Portfólio de zoologia
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Portfólio de zoologia

on

  • 1,289 views

Portfólio realizado para a cadeira de Zoologia abordando diferentes temas

Portfólio realizado para a cadeira de Zoologia abordando diferentes temas

Statistics

Views

Total Views
1,289
Views on SlideShare
1,289
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
8
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Portfólio de zoologia  Portfólio de zoologia Document Transcript

  • Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro BIOLOGIA PORTFÓLIO DE ZOOLOGIA E GEOLOGIA Docente: Jorge Ventura Discente: LUÍS SAMPAIO Nº 33706;
  • Índice Classificação Taxonómica .............................................................................................................. 3 Acontecimentos biológicos ao longo do tempo geológico ........................................................... 4 Ciclo de Vida da Leishmania .......................................................................................................... 8 Ciclo de vida do Trypanosoma cruzi ............................................................................................ 10 Pesquisa sobre Plasmodium........................................................................................................ 12 Toxoplasma gondii ...................................................................................................................... 14 Ciclo de vida da Fascíola hepática ............................................................................................... 16 Ciclo de vida de Schistosoma mansoni ....................................................................................... 18 Pesquisa sobre a Taenia Solium .................................................................................................. 19 Ciclo de vida do Echinococcus granulosus .................................................................................. 21 Ciclo de vida do Ascaris lumbricoides ......................................................................................... 23 Ciclo de vida do Aquilostoma Duodenal ..................................................................................... 25 Ciclo de vida de Wuchereria bancrofti ........................................................................................ 26 Ciclo de vida do Nemátodo do pinheiro...................................................................................... 28 Porque são os artrópodes um Filo tão abundante e diversificado? ........................................... 30 Referências Bibliográficas ........................................................................................................... 32 2
  • Classificação Taxonómica Tigre Domínio: Eukaryota Reino: Animalia Subreino: Metazoa Filo: Chordata Subfilo: Vertebrata Infrafilo: Gnathostomata Superclasse: Tetrapoda Classe: Mammalia Subclasse: Theria Infraclasse: Placentalia Superordem: Laurasiatheria Ordem: Carnivora Superfamília: Feloidea Família: Felidae Subfamília: Pantherinae Género: Panthera Espécie: Panthera tigris Foto retirada de: http://www.maisonscoutederoly.be/totemoscope.htm 3
  • Acontecimentos biológicos ao longo do tempo geológico Esquemas representativos de acontecimentos biológicos, ao longo do tempo Geológico. Retirado de :http://portaldoprofessor.mec.gov.br/storage/discovirtual/aulas/581/imagens/escala_tempo_ geol.jpg 4
  • Retirado de : http://www.nzetc.org/tm/scholarly/Bio10Tuat02-fig-Bio10Tuat02_P001a.html 5
  • Eras geológicas são divisões da escala de tempo geológico que podem ser subdivididos em períodos a fim de se conhecer a longa vida do planeta. As eras são caracterizadas pelas formas em que os continentes e os oceanos se distribuíam e os seres viventes que neles se encontravam. ERA PERÍODO / INÍCIO Quaternário1,8 milhões de anos ÉPOCA PRINCIPAIS EVENTOS Holocénico (recente) - "Era do Homem". O homem torna-se a forma de vida dominante sobre a Terra. - Estabilização do clima. - Glaciações mais recentes. - Domínio dos mamíferos de Pleistocénico grande porte. - Evolução do homo sapiens Pliocénico Avanço dos glaciares. - A vegetação é dominada pelos campos e savanas. - Aparecimento de mamíferos ruminantes. Miocénico - Formação de grandes campos. - Mudanças climáticas levam a formação da calote polar Antártica. Oligocénico - Aparecimento de elefantes e cavalos. - Aparecimento de vários tipos de gramíneas. Eocénico - Surgimentos da maior parte das ordens de mamíferos. Paleocénico - Domínio dos mamíferos de porte pequeno a médio. CENOZÓICA Terciário 65 milhões de anos Cretácico 146 milhões de anos PALEOZÓICA Jurássico 208 milhões de anos Pterossauros e primeiros pássaros. - Dinossauros vagueiam pela Terra. Triássico 245 milhões de anos MESOZÓICA - Primeiras plantas com flores, grupos modernos de insectos, pássaros e mamíferos. Primeira dinossauros. Pérmico 286 milhões de anos - Primeiro grande evento de extinção em massa. - Formação do supercontinente Pangea. Carboníco 360 milhões de - Formação das enormes florestas de pteridófitas (samambaias) e o aparição dos 6
  • anos registro das primeiras gimnospermas (espécies com sementes). Devónico 410 milhões de anos - Aparecimento dos primeiros vertebrados terrestres, primeiros artrópodes terrestres, incluindo os insetos e as aranhas; - Expansão dos diversos tipos de corais; - Diversificação dos peixes. Sílurico 440 milhões de anos Estabilização do clima. - Derretimento do gelo glaciar, elevação dos níveis dos oceanos. Evolução dos peixes. Aparecimento dos peixes com mandíbulas; - Primeiras evidências de vida no meio terrestre, incluindo alguns parentes das aranhas e das centopéias, além das primeiras plantas vasculares. Ordovícico 505 milhões de anos - É conhecido pela ocorrência de invertebrados marinhos diversos. Câmbrico 544 milhões de anos - Segundo registros fósseis, este período marca o aparecimento da maioria dos grupos principais de animais. PROTEROZÓICA 2,5 bilhões de anos A formação das terras continentais se estabiliza; - Registro dos primeiros fósseis de organismos unicelulares; - Primeira evidência de oxigênio na atmosfera. 3,8 bilhões de anos - Formação de 70% das massas dos continentes; - Aparecimento dos primeiros organismos vivos anaeróbicos, isto é, utilizam metano ou hidrogénio no metabolismo, em vez de oxigénio. HADEANA Não é um período geológico. Não 4,5 bilhões de existem rochas anos na Terra, tão antigas. - Formação do Sistema Solar. - Solidificação da crosta terrestre ARCAICO Adaptado de: http://www.passeiweb.com/na_ponta_lingua/sala_de_aula/geografia/geografia_geral/formac ao_da_terra/eras_geologicas 7
  • Ciclo de Vida da Leishmania As leishmanioses são um grupo de doenças infecciosas parasitárias que afectam pessoas e animais domésticos e silvestres, em todo o Mundo. São causadas por protozoários (seres unicelulares) do género Leishmania. A infecção é transmitida por insectos chamados flebótomos (vulgar e erradamente referidos como mosquitos). A infecção canina é muito frequente em cães em várias regiões geográficas principalmente nos países da Bacia Mediterrânica e da América do Sul. Os cães infectados funcionam como principal hospedeiro e reservatório doméstico/peridoméstico nas áreas endémicas de leishmaniose visceral. Os cães infectados por Leishmania podem não revelar sinais da doença -portadores assintomáticos e serem infectantes para os flebótomos – isto é, podem infectar os insectos mesmo não apresentando sintomas, até porque alguns cães aparentam não estar doentes ou rarissimamente não desenvolvem a doença. A infecção no cão pode manter-se indetectável por longos períodos de tempo, podendo ir de meses até anos (1). As Leishmanioses Humanas podem ser classificadas em 3 formas de acordo com as manifestações clínicas que causam (1):  Leishmaniose Cutânea (LC),  Leishmaniose Mucocutânea (LMC)  Leishmaniose Visceral (LV). Só as fêmeas destes insectos é que são hematófagas - picam os animais para se alimentarem do seu sangue. As fêmeas dos flebótomos, após se alimentarem em cães infectados, desenvolvem e mantêm umas formas do parasita, alongadas e com flagelo (forma promastigota) no seu tubo digestivo e regurgitam-nas aquando da refeição de sangue num outro cão, infectando-o (2). E termina aqui o ciclo (Figura 3). O mosquito não passa de um hospedeiro intermediário que, ao picar este vertebrado doente servirá de veículo do parasita a outro ser (sadio) que vier a picar e assim sucessivamente. Sem o mosquito não haverá o ciclo. Por isso, o contacto de um cão contaminado (Figura 1) com um sadio ou o simples contacto do cão com o homem não constituem qualquer perigo de contágio da doença como frequentemente se pensa. O contágio cão-cão só poderia ocorrer se se usasse a mesma agulha de vacinação num infectado e noutro não infectado, por exemplo (1). 8
  • Figura 1 e 2 – Feridas causadas pela leishmaniose tegumentar ou cutânea, tanto no cão (foto à esquerda) como no Homem à direita; Retirado de: Foto 1:http://ajudar-animais.blogspot.com/2010_04_01_archive.html; Foto 2:http://biosalecionario.blogspot.com/2010/10/leishmaniose_26.html; No caso da Leishmaniose tegumentar, surge uma pequena elevação avermelhada na pele que vai aumentando até se tornar uma ferida que pode estar recoberta por crosta ou secreção purulenta (Figura 2). A Leishmaniose Visceral no Homem, também conhecida como “Kala Azar”, afecta principalmente as crianças até aos 4 anos de idade, causando febre irregular, perda de peso, anemia, e aumento do volume do baço e do fígado. Caso não seja tratada, é fatal. No entanto, o tratamento é eficaz e usualmente permite a cura definitiva. A única excepção aplica-se a doentes com imunodeficiência grave (1). Em Portugal, felizmente, a expressão da Leishmaniose Humana não é tão exuberante como a Leishmaniose Canina. O número de casos reportados anualmente à Direcção-Geral da Saúde tem-se mantido nos últimos anos, em cerca de 15 casos por ano (1). Considera-se que o ciclo zoonótico de transmissão tenha uma importância epidemiológica significativa, ou seja, que o cão como reservatório natural da doença, tenha um papel relevante na disseminação e manutenção da infecção humana (1). O período de incubação, isto é, desde a picada do mosquito até ao aparecimento dos primeiros sintomas da doença é muito variável e isso também dificulta o diagnóstico - de 10 a 25 dias, podendo chegar a um ano ou mais (1). 9
  • Figura 3 – Ciclo de Vida da Leishmania. Retirado de : http://inovabrasil.blogspot.com/2010/10/cell-homeostasis-in-leishmania-major.html Ciclo de vida do Trypanosoma cruzi O parasita protozoário, Trypanosoma cruzi (Figura 5), causa a doeça de Chagas, uma doença parasitária que pode ser transmitida aos humanos pelas fezes do insecto triatoma (3). Os insectos triatoma, Triatoma infestans (Figura 4), são um vector de infectação pois ao picar e sugar o sangue vão libertar fezes para junto da ferida. Estas fezes estão contaminadas por tripomastigotas que vão entrar no hospedeiro através da ferida ou então através de membranas intactas da mucosa, como a conjuntivo (3). 10
  • Figura 4 e 5 – Triatoma infestans(à esquerda), vector responsável pela proliferação do parasita protozoário, Trypanosoma cruzi (à direita), causador a doença de Chagas; Retirado de: Foto 4: http://www.servidorpublico.net/noticias/2006/06/09/brasil-elimina-transmissao-dadoenca-de-chagas-pelo-triatoma-infestans; Foto 5: http://polegaropositor.com.br/tag/historia-da-ciencia/page/3/ Da mesma forma que outros tripanossomas, este tem uma forma tripomastigota e uma forma epimastigota, tendo também nos tecidos uma forma amastigota, não flagelada, semelhante às leishmanias. Alimenta-se de sangue, mas a transmissão não se dá pelas glândulas salivares como nos outros casos: tem um reflexo gastro-cólico muito vivo, que faz com que, enquanto de alimenta, defeque eliminando as formas infectantes, tripomastigotas (Figura 6). A picada em si causa prurido. A própria pessoa vai coçar a lesão e inocular os tripomastigotas na corrente sanguínea, que vão para os tecidos e transformam-se em amastigotas, onde se multiplicam e invadem. Passado algum tempo, estas formas entram de novo na corrente sanguínea e vão transformar-se em tripomastigotas. Um triatomídio não infectado, ao picar alguém que tenha a doença de Chagas, aspira estas formas tripomastigotas, no seu intestino tansformam-se em epimastigotas, e de novo em tripomastigotas infectantes (3). 11
  • Figura 6- Ciclo de vida do Trypanosoma Cruzi. Retirado de: http://www.dpd.cdc.gov/dpdx/hTML/Frames/SZ/TrypanosomiasisAmerican/body_TrypanosomiasisAmerican_Page1.htm Pesquisa sobre Plasmodium Protozoário causador da malária (Figura 7). A doença é transmitida pelos mosquitos do gênero Anopheles (Figura 8) e ocorre principalmente nas zonas equatoriais e tropicais do globo, sendo considerada a doença parasitária de maior letalidade mundial. Existem quase 100 espécies de plasmódios, porém aquelas que habitualmente parasitam o homem são quatro: P. falciparum, P. malariae, P. vivax,P. ovale (4). Os parasitas da malária são transmitidos de uma pessoa para outra através do mosquito fêmea. Os machos não transmitem a doença, pois alimentam-se somente de fluidos vegetais (5). Existem cerca de 380 espécies de mosquito, mas apenas 60 ou assim são capazes de transmitir o parasita. Como todos os outros mosquitos,os Anopheles são criados na água, cada espécie tendo os seus locais de criação preferidos, padrões de alimentação e locais de descanso. A sua sensibilidade aos inseticidas também é altamente variável (5). 12
  • Figura 7 e 8 – Protozoário responsável pela malária (neste caso Pasmodium Vivax) à esquerda, e mosquito responsável pela sua propagação (à direita); Retirado de: Foto 7: http://pt.wikipedia.org/wiki/Plasmodium; Foto 8: http://www.microbiologybytes.com/introduction/Malaria.html; Os protozoários do gênero Plasmodium apresentam diferentes formas ao longo do seu ciclo de vida. Na generalidade seguem o seguinte ciclo (Figura 9) (6):  Os plasmódios são inoculados diretamente na corrente sanguínea do homem quando um mosquito Anopheles infectado pica a pessoa;  Ao picar, o mosquito inocula na corrente sanguínea formas esporozoítas do Plasmodium que estavam em suas glândulas salivares;  Uma vez no corpo humano, os esporozoítas deixam a corrente sanguínea e invadem as células do fígado, onde se multiplicam e passam por diferentes formas até se tornarem merozoítos;  As células do fígado rompem e liberam os merozoítos. Alguns são destruídos, enquanto outros invadem as hemácias;  No interior das hemácias, novas transformações... os protozoários passam pelas fases de trofozoíta, esquizontee novamente se tornam merozoítas. Esse ciclo se repete em intervalos regulares: de 36 a 48h para P. falciparum, 48h para P. vivax e P. ovale ou 72h para P. malariae. Esses intervalos estão diretamente relacionados com os acessos febris regulares característicos para cada forma de malária;  Depois de algum tempo de infecção, aparecem no interior das hemácias formas que não se dividem mais: são os gametócitos. Ao sugar o sangue de uma pessoa infectada os mosquitos podem ingerir os gametócitos, dando continuidade ao ciclo do Plasmodium. 13
  • Figura 9- Ciclo de vida do Plasmodium spp. Retirado de : http://fpslivroaberto.blogspot.com/2010/01/parasitas-plasmodium-spp-emalaria.html Toxoplasma gondii Confundido com Leishmania no passado, o Toxoplasma gondii (Figura 10) é um parasita protozoário apicomplexo bastante pequeno, cujo tamanho corresponde à metade do diâmetro de uma hemácia, com um formato arqueado e alongado. A forma do parasita é semelhante à amastigota da Leishmania (7). O T. gondii tém mais de 100 hospedeiros naturais homeotermos entre aves e mamíferos. No homem, ele pode ser encontrado em qualquer célula nucleada dentro de vacúolos e não disperso no citoplasma, sendo que a afinidade maior é por células do sistema fagocítico mononuclear (7). O Toxoplasma gondii (Nicolle e Manceaux, 1909) é um protozoário com distribuição geográfica mundial, com prevalência bastante alta: cerca de 40% ou mais de uma população pode apresentar sorologia positiva. Deve-se esclarecer, entretanto, 14
  • que a grande maioria é apenas uma infecção assintomática, raras vezes ocorrendo doença. Nos casos de doença pode haver alterações graves, tais como cegueira, aborto, retardamento mental da criança, etc; o que justifica o seu estudo. O gato é hospedeiro definitivo, sendo o homem, os mamíferos em geral e as aves os hospedeiros intermediários ou incompletos. As formas evolutivas infectantes são: taquizoítos, cistos e oocistos(8). Nos hospedeiros definitivos, sendo o principal representante o gato, o T.gondii realiza os ciclos sexuado e assexuado. O homem assume a posição de hospedeiro intermediário (7). A reprodução assexuada se dá por endogenia ou esquizogônia, ou seja, dentro da célula primitiva formam-se dois complexos apicais, dois núcleos e finalmente, duas células filhas. Ao processo de formação de duas células filhas dá-se o nome de endodigenia, enquanto que o processo de formação de mais de duas células filhas é chamado de endopoligenia (7). Há formação completa da célula filha dentro da célula mãe e não há uma célula que se divida em duas, como ocorre na bipartição. As células filhas são chamadas endozoítas e aquelas que se reproduzem rapidamente são chamados de taquizoítos (7). Os taquizoítas predominam no início da infecção, enquanto os bradizoítas o fazem no decorrer da infecção. Após o rompimento da célula hospedeira, os taquizoítos invadem outras células vizinhas e são arrastados pela corrente sanguínea e se distribuem pelo corpo (7). Figura 10- Toxoplasma protozoário Retirado Imagem gondii, do parasita apicomplexo. de: http://scienceblogs.com/afarensi s/2006/08/04/the_effect_of_toxo plasma_gondi/ 15
  • Figura 11 – Ciclo de vida do Toxoplasma gondii e dos intermediários. Retirado de: http://www.antimicrobe.org/Lifecycle/b130lc.asp Ciclo de vida da Fascíola hepática A fasciolose é uma doença causada por um Tremátode helminta - a Fascíola hepática (Figura 12), um parasita que se instala nos ductos biliares de diferentes espécies (ruminantes, cavalos e humanos) (9). Figura 12 – Foto de uma Fascíola hepática. Retirado de: http://people.emich.edu/kmcgowa4/newpagefasciola.ht ml 16
  • Figura 13 – Ciclo da Fascíola hepática. Retirado de: http://www.dpd.cdc.gov/dpdx/HTML/Fascioliasis.htm Os ovos imaturos são libertados no ducto biliar e nas fezes se embrionários da água e destes libertam-se os miracídios espécies específicas de caracol que são os hospedeiros . Os ovos tornamque invadem umas . Estas espécies intermediárias incluem os géneros Galba, Fossaria e Pseudosuccinea (Figura 13). No caracol os parasitas vão sofrer várias fases de desenvolvimento (esporocisto , rédia e cercária ). As cercárias são libertadas do caracol e vão enquistar na vegetação aquática e outras superfícies sob a forma de metacercárias. Os mamíferos adquirem a infecção ao comer a vegetação , como o agrião, que contém as metacercárias. Após a ingestão o metacercário enquista-se no duodeno e migra através da parede intestinal, da cavidade peritoneal e do parênquima hepático nos ductos biliares onde se vão desenvolver até chegarem á fase adulta . Nos seres humanos, maturação de metacercárias em adultos flukes leva aproximadamente 3 a 4 meses. O trematodo adulto (Fasciola hepatica: até 30 mm por 13 mm; F. gigantica: até 75 mm) reside nos grandes ductos biliares dos mamíferos. Fasciola hepatica infecta várias espécies animais, principalmente herbívoros (10). 17
  • Ciclo de vida de Schistosoma mansoni A esquitossomose, doença provocada pelo agente patológico Schistosoma mansoni, teve sua provável origem nas bacias de dois importantes rios, o Nilo na África e no Yangtze na Ásia. Tudo indica que sua história é bastante antiga já que existem relatos de ovos de Schistosoma sp. em vísceras de múmias egípcias de idade aproximada a 1.250 a.C (11). Figura 15- Imagem de um Schistosoma mansoni, agente patológico responsável pela esquitossomose. Retirado de : http://www.dpd.cdc.gov/dpdx/html/imagelibrar y/sz/schistosomiasis/body_Schistosomiasis_il7.h tm Os ovos são eliminados com as condições ideais a eclosão dos fezes ou urina (Figura ovos e libertam 16). Em miracídios, que nadam e penetram moluscos hospedeiros intermédios específicos. Os estágios dentro do molusco incluem duas gerações de produção de cercárias. Após esporocistos e a liberação do caramujo, as a cercárias infectantes nadam, penetram na pele do hospedeiro humano, e perdem a sua cauda bifurcada. Depois de perderam e estágios para sua alojando-se nas a cauda migram através diversos veias. Os vermes tecidos adultos nos seres humanos residem no vênulas mesentéricas em várias localizações, que às vezes parecem ser específicas para cada espécie. Por exemplo, o S. japonicum é mais freqüentemente encontrada nas veias mesentérica superior de drenagem do intestino delgado, e S. mansoni ocorre mais freqüentemente na veia mesentérica superior de drenagem do intestino grosso. No entanto, ambas as espécies podem ocupar uma ou outra posição, e eles são capazes de se mover entre os lugares, por isso não é possível afirmar categoricamente que uma espécie só ocorre em um único local. S. 18
  • haematobium ocorre mais freqüentemente no plexo venoso da bexiga, mas também pode ser encontrado em vênulas retais (12). As fêmeas (tamanho de 7 a 20 mm, macho um pouco menor) depositam ovos em pequenas vênulas dos sistemas portal e perivesical. Os ovos são movidos progressivamente para o lúmen do intestino (S. mansoni e S. japonicum) da bexiga e ureteres (S. haematobium), e são eliminados com as fezes ou urina, respectivamente (12). Figura 16 – Ciclo de vida do Schistosoma mansoni. Retirado de: http://p-i-g.org.uk/research/Schistosomiasis/Introduction/; Pesquisa sobre a Taenia Solium "Ténia" é o nome comum dado aos vermes platelmintes das ordens Pseudophilidae e Ciclophylidae, que pertencem à classe Cestoda, que inclui vermes parasitas de diversos animais, inclusive do homem. A Taenia solium e a Taenia saginata são as mais conhecidas por parasitarem o intestino delgado do homem. Os seus hospedeiros intermediários são o porco, no caso da Taenia solium (Figura 17), o boi no caso da Taenia saginata e os peixes no caso do Diphyllobothrium latum. Além de ser o hospedeiro definitivo, quando tem o lúmen do intestino 19
  • parasitado, (de forma quase sempre benigna) causando a doença Teníase, o homem, também pode se tornar hospedeiro intermediário sendo acometido por uma doença mais grave, a Cisticercose. Entre as tênias existentes quatro têm o homem como hospedeiro definitivo, são elas a Taenia solium, Taenia saginata, Taenia asiatica e Diphyllobothrium latum (13). A Taenia solium (Figura 18) adulta vive no intestino delgado do homem e possui o corpo alongado, delgado e chato, podendo ser dividido em: cabeça ou escólex, colo e estróbilos ou proglótides. A cabeça é a porção anterior destinada à fixação do hospedeiro e possui, para esse efeito, quatro ventosas e uma dupla coroa de ganchos. O pescoço ou colo é a região em que são produzidos novos anéis por estrobilização. O corpo é constituído por uma série de anéis -proglótides- que são divididos em imaturos, maduros e, no final, grávidos. O homem que possui teníase ou solitária, como também é chamada a doença causada pela presença desse animal no intestino, libera cerca de 40.000 ovos fecundados por anel eliminado nas fezes. Esses ovos contêm embriões denominados oncosfera (13). O porco, hospedeiro intermediário, ingere os ovos que, ao chegarem no intestino, liberam a oncosfera. A oncosfera entra na corrente sanguínea e se aloja em alguns tecidos do animal. Nesses locais, evolui para um estágio larval, chamado cisticerco (13). A carne de porco mal passada é a origem da infecção com T. solium. O homem se torna hospedeiro definitivo do animal quando ingere carne de porco crua ou malcozida contendo cisticercos. Ao ingerir ovos da ténia em vez de cisticercos, o homem passa a ser hospedeiro intermediário. Quando os ovos sofrem maturação e se tornam cisticercos num organismo humano, podem causar deficiência visual, fraqueza muscular e/ou epilepsia, dependendo do local onde se alojam. Essa doença é chamada cisticercose e é mais grave que a teníase (13). Figura 17 – Fotografia de uma Taenia solium adulta retirada do intestino delgado de um humano. Retirada de:http://biologiafilo.blogspot.com/2010_09_01_archive.ht ml 20
  • Figura 18 – Ciclo de vida da Taenia Solium. Retirado de: http://www.dpd.cdc.gov/dpdx/html/frames/sz/taeniasis/body_taeniasis_page1.htm Ciclo de vida do Echinococcus granulosus A hidatidose é uma infecção causada pela forma larval do cestóide Echinococcus granulosus (Figura 19). Para completar seu ciclo biológico este cestóide precisa de dois hospedeiros, onde sua forma adulta parasita o intestino do cão, enquanto a forma larvária (cisto hidático) acomete os herbívoros e, acidentalmente, o homem. A hidátide localiza-se preferentemente nos pulmões e fígado e, raramente, pode ser encontrada em outros órgãos como rins, músculos, baço, cérebro e ossos. O E. granulosus distribui-se de forma cosmopolita é uma zoonose de grande significado, que acarreta danos à saúde pública e perdas econômicas em diversas regiões do mundo, principalmente em zonas de pecuária (14). 21
  • Figura 19 – Fotografia de um Echinococcus granulosus. Retirado de: http://library.thinkquest.org/26260/pg3.html O Echinococcus granulosus é um platelmite pertencente ao filo Platyhelminthes, a Classe Cestoda, a ordem Cyclophyllidea e a Família Taeniidae Este cestóide é uma das menores espécies de tenídeos conhecidas. O escólex é subglobuloso e apresenta um rostro com dupla coroa de acúleos grandes e pequenos. Seu estróbilo é constituído por três a quatro proglótides. A dimensão desta tênia é de 3 a 6 mm de comprimento por 1 mm de largura. A forma larval do E. granulosus é chamada de hidátide ou cisto hidático, sua forma é mais ou menos esférica, de cor branca e de consistência elástica. Pode atingir grandes dimensões, como o tamanho da cabeça de um feto humano. Seu crescimento está na dependência do hospedeiro e do órgão parasitado. A hidátide é uma das formas larvares mais volumosas que se conhece, contrastando com sua forma adulta, que é extremamente pequena quando comparada com outras tênias (14 e 15) Os ovos são eliminados pelas fezes dos cães e contaminam o ambiente, como os pastos. Os hospedeiros intermediários, herbívoros, ingerem os ovos junto com a pastagem. Nestes animais, assim como no homem, há dissolução do embrióforo e a liberação da oncosfera por estímulo do suco gástrico. Assim, a oncosfera é liberada no duodeno do hospedeiro intermediário e com os acúleos atravessa a parede intestinal, caindo na circulação, migrando para os músculos, baço, SNC, pulmão. No fígado, o embrião hexacanto, se transforma em cisto hidático e se aloja nos tecidos. Quando os cães se alimentam comendo as vísceras do hospedeiro intermediário, ingerem o cisto com escólexes, que no duodeno desenvaginam-se e se transformam em parasitas adultos em dois meses (14 e 15). 22
  • Figura 20 - Ciclo de vida do E. granulosus. Retirado de: http://www.stanford.edu/class/humbio103/ParaSites2006/Echinococcus/main.html Ciclo de vida do Ascaris lumbricoides Este verme nemátode é um parasita muito conhecido como lombriga intestinal. Este microorganismo infecta os seres humanos e mais frequentemente as crianças (Figura 21). Aloja-se normalmente no intestino delgado e às vezes dirige-se para outras partes do corpo. Seu comprimento pode variar de 15 a 25 cm (16). Figura 21- Fotografia de um jovem infectado de tal maneira com Ascaris lumbricoides que estas já lhe saiam pela boca e nariz. Retirado de: http://tamilesenfermagem.blogspot.com/2011/04/asc aris-lumbricoides.html 23
  • Figura 22- Ciclo de vida da Ascaris Lumbricoides. Retirado de: http://www.dpd.cdc.gov/dpdx/html/ascariasis.htm Os vermes adultos vivem no lúmen do intestino delgado. Uma fêmea pode produzir cerca de 200 mil ovos por dia, que são passados junto com as fezes . Os são infectantes. Os dias a várias ovos ovos não férteis e semanas fertilizados podem ser ingeridos, embrionados tornam-se , dependendo das mas não infectantes após 18 condições ambientais (melhor: terra húmida, quente e com sombra). Depois de ovos infectantes são ingeridos , as larvas , invadem a mucosa intestinal e são transportadas através da circulação portal e depois por circulação ainda nos pulmões (10 sistêmica para a alvéolos, sobem os brônquios até os 14 dias), à pulmões . As larvas maduras penetram pelas garganta, e são engolidos chegar ao intestino delgado, transformam-se em vermes adultos meses são necessários a partir da paredes . dos . Ao Entre 2 e 3 ingestão dos 24
  • ovos infectantes para oviposição pela fêmea adulta. Os vermes adultos podem viver 12 anos (17). Ciclo de vida do Aquilostoma Duodenal Aquilostoma duodenal é uma espécie parasita do filo dos nemátodos, que causa uma das doenças parasitárias de maior prevalência no mundo, particularmente nos países em desenvolvimento. Juntamente com a espécie Necator americanus são as causadoras da anquilostomose no homem (18). O hospedeiro é o homem salvo a A. ceylonicum e a A. caninum que são os cães e gatos. São comprimento. Eles nemátodos cilíndricos cinza-esbranquiçado de têm uma cápsula bucal com dois 10 mm de pares de dentes curvos (A. duodenale) ou duas lâminas de corte semi-circulares (N. americanus) usadas para se prender à mucosa intestinal e provocar danos, cada fêmea põe entre 5000-10000 ovos por dia (18). Em condições adequadas de temperatura (20-30 ° C), humidade e sombra tornam-se embriões em 24 horas e lançam uma larva que, após várias mudanças rabditóides torna-se filarióide que é a infectante (Figura 23). A vida média de um verme adulto é de 6 anos. A infecção de um novo hospedeiro ocorre pela penetração das larvas filarióides através da pele, muitas vezes na áreas entre os dedos. Passam para a corrente sanguínea para os pulmões, penetram nos alvéolos e sobem através dos bronquíolos, até à traquéia sendo engolidos descendo pelo esôfago, completando aí a sua maturação no intestino. Essa infecção pode ocorrer através da mucosa oral ou por ingestão de larvas, neste caso, não migram através dos tecidos. Depositam os ovos 4-6 semanas depois de penetrar através da pele. Maturam no a libertação da solo cerca larva babditiforme de que 7-8 dias. Eclosão dos evolui para larva ovos fertilizados e filarióides podendo penetrar de novo na pele e fechando assim o ciclo (18). 25
  • Figura 23- Ciclo do Aquilostoma duodenal. Retirado de: http://www.monografias.com/trabajos82/anquilostoma-necatorestrongiloidiasis/anquilostoma-necator-estrongiloidiasis.shtml Ciclo de vida de Wuchereria bancrofti A filária Wuchereria bancrofti (Figura 24)causa a filariose linfática. É um verme longo e delgado, que vive quase que exclusivamente em seres humanos. As filárias se alojam no sistema linfático, a rede de gânglios e vasos que mantém o equilíbrio delicado entre os tecidos e o sangue e é um componente essencial do sistema de defesa do organismo. No sistema linfático, são encontradas enroladas em novelos, que provocam inflamação e atrapalham a circulação da linfa. Consequentemente, vai ocorrer uma acumulação anormal de líquidos nos tecidos onde tais os vermes vivem, causando inchaços (edemas linfáticos) (Figura 25) (19). A fêmea da filária mede entre 8 e 10 cm de comprimento por 0,3 mm de diâmetro. Já o macho mede 4 cm de comprimento por 0,1 mm de diâmetro. Vivem de 4 a 6 anos, produzindo milhões de microfilárias imaturas (larvas minúsculas) que circulam no sangue (19). 26
  • Figura 24 e 25- Fotografia de Wuchereria bancrofti adulto, à esquerda e de uma pessoa que sobre de edemas linfáticos, à direita. Retirado de: Foto 24: http://www.invivo.fiocruz.br/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?sid=2&infoid=105; Foto 25: http://www.tiosam.org/enciclopedia/index.asp?q=Filariose; Figura 26- Ciclo de vida de Wuchereria bancrofti . Retirado de: http://www.lookfordiagnosis.com/images.php?term=Wuchereria+Bancrofti&lang=4&from3=16&fr om=32 Tem como transmissor os mosquitos dos gêneros culex, e algumas espécies do gênero Anopheles, presentes nas regiões tropicais e subtropicais (19). As larvas são transmitidas pela picada dos mosquitos (Figura 26). Da corrente sanguinea elas dirigem-se para os vasos linfáticos, onde se maturam nas formas adultas sexuais. Após cerca de oito meses da infecção inicial (período pré-patente), começam a produzir microfilárias que surgem no sangue, assim como em muitos 27
  • orgãos. O mosquito é infectado quando pica um ser humano doente. Dentro do mosquito as microfilárias modificam-se ao fim de alguns dias em formas infectantes, que migram principalmente para a cabeça do mosquito (20) Ciclo de vida do Nemátodo do pinheiro O Nemátodo da Madeira do Pinheiro (NMP), cujo nome científico é Bursaphelenchus xylophilus (Figura 27), é um verme microscópico que mede menos de 1,5mm de comprimento, sendo considerado um dos organismos patogénicos mais perigosos para as coníferas a nível mundial, pois é o agente causal da doença da murchidão dos pinheiros, originando a morte das árvores afectadas (21). O NMP é nativo da América do Norte, ocorrendo nos Estados Unidos e Canadá. A actividade humana provocou a sua introdução acidental em vários países do Extremo Oriente, primeiro no Japão e, mais tarde, na China, Taiwan e Coreia do Sul. Recentemente o NMP foi detectado em Portugal no ano de 1999. As afinidades genéticas entre as populações portuguesas e orientais fazem supor que a introdução na Europa tenha ocorrido através de madeira infectada proveniente do extremo oriente (21 e 22). O NMP ataca as coníferas, principalmente do género Pinus (pinheiros). As espécies que ocorrem na América do Norte aparentam ser resistentes, sendo o P. banksiana, P. echinata e o P. elliottiias mais susceptíveis (22). Embora em termos gerais se possa referir que as árvores apresentam diminuição no fluxo de resina algumas semanas após a infecção, ao que se segue a descoloração da copa e/ou seca e murchidão das agulhas, sintomas esses que aparecem a partir do meio do Verão, sendo mais evidentes nos meses de Outono e/ou Primavera. Estudos realizados no nosso país sugerem que as árvores infectadas pelo NMP apresentam sintomas de declínio no prazo de alguns meses após a infecção. Na América do Norte os vectores mais importantes são Monochamus carolinensis, M. mutator, M. scutellatus e M. titillator, enquanto que na Ásia a transmissão é feita essencialmente pelo M. alternatus. No nosso país, exaustivas prospecções em várias dezenas de espécies de insectos associadas a árvores infectadas pelo NMP demonstraram que o único vector deste organismo é também um insecto de género Monochamus, no nosso caso M. galloprovincialis (Figura 28), a única espécie do género detectada em Portugal (22). 28
  • O M. galloprovincialis apresenta uma geração por ano em Portugal. As posturas são mais abundantes nas primeiras semanas após emergência, e cada fêmea deposita, em média, cerca de 67 ovos ao longo da sua vida. Após as posturas na casca das árvores, as larvas iniciam o seu desenvolvimento em galerias individuais no floema (debaixo da casca), penetrando após algumas semanas no xilema (madeira), onde a maior parte da população sobrevive durante os meses de Inverno. Após dez a treze meses de desenvolvimento larvar, as emergências dos insectos adultos ocorrem de Maio a Agosto, com um pico em Junho/Julho. Actualmente já é possível prever anualmente a emergência dos insectos adultos com base em cálculos de acumulação da temperatura média diária. Os adultos emergem por orifícios perfeitamente circulares com cerca de 0,5 cm de diâmetro, que são muito visíveis. Estes adultos vivem em média cerca de 63 dias (22). Figura 27 e 28 – Nemátodo do pinheiro (Bursaphelenchus xylophilus ), à esquerda, e o vector responsavél pela sua proliferação, o M. galloprovincialis, à direita. Retirado de: Foto 27: http://entranaciencia.blogspot.com/2008_07_01_archive.html;´ Foto 28: http://pardieirosonline.blogspot.com/2008/10/nemtodo-da-madeira-do-pinheiro.html; 29
  • Porque são os artrópodes um Filo tão abundante e diversificado? O filo Arthropoda é o mais extenso do reino Animal, existindo ainda muitas espécies por identificar. Este grupo inclui as aranhas, os crustáceos, as centopeias e os insectos, entre muitos outros seres vivos. Desde o final do Pré-Câmbrico, há cerca de 570 milhões de anos, que são encontrados artrópodes no registo fóssil (23). Estes seres vivos têm órgãos sensoriais bem desenvolvidos e um exosqueleto com quitina. A sua estrutura primitiva consiste numa série linear de segmentos, cada um com um par de apêndices constituídos por diferentes artículos. No entanto, verificou-se a tendência para os segmentos se fundirem entre si, originando grupos funcionais, e os apêndices estão frequentemente diferenciados, de modo a existir uma divisão do trabalho. Poucos são os artrópodes que apresentam dimensões superiores a 60 cm de comprimento: o maior é um caranguejo japonês, com aproximadamente 4m de largura, e o mais pequeno é um ácaro com menos de 0,1 mm (23). Os artrópodes são geralmente animais activos e energéticos. A maioria destes seres vivos são herbívoros, mas existem também artrópodes carnívoros e omnívoros. Tendo em conta a sua enorme abundância, vasta distribuição ecológica e elevado número de espécies, a sua diversidade não é ultrapassada por nenhum outro grupo de animais. São encontrados em todos os tipos de ambiente, desde zonas oceânicas profundas até regiões de elevada altitude, bem como desde o equador, até aos pólos. Muitas espécies estão adaptadas à vida no ar, em meio terrestre, em água doce, salobra ou salgada. Outras vivem ainda sobre ou no interior de plantas ou de outros animais (23). Apesar dos artrópodes competirem com o Homem por alimento e provocarem doenças, são essenciais para a polinização de muitas plantas e são também utilizados como alimento e para a produção de produtos como a seda, o mel e a cera (23). Apesar dos artrópodes competirem com o Homem por alimento e provocarem doenças, são essenciais para a polinização de muitas plantas e são também utilizados como alimento e para a produção de produtos como a seda, o mel e a cera (Hickman et al., 1997). Encontram-se seguidamente enumeradas algumas das características deste grupo de seres vivos que os torna tão especiais: 30
  • 1. A simetria é bilateral e o corpo é segmentado, estando os segmentos geralmente agrupados em duas ou três regiões distintas: cabeça e tronco; cabeça, tórax e abdómen; ou cefalotórax e abdómen (23 e 24). 2. Existem apêndices constituídos por um conjunto de artículos. Tipicamente cada segmento apresenta um par de apêndices, mas esta organização surge frequentemente modificada, com segmentos e apêndices adaptados a funções especializadas: natação, manipulação do alimento, reprodução, entre outras (23). 3. Existe um exosqueleto com proteínas, quitina, lípidos e, muitas vezes, carbonato de cálcio. Trata-se de um esqueleto externo, segregado pela epiderme, que possibilita uma grande protecção. Para além disso, evita a desidratação, permite a fixação dos músculos e confere protecção contra as radiações solares. Um dos principais constituintes do exosqueleto é a quitina, um polissacarídeo resistente e insolúvel em água, existindo igualmente nos crustáceos impregnações de carbonato de cálcio. Devido à existência de zonas do exosqueleto que não são expansíveis, os artrópodes para crescerem têm que libertar esta cobertura após determinados intervalos de tempo, produzindo um novo exosqueleto, de maiores dimensões. Este processo denomina-se por mudas. Até atingirem a idade adulta, os artrópodes podem passar por quatro a sete mudas, podendo continuar a sofrer mudas durante a idade adulta (nesse caso, podem chegar a passar por 50 mudas). Como o exosqueleto é relativamente pesado, este é um dos factores que condiciona as dimensões destes seres vivos (23). 4. O sistema muscular é complexo e utiliza o exosqueleto como suporte para os músculos, adaptados a movimentos rápidos (23). 5. O sistema circulatório é aberto, correspondendo a maior parte da cavidade do corpo ao hemocélio, que está repleto de hemolinfa (23 e 24). 6. O sistema digestivo é completo, com peças bucais resultantes da modificação de apêndices e adaptadas a diferentes tipos de alimentação (Hickman et al.,1997). 7. A respiração ocorre através da superfície do corpo, de brânquias, de traqueias ou de pulmões laminares. A maioria dos artrópodes terrestres tem um sistema de traqueias altamente eficiente, que entrega o oxigénio directamente aos tecidos, permitindo uma elevada taxa metabólica. Este sistema limita igualmente o tamanho destes seres vivos. Os artrópodes aquáticos respiram principalmente por um sistema de brânquias, igualmente eficiente (23). 31
  • 8. Os órgãos sensoriais estão bem desenvolvidos, existindo uma grande variedade de estruturas: para o tacto, audição, olfacto, equilíbrio e visão. Em relação aos órgãos visuais, podem existir olhos compostos e/ou olhos simples (ocelos). Os olhos compostos são constituídos por unidades (omatídios) que variam em número (entre 1 e cerca de 10.000) e 3 que operam individualmente, permitindo que o ser vivo veja simultaneamente em quase todas as direcções. Quando o número de omatídios é muito elevado, obtém-se a conhecida imagem em “mosaico” dos insectos. A visão inicia-se na gama dos ultravioleta, estendendose apenas até ao laranja (23 9. Os sexos são geralmente separados, sendo a fecundação maioritariamente interna. Podem ser ovíparos ou ovovivíparos (23) 10. Durante o desenvolvimento, podem ocorrer metamorfoses, existindo por vezes uma fase larvar muito diferente da forma adulta. Nesta situação, as duas formas têm geralmente exigências alimentares e ecológicas diferentes, diminuindo assim a competição intraespecífica (23). O filo Arthropoda inclui quatro subfilos: Trilobita (extinto); Chelicerata, com três classes (Arachnida, Merostomata e Pycnogonida); Crustacea, com dez classes; e Atelocerata, com cinco classes (Diplopoda, Chilopoda, Pauropoda, Symphyla e Insecta) (24). Referências Bibliográficas 1. http://www.onleish.org/index.php; 2. http://whippetp.no.sapo.pt/leishmaniose.htm; 3. http://www.dpd.cdc.gov/dpdx/hTML/Frames/SZ/TrypanosomiasisAmerican/body_TrypanosomiasisAmerican_Page1.htm; 4. http://www.ufrgs.br/parasite/siteantigo/Imagensatlas/Protozoa/Plasmodium.htm; 5. http://www.microbiologybytes.com/introduction/Malaria.html; 6. http://www.cienciaviva.org.br/arquivo/cdebate/002dengue/plasmodio.html; 7. http://estudmed.com.sapo.pt/parasitologia/toxoplasma_gondii.htm: 8. http://profilaxia-pragmatica.blogspot.com/2009/08/toxoplasma-gondii.html; 9. http://www.segalab.pt/web/guest/42; 10. http://www.dpd.cdc.gov/dpdx/HTML/Fascioliasis.htm; 11. http://eduep.uepb.edu.br/rbct/sumarios/pdf/schistosoma.pdf; 12. http://www.dpd.cdc.gov/dpdx/HTML/Schistosomiasis.htm; 13. http://www.medicinaealimentacao.com/?id=370&Tenia-ou-Cisticercose; 32
  • 14. http://www.revista.inf.br/veterinaria11/revisao/edic-vi-n11-RL38.pdf; 15. http://www.stanford.edu/class/humbio103/ParaSites2006/Echinococcus/main.ht ml; 16. http://www.todabiologia.com/zoologia/ascaris_lumbricoides.htm; 17. http://www.dpd.cdc.gov/dpdx/html/ascariasis.htm; 18. http://www.monografias.com/trabajos82/anquilostoma-necatorestrongiloidiasis/anquilostoma-necator-estrongiloidiasis.shtml; 19. http://www.invivo.fiocruz.br/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?sid=2&infoid=105; 20. http://www.tiosam.org/enciclopedia/index.asp?q=Filariose; 21. http://www.embar.pt/conteudos/File/Noticias/2008/232%20Perguntas%20e%20 respostas%20nemtodo.pdf 22. http://www.anefa.pt/pdf/revista_2.pdf; 23. Hickman,C.P.,Roberts, L. S. &Larson, A.. Integrated Principles of Zoology; 1997; McGraw-HillInternational Edition, Biological Sciences Series; 24. Triplehorn, C., & Johnson, N. (2005). Borror and Delong’s Introduction to the Study of Insects. Belmont, California: Thomson Brooks/Cole; 33