Desigualdades sociais e políticas públicas trabalho grupo - apresentação 1

  • 614 views
Uploaded on

 

  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
  • Parabéns Fernanda e continuação de bom trabalho!
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
614
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0

Actions

Shares
Downloads
5
Comments
1
Likes
0

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. Universidade do MinhoInstituto de Ciências Sociais Negociando velhas e novas masculinidades Parte II: A conciliação entre a vida profissional e familiar em casais com filhos: Perspectivas masculinas: ESTUDOS 6 Coordenação Karin Wall Sofia Aboim Vanessa Cunha Trabalho de Grupo: A66026 - Mª do Carmo Azevedo A66022 - Mª Fernanda Delgado 1
  • 2. A conciliação entre a vida profissional e familiarem casais com filhos: perspectivas masculinaso Objetivo da investigação: o Perceber a articulação entre a vida profissional e a vida familiar de homens a viver em famílias simples e casais com filhos; 2
  • 3. A vida familiar e profissional sofreram, ao longo dasúltimas décadas, profundas alterações na articulaçãodestas duas esferas. 3
  • 4. Factores que contribuíram para a mudançao Aumento da participação feminina no mercado de trabalhoo Rejeição de um modelo de família assente no modelo provedor masculinoo Flexibilidade e intensificação dos tempos de trabalhoo Persistente desigualdade de género face ao emprego e ao trabalho doméstico. 4
  • 5. Conciliação do trabalho, da família e da vidapessoalo Os primeiros trabalhos que começaram a analisar de forma articulada as problemáticas da família e do trabalho datam já do final dos anos 60;o Rapoport e Rapoport (1971) identificaram o padrão de famílias de dupla carreira, em que os dois membros do casal têm uma vida profissional, e exploraram os problemas com que estes casais se defrontam no seu dia-a-dia. 5
  • 6. As relações entre família e trabalhoo Adquiriram grande destaque no domínio da sociologia da família e das relações de géneroo São divididas em quatro grandes subgrupos: o Sociologia da divisão familiar do trabalho pago e não pago; o Sociologia do conflito e do stress na relação família-trabalho, o Sociologia da prestação de cuidados a pessoas dependentes; o Sociologia das políticas públicas 6
  • 7. Trabalho pago e não pagoo Existe uma tensão entre novas e velhas orientações relativamente ao papel do homem na divisão conjugal do trabalho,o Rejeita-se a figura de homem ganha-pão, enquanto único provedor e chefe de família;o Todavia eles assumem-se como o pilar económico da família ( o homem não deve deixar de trabalhar)o Em todas as pesquisas efectuadas o meio social de pertença e o nível de formação da mulher influencia a reivindicação da igualdade na partilha das tarefas; 7
  • 8. Os efeitos dos diferentes padrões de conciliaçãoda vida profissional/familiar no casalo O tipo de profissão, o número de horas de trabalho, o género, a presença de crianças pequenas, entre outros factores aparecem associados ao stress trabalho- família; 8
  • 9. Assim...o Actividades de maior exigência podem gerar dificuldades no desempenho de tarefas domésticas;o Longos horário podem ser geradores de grandes conflitos;o As mulheres na sociedade portuguesa apresentam um nível de stress significativamente mais elevado.o São as mulheres que no total acumulam mais horas de trabalho pago e não pago. 9
  • 10. Ao nível da prestação de cuidados aos filhos;o Quem faz o quê e como se organizam nos cuidados às crianças ? • As famílias delegam a guarda da criança durante longas horas a instituições formais, ou aos avós; • É a mãe que apresenta uma maior percentagem na redução ou adaptação de horário para cuidar da crianças; • Só em raros casos são os homens a ajustam seu horário ao das crianças; 10
  • 11. Francisco, adepto da partilha de tarefas afirma queo lugar dos homens na família está a mudar, mas diztambém:“(...) eu ainda sinto que há umas coisinhas que devem serelas a fazer...por exemplo, tratar dos miúdos, eu faço tudo,mas ainda as vezes sinto, isto é o papel dela...eu tambémsinto isso se calhar no meu caso porque tenho umaprofissão em que tenho de ser empreendedor. Então sinto.Portanto, acho que não é bem machismo, é porque eupreciso de trabalhar, para ganhar mais, não é? Sinto que àsvezes penso’pá ela tem que tomar conta senão não consigotrabalhar’. Mas não é no sentido antigo de ’acho que deveser ela a fazer’ acho que isto tem mais a ver com o espectoprofissional do que propriamente com discriminação.” 11
  • 12. Ao nível das públicas no cuidado às crianças:o Verifica-se uma tendência para uma maior igualdade entre os géneros, sendo concedida ao pai ou à mãe a igualdade de direitos;o No entanto são as mulheres quem mais usufrui da licença de 4 ou 5 meses, ficando-se o pai apenas pelos 20 dia em simultâneo com a mãe.o São as mulheres quem mais falta ao trabalho em caso de doença dos filhos para cuidar dos mesmos. 12
  • 13. Igualdade de Género? É ainda um processo lento e longo… 13
  • 14. Bibliografia consultada:o Wall, Karin, Aboim, Sofia, Cunha, Vanessa (Eds.). (2010). A Vida Familiar no Masculino: Negociando Velhas e Novas Masculinidades. Lisboa: Comissão para a Igualdade no Trabalho e no Emprego.o Imagens do Google 14