Inteligência Competitiva
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Like this? Share it with your network

Share

Inteligência Competitiva

on

  • 2,555 views

Apresentação do professor Paletta, retirada do Seminário: Sociedade do conhecimento, promovido pela FAAP e Université Paul-Valery Montpellier III

Apresentação do professor Paletta, retirada do Seminário: Sociedade do conhecimento, promovido pela FAAP e Université Paul-Valery Montpellier III

Statistics

Views

Total Views
2,555
Views on SlideShare
2,555
Embed Views
0

Actions

Likes
2
Downloads
85
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Inteligência Competitiva Presentation Transcript

  • 1. INTELIGÊNCIA COMPETITIVA
  • 2. INTELIGÊNCIA COMPETITIVAProfº Dr. Francisco Carlos Paletta fcpaletta@faap.br
  • 3. “IC ou Inteligência Competitiva é um programa sistemático decoleta e análise da informação sobre atividades dos concorrentese tendências gerais dos negócios, visando atingir as metas daempresa”. Larry Kahaner, membro da SCIPSociety of Competitive Intelligence Professionals www.scip.org
  • 4. Estratégia de Lisboa – Cimeira de Lisboa Em Março de 2000, no Conselho Europeude Lisboa, foi definida uma estratégia paraa EU, elegendo o emprego, as reformaseconômicas e a coesão social como parteintegrantes de uma economia baseadano conhecimento. Com esta estratégia a EU pretendetornar-se na economia de conhecimentomais competitiva e dinâmica do mundo,capaz de gerar um crescimento econômicosustentável, com mais e melhoresempregos e maior coesão social.
  • 5. A Era do Acesso “Na Economia hipercapitalista, comprar e ter propriedades serão coisas do passado. O Acesso just-in-time de bens e serviços é a tendência do futuro.Cada vez mais pagaremos para utilizar coisas em vez de sermos proprietários. O capitalismo está terminando e, no futuro, iremos pagar pelo acesso a bens e serviços, tais como, informações, entretenimento, hardware, eletrônicos, utensílios e tudo o que pudermos imaginar.” Jeremy Rifkin
  • 6. A Economia da TecnologiaA inovação tecnológica constitui uma ferramentaessencial para aumentar a produtividade e acompetitividade das organizações, assim comopara impulsionar o desenvolvimento econômicode regiões e países.O desenvolvimento não deriva de um merocrescimento das atividades econômicas existentes,mas reside fundamentalmente em um processoqualitativo de transformação da estruturaprodutiva no sentido de incorporar novosprodutos e processos e agregar valor à produçãopor meio da intensificação do uso da informaçãoe do conhecimento.
  • 7. Organização para Inovação
  • 8. Organização para InovaçãoUm bom produto, serviço ou processoé apenas uma das variáveis a serconsiderada na formulação de umaestratégia competitiva e as decisõestecnológicas precisam estar em harmoniacom o modelo de negócios adotado pelasempresas.Qual o papel das diferentes fontes de tecnologia para a competitividade empresarial ?Três importantes fatores condicionantes da inovação empresarial: 1. O setor de atividades em que a empresa se insere, 2. Sua localização regional 3. As limitações e oportunidades para Inovação segundo o porte da empresa;
  • 9. Redes de Inovação Processo de inovação organizacional das redes de Inovação Relação entre redes de empresas e competitividade As formas de estruturação das redes segundo modelos de hierarquia e coordenação Mobilidade das empresas da rede Oportunidades criadas pela tecnologia da informação para inovar e desenvolver novas práticas de gestão empresarial
  • 10. Redes de Inovação e Inteligência Competitiva........, sem informações mercadológicas, aumenta o risco na tomada de decisão porparte dos dirigentes de uma organização e aumenta o risco do negócio:lucratividade, custos, mercado, credibilidade, satisfação do usuário....
  • 11. O Brasil no Cenário GlobalA partir do último quarto do século XX, a sustentabilidade do crescimento de umaeconomia tradicionalmente industrializada, expressa pela taxa de aumento do PIB,passou a ser cada vez mais dependente da capacidade do país de desenvolver a suaprópria tecnologia e, assim, competir autonomamente no cenário mundial. Omesmo ocorre nas economias de industrialização mais recente, como os paísesemergentes, entre os quais deveria estar o Brasil.
  • 12. OS DESAFIOS DA INOVAÇÃO
  • 13. MASHUP
  • 14. Gestão Estratégica de Projetos
  • 15. Os Desafios da Inovação Mashup Velocidade Tecnologia Pressão Decisão
  • 16. Competindo em um Cenário Global – Setor AutomotivoProdutividade é a base da sobrevivência das montadoras em todo o mundo.Estudo de Caso : Toyota e Volks Fonte: Revista Veja
  • 17. Competindo em um Cenário GlobalUm estudo recém-concluído pelo Observatório da Inovação da Universidade deSão Paulo (USP) comparou estratégias de sete países - EUA, Canadá, Irlanda,Finlândia, França, Inglaterra e Japão - e constatou que o conhecimento ocupalugar central da produção. A inovação está no centro das estratégias de competição, e os governosfocam a pesquisa, o desenvolvimento e a inovação no âmbito das empresas,buscando elevar a capacitação de seus funcionários.As políticas são direcionadas para proporcionar produtividade e criatividade aoparque industrial aumentando a competitividade do setor produtivo
  • 18. Como Agem a Favor da Inovação : Estados Unidos, Canadá, Irlanda, Finlândia, França, Reino Unido e Japão• O conhecimento ocupa o lugar central da produção e a inovação está no centro das estratégias de competição• Ciência, tecnologia, inovação e educação são peças essenciais em todas as estratégias de desenvolvimento• Os governos focam a pesquisa, o desenvolvimento e a inovação nas empresas e buscam elevar a capacitação de seus funcionários• As universidades são estimuladas a aumentar a cooperação com as empresas, e a atração de estrangeiros é incentivada• Esses países desenvolvem políticas de estímulo à inovação• Foram criadas (ou reorganizadas) novas instituições para implementar, coordenar, monitorar e aperfeiçoar políticas de inovação
  • 19. O que ocorre no Brasil• Política industrial ainda é confundida com políticas de diminuição do custo Brasil• Há dificuldades políticas para priorizar investimentos em áreas de futuro• Número de empresas competitivas e exportadoras é pequeno, e esforço de internacionalização é reduzido• A cultura da inovação ainda é restrita, e falta mais envolvimento do empresariado• Empresários entendem a inovação apenas como investimento em alta tecnologia• Governo tem dificuldade de articular seus órgãos encarregados da política de inovação• As regras para o uso dos incentivos à inovação não são claras e desestimulam os empresários a utilizá-las
  • 20. Primeira Conclusão• Conhecimento: Consideramos o conhecimento como um dos ativos fundamentais de qualquer organização.• Tecnologia: A tecnologia pode ser um aliado fundamental da Inovação.• Empreendedorismo: A área do Empreendedorismo é fundamental para a geração de novas idéias e a sua concretização em novos projetos de valor. "Nada é tão poderoso no mundo como uma idéia cuja oportunidade chegou" Vitor Hugo
  • 21. Inteligência Competitiva
  • 22. Inteligência CompetitivaInteligência Competitiva “Se você conhece o inimigo econhece a si mesmo, não precisatemer o resultado de cem batalhas.Se você se conhece mas nãoconhece o inimigo, para cadavitória ganha sofrerá também umaderrota. Se você não conhece nem oinimigo nem a si mesmo, perderátodas as batalhas,,,” Sun TZU
  • 23. Inteligência CompetitivaLeonard Fuld, define inteligência competitiva,como a informação analisada sobre concorrentesque tem implicações no processo de tomada dedecisão da empresa.Ben Gilard, define inteligência competitiva comoa informação que garante ao tomador dedecisão que a empresa ainda é Competitiva.SCIP – Society of Competitive IntelligenceProfessionals www.scip.org
  • 24. Inteligência Competitiva
  • 25. Conhecimento .......um dos ativos fundamentais de qualquerorganização
  • 26. Conhecimento Explicito Conhecimento explicito é aquele formal, claro,regrado, fácil de ser comunicado. Pode serformalizado em textos, desenhos, diagramas;assim como guardado em bases de dados oupublicações. A palavra explicito vem do latim explicitus quesignifica "formal, explicado, declarado".Geralmente está registrado em artigos, revistas,livros e documentos. Alguns dizem que este tipo de conhecimento éconfundido com a própria informação, na suaforma mais simples.
  • 27. Conhecimento TácitoConhecimento tácito é aquele que oindivíduo adquiriu ao longo davida, que está na cabeça daspessoas. Geralmente é difícil de serformalizado ou explicado a outrapessoa, pois é subjetivo e inerenteas habilidades de uma pessoa. Apalavra tácito vem do latim tacitusque significa "não expresso porpalavras".
  • 28. Inteligência CompetitivaNão existem empresas excelentespara sempre, da mesma maneira quenão há setores excelentes o tempotodo.Inteligência Competitiva é umcomponente crucial da emergenteeconomia do conhecimento.Ao analisar os passos de seusconcorrentes, esta metodologiapermite que empresas antecipemfuturas direções e tendências domercado, ao invés de meramentereagir a elas
  • 29. Dimensões de um Sistema de Inteligência Competitiva
  • 30. Utilizandos as TICs em IC- Business Inteligence
  • 31. Inteligência Competitiva“Inteligencia Competitiva é o processo de obtenção, análise,interpretação e difusão da informação de valor estratégico sobre aorganização e seus competidores, que se transmite aos tomadoresde decisão” Gibbonsy Prescott
  • 32. “No novo contexto mundial definido pela globalização e pela mudança tecnológica, o conhecimento tornou-se na principal riqueza das nações, das empresas e das pessoas,podendo também vir a constituir o principal fator de desigualdade” Estratégia de Lisboa, 2004
  • 33. Sociedade do Conhecimento e Inteligência Competitiva Fonte: Manual de Lisboa
  • 34. Sociedade do Conhecimento e Inteligência Competitiva Fonte: Manual de Lisboa
  • 35. Sociedade do Conhecimento e Inteligência Competitiva Fonte: Manual de Lisboa
  • 36. Sociedade do Conhecimento e Inteligência Competitiva Fonte: Manual de Lisboa
  • 37. Sociedade do Conhecimento e Inteligência Competitiva Fonte: Manual de Lisboa
  • 38. Sociedade do Conhecimento e Inteligência Competitiva Fonte: Manual de Lisboa
  • 39. Inteligência Competitiva e KM
  • 40. Sociedade da Informação e Sociedade do Conhecimento Em 1973, o sociólogo Daniel Bell introduziu a noção da“sociedade de informação” em seu livro “O Advento daSociedade Pós-Industrial ”. Neste livro, ele formula que o eixo principal destasociedade será o conhecimento teórico e adverte que osserviços baseados no conhecimento terão de se converterna estrutura central da nova economia e de umasociedade sustentada na informação. A noção de “sociedade do conhecimento” surgiu nofinal da década de 90. É empregada, particularmente, nosmeios acadêmicos como alternativa que alguns preferemà “sociedade da informação”.
  • 41. “A Sociedade da Informação é a pedra angulardas Sociedades do Conhecimento. O conceito de “sociedade da informação”, está relacionado à idéia da “inovação tecnológica”, enquanto o conceito de “sociedades do conhecimento” inclui uma dimensão de transformação social, cultural, econômica, política e institucional, assim como uma perspectiva mais pluralista e de desenvolvimento. O conceito de “sociedades do conhecimento” é preferível ao da “sociedade da informação” já que expressa melhor a complexidade e o dinamismo das mudanças que estão ocorrendo. (...) oconhecimento em questão não só é importante para o crescimento econômico, mas tambémpara fortalecer e desenvolver todos os setores da sociedade”.
  • 42. Prof. Dr. Francisco Paletta fcpaletta@faap.brINTELIGÊNCIA COMPETITIVA