frente dos muros dos ciclopes, abate as portas eatinge com a mesma seta a mulher e o filho. Em seguida,dispõe-se a abater o pai; mas de súbito aparece a deusa Palas,que derruba o herói, ainda ardente do desejo de carnificina e omergulha em profundo sono. (Eurípides). Mal Hércules recobrou a consciência, viu toda aenormidade do crime cometido. Presa do mais violento
  • 213. desespero, condenou-se ao exílio, e, após ter-se feito purificar,consultou o oráculo a fim de saber para onde devia retirar-se.Ordenou-lhe o deus que fosse ao encontro de Euristeu, seumaior inimigo, e se submetesse a todos os trabalhos que lheseriam exigidos. Era assim que os destinos haviam ordenado. Aícomeça a vida heróica de Hércules, tão freqüentementerepresentada nos monumentos. Obedecendo às ordens do oráculo, foi para Tirinto, a fim dese colocar à disposição de Euristeu. Recebeu de Mercúrio umaespada, de Vulcano uma couraça, de Apolo setas, de Minerva ummanto, e ele próprio arranjou poderosa maça na floresta deNiméia. Convém observar que, em numerosas representaçõesarcaicas, Hércules usa a veste dos heróis gregos, e combate aolado de Íolas, seu amigo, que conduz o carro. Mais tarde, foirepresentado empregando apenas a maça e tendo por vesteapenas uma pele de leão.
  • 214. CAPITULO II OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES O leão de Neméia. — A hidra de Lerna. — A corça de chifres de ouro. — O javali de Erimanto. — As estrebarias de Áugias. — As aves do lago Estínfale. — A rainha das amazonas. — Os cavalos de Diomedes. — Os bois de Gerião. — O touro de Creta. — As maçãs de ouro das Hespérides. — A descida aos infernos. O leão de Neméia O primeiro trabalho imposto a Hércules por Euristeu foi irmatar o leão de Neméia que infestava as cercanias da cidade.Tinha o animal monstruoso tamanho, e, sendo invulnerável,mister se fazia empregar a força dos braços para o domar. Oherói, a princípio, esgotou a aljava, mas a pele do leão eraimpenetrável às setas. Hércules,
  • 215. em seguida, pretende pegar a maça, mas ela se despedaça contraos ossos do monstro. O leão, entretanto, foge para o seu antro. Oherói segue-o: após tapar-lhe a entrada. combate a fera corpo-a-corpo, e, apertando-lhe o pescoço com ambas as mãos, oestrangula (fig. 525). Envolve-se na pele que era imensa, e delase serve, posteriormente, como de arma defensiva. O combatefigura assaz freqüentemente nos vasos gregos de antigo estilo, enotadamente no Louvre, onde vemos Hércules realizar o feito napresença de Íolas e Minerva. A mesma cena figura também emmoedas e pedras gravadas. O leão de Neméia era filho de Tifão e de Equidna. Após a morte, foi colocado entre as constelações. Um quadro de Rubens, no museu de Berlim, representa Hércules estrangulando o leão de Neméia. Fig. 525 — Hércules sufocando o leão de Neméia (segundo uma medalha antiga). A hidra de Lerna Nascida, como o leão de Neméia, do gigante Tifão e daterrível Equidna, a hidra, que infestava os pantanais de Lerna naArgólida, era provida de várias cabeças e, quando se lhe cortavaurna, outras duas imediatamente a substituíam. Tendo Hérculesrecebido ordem de ir combatê-la, expulsou o monstro do seuabrigo por meio
  • 216. das setas; feriu-se, então, terrível luta entre o herói e o monstroque se lhe enrolava nas pernas (fig. 526). Um grande caranguejoenviado por Juno quer morder o herói por trás, enquanto eleluta. Hércules, notando que, conforme ia cortando as cabeças dahidra, elas renasciam em número ainda maior, chamou em seuauxílio Íolas, o qual, queimando os ferimentos com um tição,conseguiu deter o crescimento de novas cabeças. Após a vitória,o herói temperou as suas setas no sangue da hidra de Fig. 526 — Hércules combatendo a hidra de Lema (segundo uma pedra gravada antiga).Lerna, e foi a partir dessa época que elas começaram a infligirferimentos incuráveis. A cena constitui o tema de uma pinturade vaso, na qual Hércules acaba de depor a maça, como armaincomoda para combater semelhante inimigo. Coberto da pele deleão segura uma harpa semelhante à de Perseu, com a qual vaicortar as cabeças do monstro. No outro lado do vaso, vemosÍolas, o fiel companheiro de Hércules, armado, preparando-separa
  • 217. lançar uma seta contra a hidra; atrás dele, Minerva dispõe-se amatar o enorme caranguejo que, para socorrer a hidra, quismorder o pé do herói estimado por Minerva (fig. 527). Váriaspedras gravadas mostram a serpente enroscando-se numa daspernas de Hércules. Policleto fizera de Hércules matando ahidra de Lerna uma estátua famosa na antiguidade. Guido,num quadro do Louvre, e Rubens, num quadro do museu deMadri, trataram o mesmo assunto, inspirando-se em velhascomposições. Fig. 527 — Hércules combatendo a hidra (pintura de vaso). A corça de chifres de ouro Euristeu impôs, então, a Hércules que lhe trouxesse acorça de chifres de ouro. Sendo ela consagrada a Diana, nãoquis o herói matá-la e viu-se obrigado a persegui-la durante umano. Acabou por atingi-la, pô-la aos ombros, e a levou aEuristeu. Havia cinco corças da mesma espécie: quatro estavamatreladas ao carro de Diana. A quinta, não tendo ocupação,corria em liberdade pelas florestas da Arcádia. Essa foi aatingida por Hércules.
  • 218. O javali de Erimanto O quarto trabalho imposto a Hércules foi ir buscar javali deErimanto, horroroso monstro que amedrontava a região. Apósprocurá-lo por longo tempo, conseguiu o herói chegar ao lugarem que a fera se encontrava, e pegando-a viva, pô-la aos ombros,o que de tal modo espantou Euristeu, que imediatamente tratoude se ocultar numa cuba de bronze. Nos baixos-relevos de estiloarcaico, o tipo de javali se afasta bastante dos que vivem nosnossos países, e está sempre figurando com o mesmo caráter nosvasos em que o vemos freqüentemente representado (fig. 528). As estrebarias de Áugias Euristeu, desejando humilhar Hércules, ordenou-lhe quefosse limpar as estrebarias de Áugias, filho do Sol e possuidor deenormes rebanhos; os estábulos estavam repletos de estrumeamontoado havia anos. O herói rumou para a propriedade deÁugias, e propôs-lhe fazer a limpeza toda num único dia, se elelhe prometesse a décima parte dos rebanhos. Áugias, certo deque o feito seria impossível, aceitou sem hesitar. Hérculesdesviou o curso de um rio por meio de um canal, e fê-lo passaratravés dos estábulos. Mas Áugias recusou-se a pagar o prome-tido, e Hércules, matando-o, entregou o país ao filho.
  • 219. As aves da lago Estínfale Os pântanos do lago Estínfale na Arcádia estavamcobertos de grossos espinhos, e serviam de abrigo às aves deMarte, cujas asas, cabeça e bico eram de ferro. Tinham elasgarras extremamente recurvas, lançavam as penas como sefossem seta aos homens que, porventura, se lhes deparassem,roubavam os animais dos campos e nutriam-se até de carnehumana. O seu tamanho era desmedidamente grande, e eramtão numerosas que, em bando, velavam a Fig. 528 — Hércules levando a Euristeu o javali de Erimanto (segundo uma pintura antiga de Pompéia),
  • 220. claridade do sol. Hércules, incumbido de combater tão terríveisadversárias, começou por espantá-las com o estrondo doscímbalos de bronze, a fim de obrigá-las a surgir; depois, feriu-ascom as suas setas (fig. 529), ou as abateu com a maça (fig. 530).Os monumentos representam o combate sob essas duas formas.Um vaso pintado nos mostra a cena sob um aspecto grotesco.Hércules, com o aspecto de um menino rechonchudo, lutacontra duas aves, cujo tamanho desmedido contrastafortemente com o seu. Acaba de agarrar o pescoço da primeira,e a segunda se aproxima para morder o braço que empunha amaça pronta para golpear (fig. 531). Fig. 529 — Hércules combatendo com as setas contra as aves do Estínfale (segundo uma moeda antiga). A rainha das amazonas Hipólita, rainha das amazonas, era filha do deus Marte,que lhe dera, como sinal da sua dignidade real, um cinturão eum véu. A filha de Euristeu desejou tê-los, e Hércules recebeua incumbência de ir buscá-los. Para obedecer às ordens de Euristeu, partiu Hércules paraos longínquos páramos em que vivem as amazonas; situa-se-lhes o pais para além da Ásia Menor, e bem perto dos confins douniverso. Uma pintura de vaso nos mostra o herói usando apele do leão de Neméia e armado da maça com a qual seempenha em luta contra a rainha das amazonas, que está acavalo e segura um dardo (fig. 532).
  • 221. Hércules, após encarniçada peleja, venceu o exército dasamazonas, e aprisionou a rainha, que foi desposada por Teseu eveio a ser mãe do famoso caçador Hipólito. Em seguida, levou aEuristeu os objetos que lhe tinham sido exigidos. Esse feito de Hércules é um dos que os gregos consideravamdos mais gloriosos para a sua memória. Fig. 530 — Hércules combatendo com a maça contra as aves do Estínfale (segundo uma moeda antiga). Os cavalos de Diomedes Diomedes, filho de Marte e rei dos bistônios, povo guerreiroda Trácia, tinha quatro cavalos, chamados Podargo, Lampo,Xanto e Dino. Vomitavam fogo pelas ventas e só se nutriam decarne humana. Diomedes dava-lhes a devorar todos osforasteiros que lhe caíam nas mãos. Hércules atacou osbistônios, pô-los em fuga, e apoderou-se de Diomedes queentregou aos cavalos, para que estes o devorassem. A cena estáfigurada em baixos-relevos antigos e forma o tema de um grupodo Vaticano (fig. 533). O quadro que Gros executou sobreHércules e Diomedes atraiu sobre o artista críticas tão cruéis,que o atiraram a um profundo desespero e foram, segundo seafirma, a causa da sua morte.
  • 222. Os bois de Gerião Euristeu pediu, então, a Hércules que lhe trouxesse os boisde Gerião. Grissor, que reinava na Espanha, nascera do sanguejorrado da cabeça de Medusa, cortada por Perseu. Gerião, seufilho, era desmedidamente grande, e ademais tinha três corposque só se uniam pela região do ventre. Tal singularidade, que fezcom que o chamas-sem de triplo Gerião, tornava-o extremamentetemível, por não se poder contra ele empregar nenhuma finta. Os Fig. 531 — Hércules e as aves do Estínfale (segundo uma pintura de vaso)seus magníficos rebanhos compunham-se de enormes bois decor vermelha, colocados sob a vigilância do gigante Euritião e docão Ortro. O cão, filho de Tifão e irmão de Cérbero, possuía duascabeças, e tinha prodigiosa força. Mal viu Hércules, atirou-se-lheao encontro, seguido de Euritião, mas ambos tombaram sob osgolpes do herói que imediatamente começou a se apoderar dosbois, quando
  • 223. o triplo Gerião acorreu, por sua vez. Uma terrível luta einiciou entre eles, mas para Hércules foi apenasoportunidade para um novo triunfo. O combate está figuradoem vários monumentos. Numa pintura de vaso, Hércules, nue imberbe, ataca Gerião cem a maça. Gerião, que estávestido e armado de espada, não apresenta o tríplice corpoque lhe atribui a tradição, e sim três cabeças. Minerva eMercúrio, postos atrás de Hércules, são simples especta-dores do combate (fig. 534). Fig. 532 — Hércules combatendo a rainha das amazonas (segundo uma pintura de vaso). Mas o monumento mais importante sobre a Fábula deGerião é uma taça célebre, no meio da qual figura umapersonagem a cavalo (fig. 535). A cena mitológica sedesenrola em volta. O herói, barbudo e coberto com a pele de leão, acaba dedisparar uma seta contra o triplo Gerião, e ergue a maçapara dar-lhe combate. O inimigo está formado pela reuniãode três guerreiros, dois dos quais estão de pé,
  • 224. prontos para lançar o dardo, enquanto o terceiro acaba detombar atingido por uma seta. Entre os combatentes está o cãoOrtro, caído e igualmente atingido por setas. Atrás de Hércules,Minerva, acompanhada de Íolas, contempla a luta comoespectadora; perto, Euritião, o pastor de Gerião, está caído eferido. A filha do rei, atrás de Gerião, puxa os cabelos,desesperada, e parece implorar a piedade de Hércules. Do outrolado da taça, os bois são levados pelos companheiros deHércules. Fig. 533 — Hércules matando Diomedes (segundo um grupo antigo, em Roma). Num antigo grupo do Vaticano, Hércules, que tem o portede gigante, segura na mão esquerda o chifre de um boi e com adireita abate Gerião, homem de três cabeças.
  • 225. O touro de Creta Euristeu ordenou a Hércules que fosse domar o touro deCreta, terrível animal saído das águas do mar, o qual vomitavachamas e devastava toda a região. Hércules domou-o. Foi esse oseu décimo trabalho. A lenda está literalmente reproduzida na dotouro de Maratona, de que falaremos a propósito de Teseu. Fig. 534 — Hércules e o triplo Gerião (segundo uma pintura de vaso). As maçãs de ouro das Hespérides Quando Juno desposou Júpiter, cada divindade lhe deu umpresente e a Terra produziu para ela uma árvore carregada demaçãs de ouro. Estava a árvore no jardim
  • 226. das Hespérides, filhas do Titã Atlas, que suporta o céu nosombros. Um formidável dragão se incumbia de guardar aárvore. Euristeu exigir tais maçãs, e Hércules tornou apartir. Durante o caminho, brigou com Cicno, filho deMarte, e matou-o. O deus da guerra, encolerizado, atirou-secontra Hércules, para vingar o filho morto. Ninguém sabecomo houvera terminado a luta espantosa que se feriuentão, se não fora a intervenção de Júpiter que lhe pôscobro com um raio que separou os combatentes. Fig. 535 — Os bois de Gerião (segundo uma pintura de vaso).
  • 227. Para encontrar o caminho, o herói, segundo o conselho dasninfas do Eridã, foi consultar o velho Nereu e o obrigou a dizer oque ele queria; os vasos que reproduzem tal cena mostramNereu com forma de Tritão (fig. 536). Hércules, após libertar depassagem Prometeu, aproximou-se de Atlas, que possui ojardim das Hespérides, e .propôs-lhe sustentar o céu, no seulugar, se ele lhe cedesse as maçãs de ouro (fig. 538). Atlasconsentiu, pois, concebera o projeto de deixar o céu parasempre sobre os ombros de Hércules. O herói, no entanto,rogou-lhe que retomasse o peso apenas um instante, para quepudesse ter tempo de fazer um coxim. Atlas aceitou a proposta,Hércules apoderou-se das maçãs e lá o deixou. Nas portas dotemplo de Olímpia, via-se Hércules preparando-se para tomar ofardo de Atlas ; Paneno pintara o mesmo tema na balaustradaque rodeava o trono de Júpiter olímpico. Fig. 536 — Hércules e Nereu (segundo um baixo-relevo de Assoa, no Louvre). Hércules no jardim das Hespérides constitui assunto denumerosíssimas representações. Num espelho etrusco,Hércules, imberbe e segurando a maça, acaba de devolver aAtlas o peso do mundo e, afasta-se, levando as maçãs. Atlas usauma longa barba e tem a cabeça coberta por um casquete.Vemos-lhe nos ombros uma parte da abóbada estrelada (fig.537).
  • 228. Uma pintura de vaso nos mostra no seu todo a cena dojardim das Hespérides. No alto do vaso, depara-se-nos Atlassuportando o mundo. e escoltado de um lado por Lúcifer acavalo e segurando um archote, de outro pelo Sol no seu carro.Perto dele está Hércules, de pé, empunhando a maça. Minerva,sem capacete, está sentada atrás do herói, e separada dele poruma pequenina vitória. Na parte inferior, cujo centro estáocupado pela árvore Fig. 537 — Hércules devolve a Atlas o peso do mundo (segundo um espelho etrusco).das maçãs de ouro, rodeada pela serpente, vêem-se asHespérides, três num lado e quatro no outro, e segurando nasmãos os instrumentos de atavio, aparentemente despreocupadascom a cena principal (fig. 539).
  • 229. Fig. 538 — Hércules suportando o céu (segundo uma pedra gravada antiga).Fig. 539 — Hércules no jardim das Hespérides (segundo uma pintura de vaso).
  • 230. O mesmo tema está representado, sob forma mais clara,noutra pintura de vaso, onde nos assombra a ausência de Atlas.Aqui, as Hespérides são em número de cinco: uma delasapresenta o alimento à serpente, que é de tamanho descomunale se enrosca em torno da árvore a qual ocupa o centro dacomposição. Uma das Hespérides colhe uma maçã de ouro quevai entregar a Hércules posto atrás dela. No céu aparecem, massomente com o busto, de um lado Juno e Pã, do outro Mercúrio euma ninfa, divindades que assistem à cena, sem todavia delaparticiparem. A descida aos infernos Euristeu, vendo que Hércules voltava sempre vitorioso dasexpedições, decidiu pôr cobro àquilo ordenando-lhe quetrouxesse Cérbero, o cão que guarda os infernos. Antes de tentartão perigosa expedição, foi o herói procurar Eumolpe, emElêusis, para que pudesse iniciar-se. A iniciação de Hércules nosmistérios está figurada num vaso pintado; o herói apoia-se namaça; a pele de leão lhe está sobre o braço; na mão esquerdasegura um ramo de mirto, símbolo da iniciação. Na sua frente,uma sacerdotisa de Ceres empunha uma lança de ponta parabaixo, e com a outra mão apresenta a Hércules a faixa dosiniciados (fig. 540). Chegado a Tenaro, na Lacônia, onde se situa a entrada dosinfernos, Hércules ali desceu por essa abertura. Todas assombras, com exceção das de Meleagro e de Medusa, fugiram àsua aproximação. Quis o herói ferir Medusa com a espada, masMercúrio lho impediu, explicando-lhe tratar-se de uma sombra.Em seguida, Hércules libertou Teseu dos grilhões, mas nãologrou prestar o mesmo serviço a Piritus, em virtude de umtremor de terra. Matou uma das novilhas de Plutão, e deu osangue
  • 231. às almas para que estas o sorvessem; foi também matarMenécio, guarda dos rebanhos de Plutão: mas Prosérpinaconseguiu que ele o poupasse. Finalmente, apoderou-se deCérbero, e tornou a subir à terra em Trezena. Uma pintura dePompéia mostra o herói acompanhado de Mercúrio e trazendo ocão infernal. Uma linda estátua antiga, em Roma, representaHércules segurando Cérbero acorrentado. O mesmo assuntoaparece algumas vezes em pedras gravadas (fig. 541). Fig. 540 — Hércules iniciado nos mistérios (segundo um vaso pintado). O conjunto dos doze trabalhos de Hércules estáreproduzido em vários monumentos, mas a ordem de taistrabalhos nem sempre é a mesma. Damos a sucessão dos doze trabalhos tal qual estárepresentada num baixo-relevo antigo, desenvolvido em torno deum vaso de mármore, proveniente da Villa Albani. Vemos emprimeiro lugar Hércules, combatendo o leão de Neméia: a ninfado lugar mantém-se atrás do
  • 232. herói a quem vai apresentar a palma da vitória. Em seguida,Hércules volta dos infernos, trazendo Cérbero e seguido deTeseu, por ele libertado; depois, apodera-se dos cavalos deDiomedes, e vemos perto dele a Trácia personificada; e é o paísem que se realizou esse feito. Na faixa inferior vemos, ao lado de uma palmeira, Hérculescombatendo a hidra de Lerna : a ninfa dos pântanos de Lernaestá de pé ao seu lado. Depois, Hércules pega a corça de chifresde ouro. Em seguida, combate as aves do lago Estínfale, e aninfa do lago está sentada atrás. Mais longe, domina o touro deCreta, e limpa os estábulos de Áugias. Essa última cena é assazobscura: o herói tira com um vaso a água do Alfeu ou do Peneu,cujo curso vai desviar, e o rio personificado está sentado diantedele. Fig. 541 — Cérbero amarrado por Hércules (segundo uma pedra gravada antiga). Na última seqüência, vemos o combate contra o triploGerião, atrás de quem está a Ibéria personificada, depois aárvore do jardim das Hespérides, em torno da qual se enrosca aserpente, e finalmente o combate contra os
  • 233. centauros que aqui constitui o décimo-segundo trabalho. Ocombate não figura habitualmente entre os doze grandestrabalhos de Hércules, e aqui substitui a luta contra a rainhadas amazonas, não representada no vaso. Tais divergênciasprovêm do fato de a divisão dos trabalhos de Hércules em dozenão remontar a uma grande antiguidade; essa divisão revestiu-sede importância numa época em que sendo Hércules consideradouma divindade solar, quiseram estabelecer uma correspondênciaentre os seus feitos e os doze signos do Zodíaco.
  • 234. CAPÍTULO III OUTROS FEITOS E APOTEOSE DE HÉRCULES Hércules e Telefo. — Hércules e Busíris. — Os pigmeus. — Hércules e Ante«. — As colunas de Hércules. — Hércules e Caco. — Hércules e Onfale. — Os cercopes. — Hércules e Aquelous. — Rapto de Dejanira. — A fogueira de Hércules. — Apoteose de Hércules. Hércules e Telefo Além dos doze trabalhos de que acabamos de falar, e queconstituem um conjunto na vida do herói, a lenda atribui aHércules uma multidão de feitos, aos quais é difícil dar umaordem rigorosa, pois a maioria das vezes não se ligam uns aosoutros e foram várias as regiões em que se desenrolaram. Mastais aventuras servem para completar o tipo de Hércules, quenos aparece sempre como domador de monstros e reparador deerros.
  • 235. Após limpar os estábulos de Áugias e expulsar essepríncipe que lhe recusava o premio, Hércules instituiu os jogosolímpicos, ergueu um altar a Pélope, e doze altares aos dozedeuses. Em seguida, rumou para Pilos, de que se apoderou,apesar de Plutão ter socorrido os pilenses, ficando ferido peloherói. Daí partiu para a Lacedemônia, para onde fora chamadopor Tíndaro, que havia sido expulso do trono, e a quem o heróidevolveu os seus estados, após matar-lhe o rival Hipocoonte. Em Tegeu, Hércules conheceu Auge, sacerdotisa deMinerva, e fê-la mãe de Telefo. Auge ocultou o filho no templo deMinerva. Mas a peste desolou o país, e o oráculo, consultado,declarou que o templo da deusa fora profanado. O pai dasacerdotisa ordenou, então, que o recém-nascido fosseabandonado numa montanha. O recém-nascido foi socorridopor uma corça que o aleitou. Uma pintura de Herculanummostra Hércules contemplando o filho a sugar o leite da corça.Perto do herói vemos a Arcádia personificada e atrás dela o deusPã, que era particularmente venerado nessa região (fig. 542).Numa medalha de Tarso, depara-se-nos Hércules trazendo ofilho que estende os bracinhos para a corça que o nutriu (fig.543). Fig. 542 — Telefo aleitado por uma corça (segundo uma pintura de Herculanum),
  • 236. Hércules e Busíris No Egito, encontramos Hércules na presença do reiBusíris, a quem ele mata para abolir os sacrifícios humanos.Uma espantosa fome desolara o país: um adivinho anunciaraque o flagelo somente cessaria quando se imolasse, todos osanos, um forasteiro. Cem vítimas caíram assim sucessivamenteaté a chegada de Hércules. Carregado de pesados grilhões, foi oherói levado à presença do rei que ia fazê-lo morrer. Mal chegou,porém, despedaçou os grilhões, matou o rei, e aboliu ossacrifícios humanos. A cena está representada num vaso deestilo arcaico, onde vemos Hércules golpeando o rei bárbaro (fig.544). Fig. 543 — Hércules e Telefo (segundo uma medalha de Tarso) Os pigmeus O herói partiu, em seguida, para regiões desconhecidas,situadas perto das cabeceiras do Nilo. Habitam lá os pigmeus,que são os liliputianos da antiguidade. Esses
  • 237. anões estão continuamente em guerra com os grous. Os pigmeussó tinham um cúbito de altura; suas mulheres eram mães aostrês anos e velhas aos oito. As casas eram feitas de cascas deovos, e eles cortavam o trigo com machados. Os vasos gregosmostram freqüentemente o combate dos pigmeus contra osgrous, inimigos encarniçados. Plínio diz que os homenzinhoseram armados de setas; afirmam que montavam carneiros e fá-los descer na primavera das montanhas da Índia, em que viviam,sob um céu puríssimo, para rumarem ao mar Oriental, a fim desustentar durante três meses a guerra contra os grous, quebrar-lhes os ovos, roubar-lhes os filhos, sem o que, não poderiamresistir aos bandos cada vez mais numerosos dessas aves. Fig. 544 — Hércules matando Busíris (segundo uma pintura de vaso) Eram os pigmeus feiíssimos e tinham a cabeçadesproporcionada com o resto do corpo; as pernas sobretudo,eram curtíssimas. Não obstante o pequenino tamanho, ousaramhaver-se com o próprio Hércules. O herói avançara nos desertosda Líbia, e, sentindo-se cansado, deitara-se
  • 238. por terra, adormecendo. Chegara, sem o saber, ao país dospigmeus, os quais, mal o perceberam, não cuidaramabsolutamente de fugir, mas de avançar em fileiras cerradascontra ele. Foi um cerco feito com todas as regras. As duas alasdo exército dividiram-se para atacar, cada uma, uma das mãos,e, enquanto o grosso da tropa atacava o corpo do herói, e osarqueiros atavam os pés, o rei dos pigmeus, conduzindo umcorpo de escol, incumbiu-se da cabeça e do rosto. Hércules, noentanto, despertou, e pôs-se a rir, quando viu que inimigos tinhapela frente; depois, recolhendo todos aqueles serezinhos com amão, envolveu-os na pele do leão de Neméia, e levou-os consigocomo curiosidade A lenda foi retomada, sob outra forma, noromance de Gulliver. Várias pinturas de Herculanumrepresentam o combate dos pigmeus contra os grous. Hércules e Anteu Hércules, passando pela Líbia, encontrou o gigante Anteu,que tinha sessenta e quatro cúbitos de altura. Anteu obrigava osforasteiros a medir força com ele, submetia-os a uma derrotacerta. O gigante construíra um templo a Netuno, com os crâniosacumulados das vítimas. O que lhe dava terrível força, era o fatode, cada vez que tocava a Terra, sua mão, adquirir novo vigor.Hércules ergue-o do chão e esmaga-o entre os braços. Policletofizera essa cena, da qual os vasos pintados e os camafeus nosmostram várias outras representações (fig. 545). Mantegnadesenhou-a com incomparável energia.
  • 239. As colunas de Hércules Hércules, seguindo as costas da Líbia, chegou a um pontoem que elas tocam a Europa. Mas separou as montanhas demaneira que pudesse unir o Oceano ao mar Mediterrâneo, e,como lembrança do gigantesco trabalho, ergueu duas colunas.Daí o fato de, noutros tempos, serem chamadas colunas deHércules as montanhas que hoje constituem o estreito deGibraltar. Durante a expedição o sol dardejava os seus raiossobre ele com tal ardor, que, por impaciência, Hércules lhedisparou uma seta. Mas, longe de se considerar insultado, o soladmirou a intrepidez do herói e lhe deu uma cratera de ouro deque Hércules se valeu para atravessar o mar, como provam osmonumentos nos quais vemos o herói navegando numa taça. Fig. 545 — Hércules e Anteu (segundo uma pedra gravada antiga).
  • 240. Hércules e Caco Após a sua viagem à Espanha, Hércules atravessou a Gáliae a Itália. Estando perto do Tibre, deteve-se numa planície parafazer pastar os seus rebanhos, e ele próprio, fatigado, seestendeu sobre a relva. O lugar era habitado por um filho deVulcano, chamado Caco, homem na parte superior, monstro naparte inferior, de tamanho enorme e capaz de vomitar chamaspela boca. Seduzido pela beleza do rebanho, Caco decidiuapoderar-se dele. Mas temendo que, impelindo os bois para afrente, as pegadas conduzissem o dono deles à sua caverna,tomou o partido de os arrastar pela cauda, de recuo,apropriando-se apenas dos mais belos (fig. 546). Hércules, aodespertar, revistou o rebanho, e não o achando completo, vaidiretamente à caverna vizinha, enganado pelos vestígios. Masvendo-os no sentido contrário, e não sabendo para onde dirigiras buscas, resolveu abandonar tão perigoso sítio. Estava parapartir, quando algumas novilhas começaram a mugir, Fig. 546 — Caco (segundo uma pedra gravada antiga).
  • 241. tristonhas por terem que abandonar as companheiras. Asdemais responderam do antro que as ocultava. (Tito Lívio). Hércules, avisado pelos gritos ouvidos, voltou sobre os seuspassos, e caminhou diretamente para a caverna, cavada nomonte Aventino. Algumas cabeças ensangüentadas pendiam daporta fechada por uma pedra que vinte bois não poderiam termovido. Em volta, estavam disseminados os ossos dos viajantesmortos por Caco. Hércules aproxima-se da horrível caverna,arranca a pedra, e, não obstante os turbilhões de chamas e defumaça vomitados pelo monstro, agarra-o, aperta-lhe a gargantae estrangula-o. Para relembrar tal feito, os habitantes do monte Aventinocelebravam todos os anos uma festa em honra de Hércules.Numa medalha de Antonio Pio, vemos Hércules com a maça eCaco estendido no chão, diante da caverna. Os habitantes vêmagradecer ao herói que é desmedidamente grande (fig. 547). Amorte de Caco inspirou a Demoyne, da escola francesa, umnotável quadro que se encontra no Louvre. Hércules abate Caco,enquanto as vacas, aterrorizadas, fogem para todos os lados. Orio Tibre está personificado e acompanhado de duas Náiades.Mas, entre as obras dos últimos séculos, nenhuma tem areputação do grupo de Baccio Bandinelli, o rival de BenevenutoCellini. O grupo está em Florença. Hércules e Onfale Hércules, após realizar todos esses trabalhos, resolveutornar a casar-se. Sabendo que Eurito, rei da Ecália, propusera amão de Iola, sua filha, a quem o vencesse no arco, Hérculesapresentou-se e saiu vitorioso; mas o monarca não quis ceder-lhe a filha; o herói, profundamente encolerizado, precipitou Ifito,filho do rei, do alto dos
  • 242. muros de Tirinto. Tal crime exigia uma expiação, e Hérculesrumou para Delfos, a fim de saber o que devia fazer. A pítiarecusou-se a responder-lhe, e Hércules tirou o tripé sagradoonde ela dava os seus oráculos. Mas Apolo, em pessoa, veiobuscar o seu tripé, e uma terrível luta ia ferir-se quandoJúpiter lançou o seu raio para separar os combatentes.Fig. 547 — Hércules recebe os agradecimentos dos habitantes do monte Aventino (segundo uma medalha antiga). No entanto, o oráculo decidiu falar; mas pediu a Hérculesque se deixasse vender como escravo, por expiação do crime quecometera, e entregar o produto da venda a Eurito, comoindenização pela morte do filho. Mercúrio vendeu-o por trêstalentos a Onfale, rainha da Lídia, por quem o herói seapaixonou. Devemos a essa história vários monumentos. Nasestátuas, vemos Hércules envolto num manto de mulher,tecendo, enquanto Onfale, coberta por uma pele de leão, seguraa maça do herói (fig. 548). Um mosaico do museu do Capitóliorepresenta Hércules, semicoberto por um manto de mulher,segurando o fio da roca. Aos seus pés, alguns cupidos brincamcom um leão amarrado, imagem do herói dominado pela paixão(fig. 550). Numa pedra gravada antiga, vemos Onfale penteando oherói, cuja pele de leão e aljava, já inútil, estão nas mãos de umcupido (fig. 553).
  • 243. Uma pedra gravada, que se julga ser imitação de uma obrade Lisipo, mostra Hércules que, após erguer o mundo, parecesucumbir sob o peso de um gracioso cupido que lhe está nosombros. O herói agita inutilmente a maça, e já dobra o joelho(fig. 551). Finalmente num entalhe famoso do museu doCapitólio, vemos vários cupidos fazendo esforços inauditos paraerguer a maça (fig. 552). Os cercopes Esse período da vida de Hércules foi, no entanto, tudo,menos inativo, e vários bandidos sucumbiram aos seus golpes.Foi também durante a escravidão que ele agarrou e agrilhoou oscercopes, homens maus que haviam atormentado e roubado oherói, durante o sono deste. Amarrou-lhes pés e mãos e levou-osa Onfale. Uma peça de Selinonte, considerada um dos maisantigos monumentos da escultura, mostra Hércules levando oscercopes, de cabeça para baixo (fig. 554). Esses cercopes, que Hércules venceu e levou amarrados aOnfale, eram os mais astutos e celerados de todos os homens.Júpiter proibiu-lhes, pois, o uso da palavra, de que se valiamapenas para a mentira e o perjúrio, e só conservaram uma vozenrouquecida, espécie de constante queixume. Ao mesmo tempo,o seu tamanho ficou diminuído, o nariz achatado, o rostosemeado de rugas, e o corpo se lhes cobriu de um pelamevermelho. Haviam sido transformados em macacos, de modo que,cessando de ser homens, se lhes assemelhavam ainda, depois dametamorfose. (Ovídio).
  • 244. Hércules e Aquelous Quando o herói terminou os três anos de cativeiro que lhehaviam sido impostos, foi a Calidon. O rei desse país, Oeneu,possuía uma filha admiravelmente formosa, requestada por umamultidão de príncipes e heróis. Fig. 548 — Hércules e ()afale (segundo um grupo antigo).Hércules pôs-se no meio, e todos desistiram, com exceção deAquelous, filho de Oceano. Os dois heróis fizeram valer os seusdireitos, e como Aquelous contestasse os de
  • 245. Hércules, este, que nunca fora dotado de eloqüência, gritou,encolerizado: "0 meu braço é muito mais temível que a minhalíngua; contente com saber vencer, cedo-te a frívola vantagem defalar melhor do que eu." Ao mesmo tempo, Fig. 549 — Hércules e Onfale (segundo um baixo-relevo antigo).atirou-se sobre o adversário, e entre eles se feriu medonha luta.Após se verem obrigados a tomar fôlego por quatro vezes, semque um lograsse superar o outro, os dois rivais
  • 246. acabaram por se apertar de tal maneira que Aquelous tomboucambaleante, sob os golpes do adversário, sem contudo o largar.Mas, sentindo-se esmagado sob o peso dele, como se se tratassedo peso de uma montanha, metamorfoseou-se em serpente, eprocurou enroscar Hércules. Disse-lhe, então, Hércules, comdesdém: "Dominar Fig. 550 — Hércules fiando (segundo um mosaico antigo).serpentes era coisa que eu fazia quando criança!" A serpentetransformou-se em touro: Hércules pegou-o com tal força que lhearrancou um chifre (fig. 555), e Aquelous, cedendo à dor, deixouo lugar ao rival e desapareceu sob as águas.
  • 247. O célebre ajuste proporcionou tema para váriascomposições, principalmente em vasos pintados. Uma ânfora defiguras vermelhas nos mostra Hércules brandindo a maça com amão esquerda, e com a direita colocando o Fig. 551 — Hércules vencido por Cupido (segundo uma pedra gravada antiga). Fig. 552 — Cupidos erguendo a maça de Hércules (segundo uma pedra gravada antiga).
  • 248. arco na frente. Ataca Aquelous, que aparece sob o aspecto detouro de rosto humano com um longo chifre (fig. 556). A mesmacena está representada num grupo antigo, e na arte dos últimosséculos, constitui o assunto de uma estátua de Bosio que se vêno jardim das Tulherias. Fig. 553 — Hércules penteado por Onfale (pedra gravada antiga). Fig. 554 — Hércules e os cercopes. Segundo certas tradições, o chifre de Aquelous ter-se-iatransformado na cornucópia, que outros fazem provir da cabraAmaltéia. Um vaso antigo mostra Hércules
  • 249. apresentando a Júpiter o chifre de Aquelous, transformado emcornucópia: o rei dos deuses está sentado e empunha um grandecetro terminado por uma ave. Juno está de pé, atrás dele, eapoia a mão no espaldar do trono (fig. 557). Fig. 555 — Hércules e Aquelous (segundo uma pedra gravada antiga). Fig. 556 — Hércules e Aquelous (segundo uma pintura de vaso).
  • 250. Rapto de Dejanira Hércules, vitorioso, quis levar Dejanira, mas viu-se detidodiante de um rio desmedidamente engrossado pela chuva e pelodegelo. O centauro Nesso convidou Dejanira a montar nele paraa travessia; Hércules, não duvidando do plano do centauro,consentiu. Rubens nos mostra Dejanira no momento em que vaimontar no centauro (fig. 558). Fig. 557 — Hércules apresenta a Júpiter a cornucópia de Aquelous (segundo um vaso pintado). Mal foi o rio atravessado, Hércules, que ficara na outramargem, ouve um grito: o centauro fugia levando o peso. Oherói, furioso, matou o raptor (fig. 560). O rapto de Dejanira pelo centauro Nesso está representadonum espelho etrusco de caráter assaz arcaico: o centauro, quese volta para abraçar Dejanira, possui uma
  • 251. Fig. 558 — Nesso e Dejanira (segundo um quadro de RubensFig. 559 — Rapto de Dejanira (segundo qm espelho etruscol,
  • 252. longa barba perfeitamente penteada (fig. 559). Guido e LucaGiordano fizeram sobre o mesmo tema trabalhos célebres; masenquanto Guido se preocupa, sobretudo, com mostrar apaixão do centauro (fig. 561), Luca Giordano compõe umcentauro espantado, que, na fuga, traz os olhos fitos emHércules, cuja seta pretende evitar. Fig. 560 — Dejanira chama Hércules em auxílio (segundo uma pintura de vaso). A fogueira de Hércules Nesso, vendo-se prestes a dar o derradeiro suspiro,cuidou de vingar-se. Pegou a túnica ensangüentada e deu-a aDejanira, como talismã para que o marido a amasse. Rúbensrepresentou essa cena. Dejanira tinha ciúmes de
  • 253. Iole, que Hércules sem dúvida raptara, pois as pedras gravadasos mostram freqüentemente juntos (fig. 562). Crendo-sedesleixada pelo esposo, Dejanira lembrou-se do presente deNesso, e quis valer-se do talismã. Entregou, Fig. 561 — Rapto de Dejanira pelo centauro Nesso (segundo um quadro de Guido Reni, museu do Louvre).pois, a Licas, arauto de Hércules, a túnica do centauro,incumbindo-o de a levar ao amo; mas apenas o infeliz Hérculesse cobriu com tal túnica, cujo poder desconhecia, sentiu umhorrível veneno penetrar-lhe o corpo e fez
  • 254. ressoar pelo monte Oeta os seus gritos e gemidos. Envidou todosos esforços possíveis para tirar aquela veste envenenada, mas sóconseguiu arrancá-la tirando, ao mesmo tempo, a pele, a que detal modo aderira o manto que, com ela, saiu também carne. Ofogo que devorava as entranhas de Hércules fazia crepitar osseus músculos e derreter a moela dos seus ossos. Louco de raivae de dor, dando horríveis gritos, correndo pela montanha, comoum tigre furioso que traz no flanco a seta que o atingiu, encontraLicas; o desventurado mensageiro portador da túnica, e,agarrando-o por um dos membros, atira-o aos ares, onde o corpoda vitima gira até chegar ao mar. Canova explorou esse selvagemtema. Fig. 562 — Hércules e Iole (segundo uma pedra gravada antiga). O herói, não podendo mais suportar as dores, quis acabarcom uma vida que para ele era um sacrifício. Arranca as árvoresdo monte Oeta, com as quais prepara gigantesca fogueira,coloca em cima a pele do leão de Neméia, e, deitando-se sobreela, entrega ao amigo Filocteto, o arco e as setas, que deveriamser tão fatais a Tróia, e lhe ordena que ateie fogo à pilha delenha. As chamas, subindo em turbilhão, não tardam emenvolvê-lo
  • 255. por todos os lados; mas quando tudo o que era mortal ficouconsumido, Júpiter o arrebatou para o céu e o colocou no meiodos deuses. A morte de Hércules constitui o tema de um quadro deGuido que está no museu do Louvre (fig. 564), e de umaescultura que serviu de peça de recepção a Guillaume Coustou.Os dois artistas, inspirando-se no mesmo pensamento, mostramo herói sentado na fogueira e erguendo o braço para o céu aoqual invoca. Fig. 563 — Hércules em repouso (segundo uma estátua antiga). Apoteose de Hércules Os sofrimentos de Hércules na fogueira do monte Oetaforam raramente fixados na arte antiga, mas a sua apoteose sevê com freqüência. Um belo vaso pintado, depara-se-nos afogueira do Oeta ao mesmo tempo que a
  • 256. apoteose. No plano inferior, vemos a fogueira acesa, com o troncoainda não queimado de Hércules. Filocteto, que acaba deacendê-la, retira-se levando as duas lanças e a aljava do herói:no outro lado, uma ninfa derrama água de uma jarra paraextinguir as chamas. Em cima, Hércules, que reencontrou amocidade, está sentado na quadriga de Minerva, em companhiada Vitória alada que segura as rédeas. Mercúrio conduz o carropara o Olimpo, e Apolo, segurando ramos de louro, acolhe oherói como imortal (fig. 566). Fig. 564 — Morte de Hércules (segundo um quadro de Guido Reni, museu do Louvre).
  • 257. Em outros monumentos o herói celebra o seu casamento noOlimpo com Hebe, a deusa da mocidade (fig. 565). Fig. 565 — União de Hércules com Hebe (segundo um espelho etrusco). A mais famosa estátua que possuímos de Hércules deificadoé o fragmento antigo conhecido pelo nome de Torso de Belvedere,descoberto pelo fim do século quinze,
  • 258. perto do teatro de Pompéia, e que está em Roma. Essa obra-prima, que traz o nome, desconhecido aliás, de Apolônio deAtenas, inspirava tão viva admiração a Miguel Ângelo que este,quando cegou, sentia ainda prazer em apalpá-la com os dedos.Faltam a cabeça, os braços e as pernas. Winckelmann fazobservar, a propósito de tal estátua, que as veias jamais sãoaparentes no Hércules deificado, ao passo que as vemos no heróivivo, quando acaba de realizar os seus prodigiosos trabalhos. Aapoteose de Hércules, pintada por Lemoyne num teto do paláciode Versalhes, é uma das páginas mais importantes da escolafrancesa. Fig. 566 — Morte e apoteose de Hércules (segundo uma pintura de vaso). Sob a influência da poesia, Hércules torna-se o ideal daenergia benéfica, do trabalho civilizador triunfante de milobstáculos que a terra faz brotar sob os passos da humanidade.Nos mais antigos monumentos da arte, já se apresenta como otipo perfeito do herói e do atleta. Esse tipo, levado à perfeição porMiron e Lisipo, está sobretudo expresso pelo desenvolvimentodos músculos, pela pequenez da cabeça, cujos cabelos sãocurtos e encaracolados, pela amplidão da nuca, pela largura dopeito
  • 259. Fig. 567 — Hércules Farnese (segundo urna estátua antiga).
  • 260. e pelo vigor dos membros. Tais caracteres, que fazem reconheceras representações de Hércules melhor ainda que os seusatributos comuns, a maça e a pele de leão, são evidentíssimos naestátua intitulada Hércules Farnese. Está ela assinada com onome de Glícon ; mas como semelhante estátua, de execuçãomedíocre, traz o nome de Lisipo, crê-se que uma e outra sãoimitações do mesmo original de autoria de Lisipo. O HérculesFarnese representa o herói no momento em que descansa dosseus gloriosos trabalhos. Hércules, o herói divinizado, era uma das divindades maispopulares da antiguidade. O porco era o animal que se lheoferecia habitualmente em sacrifício: é por isso que, numa pedragravada do museu de Florença, vemos um Hércules montadonum porco (fig. 568). Segura numa das mãos a maça tradicionale na outra um cântaro, símbolo do seu culto. Invocava-se aproteção de Hércules contra os animais ferozes. É o que se nosdepara num epigrama da Antologia: "Por Hércules, comedor debois, filhos destes campos, os lobos devoradores cá não maisvirão, e os ladrões cuidarão de vos não invadir as casas, nem queum sono inoportuno vos cerre os olhos. Porque Denis me ergueuuma estátua, dirigindo-me esta prece : "Seja Hércules o vigilanteguarda deste país." (Antologia). Fig. 568 — Hércules montado num porco (segundo uma pedra gravada no museu de Florença).
  • 261. CAPÍTULO IV TESEU A infância de Teseu. — A pedra levantada. — A túnica rastejante. — A árvore de Sínis. — O leito de Procusto e o rochedo de Cirão. — A taça envenenada. — O touro de Maratona. — Teseu e o Miniaturo. — Ariadne abandonada. — A morte de Egeu. — Teseu combate as amazonas. — Teseu e Piritus. — Teseu nos infernos. — Morte de Teseu. A infância de Teseu A lenda heróica de Atenas personifica-se em Teseu, filho deEgeu, rei de Atenas. Fora criado em Trezene, na casa de Piteu,seu avô materno. Hércules, tendo ido um dia visitar Piteu, largoua pele de leão para sentar-se à mesa. Várias crianças de Trezene,entre as quais Teseu,
  • 262. contando mais ou menos sete anos de idade, aproximaram-se doherói, mas, à vista da pele de leão, fugiram todas com exceção deTeseu, que, muito longe de demonstrar qualquer medo, arrancouum machado das mãos de um dos domésticos, e deixou-o caircorajosamente sobre o que julgava um leão verdadeiro. A pedra levantada Egeu, antes de deixar Trezene, pusera a espada e o calçadodebaixo de uma grande pedra, e recomendara a sua mulher Etraque lhe não enviasse o filho a Atenas senão depois de poder elelevantar a pedra. Queria que o velho Piteu, o qual gozava degrande reputação de sabedoria, dirigisse inteiramente a primeiraeducação do filho. Mal atingiu Teseu a idade de dezesseis anos,levantou a pedra, e, apoderando-se do que ela ocultava, resolveurumar para Atenas, a fim de ali conquistar glória. Um baixo-relevo do museu Campana nos mostra o herói levantando, nomeio da família assombrada, a enorme pedra que cobria asarmas de seu pai Egeu (fig. 570). A cena está tambémrepresentada numa moeda, mas Teseu está ali sozinho (fig. 569). Fig. 569 — Teseu (segundo uma moeda antiga).
  • 263. Chegando secretamente às cercanias da cidade, onde eraabsolutamente desconhecido, mostrou Teseu de novo a suaforça. Tinha ele uma túnica rastejante e belos cabelos bemencaracolados que lhe caíam, em cachos, sobre os ombros. Fig. 570 — Teseu erguendo a pedra (segundo um baixo-relevo antigo) A túnica rastejante As vestes longas eram muito desdenhadas em Atenas, ondeas consideravam sinal de moleza. Ao passar perto de um templode Apolo, terminado de construir, Teseu ouviu os obreiros dizer,rindo-se: "Para onde irá essa moça tão bonita, sozinha?" O jovemherói sentiu-se ofendido com o gracejo ; nada retrucou, mas,desatrelando
  • 264. dois bois de um carro coberto, pegou a cobertura do carro eatirou-a por cima do teto em que trabalhavam os obreiros.Refletindo, em seguida, que ninguém o tomaria por moça, desdeque se assinalasse por um feito que o tornasse famoso, resolveunão entrar imediatamente em Atenas, e só apresentar-se ao paiquando fosse digno disso. A árvore de Sínis Todas as regiões da vizinhança estavam, naquela época,infestadas de bandidos. Teseu tomou a resolução de destruí-los.Assim, rumou para o lado de Epidauro, onde Perifetes, quepassava por filho de Vulcano, guardava a grande estrada ematava os viajantes com uma maça de bronze. Eliminou-oTeseu, e guardou a maça como troféu. Em seguida, dirigiu-separa o istmo de Corinto guardado pelo bandido Sínis; estecostumava curvar dois grandes pinheiros um para o outro, edeixava que se endireitassem, Fig. 571 — Sínis e Teseu (segundo uma pintura de vaso).
  • 265. após a eles amarrar os vencidos. As árvores, endireitando-se,puxavam cada uma para um lado, e visto que os laços nãocediam, os desventurados ficavam despedaçados. Teseu deu-lhea mesma morte. Num baixo-relevo do museu Campana vemosSínis amarrado a um pinheiro e o herói prestes a golpeá-lo. Amesma cena figura em vasos (figs. 571 e 572). A árvore de Sínisestá sempre representada por um arbusto nos monumentosarcaicos. pois os artistas, que não tinham veleidades depaisagista, se contentavam com indicar o sentido da lenda e nãotraduzir-lhe a realidade pictórica. Fig. 572 — Teseu matando o bandido Sínis (segundo uma pintura de vaso). O leito de Procusto e o rochedo de Cirão O bandido Procusto possuía singular mania; queria quetodos tivessem a sua altura, e para tanto mandava se deitassemno seu leito os viajantes detidos. Se ultrapassassem a medida doleito, cortavam-se-lhes as
  • 266. extremidades das pernas ; se, pelo contrário, fossemdemasiadamente pequenos, puxavam-nos mediante cordas, atéque atingissem o comprimento exigido. Teseu limpou a região dapresença do bandido, e correu depois atrás de Cirão, menosmaníaco, mas igualmente mau. Cirão era gulosíssimo, e gostava sobretudo de tartarugas.Para lhes tornar a carne mais delicada nutria-as de sanguehumano. Os viajantes, despojados de tudo, eram conduzidos aoalto de um rochedo e de lá atirados ao chão, onde se achavam astartarugas que imediatamente começavam o seu repasto, e quepareciam apreciar muito a iguaria. Teseu, apoderando-se deCirão, confiou-o a elas. É sempre a pena de Talião, expressãoprimitiva da justiça entre os homens, que reaparece nessaslendas, e Teseu, como Hércules, se transforma no grande repa-rador dos erros, no protetor das populações oprimidas, e notemível inimigo dos inimigos do gênero humano. A taça envenenada Após livrar a Ática dos bandidos que a assolavam, julgouTeseu que poderia, sem corar, apresentar-se ao pai, e chegou aAtenas, então fortemente agitada por graves dissensões. Ospalântidas, sobrinhos do rei, queriam apoderar-se do poder;eram cinqüenta e possuíam inúmeros sequazes, pois ninguémna cidade conhecia pessoalmente Teseu, e muitos duvidavam deque o filho do rei ainda continuasse vivo. Por outro lado, o velhoEgeu estava inteiramente sob a influência da feiticeira Medeia,que, desconfiando do forasteiro, quis mandá-lo envenenar, antesque o pai o pudesse reconhecer. Mas o monarca ateniense,notando a espada que Teseu empunhava, reconheceu-o por seufilho, e lhe arrancou das mãos a taça envenenada, que lhemandara servir, Um fragmento de
  • 267. baixo-relevo antigo representa a cena, em que vemos Medéia depé, atrás de Teseu a quem o pai arranca a taça, e águardando oefeito da poção (fig. 574). A feiticeira, vendo os seus artifíciosdescobertos, tratou de fugir. Fig. 573 — Morte de Procusto (segundo uma pintura de vaso). O touro de Maratona Alguns anos antes, Androgeu, filho do rei de Creta, Minos,viera a Atenas para os jogos gímnicos e vencera todos osconcorrentes. Um enorme touro devastava naquele momento aplanície de Maratona; Antrogeu, contando com a sua força, quiscombatê-lo, mas foi morto. Minos acusou Egeu da morte do filho,e veio sitiar Atenas com um exército formidável; não conseguindoapoderar-se da cidade, dirigiu-se a Júpiter vingador, que enviouuma peste aos atenienses. Estes consultaram o oráculo, o quallhes ordenou, para apaziguar o deus, que mandassem, emintervalos regulares, sete moços e sete moças à ilha de Creta, afim de servirem de pasto ao Minotauro, monstro de cabeça detouro.
  • 268. Um baixo-relevo esculpido em volta de um vaso conhecidopelo nome de vaso de Orsay parece representar o Minotauroarrastando os jovens atenienses para os imolar. É pelo menosuma das explicações que se dão a essa singular composição emque outros pretenderam ver Baco conduzindo as plêiades. Onotável vaso suscitou grandes discussões entre os sábios, masperdeu todo o seu valor arqueológico, depois que se lhecontestou a antiguidade: crê-se, hoje, tratar-se de um trabalhoda Renascença (fig. 575). Fig. 574 — Egeu retira a taça envenenada destinada a seu filho Teseu (segundo um fragmento antigo). Fig. 575 — O Minotauro conduz as jovens (baixo-relevo do vaso de Orsay). Os atenienses já tinham pago duas vezes o tributo exigido,quando Teseu chegou. Começou ele por ir à planície de Maratonaem busca do touro furioso que conseguiu trazer vivo à cidadelasacrificando-o a Apolo.
  • 269. Uma pintura de vaso representa a luta: Teseu dominou o touroao qual obriga a curvar a cabeça diante de Minerva, protetora deAtenas. A Vitória voa-lhe ao lado e Egeu assiste ao triunfo dofilho (fig. 576). Fig. 576 — O touro de Maratona (segundo uma pintura de vaso). Teseu e o Minotauro Teseu decidiu, em seguida, ir combater o Minotauro. Oempreendimento não era fácil, pois o Minotauro possuíaprodigiosa força, e seu pai Minos, desejando subtraí-lo a todos osolhares, o colocara no meio de inextricável labirinto construídopor Dédalo. Era impossível descobrir-lhe a saída, uma vez quenele se entrasse. Teseu não ignorava os perigos de toda espécieque deveria enfrentar: antes de embarcar, foi consultar o oráculode ApoIo que lhe aconselhou pôr-se sob a proteção de Vênus. Foiefetivamente essa deusa que inspirou a Ariadne, filha de
  • 270. Minos, uma paixão pelo herói, a quem ela deu um novelo de fiopara o guiar nos tortuosos caminhos do labirinto, e assim poderencontrar o caminho, quando pretendesse sair. Teseu combateuo Minotauro e matou-o. Foi em memória da sua libertação que,mais tarde, ele ergueu um templo na cidade de Trezena. SegundoRaoul Rochette, a vitória de Teseu contra o Minotauro deve serconsiderada um símbolo da religião grega, que, cada vez maishumana nos seus desenvolvimentos, tendia a fazer desaparecerem torno dela os sacrifícios humanos. A cena foi representadaem monumentos de estilo primitivo. Num vaso de estilo bastantearcaico, vemos Teseu varar o Minotauro com a espada. Omonstro tenta inutilmente defender-se com uma pedra. Doisjovens atenienses, que Teseu está prestes a libertar, estão nus eempunham, cada um, uma lança, mas não participamabsolutamente da ação, da qual são simples espectadores, comoo são duas moças vestidas de túnicas longas e estreitas (fig.578). Na arte dos últimos séculos, Canova compôs sobre o temadois grupos que se encontram em Veneza. Num deles, o heróiestá sentado sobre o monstro em atitude tomada de um camafeuantigo; no outro, segura-lhe a cabeça que ,se prepara a esmagarcom a maça. Ariadne abandonada Quando Teseu vitorioso deixou a ilha de Creta, Ariadneembarcou com ele, mas o herói, não desejando contrair comuma estrangeira união que seria mal vista em Atenas,abandonou-a na ilha de Naxos, onde ela foi, em seguida,encontrada por Baco de quem se tornou esposa. O abandono deAriadne por Teseu está figurado em vários trabalhos antigos.Uma pintura de
  • 271. Herculanum nos mostra a filha de Minos que vê o navio afastar-se, e Cupido, ao seu lado, chorando (fig. 579). O estranho abandono de uma jovem a quem Teseu devia avida nunca foi bem explicado pelos mitologistas. Dizem uns queo herói obedecera às ordens de Minerva; Fig. 577 — O Minotauro. o Labirinto (segundo uma moeda antiga). Fig. 578 — Teseu matando o Minotauro (segundo uma pintura de vaso).afirmam outros que foi o próprio Baco quem lhe ordenou nãoconduzir mais longe a mulher que ele pretendia desposar. Mas acena proporcionou à arte temas que foram reproduzidos sobtodas as formas, A moda no século
  • 272. dezoito impôs o retrato dos vultos ilustres com os atributos dosheróis mitológicos, e Largillière adquiriu nesse gênero grandereputação. "É interessante, diz Ch. Blanc, ver a famosa Duclos,comediante do século dezoito, na época de Luís XIV e do regente,aparecer no papel de Ariadne, vestida mais ou menos como sevestiam madame de Tencin ou madame de Prie: vestes erguidas,corpete em forma de coração, brincos, fitas, e um penacho queproduz o efeito mais grotesco na cabeça de uma Ariadnedesesperada. Nesse atavio, Duclos queixa-se da partida deTeseu, cujo navio se vê ao longe, enquanto, no segundo plano, senotam as bacantes e Sileno, à moda antiga. Não é tudo: umgeniozinho, digno de Rubens, vai depor uma coroa de estrelas nacabeça de Duclos, e com uma só mão empunha o cetro datragédia, a máscara de Melpômene e um ramo de louro. Tudoconstitui excelente pintura : não se é mais interessante, não se émais pintor." Fig. 579 — Ariadne abandonada na ílha de Naxos (segundo uma pintura antiga descoberta em Pompéía).
  • 273. A história de Teseu e de Ariadne está desenvolvida emquatro cenas diferentes num grande mosaico descoberto perto deSalzburgo e atualmente em Viena. O mosaico não mede menosde dezoito pés de comprimento por quinze de largura. No centro,vemos o labirinto construído por Dédalo, com Teseu combatendoo Minotauro. Na repartição à esquerda, Ariadne entrega a Teseuo novelo de fio que o guiará no labirinto, e na que está em cimadá a mão a Teseu, o qual a faz subir ao navio que os deveconduzir. Finalmente, na última repartição, a da direita, depara-se-nos Ariadne sentada em atitude triste e provavelmenteabandonada. Teseu trouxera com ele os jovens atenienses raptados àfúria do Minotauro. O reconhecimento dos desventurados estámuito bem expresso numa pintura de Herculanum, em que oherói vencedor recebe os seus abraços (fig. 580). A morte de Egeu Antes de regressar a Atenas, Teseu desembarcou na ilha deDelos, e executou diante do templo de Apolo, com os jovens queacabava de libertar, uma dança que reproduzia os contornos dolabirinto. Ao voltar à pátria, um esquecimento do piloto causou amorte de Egeu, o qual combinara com o filho que, se esteretornasse vitorioso da expedição, colocaria uma vela branca nonavio, em lugar da habitual negra, em virtude do uso nefasto aoqual estava destinado Mas tendo sido o sinal esquecido, o infelizEgeu julgou que o filho tivesse sido devorado pelo monstro, eatirou-se do alto da cidadela. Os atenienses conservaram comorelíquia a galera que trouxera Teseu vitorioso, e dela se valiamtodos os anos para levarem as suas ofertas a Delos. O navioestava inteiramente reparado, pois à medida que uma pranchaapodrecia, era imediatamente substituída por outra. Venerado,era mostrado aos viajantes, no tempo de Demétrio de Falera.
  • 274. Teseu combate as amazonas Teseu ocupou-se em primeiro lugar da organização internado reino, depois acompanhou Hércules na sua expedição contraas amazonas. Desposou-lhes a rainha Antíope e dela teve umfilho chamado HipóIito. Mas, no seu regresso, tendo abandonadoAntíope para desposar Fedra, quiseram as amazonas vingar aafronta e realizaram uma grande invasão da Ática, em que foramexterminadas. Numa pintura de vaso, vemos Teseu, varando coma lança a nova rainha das amazonas, Hipólita, a qual estáseguida de outra amazona que atira uma seta a Teseu, parasocorrer a companheira (fig. 582). A guerra das amazonas, queos atenienses consideram um fato capital na história heróica,constitui o tema de enorme quantidade de representações nosvasos e nos baixos-relevos que ornam os sarcófagos ou decoramos monumentos. Estava esculpida no templo de Figalia. Fig. 580 — Agradecimentos a Teseu (segundo uma pintura antiga).
  • 275. Fig. 581 — Teseu (segundo uma estátua antiga).
  • 276. Teseu e Piritus Após tão memorável feito, Teseu tomara a resolução de vivertranqüilamente no seu reino, quando soube que Piritus, rei doslapitas, se preparava para entrar nos seus estados com poderosoexército. O rei de Atenas viu-se, pois, obrigado a enfrentá-lo. Masquando os dois heróis se colocaram um em face do outro,sentiram-se dominados por tal simpatia, que, em lugar de secombaterem, estenderam-se as mãos. Desejoso de fortalecer aaliança, Piritus convidou Teseu e os atenienses para as suasnúpcias com a bela Hipodâmia, que se realizariam em breve, efoi em tal ocasião que ocorreu o famoso combate contra oscentauros de que falamos mais acima. Os dois amigos ligaram-seintimamente e Piritus ajudou Teseu a raptar Helena, ainda nasua primeira mocidade. Mas Teseu não logrou aproveitar-se dorapto, pois os dois irmãos de Helena, Castor e Pólux, vierambuscar a irmã e a conduziram a Esparta, onde ela,posteriormente, desposou Menelau. Fig. 582 — Teseu combate as amazonas (segundo uma pintura de vaso).
  • 277. Teseu nos infernos Em troca do serviço prestado a Teseu, Piritus confessou-lheestar apaixonado por Prosérpina, e pediu-lhe que o ajudasse araptá-la. A tarefa era difícil, mas a amizade impõe deveres, eTeseu viu-se obrigado a concordar. Dirigiram-se ambos ao caboTenare na Lacônia, onda há uma entrada dos infernos, e alipenetraram sem grande dificuldade. A expedição não foi feliz, eterminou até pelo ridículo: os dois amigos não lograram alcançaro objetivo da jornada, pois, estando cansadíssimos, sentaram-senuma pedra, mas a ela ficaram colados sem poderem mexer-se.Teseu ainda estaria ali, se Hércules não houvesse obtido dePlutão licença para o livrar: quando Hércules o arrancou, deixouele uma parte da carne no malfadado assento. Quanto a Piritus,não julgou Hércules conveniente tirá-lo de tão desagradávelsituação. Morte de Teseu Teseu, além dos feitos que se prendem diretamente àhistória heróica dos atenienses, fizera parte da expedição dosargonautas, e participou da caça ao javali de Calidon e de todosos eventos da sua época. No entanto, encontrou um fim muitotriste; tendo ido visitar Licomedes, rei de Ciros, este, invejoso dareputação de Teseu, ou corrompido pelos inimigos, mandou queo precipitas-sem do alto de um rochedo. Havia em Atenas dois quadros famosíssimos representandoTeseu : um era pintado por Parrásio e outro por
  • 278. Eufranor. Este último passava por apresentar melhor o caráterdo herói, e Eufranor dizia que o Teseu de Parrásio estava nutridode rosas, ao passo que o seu estava nutrido de carne. Essaexpressão, citada por Plínio, basta para mostrar claramente qualpodia ser a tendência das duas escolas rivais.
  • 279. ÍNDICEGRAVURASFig. 372 — Nascimento de Cupido (segundo um quadro de Lesueur) ...................11Fig. 373 — Vênus e Cupido .................................................................................12Fig. 374 — A força de Cupido (segundo uma pedra gravada antiga) .....................13Fig. 375 — Cupido triunfante (segundo uma pedra gravada antiga). Cupido pode ser considerado aqui por amor ao vinho, em virtude dos seus atributos báquicos ........................................13Fig. 376 — Vênus e Cupido (segundo uma pedra gravada antiga) ........................14Fig. 377 — Cupido de antigo estilo (segundo uma pedra gravada) ........................16Fig. 378 — Cupido adolescente (segundo um busto antigo) .................................17Fig. 379 — Cupido entesando o arco (segundo uma estátua antiga) ....................18Fig. 380 — Cupido (segundo uma estátua antiga) ................................................20Fig. 381 — Cupido fazendo o seu arco (por Bouchardon, museu do Louvre) ........21Fig. 382 — Cupido num hipocampo (segundo uma pedra gravada antiga) ...........22Fig. 383 — Mercadora de cupidos (segundo uma pintura antiga) .........................25Fig. 384 — Arco e aljava de Cupido com a borboleta de Psique .............................26Fig. 385 — O povo ajoelhado perante Psique (segundo uma composição de Rafael) ......................................................................................................28Fig. 386 — Rapto de Psique (segundo Prudhon) ...................................................31Fig. 387 — Cupido e Psique (segundo um monumento antigo, no museu Capitolino) ....................................................................33Fig. 388 — Cupido e Psique (segundo o quadro de Gérard, museu do Louvre) ................................................................................... 34Fig. 389 — Cupido abandonando Psique (segundo um quadro de Picot) ............. 36Fig. 390 — Psique (segundo uma estátua antiga) ................................................ 37Fig. 391 — Cupido reanimando Psique (por Thorwaldsen) .................................. 39Fig. 392 — Psique pensativa ...............................................................................39Fig. 393 — Núpcias de Cupido e Psique (segundo um baixo-relevo antigo do museu Britânico)......................................................................................40Fig. 394 — Cupido e Psique (segundo um grupo de Canova, museu do Louvre) ...................................................................................41Fig. 395 — Cupido e Psique (segundo um vidro antigo) .......................................42Fig. 396 — Cupido e Psique (segundo uma pedra gravada antiga) ......................43Fig. 397 — Cupido amarrando Psique (segundo uma pedra gravada antiga) .......44Fig. 398 — Mercúrio prende às costas de Psique as asas de Cupido agrilhoado (segundo uma pedra gravada antiga) ...........................................45Fig. 399 — Cupido queimando num archote a borboleta ....................................46
  • 280. Fig. 400 — Mercúrio barbudo (segundo uma pedra gravada antiga) ....................50Fig. 401 — Mercúrio (segundo uma estátua antiga) ............................................51Fig. 402 — Mercúrio associado a Vênus (numa medalha de Septímio Severo) ..........................................................................52Fig. 403 — Hermafrodita (segundo uma estátua antiga) .....................................53Fig. 404 — Mercúrio (segundo uma estátua antiga, museu do Louvre) ...............54Fig. 405 — Mercúrio inventor da lira (segundo uma estátua antiga) ...................56Fig. 406 — Mercúrio sentado (segundo um bronze do museu de Nápoles) ..........56Fig. 407 — Mercúrio, deus dos ladrões (segundo uma estátua antiga do museu Pio-Clementino) ...........................................................59Fig. 408 — Busto e atributos de Mercúrio ..........................................................60Fig. 409 — Medalhas arcádias e romanas, com o gale, atributos de Mercúrio .....61Fig. 410 — Mercúrio (segundo uma pedra gravada antiga) ..................................62Fig. 411 — Mercúrio, deus dos ginásios (segundo uma estátua antiga do museu Pio-Clementino) ........................................................... 63Fig. 412 — Mercúrio-menino no seu carro (segundo um baixo-relevo antigo) ..........................................................................................64Fig. 413 — O carneiro de Mercúrio .....................................................................65Fig. 414 — Mercúrio no carneiro (segundo uma medalha antiga) ........................ 66Fig. 415 — Mercúrio, deus dos viajantes (segundo uma pedra gravada antiga) ...........................................................................67Fig. 416 — Mercúrio cognominado Germânico (estátua antiga no museu do Louvre) ........................................................................ 68Fig. 417 — Mercúrio, deus da eloqüência (segundo uma pedra gravada antiga) ............................................................................ 68Fig. 418 — Mercúrio, estátua de bronze (por Gian di Bologna, em Florença) ..................................................................................... 70Fig. 419 — Mercúrio, mensageiro dos deuses (segundo uma pedra gravada antiga) ............................................................................ 71Fig. 420 — Mercúrio, condutor das almas (segundo uma pedra gravada antiga) ............................................................................72Fig. 421 — Mercúrio conduzindo uma alma ao reino de Plutão ........................... 73Fig. 422 — Mercúrio evocando uma sombra (segundo uma pedra gravada antiga) ............................................................................73Fig. 423 — Atributos de Mercúrio .......................................................................74Figs. 424, 425 — Cabeças de Pã (segundo antigas moedas) ................................77Fig. 426 — Pã (segundo uma moeda de Messena) (Sicília) ...................................78Fig. 427 — Pã (segundo uma antiga moeda arcádia) ...........................................78Fig. 428 — Cupido, vencedor de Pã ....................................................................79Fig. 429 — Pã (segundo uma estátua antiga) ......................................................80Fig. 430 — Pã (estátua antiga, museu do Louvre) ...............................................81Fig. 431 — Sacrifício a Pã (segundo uma pedra gravada antiga) .........................85Fig. 432 — Vesta (segundo uma estatueta antiga) ..............................................87Fig. 433 — Vestal (segundo uma estátua antiga) ................................................91Fig. 434 — Vestais sacrificando (segundo uma medalha antiga) .........................93Fig. 435 — Lar privado (segundo uma estátua antiga) ........................................ 94Fig. 436 — Gênios das corridas de carros (segundo um baixo-relevo antigo) ......................................................................................... 95Fig. 437 — Funeral de um gênio.......................................................................... 96Figs. 438, 439 — Cabeças de Baco (segundo moedas antigas) .............................100Fig. 440 — Baco indiano. cognominado Sardanápalo (estátua antiga) ................102Fig. 441 — Baco indiano (segundo um busto antigo) ..........................................103Fig. 442 — Baco frígio (segundo um baixo-relevo antigo) ....................................104Fig. 443 — Baco tebano (estátua antiga) ............................................................105Fig. 444 — Baco (segundo uma estátua antiga, museu do Louvre) .....................106
  • 281. Fig. 445 — Baco deitado (segundo uma estátua antiga) ......................................107Fig. 446 — Cisto e a serpente báquica (segundo uma medalha antiga) ...............109Fig. 447 — Líber e Libera (segundo uma pintura de vaso) ...................................110Fig. 448 — Sacrifício de bode (segundo um camafeu antigo) ...............................110Fig. 449 — Baco (segundo uma estátua antiga) ..................................................111Fig. 450 — Touro báquico ou dionisíaco (segundo uma pedra gravada antiga) ....112Fig. 451 — Touro ornado para o sacrifício (segundo urna pintura de vaso) .......................................................................................112Fig. 452 — Sacrifício do touro (segundo um baixo-relevo antigo) ........................113Fig. 453 — Baco e Apolo (segundo uma medalha de Adriano) .............................114Fig. 454 — Baco e Ceres (segundo uma medalha dos Nicenos) ...........................114Fig. 455 — Máscara trágica ................................................................................115Fig. 456 — Máscaras báquicas ...........................................................................116Fig. 457 — Atributos de Baco .............................................................................118Fig. 458 — Sátiros pisando uvas (segundo um baixo-relevo antigo) ....................118Fig. 459 — Festa em honra de Baco (segundo um baixo-relevo antigo) ...............119Fig. 460 — Sileno e os sátiros (segundo uma pedra gravada antiga) ...................121Fig. 461 — Festa em honra de Baco (segundo um baixo-relevo antigo) ................123Fig. 462 — Sileno, odre personificado (segundo uma estátua antiga do museu de Nápoles) .......................................................................................126Fig. 463 — Sileno e Baco (grupo antigo, chamado o Fauno e o Menino, museu do Louvre) ...........................................................................................127Fig. 464 — Sileno, pai nutridor de Baco (segundo um grupo antigo do museu de Nápoles) ..................................................................128Fig. 465 — Baco e Sileno (segundo uma estátua antiga) .....................................129Fig. 466 — Sileno montado no burro (segundo uma pedra gravada antiga) ....................................................................................... 130Fig. 467 — Sileno (segundo um quadro de Rubens) .......................................... 132Fig. 468 — Bacante (segundo uma pedra gravada antiga) ................................. 135Fig. 469 — Sátiros de estilo arcaico (segundo uma pintura de vaso) ................. 136Fig. 470 — Sátiro fazendo dançar um menino (segundo uma pedra gravada antiga) .......................................................................... 137Fig. 471 — Sátiro (segundo uma pedra gravada antiga) .................................... 138Fig. 472 — Baco conduzido por um sátiro (segundo uma pintura de vaso) .......................................................................................... 140Fig. 473 — Fauno e Fauna (segundo um busto antigo, museu de Nápoles) ..................................................................................... 141Fig. 474 — Fauno flautista (segundo uma estátua antiga, museu do Louvre) ...................................................................................... 142Fig. 475 — Fauno flautista (segundo uma estátua antiga) ................................ 143Fig. 476 — Fauno tocando címbalos (segundo uma estátua antiga) .................. 144Fig. 477 — Fauno em repouso (segundo uma estátua antiga, em Roma) ........... 145Fig. 478 — Fauno dançando (segundo uma estátua antiga) .............................. 146Fig. 479 — Fauno e cabrito (segundo uma estátua antiga) ................................ 148Fig. 480 — Sátiros e ninfa ................................................................................ 149Fig. 481 — O centauro primitivo (segundo uma pedra antiga) .......................... 152Fig. 482 — O centauro Borghese (estátua antiga, museu do Louvre) ................ 153Fig. 483 — Hércules e o centauro Folos (segundo uma pintura de vaso) ........... 157Fig. 484 — Hércules combatendo os centauros (segundo uma medalha antiga) ....................................................................................... 157Fig. 485 — Hércules combatendo os centauros ................................................. 158Fig. 486 — Hipodâmia raptada pelos centauros (segundo uma pintura antiga) ....................................................................................... 159Fig. 487 — Teseu combatendo os centauros (segundo uma pintura antiga) ....................................................................................... 159
  • 282. Fig. 488 — Teseu e o centauro ......................................................................... 160Fig. 489 — Cadmo e a novilha (segundo uma medalha antiga).......................... 162Fig. 490 — Núpcias de Cadmo e Harmonia (segundo um baixo-relevo antigo) ....................................................................................... 165Fig. 491 — Mercúrio e Baco (segundo uma pintura de vaso) .............................. 167Fig. 492 — Baco lavado pelas ninfas (segundo um baixo-relevo antigo) ............. 169Fig. 493 — Nascimento de Baco (segundo um espelho etrusco) ......................... 171Fig. 494 — Mercúrio entregando Baco a uma ninfa ........................................... 172Fig. 495 — Mercúrio pega o menino Baco que sai da coxa de Júpiter (segundo um baixo-relevo do museu Pio-Clementino) ................. 172Fig. 496 — Ino e seu filho (segundo uma moeda de Corinto) .............................. 175Fig. 497 — Palemon no delfim (segundo uma moeda antiga) .............................. 175Fig. 498 — Leucotéia ......................................................................................... 176Fig. 499 — Baco acolhido por Cibele (segundo um baixo-relevo do Louvre) ........ 178Fig. 500 — Berço de Baco (terracota antiga) ...................................................... 180Fig. 501 — Educação de Baco (segundo um quadro de Poussin, museu do Louvre) .................................................................................. 180Fig. 502 — Baco Ampelos (segundo um grupo antigo) ........................................ 182Fig. 503 — Baco sobre a pantera (pintura de vaso) ............................................ 184Fig. 504 — Regresso da conquista da índia ........................................................ 186Fig. 505 — Baco e Pã (segundo um fragmento de baixo-relevo antigo) ............... 187Fig. 506 — Um companheiro de Acetes .............................................................. 189Fig. 507 — Penteu dilacerado pelas bacantes (segundo uma pintura de vaso) ...................................................................................... 192Fig. 508 — Baco combatendo Perseu (segundo uma pintura de vaso) ................ 197Fig. 509 — Baco na casa de Icário (segundo um baixo-relevo antigo, no Louvre) .................................................................................. 198Fig. 510 — Ariadne abandonada (segundo Luca di Giordano) ............................ 200Fig. 511 — Ariadne adormecida (segundo uma estátua antiga) .......................... 201Fig. 512 — Leito de Baco (segundo um vaso antigo) ........................................... 203Fig. 513 — Apoteose de Baco e Ariadne ............................................................. 204Fig. 514 — Núpcias de Baco e Ariadne .............................................................. 204Fig. 515 — Baco e Prosérpina (busto antigo)...................................................... 205Fig. 516 — Busto de Ariadne (segundo uma estátua antiga) .............................. 206Fig. 517 — Baco e Prosérpina (segundo um camafeu antigo) ............................. 207Fig. 518 — Baco e Semele (segundo um espelho etrusco) .................................. 208Fig. 519 — Júpiter diante da janela de Alcmena (segundo uma pintura de vaso) ......................................................................... 212Fig. 520 — Juno aleitando Hércules (segundo o quadro de Rubens) ................. 215Fig. 521 — Hércules-menino (segundo uma estátua antiga) ............................. 216Fig. 522 — Hércules sufocando as serpentes (segunda uma pintura de Herculanum) ......................................................................... 216Fig. 523 — Hércules tocando lira (segundo uma medalha antiga) ..................... 217Fig. 524 — Hércules-menino (segundo uma estátua antiga) ............................. 218Fig. 525 — Hércules sufocando o leão de Neméia (segundo uma medalha antiga) .................................................. 222Fig. 526 — Hércules combatendo a hidra de Lerna (segundo pedra gravada antiga) ................................................. 223Fig. 527 — Hércules combatendo a hidra (pintura de vaso) .............................. 224Fig. 528 — Hércules levando a Euristeu o javali de Erimanto (segundo uma pintura antiga de Pompéia) ................................. 226Fig. 529 — Hércules combatendo com as setas contra as aves do Estínfale (segundo uma moeda antiga)...................................................... 227
  • 283. Fig. 530 — Hércules combatendo com a maça contra as aves do Estínfale (segundo uma moeda antiga)...................................................... 228Fig. 531 — Hércules e as aves do Estínfale (segundo uma pintura de vaso) ..................................................................................... 229Fig. 532 — Hércules combatendo a rainha das amazonas (segundo uma pintura de vaso) ................................................................. 230Fig. 533 — Hércules matando Diomedes (segundo um grupo antigo, em Roma) .................................................................................. 231Fig. 534 — Hércules e o triplo Gerião (segundo uma pintura de vaso) ............... 232Fig. 535 — Os bois de Gerião (segundo uma pintura de vaso)............................ 233Fig. 536 — Hércules e Nereu (segundo um baixo-relevo de Assos, no Louvre) ................................................................................. 234Fig. 537 — Hércules devolve a Atlas o peso do mundo (segundo um espelho etrusco) .................................................................. 235Fig. 538 — Hércules suportando o céu (segundo uma pedra gravada antiga) ......................................... 236Fig. 539 — Hércules no jardim das Hespérides (segundo uma pintura de vaso) ..................................................................................... 236Fig. 540 — Hércules iniciado nos mistérios (segundo um vaso pintado) ............ 238Fig. 541 — Cérbero amarrado por Hércules (segundo uma pedra gravada antiga) ......................................... 239Fig. 542 — Telefo aleitado por uma corça (segundo uma pintura de Herculanum) ..................................... 242Fig. 543 — Hércules e Telefo (segundo uma medalha de Tarso) ........................ 243Fig. 544 — Hércules matando Busíris (segundo uma pintura de vaso) .............. 244Fig. 545 — Hércules e Anteu (segundo uma pedra gravada antiga) ................... 246Fig. 546 — Caco (segundo uma pedra gravada antiga) ...................................... 247Fig. 547 — Hércules recebe os agradecimentos dos habitantes do monte Aventino (segundo uma medalha antiga) .................................................. 249Fig. 548 — Hércules e Onfale (segundo um grupo antigo) ................................. 251Fig. 549 — Hércules e Onfale (segundo um baixo-relevo antigo) ....................... 252Fig. 550 — Hércules fiando (segundo um mosaico antigo) ................................ 253Fig. 551 — Hércules vencido por Cupido (segundo uma pedra gravada antiga) . 254Fig. 552 — Cupidos erguendo a maça de Hércules (segundo uma pedra gravada antiga) ......................................... 254Fig. 553 — Hércules penteado por Onfale (pedra gravada antiga) ..................... 255Fig. 554 — Hércules e os cercopes .................................................................... 255Fig. 555 — Hércules e Aquelous (segundo uma pedra gravada antiga)............... 256Fig. 556 — Hércules e Aquelous (segundo uma pintura de vaso) ...................... 256Fig. 557 — Hércules apresenta a Júpiter a cornucópia de Aquelous (segundo um vaso pintado) ........................................................ 257Fig. 558 — Nesso e Dejanira (segundo um quadro de Rubens) .......................... 258Fig. 559 — Rapto de Dejanira (segundo um espelho etrusco) ............................ 258Fig. 560 — Dejanira chama Hércules em auxílio (segundo uma pintura de vaso) ................................................. 259Fig. 561 — Rapto de Dejanira pelo centauro Nesso (segundo um quadro de Guido Reni, museu do Louvre) .................................. 260Fig. 562 — Hércules e Iole (segundo uma pedra gravada antiga) ....................... 261Fig. 563 — Hércules em repouso (segundo uma estátua antiga) ....................... 262Fig. 564 — Morte de Hércules (segundo um quadro de Guido Reni, museu do Louvre).............. 263Fig. 565 — União de Hércules com Hebe (segundo um espelho etrusco) ........... 264Fig. 566 — Morte e apoteose de Hércules (segundo uma pintura de vaso) ......... 265
  • 284. Fig. 567 — Hércules Farnese (segundo uma estátua antiga) ............................. 266Fig. 568 — Hércules montado num porco (segundo uma pedra gravada do museu de Florença) ................ 267Fig. 569 — Teseu (segundo uma moeda antiga) ................................................ 269Fig. 570 — Teseu erguendo a pedra (segundo um baixo-relevo antigo)............... 270Fig. 571 — Sínis e Teseu (segundo uma pintura de vaso) ................................. 271Fig. 572 — Teseu matando o bandido Sínis (segundo uma pintura de vaso) ..... 272Fig. 573 — Morte de Procusto (segundo uma pintura de vaso) .......................... 274Fig. 574 — Egeu retira a taça envenenada destinada a seu filho Teseu (segundo um fragmento antigo) ................................................. 275Fig. 575 — O Minotauro conduz as jovens (baixo-relevo do vaso de Orsay) ....... 275Fig. 576 — O touro de Maratona (segundo uma pintura de vaso) ...................... 276Fig. 577 — O Minotauro. O Labirinto (segundo uma moeda antiga)................... 278Fig. 578 — Teseu matando o Minotauro (segundo uma pintura de vaso) .......... 278Fig. 579 — Ariadne abandonada na ilha de Naxos (segundo uma pintura antiga descoberta em Pompéia) ..................................... 279Fig. 580 — Agradecimentos a Teseu (segundo uma pintura antiga) .................. 281Fig. 581 — Teseu (segundo uma estátua antiga) ............................................... 282Fig. 582 — Teseu combate as amazonas (segundo uma pintura de vaso) .......... 283
  • 285. ÍNDICE CAPITULO VI — CupidoNascimento de Cupido ..................................................................................... 9Educação de Cupido ........................................................................................ 10Tipo e atributos de Cupido .............................................................................. 15Esaco .............................................................................................................. 22Pico e Circe ..................................................................................................... 23O cabelo de Niso .............................................................................................. 24 CAPITULO VII — PsiqueBeleza de Psique .............................................................................................. 27Ciúme de Vênus .............................................................................................. 29O oráculo de Apolo .......................................................................................... 29Psique raptada por Zéfiro ................................................................................ 30O palácio de Psique ......................................................................................... 32As irmãs de Psique .......................................................................................... 35A gota de azeite ............................................................................................... 36Cólera de Vênus .............................................................................................. 38As núpcias de Psique ....................................................................................... 40A alma humana ............................................................................................... 44 LIVRO VI - MERCÚRIO E VESTA CAPITULO I — MercúrioTipo e atributos de Mercúrio ............................................................................ 49Mercúrio, inventor da lira ................................................................................ 55Mercúrio, deus dos ladrões .............................................................................. 57Mercúrio, deus do comércio ............................................................................. 61Mercúrio, deus dos ginásios ............................................................................ 62Mercúrio pedagogo .......................................................................................... 64Mercúrio crióforo ............................................................................................. 65Mercúrio, guarda das estradas ........................................................................ 66Mercúrio, deus da eloqüência .......................................................................... 66Mercúrio, mensageiro dos deuses .................................................................... 69Mercúrio, condutor das almas ......................................................................... 71Queixas de Mercúrio ....................................................................................... 74 CAPITULO II — Pã, Deus da ArcádiaNascimento de Pã ............................................................................................ 76Cupido, vencedor de Pã ................................................................................... 78Pã e Syrinx ...................................................................................................... 79Pítis metamorfoseada em pinheiro ................................................................... 82Pã e a ninfa Eco .............................................................................................. 83Pã, filho de Mercúrio ....................................................................................... 83Pã, divindade pastoril ...................................................................................... 84Pã, deus universal ........................................................................................... 85
  • 286. CAPITULO III — VestaTipo e atributos de Vesta ................................................................................. 86O altar doméstico ............................................................................................ 89A chegada da noiva ......................................................................................... 90As vestais romanas .......................................................................................... 91Os lares domésticos ......................................................................................... 93Os gênios ........................................................................................................ 94 LIVRO VII - BACO E O SEU CORTEJO CAPITULO I — Tipo e Atributos de BacoBaco oriental ................................................................................................... 99Baco tebano .................................................................................................... 104A vinha, a hera e o tirso .................................................................................. 107O cisto e a serpente báquica ............................................................................ 108Os animais báquicos ....................................................................................... 108Baco inspirador ............................................................................................... 113Baco, inventor do teatro .................................................................................. 115A taça mística .................................................................................................. 116As festas de Baco ............................................................................................ 117 CAPITULO II — SilenoO pai nutridor de Baco .................................................................................... 125Sileno e as jovens ............................................................................................ 128Embriaguez de Sileno ...................................................................................... 131 CAPITULO III — Bacantes e SátirosAs bacantes e as mênades ............................................................................... 133Os pis e os sátiros ........................................................................................... 136Os Faunos ....................................................................................................... 147 CAPITULO IV — Os CentaurosOs centauros primitivos .................................................................................. 151Baco e os centauros ........................................................................................ 154Hércules e os centauros .................................................................................. 155Rapto de Hipodâmia ........................................................................................ 156 CAPITULO V — O Nascimento de BacoCadmo e o oráculo ........................................................................................... 161Os companheiros de Cadmo ............................................................................ 162O dragão de Marte ........................................................................................... 163Núpcias de Cadmo e Harmonia ....................................................................... 164Júpiter e Semeie .............................................................................................. 165A coxa de Júpiter ............................................................................................ 166A nutriz de Baco .............................................................................................. 170Ino e Palemon .................................................................................................. 173
  • 287. CAPITULO VI — Educação de BacoBaco na corte de Cibele ................................................................................... 177A infância de Baco .......................................................................................... 178Baco e Ampelos ............................................................................................... 181 CAPITULO VII — A Lenda Heróica de BacoA conquista da índia ........................................................................................ 183Baco em Tebas ................................................................................................ 187Os marujos de Acetes ...................................................................................... 188Penteu dilacerado pelas bacantes .................................................................... 190Cadmo metamorfoseado em serpente ............................................................... 191As filhas de MíniasBaco e Licurgo ................................................................................................. 194Baco e Perseu .................................................................................................. 195Baco e Erígone ................................................................................................ 196 CAPITULO VIII — Baco MísticoBaco em Naxos ................................................................................................ 199Baco e Ariadne ................................................................................................ 201Baco e Prosérpina ............................................................................................ 203Semele reconduzida dos infernos ..................................................................... 207 LIVRO VIII - HÉRCULES E TESEU CAPITULO I — Infância de HérculesJúpiter e Alcmena ........................................................................................... 211O ciúme de Juno ............................................................................................. 213O leite de Juno ................................................................................................ 213Hércules sufoca duas serpentes ...................................................................... 214Hércules entre o Vício e a Virtude .................................................................... 215A morte de Anfitrião ........................................................................................ 217Demência de Hércules ..................................................................................... 219 CAPITULO II — Os Doze Trabalhos de HérculesO leão de Neméia ............................................................................................. 221A hidra de Lerna .............................................................................................. 222A corça de chifres de ouro ............................................................................... 224O javali de Erimanto ........................................................................................ 225As estrebarias de Augias ................................................................................. 225As aves do lago Estínfale ................................................................................. 226A rainha das amazonas ................................................................................... 227Os cavalos de Diomedes .................................................................................. 228Os bois de Gerião ............................................................................................ 229O touro de Creta .............................................................................................. 232As maçãs de ouro das Hespérides .................................................................... 232A descida aos infernos ..................................................................................... 237
  • 288. CAPÍTULO III — Outros Feitos e Apoteose de HérculesHércules e Telefo ............................................................................................. 241Hércules e Busíris ........................................................................................... 243Os pigmeus ..................................................................................................... 243Hércules e Anteu ............................................................................................. 245As colunas de Hércules ................................................................................... 246Hércules e Caco ............................................................................................... 247Hércules e Onfale ............................................................................................ 248Os cercopes ..................................................................................................... 250Hércules e Aquelous ........................................................................................ 251Rapto de Dejanira ............................................................................................ 257A fogueira de Hércules ..................................................................................... 259Apoteose de Hércules ...................................................................................... 262 CAPITULO IV — TeseuA infância de Teseu ......................................................................................... 268A pedra levantada ........................................................................................... 269A túnica rastejante .......................................................................................... 270A árvore de Sínis ............................................................................................. 271O leito de Procusto e o rochedo de Cirão .......................................................... 272A taça envenenada .......................................................................................... 273O touro de Maratona ....................................................................................... 274Teseu e o Minotauro ........................................................................................ 276Ariadne abandonada ....................................................................................... 277A morte de Egeu .............................................................................................. 280Teseu combate as amazonas ........................................................................... 283Teseu e Piritus ................................................................................................ 283Teseu nos infernos .......................................................................................... 284Morte de Teseu ................................................................................................ 285
  • 289. Impressão e Acabamento Círculo do Livro S.A.Rua do Curtume, 738 - Lapa Caixa Postal 7413Fones: 864-8366 - 864-3282 São Paulo - BrasilFilmes fornecidos pelo editor

×