Your SlideShare is downloading. ×
O impacto da tecnologia sobre as pessoas no trabalho
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

O impacto da tecnologia sobre as pessoas no trabalho

30,348
views

Published on

O impacto da tecnologia sobre as pessoas no trabalho

O impacto da tecnologia sobre as pessoas no trabalho

Published in: Education, Business, Technology

0 Comments
3 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
30,348
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
399
Comments
0
Likes
3
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. ESCOLA SUPERIOR DE PUBLICIDADE E MARKETING - ESPMPÓS-GRADUAÇÃO EM PRIMEIRA GERÊNCIA EM GESTÃO DE NEGÓCIOS COM ÊNFASE EM MARKETING ANDRESSA CRISTINA DOMINGUEZ DUARTE FILIPE DE OLIVEIRA SERRÃO DE FREITAS RODRIGO HISAO MINAMI O FATOR HUMANO NAS ORGANIZAÇÕES “O IMPACTO DA TECNOLOGIA SOBRE AS PESSOAS NO TRABALHO” São Paulo 2011
  • 2. ANDRESSA CRISTINA DOMINGUEZ DUARTE FILIPE DE OLIVEIRA SERRÃO DE FREITAS RODRIGO HISAO MINAMIO IMPACTO DA TECNOLOGIA SOBRE AS PESSOAS NO TRABALHO Trabalho apresentado para curso de Pós-Graduação em Primeira Gerência em Gestão de Negócios com ênfase em Marketing da Escola Superior de Propaganda e Marketing - ESPM, com obtenção de nota da disciplina de Fator Humano nas Organizações, ministrado pelo Professor Daniel Branchini. São Paulo 2011
  • 3. ÍNDICE1. Contextualização do tema1.1 Capacidade de uso da tecnologia ..........................................................................................41.2 Primeira Revolução Industrial .................................................................................................41.3 Segunda Revolução Industrial ................................................................................................51.4 Momento atual.........................................................................................................................52. Influência da tecnologia2.1 O impacto da tecnologia nas organizações .........................................................2.3 Organização do trabalho na evolução tecnológica ..................................................................2.4 Impacto da tecnologia na formação gerencial ................................................................................3. Problema2.2 A adaptação de gestores mais velhos à tecnologia ..............................2.5 A exigência da tecnologia no mercado de trabalho ............................4. Tendências e perspectivas futuras4.1 Problemas e tendências futuras ........................................................... .4.2 E-commerce ..........................................................................................4.3Tecnologia nas decisões sobre novos produtos4.4 Reflexão: Know how vs Know why ………………………………....………Referências ...................................................................................................... 15Anexos .............................................................................................................
  • 4. 31. CONTEXTUALIZAÇÃO DO TEMA Vivemos numa sociedade complexa e em constante mutação. O efeitoque novas ferramentas trazem para a sociedade afeta as pessoas e asorganizações. Um componente que está em constante evolução e é irreversívelo seu desenvolvimento, é a tecnologia. Que é uma ferramenta que podeprovocar alterações no macro-ambiente, conforme Quevedo (2007, p. 34) atecnologia é um processo complicado de informações. O autor tambémexemplifica que a tecnologia facilita a resolução de um problema, ele mesmocita que a compreensão da tecnologia se diz, “a soma de conhecimentoscientíficos”. Mas, ultimamente a utilização de novas tecnologias tem sido vitalpara a sobrevivência de uma organização, pois as mesmas estão inseridas emum ambiente competitivo e turbulento, que tem mudanças constantes com umavelocidade alta, fazendo com que as empresas obtenham um sistema deinformação rápido que consiga acompanhar o ritmo de transformações. Osavanços tecnológicos e a globalização apresentaram inúmeros obstáculos paraas organizações. A busca por competitividade, através de redução de custos e ganhos deprodutividade, está fazendo com que as organizações procurem por inovaçõestecnológicas que permitam uma vantagem competitiva. 1.1. Capacidade de uso da tecnologia Antes de analisarmos a fundo a questão dos empregos, é preciso teruma base de como os avanços tecnológicos influíram até hoje na vida dohomem.Nos casos das primeiras e segundas Revoluções Industriais eram épocas emque a sociedade e o progresso da humanidade giravam em torno de fábricasou indústrias. 1.2. Primeira Revolução Industrial Na Primeira Revolução Industrial, a energia movida a vapor foi usadapara a extração de minério, na indústria têxtil e na fabricação de uma grande
  • 5. 4variedade de bens que anteriormente eram feitos à mão. O navio a vaporsubstituiu a escuna e a locomotiva a vapor substituiu os vagões puxados acavalo, melhorando significativamente o processo de transporte de matéria-prima de produtos acabados. Substituindo assim, muito do trabalho físico. 1.3. Segunda Revolução Industrial A Segunda Revolução Industrial ocorreu entre 1860 e a I GuerraMundial. O petróleo começou a competir com o carvão e a eletricidade foiefetivamente utilizada pela primeira vez, criando uma nova fonte de energiapara operar motores, iluminar cidades e proporcionar comunicação instantâneaentre as pessoas. A exemplo da revolução do vapor, o petróleo a eletricidade eas invenções que os acompanharam na Segunda Revolução Industrialcontinuaram a transferir a carga da atividade econômica do homem para amáquina. 1.4. Momento atual O período logo após a II Guerra Mundial é o momento que vivemos eainda estamos vivenciando, acredito que seria um exagero chamá-lo deTerceira Revolução Industrial, pois, atualmente essas grandes mudançasenglobam muito mais do que somente a indústria. Este período somente agoraestá começando a ter um impacto significativo no modo como a sociedadeorganiza sua atividade econômica. Robôs com controle numérico,computadores e softwares avançados estão invadindo a última esfera humana– os domínios da mente. Adequadamente programadas, estas novas"máquinas inteligentes" são capazes de realizar funções conceituais, gerenciaise administrativas e de coordenar o fluxo da produção, desde a extração damatéria-prima ao marketing e à distribuição do produto final e de serviços.2. INFLUÊNCIA DA TECNOLOGIA 2.1. O impacto da tecnologia nas organizações Segundo Gonçalves (1993) os impactos das novas tecnologias sobre otrabalho realizado nas empresas podem ser percebidos como mudanças emdiversas variáveis, como:
  • 6. 5 • Conteúdo e natureza das tarefas; • Skill requeridos; • Pressões e ritmo de trabalho; • Interação entre os operários; • Quantidade de operários; • Distribuição e localização dos operários; • Horários e duração das jornadas. Existem mudanças no conteúdo e natureza das tarefas, a partir domomento em que processos manuais passam a ser eletrônicos, ou a utilizaçãoda intranet como exemplo, geram reações comportamentais diferentes entre aspessoas tais como a resistência e o medo. Em relação às habilidades do trabalhador, os impactos podem ser de maiorou menor grau, dependendo do ramo da empresa, porém todos ostrabalhadores deverão sofrer os impactos da tecnologia. A nova tecnologia pode provocar impactos sobre o nível de emprego, stresse satisfação no trabalho, além de exigir novas habilidades do trabalhador.Notam-se, também, mudanças na gerência, com um controle maior de seudesempenho. Os impactos da nova tecnologia foram percebidos na maneira de se realizaro trabalho, nos aspectos físicos da organização e no aspecto psicológico daspessoas envolvidas. Neste sentido, também foi observado que os efeitos destes impactos,muitas vezes não são esperados ou planejados pela empresa. Rodrigues(1998) já havia comentado que os efeitos da informatização não se limitam àsestratégias traçadas, indo além dos objetivos previstos pela empresa. Destamaneira fica claro que, as conseqüências da implantação de novas tecnologiaspodem provocar repercussões ainda mais drásticas em todos os aspectos daorganização. 2.2. Organização do trabalho na evolução tecnológica
  • 7. 6 O impacto de novas ferramentas tecnológicas tem sido caracterizado,segundo o autor Quevedo (2007) como um conjunto de funções, que por suavez, busca se adequar ou levantar novas formas de organização, em função datecnologia. Segundo Day, Schoemaker e Gunther (2003), no começo dos 90algumas empresas conseguiram criar novas funções organizacionaisaproveitando todas as ferramentas funcionais da nova tecnologia. O autorexemplifica que “as companhias aéreas foram pioneiras neste processoevolutivo, calcadas em sistemas de reservas computadorizadas”. Levando essecontexto que a evolução da tecnologia deve-se ao esforço humano. Aconstrução da tecnologia teve como aprimore para o sistema organizacionalaliviar suas tarefas e maximizar seus produtos ou serviços no ambiente detrabalho. Segundo o autor Quevedo (2007) no sistema social organizado oprocesso tecnológico tem três pontos “a redução do esforço do trabalho, oaumento da produtividade e a melhoria da qualidade do produto ou serviço”. Via de regra, a ampliação da tecnologia pode oferecer benefíciopositivos ou negativos, dependendo da sua aplicação no meio organizacional.Segundo Day, Schoemaker e Gunther (2003), a tecnologia tem desempenhorespeitável dentro da organização. Conforme o autor Quevedo (2007) asorganizações sente-se no papel de encontrar meios de instruir seuscolaboradores, de modo, que essas informações e esses conhecimentostragam um melhor benefício na formação gerencial. 2.3. Impacto da tecnologia na formação gerencial Em relação às transformações que a tecnologia desencadeia no sistemaorganizacional, Day, Schoemaker e Gunther (2003), afirma que se deve buscarpara uma forma de organização das tecnologias de gestão de pessoas naempresa, o que as ocorrem a buscarem novos métodos organizacionais edesenvolver novas formas de gerenciamento pessoal. A tecnologia não só tem criado novas formulas de melhorar os serviços,mas também criado tipos totalmente novos no trabalho. Segundo o impacto datecnologia nas empresas Quevedo (2007), observa que, ela pode centralizar ou
  • 8. 7descentralizar o domínio dentro da empresa, aumentar ou diminuir as chancesdos colaboradores, limitar ou aumentar a satisfação no trabalho, e ainda, liberaraos trabalhadores mais acesso à informação administrativa da empresa ousistematizar um controle rígida do mesmo. Essa questão de postura dealgumas organizações ao adotarem novos métodos tecnológicos e instituíremsistemas mais fechados, ao invés de liberarem o bem-estar de cadacolaborador com o novo sistema, reconhecendo que o pessoal é o recursomais valioso nas instituições o fator fundamental para o sucesso no mercado. Para o autor Day, Schoemaker e Gunther (2003), o mercado atual pedeprofissionais com uma sintonia maior com a tecnologia possuindocaracterísticas de flexibilidade, empreendedorismo, criatividade, intuitivo, éticoe capacidade em trabalhar em equipes. Essas características carecem de umambiente de trabalho motivador por méritos, como exemplo, cursos detreinamentos, capaz de melhorar os colaboradores, de modo que, o profissionalpode buscar uma maior qualidade e desenvolvimento dentro da organização.3. PROBLEMA 3.1. A adaptação de gestores mais velhos à tecnologia Existe atualmente, por parte dos líderes de equipes, uma grandecarência de conhecimentos voltados às técnicas de gestão de pessoas, aliadaà ausência de uma visão abrangente e adequada às técnicas e aos conceitosatuais sobre a gestão de pessoas. Esta carência poderia ser minimizada comuma combinação de ações voltadas à formação dos líderes e colaboradores daempresa, e à conscientização e ao aumento da motivação e da qualidade. Chiavenato (2005) afirma que a maneira como as pessoas sãoadministradas dentro da empresa irá, ou não, possibilitar a mudançaorganizacional e permitir o deslocamento gradativo da administração tradicionalpara uma gestão moderna e participativa. Enxerga que a presidência daempresa reparte com cada executivo de seu staff a responsabilidade direta delidar com as pessoas da empresa, seguindo as políticas e diretrizes emanadaspelo RH.
  • 9. 8 Heller (2004) sugere que, para obter êxito face à mudança contínua, éessencial que as organizações sejam capazes de mudar, adaptando-se aosnovos desafios. Classifica as mudanças em inovadoras ou estratégicas, físicasou comportamentais e sustenta que a maioria dos gerentes consegue planejare executar as mudanças físicas com mais facilidade do que as mudançascomportamentais. Baseado nisso, o líder pode aumentar suas chances desucesso em uma mudança através de uma avaliação minuciosa de suaestratégia. O tema “mudança” é enxergado de forma nebulosa em suaconcepção e de forma tortuosa em sua vivência pela maioria das pessoas, e oque deve ser trabalhado no espírito do líder é o aumento de sua consciênciaem relação ao ambiente e momento da mudança, e o aumento da sua proatividade no momento de ser um agente motivador das mudanças que tenhamcomo objetivo a melhoria dos processos que circundam o grupo. Somente como exercício dessa postura do líder é que a equipe passa a lidar bem com asmudanças, acomodando-as naturalmente em seu dia-a-dia Hoje as empresas ainda tentam se adaptar às transformações queaconteceram com o avanço das comunicações e da tecnologia. Antigamente,como os ambientes eram mais estáveis e as mudanças eram poucas, ospadrões rígidos e as regras fixas eram suficientes para a administração de umaempresa. Hoje vivemos um ambiente instável e cheio de mudanças, queocorrem mais rapidamente e com mais intensidade, com maior concorrênciaentre as empresas por causa da globalização. A abertura dos mercados e oaumento da competitividade levaram as empresas a repensarem o seu modelode gestão. 3.2. A exigência da tecnologia no mercado de trabalho Os profissionais do futuro devem ter em mente que a nova configuraçãodo mundo do trabalho implica em um maior nível de qualificação, uma vez que,de fato, os empregos estão se apresentando sobre a forma de novasocupações, assim como novas necessidades e exigências.
  • 10. 9 No mundo dos negócios globais, a produtividade e competitividaderecaem como indicadores que refletem as mudanças organizacionais desde abase do seu processo produtivo até as estratégias empresariais. Comoconseqüência de todo o processo, a natureza das transformações tecnológicassob a esteira da globalização acaba por provocar alterações na organização dotrabalho, modificando o próprio significado de emprego que, com odesenvolvimento da eletroeletrônica, alterou também a forma de executar otrabalho em si. O impacto da tecnologia sobre o emprego resulta em alguns aspectoscríticos, delineia posições adversas entre aqueles que são favoráveis a tese deque este processo acarreta aspectos negativos sobre o emprego e os que sãocontrários. Não existe um ponto chave para a questão em si, o que existe é umconjunto de fatores a serem considerados, tais como o emprego absoluto erelativo; a distinção entre ganho de produtividade, extinção de funções eredução de volume de emprego. De acordo com Loyola (1999) o impacto tecnológico produz um efeitoseveramente negativo sobre o emprego, constatando uma tendênciadesempregadora da mão-de-obra (substituição dos trabalhadores porequipamentos automatizados), fica claro que a modernização tecnológica,apesar de ofuscada pela crise econômica, desencadeia o aumento dodesemprego tecnológico que poderá transformar-se em desemprego estruturale conjuntural, tamanha a tendência evolutiva do processo. Ainda na visão de Loyola (1999) que assume uma posição contrária aosefeitos negativos da tecnologia sobre o mercado de trabalho, parte-se doprincípio de que o aumento da competitividade fomenta a criação de novosempregos. Carvalho (1987) por sua vez afirma que o problema é que há grandeprobabilidade de que os empregos novos criados não compensem as perdasocorridas, seja em função das qualificações, seja em função dos saláriospagos.
  • 11. 10 Diante da problemática que o impacto tecnológico apresenta sobre omundo do trabalho, deve-se considerar que tanto a criação quanto a destruiçãodos postos de trabalho fazem parte das transformações que constituem esteciclo econômico. O comércio internacional, assim como a competiçãodesenfreada, exige um trabalhador multifuncional, criativo, com poder dedecisão e apto para trabalhar em grupos. A Revolução Tecnológica, assim como qualquer processo detransformação requer adaptabilidade, seja da parte das organizações quantodos próprios profissionais. Este processo na realidade requer investimento:empresas ágeis para conquistar os mercados e uma educação melhorqualificada. Segundo Macedo (1998), as transformações que o mundo globalizadodesencadeia sobre o mercado de trabalho envolvem uma nova concepção deempresa, cujos aspectos mais importantes podem ser assim enumerados: • A possibilidade de realização de trabalho fora das empresas e dos escritórios, • O lar como local de trabalho, • A necessidade de polivalência e flexibilidade do trabalhador. Também podem ser considerados aqueles aspectos ligados aoconsumo, aos tipos de produtos, à tecnologia e às formas de organização egestão de empresas. Estes fatores fazem parte de um conjunto quesinteticamente resulta na emergência de um novo paradigma ou modelo para omundo do trabalho, e que, ainda segundo Macedo (1998) possui os seguintestraços em termos de trajetória organizacional das empresas: • Utilização de tecnologias avançadas, com processo contínuo de aprendizagem profissional; • Ênfase na qualidade, produtividade e flexibilidade de produtos, processos e trabalho como chave de competitividade;
  • 12. 11 • Busca de uma relação cooperativa e complementar, e não mais de oposição ou de substituição, entre tecnologia e trabalho; • Valorização da qualificação e da requalificação do trabalhador, com ênfase no treinamento permanente, como base para a flexibilidade e polivalência ocupacional; • Esforço para pensar a empresa global e integradamente, como um sistema aberto, interagindo com os setores externo e, internos. Assim sendo, o perfil das relações e estruturas do empregoconvencional vem sendo dissolvido à medida que as empresas aprimoramseus processos produtivos e administrativos. Surge um novo modelo ouparadigma onde as profissões exigirão uma formação acadêmica maisabrangente, conduzindo o profissional para a polivalência e para uma maiorflexibilidade de atuação. Esta nova configuração na estrutura organizacionalacaba provocando a necessidade de se reorganizar o trabalho e os padrões degerenciamento do mesmo.4. TENDÊNCIAS E PERSPECTIVAS FUTURAS 4.1. Problemas e tendências futuras O profissional, com o passar do tempo, cada vez mais é exigido deforma intelectual (cabeças pensantes) ao invés de fisicamente (trabalhadoresbraçais), como ocorria na Primeira Revolução, e muito disto deve-se àsinfluências (positivas e negativas) que o avanço tecnológico trás. Portanto nota-se que os efeitos e avanços que vêm acontecendo com a tecnologia são muitosignificantes para a forma com que uma sociedade se organiza, e igualmenteimportantes (ou mais), é a capacidade dos profissionais em adquirircompetências para o uso da tecnologia e adaptar-se ao ambiente que semostra muitas vezes dinâmico e instável. Os profissionais que não o fizeremestão fadados a voltar no tempo e ser um trabalhador meramente operacionalde minúsculas funções.
  • 13. 12 Portanto, hoje em dia, um dos principais conflitos que enfrentamosreferente à tecnologia são as resistências às mudanças, que por sinal estãomuito aceleradas, de pessoas de gerações anteriores, que têm suas raízes,foram nascidas e criadas próximas da II Guerra Mundial onde o foco erasomente a indústria com muita rigidez e aversão às transformações e, portanto,sem esta cultura flexível e veloz dos dias atuais. Com certeza novas tecnologias serão descobertas, mas sempre paramelhorar e/ou incrementar o que já existe, como por exemplo, a união deconcorrentes como Microsoft, SUN, America Online e IBM que tornou possívela criação de um formato universal para carteiras eletrônicas, que tornarão maisfáceis e seguras as compras pela Internet.Podemos citar como grandes tendências: 1) E-commerce O comércio eletrônico é o meio pelo qual são realizadas as transaçõescomerciais através de computadores, podendo ser transações B2B, B2C ouintra organizacional, numa infra-estrutura aberta de fácil acesso e de custorazoável. Para que essa transação ocorra, é necessário observar e considerarvários aspectos de segurança, fatores culturais e organizacionais, juntamentecom a credibilidade dos clientes com relação à transação. O comércioeletrônico é de âmbito mundial e, principalmente, realizado através da Internet. Com a utilização em massa da tecnologia e consequentemente da Internet,novos serviços passam a ser executados para permitir uma melhor interaçãoentre o cliente e a empresa. Com as mudanças sociais existentes no mundomoderno, atualmente as pessoas trabalham mais do que no passado e estãomais preocupadas e valorizando mais seu tempo de lazer. Por isso, tendem aser mais receptivas aos serviços e produtos que otimizem sua utilização detempo. Acessando a Internet, muito tempo pode ser ganho, uma vez quebancos, lojas e notícias, entre outros, estão presentes na Internet. Atualmente,muitos problemas são solucionados, somente acessando a Internet, tais como:acesso eletrônico a serviços, solicitar e obter serviços específicos, pagamentos
  • 14. 13on-line, entrega on-line e informação de marketing, acesso a músicas (comprae locação), participação de conferências, treinamentos e cursos realizados àdistância. 2) Tecnologia nas decisões sobre novos produtos A tecnologia está muito presente nas estratégias das empresas e este fatordeve continuar crescendo. Para se ter uma idéia, os recursos necessários comos quais os gerentes e diretores de produtos se preocupam quando vão tomara decisão sobre um novo produto são em soma três: financeiros, que significamgarantir o capital necessário, físicos, que são analisadas as instalações físicasnecessárias e tecnológicos, se dispõe da tecnologia necessária. Caso estesrecursos não estejam disponíveis a empresa avalia a possibilidade de obtê-los,pois o ambiente externo tem como uma de suas características ser a origem derecursos tecnológicos, já no ambiente de mercado a tecnologia que estádisponível, ou está agregada (já está no produto) ou não agregada. Caso falteum dos três o processo é reavaliado e pode ser interrompido. 4.2. Reflexão: Know how vs Know why No ecossistema de Marketing quando analisamos o microambienteorganizacional nos deparamos dentre diversos fatores com as tecnologias deprodutos, e em muitas organizações, surgem de forma rotineira, diversasquestões e muitos impasses sobre o tema. A grande maioria destes conflitos ocorre pelo fato da organização nãopossuir no momento uma tecnologia apropriada, ou seja, a empresa não detémtecnologia própria, conhecida como know why, e possui uma tecnologiaadquirida, conhecida como know how, como por exemplo, as empresascompradas de terceiros. Como na maioria dos casos, o mercado é muito exigente e hipersegmentado, as organizações têm de buscar incessantemente vantagenscompetitivas sustentáveis, inovar e buscar o diferencial, e uma forma muito
  • 15. 14eficaz é ter tecnologias próprias desenvolvidas pela empresa, como plenodomínio do know why e do know how. As organizações devem ter uma boa prática de se perguntarprincipalmente “por que nós estamos fazendo isto?” e, após restabelecer opropósito de um evento, de forma digamos secundária se perguntar “como sefaz isto?”. Isto tende a ser muito refrescante ao pensamento dos membros daorganização e redirecionar a visão da empresa para a vantagem competitivasustentável.“Precisamos entregar, planejar, executar, tudo se move tão rapidamente, asmedidas, resultados, eventos, congressos, estratégias, tecnologias,iniciativas. Mas, por quê?”
  • 16. 15REFERÊNCIASALBERTIN, Alberto Luiz. Comércio eletrônico: modelo, aspectos econtribuições de sua aplicação. São Paulo: Atlas, 1999CARVALHO, R. Q. Tecnologia e trabalho industrial: as implicações sociais daautomação microeletrônica na indústria automobilística. Porto Alegre: L & PM,1987.CHIAVENATO, Idalberto. Gerenciando com as pessoas: transformando oexecutivo em um excelente gestor de pessoas: um guia para o executivoaprender a lidar com sua equipe de trabalho – Rio de Janeiro: Elsevier, 2005.DAY, George S., SCHOEMAKER, Paul J. H., GUNTHER, Robert E.; Gestão deTecnologias Emergentes: A Visão da Wharton School. São Paulo, Bookman,2003GONÇALVES, J. E. L. Os impactos das novas tecnologias nas empresasprestadoras de serviços. Revista de Administração de Empresas, São Paulo,v.1, n.34, p. 63-68, jan/fev, 1994.HELLER, Robert. Guia do gerente completo – São Paulo: Futura, 2004.MACEDO, R.. Seu diploma sua prancha: como escolher sua profissão e surfarno mercado de trabalho. São Paulo: Saraiva, 1998.RODRIGUES, S. B. A Informática na organização e no trabalho. Revista deAdministração de Empresas, São Paulo, v.3, n. 29, p.43-50, Jul/Set, 1998.MCGEE, James V. e PRUSAK, Laurence. Gerenciamento estratégico dainformação: aumente a competitividade e a eficiência de sua empresa
  • 17. 16utilizando a informação como uma ferramenta estratégica. Rio de Janeiro:Campus, 1994QUEVEDO, Marina. Turismo na Era do Conhecimento. Florianópolis, EditoraPandion, 2007INTERNEThttp://veja.abril.com.brhttp://g1.globo.com/jornal-hoje/noticia/2011/03/comentarios-na-internet-podem-trazer-transtornos-para-os-autores.html
  • 18. 17ANEXOS
  • 19. 18Vida DigitalWeb supera jornal como fonte deinformação nos EUA34% dos americanos se informam pela rede, ante31% dos que usam papelMídia: jornal impresso perde lugar para sites de notícias (JochenSand/Thinkstock)Pela primeira vez na história, a parcela de leitores americanos quese informa diariamente por meio da internet superou o grupo dosque o faz pelos tradicionais jornais impressos. Segundolevantamento do Instituto Poynter, especializado em pesquisas naárea de jornalismo, 34% dos entrevistados afirmaram que haviamlido notícias sobre assuntos locais e internacionais na web nas 24horas anteriores ao levantamento, ante 31% dos que o haviam feitoem jornais. O levantamento se refere ao fim de 2010
  • 20. 19Entre leitores com idades entre 18 e 29 anos, a parcela dos queleem pelo meio eletrônico é ainda maior: 65%. A TV, no entanto,continua reinando absoluta, com quase 60% de participação.Receita - Em 2010, também pela primeira vez, o investimento empublicidade na internet superou o valor investido nos jornaisimpressos. O setor on-line cresceu 13,9% entre 2009 e 2010,atingindo 28,8 bilhões de dólares em anúncios on-line.A pesquisa realizada pela Poynter também mostra que 50% dosentrevistados usam celulares e tablets para ler notícias. Aestatística é uma resposta à iniciativa das empresas decomunicação de investir em aplicativos, que aperfeiçoam aexperiência de consumir informação em aparelhos móveis, sugere oestudo.
  • 21. 20Vida DigitalInternetBanda larga é a tecnologia de maiorimpacto na vida dos americanosPesquisa aponta que a preferência pela internetrápida é mais popular do que serviços oferecidospelo Google e FacebookOs americanos não querem nem saber de internet discada, apontauma pesquisa realizada pela empresa Zogby International. Deacordo com o estudo, 24% dos 1.950 entrevistados nos Estados
  • 22. 21Unidos afirmam que a banda larga tem mais impacto em suas vidasdo que os serviços oferecidos pela rede social Facebook (22%) epelo próprio Google (10%).As redes de alta velocidade também ficam em primeiro lugar entreos itens indispensáveis para uma vida moderna, com 28% dasrespostas. Nesse quesito, o e-mail fica em segundo lugar, com18%. Ao serem questionados sobre qual área apresentaria o maioravanço tecnológico do próximo ano, 24% dos entrevistados afirmamque será o setor de entretenimento doméstico, enquanto 16%acreditam que será na computação em geral.Leia também: no blog 10+, os 10 acontecimentos maisfantásticos da tecnologia no anoJá para a próxima década, 43% dos entrevistados preveem o usofrequente de células-tronco e técnicas de clonagem para criarórgãos humanos e fazer transplantes. Outros 40% acreditam naimplantação de chips nas pessoas para monitorar seu estado desaúde e a mesma porcentagem afirma que robôs serão capazes defazer trabalhos manuais.(Com agência Reuters)Tags: banda larga, facebook, google, internet, pesquisa, robôs.Links PatrocinadosCabeleireiro de QualidadeMude seu visual nos melhores salões Com descontos de até 70%. Confira!www.GROUPON.com.br/BelezaMóveis Modulados 70% OFFCadastre-se em 5 Seg e Receba Todo Dia Ofertas de 50-98% de Desconto!PeixeUrbano.com.br/Cadastre-seIBOPE - Pesquisa Painel
  • 23. 22Participe da Pesquisa Painel IBOPE! Cadastre-se já e Concorra a PrêmiosPainelInternet.IBOPE.com.br

×