Sinais Vitais
<ul><li>São indicativos do funcionamento do organismo. </li></ul><ul><li>INDICADORES DE VIDA </li></ul><ul><li>Orientam </...
Condições que alteram sinais vitais – Falsa interpretação: Pessoais: exercício, tensão, alimentação Ambientais: temperatur...
TERMÔMETRO CLÍNICO DE VIDRO Bulbo – contém mercúrio Pedúnculo – calibrado em décimo de grau ESCALA DE 34º C A  42º C Tempe...
Temperatura normal = 36,7ºc  a  37,2ºc Variações normais: 0,3 a 0,6º da média - Axilar: mais utilizada Técnica de medição:...
Atendimento pré-hospitalar  às  vítimas de trauma: Sensação térmica da vítima pode ser obtida através do tato do examinado...
PULSAÇÃO OU BATIDAS DO CORAÇÃO  Impulsionando o sangue pelas artérias, e que podem ser sentidas ao posicionarmos as pontas...
<ul><li>Onda de Pressão do Sangue Contra a Parede Arterial - Sentida pelo Toque  </li></ul><ul><li>Freqüência de pulso = F...
<ul><ul><li>TAQUICARDIA -  Acima de 100 bpm </li></ul></ul><ul><li>Volume sangüíneo (hemorragia, desidratação), febre, sép...
2- QUALIDADE: RITMO: Regularidade de intervalos Regular ou irregular VOLUME: Intensidade  da pressão Forte e cheio Fraco e...
Locais mais comuns para obtenção do pulso: Radial  - punho Carótida  - pescoço Femoral  - região inguinal Braquial  - face...
Radial - Vítima relaxada, braço descansando na parte inferior do tórax Carotídeo - Lateral à cartilagem tireóide (pomo de ...
Como  regra geral :  Sempre que os batimentos cardíacos forem menores que 50 ou maiores que 120 por minuto, algo seriament...
A respiração, na prática, é o conjunto de 2 movimentos normais dos pulmões e músculos do tórax: 1 – inspiração  2 - expira...
<ul><li>Inspiração - Entrada de Oxigênio </li></ul><ul><li>Expiração - Eliminação de dióxido de carbono </li></ul><ul><li>...
<ul><li>Fatores que alteram a respiração: </li></ul><ul><ul><li>Exercícios </li></ul></ul><ul><ul><li>Hábito de fumar </li...
<ul><li>Avaliação: </li></ul><ul><li>Ver </li></ul><ul><li>Ouvir </li></ul><ul><li>sentir </li></ul>Verificação da respira...
Força do sangue contra as paredes da artérias Adulto - 120/80 mmHg 12 anos - 108/67 mmHg 6 anos - 95/62 mmHg 4 anos - 85/6...
<ul><li>FATORES DE VARIAÇÃO: </li></ul><ul><ul><li>Posição do paciente </li></ul></ul><ul><ul><li>Atividade física </li></...
<ul><li>Instrumento utilizado para a medida da pressão arterial.  </li></ul><ul><li>Foi idealizado por três cientistas: Vo...
<ul><li>O tamanho do aparelho depende da circunferência do braço a ser examinado, sendo que a bolsa inflável do manguito d...
<ul><li>Manguitos muito curtos ou estreitos podem fornecer leituras falsamente elevadas.  </li></ul><ul><li>O esfigmomanôm...
Principais componentes:  Olivas auriculares : adaptação ao meato auditivo, de modo a criar um sistema fechado entre o ouvi...
Tubos de borracha : diâmetro de 0,3 a 0,5 cm. e comprimento de 25 a 30 cm. Receptores :  Campânula de 2,5 cm.  que é mais ...
<ul><li>Método Palpatório: Procedimento </li></ul><ul><li>Palpa-se o pulso radial </li></ul><ul><li>Insufla-se o manguito,...
Método Auscultatório: Procedimento 1.Equipamento  2. Posicionamento da vítima  e do braço 3. Levantar a manga acima  do co...
7. Bombear ar no manguito  até não sentir mais o pulso 8. Colocar estetoscópio na  parte interna do cotovelo  9. Abra a vá...
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Ps 3 db.

4,158 views

Published on

Professora Fátima.

Published in: Business, Technology
1 Comment
2 Likes
Statistics
Notes
No Downloads
Views
Total views
4,158
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
2
Actions
Shares
0
Downloads
142
Comments
1
Likes
2
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Ps 3 db.

  1. 1. Sinais Vitais
  2. 2. <ul><li>São indicativos do funcionamento do organismo. </li></ul><ul><li>INDICADORES DE VIDA </li></ul><ul><li>Orientam </li></ul><ul><li>Favorecem o diagnóstico e o acompanhamento da evolução, são eles: </li></ul><ul><li>- Temperatura </li></ul><ul><li>- Pulso </li></ul><ul><li>Freqüência respiratória </li></ul><ul><li>Pressão sangüínea </li></ul>SINAIS VITAIS
  3. 3. Condições que alteram sinais vitais – Falsa interpretação: Pessoais: exercício, tensão, alimentação Ambientais: temperatura e umidade Equipamentos: inapropriado e/ou mal calibrados TEMPERATURA: Unidade De Medida: Graus Centígrados Instrumento para medir a temperatura: termômetro clínico de vidro. SINAIS VITAIS
  4. 4. TERMÔMETRO CLÍNICO DE VIDRO Bulbo – contém mercúrio Pedúnculo – calibrado em décimo de grau ESCALA DE 34º C A 42º C Temperatura
  5. 5. Temperatura normal = 36,7ºc a 37,2ºc Variações normais: 0,3 a 0,6º da média - Axilar: mais utilizada Técnica de medição: Colocar o bulbo do termômetro no centro da axila leitura conforme escala. - Oral: sob a língua - Retal: canal anal Temperatura
  6. 6. Atendimento pré-hospitalar às vítimas de trauma: Sensação térmica da vítima pode ser obtida através do tato do examinador. Temperatura
  7. 7. PULSAÇÃO OU BATIDAS DO CORAÇÃO Impulsionando o sangue pelas artérias, e que podem ser sentidas ao posicionarmos as pontas dos dedos em locais estratégicos do corpo. As pulsações devem ser contadas durante 30 segundos, e o resultado multiplicado por 2, para se determinar o número de batidas por minuto . Ou, contam-se os batimentos durante 15 segundos e multiplica-se por 4. PULSO
  8. 8. <ul><li>Onda de Pressão do Sangue Contra a Parede Arterial - Sentida pelo Toque </li></ul><ul><li>Freqüência de pulso = Freqüência cardíaca </li></ul><ul><li>PULSO – AVALIAÇÃO = Número de batimentos por minuto </li></ul><ul><ul><li>ADULTO - 60 A 100 </li></ul></ul><ul><ul><li>CRIANÇAS - 80 A 120 </li></ul></ul><ul><ul><li>BEBÊS - 100 A 160 </li></ul></ul>PULSO
  9. 9. <ul><ul><li>TAQUICARDIA - Acima de 100 bpm </li></ul></ul><ul><li>Volume sangüíneo (hemorragia, desidratação), febre, sépsis, dças tireóide, exercício, idade etc </li></ul><ul><li>BRADICARDIA - abaixo de 60 bpm </li></ul><ul><li>Doenças do coração, choque neurogênico . </li></ul>PULSO
  10. 10. 2- QUALIDADE: RITMO: Regularidade de intervalos Regular ou irregular VOLUME: Intensidade da pressão Forte e cheio Fraco e fino Pulso filiforme: volume de sangue fraco e fino PULSO
  11. 11. Locais mais comuns para obtenção do pulso: Radial - punho Carótida - pescoço Femoral - região inguinal Braquial - face interna do braço Apical - ausculta cardíaca PULSO
  12. 12. Radial - Vítima relaxada, braço descansando na parte inferior do tórax Carotídeo - Lateral à cartilagem tireóide (pomo de Adão) Encontrar o pulso com a ponta de 2 ou 3 dedos – Nunca usar o polegar Pressionar levemente Contar o pulso em 30 a 60 segundos Anotar freqüência, ritmo, volume e horário PULSO
  13. 13. Como regra geral : Sempre que os batimentos cardíacos forem menores que 50 ou maiores que 120 por minuto, algo seriamente errado está acontecendo com o paciente. PULSO
  14. 14. A respiração, na prática, é o conjunto de 2 movimentos normais dos pulmões e músculos do tórax: 1 – inspiração 2 - expiração Respiração
  15. 15. <ul><li>Inspiração - Entrada de Oxigênio </li></ul><ul><li>Expiração - Eliminação de dióxido de carbono </li></ul><ul><li>Troca gasosa - (sangue e ar dos pulmões) </li></ul><ul><li>Freqüência - Movimentos respiratórios por minuto </li></ul><ul><ul><li>Bebê - 30 a 60 mrm </li></ul></ul><ul><ul><li>Crianças - 20 a 30 mrm </li></ul></ul><ul><ul><li>Adulto - 12 a 20 mrm </li></ul></ul><ul><li>Caráter - Superficial ou profunda </li></ul><ul><li>Ritmo - Regular ou irregular </li></ul><ul><li>Sinais de comprometimento respiratório - Cianose, inquietação, dispnéia, sons respiratórios anormais. </li></ul>Respiração
  16. 16. <ul><li>Fatores que alteram a respiração: </li></ul><ul><ul><li>Exercícios </li></ul></ul><ul><ul><li>Hábito de fumar </li></ul></ul><ul><ul><li>Medicamentos </li></ul></ul><ul><ul><li>Fatores emocionais </li></ul></ul><ul><li>Alteração nos padrões respiratórios: </li></ul><ul><ul><li>Apnéia </li></ul></ul><ul><ul><li>Taquipnéia </li></ul></ul><ul><ul><li>Dispnéia </li></ul></ul><ul><ul><li>Bradipnéia </li></ul></ul>Respiração
  17. 17. <ul><li>Avaliação: </li></ul><ul><li>Ver </li></ul><ul><li>Ouvir </li></ul><ul><li>sentir </li></ul>Verificação da respiração
  18. 18. Força do sangue contra as paredes da artérias Adulto - 120/80 mmHg 12 anos - 108/67 mmHg 6 anos - 95/62 mmHg 4 anos - 85/60 mmHg Pressão Arterial
  19. 19. <ul><li>FATORES DE VARIAÇÃO: </li></ul><ul><ul><li>Posição do paciente </li></ul></ul><ul><ul><li>Atividade física </li></ul></ul><ul><ul><li>Manguito inapropriado </li></ul></ul><ul><li>ALTERAÇÃO DA P.A.: </li></ul><ul><ul><li>- Doença cardíaca - Doença renal </li></ul></ul><ul><ul><li>- Diabetes </li></ul></ul><ul><ul><li>- TCE - TRM </li></ul></ul>Pressão Arterial
  20. 20. <ul><li>Instrumento utilizado para a medida da pressão arterial. </li></ul><ul><li>Foi idealizado por três cientistas: VonBasch (1880), Riva-Ricci (1896) e Korotkoff (1905). </li></ul>ESFIGMOMANÔMETRO
  21. 21. <ul><li>O tamanho do aparelho depende da circunferência do braço a ser examinado, sendo que a bolsa inflável do manguito deve ter uma largura que corresponda à 40% da circunferência do braço, e seu comprimento deve ser de 80% </li></ul>ESFIGMOMANÔMETRO
  22. 22. <ul><li>Manguitos muito curtos ou estreitos podem fornecer leituras falsamente elevadas. </li></ul><ul><li>O esfigmomanômetro pode ser de coluna de mercúrio para a medida da pressão, ou aneróide. </li></ul><ul><li>Existem aparelhos semi-automáticos que se utilizam do método auscultatório e oscilométrico, com grau de confiabilidade variável, devido sofrerem com freqüência alterações na calibração. </li></ul>ESFIGMOMANÔMETRO
  23. 23. Principais componentes: Olivas auriculares : adaptação ao meato auditivo, de modo a criar um sistema fechado entre o ouvido e o aparelho. Armação metálica : comunicação dos auriculares com o sistema flexível de borracha; é provida de mola que permite um perfeito Ajuste do aparelho. ESTETOSCÓPIO
  24. 24. Tubos de borracha : diâmetro de 0,3 a 0,5 cm. e comprimento de 25 a 30 cm. Receptores : Campânula de 2,5 cm. que é mais sensível aos sons de menor freqüência e o diafragma que dispõe de uma membrana semi- rígida com diâmetro de 3 a 3,5 cm., utilizado para ausculta em geral. ESTETOSCÓPIO
  25. 25. <ul><li>Método Palpatório: Procedimento </li></ul><ul><li>Palpa-se o pulso radial </li></ul><ul><li>Insufla-se o manguito, fechando-se a válvula e apertando-se a “ pera” rapidamente até o desaparecimentodo pulso, verifica-se o valor e acrescenta-se 30 mmHg. </li></ul><ul><li>Após, desinsufla-se lenta e completamente o manguito até o aparecimento do pulso, o que é considerado a pressão arterial máxima. </li></ul><ul><li>Desinsufla-se a seguir o manguito rapidamente. </li></ul><ul><li>O método palpatório só permite a verificação da pressão arterial máxima. </li></ul>Aferição da P.A.
  26. 26. Método Auscultatório: Procedimento 1.Equipamento 2. Posicionamento da vítima e do braço 3. Levantar a manga acima do cotovelo sem apertar 4. Estender o braço com a palma da mão para cima 5. Enrolar o manguito vazio ao redor do braço não traumatizado, com a borracha sobre a artéria Braquial ; 6. Fechar a válvula e visualizar o mostrador Aferição da P.A.
  27. 27. 7. Bombear ar no manguito até não sentir mais o pulso 8. Colocar estetoscópio na parte interna do cotovelo 9. Abra a válvula lentamente liberando ar até ouvir o som da primeira batida - Pressão sistólica ou máxima 10. Ouvir até o ruído parar – Pressão diastólica ou mínima. 11. Esvaziar o manguito. Aferição da P.A.

×