Tarefa 4
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Tarefa 4

on

  • 2,062 views

 

Statistics

Views

Total Views
2,062
Views on SlideShare
2,062
Embed Views
0

Actions

Likes
1
Downloads
62
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Tarefa 4 Tarefa 4 Document Transcript

  • O MODELO DE AUTO-AVALIAÇÃO DAS BIBLIOTECAS ESCOLARES: metodologias de operacionalização (parte I) a) Selecção de um Domínio/Subdomínio DomínioA.2. Promoção da Literacia da Informação Esta escolha foi motivada pelo facto do Domínio A se prender com o objectivo de, serem melhoradas as aprendizagens dos alunos e os seus resultados escolares, o que pode ser atingido com o apoio da Biblioteca Escolar. b) Selecção de dois indicadores A.2.2. Promoção do ensino em contexto de competências de Informação (indicador de Processo) A.2.4. Impacto da BE nas competências Tecnológicas e de informação dos alunos (indicador de Impacto/Outcome) c) Plano de Avaliação Nos últimos anos, as equipas das Bibliotecas Escolares já se vão preocupando com a dinamização de actividades de promoção da literacia da informação. Contudo, os alunos ainda não adquiriram o hábito de seguir as O Modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas Escolares: metodologias de operacionalização(parteI) Trabalho realizado por: Filomena Rúbio
  • várias fases do processo de pesquisa e tratamento da Informação, nomeadamente, no que diz respeito, à utilização das novas tecnologias. Por isso, devemos começar por motivar os professores e alunos para a utilização da Biblioteca Escolar e mostrar que essa utilização faz a diferença, nos resultados dos alunos e conseguir também o reconhecimento dos órgãos de gestão. Assim, ressaltam algumas questões que serviram de reflexão e orientação para a concretização do Plano de Avaliação: - Os utilizadores conhecem e aplicam o Regimento da BE e o Guia do Utilizador? - Utilizam correctamente as várias zonas funcionais da BE? - Têm sabido usufruir de forma eficaz os serviços que a BE oferece? - Utilizam os vários materiais produzidos e editados no domínio da formação dos utilizadores? - Que estratégias devem a BE desenvolver para que as suas acções tenham impacto, junto da comunidade escolar? A elaboração de um Plano de Avaliação pode ajudar-nos a conhecer o impacto da Biblioteca Escolar nas competências de Literacia de Informação dos alunos, por um lado, mas por outro, pode contribuir para que o trabalho a desenvolver, seja mais eficaz. O Modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas Escolares: metodologias de operacionalização(parteI) Trabalho realizado por: Filomena Rúbio
  • A.2.2. – PROMOÇÃO DO ENSINO EM CONTEXTO DE COMPETÊNCIAS DE INFORMAÇÃO Factores críticos de sucesso Acções a Métodos e Planificação da Calendarização Avaliar instrumentos a recolha e das acções utilizar tratamento de dados Esclarecer/Sensibilizar a comunidade - Reunião de CE escolar para a importância da auto-avaliação - Reunião de CP Início do ano lectivo a partir da apresentação do próprio modelo e do Domínio Escolhido - PowerPoint: Apresentação do Modelo de Auto- Avaliação/Domínio escolhido. Promover a integração na BE, com o apoio - Projecto Educativo dos órgãos de gestão e dos docentes, de um - Projecto Curricular 1º período plano para a Literacia da Informação, que deve constar no Projecto Educativo e Curricular da Escola/Agrupamento O Modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas Escolares: metodologias de operacionalização(parteI) Trabalho realizado por: Filomena Rúbio Página 3
  • Factores críticos de sucesso Acções a Métodos e Planificação da Calendarização Avaliar instrumentos a recolha e das acções utilizar tratamento de dados Introduzir uma política na - Plano de Actividades Escola/Agrupamento que seja orientada 1º período para o ensino sistemático e em contexto curricular de competências de informação Incentivar a equipa da BE para a formação - Acções de Formação - Calendário das sessões - Elaboração do Calendário na área da Literacia da Informação. - Materiais de Apoio - Elaboração de materiais 1º período de apoio Produzir/Divulgar, em colaboração com os - Apoio à utilização do - Grelhas de Observação - Adaptação da grelha de docentes guiões de pesquisa e outros guião de pesquisa – observação turmas seleccionadas 2º e 3º períodos materiais de apoio ao trabalho de para o efeito - Tratamento estatístico exploração dos recursos de informação, dos dados recolhidos pelos alunos. O Modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas Escolares: metodologias de operacionalização(parteI) Trabalho realizado por: Filomena Rúbio Página 4
  • Métodos e Planificação da Calendarização instrumentos a recolha e das acções Factores críticos de sucesso Acções a utilizar tratamento de Avaliar dados Participação dos elementos da Equipa da BE, - Planificação - Registo de reuniões / em cooperação com os docentes, nas antecipada com os Contactos Ao longo do ano lectivo actividades de ensino de competências de docentes, do trabalho - Planificações informação com turmas/grupos/alunos. de pesquisa, a realizar na BE – turmas seleccionadas para o efeito. O Modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas Escolares: metodologias de operacionalização(parteI) Trabalho realizado por: Filomena Rúbio Página 5
  • A.2.4. – IMPACTO DA BE NAS COMPETÊNCIAS TECNOLÓGICAS E DE INFORMAÇÃO DOS ALUNOS Factores críticos de sucesso Métodos e instrumentos a utilizar Calendarização das acções Os alunos utilizam de acordo com o seu nível de Observação de utilização da BE (O1) Trabalhos escolares dos escolaridade, linguagens, suportes, modalidades de alunos Utilização pelos alunos: Ao longo do Ano Lectivo recepção e de produção de informação e formas de Questionário aos professores comunicação variados, entre os quais se destaca o - do catálogo de pesquisa electrónico; (QP1) uso de ferramentas digitais - das grelhas de avaliação dos alunos Questionário aos alunos(QA1) - da internet - dos guiões literacia da informação O Modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas Escolares: metodologias de operacionalização(parteI) Trabalho realizado por: Filomena Rúbio Página 6
  • Factores críticos de sucesso Métodos e instrumentos a utilizar Calendarização das acções - Os alunos incorporam no seu trabalho, as - Sessões de trabalho entre a Registo de: diferentes fases do processo de pesquisa e equipa da BE e os professores, no - Nº de sessões realizadas No final de cada período tratamento de informação: identificam fontes de âmbito da Literacia da informação e seleccionam informação, com recurso Informação - Nº de professores participantes a obras de referência, documentos impressos, bibliotecas digitais ou outras fontes de informação electrónicas. Depois organizam, sintetizam e - Produção de materiais pela BE, comunicam a informação tratada e, por último, de apoio à pesquisa e tratamento avaliam os resultados do trabalho realizado. Grelha de análise dos trabalhos dos da informação alunos - Realização de trabalhos, pelos Estatísticas da utilização alunos Grelha de Observação O1 - Utilização da BE O Modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas Escolares: metodologias de operacionalização(parteI) Trabalho realizado por: Filomena Rúbio Página 7
  • Factores críticos de sucesso Métodos e instrumentos a utilizar Calendarização das acções Os alunos demonstram, de acordo com o seu nível Realização de trabalhos pelos Grelha de análise dos trabalhos dos Novembro de escolaridade, compreensão sobre os problemas alunos alunos Maio éticos, legais e de responsabilidade social, Debate sobre esta problemática Registo da reflexão individual e associados ao acesso, avaliação e uso da com os professores e alunos colectiva feita no Debate. informação e das novas tecnologias. envolvidos Os alunos revelam ao longo de cada ciclo de Solicitar aos DT’s a distribuição QA1 Novembro escolaridade, progressos no uso de competências dos questionários aos alunos, das Maio tecnológicas e de informação nas diferentes turmas seleccionadas para o disciplinas e áreas curriculares. efeito. Preenchimento pelos alunos, das turmas seleccionadas para o efeito, do questionário (QA1) O Modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas Escolares: metodologias de operacionalização(parteI) Trabalho realizado por: Filomena Rúbio Página 8
  • ANÁLISE E DIVULGAÇÃO DOS DADOS Neste momento é importante fazermos uma reflexão detalhada que mostre, de forma objectiva, os resultados do trabalho desenvolvido. Pretende-se identificar os pontos fortes e fracos para planificar e delinear acções de melhoria. Assim deve-se seguir os seguintes passos: Tratamento de dados: - Constituição de uma equipa que deve ser composta pelo coordenador(a) da BE e outros professores; - Elaboração de instrumentos de tratamento de dados; - Tratamento e análise dos dados. Registo da Auto – Avaliação - Reflexão sobre os resultados; - Identificação do nível de desempenho; - Preenchimento do Relatório. Comunicação dos resultados - Apresentação do Relatório ao Conselho Pedagógico, assim como do Plano de Melhoria. A divulgação dos resultados e do Plano de Melhoria devem ser afixados num placard de destaque, para conhecimento de alunos e docentes da Escola/Agrupamento. O Modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas Escolares: metodologias de operacionalização(parteI) Trabalho realizado por: Filomena Rúbio
  • Bibliografia: • McNamara, Cárter (1997-2008). Basic Guide to Program Evaluation. • Gabinete da Rede de Bibliotecas Escolares. Auto-avaliação das Bibliotecas Escolares: instrumentos de recolha de dados. • Gabinete da Rede de Bibliotecas Escolares. Modelo de Auto- avaliação das Bibliotecas Escolares (2008). • Texto da sessão. Disponível na Plataforma. O Modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas Escolares: metodologias de operacionalização(parteI) Trabalho realizado por: Filomena Rúbio