Jornalismo Cidadao Pdf
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Jornalismo Cidadao Pdf

on

  • 9,501 views

 

Statistics

Views

Total Views
9,501
Views on SlideShare
9,493
Embed Views
8

Actions

Likes
1
Downloads
223
Comments
1

2 Embeds 8

http://ciberjornalismo-ulht.blogspot.com 7
http://www.slideshare.net 1

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
  • Engraçado... após ler este trabalho encontrei inúmeras semelhanças com a minha tese de licenciatura e mestrado sobre o assunto. Tendo em conta que existem tais semelhanças, que o trabalho aparece na primeira página no google quando pesquisamos ’cidadão jornalista’, acho um pouco estranho que na bibliografia sejam ocultadas algumas das fontes de informação.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Jornalismo Cidadao Pdf Jornalismo Cidadao Pdf Document Transcript

  • Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias Licenciatura em Ciências da Comunicação e da Cultura – Jornalismo Ciberjornalismo Discente: Filipa Garcia, nº. 20061430 3º ano, turma 3D2 1
  • Existe ou não jornalismo cidadão? Afinal o que é o jornalismo cidadão? Mas quem são os jornalistas cidadãos? O Jornalismo cidadão segue ou não regras éticas e deontológicas? Todo nós temos a nossa opinião, todos nós podemos ter um blog , mas será que isto faz de nós jornalistas? Se qualquer cidadão pode ser jornalista quais são então o limites da privacidade? De que forma é que a ausência de ética pode determinar o futuro do jornalismo profissional? “Jornalismo cidadão, você faz a notícia”. Hoje em dia, no seio do mundo jornalístico, tem-se falado muito de um “novo tipo de jornalismo”, o jornalismo cidadão. Para muitos este jornalismo cidadão é um atentado às regras e à ética do jornalismo tradicional. Para outros, o jornalismo cidadão complementa o jornalismo profissional/ tradicional. Mas afinal o que é o jornalismo cidadão? Tem o nome de jornalismo-cidadão ou jornalismo participativo aquele em que o cidadão comum participa na elaboração de trabalhos jornalísticos, sejam eles notícias, reportagens ou qualquer outro género jornalístico. Ao contrário dos cidadãos comuns que produzem trabalhos jornalísticos, como é o exemplo dos bloggers, os jornalistas têm que obedecer a regras éticas, nomeadamente ao Código Deontológico da sua profissão. Um jornalista para além de ter mais qualidade no seu trabalho (regra geral) também há uma maior regularidade na produção deste. Isto é, os jornalistas produzem notícias regularmente e não apenas quando há algum acontecimento que lhes suscita mais curiosidade, como acontece no caso do jornalista-cidadão. Aos jornalistas profissionais, a sociedade tem o dever e o direito de exigir um determinado profissionalismo e responsabilizá-los. Aos outros não. 2
  • Responsabilidade, contrato social, exigência e regularidade são os conceitos base para se estabelecer esta distinção entre jornalismo profissional e jornalismo cidadão. Entende-se então por jornalismo cidadão qualquer forma de conteúdo produzido por cidadãos e divulgado sobretudo através de novas tecnologias (telemóveis, PDA). Ou seja, tal como o próprio nome indica jornalismo cidadão, é jornalismo feito pelo cidadão. Os cidadãos tem assim um intensivo papel de recolher, seleccionar, analisar e difundir informação. 3
  • J. D. Lasica é um estrategista, empresário, escritor, blogger, formador, consultor e ainda co-fundador e director editorial da Ourmedia.org, presidente da Social Media Group e um parceiro da Outhink Media. Para Lasica, jornalismo cidadão, entende-se como sendo um conjunto de pequenas publicações e sites noticiosos, através dos quais “amadores” enveredam pelo jornalismo. J.D. Lasica afirma que quando os cidadãos contribuem com fotos, vídeos, etc, estão a fazer jornalismo cidadão. Para J.D. Lasica, os jornalistas cidadão são pessoas antes conhecidas como audiência. J.D. Lasica diz-nos, também, num texto publicado online, intitulado como What is Participatory Journalism? que há jornalismo cidadão quando: Uma audiência participa em muitos níveis (fóruns de discussão, disponibilizam fotos, videos, reportagens, etc); Surgem notícias independentes em sites independentes; Cidadãos contribuem em sites de meios de comunicação; Surgem outros tipos de media (digitais). O jornalismo cidadão, é assim uma multiplicidade de ideias e realidades que cada um de nós pode oferecer. O jornalismo cidadão apareceu em 1988 nas eleições presidências nos EUA. Durante as eleições os cidadãos perderam a confiança nos media pois aperceberam-se que estes estavam ao serviço do poder vigente. Assim, vários cidadãos decidiram ser eles próprios a fazerem o papel dos mass media. Simultaneamente, começaram a emergir muitas tecnologias. Surgiu a Internet e por consequência começaram a aparecer os blogs, os chats rooms, os wikis, os fóruns, etc, o que impulsionou o desenvolvimento do jornalismo cidadão. Assim, o jornalista cidadão tem ao seu dispor várias ferramentas: os blogs- abreviatura de weblog, é uma página pessoal actualizada regularmente por uma pessoa ou um grupo. É o fenómeno mais popular deste universo da internet, com milhões de exemplos espalhados pelo mundo. Num blog, é possível publicar qualquer tipo de conteúdo, de textos a vídeos. Com ferramentas próprias de interacção, por meio de 4
  • comentários adicionados por qualquer leitor a cada novo post, os blogs tornaram-se a ferramenta de comunicação por excelência dos cidadãos digitais. São fáceis de actualizar e há na web uma enorme variedade de ofertas de serviços gratuitos; os flogs- abreviatura de fotoblog, é um blog feito com fotos. O seu número cresceu com a popularização das câmeras digitais e dos telemóveis com câmeras. Flogs actualizados por telemóvel são os chamados “moblogs” (de “mobile”, palavra que em inglês refere-se ao telemóvel; os vlogs- abreviatura de videoblog, o blog feito com vídeos. Um fenómeno que evolui rapidamente, já que a maioria das câmeras digitais e telemóveis também capturam imagens em movimento.; podcasts- é uma forma de distribuir arquivos digitais pela internet. Vem da fusão de duas palavras: iPod, um instruento de arquivos digitais da Apple, e broadcast, que significa transmissão em inglês. O nome surgiu relacionado ao iPod, mas extrapolou a associação e passou a ser utilizado para definir um tipo de divulgação de arquivos de som, vídeo e imagens. O podcast tem vários programas, ou episódios, como se fosse uma série de arquivos. Eles ficam arquivados num endereço na internet e, por download, chegam ao computador pessoal. os wikis- Os sites wiki permitem alterar, apagar, reescrever ou adicionar conteúdos sem a necessidade de muitos conhecimentos técnicos. O modelo mais conhecido é a Wikipedia, a enciclopédia virtual que surgiu em 2001, escrita e actualizada pelos usuários. O Wikinotícias é outro exemplo, no qual os leitores redigem e publicam notícias, que podem ser editadas, ampliadas e reescritas por qualquer outro leitor ou jornalista cidadão. Os Wikis são hoje muito utilizados para a criação interactiva de documentos, inclusive dentro de empresas, reforçando a ideia de colaboração e troca de conhecimentos. 5
  • listas de e-mail- Trocar e-mails é uma das formas de participar da internet, bem explorada em listas que reúnem pessoas com interesses comuns. Nessas listas de debate, os integrantes de um grupo recebem ou têm acesso a todas as mensagens enviadas para um determinado endereço electrónico. É uma maneira de compartilhar informações. fóruns- É um espaço na web para discussões e troca de ideias onde os internautas deixam comentários, perguntas, críticas ou opiniões sobre diversos tópicos. Ao lado das listas de e-mail, os fóruns estão entre as formas mais antigas na web de agrupamento e prática de jornalismo cidadão. comunidade- Blogs, flogs, vlogs, podcasts, wikis, listas e fóruns exploram o potencial da rede para criar comunidades. Participar efectivamente nessas redes é uma forma de praticar o jornalismo cidadão e nós podemos escolher entre actuar nas que já existem ou criar uma nova. Mas quem são os jornalistas cidadãos? O seu perfil é variado. Entre os mais comuns estão: Publicador - Tem páginas pessoais (blog, flog, vlog) ou produz podcasts com notícias, independentemente do assunto abordado. Observador – No universo do jornalismo cidadão, quem tem um gravador, uma câmera ou um telemóvel está pronto para registrar eventos imprevisíveis. Muitas vezes, esse observador torna-se fonte de notícia por acaso. Militante – É o cidadão jornalista que defende uma causa ou dedica-se a um assunto com paixão. Nesse tipo encaixam-se os adeptos de clubes de futebol, defensores de partidos políticos ou de causas como ambientalismo e a defesa de minorias. O militante pode dedicar-se também aos factos referentes à sua comunidade, seja ela um prédio, um bairro ou uma associação. 6
  • Comentarista – É o cidadão jornalista que se manifesta nas páginas já existentes da web. Ele exercita o seu papel por meio de comentários em blogs, flogs, vlogs, fóruns, comunidades ou em sites dos meios de comunicação. Editor - Selecciona notícias e participa em comunidades ou sites colaborativos nos quais é possível sugerir links dos meios de comunicação social ou de páginas pessoais. Esses tipos são apenas uma maneira de explicar diferentes formas de participação e não são categorias fixas, combinam-se. Um jornalista cidadão pode ser ao mesmo tempo editor e publicador, por exemplo. Um dos primeiros exemplos de jornalismo cidadão surgiu no Norte da Coreia e denominava-se de Oh My News. Este site tornou-se muito popular pois afirmava que “cada cidadão é um repórter”. O Oh My News foi o primeiro jornal online a aceitar e a editar a opinião dos leitores. Grande parte dos contribuintes deste site são cidadãos que contribuem com os seus textos. Actualmente este site tem à volta de 41000 contribuintes. Outro site onde é possível fazer jornalismo cidadão é o Independent Media Center (Indymedia). Esta é uma rede internacional de produtores de informação livre e independente, de interesses governamentais ou empresariais. Este site produz jornais, áudio e 7
  • vídeo-jornalismo. O Wikinotícias é também um site onde os cidadãos podem publicar os seus artigos. É um projecto de notícias livre. Qualquer pessoa pode escrever, criar, ampliar ou editar um artigo. Outro exemplo de um site onde se pode fazer jornalismo cidadão é o iReport, lançado há dois anos pela CNN, que permite a qualquer um publicar conteúdos noticiosos que considere relevantes e que mereça ser partilhado. O site já conta com 225.000 colaboradores provenientes de várias regiões, como América do Norte, Europa e Ásia. Apenas 1085 tiveram o seu material publicado na CNN até ao momento. De facto, com o aparecimento da Internet o mundo da Comunicação Social mudou radicalmente. A Internet é o meio mais importante desde a criação da imprensa. Antes, ninguém conseguia escrever de forma alargada. Grande parte das coisas que se escreviam estava confinada a um espaço muito restrito. Com o aparecimento da Internet a informação começou atingir uma audiência global. Assim, o aparecimento da Internet impulsionou muito o desenvolvimento do jornalismo cidadão, permitiu que os cidadão assumissem o papel dos media. Desta forma, o jornalismo cidadão surgiu como uma nova e emergente perspectiva na forma de “fazer notícias”. Através da Internet os cidadãos trabalham em algo muito real, num curto espaço de tempo. Na Internet, os cidadão são definidos pelo que sabem e pelo que partilham. No entanto, o aparecimento do jornalismo cidadão tem vindo a gerar muitas discussões dentro do mundo da comunicação social. A primeira questão que se tem colocado é: será que este serviço prestado pelos cidadãos pode ser mesmo considerado jornalismo? Para muitos jornalistas profissionais isto é algo impensável. Tal é impensável, primeiro porque estes cidadãos não têm qualquer tipo de formação. Assim, muitos jornalistas profissionais consideram que os cidadãos não podem ser 8
  • considerados jornalistas. Aliás vários jornalistas questionam como pessoas que não têm formação profissional são capazes de escrever notícias. Uma outra questão fundamental que se coloca constantemente é sobre a ética das notícias produzidas por cidadãos. Vários jornalistas questionam como é que noticias produzidas sem regras e sem técnicas jornalísticas podem seguir uma ética e uma deontologia profissionais. De facto, no jornalismo cidadão não existem regras. Uma das regras principais do jornalismo tradicional é a veracidade dos factos, tal como está consagrado no ponto 1 do Código Deontológico dos Jornalistas Portugueses que diz que “O jornalista deve relatar os factos com rigor e exactidão e interpretá-los com honestidade. Os factos devem ser comprovados, ouvindo as partes com interesses atendíveis no caso”. A distinção entre notícia e opinião deve ficar bem clara aos olhos do público.”1 Deste modo, se o jornalismo cidadão não segue regras jornalísticas como podem os leitores ter a certeza que os factos relatados são verdadeiros? Esta é pois a grande falha do jornalismo cidadão. Neste “novo jornalismo” ninguém nos garante a veracidade dos factos, os leitores desconhecem que cuidados o autor não profissional tem em relação ao que produz. Esta é pois a grande diferença entre o jornalismo tradicional e o jornalismo cidadão. Enquanto o primeiro segue regras bastante rígidas, o segundo é totalmente desprovido de qualquer tipo de regra. Simultaneamente, há uma outra diferença entre estes dois tipos de jornalismo. No jornalismo tradicional, o jornalista tem que se ser imparcial e está isento de ter qualquer tipo de opinião. Contudo, segundo muitos jornalistas, no jornalismo cidadão tal não acontece. Para muitos profissionais do jornalismo, o jornalismo cidadão não é mais do que a mera opinião de alguém relativamente a um determinado assunto, pelo que este novo jornalismo é visto como um jornalismo opinativo e parcial. Será então que a opinião de um cidadão pode ser considerada jornalismo? Grande parte dos profissionais da comunicação acredita que não. 1 Código Deontológico dos Jornalistas Portugueses 9
  • Mas, não são só os próprios jornalistas que criticam o jornalismo cidadão. Muitos órgãos comunicacionais também estão contra este “novo jornalismo”. Tal é o caso do New York Times, que considera que o jornalismo cidadão abandonou o grande princípio do jornalismo: a objectividade. José Luis Orihuela, pesquisador, conferencista, blogger e professor na Faculdade de Comunicação da Universidade de Navarra, também não é a favor do jornalismo cidadão. Contudo, considera que os blogues são como uma memória extensiva, um conceito muito rico. Para o professor, os blogues permitem três coisas igualmente importantes: publicar, partilhar (através dos tags) e reutilizar (optimizar a nossa matéria com a dos outros). José Luis Orihuela considera que jornalismo cidadão é o conceito muito inadequado para descrever o que se está a passar no mundo da comunicação social. Para o professor, o jornalismo é algo que se estuda, algo que segue uma ética e uma deontologia e que tem uma função social muito importante. José Orihuela reconhece que os blogs são importantes e que têm uma repercussão social muito importante. Tal como ele afirma, nenhum meio de comunicação social pode substituir a presença das pessoas numa guerra, num desastre natural, etc. Nenhum mass media pode substituir as imagens e a informação que a pessoa presente no local pode captar, até porque se há coisa que os jornalistas não controlam é o tempo. Luis Orihuela realça inclusive a importância da Wikipédia. Mas, Orihuela diz que “los blogs no son periodismo, ni nuevo ni viejo; no hay, en la inmensa mayoría de los blogs, la más mínima intención por hacer periodismo ni los bloggers son considerados como periodistas. Lo que tienen los blogs es, por una parte, un impacto sobre la esfera de la comunicación pública, ya que son cauces para hacer periodismo. En estos cauces figuran periodistas en plantillas de diferentes medios de comunicación escribiendo en blogs oficiales de estos medios o blogs personales. Aún así, un periodista puede tener su propio blog, pero no le da la 10
  • condición de periodista el hacho de trabajar en este formato, sino una formación específica”.2 Orihuela afirma que é uma falta de respeito considerar estes blogs jornalismo e considera portanto que apesar de os blogues serem importantes nunca vão substituir o jornalismo tradicional. Para o professor um dos grandes problemas dos blogues prende-se com o facto de grande parte dos escritores manterem-se no anonimato, o que por si só retira credibilidade ao que é escrito. José Luis Orihuela fala-nos ainda da existência de jornalistas que tem os seus própios blogs. No entanto, Orihuela considera que mesmos nestes casos não podemos considerar que se trata de jornalismo. Ou seja, um jornalista pode ter o seu próprio blog e escrever lá o que quiser, mas enquanto o está a fazer, não está a exercer a sua função de jornalista. José Luis Orihuela traça um cenário colorido quanto ao futuro do jornalismo profissional. O professor da Faculdade de Comunicação da Universidade de Navarra, em Espanha, pensa que não é possível imaginar-se um futuro sem jornalistas profissionais, pois “Al contrario, cuanto más contenido se genere, más necesaria será la función de quienes se dedican profesionalmente a la selección, el análisis, la interpretación y la valoración de la información disponible.” Para José Luis Orihuela, “pode-se escrever um blogue sobre tudo o que nos apaixone”, como referiu no 3º Encontro Nacional e 1º Encontro Luso-Galaico sobre Weblogs. Mas o professor não concorda com a expressão “jornalista cidadão”: “los blogs no son periodismo, ni nuevo ni viejo; no hay, en la inmensa mayoría de los blogs, la más mínima intención por hacer periodismo ni los bloggers son considerados como periodistas.” Orihuela considera que os blogues “son un medio de comunicación personal que tiene un impacto relativo sobre el ecosistema mediático en la medida en que constituye un nuevo cauce de comunicación pública”. 2 El periodismo y los ciudadanos 11
  • A expressão "jornalismo do cidadão" adoptada pela maioria dos órgãos de comunicação social "é ridícula", defende João Canavilhas, professor da Universidade da Beira Interior e jornalista. O investigador prefere chamar-lhe "participações do cidadão" e não vê diferenças entre elas e as tradicionais cartas dos leitores para que se justifique o rótulo "jornalismo do cidadão". No entanto, se existem muitas pessoas que são contra o jornalismo cidadão, também são muitos aqueles que estão do lado deste “public journalism”. É o caso do ex-colunista de tecnologia do jornal americano San Jose Mercury News, Dan Gillmor, um dos mais defensores do jornalismo cidadão. No seu livro “We the Media”, Gillmor utiliza a expressão “we journalists”, pelo que subentendemos que Gillmor considera que todos os cidadãos podem ser jornalistas. O ex-colunista fala-nos da existência de sites através dos quais temos alertas noticiosos praticamente em tempo real. Este trabalho tão exigente é feito por cidadãos repórteres. Gillmor explica-nos que os cidadãos utilizam os media e as tecnologias para contactarem com o público. Nesta nova era comunicacional as pessoas têm um objectivo muito definido: entender o que se passa no mundo da comunicação social. Em “We the media”, Dan Gillmor salienta a grande importância que o jornalismo cidadão tem tido na cobertura de diversos desastres mundiais. O primeiro caso deu-se em 2002 com a queda das Torres gémeas em Nova Iorque. Aí os cidadãos fizeram o papel de repórteres e captaram imagens que nenhum órgão da comunicação social conseguiu captar, pois nao presenciou o momento. O mesmo aconteceu em 2004 com o Tsunami no Sul da Ásia, em 2005 com os atentados em Londres e também com o furacão Katrina nos EUA. Durante estes acontecimentos os mass media tinham um acesso muito difícil à informação, por isso só os cidadãos que estiveram envolvidos directamente nos desastres puderam captar imagens e fornecer informação. Nestes casos, os cidadãos tiveram um importante papel e pela primeira vez assumiram o papel dos mass media. Ou seja, existem momentos em que este papel activo dos cidadãos é extremamente necessário. 12
  • Dan Gillmor tem o seu próprio blogue denominado Center for Citizen media, onde aborda vários assuntos relacionados com o jornalismo cidadão. Em relação aos media tradicionais, Gillmor afirma que cada vez mais estes estão a adaptar e a utilizar as técnicas disponiveis na Internet. O autor acredita que, cada vez mais, o público vai-se tornar parte integrante do processo de construção das notícias, mas não considera isso uma ameaça. Para Gillmor, o jornalismo cidadão não vai substituir o lugar dos jornalistas profissionais, que terão sempre de existir para recolherem factos, para fazerem perguntas com uma certa disciplina e para se dirigirem a um público mais vasto. Dan Gillmor diz que o que tem vindo a aprender é que o público, se tiver oportunidade, tem muito para dizer. A Internet é o primeiro meio de informação de que o público é proprietário, o primeiro meio que lhe deu voz (“That doesn’t mean there isn’t a place for pro-journalists, who will always be there— who need to be there—to gather the facts, ask questions with some measure of discipline and pull together a larger audience. What I’ve learned is that the audience, given half a chance, has a lot to say. The Internet is the first medium owned by the audience, the first medium to give the audience a voice.”) 3. O autor afirma mesmo que os seus leitores fazem dele um melhor profissional (“the major value has been in the way my readers have made me better at my job.”). Mas Dan Gillmor não esconde o receio de que o jornalismo de investigação, por questões económicas, venha a diminuir, ou mesmo desaparecer. Pois não é possível desenvolver este tipo de jornalismo através da Internet: “What blogger will take on the next Watergate scandal the way The Washington Post did?”. Por um lado, o autor de “We The Media” acredita que os jornalistas podem aumentar a sua credibilidade se ouvirem os seus críticos online. Por outro lado, reconhece que as notícias publicadas pelos jornalistas profissionais têm muitas vezes origem nas informações concedidas pelos cidadãos. Dan Gillmor relembra-nos que algumas das mais importantes fotografias e vídeos da história recente da informação foram criados por amadores. Mas recorda que a participação do público na construção 3 We Media 13
  • noticiosa não é de agora. Por exemplo, há muito tempo que os leitores escrevem cartas ao director de um jornal ou os jornalistas atendem telefonemas de elementos do público que fornecem dicas ou apresentam reclamações. A diferença reside na quantidade e velocidade de transmissão de informação / de interacção entre jornalistas e cidadãos. Dan Gillmor fala em “interactive Journalism” e “open source journalism”. Jay Rosen também é um dos que é a favor do jornalismo cidadão. Rosen, é professor de jornalismo na Universidade de Nova Iorque e é um dos grandes defensores do jornalismo cidadão e define-o como “When the people formerly known as the audience employ the press tools they have in their possession to inform one another, that’s citizen journalism”.4 Jay Rosen tem um blogue intitulado Press Think, onde escreve sobre os mass media e o seu desnvolvimento na era da Internet. Jay Rosen afirma que as pessoas hoje conhecidas por jornalistas cidadãos, antigamente eram conhecidos por audiência. O professor considera que o jornalismo cidadão é como uma base de dados, um espaço que armazena fontes online. A jornalista, Ana Carmen Foschini, de São Paulo trabalha com novas tecnologias via internet. A jornalista editou livros como Blog, Podcast, Flog&Vlog e Jornalismo Cidadão, que estão disponíveis gratuitamente no seu site. Carmen Foschini defende que "Só por sorte do destino -e ainda que assim mesmo há inúmeros casos - a contribuição do cara que não é profissional de comunicação é redondinha, pensante, estruturada, criativa, confiável, ética, pertinente, responsável, dá voz aos dois lados, verifica informações antes de divulgá-las e reúne todos os atributos imagináveis para o conteúdo de qualidade. É pura sorte, uma variável 4 Press Think 14
  • metafísica. O leigo não tem ideia de que o que produz tem de ser assim ou assado, se o faz, é por intuição ou porque sabe de orelhada. Uma saída para que haja um salto de qualidade pode ser contar ao leigo o que é bacana fazer quando se publica na web." Esta jornalista deixa clara a sua posição em relação às controvérsias existentes em volta do tema “Jornalismo versus Jornalismo do Cidadão”. Para Ana Foschini, o jornalismo cidadão não é um concorrente do jornalismo tradicional: “Eles podem ser aliados em alguns pontos e podem estar em campos opostos em determinados temas e debates.” Quando ao futuro do jornalismo profissional a autora afirma que “Não tenho respostas sobre a crise do jornalismo tradicional, não sei como conciliar a profissão com o direito de todos à informação (...)” O assunto é polémico, já que os utilizadores da internet se colocam no lugar do jornalista produzindo uma ilimitada oferta de conteúdo, podendo até banalizar a profissão. Por outro lado, acredita-se que o jornalismo cidadão colabora com o trabalho dos jornalistas, pois expressa opiniões, e até mesmo, a visão da comunidade, ou seja, complementa o trabalho do jornalista. Na realidade a credibilidade é um ponto importante em qualquer tipo de jornalismo. Não se pode acreditar que tudo que um jornalista escreve é perfeito, porém, quem não é jornalista e escreve, é duvidoso. No meu entender, não podemos considerar que este papel desempenhado pelos cidadãos comuns é jornalismo. Todos nós temos a nossa opinião, todos nós podemos ter um blog, mas será que isto faz de nós jornalistas? Penso que não. Para se fazer uma notícia temos que seguir certas regras e certas técnicas que só aprendemos quando frequentamos um curso de jornalismo. Se qualquer cidadão pode ser jornalista quais são então o limites da privacidade? Não poderíamos confiar informações a ninguém, correndo o risco de vermos espelhado num blog informações que não queríamos que fossem divulgadas. A falta de regras éticas e deontológicas no trabalho de jornalismo cidadão foi exactamente isto que aconteceu com o ex-presidente dos Estados Unidos, Bill Clinton. A 11 de Junho de 2008, num evento da campanha de Hillary Clinton, em Dakota do Sul, uma mulher de 61 anos se espremeu na multidão para apertar a mão do ex- presidente Bill Clinton e trocar algumas palavras com ele sobre um artigo publicado na 15
  • revista Vanity Fair. Poucas horas depois, o conteúdo desta conversa – num gravador digital com duração de três minutos – estava disponível no site Huffington Post. Nele, é possível ouvir o ex-presidente chamar “desonesto”, (e outras palavras nada simpáticas, como “nojento” e “escumalha”) a Todd Purdum, autor do artigo na Vanity Fair e ex-jornalista do New York Times.5 No artigo, Purdum apelidava Clinton de mulherengo. O ex-presidente provavelmente ficou surpreso ao ver as suas afirmações no site, pois Mayhill Fowler, a senhora com quem ele conversou brevemente, não tinha credencial que a identificasse como repórter e não chegou a revelar a sua intenção de entrevistá-lo. Esta não é a primeira vez que Mayhill omite factos para conseguir cumprir a sua tarefa jornalística. Em abril, ela alegou ser colaboradora da campanha do senador Barack Obama para conseguir acesso a um evento de arrecadação de fundos do candidato, em São Francisco – evento para o qual os meios de comunicação não tinham sido convidados. Na ocasião, o gravador digital da "jornalista cidadã" registou o senador dizendo algo que não agradou aos moradores de Pensilvânia: "Não é surpresa que, por não crescerem economicamente, eles se agarrem a armas ou à religião". 5 The Huffington Post 16
  • Tal como, José Luis Orihuela, penso que os blogs e este jornalismo cidadão são muito importantes para o jornalismo tradicional. Existem certos momentos e certas situações em que os jornalistas não conseguem e nem podem noticiar certos factos. Nesses momentos a ajuda dos cidadãos é muito importante. Por exemplo durante os atentados de Londres só quem vivenciou o momento pode relatar com clareza e com intensidade o que se viveu na altura. Só quem esteve lá naquela hora, naquele local é que consegui captar imagens, coisa a que os jornalistas não conseguiram aceder. Neste sentido penso que o jornalismo cidadão é importante pois é um complemento muito importante para o jornalismo tradicional. Ao efectuar a minha pesquisa, descobri que ronda alguma controvérsia em torno da própria definição de jornalismo, muitas vezes confundido com jornalismo cívico. Também verifiquei que, por um lado, há autores que acreditam apenas no jornalismo enquanto prática profissional. Para muitos, somente os jornalistas profissionais são capazes de seguir os rigores e éticas envolvidas no processo de relatar notícias. Por outro lado, há muitos jornalistas profissionais que apoiam o jornalismo do cidadão, considerando-o indispensável para um desenvolvimento mais positivo do seu trabalho. Muitas vezes os próprios jornalistas aderem ao jornalismo cidadão, escrevendo em blogues pessoais, de forma livre, sem seguir obrigatoriamente uma hierarquia tradicional do jornalismo. Eu penso que se está a valorizar uma fonte (porque os jornalistas cidadãos não são mais do que fontes). A única diferença é que podem ser eles próprios a publicar as suas informações, como bem entenderem. Mas também eles (e só eles) devem responder por aquilo que publicam. Penso que falar em jornalismo do cidadão é misturar as coisas. O jornalista tem que responder perante os conteúdos que publica. E um jornalista cidadão? Que riscos corre e o que tem a pagar? Um jornalista profissional põe a sua carreira em perigo. Mas um jornalista cidadão apenas se arrisca a responder perante a justiça. Não vai ser “apontado” pela sociedade, pois esta não lhe atribuiu o dever de informar. 17
  • Assim, penso que o papel desempenhado pelos cidadãos não é jornalismo, é sim um complemento do jornalismo. Todos nós temos as nossas opiniões, até os próprios jornalistas tem a sua opinião e tem o direito a dar. No entanto o jornalismo não deve nem pode ser opinativo. O jornalismo tradicional trata-se de relatar factos e não comentá-los. Trata-se de contar a verdade”nua e crua”, objectiva e imparcialmente. Portanto, penso que não podemos dizer que há jornalismo cidadão. Até porque como Orihuela diz “só há jornalismo quando há jornalistas”. Logo, se os cidadãos não são jornalistas não existe jornalismo cidadão Mas, apesar de considerar que não é jornalismo, penso que este papel desempenhado pelos jornalistas é muito importante. Em suma, penso que não existe um “jornalismo cidadão”. O que existe é um importante trabalho de complemento de informação. 18
  • Bibliografia Jornalismo: www.pt.wikipedia.org/wiki/Jornalismo Jornalismo cidadão: www.pt.wikipedia.org/wiki/Jornalismo_cidadao www.overmundo.com.br/banco/conquiste-a-rede-jornalismo-cidadao-voce- faz-a-noticia www.en.wikipedia.org/wiki/Citizen_journalism Ana Carmen Foschini: http://www.anacarmen.com/blog/2009/04/13/jornalismo-e-blogs/ http://www.anacarmen.com/blog/2008/04/23/o-que-se-comenta-a-respeito- de-jornalismo-cidadao/ http://www.anacarmen.com/blog/2008/03/21/atropelou-o-verbo-e-fugiu- qualidade-no-jornalismo/ http://www.anacarmen.com/download/jornalismocidadaomaio2008.pdf Dan Gillmor www.bayosphere.com/blog/dangillmor www.dangillmor.com www.wethemedia.oreilly.com www.en.wikipedia.org/wiki/Dan_Gillmor www.citmedia.org Gillmor, Dan, We Media, http://www.hypergene.net/wemedia/download/we_media.pdf 19
  • Jay Rosen: www.journalism.nyu.edu/pubzone/weblogs/pressthink/ www.en.wikipedia.org/wiki/Jay_Rosen www.thenation.com/doc/20050404/mackinnon J.D. Lasica: www.jdlasica.com http://www.jdlasica.com/webjournalism.html Outros : www.unav.es/digilab/cv/jlo/ http://brunogomesjd.blogspot.com/2008/05/jornalismo-cidado-vs- jornalismo.html http://route14.blogspot.com/2006/10/jornalismo-do-cidado.html http://historiadordoinstante.blogs.sapo.pt/6920.html http://www.jppereira.com/engrenagem http://ciberjornalismo.com/pontomedia/?cat=11 http://dn.sapo.pt/2006/06/08/media/cidadao_jornalista_revoluciona_media.h tml http://www.observatoriodaimprensa.com.br/artigos.asp?cod=489MON010 http://www.intranet.esep.pt/cursos/jornalismo_e_comunicacao/cadeiras/jorn alismo_em_linha/etica_e_deontologia_no_jornalism.asp http://journalism.nyu.edu/pubzone/weblogs/pressthink/2008/07/14/a_most_ useful_d.html http://www.slideshare.net/milreu/monografia-jornalismo-cidado-jornalismo- colaborativo-psgraduao-em-comunicao http://www.authorama.com/we-the-media-1.html http://olago.wordpress.com/tag/jornalismo-do-cidadao/ 20
  • http://jpn.icicom.up.pt/2008/12/12/nao_existe_jornalismo_do_cidadao_defen de_professor_joao_canavilhas.html http://www.newyorker.com/talk/2008/06/23/080623ta_talk_mcgrath http://observatorio.ultimosegundo.ig.com.br/artigos.asp?cod=275ENO001 http://citmedia.org/blog/2008/07/14/where-did-citizen-journalist-come-from/ http://oreilly.com/catalog/wemedia/book/index.csp http://www.huffingtonpost.com/mayhill-fowler/bill-clinton-purdhum-a- sl_b_104771.html http://www.bocc.ubi.pt/pag/_texto.php3?html2=machado-elias-ciberespaco- jornalistas.html http://www.bocc.ubi.pt/pag/correia-frederico-jornalismo-do-cidadao.pdf http://www.ecuaderno.com/2008/12/26/el-periodismo-y-los-ciudadanos/ 21