Your SlideShare is downloading. ×
0
Promoção de Cultura Científica &                    TecnológicaAqui para nós que ninguém nos ouve…                        ...
Programa de Rádio“Aqui para nós que ninguém nos ouve…”       Uma parceria Fábrica CCVA e Rádio Terra Nova
Outra sugestão de nome…            “Lugares Comuns”
especificações genéricaspúblico alvoJovem e adulto.(níveis de cultura e conhecimentos de ciência diferenciados)periodicida...
temáticascultura científica & tecnológicatecnologiaO que está por trás dos objectos de uso comumciênciaO que é?ConceitosCo...
estilosnack de Ciênciaprogramas independentes (não determinado)abordar de forma equilibrada temas diversos de diversas áre...
Objetivos“aqui para nós que ninguém nos ouve…”
algumas pressupostosA qualidade de vida das pessoas melhora substancialmente com oacesso à CulturaA Ciência transformou a ...
Ciência é ainda vista como resultado e não como processoCiência é mais do que saúde, aumento de esperança devida, melhor q...
Cont.Os processos de Investigação em Ciência são ainda, paramuitos, uma incógnitaAinda existe uma barreira (in)transponíve...
considerações finaisOs Centros de Ciência são instituições de proeminência crescentena Promoção de Cultura CientíficaO esf...
objetivosContribuir para o enriquecimento da cultura científica do cidadãoDesmistificar a atividade em Ciência comparando-...
Cont.Desmistificar a linguagem científicaDar a conhecer alguns axiomas / leis universais da Natureza
ideias soltasPorque é importante a investigação em Ciência?áreas de investigação…Porquê uma linguagem científica?…Fórmulas...
Cont.como se chega ao conhecimento científico _ métodoQuem? Como? Quando? Onde?Porquê saber Ciência?Imprecisões (incorreçõ...
1ªsérie10 programas
1ª série10 programas1. O que é ciência2. Luz: as experiências de Newton3. Telescópio4. Luz: ondas ou partículas?5. A veloc...
Cont.11. Luz visível e invisível12. Olho13. A cor avermelhada do pôr do sol14. Porque é o céu é azul?15. Arco-íris16. Ciên...
Cont.21. Lei da Relatividade do movimento: teoria de absolutos e não de       relativos22. Fenómenos de reflexão, refração...
Programa IO que é ciência?A ciência divide-se em disciplinas como, a astronomia , a biologia, ageologia, a química, a físi...
Cont.Como são as galáxias, as estrelas ou os planetas ou outros de menordimensão como os projéteis, bolas de bilhar, piões...
Cont.Nota:O programa pode ir acabando com o som do texto a diminuir de volumeaté se extinguir. Dá ideia de qua as pergunta...
Programa IILuz – as experiências de NewtonÓtica é o ramo da física que estuda fenómenos relacionados com luz.Newton, com u...
Cont.Não foi a observação das cores que surgiram projetadas na parede que foisurpreendente (esse fenómeno já tinha sido ob...
Programa IIItelescópio
Programa IVLuz: ondas ou partículas?...Durante muito tempo, o estudo da luz foi confundido com o estudo dosraios luminosos...
Cont.Para tal, Newton argumentava que, se podemos ver as estrelas, a luzpropaga-se no vazio, e no vazio, não existe nada q...
Programa Va velocidade da luzA luz, concebida por uns, como um feixe de partículas e, por outros, umfeixe de ondas propaga...
Cont.O cálculo para a velocidade da luz deu o valor de 315.000 quilómetropor segundo.Um ano mais tarde a grande questão er...
Programa VIO cálculo da velocidade da luzComo se determinou a velocidade da luz? Como simplificar?
Programa VIIFranjas de interferência
Programa VIIIA luz – uma onda
Programa IXA luz – comprimento de onda, frequência, período
Programa XLuz – as coresA luz branca é constituída por uma mistura de cores, como o demonstrouNewton nas celebrizadas expe...
Programa XIluz visível e invisível
Programa XIILuz – olhoNewton fez uma última experiência: construiu um disco dividido em setecores (o aclamado disco de New...
Programa XIIIA cor avermelhada do pôr do SolJá pensou porque é que a cor do pôr do sol, geralmente, é avermelhada?!...A lu...
Cont….No nascer e pôr do sol, acontece um fenómeno semelhante. A luz érefratada na atmosfera ao incidir nas partículas que...
Programa XIVPorque é que o céu é azul?terminar o programa com música.sugestão: Rodrigo Leão: Rosahttp://www.youtube.com/wa...
Programa XVCiência… sempre presente…Uma forma de pensar em Ciência é que ela está sempre presente. Tal comoa música ou a p...
Cont.Não é necessário ser um cientista para fazer uma ideia do que é a ciênciae familiarizar-se com alguns dos seus princi...
Programa XVIAs leis básicas ou axiomas em CiênciaLeis ou axiomas em Ciência, fundamentam as teorias. São os pilares queas ...
Programa XVIIAs três leis de NewtonNinguém (mas olhe que mesmo ninguém!!) deveria desconhecer as trêsleis de Newton do mov...
Cont.E com a 3ª lei conclui-se que, com qualquer ação ocorre sempre umareação igual e contrária. Ou seja, a ação entre cor...
Programa XVIII… mecânica …
Programa XIXLei da Relatividade do Movimento: sistemas inerciaisAs três leis Newtonianas (as leis do movimento dos corpos)...
Cont.Se a pessoa que está em Terra, atirar uma bola a uma velocidadeconstante de 30Km/hora e na mesma direção do comboio, ...
Programa XXLei da Relatividade do Movimento: teoria de absolutos (e não de relativos)A teoria da relatividade de Einstein ...
Cont.Com o avanço da ciência, as hipóteses em que se baseiam novas teoriasacabam por ser mais surpreendentes e cada vez me...
Cont.Einstein veio provar que não é assim. Contrariamente ao que seria deesperar, a luz tem a mesma velocidade quer para q...
Programa XXILinguagem científicaA física pretende codificar em forma de expressões matemáticas, asregularidades que deteta...
Programa XXII Fenómenos de reflexão, refração, dispersão, difraçãoNum mesmo meio, a luz propaga-se em linha reta. Quando e...
Programa XXIIILentes: óculos de SolFoi na época de Galileu que foram inventadas as lunetas astronómicas, osmicroscópios, e...
Cont.incidem sobre as moléculas dessa substância, espalhadas no vidro ou nomaterial plástico da lente, as moléculas rearra...
Programa XXIV Lei da Gravitação Universal“A matéria atrai a matéria na razão direta das massas e no inverso doquadrado das...
Cont.A lei de atração de massas é a lei da Gravitação Universal e não háninguém que dela duvide. Ainda hoje ela é utilizad...
ProgramaRaio Laser
Programa IIJá experimentou aquecer pão no microondas?
Programa VIIPainéis Solares
Programa VIIIMoinhos de Vento
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Progr.radio in progress

138

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
138
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
0
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Transcript of "Progr.radio in progress"

  1. 1. Promoção de Cultura Científica & TecnológicaAqui para nós que ninguém nos ouve… 2011/12
  2. 2. Programa de Rádio“Aqui para nós que ninguém nos ouve…” Uma parceria Fábrica CCVA e Rádio Terra Nova
  3. 3. Outra sugestão de nome… “Lugares Comuns”
  4. 4. especificações genéricaspúblico alvoJovem e adulto.(níveis de cultura e conhecimentos de ciência diferenciados)periodicidadesemanalcom a duração de 2 anosduração1,5 min. Poderá estender-se até 2 / 3min (não determinado)horário de transmissão???locuçãouma voz (feminina)
  5. 5. temáticascultura científica & tecnológicatecnologiaO que está por trás dos objectos de uso comumciênciaO que é?ConceitosComo se Descobre? (método científico)Quem Descobriu?Onde?Quando?Fenómenos naturais explicados cientificamente
  6. 6. estilosnack de Ciênciaprogramas independentes (não determinado)abordar de forma equilibrada temas diversos de diversas áreas da ciênciaa considerar que…Sendo a rádio, maioritariamente, ouvida no carro a caminho de casa ou dotrabalho, a comunicação deverá ser curta e concisa e o texto lido (?) emtom coloquialDeverá afastar-se, tanto quanto possível, dos programas de ciênciaradiofónicos de divulgação de ciência que já existem.
  7. 7. Objetivos“aqui para nós que ninguém nos ouve…”
  8. 8. algumas pressupostosA qualidade de vida das pessoas melhora substancialmente com oacesso à CulturaA Ciência transformou a forma de entender o mundo, de o viver esentirA Ciência ainda é parte omissa no conceito global “Cultura”A Cultura deve ser entendida como um todo - a distinção entre“Cultura Humanista” e “Cultura Científica” é um artifício
  9. 9. Ciência é ainda vista como resultado e não como processoCiência é mais do que saúde, aumento de esperança devida, melhor qualidade etc.Tecnologia representa mais do que vida mais facilitada, maiorcomodidade, mais e melhores formas decomunicação, entretenimento, etc.O que é Ciência?...O que é Tecnologia? (distinção entre ciência e tecnologia)
  10. 10. Cont.Os processos de Investigação em Ciência são ainda, paramuitos, uma incógnitaAinda existe uma barreira (in)transponível entre cientista e cidadão.
  11. 11. considerações finaisOs Centros de Ciência são instituições de proeminência crescentena Promoção de Cultura CientíficaO esforço para realçar a importância da cultura científica deve sercada vez mais e melhorSão importantes as parcerias, nomeadamente com os meios deComunicação SocialA parceria entre “Fábrica CCV” e “Rádio Terra Nova” na produção deum programa de Ciência será mais um contributo para despertar ointeresse do público para temas genéricos de Ciência – temasculturais de ciência
  12. 12. objetivosContribuir para o enriquecimento da cultura científica do cidadãoDesmistificar a atividade em Ciência comparando-a com outras decarácter criativo como por ex.: música, poesia, etc.Desvendar a ciência enquanto processo e não só como resultado(já na sua função utilitária tecnológica)Aplicações práticas do conhecimento científico…Descodificar ideias em ciência _ teorias comummente aceites masdesconhecido os fundamentos
  13. 13. Cont.Desmistificar a linguagem científicaDar a conhecer alguns axiomas / leis universais da Natureza
  14. 14. ideias soltasPorque é importante a investigação em Ciência?áreas de investigação…Porquê uma linguagem científica?…Fórmulas _ o que dizem?
  15. 15. Cont.como se chega ao conhecimento científico _ métodoQuem? Como? Quando? Onde?Porquê saber Ciência?Imprecisões (incorreções?) da linguagem corrente e já“institucionalizadas”.ex.: “tenho calor” ou… “estou quente”“espaço de (…tempo)” em vez de “período (…de tempo)”Curiosidades: a explicação de fenómenos naturais pela mitologia (conjuntode crenças e interpretações irracionais que se misturam com as concepçõespositivas dos contemporâneos. ex: a Deusa Íris como justificação do aparecimentono céu do arco-íris
  16. 16. 1ªsérie10 programas
  17. 17. 1ª série10 programas1. O que é ciência2. Luz: as experiências de Newton3. Telescópio4. Luz: ondas ou partículas?5. A velocidade da Luz6. O cálculo da velocidade da luz7. Franjas de interferência8. Luz: uma onda9. Luz: radiação, energia comprimento de onda, frequência, período10. Cor
  18. 18. Cont.11. Luz visível e invisível12. Olho13. A cor avermelhada do pôr do sol14. Porque é o céu é azul?15. Arco-íris16. Ciência… sempre presente17. As leis básicas ou axiomas em Ciência18. As três leis de Newton19. … Mecânica (movimento)…20. Lei da Relatividade do Movimento: sistemas inerciais
  19. 19. Cont.21. Lei da Relatividade do movimento: teoria de absolutos e não de relativos22. Fenómenos de reflexão, refração, dispersão, difração23. Linguagem científica, algumas fórmulas: o que dizem?24. Lei da gravitação Universal25. Propriedades da Luz: reflexão, refração, dispersão, radiaçãoEtc.21. Óculos de Sol22. Raios Laser23. Mendel24. Darwin: teoria da Evolução
  20. 20. Programa IO que é ciência?A ciência divide-se em disciplinas como, a astronomia , a biologia, ageologia, a química, a física, ou as matemáticas. É comum agrupá-las emciências da Vida e ciências da Terra que juntas formam as ciências daNatureza. As ciências físicas, são as matemáticas, a física e a química.A Ciência parte da crença de que o Mundo tem uma lógica que pode serorganizada inteligentemente. Na base está a curiosidade: Porquê? Como?Quando?... De que são feitos os corpos (incluindo nós próprios)? Quemovimentos descrevem os corpos que existem no Universo?
  21. 21. Cont.Como são as galáxias, as estrelas ou os planetas ou outros de menordimensão como os projéteis, bolas de bilhar, piões ou pêndulos? Como“funcionam” e quais os mecanismos mediante os quais surgem e sereproduzem os organismos? O que faz brilhar as estrelas? A que sedevem os terramotos ou as marés? Porque muda o tempometeorológico? Porque é que o céu que vemos da Terra durante o diaé azul e não, por exemplo… amarelo?... E como se explicam ascores?... O que explica as diferenças entre elementos químicos como ocarbono e o chumbo (só para mencionar dois)? E como se define um“elemento químico”?...
  22. 22. Cont.Nota:O programa pode ir acabando com o som do texto a diminuir de volumeaté se extinguir. Dá ideia de qua as perguntas se estendem até… até ondea imaginação nos levar…Viva la Ciencia InfopediaJose Manuel Sanchez Ron http://www.infopedia.ptPág. 15-17 /pesquisa- global/ci%C3%AAncia
  23. 23. Programa IILuz – as experiências de NewtonÓtica é o ramo da física que estuda fenómenos relacionados com luz.Newton, com um prisma de vidro revolucionou esta área do saber. Umsimples prisma, que, nas mãos dele, revelou propriedades da luzsurpreendentes ….Numa altura em que se dedicava ao estudo dos telescópios e fenómenosda luz, poliu vidros óticos de formas diferentes das esféricas. Poliu umprisma triangular através do qual fez passar um feixe de luz.
  24. 24. Cont.Não foi a observação das cores que surgiram projetadas na parede que foisurpreendente (esse fenómeno já tinha sido observado antese, naturalmente, muitas vezes). O que foi realmente surpreendente foi oque resultou da experiência seguinte com um segundo prisma colocado àfrente do primeiro em posição invertida: as luzes que saíam doprimeiro, ao passarem pelo segundo, voltavam a reunir-se para dar, denovo, luz branca!Ele chegou à grande conclusão que, as cores, não eram efeitos da luz, massim propriedades que lhe eram inatas.A luz visível é a combinação de cores elementares.El Jardin de NewtonEl grande entre los grandesp. 91
  25. 25. Programa IIItelescópio
  26. 26. Programa IVLuz: ondas ou partículas?...Durante muito tempo, o estudo da luz foi confundido com o estudo dosraios luminosos.Quem nunca observou um raio de luz (ou um feixe???) que se propaga emlinha reta?… Newton, nos seus estudos em ótica, partiu sempre doprincípio que a luz se propagava em linha reta e era corpuscular ouseja, composta por partículas que, como balas microscópicas, disparavamem linha reta a grande velocidade. Nunca acreditou que a luz sepropagasse em onda, contrariando o pensamento do seucontemporâneo, Christian Huygens que considerava a luz umavibração, uma onda.
  27. 27. Cont.Para tal, Newton argumentava que, se podemos ver as estrelas, a luzpropaga-se no vazio, e no vazio, não existe nada que a possa fazer vibrar…Huygens replicou que, todo o espaço, incluindo o espaço vazio, , está cheioduma substância misteriosa , impalpável, a que chamou éter , a qual serásuscetível de vibrar e propagar ondas.Mais tarde, já no séc. XX, vínhamos a saber que ambos tinham razão!...Um Pouco de Ciência para todosClaude AllégrePág. 82, 86
  28. 28. Programa Va velocidade da luzA luz, concebida por uns, como um feixe de partículas e, por outros, umfeixe de ondas propaga-se muito depressa. Alguns consideraram-nainfinita.Galileu chegou a tentar determinar a velocidade da luz. Mas a únicaafirmação que lhe foi possível foi que a velocidade é na verdade muitogrande mas não infinita.Foi (Hippolyte) Fizeau quem encontrou o valor exato. Fez o cálculo, comdois óculos colocados no mesmo alinhamento separados de 8633 metros.Substituiu as oculares por espelhos semi refletores de forma a poder emitirluz e observar o raio de retorno.
  29. 29. Cont.O cálculo para a velocidade da luz deu o valor de 315.000 quilómetropor segundo.Um ano mais tarde a grande questão era se a velocidade da luz eramaior na água ou no ar… Foulcault chegou à conclusão que ela sepropaga mais depressa no ar do que na água. Fizeau viria a confirmá-lo.E saber-se-ia depois que se propaga ainda mais depressa, no vazio.Um Pouco de Ciência para todosClaude AllégrePág. 97, 98
  30. 30. Programa VIO cálculo da velocidade da luzComo se determinou a velocidade da luz? Como simplificar?
  31. 31. Programa VIIFranjas de interferência
  32. 32. Programa VIIIA luz – uma onda
  33. 33. Programa IXA luz – comprimento de onda, frequência, período
  34. 34. Programa XLuz – as coresA luz branca é constituída por uma mistura de cores, como o demonstrouNewton nas celebrizadas experiências que realizou com prismas de vidro.Se se repetir a experiência de Fizeau com lâmpadas de cores diferentesobter-se-á aproximadamente a mesma velocidade, mas não exatamenteporque, quando a luz atravessa a matéria, há interação entre elas e essainteração depende da frequência da vibração, portanto da cor.Na matéria as cores propagam-se com velocidades diferentes e éprecisamente essa diferença que permite ao prisma decompor a luz. Masno vazio todas as cores se propagam com a mesma velocidade.
  35. 35. Programa XIluz visível e invisível
  36. 36. Programa XIILuz – olhoNewton fez uma última experiência: construiu um disco dividido em setecores (o aclamado disco de Newton!) e pôde observar que a cor dodisco, ao rodar de forma rápida, se tornava esbranquiçada (se viaesbranquiçada!….
  37. 37. Programa XIIIA cor avermelhada do pôr do SolJá pensou porque é que a cor do pôr do sol, geralmente, é avermelhada?!...A luz propaga-se na atmosfera e durante o dia, a que nos chega, é branca...Mas já reparou que em dias com forte humidade no ar, e Sol, aparece nocéu, para nosso deleite, um arco-íris?...As sete cores que conseguimos identificar no arco-íris, são as radiações quefazem a luz branca. Por ordem são elas, overmelho, laranja, amarelo, verde, ciano, azul e violeta. Cada uma destascores ou radiações tem um comprimento de onda e frequência distintos.Ao incidir nas gotas de água elas refratam com velocidades diferentes emenores do que a luz branca permitindo que os nossos olhos as vejam.
  38. 38. Cont….No nascer e pôr do sol, acontece um fenómeno semelhante. A luz érefratada na atmosfera ao incidir nas partículas que a compõem.O violeta, o azul e o verde são as cores com maior frequência, maiorvelocidade, e como tal, dispersam-se mais rapidamente e antes dechegar aos nosso olhos.As cores amarela, laranja e vermelha sendo as de maior frequência emenor comprimento de onda, são as que percorrem maiores distâncias auma velocidade menor, e chegam até nós podendo ser percepcionadaspelos nossos olhos...
  39. 39. Programa XIVPorque é que o céu é azul?terminar o programa com música.sugestão: Rodrigo Leão: Rosahttp://www.youtube.com/watch?v=0pTgNj7IN80&feature=share
  40. 40. Programa XVCiência… sempre presente…Uma forma de pensar em Ciência é que ela está sempre presente. Tal comoa música ou a poesia... Arte e Ciência estão presentes em tudo o que nosrodeia.E se dentro de todos nós existe sempre uma veia artística - pelacriatividade que todos temos – o mesmo acontece com a ciência.Afinal, todos somos curiosos, questionamo-nos e procuramos respostas.E todos temos capacidade de raciocinar, de pensar no abstrato, perceberideias complexas, aprender e tirar proveito do que a experiência nosensina.
  41. 41. Cont.Não é necessário ser um cientista para fazer uma ideia do que é a ciênciae familiarizar-se com alguns dos seus principais resultados…Os olhares sobre a Natureza são diversos e variados. O científico é umdeles. Desperdiçá-lo não seria, de todo, inteligente…terminar o programa com música.sugestão: Rodrigo Leão: Rosahttp://www.youtube.com/watch?v=0pTgNj7IN80&feature=share
  42. 42. Programa XVIAs leis básicas ou axiomas em CiênciaLeis ou axiomas em Ciência, fundamentam as teorias. São os pilares queas sustentam. Sobre eles deduzem-se proposições que nos falam de como“funciona” a Natureza.A Ciência tem uma linguagem própria: a matemática que, como amúsica, nem todos conseguem ler. A maior parte das leis da Natureza sãodescritas por equações. Resolvendo-se, elas descrevem-nos fenómenosnaturais.Como uma parte significativa da população não teve formação emciência, é necessário descodificar… Torná-la inteligível por todos.
  43. 43. Programa XVIIAs três leis de NewtonNinguém (mas olhe que mesmo ninguém!!) deveria desconhecer as trêsleis de Newton do movimento dos corpos. E olhe que não é necessárioresolver equações para as compreender!!...a 1ª lei menciona que qualquer corpo mantém o seu estado de repouso oumovimento uniforme e retilíneo a não ser que lhe seja aplicado uma forçaque o obrigue a alterar o seu estado.Na 2ª lei: a alteração de movimento é proporcional à força motriz aplicada(a força que impele o movimento) e acontece na linha reta a partir doponto em que esta é aplicada.
  44. 44. Cont.E com a 3ª lei conclui-se que, com qualquer ação ocorre sempre umareação igual e contrária. Ou seja, a ação entre corpos são sempre iguais edirigidas em sentidos opostos.Newton chegou a estas conclusões, apenas pela observação. Eninguém, passados séculos, duvida delas!Elas aplicam-se para o pêndulo, a bola que cai por um plano inclinado, ouao satélite que orbita a Terra!...
  45. 45. Programa XVIII… mecânica …
  46. 46. Programa XIXLei da Relatividade do Movimento: sistemas inerciaisAs três leis Newtonianas (as leis do movimento dos corpos) serviram, duranteséculos (e até hoje!) para compreendermos como os corpos se movimentam.O conceito da relatividade do movimento, já no séc. passado, foi introduzidopor Albert Einstein : “os valores das longitudes ou tempos não são os mesmospara observadores que se encontrem em diferentes sistemas de referênciainerciais”. Einstein fez esta observação e acrescentou-a às Leis do Movimentoenunciadas por Newton.Vejamos… se você se encontrar dentro de um comboio em movimento, porexemplo a uma velocidade constante de 50Km/hora, relativamente aocomboio, você está parado. Mas se alguém em Terra, o vir passar, dirá quevocê circula à velocidade do comboio – 50Km/hora!
  47. 47. Cont.Se a pessoa que está em Terra, atirar uma bola a uma velocidadeconstante de 30Km/hora e na mesma direção do comboio, você dirá que abola se move a 50 + 30Km/hora. Ou seja, para si, a bola vai a 80Km/hora e,para quem está em Terra, vai só a 30Km/hora...Os sistemas de referência de inércia (Terra e Comboio) são diferentes!Logo, a velocidade a que se desloca a bola é relativa. Diferente para quemvai no comboio ou está em Terra. É uma observação fácil de fazer ecomprovar. Basta para isso, medir as velocidades, a do comboio (ou seja, asua) e a da bola.
  48. 48. Programa XXLei da Relatividade do Movimento: teoria de absolutos (e não de relativos)A teoria da relatividade de Einstein entrou na cultura popular de formasurpreendente: “já dizia Einstein… Tudo é relativo”… E no entanto, Einsteinnão disse nada que se lhe pareça. A sua teoria tem um conteúdo muitopreciso. Ela é, em mais do que um sentido, uma teoria de “absolutos” e nãode “relativos” apesar de dela podermos concluir coisas tão importantescomo os valores das longitudes ou tempos, não serem os mesmos paraobservadores que se encontrem em diferentes sistemas de referência“inerciais”. Essa observação é hoje intuitiva.
  49. 49. Cont.Com o avanço da ciência, as hipóteses em que se baseiam novas teoriasacabam por ser mais surpreendentes e cada vez menos intuitivas. O axiomaou lei que Einstein introduziu, é francamente “contra intuitivo”: a lei daconstância da velocidade da luz: “a velocidade da luz é amesma, independentemente do estado do movimento que a emite”.Intuitivamente diríamos que, se alguém na plataforma de umcomboio, projetasse a luz de uma lanterna na direção de um comboio emmovimento, quem fosse lá dentro, para dizer qual a velocidade daluz, somaria a velocidade da bola a partir da plataforma mais a do comboioa que se desloca.
  50. 50. Cont.Einstein veio provar que não é assim. Contrariamente ao que seria deesperar, a luz tem a mesma velocidade quer para quem está na plataformada Estação quer para quem circule dentro do comboio. Isto foiposteriormente comprovado repetidamente.Afinal, uma coisa é o que nós esperaríamos que fosse, outra coisa é o quena realidade a Natureza é….Einstein não só provou que a velocidade da luz é independente do sistemade referência, como também demonstrou que, na Natureza, não existevelocidade que exceda a velocidade da Luz.
  51. 51. Programa XXILinguagem científicaA física pretende codificar em forma de expressões matemáticas, asregularidades que detetamos na natureza.El Jardin de NewtonEl grande entre los grandesp. 85
  52. 52. Programa XXII Fenómenos de reflexão, refração, dispersão, difraçãoNum mesmo meio, a luz propaga-se em linha reta. Quando encontra umobstáculo , ou é repelida pelo obstáculo e volta para trás, dizendo-se entãoque foi refletida; ou penetra no novo meio (transparente ou translúcido)mas mudando um pouco de direção, dizendo-se então que foi refratado.É o que acontece quando a luz do sol embate no prisma de Newton ou emgotas de água da atmosfera. A luz é refratada e muda ligeiramente dedireção podendo ver-se as sete cores da luz branca.Em dias em que se combinam, intensa humidade no atmosfera e luz doSol, o arco íris, revela este fenómeno e mostra claramente uma daspropriedades da Luz: ela é formada por sete cores.
  53. 53. Programa XXIIILentes: óculos de SolFoi na época de Galileu que foram inventadas as lunetas astronómicas, osmicroscópios, e… os óculos individuais. Os óculos de sol de cor filtram acor bloqueando as cores opostas e assim obstruem parte da luz. Osóculos amarelados, por exemplo, bloqueiam a luz azul o que é muito útilporque os azuis predominam nos reflexos e na luz difundida (é por essarazão que o céu é azul).As lentes foto cromáticas (PhotoGrey) têm embebido um composto,cloreto ou outro alogeneto de prata, que sofre um processo detransformação química sob a ação da luz ultravioleta. Quando os raiso UV
  54. 54. Cont.incidem sobre as moléculas dessa substância, espalhadas no vidro ou nomaterial plástico da lente, as moléculas rearranjam-se e o material torna-se parcialmente opaco à luz visível.Quanto mais forte é a radiação, maior é o número de moléculas afetadase mais escuras ficam as lentes. Quando os raios ultravioletas (UV) deixamde incidir sobre elas, as moléculas regressam ao seu estado inicial e aslentes recuperam a transparência.Um Pouco de Ciência para todos Passeio aleatório pela Ciência do dia a diaClaude Allégre Nuno CratoPág. 80
  55. 55. Programa XXIV Lei da Gravitação Universal“A matéria atrai a matéria na razão direta das massas e no inverso doquadrado das distâncias”… Traduzindo, este enunciado diz-nos que existeuma força, que atua à distância, que faz com que os corpos sejam atraídospara os de maior massa.Conta a história que Newton descreveu esta força quando estava à sombrade uma macieira e lhe caiu uma maçã na cabeça. Ele identificou a forçaque faz com que os corpos caiam – sejam atraídos para a Terra. E, nãofosse esta força, não estaríamos com os pés assentes na Terra nem a Luagravitaria em torno do nosso planeta.
  56. 56. Cont.A lei de atração de massas é a lei da Gravitação Universal e não háninguém que dela duvide. Ainda hoje ela é utilizada em grande parte dassituações.Como nota final… Sabia que Newton é considerado como o maiorcientista de todos os tempos? Não se fala em Ótica, Movimento ouGravidade sem se pensar em Isaac Newton.Viva la CienciaJose Manuel Sanchez RonPág. 20-21
  57. 57. ProgramaRaio Laser
  58. 58. Programa IIJá experimentou aquecer pão no microondas?
  59. 59. Programa VIIPainéis Solares
  60. 60. Programa VIIIMoinhos de Vento
  1. A particular slide catching your eye?

    Clipping is a handy way to collect important slides you want to go back to later.

×