Osmo regulação excrecao
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Like this? Share it with your network

Share
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
No Downloads

Views

Total Views
2,786
On Slideshare
2,733
From Embeds
53
Number of Embeds
1

Actions

Shares
Downloads
97
Comments
0
Likes
2

Embeds 53

http://tics.uespi.br 53

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. SISTEMA EXCRETOR (URINÁRIO) Regulação osmótica geral Rins: morfologia e funcionamento  Regulação hormonal  Distúrbios mais comuns
  • 2. Funções do Rim • Recebem entre 20 e 25% da cota cardíaca (2000 litros de sangue/dia). • Rins possuem aproximadamente 2 milhões de néfrons (1.000.000 em cada rim) • Rins humanos – menos do que 1% do peso do corpo • Filtração, reabsorção e secreção. • Produção de hormônios.
  • 3. Perda de água e solutos 1-2 L urina Equilíbrio Osmótico Ganho solutos  0,8 – 1,2 L vapor d´água pele e pulmões 0,1 – 0,2 L fezes de água e Ingestão Água e alimentos  Oxidação dos alimen_ tos: 0,3 – 0,5 L
  • 4. FUNÇÃO: Equilíbrio Osmótico Concentração solvente: Água Equilíbrio Osmótico Concentração solutos: -“caros”:glicose, aminoácidos, vitaminas - resíduos: sais, CO2, nitrogenados - subst. tóxicas.
  • 5. SISTEMA URINÁRIO HUMANO – LOCALIZAÇÃO E ANATOMIA adrenal Veia cava inferior aorta ureter bexiga uretra rim
  • 6. Córtex renal Pelve renal Medula renal Medula renal Córtex renal Ureter Ducto coletor
  • 7. Glomérulo Cápsula de Bowman Túbulo contorcido proximal Túbulo contorcido distal Alça ascendente Ramo da artéria renal Alça descendente Ducto coletor Ramo da veia renal Alça de Henle NEFROM  UNIDADE FUNCIONAL para o ureter capilares
  • 8. Glomérulo Corpúsculo renal - ou Corpo Malpigiano Arteríola aferente – Fornecimento de sangue N É F R O N Reabsorção de substâncias do fluído tubular Capilares peritubulares Arteríola eferente Saída de sangue Cápsula de Bowman Filtração de sangue e formação da urina filtrada Túbulo renal (fluído Secreção de substâncias tubular) no fluído tubular Túbulo coletor Produção de urina
  • 9. Quanto a posição dos néfrons Néfron justamedulares – têm seus glomérulos na parte interna do córtex e alças de Henle longas que mergulharam profundamente na medula Néfrons corticais – têm seus glomérulos no córtex externo e alças de Henle relativamente curtas que penetram somente a curta distância na medula
  • 10. FUNÇÕES DO RIM Filtração: pressão hidrostática do sangue sobre as paredes do glomérulo. São barradas as células sangüíneas e proteínas plasmáticas, passando água e alguns solutos = Filtrado Glomerular Reabsorção: água, NaCl, glicose, aminoácidos. Secreção: algumas moléculas estranhas passam direto do sangue para os túbulos. Ex.: drogas, remédios. 1,2 L de sangue / min passam pelos rins .:  1800 L por dia destes  180 L de água deixam o sangue para fazer parte do filtrado, mas Cápsula de são produzido 1-2L de urina/ dia .: 178 L são REABSORVIDOS Bowman Glomérulo Reabsorção Filtração Secreção Túbulo renal Excreção: K+, H+ Água, exc. nitrogenadas
  • 11. • Urina que deixa duto coletor é diferente do filtrado do corpúsculo renal. • Durante percurso glicose e sódio são reabsorvidos. Íons hidrogênio e uréia são concentradas na urina.
  • 12. Ps Artéria aferente (entrada de sangue) A força do fluído operando no néfron de mamíferos. Ps > PO, + PfCB, assim o plasma sanguineo move-se dos capilares glomerulars para a cápsula de Bowman e é filtrado ao mesmo tempo. PO: pressão osmótica do Plasma sanguineo. Ps: pressão sanguinea no capilar glomerular; PfCB: Pressão do fluído dentro da cápsula de Bowman. Artéria eferente (saída de sangue) Cápsula de Bowman Túbulo renal Filtrado urinário
  • 13. As células do túbulo proximal são especializadas para o transporte de sal e outras substâncias do lado luminal(apical) para o lado seroso (sangue). A membrana apical em contato com o lúmem, apresenta projeções semelhantes a dedos (microvilosidade) Que aumentam amplamente sua área superficial. Esta superfície é referida como bordadura em escova. As mitocôndrias são concentradas próximas à superfície basolateral que apresenta profundas fendas basais. Tais características permitem a concentração de sais no interstício renal por transporte ativo de sais através da membrana basal.
  • 14. Exemplos de manipulação de diferentes substâncias plasmáticas pelo néfron:
  • 15. Os fatores determinantes da Filtração Glomerular:  Permeabilidade seletiva (kf) (características da membrana de filtração) Pressão efetiva de filtração (PEF) (diferença entre as pressões no glomérulo e no espaço na cápsula de Bowman) F. G. = kf x PEF
  • 16. Os fatores determinantes da Filtração Glomerular:  Permeabilidade seletiva (kf) (características da membrana de filtração) kf constante de permeabilidade: - Permeabilidade (características da membrana de filtração) - Superfície disponível para a filtração kf : 12,5 ml / min x mmHg (valor estimado para o Homem)
  • 17. O aparelho justaglomerular desempenha um papel chave no controle do fluxo de sangue através do glomérulo. Esta estrutura é composta de vários tipos de células incluindo células modificadas do túbulo distal, que constituem a mácula densa, células secretoras justaglomerulares na parede da arteríola aferente e células aranulares
  • 18. Micrografia de varredura da estruturas relacionadas à microcirculação do rim de mamífero, mostrando vários glomérulos e vasos sanguineos associados. O epitélio capsular, que normalmente recobre cada glomérlo, foi dissolvido na preparação do material.
  • 19. Características da membrana de filtração: O glomérulo Arteríola aferente Permeabilidade glomerular Arteríola eferente Extraído, enquanto disponível, de: http://education.vetmed.vt.edu/
  • 20. Características da membrana de filtração: o glomérulo - lâmina basal e as fenestras extraído, enquanto disponível, d: : http://education.vetmed.vt.edu
  • 21. Filtração Glomerular • Rins humanos produzem cerca de 180 litros de filtrado todos os dias. • Quase todo filtrado é reabsorvido – volume final de urina chega a 1,2 litro por dia. • A transformação do filtrado em urina envolve dois processos: (1) a modificação da composição do filtrado através da reabsorção tubular e secreção e (2) a alteração na concentração osmótica
  • 22. Valores dos fatores determinantes da Filtração Glomerular: F. G. = kf x PEF constante de permeabilidade 12,5 ml / min x mmHg Pressão efetiva de filtração x 10 mmHg Taxa de Filtração Glomerular (TFG): 125 ml/min
  • 23. Taxa de Filtração Glomerular: 125 ml de filtrado são formados pelos 2 milhões de néfrons a cada minuto.
  • 24. Regulação da Taxa de Filtração Glomerular (TFG) - Mecanismos renais Intrínsecos: Mecanismos miogênico e Túbuloglomerular Extrínsecos: - Influência S. N. Simpático: inervação das arteríolas aferente e eferente. Influência é proporcional à queda da PA. - Liberação de Renina p/ formação de ANG II: Influencia o tônus das arteríolas aferente e eferente mas é pouco eficiente (predomínio do SP).
  • 25. Regulação da Taxa de Filtração Glomerular (TFG) - Mecanismos renais Intrínsecos: - Mecanismo miogênico: intrínseco da arteríola aferente, que contrai quando aumenta a pressão hidrostática, Ph (eficiente) ou relaxa quando diminui a Ph (ineficiente). - Mecanismo Túbuloglomerular: envolve o Aparelho Justaglomerular. No aumento da Ph: mácula densa estimula a secreção de vasoconstrictores (adenosina) - eficiente. Diminuição da Ph: não tem efeito eficiente local.
  • 26. Aparelho Justaglomerular
  • 27. Aparelho Justaglomerular Fibra nervosa simpática Podócitos Células mesanguais Arteríola eferente Células Justaglomerulares Arteríola aferente Túbulo distal | Células da musculatura lisa Mácula densa http://csm.jmu.edu/biology/courses/bio270_Welsford/HTML%20Presentation%20folder14/ppframe.htm
  • 28. • Secreção da aldosterona regulada pela enzima renina produzida pelo aparelho justa-glomerular. • Sistema Renina – angiotensina aldosterona Resultado aumento da pressão sanguínea Aumenta a secreção do Hormônio antidiurético
  • 29. • Secreção da aldosterona regulada pela enzima renina produzida pelo aparelho justa-glomerular. Estimula liberação • Renina – angiotensina - aldosterona aumenta Resultado aumento da pressão sanguínea Aumenta a secreção do Hormônio antidiurético = vasopressina ADH – controlada pela neuro-hipófise
  • 30. Queda na pressão sanguinea Renina Mecanismo Renina-AngiotensinaAldosterona Angiotensinogênio Polipepitídio de cadeia longa Com 453 Aa Angiotensina 1 Polipepitídio com 10 Aa Hipotálamo Angiotensina 2 Polipepitídio com 8 Aa Sede ECA Enzima Conversora de Angiotensina Córtex da Adrenal Secreção de Aldosterona Vasoconstrição Elevação da Pressão sanguinea Retenção de água e sal
  • 31. CONTROLE HORMONAL ADH: Hormônio anti-diurético (vasopressina). Aumenta a absorção de água pelos túbulos coletores * A secreção de ADH é inibida pelo álcool e pela cafeína. Aldosterona: ao detectar a queda de pressão sangüínea, as células do rim secretam hormônios que estimula a adrenal a produzir aldosterona.  Estimula a reabsorção de sódio que aumenta a reabsorção de água que, por sua vez, aumenta o volume e a pressão sangüínea.
  • 32. ORGANIZAÇÃO BÁSICA DO NÉFROM Glomérulo Alça descendente Alça ascendente GLICOSE Aminoácidos Ca++ Tubo Coletor Alça de Henle Reabsorção ativa (gasto de energia): glicose, aminoácidos, sais Reabsorção passiva (difusão): água
  • 33. Reabsorção Tubular • +- 60% do volume do filtrado e virtualmente toda a glicose, aminoácidos, vitaminas e outros nutrientes são absorvidos no túbulo convoluto proximal. • Transporte ativo também para Na+, K+, Ca++, Bicarbonato e fosfato. • Cl – acompanha passivamente o transporte de Na+. Água também é retirada passivamente do túbulo à medida que acompanha osmoticamente a reabsorção dos solutos.
  • 34. • Túbulo com torcido distal ajusta composição final do filtrado • No tcd a reabsorção do Na+ é controlada pela aldosterona, hormônio esteróide da glândula supra-renal. • Aldosterona aumenta a atividade de reabsorção do sódio pelos túbulos distais, diminuindo a perda de sódio.
  • 35. • Limite máximo de transporte (limiar renal) para muitas substâncias - glicose Glomérulo Urina Circulação sanguinea Urina Sangue Urina Sangue
  • 36. Mecanismo da concentração da urina em mamíferos. Túbulo proximal Túbulo distal Permeabilidade á água controlada por ADH Permeável a água Duto coletor Impermeabilida de á água Impermeável ao cloreto de sódio Baixa permeabilidade a uréia Permeável a uréia Sódio e Cloro são bombeados do ramo ascendente da alça de Henle e a água é retirada passivamente do ramo descendente, que é impermeável ao cloreto de sódio. NaCl e a uréia, reabsorvidos do duto coletor, aumentam a concentração osmótica na medula renal gerando um gradiente osmótico para a abosrção controlada da água do duto coletor.
  • 37. PRINCIPAIS DISTÚRBIOS SIST. URINÁRIO HUMANO Pedra no Rim Rim CÁLCULO RENAL O depósito organizado de sais minerais nos rins ou em qualquer parte do aparelho urinário. Cálculos constituídos por cálcio são os mais comuns. Outros minerais encontrados são: oxalato, fósforo, ácido úrico. Pedra Deficiência genética para renal excreção desses sais Ureter Bexiga Uretra Dieta rica nessas sais: ex.: leite e derivados. Tratamento cirúrgico ou não invasivo: ultra-som
  • 38. PRINCIPAIS DISTÚRBIO SIST URINÁRIO HUMANO GOTA Gota é uma doença caracterizada pela elevação de ácido úrico no sangue e surtos de artrite aguda secundários ao depósito de cristais do sal deste ácido (uratos).  O ácido úrico é um resíduo nitrogenado do metabolismo de purinas (lembrar das bases nitrogenadas).  Mariscos, sardinha, salmão, bacon, fígado devem ser evitados por aqueles que sofrem de gota.
  • 39. PRINCIPAIS DISTÚRBIO SIST URINÁRIO HUMANO HEMODIÁLISE O tratamento mais utilizado por aqueles pacientes que, por qualquer motivo, perderam a função renal e irreparavelmente atingiram a fase terminal da doença renal. No dialisador, o sangue é exposto à solução de diálise (também conhecida como dialisato) através de uma membrana semipermeável, permitindo assim, as trocas de substâncias entre o sangue e o dialisato. Após ser retirado do paciente e passado através do dialisador, o sangue “filtrado” é então devolvido ao paciente pelo acesso vascular. É importante ressaltar que a água usada durante a diálise deve ser tratada e sua qualidade monitorada regularmente.
  • 40. EXCREÇÕES NITROGENADAS Amônia (alta solubilidade e toxicidade) Aminoácidos (proteínas) Uréia solúvel baixa toxicidade Ácido úrico insolúvel, átóxico