• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
Introdução à fenomenologia
 

Introdução à fenomenologia

on

  • 9,431 views

Introdução à Fenomenologia

Introdução à Fenomenologia

Statistics

Views

Total Views
9,431
Views on SlideShare
9,351
Embed Views
80

Actions

Likes
2
Downloads
213
Comments
0

3 Embeds 80

http://felipepinho.com 58
http://www.felipepinho.com 21
http://www.felipepinho.com. 1

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Introdução à fenomenologia Introdução à fenomenologia Presentation Transcript

    • Introdução à Fenomenologia Prof. Felipe Pinho www.felipepinho.com prof. Felipe Pinho
    • • O conhecimento ocorre a partir da relação entre um sujeito e um objeto. • Será que conhecemos os objetos tal qual eles são “em si mesmos”? Ou conhecemos apenas uma representação mental (uma imagem) do que eles são? • Como é possível o conhecimento dos objetos? • Quais são as condições, os limites e as possibilidades de um conhecimento das coisas mesmas? O problema do conhecimento prof. Felipe Pinho
    • O problema do conhecimento • Para responder a esses questionamentos, duas tradições ou escolas filosóficas se destacaram: • O Empirismo: corrente filosófica que defende a independência ontológica da realidade em relação aos nossos esquemas conceptuais e mentais. As ideias ou imagens que temos dos objetos da realidade correspondem à própria realidade das coisas. A fonte do conhecimento é a realidade, conhecida através das nossas sensações e experiências. • O Racionalismo: defende a primazia do sujeito na construção do conhecimento em relação ao objeto, ou seja, o que vemos da realidade não corresponde exatamente ao que “as coisas são em si mesmas”. A fonte do conhecimento são as ideais claras e distintas que são alcanças através do próprio exercício racional e dedutivo. prof. Felipe Pinho
    • Immanuel Kant • Um dos mais importantes filósofos da modernidade; • Influenciou profundamente o Iluminismo e buscou uma síntese entre racionalismo e empirismo; • Sua reflexão filosófica buscou responder a 3 perguntas: 1. Que posso saber? 2. Que devo fazer? 3. Que me é dado esperar? prof. Felipe Pinho (1724 – 1804)
    • Racionalismo e Empirismo • Para Kant o racionalismo e o empirismo são concepções insuficientes para explicar o conhecimento humano (o que podemos saber); • “Kant afirmou que apesar da origem do conhecimento ser a experiência se alinhando aí com o empirismo, existem certas condições a priori para que as impressões sensíveis se convertam em conhecimento fazendo assim uma concessão ao racionalismo”. (Fernando Lang da Silveira, 2002). prof. Felipe Pinho
    • O Conhecimento Transcendental • Transcendental = o que é comum a todos os homens, transcende os casos particulares e individuais; • São as condições a priori do entendimento de qualquer experiência, ou seja, o entendimento, a razão impõe aos objetos conceitos a priori. • O conhecimento para Kant só é possível porque existem as faculdades humanas de cognição, ou seja, “estruturas” mentais que nos possibilitam organizar as percepções e o conhecimento. Essas estruturas são transcendentais e a priori, comuns a todos os indivíduos. prof. Felipe Pinho
    • O Conhecimento Transcendental “Denomino transcendental todo o conhecimento que em geral se ocupa não tanto com os objetos, mas com nosso modo de conhecimento de objetos na medida em que este deve ser possível a priori. Um sistema de tais conceitos denominar-se-ia filosofia transcendental” (Kant. Crítica da Razão Pura). prof. Felipe Pinho
    • O Idealismo Transcendental • A nossa percepção “organiza” o nosso conhecimento das coisas, por isso, os objetos que vemos não são os objetos em si (“as coisas em si mesmas”, mas sim a forma como esses objetos se apresentam para nós, como fenômenos; • Para Kant o que vemos é a representação das coisas na nossa percepção. prof. Felipe Pinho
    • O conhecimento humano • Para Kant, há duas fontes principais de conhecimento no sujeito: A sensibilidade, modo receptivo-passivo por meio do qual os objetos nos afetam, sendo a intuição a maneira como nos referimos a esses objetos. O entendimento, por meio do qual os objetos são pensados como conceitos (categorias). prof. Felipe Pinho
    • prof. Felipe Pinho
    • "Sem sensibilidade nenhum objeto nos seria dado, e sem entendimento nenhum seria pensado. Pensamentos sem conteúdo são vazios, intuições sem conceitos são cegas.“ (kant, Crítica da Razão Pura, p. 75). prof. Felipe Pinho Dito de outra forma: “a sensação sem a razão é vazia e a razão sem a sensação é cega” (Fernando Lang da Silveira, 2002) Racionalismo ou Empirismo? Os dois!
    • • Resumindo: Os pensamentos, sem o conteúdo da experiência (dados através da sensibilidade na intuição), seriam vazios de realidade (racionalismo); por outro a experiência dos objetos, sem os conceitos a priori, não teria nenhum sentido para nós (empirismo). prof. Felipe Pinho Racionalismo ou Empirismo? Os dois!
    • Edmund Husserl • Husserl buscou realizar uma profunda crítica da ciência positivista e da razão objetiva vigentes em sua época. • Para ele era necessário construir um novo método para o conhecimento, que deveria adotar uma perspectiva fenomenológica. • A Fenomenologia seria então um método para conhecer a essência das coisas e da própria consciência. prof. Felipe Pinho (1859-1938)
    • Edmund Husserl • Husserl retoma a interrogação sistemática que analisa as condições, os limites e as possibilidades de um conhecimento das coisas mesma. • Ele busca então uma renovação-continuação da atitude radical, sendo essa atitude, a atitude da crítica da razão. • Essa crítica da razão implica uma crítica da ciência do conhecimento a priori, ou como em Kant, do conhecimento transcendental (puro). prof. Felipe Pinho
    • Husserl e a crítica da Razão • Tentativa de superar o ceticismo (descrença) em relação à capacidade de conhecer do sujeito. • Construção de uma ciência transcendental dos fenômenos da consciência enquanto consciência. • Proposição de um método fenomenológico, conhecido como redução fenomenológica que busca o retorno à consciência, por isso é considerada gnosiológica. • Defesa da substituição da “atitude natural” e do “conhecimento natural” pela “atitude fenomenológica”. prof. Felipe Pinho
    • A crítica ao Positivismo e às ciências naturais • O Positivismo defendeu o primado do objeto e a anulação de qualquer subjetividade. • Só tem valor de conhecimento o conhecimento objetivo. • Para Husserl esse afã positivista pela objetividade afastou as ciência e o conhecimento do seu verdadeiro propósito: o homem real, o mundo da vida. • O erro, segundo Husserl, das ciências e do naturalismo ingênuo é considerar o mundo dado e preexistente como objetivo e independente da consciência de um sujeito. prof. Felipe Pinho
    • • Husserl critica a perspectiva das ciências positivas pois para estas os objetos são considerados como independentes do observador. • Já Husserl defende que os objetos se apresentam enquanto fenômenos para uma consciência, ou seja, a fenomenologia procura enfatizar que o objeto se constitui enquanto objeto a partir da sua relação com uma consciência. • Dessa forma o objeto não é independente do sujeito que o conhece e nem o sujeito é independente dos objetos que conhece. prof. Felipe Pinho A crítica ao Positivismo e às ciências naturais
    • A crítica às Ciências Humanas e à Psicologia • Segundo Husserl o problema da Psicologia e das Ciências Humanas é ter usado o mesmo métodos das ciências naturais. • As ciências humanas buscam a medição de seus objetos sem ao menos buscar explicar o que eles são. • O Psicologismo, segundo Husserl, é uma naturalização forçada dos objetos humanos como se fosse objetos físicos. prof. Felipe Pinho
    • A Fenomenologia • A busca pelo conhecimento seguro e verdadeiro, leva Husserl e a defender uma atitude científica (atitude fenomenológica) em relação à experiência. • Precisamos, dessa forma deixar de lado ou colocar entre parênteses todas as nossas suposições, nossos “pré-conceitos” acerca das coisas e da experiência, o “senso comum”. • Seria como um “limpar a mente”, livrá-la de toda e qualquer interferência, para olharmos pacientemente e cuidadosamente para o que experimentamos. prof. Felipe Pinho
    • A Epoché Fenomenológica • Para Husserl não devemos considerar o resultado dos processos perceptivos como descrições objetivas do mundo. • A Fenomenologia como método, busca exatamente servir de exercício que o sujeito realiza sobre si mesmo para alcançar ideias claras e suspender os seus “pré-juízos”. • A epoché ou redução fenomenológica é uma atitude que visa colocar entre parênteses todos os hábitos, as convicções ingênuas e as considerações obvias pré-concebidas. prof. Felipe Pinho
    • • A atitude fenomenológica visa o esvaziamento da mente de tudo o que é fictício, não necessário, casual e pessoal, para colocar o sujeito na condição de espectador ingênuo e desinteressado do mundo. • “Depois de assim ser libertado de uma parte de si mesmo, por meio de um trabalho demorado e árduo, será capaz de analisar com a devida objetividade o mundo e os fenômenos da consciência e do espírito”. (NICOLA, 2005). prof. Felipe Pinho A Epoché Fenomenológica
    • • Precisamos, inicialmente colocar entre parêntesis tudo o que nos é dado do exterior pelos sentidos, para concentrarmos a nossa atenção no próprio ato do pensamento. • Deve-se colocar entre parênteses tudo o que é acessório, para poder atingir-se a essência pura. • A epoché é um exercício, uma atitude que busca suspender o juízo sobre os objetos empíricos, sobre tudo o que não aparece como imediatamente evidente ante nossa consciência. prof. Felipe Pinho A epoché e a redução fenomenológica
    • • "O primeiro passo do método fenomenológico consis-te em abster-se da atitude natural, colocando o mundo entre parênteses (epoqué). Isso não significa negar sua existência, mas metodicamente renunciar ao seu uso. Ao analisar, após essa redução fenomenológica, a cor-rente de vivências puras que permanecem, constata que a consciência é consciência de algo. Esse algo chama de fenômeno." (ZILLES, Urbano. Fenomenologia e teoria do conhecimento em Husserl. Revista da Abordagem Gestáltica – XIII(2): 216-221, jul-dez, 2007). prof. Felipe Pinho A epoché e a redução fenomenológica
    • “Segundo Husserl, a chamada redução fenomenológica proporciona o acesso ao “modo de consideração transcendental”, ou seja, o “retorno à «consciência»”. Assim, através da “redução fenomenológica” os objetos se revelam na sua constituição. Retornando à «consciência», os objetos aparecem na sua constituição, ou seja, como correlatos da consciência. O retorno, portanto, permite «dissolver o ser na consciência», isto é, permite que o ser (ou ente, ou melhor, o “ser do ente”) se torne «consciência»”. (Dante Augusto Galeffi). prof. Felipe Pinho A epoché e a redução fenomenológica
    • A epoché e a redução fenomenológica • Para encontrar o fundamento último das coisas, ou sua essência, segundo Husserl, é preciso escapar da atitude natural e ir além da simples experiência prática e imediata, suspender todos os preconceitos, buscando orientar-se apenas por uma evidência apodítica, ou seja, por evidências certas e indubitáveis. prof. Felipe Pinho
    • A consciência como intencionalidade • Para Husserl a consciência não é um depósito de lembranças ou de imagens dos objetos do mundo. • Ela não é passiva, como se recebesse simplesmente as impressões do mundo e das coisas que afetaram nossos sentidos. • A consciência é uma atividade direcionada às coisas, ou seja, uma intencionalidade que dá sentido às coisas. prof. Felipe Pinho
    • • Por tanto a consciência não é uma substância, ela está sempre voltada imediatamente para as coisas, existe sempre visando algo. • Por isso a consciência é sempre consciência de algo. • Podemos entender então que a consciência e as coisas formam parte de um mesmo fenômeno. • É importante compreender que para Husserl as coisas são tais como os fenômenos as apresentam à nossa consciência. prof. Felipe Pinho A consciência como intencionalidade
    • Referências e indicações Bibliográficas • Dante Augusto Galeffi. O que é isto — a Fenomenologia de Husserl? Ideação,Feira de Santana, n.5, p.13-36, jan./jun. 2000. • ZILLES, Urbano. Fenomenologia e teoria do conhecimento em Husserl. Revista da Abordagem Gestáltica – XIII(2): 216-221, jul-dez, 2007. • NICOLA, Ubaldo. Antologia Ilustrada de Filosofia. São Paulo: Globo, 2005. • PENHA, João. O que é o existencialismo. Coleção primeiros passos. prof. Felipe Pinho