Atacarejos Mais Produtivos 04_12
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Atacarejos Mais Produtivos 04_12

on

  • 1,084 views

Matéria sobre lojas do formato cash & carry (atacarejo), formato que mais cresce no Brasil. Publicada em abril de 2012 na revista Supermercado Moderno

Matéria sobre lojas do formato cash & carry (atacarejo), formato que mais cresce no Brasil. Publicada em abril de 2012 na revista Supermercado Moderno

Statistics

Views

Total Views
1,084
Views on SlideShare
1,084
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
14
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Atacarejos Mais Produtivos 04_12 Atacarejos Mais Produtivos 04_12 Presentation Transcript

  • ranking Produtividade Cada metro Atacarejo superou os outros formatos quadrado de uma loja cash & carry rende R$ 22 mil em vendas, 28, é em quanto as vendas/m2 do atacarejo superam 3% bem mais do que as dos supermercados em qualquer outro formato. Soma-se a isso o tíquete alto e os custos e 18, diferença das vendas/m2 do atacarejo em 6% preços baixos relação aos hipermercados e fica mais claro -6,6 por que os % hiper continuam perdendo é quanto o faturamento dos hipermercados mercado. Só os caiu em termos reais super concorrem em boas condições Faturamento/ m2 ( em R$/2011 )atacarejos 22.001 comerciante faturamento por metro quadrado muito maior”, analisa é o alvo Ari Kertesz, sócio da consultoria McKinsey&Company. do assaí A rede atacarejo As pessoas jurídicas, não atendidas pelos super e hi- do Grupo Pão de atacarejo permercados, formam um grupo tão representativo Açúcar privilegia as vendas para 18.549 que forçou uma mudança na gestão do Assaí, marca de transformadores O atacarejo do Grupo Pão de Açúcar. Para focar no aten- e comerciantes. os mais Afinal, eles formato de menor custo do setor é também dimento a empresas, a bandeira excluiu setores como garantem tíquete campeão em produtividade. No ano passado, padaria e açougue, que interessam mais ao consumi- médio de R$ 120, as lojas cash & carry, conhecidas como “ataca- dor final. Além disso, reforçou o sortimento de marcas superior aos R$ 80 hipermercadoprodutivos alcançados nos rejos”, obtiveram faturamento médio de R$ 22 conhecidas e enxugou o mix de marcas próprias de 500 hipermercados. 17.147 mil por m2. O valor é 28,3% superior ao dos su- itens para apenas 50, após pesquisa com comerciantes É com maior venda por m2 que o permercados e 18,6% acima do resultado dos hiper, se- apontar preferência por marcas líderes. Graças a essas atacarejo apresenta gundo o 41º Ranking de Supermercados, que pela pri- mudanças, o formato foi o que mais cresceu no GPA. A melhor resultado, mesmo vendendo Texto Fernando Salles fernando.salles@sm.com.br meira vez audita os resultados do formato. “O atacarejo alta foi de 23,6%, já descontada a inflação. barato e tendo supermercado Fotos dario DE FREITAS vende para o consumidor final, mas também atinge os Hugo Bethlem, vice-presidente do GPA, explica que margem menor transformadores e os pequenos varejistas. Isso gera um privilegiar o consumidor faz baixar venda por m2, o que Fonte: Ranking de Supermercados SM50 SM.com.br | abril 2012
  • formatos de loja ranking consumidor é o principal público Consumidor final Varejistas e transformadores Higiene e Beleza 73% 27% Limpeza 71% 29% consumidoreleva os custos operacionais. “Esse formato tem de ser não garante Bebidas alcoólicasrentável como o super e o hiper, mesmo vendendo mais o melhor resultadobarato”, pondera . “O resultado por m2, portanto, precisa Mas é ele hojeser maior, para aumentar o retorno do capital emprega-do, uma vez que a margem de lucro é menor”, resume. o responsável pela maior parte das compras em 69% 31% um atacarejoTornar o formato atraente para a pessoa jurídica e não pode ser desprezado.é uma preocupação que todos devem ter, comenta Ari Segundo pesquisaKertesz, da McKinsey. “O empresário deve entender que Nielsen, Perecíveis 1,8 milhão deestá entrando em um formato com novas regras e novos lares aderiram noplayers”, ressalta. “Não basta vender para o consumidor, é ano passado aopreciso criar capacidade de atacado, buscando o cliente formato, seduzidos pelos preços 67% 33%fora da loja”, afirma, citando como exemplo o Atacadão – baixos. E não são apenas os clientespertencente ao Carrefour –, que conta com ampla equipe das classesde vendedores. Na sua opinião, se não houver um esforço CDE, mas tambémadicional, uma loja de atacarejo pode ter o sucesso inter- os de alta renda. Bebidas não alcoólicasrompido, caso um concorrente forte apareça na região. O consumidor, porém, não deve ser desprezado. Se-gundo analistas, o atacarejo é hoje o canal com melhorpercepção de preço entre os brasileiros. “Para as pesso- 66% 34%as que se preocupam em economizar na compra, umaloja do formato perto de casa torna-se o destino natu-ral”, analisa o sócio da McKinsey, destacando que es-se comportamento ocorre, inclusive, nas classes A e B. Mercearia Pesquisa da Nielsen confirma. Em 2011, os atacarejosatingiram 1,8 milhão de novos lares. E a maior parte dasvendas é destinada ao cliente final. A categoria que mais 55% 45% Fonte: Nielsense destaca é a de higiene e beleza, com 73% de participa-ção da pessoa física. Mas todas as outras são alvo maior52 SM.com.br | abril 2012
  • formatos de loja ranking Participação no mercado por tipo de loja Supermercados lideram, graças às compras picadas 3,9% atacarejodo interesse do consumidor do que de transformadores Futuro dos hiper hipermercado 22,2%(veja tabela na pág. 52). Isso explica o baixo desempenho Sustentado 73, durante décadasdos hipermercados nos últimos anos, incluindo 2011. pela combinação de preço baixo e 9%Os hiper sofrem cada vez mais com o avanço dos volume de vendas, hoje vantagens do supermercadoatacarejos. Afinal, perderam a imagem de preço baixo e atacarejo, os hiper perdem espaçoviram a fuga do cliente interessado em compras volumo- por mais um ano.sas. “O formato se baseava em preço baixo. Hoje, se man- É cedo, contudo,tiver esse foco perderá para o atacarejo”, diz Kertesz, que para decretar seu fim. O formato Faturamento em 2011não vê boas perspectivas futuras para o formato. Os da- deverá mudar de posicionamento. por tipo de lojados do Ranking confirmam a análise: em 2011, os hiper (em bilhões R$) E ainda existemperderam 4% em produtividade e 6,6% em faturamento. regiões no 8, 8* Quem está em melhor situação são os supermercados. país em que ele faz sentido.Representam 73,9% do faturamento do setor e cresceram Veja o que pensa3% em comparação com 2010. “No Brasil, há supermer- Pão de Açúcar, na matéria Gigantescado em todos os lugares e o formato ocupou o espaçoque, em muitos países, é da loja de conveniência”, ana- atacarejo 50,lisa Ari Kertesz. O sócio da McKinsey acrescenta que oaumento da frequência de compras favorece muito esseformato focado em alimentos. Mesmo assim, ele lembra 5que os supermercados crescem alinhados com a médiado mercado, ao contrário do atacarejo – e também das hipermercadofarmácias e padarias –, cujo avanço é mais expressivo.nesta reportagem você viu: Por que o atacarejo é mais produtivo O que avaliar antes de aderir ao cash & carry 167, 8 supermercado Como foi o desempenho de super e hipermercados Fonte: Ranking de Supermercados SM * Faturamento reflete apenas lojas cobertas pelo banco de dado de SM54 SM.com.br | abril 2012