Apresentação Rato do campo e rato da cidade

  • 4,528 views
Uploaded on

 

More in: Technology , Business
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
No Downloads

Views

Total Views
4,528
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
5

Actions

Shares
Downloads
205
Comments
0
Likes
2

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1.
  • 2. Era uma vez o Rato do Campo
    Rato do Campo vivia no seu buraquinho junto à Seara Verde.
    Via nascer o Sol, sabia da mudança das estações do ano pelo frio ou calor que sentia, dava grandes passeios com os amigos.
  • 3. Era uma vez o rato da Cidade
    Rato da cidade vivia no seu buraquinho junto ao fogão da cozinha da Casa Grande.
    Comia o queijo da ratoeira sem se deixar apanhar, conhecia os cantos de todos os armários que guardavam comida, inventava manhas e artimanhas para fugir às garras do gato Feliciano, que o perseguia dia e noite pelo corredor.
  • 4. De vez em quando Rato do Campo suspirava;
    • Ah! Quem me dera o sossego em que vive o meu primo na cidade… Comidinha certa, telhado seguro, calor no Inverno, fresco no Verão…
    • 5. Ele é que tem sorte!
  • De vez em quando o Rato da Cidade suspirava:
    • Ah! Quem me dera a liberdade em que vive o meu primo no campo…
    • 6. Ar puro, horizontes largos, sem um gato a persegui-lo dia e noite…
    • 7. Ele é que tem sorte!
  • E tanto e tão forte suspiraram um dia que se ouviram um ao outro. E logo ali decidiram trocar de casa e de lugar;
  • 8. Rato do Campo iria morar na cozinha da casa grande; Rato da Cidade iria morar no buraquinho junto da Seara Verde.
  • 9. Mas logo no primeiro dia Rato do Campo ia morrendo de coração,
    com o susto dos bigodes do Feliciano, mesmo à sua frente. Enfiou então, quase sem fôlego, pelo buraquinho junto do fogão, que era agora a sua casa, e por pouco não ia sendo apanhado pela ratoeira, logo à entrada.
    Durante uma semana esperou que a comida lhe aparecesse à porta, mas nada: se queria comer, teria de procurar sustento pelos cantos daquele casarão enorme, desconhecido, perigoso.
    E Rato do Campo emagrecia, emagrecia, emagrecia.
    E suspirava de saudades.
  • 10. E logo no primeiro dia Rato da Cidade ia morrendo de pneumonia com o frio que entrava pelo buraquinho na terra, que era agora a sua casa.
    Durante uma semana procurou comida – mas ali não havia armários, e arranjar queijo era impossível.
    E Rato da Cidade emagrecia, emagrecia, emagrecia.
    E suspirava de saudades.
    E tanto e tão forte suspiraram um dia que se ouviram um ao outro, e logo ali decidiram acabar com aquela troca sem sentido, voltando cada um para sua casa.
  • 11. E Rato do Campo, mal chegou, fez logo uma visita à Seara Verde, matando finalmente a fome de tantos dias. E suspirou, assim como quem diz, «que saudades eu tinha do sabor dos grãos de trigo!»
  • 12. E Rato da Cidade, mal chegou, fez logo uma visita aos armários da cozinha e a todos os cantos do corredor. E suspirou, assim como quem diz, «que saudades eu tinha dos bigodes do Feliciano!»
  • 13. E tanto e tão forte suspiraram nesse dia, que se ouviram um ao outro.
    Sorriram e murmuraram ambos
    • Viajar é bom, mas o melhor de tudo é chegar a casa.
    • 14. E nessa noite dormiram sem pesadelos.