http://revista.espiritolivre.org | Edição Especial | #035 | Fevereiro 2012
licençaEspírito Livre Especial · Fevereiro/201 2   02
Editorial   Uma mensagem     para o leitor   Organizar um evento não é tarefa fácil.            leitores e colaboradores, ...
su m á ri o      ⁄⁄edição especial         05 DEPOIMENTOS • Palestrantes e            28 DESIGN EDITORIAL • O que         ...
Sobre o 1º Fórum da Revista Espírito Livre...            O I Fórum da revista Espirito Livre foi um evento de grande signi...
Sobre o 1º Fórum da Revista Espírito Livre...  Obrigado a todos os organizadores, parceiros e participantes pelo excelente...
Sobre o 1º Fórum da Revista Espírito Livre...             Quanto ao evento, achei maravilhoso, bem organizado, com uma var...
Sobre o 1º Fórum da Revista Espírito Livre...   As palestras sobre Linux foram inovadoras, quebrando o conceito de que por...
apresentação                                                                             Gustavo Pacheco, durante sua pale...
apresentaçãoestrutura disponível. Dois au-ditórios foram utilizados aolongo do evento. A Itaipu Bi-nacional e a Prefeitura...
apresentação                                                                                espera criar um espaço onde   ...
e-book                                                                             O autor durante sua palestra no 1º Fóru...
e-booksismo natural relacionado amicrofones, meu cansaço eaquele frio na barriga quesempre aparece quando es-tou de frente...
e-book                                                                               pos. Apresentei a "palestra"         ...
open sourceO Open Source já fazparte da paisagemO software Open Source chegou para ficar. Depois de ser só umanovidade, am...
open sourceuma boa estratégia. É me-lhor e mais seguro desenhar                                               "Mesmo para ...
open sourcepropriedade intelectual (PI)a cedê-la, para poder ser li-            "Os softwares Open Source nãocenciada como...
open sourcebem gerenciado e tiver umacomunidade altamente en-gajada. O mesmo acontececom softwares comerciais.Se forem bem...
inclusão digitalPORTAS ABERTASInclusão Sociodigital e a meta reciclagem, proporcionam a criação deoportunidades para que u...
inclusão digital    Os resíduos eletrônicosocupam o posto mais altoentre a categoria de detritoscom o maior crescimento do...
perícia forensePERÍCIACOMPUTACIONAL FORENSEpor Gilberto Sudré                          A sociedade está presenciando um   ...
perícia forense   Com o valor estratégico emonetário sendo transferido                                                    ...
mercado de trabalhoMudanças no mercado de TIcom a popularização da internetPoucas áreas evoluem de maneira tão rápida quan...
mercado de trabalhonais qualificados para traba-lhar com TI no Brasil.   Alguns estudos estimamem mais de 100 mil vagasabe...
libreofficeOlhos para o futuro:a TDFe o LibreOffice OnlineDepois de firmar posição como a principal solução para edição de...
libreofficeHoje, o LibreOffice constitui-se como a principal soluçãode edição de documentosno formato OpenDocument.Não ape...
libreoffice                                                                             As novidades são ótimas,          ...
design editorialDesign Editorialcom ferramentas livres:uma quebra de paradigmaspor Hélio José Santiago Ferreira           ...
design editorialNo Design Editorial destaca-mos três áreas principais:-Design de Livros: A históriado livro se confunde co...
design editorialINKSCAPEO Inkscape é uma ferramen-ta de desenho vetorial, decódigo aberto, usada paracriar e editar gráfic...
design editorial   O GIMP surgiu como umprojeto de dois estudantesde Ciência da Computação,Spencer Kimball e Peter Mat-tis...
bash                                                                                     Julio Neves fala ao              ...
bash   Obteríamos resultado idêntico se fizéssemos:   Porém isso seria mais lento porque a substituição de comando é execu...
bash  No exemplo em que ele exibe os índices do vetor para onde o arquivo frutas foicarregado, devemos notar 2 coisas:   -...
educação                                                         Levany Rogge fala com                                    ...
educaçãoSegundo Tajra (2002), o com-putador é definido dentro doambiente escolar como umaferramenta pedagógica ca-paz de p...
educaçãoinclusão digital.   O material Microkids con-templa a base dos descrito-res das competências que seespera do aluno...
Revista espirito livre_035_fevereiro2012
Revista espirito livre_035_fevereiro2012
Revista espirito livre_035_fevereiro2012
Revista espirito livre_035_fevereiro2012
Revista espirito livre_035_fevereiro2012
Revista espirito livre_035_fevereiro2012
Revista espirito livre_035_fevereiro2012
Revista espirito livre_035_fevereiro2012
Revista espirito livre_035_fevereiro2012
Revista espirito livre_035_fevereiro2012
Revista espirito livre_035_fevereiro2012
Revista espirito livre_035_fevereiro2012
Revista espirito livre_035_fevereiro2012
Revista espirito livre_035_fevereiro2012
Revista espirito livre_035_fevereiro2012
Revista espirito livre_035_fevereiro2012
Revista espirito livre_035_fevereiro2012
Revista espirito livre_035_fevereiro2012
Revista espirito livre_035_fevereiro2012
Revista espirito livre_035_fevereiro2012
Revista espirito livre_035_fevereiro2012
Revista espirito livre_035_fevereiro2012
Revista espirito livre_035_fevereiro2012
Revista espirito livre_035_fevereiro2012
Revista espirito livre_035_fevereiro2012
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Revista espirito livre_035_fevereiro2012

879

Published on

Published in: Technology
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
879
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
9
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Revista espirito livre_035_fevereiro2012

  1. 1. http://revista.espiritolivre.org | Edição Especial | #035 | Fevereiro 2012
  2. 2. licençaEspírito Livre Especial · Fevereiro/201 2 02
  3. 3. Editorial Uma mensagem para o leitor Organizar um evento não é tarefa fácil. leitores e colaboradores, já que aQuem já organizou eventos, mesmo publicação existe apenas como uma revistapequenos e de expressão local, sabe que digital. Outra motivação era a de levantarnão é uma tarefa simples. Organizar o I recursos para ajudar a sustentar aFórum da Revista Espírito Livre foi muito produção da revista, algo extremamentegratificante, entretanto extremamente importante. Além disso, a proposta era de,trabalhoso. Ao final senti aquela sensação ao final do evento, serem reunidos osde dever cumprido, de missão cumprida. trabalhos apresentados durante todo o dia,Realmente algo muito bom de sentir. e compilados em uma edição especial, com Mas para quem não acompanhou as a contribuição de textos dos palestrantes enotícias do final do ano de 2011, no final do parceiros envolvidos. Esta, portanto, amês de novembro, mais precisamente no primeira de muitas. Assim espero.dia 29/11, a capital capixaba, Vitória, Já estamos planejando edições emrecebeu a primeira edição do Fórum da outras cidades, na esperança de poderRevista Espírito Livre. O evento foi um atingir um público ainda maior de pessoas.sucesso e contou com a participação de Nas próximas páginas você irá conferirmuitos colaboradores da publicação, além é alguns dos principais temas abordadosclaro, de vários leitores que estiveram durante o evento ocorrido em Vitória/ES.presentes durante todo o dia, em busca de Um forte abraço a todos!conhecimento, informação de qualidade, oupara conhecer aqueles que fazem a RevistaEspírito Livre regularmente. João Fernando Costa Júnior A principal motivação para a realização Editordo fórum da Revista Espírito Livre surgiu danecessidade de encurtar as distâncias entreDiretor Geral Colaboradores desta ediçãoJoão Fernando Costa Júnior Antônio Hermida, Cezar Taurion, Fernando Araújo, Geiza Ardiçon, Gilberto Sudré, Gustavo Freitas, Gustavo Pacheco,Editor Hélio Ferreira, João Fernando Cosa Júnior, Julio Neves,João Fernando Costa Júnior Levany Rogge, Milton Simonetti, Ole Peter Smith, OscarRevisão Marques, Roney Medice e Wanessa Zavarese Sechim.Vera Cavalcante e João Fernando Costa Júnior ContatoArte e Diagramação Site: http://revista.espiritolivre.orgHélio José S. Ferreira e João Fernando Costa Júnior Email: revista@espiritolivre.org Telefone: +55 27 8112-4903Jornalista Responsável ISSN Nº 2236031XLarissa Ventorim CostaES00867JP O conteúdo assinado e as imagens que o integram, são de inteira responsabilidade de seus respectivos autores, não representandoCapa necessariamente a opinião da Revista Espírito Livre e de seus responsáveis.Hélio José S. Ferreira Todos os direitos sobre as imagens são reservados a seus respectivos proprietários.Espírito Livre Especial · Fevereiro/201 2 03
  4. 4. su m á ri o ⁄⁄edição especial 05 DEPOIMENTOS • Palestrantes e 28 DESIGN EDITORIAL • O que demais participantes apresentaram parecia impossível está se tornando suas opiniões e visões sobre o evento realidade: a quebra de paradigmas na por diversos autores área de Design Editorial com o uso de ferramentas livres por Hélio Ferreira 09 I FÓRUM DA REVISTA ESPÍRITO 32 O COMANDO MAPFILE • O Bash LIVRE • Aberto mais um espaço para 4.0 trouxe muitas e boas novidades e o discussão de assuntos relevantes comando mapfile é uma delas. Mãos à relacionados a tecnologia e software obra para ver como e o que o Bash livre pode fazer por nós por João Fernando Costa Júnior por Júlio Cezar Neves 1 2 PRODUÇÃO DE E-BOOKS COM 35 INFORMÁTICA EDUCACIONAL • SOFTWARE LIVRE • É possível Promoção do conhecimento e produzir e-books de qualidade interdisciplinaridade usando software profissional usando somente software livre. Educar com software livre é livre possível e dá muito prazer por Antonio Hermida por Levany Rogge 1 5 O SOFTWARE OPEN SOURCE 39 NOSSO MUNDO PODE SER CHEGOU PARA FICAR • Antes, uma MELHOR • O software livre pode ser novidade. Atualmente, consolidado, uma ferramenta bem interessante para está presente na maioria das empresas promover a igualdade e superar e já virou modelo de negócio barreiras entre as pessoas por Cezar Taurion por Milton Simonetti 1 9 PORTAS ABERTAS • Inclusão 45 O QUE É A LIBERDADE • É Sociodigital e metareciglagem , preciso fortalecer o conhecimento propiciam a criação de oportunidades humano e não o conhecimento para o exercício da cidadania de particular. Esta afirmativa inspira as centenas de pessoas quatro liberdades do software livre por Fernando Silva de Araújo por Ole Peter Smith 21 PERÍCIA COMPUTACIONAL 50 DESENVOLVIMENTO MOBILE FORENSE • O conhecimento tornou-se COM ANDROID • A plataforma Android uma ferramenta de poder e vantagem mantém-se como a mais usada nos para as corporações. É imperativo a dispositivos móveis. Desenvolver para proteção destes ativos do conhecimento ela é uma opção bem atraente por Gilberto Sudré por Oscar Marques 23 A INTERNET E O MERCADO DE 56 AS CERTIFICAÇÕES EM TI • Sem TI • A popularização da internet tornou certificação é bom, mas com ela é o mercado de TI muito competitivo. Para melhor. O mercado a cada dia torna-se obter o sucesso que se deseja nesta mais competitivo e o profissional área, é necessário qualificar-se certificado tem prioridade nele por Gustavo Freitas por Roney Medice 25 ALÉM DO HORIZONTE • Olhando 58 O (BOM) USO DA TECNOLOGIA para o futuro a TDF quer colocar a suíte NA EDUCAÇÃO • Como a Secretaria de escritório LibreOffice na nuvem. A de Educação de Vila Velha, ES, tem diferença é que cada empresa poderá conseguido sucesso no uso da criar o sua própria solução Tecnologia Educacional por Gustavo Pacheco por Geiza ArdiçonEspírito Livre Especial · Fevereiro/201 2 04
  5. 5. Sobre o 1º Fórum da Revista Espírito Livre... O I Fórum da revista Espirito Livre foi um evento de grande significância. Restaurou os debates sobre Software Livre, de modo aberto e maduro. Meus parabéns à organização e espero ver e participar dos próximos em breve. Abraços! Cezar Taurion - Palestrante IBM - RJ O maior prazer em fazer eventos de Software Livre é ver a plateia cheia deestudantes, professores, convidados, palestrantes, leigos, amigos e família. Mas temum prazer maior que é a sensação do dever (que não deixa de ser um grande prazer)cumprido. Comentei com o pessoal que trabalha aqui comigo sobre o I Fórum daRevista Espirito Livre, sobre a qualidade, a dedicação e o público e tenho a certezaque todos ficaram felizes pelos comentários e claro que no próximo alguém da ItaipuBinacional terá o prazer de participar do evento. Marcos Siríaco - Palestrante Itaipu Binacional - PR A comunidade de Software Livre cresceu e amadureceu, assim como a revista Espírito Livre. Já era a hora da interação dos colaboradores da revista com quem a lê passasse das páginas para o mundo real e foi exatamente isto que aconteceu no 1º Fórum da Revista Espírito Livre. O evento foi um grande sucesso tanto de público como de assuntos lá discutidos. Ao final ficou claro que este foi só o primeiro de muitos outros pois os leitores da revista estão em várias partes do Brasil. Parabéns a organização pela qualidade. Gilberto Sudré - Palestrante - ES O evento foi um sucesso, uma parceria que iniciou o trajeto de uma grande história,certamente a Revista Espírito Livre junto com a Prefeitura Municipal de Vila Velhaestarão consolidando uma grande marca de referência para nossa sociedade. Oevento traz inovação e interação com a comunidade de tecnologia presente no Brasile no mundo, firmando uma expectativa a cada palestra ministrada. Sinto-me honradopor fazer parte deste grande sucesso. Muito importante poder contribuir com umfórum que trouxe ao publico participante palestrantes de prestigio e seriedade. Semdúvida um dos melhores eventos de tecnologia e Software Livre do nosso estado. Fernando Silva de Araújo - Palestrante Prefeitura Municipal de Vila Velha - ES Espírito Livre Especial · Fevereiro/201 2 05
  6. 6. Sobre o 1º Fórum da Revista Espírito Livre... Obrigado a todos os organizadores, parceiros e participantes pelo excelente espaçocolaborativo proporcionado pela 1.ª edição do Fórum da Revista Espírito Livre.Estamos com mais um evento de alta qualidade no calendário do Software Livre noBrasil. Gustavo Pacheco - Palestrante Prodesk - RS Participar do I Fórum da Revista Espírito Livre foi muito satisfatório, pois tivemos a oportunidade de compartilhar com todos os participantes as experiências da Secretaria de Educação Municipal de Vila Velha, onde a informática educacional se vale dos softwares livres para o desenvolvimento dos projetos no ambiente escolar. Contamos com o Sistema Microkids, um excelente material de apoio aos professores e alunos desta rede de ensino, que busca promover a inclusão social e digital dos educandos. Foi-nos oportunizado mostrar alguns trabalhos desenvolvidos pelos alunos e alunas desse  Município, com exposições de maquetes que contemplam o sistema da robótica educacional propondo aprendizado sobre: Educação Ambiental e Educação Cultural sem ferir valores e atentando para o crescimento sustentável deste Município. Os alunos de Vila Velha podem estudar de forma multidisciplinar e usar o computador como ferramenta de apoio ao seu processo de construção do conhecimento. Eles relatam que há empolgação, animação e mais disposição para o aprendizado cada vez que frequentam o laboratório de informática. Os professores, pedagogos e instrutores são contemplados com oficinas e formações oferecidas, pelo Núcleo de Informática Educacional, motivando-os ao uso dos softwares livres para fazerem uso desta ferramenta nas unidades de ensino onde trabalham. Os professores que participaram das oficinas foram unânimes em afirmar que estas lhes foram de grande valia abrindo horizontes para seu trabalho no ambiente escolar. Agradecemos à Revista Espírito Livre a oportunidade de partilharmos nossas experiências e motivar outros a fazerem uso do software livre na educação, pois é através da educação que construímos valores e mudamos paradigmas. Levany Rogge - Coordenadora do Núcleo de Informática Educacional/SEMED- VV Na minha opinião, uma marca deste 1º Fórum da Revista Espírito Livre, foi que elese mostrou dinâmico e ágil. Todo evento tem os seus contratempos, não falo disso,falo da capacidade do Fórum em se adaptar às necessidades do público presente.Palestras curtas e com temas variados, foi uma solução que gostei pois alcançou umpúblico maior. Foi muito bom ver o relato do uso, com sucesso, do Software Livre noensino público. Não restam dúvidas que esta primeira experiência foi marcante edecisiva para futuras edições do Fórum. Hélio José Santiago Ferreira, autor da palestra Design Editorial com ferramentaslivre – uma quebra de paradigmas - ES Espírito Livre Especial · Fevereiro/201 2 06
  7. 7. Sobre o 1º Fórum da Revista Espírito Livre... Quanto ao evento, achei maravilhoso, bem organizado, com uma variedade de temas por parte dos palestrantes e uma excelente escolha do local do evento, um local central e com estacionamento próprio. Isso fez muita diferença. Parabéns. Uma sugestão que dou para as próximas edições é a transmissão via internet. Sei que tentaram e houveram problemas. Então é se preparar melhor, pois com a transmissão, podem ser feitas parceiras com universidades e ter o evento, via internet, em várias localidades do Brasil, ao mesmo tempo. Assim o alcance será maior. Sei que não é fácil, mas para quem organiza uma revista como a Revista Espírito Livre, sei que é capaz e que conseguirá montar uma equipe em torno desse novo projeto. Parabéns! Gustavo Freitas - Palestrante - Linhares - ES Dia 29/11/2011 ocorreu em Vitória, o primeiro Fórum da Revista Espírito Livre.Achei muito boas as palestras. Tinham palestras para todos os níveis: de Filosofia eLiberdade, Mercado de Trabalho e mais especificas como por exemploDesenvolvimento para Android. O nível, o conhecimento e a experiência dospalestrantes foi excelente. Um exemplo claro disso foi a presença do Julio Neves, umapessoa com uma experiência em TI de mais de 40 anos. Minha maior surpresa foi apresença de um representante de Itaipu, a maior Usina Hidrelétrica. Agradeço a JoãoFernando, por sua iniciativa e espero que eventos desse porte possam ser realizadosnovamente no Estado. Jean Carlos Kenup Piumbini - Professor O I Fórum da Revista Espírito Livre contribuiu para nos conscientizar sobre a utilização de softwares livres e sobre o potencial dos brasileiros em desenvolver softwares de qualidade e de código aberto. O evento proporcionou a troca de experiência entre palestrantes e os estudantes e profissionais da área de informática que puderam comparecer. Parabéns aos realizadores e organizadores do evento! Priscila Costa / Técnico em Programação Web, 4°modulo, Escola Gomes Cardim. Espírito Livre Especial · Fevereiro/201 2 07
  8. 8. Sobre o 1º Fórum da Revista Espírito Livre... As palestras sobre Linux foram inovadoras, quebrando o conceito de que porestarmos adaptados a um sistema falho temos que necessariamente usá-lo. OWindows deixou de ser a muito tempo um sistema seguro e inovador. A cada versãoas vulnerabilidades continuam. Por ter seu código fechado pessoas do mundo inteironão podem colaborar para poder melhorá-lo. Nesse caso me resta usar o Linux poisposso confiar e o melhor é que não passarei mais "raiva" com meus trabalhosperdidos por uma tela azul ou congelada. Resta a sociedade entender que nemsempre o que usamos é inovador, e também abrir os olhos para as novasperspectivas, pois o o Linux tem a capacidade de oferecer todo o conteúdo que senecessita e ainda um pouco mais. Muitas empresas perderam "seus sistemas" por nãose adequarem as novas tecnologias, e também por não abrir mão do código. Aspalestras foram essenciais e muito bem aplicadas e dirigidas, pois resta agora mantera curiosidade e seguir cada vez mais evoluindo com o Linux. Aleir José de Souza Júnior / Técnico em Programação Web, 4°modulo, Escola Gomes Cardim. É com grande prazer que parabenizo a Revista Espírito Livre pela realização de um evento realmente voltado para Software Livre no Espírito Santo, com participação de pessoas importantes de âmbito nacional deste seguimento, pois vieram palestrantes de vários estados como, São Paulo, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul e Paraná, além dos palestrantes locais, como Gilberto Sudré. A participação dos meus alunos no evento provocou discussões sobre os assuntos durante toda semana. Pois todos ficaram muito felizes com os palestrantes e com os conteúdos apresentados. Um deles até me falou que encontrou o tema para o TCC. Seria implantação do servidor de e-mail EXPRESSO. Sem falar dos brindes que foram sorteados, incluindo passagens com tudo pago para a Latinoware 2012. Para mim o melhor de tudo foi a oportunidade de conversar com pessoas importantes do mundo do Software Livre, pessoas essas que estão no mercado a mais trinta anos como Júlio Neves, ou estão trabalhando empresas de renome como Cezar Taurion da IBM. Enfim, já estou ansioso pelo próximo evento em 2012. Marcelo Elias - Professor do curso de redes do SESI/SENAI CIVIT e Consultor em TI, Infraestrutura de Redes - Tecnólogo em Processamento de Dados. Espírito Livre Especial · Fevereiro/201 2 08
  9. 9. apresentação Gustavo Pacheco, durante sua palestra sobre o LibreOfficeI Fórum da RevistaEspírito Livrepor João Fernando Costa Júnior Em novembro de 2011, a Esta primeira edição do Fó- credenciamento do evento,capital capixaba, Vitória, foi rum da Revista Espírito Livre logo na chegada. O eventopalco da primeira edição do ocorreu no dia 29 de novem- teve mais de quatrocentasFórum da Revista Espírito Li- bro de 2011, de 08h00 às inscrições efetivadas e distri-vre. Organizado em tempo re- 22h00, nas dependências da buídas entre participantescorde, o evento que teve 17 FAESA - Campus I, em Vitó- que passaram várias horaspalestras ao longo de todo o ria/ES. O evento teve suas trocando experiências,dia, abriu mais um espaço de inscrições abertas ao público aprendendo, compartilhandodiscussão para assuntos per- de forma gratuita e feitas an- e respirando assuntos liga-tinentes como o Software Li- tecipadamente, através do si- dos a tecnologia.vre, mercado de trabalho, te oficial do evento. O espaço cedido pela FAE-tecnologia, Internet, entre ou- Entretanto outras tantas ins- SA nos atendeu perfeitamen-tros. crições ainda foram feitas no te, bem como toda a infraEspírito Livre Especial · Fevereiro/201 2 09
  10. 10. apresentaçãoestrutura disponível. Dois au-ditórios foram utilizados aolongo do evento. A Itaipu Bi-nacional e a Prefeitura Munici-pal de Vila Velha apoiaramativamente ao evento, envi-ando palestrantes e fornecen-do suporte para que tudoocorresse da melhor manei-ra. A Prefeitura de Vitóriabem como o SERPROtambém acreditaram noevento. Foi um dia bastante produ-tivo e que identificou novaspossibilidades. A realizaçãodo evento abriu oportunida-des para alunos que ali esta- Evento atraiu entusiatas e simpatizantes do GNU/Linuxvam, ampliando seushorizontes. Palestrantes de di-versas partes do Brasil e domundo compartilharam comos presentes, suas experiênci- blico tão amplo, o público-al- de software livre e de códigoas, seu saber. vo do evento é formado por aberto, tecnologia e Internet. E este foi o primeiro de ou- universitários, professores, Dessa maneira, visa compar-tros tantos! O projeto do pesquisadores e estudantes tilhar experiências e conheci-evento foi desenhado para das mais diversas áreas, mento, de modo a estimularque ocorra em diversas cida- bem como por empresários, o uso crescente dos softwa-des, de forma itinerante, profissionais e técnicos do res livres, tecnologias e pa-adaptando-se a realidade lo- setor, diretores, técnicos da drões abertos, ocal. Já está em fase de plane- área governamental, pesso- aprimoramento de tecnologi-jamento o segundo fórum as da comunidade de as, a difusão da filosofia deque acontecerá dia 29 de Software Livre, movimentos compartilhamento e criaçãomaio de 2012. Outras duas sociais, gestores públicos, re- colaborativa e coletiva. Alémedições já estão sendo pensa- presentantes de organiza- disso, objetiva-se tambémdas ainda para 2012: uma ções não governamentais, estreitar a comunicação en-edição em setembro e outra órgãos municipais, estadu- tre colaboradores e leitoresem novembro. A dinâmica do ais e federais e pessoas inte- da Revista Espírito Livre, per-evento também facilita, já ressadas na área de mitindo que se crie um es-que a proposta visa apresen- informática/computação, paço bastante proveitoso detar palestras menores, abrin- educação e comunicação. debates e discussão. A publi-do espaço para vários O Fórum da Revista Espíri- cação é construída atravéspalestrantes, com temáticas to Livre tem, portanto, como da colaboração no envio dee focos distintos, possibilitan- objetivos reunir a comunida- materiais disponíveis emdo atingir uma gama ainda de estadual e nacional inte- Creative Commons por pes-maior de participantes. ressada em soas de todo o Brasil e do Por dar abertura a um pú- desenvolvimento, aplicação mundo, e por isso o eventoEspírito Livre Especial · Fevereiro/201 2 10
  11. 11. apresentação espera criar um espaço onde ambos - leitores e colabora- dores, possam se conhecer, trocar experiências, apren- der e desenvolverem-se jun- tos. Tivemos inúmeros sorteios de livros, canecas, entre ou- tros brindes, ao longo do in- tervalo das várias palestras. Ao término do evento foram sorteadas duas viagens para Foz do Iguaçu/PR, para a pró- xima edição da Latinoware, evento que ocorre na respec- tiva cidade paranaense. Cor- tesia da Itaipu Binacional,Hélio S. Ferreira, um dos palestrantes presentes no evento e um dos atuais uma das apoiadoras dodiagramadores da Revista Espírito Livre evento. Ao final do evento o mate- rial dos palestrantes que es- tiverem dispostos a ceder o conteúdo para publicação é reunido e editado numa edi- ção especial da Revista Espí- rito Livre. O que você está lendo é o resultado da pri- meira edição do fórum. Você que não participou da primeira edição, não per- ca a chance de estar nas próximas edições. O evento é gratuito, mas as vagas são limitadas. JOÃO FERNANDO COSTA JÚNIOR é professor universitário, especialis-João Fernando C. Júnior (ao centro) responsável pela Revista Espírito Livre e ta em Informática na Educação eorganizador do evento, juntamente com os ganhadores das passagens para Foz mestrando em Educação. Editor-do Iguaçu/PR chefe e responsável pela Revista Espírito Livre, membro da The Document Foundation, Comunidade LibreOffice e ALTA.Espírito Livre Especial · Fevereiro/201 2 11
  12. 12. e-book O autor durante sua palestra no 1º Fórum da Revista Espírito LivreProdução de e-books noformato epubQuando se juntam LibreOffice Writer e sua extensão Writer2epub,com o Sigil, o Calibre, o Lucidor e uma boa dose de criatividade, oresultado são e-books de qualidade.por Antonio HermidaD epois de correr para a rodoviária (depois de duas horas de pro-va), pegar o guichê fechan-do, entrar no último ônibus versão e conversar um pou- co com o público. A verdade é: eu estava um caco. O público não fugiu com a chuva, pelo contrário, apare- nização. O João, mesmo na correria e tensão de corren- tes de uma estreia desse calibre para sua (nossa) re- vista, conseguiu dar contae acordar em Vitória, chegar ceu em bom número e, ape- de tudo, acomodar a todosao campus foi meu primeiro sar de estar um pouco e, o mais difícil, me enviaralívio. A chuva atrasou um nervoso com o atraso (por ao aeroporto a tempo (opouco o evento e, bem, mi- conta de meu horário de que foi miraculoso, por sinha ideia era apresentar os voo) ocasionado por ela, só).softwares, o método de con- acho que a coisa toda fluiu Da palestra, posso dizer bem, começando pela orga- que, apesar do meu nervo-Espírito Livre Especial · Fevereiro/201 2 12
  13. 13. e-booksismo natural relacionado amicrofones, meu cansaço eaquele frio na barriga quesempre aparece quando es-tou de frente para mais de20 pessoas, não fui mal.Por não ter ideia de qual se-ria o meu público, optei por,em vez de slides de apre-sentação, fazer uma de-monstração prática decomo o processo de editora-ção de um e-book se dá, fa-lar sobre as barreiras queainda existem quando o ter-mo "software livre" aparecee de como o Sigil, tem su-prido necessidades editori-ais de todo tipo e tamanhode editora. Após uma breveapresentação do formato Muito parecido com os tradicionais editores de texto, o Sigil é um editor de e-(suas peculiaridades, estru- books. Com ele é possível a criação de arquivos no formato epub. Outrostura, capacidades e proje- recursos deste software livre: completa compatibilidade com as especificações EPUB; recurso que permite visualizar o livro, o código ou os dois juntos;ções de futuros previsíveis, suporte a edição WYSIWYG; recurso para importar TXT, HTML e arquivos epub;tanto no projetor, como no suporte a SVG e vários outros.Nook), aproveitei o fato deestar falando para jovensestudantes e ressaltar a au-sência de mão de obra nes-se mercado em francaexpansão, do tipo profissio-nal que está sendo requisi-tado (e é escasso), e apartir daí, entrei nos softwa-res na medida em que osprocessos iam decorrendopara, no fim, responder a al-gumas perguntas. Como eu disse, saí deuma prova, corri para a ro-doviária, passei a noite aolado de um senhor que al-ternava entre roncos e seump3 player (que tocava o O Calibre pretende ser uma solução de e-biblioteca completa. Com ele, além demesmo disco do Roberto gerenciar as coleções de e-books, pode-se fazer a conversão de váriosCarlos no repeat)... aí, taxi, formatos diferentes para os formatos de e-book, LRF e EPUB. Para tal, basta apertar um botão na sua interface gráfica. Encontramos o Calibre para aschuva e alguns contratem- plataformas GNU/Linux, OS X e Windows.Espírito Livre Especial · Fevereiro/201 2 13
  14. 14. e-book pos. Apresentei a "palestra" e corri para o aeroporto (ti- nha que fazer outra prova no dia). Bem, o porquê de eu estar citando essa jorna- da (que mais parece um fil- me qualquer com Chevy Chase ) é o fato de que mi- nha única queixa foi não ter podido continuar no evento até seu encerramento. Pelos feedbacks que li ao longo do dia seguinte, pelas pes- soas com quem travei con- tato e pela organização e préstimo que presenciei, du- vido muito que não tenha-Hermida, no seu dia a dia faz uso regular das ferramentas apresentdas em sua mos outra edição aindapalestra. maior no ano que vem e, se eu não for palestrar, certa- mente quero assistir. ANTÔNIO FABIANO HERMIDA: Ex assistente editorial da editora Zahar (www.zahar.com.br),Existem inúmeras ferramentas de qualidade e que podem ser utilizadas responsável pelo departamento deprofissionalmente na produção de obras digitais. e-books e novas mídias. Atual gerente de produção para livros digitais, Simplíssimo Livros (www.simplissimo.com.br).Espírito Livre Especial · Fevereiro/201 2 14
  15. 15. open sourceO Open Source já fazparte da paisagemO software Open Source chegou para ficar. Depois de ser só umanovidade, amadureceu, buscou a excelência em qualidade, e já éum modelo de negócio.por Cezar TaurionO tema Open Source , há alguns anos atrás, era um dos te-mas mais quentes no mun-do da TI. Eventos e mais das as empresas e portanto já é paisagem. Basta ver um simples número: o diretó- rio Sourceforge , um dos mai- ores repositórios de projetos tá o Open Source hoje e o que se espera para os próxi- mos anos. É indiscutível a presença e influência do Open Sourceeventos ocorriam sobre o te- de software Open Source na industria de software. Éma. Participei de dezenas e tem mais de 324.000 proje- inevitável sua entrada ematé mesmo escrevi, em tos e mais de 4,5 milhões qualquer empresa. O custo2004, um livro abordando o de downloads por dia. Al- de entrada é zero: bastaassunto. Tive a satisfação guns softwares e projetos acessar um repositório e fa-de colaborar com diversos Open Source como Linux, zer um download. Milharesprojetos de TCC de muitos Apache e Eclipse já são lu- de softwares estão a umalunos. Mas hoje, já não es- gar comum. simples clique de distânciatá mais entre os temas mais Como fui convidado para de qualquer um. Não é dedebatidos. Há anos que não participar do 1º Fórum da espantar que em muitasvejo um simples TCC abor- Revista Espirito Livre, de- empresas existem muitosdando Open Source ...E a ex- dicado ao Open Source , softwares Open Source vo-plicação é simples: Open achei que seria interessante ando abaixo da tela do ra-Source já está assimilado e revisitar o tema escrevendo dar dos CIOs. Portanto,em uso em praticamente to- um post mostrando como es- ignorar Open Source não éEspírito Livre Especial · Março/201 2 15
  16. 16. open sourceuma boa estratégia. É me-lhor e mais seguro desenhar "Mesmo para os softwaresuma política para sua ado-ção. Observei, ao longo destes Open Source, existem regrasanos, que os debates acirra-dos no início do movimentoOpen Source , onde os aspec- de licenciamento e copyrighttos ideológicos falavammais alto, e que se imagina-va que o mundo seria Open envolvidos"Source por simples decre-tos, estão muito mais racio-nais hoje em dia. A maioriados profissionais sabe que te como e quando um droid Compatibility Definiti-Open Source não é software software pode ser considera- on Document (CDD) ede domínio público, mas sim do um projeto Apache . Na passar por testes do Com-depende de regras legais prática, a licença Apache patibility Test Suite (CTS).bem definidas. Existem sim permite que um software de- Copyrights e patentes fo-regras de licenciamento e rivado de um projeto Apa- ram outras discussões quecopyright envolvidos. Algu- che seja comercializado, foram muito quentes há al-mas, como a GPL, definem mas esta comercialização guns anos atrás. Copyrightregras bem claras de recipro- não pode ser feita sob o no- protege a propriedade inte-cidade, onde todo e qual- me Apache . Um outro exem- lectual como expressão dequer software derivado de plo é o Android, projeto uma ideia, não a ideia emum software baseado em Open Source criado inicial- si. As licenças Open SourceGPL também deve ser licen- mente pelo Google. Qual- expressam copyright emciado sob GPL. A licença quer um pode adaptá-lo, seu bojo. Por exemplo, a li-GPL impede que um projeto customizá-lo e redistribui-lo. cença Apache 2. 0 diz clara-Open Source seja apropria- Como a concorrência no mente: "Grant of Copyrightdo por alguma empresa e se mercado de equipamentos Licence. Subject to thetorne um software comerci- móveis é extremamente acir- terms and conditions of thisal. rada, a possibilidade de sur- licence, each contributor girem versões Android hereby grants to you a per-Marcas, patentes e muito diferentes entre si e, petual, worldwide, nonex-copyrights pior, incompatíveis, é muito clusive, no-charge, royaltyOs aspectos legais que en- grande. Assim, para garantir -free, irrevocable copyrightvolvem Open Source não po- a compatibilidade entre as licence to reproduce, prepa-dem ser ignorados. Por centenas de smartphones e re derivative works of, publi-exemplo, a marca registrada outros dispositivos que cly display, publiclyou trade mark. Existem vári- usam este sistema, o Goo- perform, sublicence, andos casos concretos de uso gle criou um mecanismo de distribute the work and suchde trade mark em Open trade mark que permite que derivative works in sourceSource . Um deles é o Linux, o software seja comercializa- or object form ". Portanto,cuja marca pertence a Linus do sob a marca Android ape- existe copyright sim, mas asTorvalds. A Apache Software nas se estiver aderente a regras do licenciamentoFoundation define claramen- um documento chamado An- obrigam o proprietário daEspírito Livre Especial · Março/201 2 16
  17. 17. open sourcepropriedade intelectual (PI)a cedê-la, para poder ser li- "Os softwares Open Source nãocenciada como Apache . Des-ta forma ninguém se tornadono da PI. geram inerentemente códigos Patentes já embutem pro-teção a invenções que po-dem ser ideias, produtos ou mais eficientes que osprocessos. As licenças OpenSource também embutemregras claras quanto às pa- fechados"tentes. Se novamente voltar-mos atenção à Apache 2. 0veremos que ela também ex- exatamente para evitar al- Source não são antagôni-plicita como cuidar das pa- guns possíveis conflitos com cos, mas podem convivertentes, garantindo que elas outros sistemas fechados. em sinergia.se tornem royalty-free para Mas, a opção de algumqualquer um que as use. O desenvolvedor ou empresa Eficiência e customesmo acontece com a li- de colocar seu software sob Aprendemos outras coisascença da comunidade Eclip- as regras Open Source é so- ao longo destes anos. Ima-se , a Eclipse Public Licence berana. Ele o faz por algu- ginava-se que os softwares(EPL). A questão das paten- ma motivação, seja ela Open Source gerassem ine-tes ainda é uma questão em tangível ou intangível. A rentemente códigos maisaberto. Como os softwares eterna discussão dos mode- eficientes que os fechados.são produtos cada vez mais los de negócio, ou seja, co- Todos podiam ler o códigocomplexos, a possibilidade mo ganhar dinheiro com fonte e fazer avaliações ede intercessões entre códi- Open Source vem à tona. Al- correções. Na prática asgos Open Source e códigos gumas empresas descobri- comparações foram feitas,fechados é grande e volta e ram, com o muitas vezes de forma emo-meia vemos alguns litígios amadurecimento do merca- cional, comparando-sepipocando por aí. Para miti- do, que uma alternativa que softwares de comunidadesgar estes efeitos, foram cria- tem se tornada bastante co- engajadas e com liderançasdas inciativas como o Patent mum é a chamada opção de firmes como Linux e Apa-Commons Project, criado pe- dual licencing, onde o che , com produtos comerci-la Linux Foundation software Open Source conti- ais que apresentavam_http://va. mu/TkP2 . Também nua distribuído livremente, muitos defeitos como o Win-vimos a própria Google ad- mas ao mesmo tempo co- dows e o Explorer. Mas, aoquirindo a Motorola Mobility mercializa versões mais so- longo dos anos verificou-separa se apossar de mais de fisticadas, estas sob que existem muitos softwa-25.000 patentes e agora em licenças tipicamente comer- res fechados de altíssimaagosto de 2011 comprando ciais. O usuário paga ape- qualidade, desenvolvidos1.023 patentes da IBM para nas pelas funcionalidades por métodos altamente so-proteger o sistema Android adicionais e paga porque re- fisticados envolvendo inten-de eventuais guerras de pa- conhece valor nelas. Na prá- sos testes de qualitytentes. Aliás, a IBM em 2005 tica vimos que aumentou a assurance . Hoje sabe-secedeu 500 de suas patentes conscientização que os mo- que um projeto Open Sour-à comunidade Open Source , delos comerciais e Open ce é de alta qualidade se forEspírito Livre Especial · Março/201 2 17
  18. 18. open sourcebem gerenciado e tiver umacomunidade altamente en-gajada. O mesmo acontececom softwares comerciais.Se forem bem gerenciados edesenvolvidos por processosque enfatizem a qualidade,seu código será de alto ní-vel. Aprendemos também quenem sempre um softwareOpen Source é sempre maisbarato que um software co-mercial. No auge inicial dosdebates, de forma simplista,comparava-se apenas o cus-to de aquisição de produtos,o que inevitavelmente leva-va a um software distribuído Segundo Cezar Taurion, o Open Source chegou para ficar.gratuitamente a ser vence-dor em qualquer compara-ção. Mas com o correr dotempo e amadurecimentodo mercado observou-se Não concordo com esta vi- empresas. Muitos dos negó-que deveríamos comparar são. Na verdade, Open Sour- cios inovadores da InternetTCO ( Total Cost of Ow- ce é um modelo de são baseados em Opennership ou Custo Total de desenvolvimento colaborati- Source como Google e Face-Propriedade) e neste caso, vo, que permite criar novos book por exemplo. Assim,algumas vezes os softwares modelos de negócio, alguns não existe mais espaço paraOpen Source não eram os dos quais que podem dispen- guerras ideológicas, masmais baratos. sar vendas de licença e su- para definirmos cenários portar o negócio baseados onde os modelos OpenNão existe almoço grátis exclusivamente em vendas Source e comerciais convi-Mas a maior lição que apren- de serviços como suporte e vam em sinergia.demos foi que não devemos educação. Outros modelosmisturar ideologia com baseiam-se em dual licen-Open Source . As decisões cing e outros em vendas in-tecnológicas devem ser ba- diretas, como o modeloseadas em fundamentos só- freemium , que cede algolidos que maximizem o em troca de vendas de ou- CEZAR TAURION: Gerente de Novasvalor e a eficiência para os tros produtos como propa- Tecnologias Aplicadas / Technicalnegócios e os órgãos públi- ganda. No fim do dia não Evangelist da IBM Brasil.cos. Um questionamento existe almoço grátis. Profissional e estudioso deque sempre me preocupou A conclusão? Open Sour- Tecnologia da Informação desdefoi que Open Source seria ce chegou para ficar. Faz par- fins da década de 70. Autor deeticamente mais saudável te da industria de software e diversos livros sobre Openque softwares comerciais. está permeada por todas as Source/Software Livre.Espírito Livre Especial · Março/201 2 18
  19. 19. inclusão digitalPORTAS ABERTASInclusão Sociodigital e a meta reciclagem, proporcionam a criação deoportunidades para que um sem número de brasileiros passem aexercer o direito básico da cidadania.por Fernando Silva de Araújo www.sxc.hu m plena era do conhecimento e informação, ações de InclusãoDigital representam um canal privilegiado para criação deoportunidades, preparação para o mercado de trabalho e finalmentepara geração de renda e exercício da cidadania. Compare apossibilidade de um trabalhador permanecer empregado comconhecimentos digitais e outro sem estes conhecimentos, ou ainda apossibilidade de um jovem conseguir seu primeiro emprego tendopassado pela inclusão digital e outro sendo um excluído digital.Inclusão Digital e Social não deve ser considerada apenas como adisponibilização de acessos à Internet e consequente instrução básicapara acesso à tecnologia, mas sim promover a inovação, iniciaçãodigital e profissional nos mais diversos conteúdos de conhecimentocom acesso orientado e gratuito.Espírito Livre Especial · Março/2012 19
  20. 20. inclusão digital Os resíduos eletrônicosocupam o posto mais altoentre a categoria de detritoscom o maior crescimento domundo. O Brasil tambémcontribui para o lixo tecnoló-gico. A estimativa é de quemais um milhão de computa-dores é jogado fora anual-mente. Mas pouca gentesabe o que fazer com o queficou obsoleto. Deixar guar-dado? Vender ou dar de en-trada em um equipamentonovo? Doar ou simplesmen-te jogar fora? Nos lixões uma parte é re-aproveitada, mas outra,composta de substâncias pe-rigosas, como metais pesa-dos (mercúrio, chumbo,cádmio e cromo) e gasesque provocam o efeito estu-fa, vão ser descartadas nanatureza, contaminando ter-ra, água e ar. Computadores fora deuso devem ser doados. Des- Fernando Silva de Araújo durante sua descontraída palestra no 1º Fórum datine o equipamento antigo Revista Espírito Livrepara quem possa utilizá-loou para instituições sociaisque trabalhem com  InclusãoDigital. O que se tornou inú-til para você pode fazer dife- da informação através da in-rença para milhões de ternet.pessoas. A partir de uma parceria A meta reciclagem nada com a Escola Aberta, trouxemas é do que a reapropria- os alunos para dentro do es-ção de tecnologia objetivan- paço, onde estão aperfeiço-do a transformação social. ando os conhecimentos e FERNANDO SILVA DE ARAÚJO:Esse conceito abrange diver- reciclando peças e computa- Coordenador de Educaçãosas formas de ação: da cap- dores que são doados a ou- Profissional e instrutor detação de computadores tras instituições ou estão à informática da Prefeitura Municipalusados e montagem de labo- venda no Bazar Digital. São de Vila Velha nos Programas Escolaratórios reciclados usando monitores, mouses, HD’s, te- Aberta e Mais Educação da UMEFsoftware livre, até a criação clados e diversas outras pe- Alger Ribeiro Bossois.de ambientes de circulação ças.Espírito Livre Especial · Março/2012 20
  21. 21. perícia forensePERÍCIACOMPUTACIONAL FORENSEpor Gilberto Sudré A sociedade está presenciando um acirramento na competição científica e econômica. Atualmente o conhecimento tornou-se uma grande ferramenta de poder e uma vantagem competitiva para as corporações. O valor dos ativos das empresas está sendo transferido dos recursos materiais para o capital intelectual. Assim, da mesma maneira que precisamos proteger os ativos físicos, existe a necessidade de proteção para os ativos do conhecimento, na maioria das vezes armazenados em meios digitais.Espírito Livre Especial · Fevereiro/201 2 21
  22. 22. perícia forense Com o valor estratégico emonetário sendo transferido "Uma das funções do peritopara os ativos digitais, esta-mos acompanhando um realcrescimento de um outro ti- forense é reunir provas quepo de crime. Agora não maiscontra os ativos materiaismas sim contra os ativos respondam as diversas perguntas relacionadas aoimateriais ou digitais. Se hácrime precisamos de ferra-mentas para investigar e pu- suposto crime"nir seus causadores. Os delitos digitais normal-mente são realizados contraos computadores, seus peri-féricos, as redes de comuni-cação e os aplicativos. Estes dem ser enquadrados na le- va pericial mal feita acarretacrimes podem ser classifica- gislação hoje vigente como a impossibilidade de ser utili-dos de acordo com o tipo de a calúnia, a difamação, a zada como embasamento naviolação como por exemplo ameaça, a pedofilia, a viola- tomada de decisões, ou seja,o uso do equipamento ou in- ção de direitos autorais, a uma prova legal obtida porformação, à propriedade, à Falsidade ideológica e mui- derivação de uma prova ile-segurança e à disponibilida- tos outros. gal, a torna também ilegal.de. Alguns destes crimes po- Qual a dificuldade então? A tecnologia, principal-dem ser encontrados no No mundo virtual as evidên- mente a Internet, trouxe me-nosso dia a dia como a pira- cias são muito mais voláteis lhorias enormes para ostaria (programas de compu- e relativas o que torna bas- negócios, mas também crioutador, livros, filmes e tante complexa a ação de um novo terreno para os cri-músicas), uso indevido de reunir as provas necessári- minosos. Devido a isto seráimagens pessoais, a fraude as, com validade jurídica, pa- cada vez mais necessário oeletrônica (senhas, acesso e ra tipificação do crime. trabalho do Perito/Investiga-estelionato), o vírus de com- Esta é uma das funções dor Forense Computacional.putador, o furto de dados e do perito forense. Um profis- Como já era de se esperar,uso indevido de marcas. Ati- sional capacitado para reu- as técnicas de análise e in-tudes que causam muitos nir provas que respondam a vestigação evoluem a cadaprejuízos e transtornos as vi- perguntas relacionadas ao dia mas a sofisticação dostimas. suposto crime como por crimes também. Uma ideia equivocada exemplo: Quem cometeu eque ainda é muito comum é por que? O quê e onde foi re-que a legislação hoje dispo- alizado? Quando e como? GILBERTO SUDRÉ: Professor,nível não pode ser aplicada Um fato fundamental é consultor e pesquisador da áreaa estes crimes digitais. Nem que as provas sejam coleta- de Segurança da Informação,sempre. É verdade que preci- das de forma profissional e privacidade e infraestrutura desamos de um aprimoramen- impessoal, sem deixar, em hi- redes. Comentarista de Tecnologiato e novas leis para o pótese alguma, que elemen- da Rádio CBN. Articulista do Jornalmundo virtual mas diversos tos subjetivos influenciem no A Gazeta, Revista ES Brasil, entredelitos digitais cometidos po- parecer profissional. Uma pro- outros.Espírito Livre Especial · Fevereiro/201 2 22
  23. 23. mercado de trabalhoMudanças no mercado de TIcom a popularização da internetPoucas áreas evoluem de maneira tão rápida quanto a deTecnologia da Informação. Novas tecnologias surgem quase quediariamente. Diante de mudanças tão profundas será que estamosmesmo qualificados para trabalhar com TI?por Gustavo FreitasA área de Tecnologia da Informação (TI) evo- luiu muito nos últi-mos anos. Ela não é maisum mundo dividido em net no mundo (3,6% do to- tal), mesmo tendo apenas 37% de sua população com acesso a rede mundial de computadores. Com essa po- - Blogs - Wikis - Redes sociais - Ferramentas colaborati- vassoftware ou hardware e sim pularização mundial da inter-um universo com "n" especi- net, várias tecnologias Diante dessas novas tec-alidades que se multiplicam surgiram e estão mudando nologias e das mudançasnuma velocidade espantosa, o mercado de TI, entre elas ocorridas no setor de TI, aprincipalmente com a popu- destaco: pergunta é "Você está quali-larização da internet. - Computação móvel ficado a trabalhar com TI?". O Brasil já é o 5º país - E-commerce A resposta do mercado écom mais usuários de inter- - Conceito de Web 2.0 não e que faltam profissio-Espírito Livre Especial · Fevereiro/201 2 23
  24. 24. mercado de trabalhonais qualificados para traba-lhar com TI no Brasil. Alguns estudos estimamem mais de 100 mil vagasabertas a espera de um pro-fissional de TI qualificado pa-ra o novo mercado detrabalho. Mas por que tantas vagasem aberto? Por que tanta fal-ta de mão de obra qualifica-da? A baixa procura por cur-sos de tecnologia, a tendên-cia em se procurar cursossuperiores da área de Huma-nas e a alta taxa de evasão(82%) são alguns motivos Gustavo Freitas apresenta sua palestra durante o 1º Fórum da Revista Espíritoque podemos destacar. Livre. Enfatiza que, se queremos atuar no mercado de TI, devemos estar bem preparados e qualificadosO primeiro passo é quali-ficar-se As vagas estão disponí- GUSTAVO ANDRÉ DE FREITAS:veis, então procure qualifi- Conclusão As oportunidades não são Problogger, consultor para criação,car-se. As opções são várias: desenvolvimento e monetização decurso técnico, tecnólogo, gra- para todos! Elas são para osduação, pós-graduação, certi- que estão preparados! sites e blogs. Bacharel em Sistemasficação e cursos específicos. Pense nisso, mas não fi- de Informação, pós graduado em Com qualificação, você po- que muito tempo pensando, Planejamento educacional ede preencher uma das vagas já que a necessidade do se- docência do ensino superior eem aberto, ou melhor, pode tor é urgente. professor universitário.escolher em qual empresapretende trabalhar.Espírito Livre Especial · Fevereiro/201 2 24
  25. 25. libreofficeOlhos para o futuro:a TDFe o LibreOffice OnlineDepois de firmar posição como a principal solução para edição dedocumentos no formato OpenDocument com o LibreOffice, a TDFmira agora nas aplicações em nuvem.por Gustavo Pacheco Após pouco mais de um ano de atividades da The DocumentFoundation (TDF), já é possível mensurar os avanços estratégicos etécnicos que foram desenvolvidos sobre o LibreOffice. A maior parte desseavanço diz respeito à incorporação de novos recursos ao pacote deaplicativos. Nesse período, o LibreOffice [1 ] evoluiu para uma aplicação maisrápida e funcional, resultado, principalmente, das mudanças na estruturade desenvolvimento do projeto, através da aceleração das contribuições eda expansão da base de desenvolvedores.Espírito Livre Especial · Fevereiro/201 2 25
  26. 26. libreofficeHoje, o LibreOffice constitui-se como a principal soluçãode edição de documentosno formato OpenDocument.Não apenas se considera-mos o uso tradicional da apli-cação, instalada sobre umsistema operacional localmas, também, se avaliar-mos o enorme potencial daAPI do LibreOffice . Essa APIpermite adicionar, a qual-quer desenvolvimento, o po-der das funções dasaplicações e a flexibilidadede um padrão aberto de ar-mazenamento de dados. Em palestra no 1º Fórum da Revista Espírito Livre, Gustavo Pacheco fala sobreO mundo real a importância do LibreOffice para a manipulação de documentos no formatoTomemos como modelo o de- Open Documentsenvolvimento de sistemascorporativos. Um exemplodo mundo real é o que fize- enviados automaticamente companhia: rapidez na con-mos na Corag (Companhia para o LibreOffice . O LibreOf- fecção do jornal, exatidãoRio-grandense de Artes Grá- fice verifica se todos os crité- nas contabilizações de cus-ficas) . A Corag é a empresa rios de formatação do tos e padronização da im-que recebe e publica todos documento estão corretos e pressão. Este é um exemplodocumentos oficiais do Rio imediatamente devolve es- básico de que a utilizaçãoGrande do Sul no Diário Ofi- sa informação para o S-Doc- do LibreOffice vai muitocial do Estado. Quando inici- Net. Caso o documento não além do uso comum.amos o projeto, o esteja em conformidade,recebimento das publica- uma mensagem é exibida LibreOffice na nuvemções era realizado, há quase no navegador do usuário Vamos imaginar, então, umuma década, no formato com essa informação. Se o cenário onde todo esse po-RTF. Estava claro que, de- documento está correto, o Li-pois de tantos anos, uma breOffice gera um arquivo der computacional seja inte-mudança efetiva nesse fluxo XML da publicação que é in- grado aos conceitos dode trabalho já era considera- corporado automaticamente momento: aplicações emda necessária e desejada. nuvem e mobilidade. ao sistema de confecção do Google e Microsoft estão Foi iniciado, então, o de- Diário Oficial, além de infor- investindo no conceito hásenvolvimento do sistema mações de saída para que o algum tempo. Agora, é ne-S-DocNet [2], onde o LibreOf- S-DocNet calcule o valor afice exerce um papel funda- ser pago pela publicação. O cessária uma alternativa li-mental. Através da interface resultado dessa etapa foi vre e suficientementeweb do S-DocNet, os arqui- uma melhoria significativa madura para o mercado. Avos são recebidos pelo siste- em aspectos fundamentais maioria das organizações,ma desenvolvido em PHP e do serviço prestado pela sejam elas públicas ou pri- vadas, deseja ampliar suaEspírito Livre Especial · Fevereiro/201 2 26
  27. 27. libreoffice As novidades são ótimas, todavia, há um longo cami- nho pela frente. A versão 3.5.0, prevista para feverei- ro de 2012, trará apenas um protótipo do LibreOffice Online. Há muito trabalho a ser feito, especialmente nos aspectos de autenticação, armazenamento de dados, reconhecimento de disposi- tivos e impressão. Minha ex- pectativa particular é continuar trabalhando nos testes do LibreOffice Online até o final do ano. Pretendo que a continuidade desse Gustavo Pacheco salienta que o LibreOffice constitui-se como a principal trabalho resulte em docu- solução de edição de documentos no formato OpenDocument mentação útil para o desen- volvimento do projeto e, naturalmente, na ampliação do trabalho que venho de-disponibilidade através da ser adicionado a qualquer senvolvendo com as Exten-nuvem. No, entanto, a dis- aplicativo que utilize a sões do LibreOffice.cussão sobre que tipo de im- GTK+ e que seja compilado [1] http://va. mu/TkmLplementação recai, adequadamente para utili- [2] http://va. mu/TkmMinvariavelmente, no debate zar o backend Broadway [3]. [3] http://va. mu/Auzsobre quem terá acesso às Esse trabalho, desenvolvido [4] http://va. mu/TkmNinformações e como isso por Alex Larsson durante oacontecerá. A TDF preenche- ano de 2011, vem tendorá essa lacuna com o Libre- avanços significativos nos últi-Office Online , permitindo mos meses. Os últimos testesnão apenas que as organiza- que fizemos com a GTK+ emções construam a sua pró- desenvolvimento permitempria solução em nuvem renderizar aplicações emmas, também, disponibilizan- qualquer navegador. Antes,do um código auditável para essa possibilidade restringia-isso. se ao Mozilla Firefox. Já no la- No aspecto técnico, o Li- do do LibreOffice, Michael Me-breOffice Online é baseado eks fez o desenvolvimento da GUSTAVO BUZZATTI PACHECO: Éna tecnologia de renderiza- adaptação do código ao uso diretor da ProDesk Consultoria eção no navegador que foi de- do backend Broadway [4]. O Treinamento. Foi coordenadorsenvolvida com a GTK+ 3.2. código, ampliado e modifica- adjunto da AssociaçãoOu seja, não é uma tecnolo- do, foi incorporado ao códi- SoftwareLivre.Org na gestão 2006-gia que está vinculada unica- go principal do LibreOffice 2008 e é membro da The Documentmente ao LibreOffice , mas em meados do mês de no- Foundation.sim um recurso que pode vembro.Espírito Livre Especial · Fevereiro/201 2 27
  28. 28. design editorialDesign Editorialcom ferramentas livres:uma quebra de paradigmaspor Hélio José Santiago Ferreira esign Editorial é uma especialidade do Design Gráfico que engloba todo tipo de publicação. Um catálogo,uma revista, livro ou jornal, são exemplos de publicações queprecisam de um projeto gráfico. Uma publicação, qualquer queseja ela, atinge o público leitor através do seu design, queprocura harmonizar layout, cor, hierarquia de informação, etc.Assim, diagramar ou fazer o layout de uma página, não ésomente agrupar textos e imagens. É preciso técnica,conhecimento, talento, sentimento, dedicação e o domínio deferramentas para edição. E é justamente sobre essas ferramentasque falaremos mais adiante.Espírito Livre Especial · Fevereiro/201 2 28
  29. 29. design editorialNo Design Editorial destaca-mos três áreas principais:-Design de Livros: A históriado livro se confunde com ahistória da humanidade. Aimportância deste veículona transmissão do conheci-mento é reconhecido por to-dos. O Design Gráfico foidefinido a partir do Designde Livros.-Design de Revistas: Uma re-vista é um periódico, pois éeditada com o mesmo título,mas com conteúdo diferenteem intervalos regulares detempo. As revistas são umdos dois principais gruposde periódicos. Um bom pro- Hélio Ferreira apresenta sua palestra sobre Design Editorial comjeto gráfico faz toda a dife- ferramentas livres durante o 1º Fórum da Revista Espírito Livre, emrença para o sucesso de Vitória, ES. Mentes criativas e inquietas não podem se deixar levaruma revista. O design de pelos paradigmas impostos, muitas vezes, pela indústria de software.uma revista deve ser dinâmi-co, não pode ser monótono,deve despertar a curiosida-de do leitor em querer des- paradigma é aceito por to- nados softwares e pronto, écobrir o que virá na próxima dos sem contestação, sim- o que importa.página. plesmente é aceito como Para mentes criativas e-Design de Jornais: O jornal verdade e pronto. No caso inquietas, que queiram ex-é o exemplo mais conheci- do Design Editorial temos perimentar coisas novas,do de um periódico. Um um pouco disso, principal- que não se conformam, quebom projeto gráfico de um mente quando o assunto es- buscam algo novo e vibran-jornal deve contemplar facili- tá relacionado a programas te, há boas notícias: exis-dade de leitura e um layout de computador. Usam-se de- tem no mercado depouco complexo. Um jornal terminados softwares por softwares para design gráfi-vai ser lido no mesmo dia, anos a fio, e mentes tão cria- co, outras opções, forade forma rápida, então deve tivas, muitas vezes, não se aquelas que o mercado im-ser de fácil leitura. Ao con- dão ao trabalho de parar pa- põe. Fogem ao padrão poistrário das revistas, que nor- ra peguntar se não haveria não estão ligadas a nenhu-malmente são mensais, os outra solução. Se não ma empresa. São softwaresjornais são – em sua maioria haveria outro programa que de qualidade, profissionais,– diários e a equipe de dia- fizesse o mesmo trabalho, livres e gratuitos. GIMP,gramação sofre uma pres- que fosse mais barato, mais INKSCAPE e SCRIBUS, opçãosão maior. fácil de usar, livre, bom, de qualidade para profissio- Por sua vez, um paradig- interessante, que fosse "a nais exigentes.ma, é um modelo, um pa- minha cara" ou fosse "feitodrão. Muitas vezes um pra mim". Usam-se determi-Espírito Livre Especial · Fevereiro/201 2 29
  30. 30. design editorialINKSCAPEO Inkscape é uma ferramen-ta de desenho vetorial, decódigo aberto, usada paracriar e editar gráficos SVG.Quem usa o Inkscape, tem àsua disposição uma interfa-ce WYSIWYG (What You SeeIs What You Get) , intuitiva esimples, mas sem ser espar-tana. Com o Inkscape é possí-vel manipular diretamente o Logotipo do Inkscape Wilber é o mascote do GIMPcódigo fonte SVG, assim,qualquer pessoa pode saberse o código está de acordo tos e imagens bitmap, o for- de várias partes do mundocom os padrões determina- mato padrão é o PNG. O uso tem usado o GIMP para criardos pelo W3C. O projeto de filtros e extensões, permi- verdadeiras obras primas.Inkscape está em plena ativi- te uma série de efeitos que Com o GIMP é possível re-dade, e periodicamente é podem ser aplicados tanto alizar desde trabalhos pro-lançada uma nova versão es- em imagens como em tex- fissionais de arte digital, atétável. Atualmente a versão tos. um simples trabalho de es-estável disponível é a 0.48. Todas essas característi- cola. Pode ser usado por fo- Assim como outros progra- cas fazem do Inkscape um tógrafos profissionais, masmas de desenho vetorial, o software extremamente flexí- também pode ser usado emInkscape oferece a possibili- vel e de uso profissional. A casa para pequenas corre-dade de criar formas bási- sua estrita conformidade ções em fotografias. Sua in-cas (elipses, retângulos, com os padrões W3C permi- terface, com três janelas,estrelas, polígonos e espi- te a portabilidade de ima- pode causar um certo incô-rais) além de permitir a pos- gens para muitas aplicações modo no início, mas a adap-sibilidade de transformar e e plataformas. tação não é difícil. Namanipular essas formas bási- verdade, a curva de apren-cas. GIMP dizado do GIMP não é acen- Com o Inkscape, também GIMP significa: GNU Image tuada.é possível manipular objetos Manipulation Program , ou O GIMP é um software li-com mais precisão, ajustan- no bom português: Progra- vre, escrito e mantido pordo nós e curvas. Essas fun- ma de Manipulação de Ima- voluntários e é distribuídoções são indispensáveis em gens GNU. O GIMP faz sem custo. Mas, neste caso,softwares de desenho vetori- exatamente o que seu nome não vale o comentário: "seal e permite ao artista criar diz, manipula imagens. As- é de graça não presta", mui-com muito mais liberdade. sim, ao contrário do Inksca- to pelo contrário, a qualida-O Inkscape possui um editor pe, o GIMP é específico para de dos gráficos geradosde XML onde é possível mo- trabalhar com mapas de pelo GIMP o coloca em pédificar as propriedades dos bits. Com ele é perfeitamen- de igualdade com os maisobjetos. te possível editar fotos e cri- conhecidos softwares pro- Com o Inkscape, também ar gráficos profissionais prietários para edição deé possível trabalhar com tex- para a web. Artistas digitais imagem.Espírito Livre Especial · Fevereiro/201 2 30
  31. 31. design editorial O GIMP surgiu como umprojeto de dois estudantesde Ciência da Computação,Spencer Kimball e Peter Mat-tis, em 1995. Em pouco tem-po ele já tinha se tornadoum programa para ediçãode imagens bem popular. Ho-je, o GIMP conta com desen-volvedores e colaboradoresespalhados por todo o mun-do, sendo um exemplo mar-cante de que é possívelfazer software de qualidade O Scribus possui uma versão estável e outra instável. Acima vemos o "splash"de maneira colaborativa. da versão instável Atualmente o GIMP é usa-do por um sem número depessoas ao redor do mundo.Uma característica que fazdo GIMP um software bem ra todos aqueles que bus- tálogos, cartões de visita, li-conhecido, é que, além da cam um software que vros, revistas, jornais esua qualidade, existem ver- entende a linguagem da in- boletins informativos, ou to-sões do software para Linux, dústria gráfica e é capaz de do e qualquer tipo de docu-Windows, Mac OS X, dentre gerar arquivos extremamen- mento com os quais seoutras. te confiáveis. Por isso o Scri- pode comunicar. bus oferece suporte aoSCRIBUS espaço de cor CMYK, permi- __ www.inkscape.orgO Scribus é um software li- te gerenciamento de cores e __ www.gimp.orgvre para criar layout de pági- gera arquivos PDF de modonas. Aqui podemos entender fácil e rápido. __ www.scribus.neto termo "layout de páginas" O formato de arquivo docomo diagramar. Assim, em Scribus é aberto e baseadooutras palavras, o Scribus é em XML. Isso significa queum software livre que é usa- arquivos gerados no Scribusdo para diagramação. Esse podem ser abertos em umpoderoso programa surgiu simples editor de texto. Sempequeno e simples em dúvida uma vantagem sobre2001, e de forma rápida os arquivos proprietários,cresceu e se tornou uma op- que precisam de um softwa-ção profissional para o de- re específico para serem li- HÉLIO S. FERREIRA: Engenheirosign editorial. dos. por formação. Atua como O Scribus é multiplatafor- Sendo traduzido para 25 consultor em Software Livre,ma, existem versões para Li- idiomas, o Scribus dá mos- ministrando cursos e palestras.nux, Mac OS X e Windows. tras da sua importância e pe- Como designer colabora nas Com uma interface amigá- netração no mercado de revistas Espírito Livre e Segurançavel e intuitiva, o Scribus é softwares gráficos. Com ele Digital. Membro da The Documentuma ferramenta valiosa pa- é possível criar folhetos, ca- Foundation.Espírito Livre Especial · Fevereiro/201 2 31
  32. 32. bash Julio Neves fala ao público presente no 1º Fórm da Revista Espírito LivreOapfilandom comepor Júlio Cezar Neves Por ser ainda desconhecido da maioria dos programadores, vou mostrar para os leito-res da revista Espírito Livre uma das novidades (e foram muitas) que surgiram com oBash 4. 0 . A partir dessa versão foi incorporado o comando intrínseco (builtin) mapfile ,cuja finalidade é ler linhas da entrada primária (stdin) para dentro de um vetor indexado,sem loop ou substituição de comando. Sua sintaxe é a seguinte: mapfile [ OPCS] [ VETOR] Onde os dados recebidos irão para o vetor VETOR. Caso ele não seja especificado, avariável do sistema, MAPFILE, se incumbirá de receber esses dados. As principais opções OPCS, são: - EPA! Isso deve ser muito rápido! - E é. Faça os testes e comprove! Veja só como ele funciona:Espírito Livre Especial · Fevereiro/201 2 32
  33. 33. bash Obteríamos resultado idêntico se fizéssemos: Porém isso seria mais lento porque a substituição de comando é executada em umsubshell. Uma outra forma de fazer isso que logo vem à cabeça é ler o arquivo com aopção - a do comando read . Vamos ver como seria o comportamento disso: Como deu para perceber, foi lido somente o primeiro registro de frutas porque esteformato de read , precisa receber todos os dados que serão lidos para o vetor vet . Paraconsertar isso poderíamos fazer: Mas aí a performance será pior até do que a anterior, pois também usa substituição decomandos e ainda por cima usa a instrução cat que não é builtin . Vejamos como funcionam as suas principais opções (na próxima imagem). Os comentários deste exemplo, já o tornam autoexplicativo, exceto os últimos queprefiro explicar a parte, mas veja que em ambos usei - c 1 para especificar que a açãodescrita na opção - C seria executada a cada linha do arquivo frutas (uma a uma).Espírito Livre Especial · Fevereiro/201 2 33
  34. 34. bash No exemplo em que ele exibe os índices do vetor para onde o arquivo frutas foicarregado, devemos notar 2 coisas: -Não foi especificado vetor, então a variável MAPFILE por padrão (default) assumiu estafunção; -O índice sempre inserido automaticamente ao fim da linha; No último exemplo simulamos uma barra de progresso rústica na qual cada linha lidageraria um ponto ( . ) na tela. Para tal mandamos imprimir um ponto ( . ) e um jogo da velha( #) . Esse último para tornar tudo a partir dali como um comentário, desta forma nãoaparecendo os índices que são automaticamente inseridos no final. Para você entender melhor isso, execute o fragmento de código a seguir, que irá simularuma barra de progresso, escrevendo um ponto para cada 10 linhas lidas ( - c 10) : $ printf %sn {1. . 150} | > mapfile - c 10 - C printf . # a partir daqui é comentário O jogo da velha ( #) tem de ser protegido, para que o JULIO CEZAR NEVES: Atua junto àShell não "pense" que você está comentando a linha Diretoria do SERPRO e é professorcorrente. Protegendo-o, sua interpretação será feita universitário. Analista de Suportesomente em tempo de execução do printf . de Sistemas desde 1969 e trabalhando com Unix desde 1980. Autor de "Programação Shell – Linux" e do recém lançado "Bombando o Shell".Espírito Livre Especial · Fevereiro/201 2 34
  35. 35. educação Levany Rogge fala com entusiasmo sobre o sucesso do uso de softwares livres nas escolas públicas de Vila Velha, ES.Informática Educacional:promovendo a construção doconhecimento e interdisciplinaridadecom uso de software livreNo Brasil que dá certo, professoras e professores da redepública de ensino de Vila Velha, Espírito Santo, mostram que épossível (e prazeroso) educar usando somente softwares livres.por Levany RoggeEspírito Livre Especial · Fevereiro/201 2 35
  36. 36. educaçãoSegundo Tajra (2002), o com-putador é definido dentro doambiente escolar como umaferramenta pedagógica ca-paz de potenciar a aprendiza-gem de campos conceituaisnas diferentes áreas de co-nhecimento, de introduzir ele-mentos contemporâneos naqualificação profissional e demodernização da gestão es-colar. Para Valente (2002) a infor-mática contribui como um re- Uma visão do laboratório de informática em escola pública de Vila Velha, ES.curso auxiliar no processo de O município vem usando, com sucesso, somente software livre nas atividades educacionais.ensino e aprendizagem, noqual o foco é o aluno. Oenfoque da informática edu- Na Tecnologia Educacio- crokids, proporcionando umcativa não é o computador nal eixo norteador para o uso docomo objeto de estudo, mas -Os Temas Transversais va- computador com ferramentacomo meio para adquirir co- lorizam a participação do alu- no processo ensino e apren-nhecimentos. no; dizagem. -O computador como recur- A exemplo de outros Pro-Tecnologia Educacional a so interdisciplinar e gerador gramas já conhecidos, a che-satisfação em realizar de possibilidades e permis- gada do Sistema MicrokidsA tecnologia educacional de- sões eficientes que interfe- em nossos laboratórios pro-ve ser utilizada como um re- rem no processo duziu um avanço para a redecurso, uma ferramenta para ensino-aprendizagem, esti- de ensino municipal de Vilaa construção de conhecimen- mulando o desenvolvimento Velha. Com sua implantaçãoto. Só assim, ela cumprirá cognitivo, afetivo e psicomo- em nosso município, o surgi-sua verdadeira função no es- tor do educando como agen- mento dessa nova ferramen-paço escolar. te construtor de seu ta veio para suprir uma forte Deve promover a inclusão conhecimento; carência de material didáti-social e digital. Inclusão digi- -As atividades são lúdicas, co, especialmente no que setal não pode ser considerada contextualizadas e organiza- refere ao uso dos recursosapenas o acesso ao computa- das estimulando a investiga- tecnológicos integrados aodor ou às redes sociais, a in- ção, a comunicação e o ensino de diversas discipli-clusão digital envolve a espírito criativo. nas, tendo o computador co-inclusão social. O acesso às mo ferramenta de apoio natecnologias pode ser conside- Material Didático de Qua- construção do conhecimentorada inclusão digital a partir lidade sugerido nos Parâmetrosdo momento em que o usuá- Material didático de qualida- Curriculares Nacionaisrio percebe esse instrumento de é essencial para qualificar (PCNs) , uma vez que, o ma-como um aliado na solução o trabalho com as tecnologi- terial propõe a interdiscipli-dos seus problemas e conse- as educacionais. Pensando naridade, voltado para ague usá-lo para benefício pró- nisso a Secretaria de Educa- função social da escola, ten-prio e do próximo. ção de Vila Velha , no ano de do como objetivo potenciali- 2011 implantou o Sistema Mi- zar o aprendizado e aEspírito Livre Especial · Fevereiro/201 2 36
  37. 37. educaçãoinclusão digital. O material Microkids con-templa a base dos descrito-res das competências que seespera do aluno, evidencia-dos no processo ensino eaprendizagem, e proporcionasuporte para o trabalho dosprofessores, oferecendo aoseducadores, formação e su-porte pedagógico aumentan-do o índice de interesse eenvolvimento de alunos eprofessores.Proposta da InformáticaEducacional em VilaVelha com o Sistema A junção de um sistema de tecnologia educacional eficiente, com a competência e dedicação de professores, resulta em um ensino de qualidade.Microkids e uso dosoftware Livre -Viabilizar a integração cur-ricular; mentas tecnológicas. quentam o laboratório de in- -Habilitar para exercício de Em resposta ao uso do ma- formática.autonomia; terial tecnológico Microkids, As oficinas e formações -Estimular a pesquisa e a pudemos participar do 1º Fó- oferecidas aos professoresprática investigativa; rum da Revista Espírito Livre pedagogos e instrutores mo- -Compartilhar saberes; mostrando alguns trabalhos tivaram ainda mais o uso -Integrar pais / alunos / desenvolvidos pelos alunos e desta ferramenta nas unida-professores / equipe técnica/ alunas desse município, com des de ensino onde traba-comunidade escolar / socie- exposições de maquetes que lham. Os professores quedade; contemplam o sistema da ro- participaram das oficinas fo- -Reconhecer e valorizar a bótica educacional propondo ram unânimes em afirmaridentidade cultural das re- aprendizado sobre: Educação que estas lhes foram degiões e instituições de ensi- Ambiental e Educação Cultu- grande valia abrindo horizon-no. ral sem ferir valores e aten- tes para seu trabalho no am- tando para o crescimento biente escolar.Avanços no ano de 2011 sustentável do município de Diante de tantos relatosDurante o segundo semestre Vila Velha. positivos, é nosso propósitode 2011, foi possível perce- Os alunos puderam estu- para o ano de 2012, despon-ber a importância do efetivo dar de forma multidisciplinar tar Vila Velha como referên-uso do laboratório de informá- e usar o computador como cia nacional no uso dastica no processo ensino e ferramenta de apoio ao seu tecnologias educacionais,aprendizagem. O material di- processo de construção do com softwares livres, comodático de qualidade proporci- conhecimento. Segundo rela- ferramenta de apoio ao pro-onou trabalhos de qualidade tos, há empolgação, anima- cesso ensino e aprendiza-e envolvimento de professo- ção e mais disposição para o gem, proporcionando aosres e alunos com as ferra- aprendizado cada vez que fre- alunos e alunas deste Muni-Espírito Livre Especial · Fevereiro/201 2 37

×