2ª SessãO  ComentáRio à AnáLise Do Colega Paulo Melo
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

2ª SessãO ComentáRio à AnáLise Do Colega Paulo Melo

on

  • 295 views

 

Statistics

Views

Total Views
295
Slideshare-icon Views on SlideShare
295
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
0
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    2ª SessãO  ComentáRio à AnáLise Do Colega Paulo Melo 2ª SessãO ComentáRio à AnáLise Do Colega Paulo Melo Document Transcript

    • 2ª parte da tarefa: Comentário à análise efectuada pelo colega Paulo Melo ao Modelo de Auto-Avaliação da Biblioteca Escolar Não tendo sido capaz de ler todos os trabalhos, faço uma breve reflexão sobre a sua análise porque partilho das suas angústias e dúvidas, enquanto coordenadora de uma biblioteca de uma Escola Secundária. A sua análise revela a sua apropriação do conceito de auto- avaliação proposto pelo Modelo de Auto-Avaliação da Biblioteca Escolar. Ponto indiscutível e forte: o alerta para o facto desta implementação preconizar uma verdadeira revolução nas rotinas de funcionamento das BEs portuguesas, a todos os níveis. O Paulo alerta para os principais constrangimentos relacionados com a sua aplicabilidade na BE que coordena. Partilho das suas dificuldades em contabilizar o valor educativo da BE; como medir/quantificar a transformação dos recursos das nossas BEs em resultados/produtos? Como avaliar as mais-valias ( os outcomes) proporcionadas pelo trabalho da BE? Chama ainda a nossa atenção para os ambiciosos patamares propostos pelos níveis de desempenho/descritores, sem atender às especificidades dos ciclos de ensino e dos meios onde as BEs estão inseridas. No entanto, sabemos que o modelo não deve ser entendido como uma ameaça, mas como uma oportunidade de estabelecer parcerias entre a prática e a reflexão, ajudando cada BE a encontrar o caminho que deverá seguir, com vista à melhoria do seu desempenho. Continuação de bom trabalho. E força – vai precisar dela para resistir às obras de modernização. Maria Fernanda Sampaio Gonçalves