Your SlideShare is downloading. ×
O crowdsourcing a frente da mídia colaborativa e democrática uma perspectiva cidadã para a web 2.0
O crowdsourcing a frente da mídia colaborativa e democrática uma perspectiva cidadã para a web 2.0
O crowdsourcing a frente da mídia colaborativa e democrática uma perspectiva cidadã para a web 2.0
O crowdsourcing a frente da mídia colaborativa e democrática uma perspectiva cidadã para a web 2.0
O crowdsourcing a frente da mídia colaborativa e democrática uma perspectiva cidadã para a web 2.0
O crowdsourcing a frente da mídia colaborativa e democrática uma perspectiva cidadã para a web 2.0
O crowdsourcing a frente da mídia colaborativa e democrática uma perspectiva cidadã para a web 2.0
O crowdsourcing a frente da mídia colaborativa e democrática uma perspectiva cidadã para a web 2.0
O crowdsourcing a frente da mídia colaborativa e democrática uma perspectiva cidadã para a web 2.0
O crowdsourcing a frente da mídia colaborativa e democrática uma perspectiva cidadã para a web 2.0
O crowdsourcing a frente da mídia colaborativa e democrática uma perspectiva cidadã para a web 2.0
O crowdsourcing a frente da mídia colaborativa e democrática uma perspectiva cidadã para a web 2.0
O crowdsourcing a frente da mídia colaborativa e democrática uma perspectiva cidadã para a web 2.0
O crowdsourcing a frente da mídia colaborativa e democrática uma perspectiva cidadã para a web 2.0
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

O crowdsourcing a frente da mídia colaborativa e democrática uma perspectiva cidadã para a web 2.0

780

Published on

Published in: Technology
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
780
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
8
Actions
Shares
0
Downloads
21
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. O crowdsourcing a frente da mídia colaborativa e democrática: uma perspectiva cidadã para a Web 2.0 Vivian OLIVEIRA1 , Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) Produção colaborativa e compartilhada é uma das grandes contribuições trazidas pelas Tecnologias da Informação e da Comunicação (TIC´s) no âmbito da economia global. As plataformas digitais possibilitaram a formação de redes de conhecimento que se formam em torno de interesses e objetivos em comum. O crowdsourcing é um modelo de criação coletiva e em massa, cuja essência é a cooperação entre os participantes. Trata-se de uma forma de utilizar a mídia eletrônica para democratizar o conhecimento. Em sua tradução literal, crowdsourcing significa fonte de informações de uma multidão. Nesta perspectiva, cada membro desta “multidão” tem a prerrogativa e o dever de corrigir e contribuir para a elaboração de um determinado projeto. A vantagem deste modelo de criação é sua acessibilidade econômica e infraestrutural. Isso representa uma possibilidade democrática de elaborar e difundir informações. O crowdsourcing pode ser muito útil para desenvolver redes de educação e pesquisa, aproximando pessoas focadas em tornar públicos conhecimentos que antes eram aprisionados por incapacidade de difusão em grande escala. Em 2010 a comunidade médica de Harvard criou um projeto baseado no crowdsourcing para mobilizar pesquisadores a desenvolverem soluções para o diabetes tipo 1, por exemplo. No Brasil, existem exemplos de crowdsourcing que revelam o quanto a mídia eletrônica é capaz de estimular a webcidadania, mobilizando e aguçando o espírito crítico de pessoas que decidem se unir por uma causa por meio da internet. O Cidade Democrática (http://www.cidadedemocratica.org.br/) , como diz sua própria página inicial, é “uma plataforma de participação política, onde cidadãos e entidades podem se expressar, se comunicar e gerar mobilização para a construção de uma sociedade cada vez melhor”. Já a Webcitizen (http://www.webcitizen.com.br/) é uma rede “que propõe estimular o engajamento cívico e aproximar os cidadãos entre si, de seus governos e da iniciativa privada. Usando como foco o emprego de tecnologias digitais”. O crowdsourcing também proporciona o empreendedorismo social, uma vez que várias plataformas abrem espaço para que cidadãos proponham um projeto e angariem patrocinadores que se disponham financiar a ideia. Em outra perspectiva, algumas empresas privadas usam o crowdsourcing para criar produtos com co-participação de seus próprios clientes. Este projeto abordará como o modelo de colaboração em massa na web estimula a cidadania em diversos aspectos. Palavras-chave: crowdsourcing ; mídia; webcidadania; democracia; colaboração 1 Mestranda em Jornalismo pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e Bacharel em Comunicação Social (habilitação em Jornalismo) pela Universidade de Brasília (UnB). Cursando MBA em Gestão Pública e Empresarial pela Universidade Tuiuti do Paraná. Endereço eletrônico: vivianunb@gmail.com
  • 2. 1 Entendendo o que é Crowdsourcing O termo norte-americano crowdsourcing não possui tradução literal de claro entendimento para o português, mas um de seus conceitos mais didáticos é representado pela expressão “colaboração em massa”. A elaboração do conceito nasceu dentro do ciberespaço, de modo que o fenômeno é nativo da web 2.0 e está em associação com a ideia de software livre e/ou open source (código aberto). Estellés e González (2012) definem o crowdsourcing como: um tipo de atividade on-line participativa em que um indivíduo, uma instituição, uma organização sem fins lucrativos, ou a empresa propõe a um grupo de indivíduos de diferentes conhecimentos, heterogeneidade e número, através de uma chamada flexível e aberta, o compromisso voluntário de uma tarefa. O compromisso da tarefa, de complexidade e modularidade variável, e em que a multidão deve participar trazendo o seu trabalho, dinheiro, conhecimento e / ou experiência, sempre implica benefício mútuo. O usuário receberá a satisfação de um determinado tipo de precisão, seja econômica, reconhecimento social, auto-estima, ou o desenvolvimento de habilidades individuais, enquanto o crowdsourcer irá obter e utilizar a vantagem sobre o que usuário tenha trazido para o empreendimento, cuja forma dependerá do tipo de atividade desenvolvida (ESTELLÉS, A.; GONZÁLES, E., 2012) Ao pé da letra, crowd significa multidão; e sourc(e)ing significa fonte. A palavra foi registrada pela primeira vez pelos jornalistas Jeff Howe e Mark Robinson em junho de 2006, no artigo The Rised Of Crowdsourcing publicado na revista Wired Magazine2 , para designar um modelo de produção baseado no conhecimento, inteligência e inovação tecnológica. A construção do termo é uma apropriação adaptada de outro termo situado na mesma família conceitual, o outsourcing, que se refere a empresas que abrem suas portas e vão buscar soluções de seus problemas internos fora de suas dependências, numa espécie de terceirização de soluções. Em linhas gerais, Howe (2006) se empenhou em defender a ideia de que, na internet, a junção colaborativa de um grande número de pessoas não especializadas em um determinado assunto poderia ser altamente eficaz para a produção de ideias e projetos acerca deste mesmo assunto. A visão do autor tem um enfoque 2 Wired Magazine é uma revista publicada desde 1993 nos Estados Unidos voltada para as transformações tecnológicas e seu reflexo na sociedade e economia.
  • 3. empreendedor, pois descreve o fenômeno segundo a perspectiva de modelo de negócio em que uma empresa propõe um desafio e abre o chamado para que o público ofereça soluções, de modo que as melhores ideias sejam recompensadas e utilizadas. Como comprovação de sua teoria, Howe descreve vários cases bem sucedidos que já estavam sendo consolidados na época, como o iStockphoto3 (uma rede de fotógrafos amadores que comercializam suas fotos) e o InnoCentive4 (uma rede de cientistas que ajudam a resolver problemas de pesquisa e desenvolvimento para empresas, e recebem por isso). Nesse sentido, uma multidão de “profissionais amadores” atuando em rede seria mais produtiva do que um pequeno grupo de especialistas agindo de modo concentrado . O crowdsourcing destaca a inteligência coletiva e criativa que valoriza as habilidades e capacidades do cidadão independentemente de sua formação acadêmica. Registra Howe em sua página eletrônica: “Crowdsourcing is the act of taking a job traditionally performed by a designated agent (usually an employee) and outsourcing it to an undefined, generally large group of people in the form of an open call” (disponível em http://www.crowdsourcing.com/). Grandes corporações passaram a reconhecer no crowdsourcing uma oportunidade de angariar talentos e identificar soluções criativas para seus gargalos de forma sustentável. IBM, Nokia, Tecnisa e 3M foram algumas das empresas emblemáticas que apresentam históricos de sucesso por meio do crowdsourcing. Companhias globais como Wikipedia, Amazon, Skype e Google provaram que o modelo era eficiente. Aos poucos, os principais especialistas de gestão empresarial passaram a defender que este modelo de produção coletiva e voluntária por meio da internet figuraria entre as tendências do mundo organizacional na era tecnológica. Em 2007 Tapscott & William aprofundaram o tema e criaram o neologismo wikinomics (wiki se refere ao software ou pagina que permite a edição por várias pessoas) para designar aquilo que eles acreditavam ser um novo estágio da Revolução 3 http://www.istockphoto.com 4 http://www.innocentive.com
  • 4. da Informação. Nesse estágio as estruturas de hierarquização nas empresas estavam sendo remodeladas, de modo que transformações profundas na tecnologia, na economia e na sociedade culminavam em um novo modelo de produção que evidenciava a importância da colaboração, da abertura, da ação global e do compartilhamento na instância operacional das empresas. Tapscott & William (2007) usam a expressão peering para definir uma nova maneira de produzir bens e serviços por meio da colaboração em massa. Esses quatro princípios – abertura, peering, compartilhamento e ação global – definem como as empresas do século XXI competem. Elas são muito diferentes das multinacionais hierárquicas, fechadas, cheias de segredos e isoladas que dominaram o século anterior. (TAPSCOTT, Don & WILLIAMS, Anthony, 2007, p.43) Tapscoot & William (2007) definem quatro formas de colaboração: Peering (produção de bens e serviços que utiliza a força da colaboração em massa); Ideágoras: (utilização de mercados globais para achar mentes singularmente qualificadas para descobrir e desenvolver novos produtos e serviços); Prosumers (modelo no qual os clientes participam da criação de produtos de maneira ativa e contínua); e Novos Alexandrinos (armazenamento de infinitas publicações científicas de acesso aberto). A inspiração “wiki” se reflete em diversos espaços virtuais construídos coletivamente, como as populares redes sociais: blogs, fotologs, videologs, entre outras. Um dos exemplos mais paradigmáticos de uso do conhecimento coletivo é a enciclopédia virtual Wikipédia. Como a própria obra digital se auto define: “é um projeto de enciclopédia multilíngue livre, baseado na web, colaborativo e apoiado pela organização sem fins lucrativos Wikimedia Foundation”. As pesquisas de audiência da web ratificam que a colaboração em massa na internet está presente nos sites mais populares da rede, como Facebook5 , Youtube6 e Twitter7 . O conhecido Youtube é um site onde o usuário pode carregar e compartilhar vídeos. O material armazenado pode ser compartilhado em outras redes sociais. O 5 http://www.facebook.com/ 6 https://www.youtube.com/ 7 http://www.twitter.com/
  • 5. Twitter é um microblog que permite aos usuários enviarem atualizações pessoais com até 140 caracteres. A ideia de participação em rede por meio das novas tecnologias da informação e da comunicação (TIC´s) já havia sido consagrada por Castells (1999) na teoria da “sociedade em rede”. Segundo Castells (1999), o advento da revolução tecnológica centrada nas tecnologias da comunicação multiplicou e expandiu as direções dos fluxos de informação, oferecendo condições para a consolidação de uma rede globalizada de informações. Antes ainda, Levi (1993) já falava de uma cooperação social em rede compreendida como uma “inteligência coletiva”. Precisamente, o ideal mobilizador da informática não é mais a inteligência artificial, mas sim a inteligência coletiva, a saber, a valorização, a utilização otimizada e a criação de sinergia entre as competências, as imaginações e as energias intelectuais, qualquer que seja sua diversidade qualitativa e onde quer que se situe. (Levy, 1999. p.167). 2 Do Crowdsourcing à webcidadania Inicialmente desenvolvido no âmbito dos negócios corporativos e do empreendedorismo, a colaboração em massa se estendeu para o campo da mobilização e participação social em assuntos de interesse público. Se as pessoas se uniam para solucionar desafios lançados pela iniciativa privada, em um novo momento, grupos passaram a se articular em prol de temas administrativos de ordem pública. Política, problemas urbanos, investimento cultural e cidadania passaram a ser debatidos em espaços de co-participação na internet. A esse fenômeno que propicia ao cidadão uma experiência de cidadania pela web deu-se o nome de webcidadania. Webcidadania é o termo usado para explicar o fenômeno da utilização de ferramentas online para promover o engajamento do cidadão em uma ação de interesse público. Em outras e mais sucintas palavras: é a internet a serviço da sociedade. O movimento de crescimento da webcidadania evidenciou o aumento da participação e o posicionamento popular dentro do ciberespaço, mas voltado para a administração pública. A partir dessa ideia foram criados projetos que utilizam a internet para engajar pessoas.
  • 6. Ao desenvolver um projeto de cidadania na web, seus criadores devem se preocupar em construir uma identidade pública na internet, marcando cada um dos perfis na rede com o seu “DNA Cidadão”. Posteriormente vem a preocupação em comunicar a “Presença na Web” para amigos e parceiros mais próximos como forma de validar seu código genético. Finalmente, o idealizador do projeto tem a função de relacionar os programas ou ações específicas que estão sendo executados pelo grupo e relacioná-los ao “DNA”. Na outra ponta da rede, para participar de um projeto de cidadania na internet, o usuário passa por três etapas: cadastro/criação de perfil; preenchimento de murais do grupo e fóruns; e compartilhamento dos conteúdos nas redes sociais. São estas passagens que permitem a circulação de ideias e a comunicação de soluções e projetos complementares a cerca dos problemas discutes pelos projetos virtuais de webcidadania. A webcidadania defende a transformação social por meio de algumas etapas seqüenciais e interdependentes: formulação (de soluções); mobilização e articulação; diálogo e comunicação; monitoramento; transparência; fiscalização; e controle. Figura 1 – Fluxo de Ações na Webcidadania Fonte: Fundação AVINA. Webciddania @ Avina: Uso das Mídias Sociais a favor de causas. Disponível em: http://www.slideshare.net/PlinioMKT/objetivo-7533343. Consultado em 7 set. 2012.
  • 7. O marco de identificação da força da internet diante de acontecimentos públicos foram as eleições presidenciais ocorridas nos Estados Unidos da América em 2008. Este evento representou um dos grandes acontecimentos políticos em que a internet foi reconhecida como um legítimo campo de produção e articulação de ideias políticas concretas, capaz de influenciar decisões e ultrapassar os limites virtuais. Os primeiros sites a ter impacto na participação das pessoas na vida pública surgiram nos Estados Unidos e na Inglaterra na segunda metade dos anos 90. Mas foi com a campanha presidencial de Barack Obama, em 2008, que internet e política se aproximaram. Obama contratou Chris Hughes, um dos fundadores do Facebook, para integrar sua campanha online ainda nas primeiras fases da disputa. Ganhou uma rede social própria — o My.BarackObama.com reuniu as pessoas que ajudariam a eleger o novo presidente americano. (Revista Galileu, 2011, online) No Brasil, são justamente os sites de acompanhamento de acontecimentos políticos e conduta parlamentar que ganharam maior destaque e culminaram em páginas virtuais bem estruturadas, com maior recrutamento de voluntários. A webcidadania ganhou espaço nas Eleições 2010, quando diversos projetos como o Eleitor 2010, Eu lembro, e Vote na Web conquistaram destaque na grande mídia. Já existe um site no país destinado a identificar e divulgar as principais iniciativas de webcidadania. Um dos projetos mais emblemáticos na área é o portal Cidade Democrática8 . Trata-se de “uma plataforma de participação política, onde cidadãos e entidades podem se expressar, se comunicar e gerar mobilização para a construção de uma sociedade cada vez melhor”. O projeto foi criado em 2009 pela organização Enzima e abriu espaço para que os usuários criassem perfis e divulgam ideias sobre o que esperam das cidades onde vivem. Os cadastrados podem denunciar problemas, lançar soluções ou, simplesmente, manifestar suas opiniões. Outros usuários podem comentar essas ações e gerar a interação que culmina em propostas concretas. 8 http://www.cidadedemocratica.org.br/
  • 8. Figura 2 – Cidade Democrática Fonte: Home do site http://www.cidadedemocratica.org.br/ O Cidade Democrática procura definir e orientar uma conduta webcidadã a fim de tornar seus usuários mais ambientados com o sistema. É interessante notar que a conduta webcidadã vai além das ações dentro do espaço virtual, pois é impulsionada pelo diálogo e pela interação de seus adeptos com a sociedade civil e as instituições públicas e privadas interessadas na resolução dos problemas debatidos. O resultado dessa dinâmica é a produção de soluções concretas, como leis e projetos governamentais inspirados nas ideias surgidas dentro da página eletrônica. Figura 3 – Ações do webcidadão Fonte: Home do site http://www.cidadedemocratica.org.br/
  • 9. Outro exemplo conhecido na web é o Urbanias9 : “um portal de cidade e cidadania na Internet”. Diz o perfil do site: A nossa proposta é impulsionar o ativismo, provendo mecanismos e ferramentas que facilitam e estimulam o empreendedorismo individual e a melhoria de todos os aspectos relacionados à qualidade de vida na cidade: rotinas dos moradores, trânsito, problemas nos bairros, meio ambiente e vida política, entre outros. Neste espaço público–virtual–real, cidadãos, ONGs, associações, meios acadêmicos, empresas e governo se encontram e se deparam com temas e questões relevantes para reflexão, debate e tomada de decisão coletiva, com o objetivo de encaminhar deliberações ou propostas aos órgãos competentes. (Site Urbanias, online) São muitos os exemplos que podem ser relacionados quanto ao uso da webcidadania como catalisadora de mudanças sociais: O projeto Excelências10 , da Transparência Brasil, agrupa o maior banco de dados sobre parlamentares em exercício no Brasil, nos três níveis de governo (União, Estados e municípios). Já o projeto Vote na Web11 auxilia o usuário a monitorar projetos de lei em tramitação no Congresso Nacional. “O site resume propostas complexas em poucas linhas, com ênfase nos aspectos que interferem na vida das pessoas. Mediante rápido cadastro, o usuário também pode ´votar´ nas propostas e acompanhar o mapa das opiniões dos internautas” explica o jornalista Thiago Guimarães (2010) em notícia publicada pelo site G1. Figura 4 – Portal Webcidadania Fonte: Home do site http://webcidadania.org.br/ 9 http://www.urbanias.com.br/ 10 http://www.excelencias.org.br/ 11 http://www.votenaweb.com.br/
  • 10. O portal Webcidadania já relacionou mais de vinte projetos no Brasil, entre eles: Transparência Hack Day, Congresso em Foco, Criticar Belo Horizonte, Ficha Limpa e Movimento Boa Praça. O Ficha Limpa é uma iniciativa da Articulação Brasileira contra a Corrupção e a Impunidade (ABRACCI) para monitorar o cumprimento da Lei Ficha Limpa, uma legislação brasileira originada de um projeto de lei de iniciativa popular que reuniu cerca de 1,3 milhões de assinaturas. A lei torna inelegível por oito anos o candidato que tiver o mandato cassado, renunciar para evitar a cassação ou for condenado por decisão de órgão colegiado (com mais de um juiz), mesmo que ainda exista a possibilidade de recursos. Figura 5 – Portal Ficha Limpa Fonte: http://fichalimpa.org.br/ Catarse: crowdsourcing e webcidadania em hibridismo A junção do corwdsourcing com a webcidadania costuma resultar numa ação de empreendedorismo social na internet. Um exemplo de projeto que mescla de forma interessante o crowdsourcing e a webcidadania é o Catarse12 . É definido como uma plataforma de financiamento coletivo de projetos artísticos e culturais. Estes projetos geralmente estão associados a causas sociais (embora isso não seja uma regra). Os temas das ideias são diversificados: Artes Plásticas, Circo, Dança, Filmes, Fotografia, Música, Teatro, etc. – e também para projetos criativos que surjam em campos como 12 http://catarse.me/pt
  • 11. Alimentação, Design, Moda, Tecnologia, Jogos, Quadrinhos, Jornalismo, entre vários outros. Desafios Embora seja uma ideia em ascensão e potencial recrutadora de adeptos, a webcidadania apresenta alguns desafios a serem debatidos em maior profundidade. O primeiro deles diz respeito justamente ao número de usuários envolvidos nos projetos. Por tratar-se de plataformas que dependem da ação voluntária, muitas vezes estes projetos sofrem de desatualização e instabilidade de audiência. Alguns sites que se dedicam à cobertura política tendem a ser visualizados em eventos marcantes, como eleições ou votação de projetos de lei de grande repercussão. Outra questão que merece reflexão é a real eficácia da mobilização nos espaços virtuais. Alguns autores defendem que o comportamento político e ideológico na internet ainda é incipiente e carece de mecanismos mais concretos de ação. Ainda não se sabe o quanto a webcidadania é capaz de romper as fronteiras do ciberespaço e atingir as instâncias legais de transformação social. Conclusão Os recursos proporcionados pela internet e pelas tecnologias da comunicação reorganizaram as estruturas de hierarquização das comunidades organizacionais. A sociedade passou a conviver com os modelos horizontas de relacionamento, os quais propiciaram fluxos de informação multidirecionais. Neste contexto a colaboração em massa encontrou um terreno fértil para se difundir. A princípio, o fenômeno do crowdsourcing veio atender a uma demanda de grandes corporações empresariais, mas, posteriormente, se alastrou entre os pequenos e médio empreendedores até chegar ao contexto das iniciativas públicas. Essa passagem originou a ideia de webcidadania, que hoje representa um dos movimentos mais promissores da ação cidadã na internet.
  • 12. O engajamento e a eficiência ainda são pontos a serem refletidos na análise do crowdsourcing em consonância com a webcidadania. Como os projetos envolvem ação voluntária, por vezes sofrem dos males da sazonalidade dos temas em questão. Além disso, ainda não se sabe ao certo até que ponto as pessoas conseguem transferir de modo eficiente as causas defendidas no espaço virtual para os mecanismos legais e concretos de reivindicação. Ainda assim, é certo que o mundo está diante de uma possibilidade real de utilização da mídia eletrônica para o exercício legítimo da cidadania.
  • 13. Bibliografia DE ANGELI, Rafael; MALINI, Fábio. Crowdsourcing e colaboração na internet: breve introdução e alguns cases. In: XVI Congresso de Ciências da Comunicação na Região Sudeste , São Paulo , 12-14 de maio de 2011. BITTENCOURT, Luís; MENDES, Reinaldo. Colaboração em Massa (Crowdsourcing) na Comunicação Corporativa. Disponível em <http://www.bocc.ubi.pt/pag/bittencourt-filho-colaboracao-em-massa- crowdsourcing.pdf>. Consultado em 1 de setembro de 2012. CASTELLS, Manuel. A sociedade em Rede – a era da informação: economia, sociedade e cultura – Volume 1. São Paulo: Paz & Terra, 2002. ESTELLÉS, A.; GONZÁLES, E. Ladrón-de-Guevara, F. Towards an integrated crowdsourcing definition. Journal of Information Science. 2012. HOWE, Jeff. (2008), O Poder das Multidões - Por que a força da coletividade está remodelando o futuro dos negócios, Rio de Janeiro: Campus/Elsevier. HOWE, Jeff. “The Rise of Crowdsourcing”, disponível em http://www.wired.com/wired/ archive/14.06/crowds_pr.html>. Consultado em 2 de setembro de 2012. LEVY, Pierre. Cibercultura. São Paulo: editora 34, 1999. MARQUES, Luciana. STF chancela Lei da Ficha Limpa, que valerá em 2012. Revista Veja. 16 fev de 2012. SCHLEGEL, Rogerio. Você pode ajudar a governar de casa. Revista Galileu. Disponível em http://revistagalileu.globo.com/Revista/Common/0,,ERT173769- 17773,00.html. Consultado em 2 set 2012. TAPSCOTT, Don & WILLIAMS, Anthony. Wikinomics: como a colaboração em massa pode mudar o seu negócio, Rio de Janeiro: Nova Fronteira. 2007 Internet: http://webcidadania.org.br/ http://www.cidadedemocratica.org.br/ http://fichalimpa.org.br/ http://www.urbanias.com.br/
  • 14. http://catarse.me/pt http://www.crowdsourcing.com/

×