infancia e fluencia tecnologica

2,928
-1

Published on

Apresentação base da comunicação no Colóquio Internacional "Jibóias, florestas virgens e outros enigmas: o mundo das crianças em perspectiva", Universidade dos Açores

Published in: Technology
0 Comments
2 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
2,928
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
6
Actions
Shares
0
Downloads
0
Comments
0
Likes
2
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

infancia e fluencia tecnologica

  1. 1. Jibóias, florestas virgens e outros enigmas: o mundo das crianças em perspectiva 27 Outubro 2007 - Angra do Heroísmo Infância e fluência tecnológica “Nós já sabemos mexer em todos os computadores.” (J., 5 anos) Maria P. Figueiredo Nelson A. F. Gonçalves Escola Superior de Educação Instituto Politécnico de Viseu
  2. 2. O que se passa no mundo dos crescidos? Imenso crescimento tecnológico Resposta a diversas necessidades, problemas, caprichos… Mudanças na forma como comunicamos, nos divertimos, viajamos, registamos momentos da nossa vida, afirmamos ideias, curamos, aprendemos…
  3. 3. Complexidade... Sem fundo?...
  4. 4. Várias áreas do nosso quotidiano Ideia de Avanços tecnológicos na mobilidade Medicina
  5. 5. Avanços tecnológicos na própria tecnologia
  6. 6. Comunicamos Divertimo-nos Registamos Divertimo-nos a diversão queque registámos… Comunicamos comunicar o édivertimento… Registamos os registos de comunicar …
  7. 7. O que se passa no mundo dos crescidos? A Internet… • Conteúdo gerado pelos utilizadores • Social networking • Feeds e tags: a “cola” que mantém tudo unido http://blog.getoutsmart.com/archives/category/web-20/
  8. 8. O que se passa no mundo dos crescidos? Chamam-lhe O que é que Web 2.0 é isto?!...
  9. 9. Como olhamos para as crianças neste mundo? Nativos digitais (Prensky, 2001) Geração Net (Tapscott, 1998) E-Learning 2.0 (Downes, 2005) Cultura participativa (Jenkins, 2006)
  10. 10. Como olhamos para as crianças neste mundo? Os perigos da net O impacto da violência nos videojogos e na TV Geração “polegar” Gratificação imediata e vício Alienação
  11. 11. Como olhamos para as crianças neste mundo? TIC – Educação? - As TIC já impregnam os contextos e a vida das crianças - As TIC contribuem de forma positiva para a prática educativa na área da Educação de Infância - Existem estudos que fundamentam a integração das TIC na política educativa, no currículo e nas práticas de todo o sistema educativo - Urgência de apoiar a construção de sentido e consumo crítico - Imprescindibilidade de garantir a igualdade de acesso à tecnologia e à participação na cultura e sociedade em mudança instrumento cultural utilizado com finalidades sociais autênticas que lhe confiram significado
  12. 12. Como olhamos para as crianças neste mundo? Sistema educativo português
  13. 13. Como é que as crianças perspectivam a tecnologia? Estudos que adoptam o ponto de vista das crianças sobre o mundo e os fenómenos que as rodeiam “não inventes o que podes descobrir...” Becker (1996, cit. por Graue, & Walsh, 2003)
  14. 14. Projecto NetInfância Pólo de Lamego da ESEV 2. promover a fluência tecnológica das crianças a frequentar a educação pré-escolar; 3. incentivar a utilização pedagógica da Internet em contexto pré-escolar; 4. fomentar a utilização crítica da tecnologia educativa por parte dos futuros educadores de infância; 5. contribuir para relações de colaboração e parceria formativa com as escolas cooperantes; 6. implementar e avaliar dispositivos de formação colaborativa. http://www.intervir.net/netinfancia 120 alunos form. inicial 19 escolas cooperantes > 300 crianças
  15. 15. Projecto NetInfância Versão beta Versão 1.0 Versão 1.1 Jardins de Infância Centro de informática CI + Jardins de Infância Acesso a tecnologias Acesso a computadores Acesso a utilizações diversificadas com Internet diversificadas do (incluindo o PC) computador Consumo de produtos Participação em Participação em criados pelos adultos processos de utilização processos de utilização (autoria dos adultos) (autoria partilhada) (autoria partilhada) Exploração fechada Exploração apoiada Exploração apoiada Pontual Pontual + Contínua Contínua Tempo delimitado Tempo difuso Tempo difuso Produtos Processos Experiência e vivências
  16. 16. Projecto NetInfância v. beta Privilegiar da produção de conteúdos disponibilizados na Internet e do acesso ao hardware e ligação à Internet para os explorar
  17. 17. Projecto NetInfância v. beta Foco na forma como os alunos e educadores olhavam para o desempenho das crianças na utilização do computador e da Internet, praticamente sem qualquer formação. O passar do tempo, dentro da sala, foi veloz. Crianças e estagiárias não se aperceberam do aproximar da hora de partida, ao ponto de uma das crianças ter feito o comentário: quot;Vamos embora, porquê? Já é de noite?quot; Uma das crianças, depois de eu lhe explicar UMA única vez como se gravavam as fotografias para um cd, fê-lo completamente sozinha para as restantes! Quando lhes dissemos que tínhamos que ir, ouvi o Pedro exclamar: “Agora que o rato já não foge, vamos embora?!”.
  18. 18. Projecto NetInfância 1.0 Foco na perspectiva das crianças sobre a tecnologia: Como a vivem no seu quotidiano? Que significados lhe atribuem?… Privilegiar diferentes utilizações do computador: videoconferências, e-fantoches, jardim 3D, ... Estudo sobre as concepções acerca do computador de um grupo de crianças de 5 anos de um jardim-de- infância público da cidade.
  19. 19. O que é um computador? Grupo de 22 crianças, uma sala entre os 4 e os 6 anos de idade: 6 (4A), 15 (5A) e 1 (6A); 10 (M) e 12 (F) JI público, da cidade, duas salas  Entrevista individual exploratória + entrevistas em pares ou trios  Exploração de imagens  Sempre na sala de actividades com as crianças, individual (ambiente familiar)  Criação de uma história  Autorização dos pais e em grande grupo das próprias crianças  Análise de desenhos  Convites durante actividades elaborados pelas crianças de pequeno grupo Christensen, & James, 2005; Karlsson, 2004; Saramago, 2001; Sarmento, & Cerisara, 2004; Oliveira-Formosinho, & Araújo, no prelo
  20. 20. O que é um computador? Análise de conteúdo das diferentes entrevistas Descrição física O computador é aquilo que consigo ver, tocar, ouvir... descrever com os sentidos Descrição funcional O computador é aquilo que eu sei que faz e faço com ele... as suas funções Descrição por associação O computador é algo que associo a outras ideias...
  21. 21. Descrição física O computador é aquilo que consigo ver, tocar, ouvir... descrever com os sentidos “Tem botões e tem vidro. (S., 4 anos)” “É um quadro, um rectângulo. (T., 4 anos)” “É uma coisa em que se mexe. (S., 5 anos)” “Um computador é aquilo em que se mete um CD, depois liga e aparece a imagem. (P., 5 anos)” “O computador é um quadrado em que aparecem coisas. (E., 5 anos)”
  22. 22. O que vês? É um computador? 28%  72%  100%  100%  28%  72%  95%  5%  15%  85% 
  23. 23. Não é? Porquê? faltam-lhe coisas! 78% é diferente 11% não dá para monitor jogar 72,5% 2,5% falta a mesa teclado 2,5% 17% está desmontado rato 6% 10,5%
  24. 24. Descrição funcional O computador é aquilo que eu sei que faz e faço com ele... as suas funções “É para fazer jogos. (E., 5 anos)” “Os computadores dão para fazer muitas coisas: jogar, escrever, pintar, ouvir música, ir à Internet,... (R., 5 anos)” “É uma coisa onde se arranja coisas: faz-se para ir ao cinema para ver qual o filme, e pode mandar um volante para Playstation ou X-Box. (S., 6 anos)” “É uma máquina que faz coisas irem para casa das pessoas. (T., 5 anos)”
  25. 25. Descrição funcional fazer números fotografias ler ver DVD desenhar ouvir música estudar jogar escrever encontrar imagens trabalhar aprender pintar falar com pessoas brincar pesquisar Internet comércio electrónico fazer montagens gravar dvd ensinar
  26. 26. Para que usamos o computador? - Às vezes eu falo com a minha mana no computador (V., 4 anos) - Para quando houver um problema, ele resolver (S., 5 anos) - Escrever, procurar coisas, jogar, encontrar, ver... Ver carros, ver volantes, ler, ver códigos da TV Cabo (...), mantas para a cozinha, comandos, jogos, até uma casa! (R., 5 anos) - Para encontrar coisas, para ver coisas em países muito longe onde não podem ir (L., 5 anos) - Porque é onde elas podem concentrar-se, saber tudo e, além disso, telefonar a toda a gente (J., 5 anos) - Aprender a escrever para sermos melhores alunos (A., 5 anos)
  27. 27. Descrição por associação O computador é algo que associo a outras ideias... “É uma coisa que é como uma televisão... (A., 5 anos)” “É uma coisa que se usa na informática. (D., 5 anos)”
  28. 28. Quem pode usar o computador? Toda a gente... Os crescidos Os pais As professoras e os meninos Outras crianças Eu “Usa um senhor que sou eu, eu também uso computadores!” (L., 5 anos)
  29. 29. Tu podes usar o computador? Maioritariamente SIM! Excepto... “Quando eu peço à minha mãe ou ao meu pai, se eles disserem que não, eu não posso ir.” (M., 5 anos) “Eu tenho mas está estragado.” (D., 4 anos). “Sim. Um é de brincar e o outro é dos meus pais e meu” (J., 5 anos)
  30. 30. Ideias finais Atribuem valor positivo, concordam que é importante Sentimento de confiança para utilizar, explorar, ... Proximidade, domínio... Pertence-lhes e ao seu mundo Perspectiva alargada e diversificada de funções e utilizações Forte relação com a aprendizagem (aprender, escola, professoras utilizam, estudar, ...) e forte presença da componente lúdica No JI destas crianças, não se utilizava o computador na sala de actividades...
  31. 31. One laptop per child Crença na competência das crianças Formas de expressão dos significados sobre o mundo e de construção de significados sobre o mundo Negociação de significados de forma distribuída com outras crianças e adultos: experiência individual e das redes a que acede
  32. 32. Jibóias, florestas virgens e outros enigmas: o mundo das crianças em perspectiva 27 Outubro 2007 - Angra do Heroísmo Infância e fluência tecnológica Maria P. Figueiredo - mariapfigueiredo@gmail.com Nelson A. F. Gonçalves - nelson@intervir.net Escola Superior de Educação Instituto Politécnico de Viseu

×