Foto Cine Clube Bandeirante
                                                                                              ...
Foto Cine Clube Bandeirante
                                                                                              ...
Foto Cine Clube Bandeirante
                                                                                              ...
Foto Cine Clube Bandeirante
                                                                                              ...
Foto Cine Clube Bandeirante
                                                                                              ...
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Fotografia - Parte 2

5,774

Published on

7 Comments
19 Likes
Statistics
Notes
No Downloads
Views
Total Views
5,774
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
0
Comments
7
Likes
19
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Fotografia - Parte 2

  1. 1. Foto Cine Clube Bandeirante Fundado em 1939 OBJETIVAS OBJETIVAS Como pode observar ao lado, uma objetiva é muito mais que um tubo com algumas lentes no interior. É um complexo conjunto de mecanismos móveis, lentes e engrenagens cuidadosamente montados.Podem aproximar ou afastar um objeto, torna-lo maior ou menor, abrir ou fechar ângulos. Zoom 80-200 2.8 ED Possível à partir das monoreflex, o intercâmbio de A presença de elementos de cristal ED objetivas permite uma variedade imensa de e abertura luminosa aumentam a qua- lidade e definição da imagem. possibilidades para criar imagens em diferentes ângulos. Sua luminosidade é definida pela abertura máxima do diafragma, localizado no interior da objetiva. Consiste em um anel de folhas metálicas sobrepostas. Ao rotacionar o anel da lente, as folhas movem-se, permitindo passagem de luz pela lente. girando-o em direções opostas, pode-se aumentar ou diminuir o orifício formado pelas folhas e a Anel de foco Escala de quantidade de luz de acordo com os “pontos” que distância forem alterados no anel, conforme veremos logo após a apresentação dos tipos de objetivas. Comprimento Focal (Apenas em objetivas Zoom) Anel de Escala de Diafragma, permite controlar a quantidade de luz que atravessa a objetiva e a profundidade de campo da imagem. Costuma localizar-se na parte traseira da objetiva. Tipos de Objetivas Grande-Angulares - Abrem o ângulo de visão da câmera, são indicadas para fotografar grupos de pessoas, paisagens, arqui- tetura, fotojornalismo. Possuem grande profundidade de campo (mantém nítidos objetos próximos e distantesao mesmo tempo. Em distâncias focais menores que 24mm, causam fortes distorções arredondando bastante o horizonte. 18mm 24m 35mm Macros são objetivas próprias para fotografar close-ups, objetos pequenos, fotos científicas, insetos, plantas, detalhes, etc. Com ela, aumenta-se o tamanho real dos objetos fotografados.As mais populares são as macro 50mm, 100mm,e 200mm. Em algumas marcas, são chamadas micro. Macro 100mm Objetiva Normal é a lente padrão na maioria das reflex e enxerga de forma similar ao olho humano, sem afastar ou aproximar os objetos (ou sem fechar e abrir ângulos). é referência para identificar as outras objetivas. Recomendada para fotos em geral, pessoas, paisagens e grupos, etc. O corpo de algumas câmeras vêm acompanhado de uma objetiva normal. 50mm 5 Foto Cine Clube Bandeirante - Rua Augusta, 1.108 - São Paulo - SP www.fotoclub.art.br - e-mail: bandeirante@fotoclub.art.br
  2. 2. Foto Cine Clube Bandeirante Fundado em 1939 Tele-objetivas aproximam bastante a imagem, e devido à pouca pro- fundidade de campo, desfocam o fundo, destacando facilmente o as- sunto principal. São excelentes para destacar detalhes de cenas, rostos, natureza. As teles longas, 300mm mais ou menos, são muito utilizadas em fotografia esportiva. 500mm 2.8 180mm 105mm 85mm 300mm 2.8 As ZOOM são lentes de distância focal variável, ou seja, elas podem focalizar um objeto ou pessoa em várias distâncias diferentes. São ótimas para fotos de pessoas, reportagem social, jormalismo, closes, efeitos, etc. Podem ser grandes angulares ( 28-35mm ) teles (80-200mm) ou ainda superzooms,que englobam desde uma grande angular até uma tele: 24-120mm ou 35-350mm. Devido ao grande número de elementos internos, costumam ser menos luminosas que as 28-200mm - 3.5 objetivas fixas. 28-70mm 2.8 80-200mm ED - 2.8 70-200mm - 2.8 Existem algumas objetivas específicas para efeitos ou para fins profissionais, como as olho de peixe que arredondam o horizonte, as objetivas PC, que corrigem a perspectiva em arquitetura, ou ainda objetivas exclusivas para medicina ou para fins científicos. Objetivas Olho de Peixe Embora não sejam propriamente objetivas, os teleconverters são extensões que permitem transformar uma tele 200mm em 400mm, por exemplo. São colocadas entre o corpo da câmera e a objetiva, e multiplicam a distância focal da objetiva. Eles podem multiplicar a objetiva por 1.4, 1.7 ou 2.0. Evidentemente, quando se utiliza esse recurso, a objetiva perde um ou dois pontos de luz em sua abertura, já que a luz Teleconverters percorre um caminho maior até atingir o filme. 6 Foto Cine Clube Bandeirante - Rua Augusta, 1.108 - São Paulo - SP www.fotoclub.art.br - e-mail: bandeirante@fotoclub.art.br
  3. 3. Foto Cine Clube Bandeirante Fundado em 1939 O que você vê através de sua objetiva... 24mm 35mm 105mm 50mm 180mm 180mm Observe como as diferentes objetivas permitem modificar o ângulo de visão e aproximação da imagem que será registrada na fotografia. As grande- angulares (24 e 35mm) afastam a imagem e abrem o ângulo, além de manter toda a imagem focada. As tele-objetivas aproximam o objeto focado e fecham o ângulo de visão, e tem pouca profundidade de campo . A macro, usada para close de objetos pequenos. 105 mm Luis Vaccari -Acervo FCCB MACRO 100mm 80-200mm Carlos Asborno - Acervo FCCB 7 Foto Cine Clube Bandeirante - Rua Augusta, 1.108 - São Paulo - SP www.fotoclub.art.br - e-mail: bandeirante@fotoclub.art.br
  4. 4. Foto Cine Clube Bandeirante Fundado em 1939 Quando fotografamos, devemos levar em conta a Regulagem da exposição, que determina a quantidade de luz que incidirá sobre o filme. Ela é feita com a regulagem da Abertura do Diafragma e da Velocidade do Obturador, medida em frações de segundo e controlados por um cronômetro de alta precisão. Abertura do Diafragma Para usar o diafragma, oriente-se pelos números “f”: f/22, f/16, f/11, f/8, f/5.6, f/4, f/2, f/1.4, etc. Quanto maior o número “f”, menor a abertura, e menos luz entra na objetiva. Cada número da escala permite entrar o dobre de luz do número anterior. Por exemplo, pela abertura F/16 entra o dobro de luz que entraria na abertura f/22. Ou, o inverso: na abertura f/8, por exemplo, entra a metade da luz que na abertura f/5.6. 2.8 4 5.6 8 11 16 22 O anel de abertura do diafragma está na base da objetiva. (Veja Objetivas) Modificar a abertura do diafragma não altera apenas a quantidade de luz. À medida que a abertura diminui, mais nítida se torna a parte de tras e da frente de uma cena. Quando abrimos o diafragma, diminuimos a área do foco, efeito que pode ser utilizado, com alguma habilidade para enfatizar determinados detalhes de uma fotografia. f: 2.8 f: 16 Velocidade do Obturador 1s. 2 4 8 15 30 60 125 250 500 1000 2000 Botão de Seleção Velocidades Baixas Velocidades Altas Velocidade do Obturador Velocidades Baixas Velocidades Altas Aberturas Menores Aberturas Maiores Maior Profundidade de Campo Menor Profundidade de Campo A maioria das pessoas consegue tirar fotos até a velocidade 1/30 sem tremer. velocidades inferiores exigem o apoio de tripés. Algumas câmeras funcionam com velocidades muito altas, de até`1/16.000, capazes de congelar movimentos muito rápidos, como a hélice de um avião ou as asas de um beija-flor em pleno vôo. Mas lembre-se de que o “click” mais rápido faz entrar menos luz na câmera, e esta terá de ser compensada por maior abertura do diafragma, que por sua vez diminui a profundidade de campo da imagem.. Velocidades lentas farão entrar mais luz (O obturador fica mais tempo aberto, expondo o filme à luz por mais tempo) exigirão fechar o diafragma. As velocidades lentas aumentarão a profundidade de campo de sua imagem. O cálculo para a regulagem da exposição é denominado fotometria. 8 Foto Cine Clube Bandeirante - Rua Augusta, 1.108 - São Paulo - SP www.fotoclub.art.br e-mail: bandeirante@fotoclub.art.br
  5. 5. Foto Cine Clube Bandeirante Fundado em 1939 FOTÔMETRO Os fotômetros podem ser embutidos na câmera ou manuais, e são fundamentais na operação de uma câmera fotográfica. Funcionam de maneiras diferentes, e têm diferentes maneiras de mostrar as medições, dependendo da câmera, mas devem sempre medir a luz com precisão para garantir o resultado correto da exposição das suas imagens. Para medir com precisão, é importante regular a câmera para a sensibilidade de filmes que estiver usando (veja Filmes), para evitar superexposição ou subexposição. Tipos de Fotômetros Normal Superexposto Subexposição + + + - + - - - Os sinais de mais ou de menos Outras mostram uma série indicam excesso ou falta de luz. Algumas câmeras medem a luz usando uma de leds agulha para exibir o resultado. O led Verde se ilumina com a exposição correta. Os fotômetros podem medir a área da imagem, separando-a em partes e tirando a média da luz que chega à objetiva (medição matricial), podem selecionar uma área de foco e medir aquela área específica determinada pelo fotógrafo (medição pontual) ou pode medir uma área no centro do visor (Medição centralizada) limitada à alguns milímetros. Algumas câmeras permitem escolher entre os três modos de medição. Para medições mais precisas, ou trabalhos em estúdio, utiliza-se o fotômetro de mão, também conhecido como flashmeter ou exposímetro. Fotômetro Manual Os profissionais preferem utilizar os fotômetros de mão, porque permitem um controle mais preciso da exposição. Também conhecido como exposímetro ou flashmeter, eles podem ser usados de duas formas: Luz Incidente, medindo a luz que incide sobre o tema a ser fotografado, e Luz Refletida, medindo da posição da câmera, a luz refletida pelo tema. Os fotômetros internos das câmeras fotograficas medem a luz refletida. Tal tipo de medição funciona melhor com temas em que os tons escuros e claros estiverem mais ou menos na mesma proporção. Quando existe uma predominância de um tom claro ou escuro na cena, a medição pela luz incidente obterá melhores resultados. Com os fotômetros de mão também é possível realizar várias Fotômetros ou flashmeters medições de uma única cena e tirar a média da cena inteira. No estúdio, onde se utilizam conjuntos de flashs de grande potência, torna-se impossível usar o fotômetro da câmera fotográfica. O cabo de sincronismo deve ser conectado ao fotômetro de mão, e este dispara os flashs e realiza a medição da luz. É importante que o fotômetro esteja regulado com a velocidade de sincronização de flash da câmera, indicado no botão de seleção de velocidade do boturador (geralmente é o número em cor diferente), e também com a sensibilidade do filme que estiver utilizando. . Depois de realizar a medição, o cabo de sincronismo pode ser desconectado do fotômetro e conectado ao terminal no corpo da câmera. Ajusta-se a abertura do diafragma correspondente à medição do fotômetro e basta tirar a foto. 9 Foto Cine Clube BANDEIRANTE - Rua Augusta, 1.108 - São Paulo - SP www.fotoclub.art.br e-mail: bandeirante@fotoclub.art.br

×