Your SlideShare is downloading. ×
0
Gestão de Pessoas no contexto Hospitalar Prof. Ms Felipe Saraiva Nunes de Pinho Prof. Felipe Pinho
Gestão de Pessoas “ É o conjunto de decisões integradas sobre as relações de emprego que influenciam a eficácia dos funcio...
Gestão de Pessoas É necessário conhecer o negócio da empresa ; É imprescindível conhecer o perfil dos clientes interno ; O...
O adjetivo  hospes  se refere a “hóspede”; Hospital origina-se do latim  hospitalis , que significa "ser Hospitaleiro...
<ul><li>Os doentes eram tratados em templos destinados à adoração dos Deuses; </li></ul><ul><li>O mais conhecido de todos ...
Hipócrates:  o Pai da Medicina Moderna <ul><li>Critica o misticismo e a superstição. Defende pela primeira vez a doença co...
Os Hospitais na Idade Média <ul><li>Na Idade Média, o imperador Constantino proclamau o decreto de Milão (313 d.C.), que l...
O Racionalismo e o nascimento do Hospital Moderno <ul><li>O Racionalismo (séc. XIV) promoveu a secularização dos estabelec...
Século XX e os dias atuais Predominância do Modelo Biomédico; Incorporação das novas tecnologias; O Hospital como uma empr...
Os desafios da Gestão de Pessoas no contexto hospitalar Prof. Felipe Pinho A DIVERSIDADE DO PERFIL DOS PROFISSIONAIS A ESP...
Síndrome de Burnout:  o Sofrimento no trabalho <ul><li>É um distúrbio psíquico de caráter depressivo, precedido de intenso...
<ul><li>Sintomas Psicossomáticos: enxaquecas, dores de cabeça, insônia, gastrite e ulcera, diarréias, crises de asma, palp...
A gestão do Cuidado:  cuidando do cuidador <ul><li>A racionalização e tecnificação  do cuidar; </li></ul><ul><li>A coisifi...
<ul><li>O cuidado como essência humana; </li></ul><ul><li>Cuidar nos coloca em relação com o outro e nos salva de nossa in...
<ul><li>Empatia; </li></ul><ul><li>A relação deve ser autêntica; </li></ul><ul><li>O Outro é um valor; </li></ul><ul><li>A...
A Política Nacional de Humanização Hospitalar (PNH - Humaniza SUS) <ul><li>Implantada em 2003, a PNH tem como objetivo hum...
OBRIGADO! felipepinho.blogspot.com Prof. Felipe Pinho
Bibliografia Básica <ul><li>CHIAVENATO, I.  Gestão de pessoas.  2 ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2005. </li></ul><ul><li>BO...
Gestão de pessoas no contexto hospitalar
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Gestão de pessoas no contexto hospitalar

6,757

Published on

Published in: Education, Technology, Travel
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
6,757
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
7
Actions
Shares
0
Downloads
170
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Transcript of "Gestão de pessoas no contexto hospitalar"

  1. 1. Gestão de Pessoas no contexto Hospitalar Prof. Ms Felipe Saraiva Nunes de Pinho Prof. Felipe Pinho
  2. 2. Gestão de Pessoas “ É o conjunto de decisões integradas sobre as relações de emprego que influenciam a eficácia dos funcionários e das organizações”. (CHIAVENATO, 2005) Prof. Felipe Pinho
  3. 3. Gestão de Pessoas É necessário conhecer o negócio da empresa ; É imprescindível conhecer o perfil dos clientes interno ; Os objetivos são: desenvolver as pessoas; melhorar os processos; desenvolver as relações; cuidar do ambiente e do clima interno. As ações e ferramentas devem se adequar à cultura da empresa; Prof. Felipe Pinho
  4. 4. O adjetivo hospes se refere a “hóspede”; Hospital origina-se do latim hospitalis , que significa &quot;ser Hospitaleiro”; Na Antiguidade não existe referencia a nenhum lugar específico que aceitassem doentes para permanência longa; No início da era cristã, a terminologia mais utilizada era nosocomium , lugar dos doentes, asilo dos enfermos e nosodochium , que significa recepção de doentes. Prof. Felipe Pinho A Instituição Hospitalar: origens
  5. 5. <ul><li>Os doentes eram tratados em templos destinados à adoração dos Deuses; </li></ul><ul><li>O mais conhecido de todos era o Oráculo de Delfos, destinado ao culto do Deus Apolo, localizado no monte Parnaso (Grécia Central); </li></ul><ul><li>As profetisas de Apolo, conhecidas como pitonisas, entravam em um estado de transe e atendiam os doentes. </li></ul>Prof. Felipe Pinho Medicina Grega
  6. 6. Hipócrates: o Pai da Medicina Moderna <ul><li>Critica o misticismo e a superstição. Defende pela primeira vez a doença como um fenômeno natural cujas causas podem ser conhecidas. </li></ul><ul><li>Teoria Humoral: saúde – equilíbrio entre quatro fluidos corporais (sangue, bile amarela, bile negra e fleuma); </li></ul><ul><li>Tratamentos: banhos frios e quentes, diuréticos, vômitos, flebotomia; </li></ul><ul><li>Os traços de personalidade como causa das doenças. </li></ul>Prof. Felipe Pinho
  7. 7. Os Hospitais na Idade Média <ul><li>Na Idade Média, o imperador Constantino proclamau o decreto de Milão (313 d.C.), que liberou a Igreja Cristã para exercer suas atividades. </li></ul><ul><li>Em 325 (d.C) é proclamado o Concílio de Nicéia que fixa a obrigatoriedade da assistência aos pobres e doentes; </li></ul><ul><li>Durante toda a Idade Média (476 - 1453 d.C.) a assistência pública à saúde ficou sob responsabilidade da Igreja Católica. </li></ul>Prof. Felipe Pinho
  8. 8. O Racionalismo e o nascimento do Hospital Moderno <ul><li>O Racionalismo (séc. XIV) promoveu a secularização dos estabelecimentos e das práticas médicas; </li></ul><ul><li>Surgimento das Teorias Científicas da doença: Teoria Anatômica e Teoria Celular; Teoria dos Germes (Louis Pasteur – Séc. XIX); </li></ul><ul><li>Desenvolvimento de instrumentos e tecnologias: Termometria; Gás éter (primeiro anestésico). </li></ul>Prof. Felipe Pinho
  9. 9. Século XX e os dias atuais Predominância do Modelo Biomédico; Incorporação das novas tecnologias; O Hospital como uma empresa; A Administração racional dos Recursos Humanos Prof. Felipe Pinho
  10. 10. Os desafios da Gestão de Pessoas no contexto hospitalar Prof. Felipe Pinho A DIVERSIDADE DO PERFIL DOS PROFISSIONAIS A ESPECIFICIDADE DOS CLIENTES EXTERNOS AS IDIOSSINCRASIA DA CULTURA HOSPITALAR O ESTRESSE EM LIDAR COM VIDAS DIARIAMENTE A FALTA DE VISÃO DE INVESTIMENTO NO DESENVOLVIMENTO DAS PESSOAS AS ESTRUTURAS DE PODER A CARGA HORÁRIA EXTENSIVA A ADMINISTRAÇÃO DOS CONFLITOS
  11. 11. Síndrome de Burnout: o Sofrimento no trabalho <ul><li>É um distúrbio psíquico de caráter depressivo, precedido de intenso esgotamento físico e mental; </li></ul><ul><li>É decorrente da tensão emocional crônica no trabalho e do sentimento de falta de controle sobre o trabalho; </li></ul><ul><li>Um dos principais sintomas é a apatia em relação às pessoas e ao trabalho. </li></ul>Prof. Felipe Pinho
  12. 12. <ul><li>Sintomas Psicossomáticos: enxaquecas, dores de cabeça, insônia, gastrite e ulcera, diarréias, crises de asma, palpitações, hipertensão, maior freqüência de infecções, dores musculares e/ou cervicais, alergias, suspensão do ciclo menstrual em mulheres. </li></ul><ul><li>Sintomas Comportamentais: absenteísmo, isolamento, violência, drogadição, incapacidade de relaxar, mudanças bruscas de humor, comportamento de risco. </li></ul><ul><li>Sintomas Emocionais: impaciência, distanciamento afetivo, sentimento de solidão, sentimentos de alienação, irritabilidade, ansiedade, dificuldade de concentração, sentimento de impotência, desejo de abandonar o emprego, decréscimo do envolvimento no trabalho, baixa auto-estima, dúvidas de sua própria capacidade e sentimento de onipotência. </li></ul><ul><li>Sintomas defensivos, envolvendo negação de emoções, ironia, atenção seletiva, hostilidade, apatia e desconfiança. </li></ul>Síndrome de Burnout: o Sofrimento no trabalho Prof. Felipe Pinho
  13. 13. A gestão do Cuidado: cuidando do cuidador <ul><li>A racionalização e tecnificação do cuidar; </li></ul><ul><li>A coisificação do sujeito humano; </li></ul><ul><li>Todo e qualquer profissional que trabalha em um Hospital é um profissional da saúde. </li></ul>Prof. Felipe Pinho
  14. 14. <ul><li>O cuidado como essência humana; </li></ul><ul><li>Cuidar nos coloca em relação com o outro e nos salva de nossa indiferença; </li></ul><ul><li>Cuidar é um compromisso com o outro. </li></ul><ul><li>Leonardo Boff </li></ul>A gestão do Cuidado: cuidando do cuidador Prof. Felipe Pinho
  15. 15. <ul><li>Empatia; </li></ul><ul><li>A relação deve ser autêntica; </li></ul><ul><li>O Outro é um valor; </li></ul><ul><li>Aceitação do outro de maneira positiva e incondicional; </li></ul><ul><li>Cuidar é mais que profissão é doação . </li></ul><ul><li>Pablo Picasso. </li></ul><ul><li>A criança Enferma. </li></ul>A Ética do Cuidar
  16. 16. A Política Nacional de Humanização Hospitalar (PNH - Humaniza SUS) <ul><li>Implantada em 2003, a PNH tem como objetivo humanizar a assistência à saúde e melhorar a qualidade dos serviços e atendimentos em saúde oferecidos na rede pública; </li></ul><ul><li>No eixo da gestão do trabalho, a PNH busca “promover ações que assegurem a participação dos trabalhadores nos processos de discussão e decisão, fortalecendo e valorizando os trabalhadores, sua motivação, o autodesenvolvimento e o crescimento profissional”. (Fonte: PNH) </li></ul>Prof. Felipe Pinho
  17. 17. OBRIGADO! felipepinho.blogspot.com Prof. Felipe Pinho
  18. 18. Bibliografia Básica <ul><li>CHIAVENATO, I. Gestão de pessoas. 2 ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2005. </li></ul><ul><li>BOOF, Leonardo. El cuidado esencial . Ética de lo humano, compasión por la Tierra. Madrid, Editorial Trotta, 2002. </li></ul><ul><li>LISBOA, Teresinha Covas. Breve História dos Hospitais. www.prosaude.org.br/noticias/jun2002/pgs/encarte.htm . </li></ul><ul><li>LAÍN ENTRALGO, Pedro. La Relación médico-enfermo: historia y teoría. Madrid Alianza, 1983. </li></ul>Prof. Felipe Pinho
  1. A particular slide catching your eye?

    Clipping is a handy way to collect important slides you want to go back to later.

×