Your SlideShare is downloading. ×
Apresentação   possibilidades e limites do conhecimento huma
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×

Introducing the official SlideShare app

Stunning, full-screen experience for iPhone and Android

Text the download link to your phone

Standard text messaging rates apply

Apresentação possibilidades e limites do conhecimento huma

6,625
views

Published on

Published in: Technology

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
6,625
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
25
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Realizado pelo Professor: Joel José Félix Miranda. 17 de Novembro de 2005
  • 2. INTRODUÇÃO. O presente trabalho surge no âmbito da proposta apresentada pela docente da disciplina de Filosofia das Ciências e Epistemologia Genética IV, tendo por tema “Possibilidades e Limites do Conhecimento Humano”.
  • 3. Antes de procedermos à apresentação do presente trabalho recordamos o poema do Professor Manuel Sérgio (1972) extraído do livro “Uma Ligeira Brisa no Tempo”: “Quando fores livre e te sentires cativo Com o peso dos mundos inventados Inventa a liberdade de seres vivo Noutros Mundos por ti anunciados”
  • 4. Possibilidade – s.f., qualidade do que é possível; oportunidade; posses; rendimento; capacidade. Limite – s.m., linha que estrema superfícies ou terrenos contíguos; marco; baliza; raia; fronteira; terreno; meta. Humano – adj. (do lat. humanu), próprio do Homem; relativo ao Homem em geral; o conjunto dos homens. Conhecimento – s.m., faculdade de conhecer; relação directa que se toma de alguma coisa; noção; informação; experiência; pessoa com quem se tem relações.
  • 5. O conhecimento acompanha o homem hodierno e como nos diz Morin (1995: 39): “não procurei o conhecimento enciclopédico, mas sim o conhecimento enciclopedizante, que põe num ciclo os conhecimentos disjuntos para que eles ganhem sentido ligando-se uns aos outros. É esta vontade de ligar que por si mesma fez emergir, e depois desenvolver-se, o pensamento complexo”. Isto é, o conhecimento constrói-se através do conhecimento das partes que depende do conhecimento do todo como o conhecimento do todo depende do conhecimento das partes.
  • 6. O conhecimento funciona como um «corpo vivo», suporta-se em linguagens, adapta-se, expande-se, redefine-se, eventualmente é ultrapassado e cai em desuso. O conjunto de conhecimentos que constitui uma disciplina não é nunca um edifício acabado, imutável, eternamente eficaz. Ele é influenciado pelo contexto em que se joga a sobrevivência nessa época. «Por isso, a ciência, que é dotada de uma identidade processual e de um objecto global único, aparece aos nossos olhos de hoje como um vastíssimo corpo de várias disciplinas, subdisciplinas e especialidades, abarcando um campo cognitivo imenso. Este campo, de um “tamanho” a perder de vista, foi, no entanto, criado pela actividade dos nossos antepassados e é recriado, mantido e afinado pela actividade dos nossos contemporâneos» (Caraça, 2002: 57).
  • 7. O conhecimento humano necessita então de inúmeras comunicações: - entre os receptores sensoriais e o mundo exterior; - sobretudo no interior do aparelho neurocerebral; - entre os indivíduos; o que origina e multiplica os riscos de incerteza e de erro.
  • 8. Ora, o maior contributo do conhecimento do séc.xx foi o conhecimento dos limites do conhecimento, pois constitui uma aquisição capital para o conhecimento. Indica-nos que o conhecimento dos limites do conhecimento faz parte das possibilidades do conhecimento e realiza essa possibilidade, sendo que o mistério do real não é esgotável pelo conhecimento. A maior certeza que nos deu é a da não eliminação de incertezas, não só na acção, mas no conhecimento.
  • 9. Por exemplo, a teoria de Darwin revolucionou definitivamente o modo como o mundo científico e o homem de maneira geral compreendem a existência da vida no planeta. Sabemos todos há muito tempo que sabemos muito pouco. Qualquer descoberta de ordem científica ou materialista é, pelo menos, um passo em frente. Conhecemo-nos hoje melhor que há cem anos? A resposta é incerta. Calculamos que nos conhecemos “mais”. O percurso é a regra e a meta a possibilidade.
  • 10. Parafraseando o poeta Salah Stétie (cit. por Morin, 2001), “ o único ponto quase certo no naufrágio (antigas certezas absolutas) é o ponto de interrogação”. Já como dizia Heraclito (cit. por Morin, 2001), “ se não esperas o inesperado, não o encontrarás.” É pois necessário preparar-mo-nos para o nosso mundo incerto e esperar o inesperado!
  • 11. A condição humana, desta forma, está marcada por duas grandes incertezas: a incerteza cognitivaincerteza cognitiva e a incerteza históricaincerteza histórica. Existe no conhecimento três princípios de incerteza cognitiva: 1º- Cerebral: o conhecimento nunca é um reflexo do real, mas sempre uma tradução e reconstrução, o mesmo é dizer contendo risco de erro. 2º- Psíquico: o conhecimento dos factos é sempre tributário da interpretação. 3º- Epistemológico: decorre da crise dos fundamentos de certeza em filosofia (a partir de Nietzsche) depois em ciência (a partir de Bachelard e Popper).
  • 12. Vejamos o que escreve Popper (1989: 18): “O conhecimento não é a procura da certeza. Errar é humano – todo o conhecimento é falível e, consequentemente, incerto. Daí decorre que devemos estabelecer uma distinção rigorosa entre verdade e certeza. Afirmar que errar é humano significa que devemos lutar permanentemente contra o erro e também que não podemos nunca ter a certeza de que, mesmo assim, não cometemos nenhum erro”.
  • 13. E mais à frente diz: “Uma falha que cometamos – um erro – no domínio da ciência significa, em substância, que consideramos como verdadeira uma teoria que não o é (acontece muito mais raramente considerarmos falsa uma teoria que é verdadeira). Combater a falha, o erro, significa, pois, procurar uma verdade mais objectiva e fazer tudo para detectar e eliminar tudo o que é falso. É esta a função da actividade científica. Poder-se-á dizer igualmente que o nosso objectivo, enquanto cientistas, é a verdade objectiva – mais verdade [...] uma verdade mais inteligível. A certeza não pode constituir a nossa meta, numa perspectiva de razoabilidade. Ao reconhecermos a falibilidade do conhecimento humano, reconhecemos simultaneamente que nunca poderemos estar completamente seguros de não termos cometido algum erro. O que pode ser formulado do seguinte modo: existem verdades duvidosas – inclusivamente proposições verdadeiras por nós consideradas falsas – mas não existem certezas duvidosas”.
  • 14. Tudo é falível, tudo o que é humano é incerto. Todo o conhecimento imediato é abstracto. O homem é um ser complexo e a grande categoria que emerge da complexidade é a incerteza. Por outro lado, a incerteza histórica concerne ao carácter intrinsecamente caótico da história humana marcada por criações fabulosas e destruições irremediáveis.
  • 15. Após a elaboração do presente trabalho podemos concluir: que conhecer é produzir uma tradução das realidades do mundo exterior, pois somos co-produtores do objecto que conhecemos, cooperamos com o mundo exterior e é esta co-produção que nós dá objectividade do objecto, ou seja somos co-produtores do objecto e da objectividade; que o pensamento contemporâneo é o reflexo de um mundo em crise pronunciada, crise complexa, multidimensional, cujas facetas afectam todos os aspectos da nossa vida – a saúde e o modo de vida, a qualidade do meio ambiente, da economia, tecnologia, política, crise das ciências e das artes, crise proveniente das classes e das nações, sendo uma crise de dimensões intelectuais, morais e espirituais; que a pergunta é a forma suprema do saber e que para a mente humana o certo será sempre penúltimo e o último será sempre incerto; que de facto uma das verdadeiras conquistas do espírito humano, é a de nos colocar em condição de enfrentar as incertezas e mais globalmente o destino incerto de cada indivíduo. Então o que fazer para enfrentar a incerteza? Fazer convergir vários ensinos, mobilizar várias ciências e disciplinas para aprender a enfrentar a incerteza… Em Jeito de Conclusão…
  • 16. Caraça, João (2002): “Entre a Ciência e a Consciência”. Campo das Letras, Porto. Dicionário da Língua Potruguesa (1998). 1ª Edição; Porto Editora. Morin, Edgar (1995): “Os Meus Demónios”. Publicações Europa - América, Lisboa. Morin, Edgar (2001): “Introdução ao Pensamento Complexo”. Instituto Piaget, Lisboa. Popper, Karl (1989): “Em Busca de um Mundo Melhor”. Editorial Fragmentos, Lisboa. Bibliografia