As Redes Sociais e as novas Identidades: impactos nas Empresas Felipe Saraiva Nunes de Pinho
Minicurrículo <ul><li>Psicólogo (UFC) </li></ul><ul><li>Mestre em Linguística (UFC) </li></ul><ul><li>DEA em Filosofia (UB...
O contexto contemporâneo das Empresas <ul><li>A nova Era da Informação:  sociedades e organizações interconectadas  (Manue...
Breve Histórico IDADE DA PEDRA IDADE DO BRONZE IDADE DO FERRO IDADE MÉDIA IDADE MODERNA IDADE DA INFORMÁTICA
A Era Industrial <ul><li>Séc. XVIII – metade do Séc. XX </li></ul><ul><li>Ambiente estável; </li></ul><ul><li>Predomínio d...
Era Pós-Industrial <ul><li>Metade do século XX – final do séc. XX </li></ul><ul><li>Crise da idéia de crescimento ilimitad...
A Era da Informação <ul><li>Final do séc. XX – início do Séc. XXI </li></ul><ul><li>A revolução das telecomunicações, prin...
 
As organizações: uma perspectiva histórica Século XX Século XXI <ul><li>O sucesso: o tamanho organizacional; </li></ul><ul...
A Mudança no Paradigma Científico <ul><li>O Modelo Positivista (Modernidade) </li></ul><ul><li>A especialização; </li></ul...
As novas identidades e as empresas <ul><li>A novas identidades estão modificando profundamente as tradicionais relações de...
O Ser Humano, um ser dialógico <ul><li>Identidade: permanência do “mesmo” ao longo do tempo; </li></ul><ul><li>O fim da co...
<ul><li>“ Normalmente, não há nada de que possamos estar mais certos do que do sentimento de nosso eu, do nosso próprio eg...
A Identidade Contemporânea <ul><li>As bases sólidas, as âncoras do mundo moderno ruíram: vivemos na era da crise, da mudan...
A Identidade Contemporânea <ul><li>No contexto social contemporâneo perde-se as noções ontológicas de  espaço e tempo, poi...
As novas TICs e as Identidades <ul><li>As novas tecnologias da informação e da comunicação revolucionaram a maneira como o...
As novas TICs e as Identidades <ul><li>O conhecimento e as informações transcendem, dessa forma, os canais tradicionais e ...
As novas identidades nas empresas <ul><li>A nova  Geração Y  busca encontrar sentido no que faz; </li></ul><ul><li>Eles bu...
As TICs e seus impactos nas empresas <ul><li>“ Estão falando de mim”: </li></ul><ul><li>As pessoas buscam cada vez mais se...
<ul><li>Vivemos atualmente uma crise, sem precedentes, de confiança nas empresas; </li></ul><ul><li>Os consumidores e cida...
As redes sociais e o fortalecimento da relação com o cliente <ul><li>As redes sociais podem aumentar a  confiança  dos cli...
<ul><li>É importante compreender que cada vez mais se faz necessário pensar no  ethos  organizacional , e isso requer uma ...
Referências bibliográficas <ul><li>GIDDENS, Anthony.  Modernidade e identidade . Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2002. </...
Obrigado!
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

As redes sociais e as novas identidades

2,890 views
2,794 views

Published on

0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
2,890
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
708
Actions
Shares
0
Downloads
23
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

As redes sociais e as novas identidades

  1. 1. As Redes Sociais e as novas Identidades: impactos nas Empresas Felipe Saraiva Nunes de Pinho
  2. 2. Minicurrículo <ul><li>Psicólogo (UFC) </li></ul><ul><li>Mestre em Linguística (UFC) </li></ul><ul><li>DEA em Filosofia (UB) </li></ul><ul><li>felipepinho.blogspot.com </li></ul>
  3. 3. O contexto contemporâneo das Empresas <ul><li>A nova Era da Informação: sociedades e organizações interconectadas (Manuel Castells); </li></ul><ul><li>As novas Identidades Culturais : profissionais e colaboradores (GY), consumidores, cidadãos; </li></ul><ul><li>Os Mercados Globais: qualidade, diversidade cultural, crises globais; </li></ul><ul><li>A Temporariedade: mudança, agilidade, inovação; </li></ul><ul><li>Mudança de Paradigma do Conhecimento: complexidade e humanismo ; </li></ul><ul><li>A vigilância Ética: Responsabilidade Social, Desenvolvimento Sustentável, Reputação. </li></ul>
  4. 4. Breve Histórico IDADE DA PEDRA IDADE DO BRONZE IDADE DO FERRO IDADE MÉDIA IDADE MODERNA IDADE DA INFORMÁTICA
  5. 5. A Era Industrial <ul><li>Séc. XVIII – metade do Séc. XX </li></ul><ul><li>Ambiente estável; </li></ul><ul><li>Predomínio do setor secundário (indústria) </li></ul><ul><li>Organização burocrática e especializada; </li></ul><ul><li>Estrutura Multinivelada; </li></ul><ul><li>Administração centralizada na Gerência; </li></ul><ul><li>One best way (padronização e planejamento do trabalho). Divisão do trabalho entre concepção e execução (Taylor). </li></ul><ul><li>Valorização do conhecimento técnico como progresso e domínio da natureza. </li></ul>
  6. 6. Era Pós-Industrial <ul><li>Metade do século XX – final do séc. XX </li></ul><ul><li>Crise da idéia de crescimento ilimitado; </li></ul><ul><li>Ambientes mais instáveis; </li></ul><ul><li>Aumento da importância do setor de serviços (terciário); </li></ul><ul><li>Valorização dos bens intangíveis da economia, como conhecimento, criatividade e informação; </li></ul><ul><li>Flexibilidade da produção e redução dos níveis organizacionais; </li></ul><ul><li>A busca pela sustentabilidade. </li></ul>
  7. 7. A Era da Informação <ul><li>Final do séc. XX – início do Séc. XXI </li></ul><ul><li>A revolução das telecomunicações, principalmente da internet (network – rede de informações, empreendimentos); </li></ul><ul><li>Ambientes marcados pela instabilidade, em constante inovação; </li></ul><ul><li>Muita competitividade, sendo a principal vantagem competitiva a geração, o processamento e a aplicação do conhecimento de forma eficiente; </li></ul><ul><li>Intensificação do processo de Globalização; </li></ul><ul><li>Valorização do capital intelectual e aumento da preocupação com as pessoas. </li></ul><ul><li>Enxugamento das empresas e da produção: Just in time ; </li></ul><ul><li>Valorização da ética e da responsabilidade empresarial. </li></ul>
  8. 9. As organizações: uma perspectiva histórica Século XX Século XXI <ul><li>O sucesso: o tamanho organizacional; </li></ul><ul><li>Clareza e definição dos papéis; </li></ul><ul><li>Departamentalização e especialização; </li></ul><ul><li>Controle e burocratização; </li></ul><ul><li>As pessoas como recursos. </li></ul><ul><li>O sucesso: a velocidade </li></ul><ul><li>Flexibilidade e agilidade dos papéis; </li></ul><ul><li>Integração e visão sistêmica; </li></ul><ul><li>Inovação e criatividade; </li></ul><ul><li>As pessoas como parceiros. </li></ul>
  9. 10. A Mudança no Paradigma Científico <ul><li>O Modelo Positivista (Modernidade) </li></ul><ul><li>A especialização; </li></ul><ul><li>A objetivação e a objetividade; </li></ul><ul><li>A observação e a comprovação científica; </li></ul><ul><li>Causalidade linear. </li></ul><ul><li>O Modelo Holístico – Sistêmico (Pós-modernidade ) </li></ul><ul><li>A visão do todo e das partes; </li></ul><ul><li>A humanização e a intersubjetividade ; </li></ul><ul><li>O resgate da criatividade e da espontaneidade; </li></ul><ul><li>Causalidade circular e multicausalidade. </li></ul>
  10. 11. As novas identidades e as empresas <ul><li>A novas identidades estão modificando profundamente as tradicionais relações de trabalho e de consumo; </li></ul><ul><li>Essas mudanças impactam profundamente nos modelos tradicionais de gestão, demandando novas soluções por parte dos gestores: </li></ul><ul><ul><li>Na esfera do trabalho temos a Geração Y, os novos profissionais nascidos entre 1979 e 2000; </li></ul></ul><ul><ul><li>Na esfera do consumo temos a difusão das idéias éticas da Responsabilidade Empresarial. </li></ul></ul>
  11. 12. O Ser Humano, um ser dialógico <ul><li>Identidade: permanência do “mesmo” ao longo do tempo; </li></ul><ul><li>O fim da concepção da identidade cartesiana: imediata, absoluta e fixa; </li></ul><ul><li>O sujeito dialoga com os símbolos e signos de sua cultura, com os paradigmas do seu tempo e com os outros sujeitos para construir a sua identidade; </li></ul><ul><li>Os discursos e as práticas sociais influenciam na construção das identidades; </li></ul><ul><li>Estamos numa época de construção de novas identidades e novos paradigmas. </li></ul>
  12. 13. <ul><li>“ Normalmente, não há nada de que possamos estar mais certos do que do sentimento de nosso eu, do nosso próprio ego. O ego nos aparece como algo autônomo e unitário, distintamente demarcado de tudo o mais. (...) Não poderíamos estar mais enganados disto.” </li></ul><ul><li>(FREUD, O Mal-Estar na Cultura) </li></ul><ul><li>“ (...) a maior parte do pensamento consciente de um filósofo é secretamente governada por seus instintos e forçada a seguir uma via traçada.” </li></ul><ul><li> (NIETZSCHE, Além do Bem e do Mal) </li></ul>A Crise da Identidade
  13. 14. A Identidade Contemporânea <ul><li>As bases sólidas, as âncoras do mundo moderno ruíram: vivemos na era da crise, da mudança constante, sem certezas absolutas ou explicações definitivas; </li></ul><ul><li>A “pós-modernidade” é caracterizada por um profundo sentimento de desilusão com as promessas modernas de razão, ordem e progresso; </li></ul><ul><li>O Estado-nação, as metanarrativas, as concepções de gênero, raça e cor, orientação sexual, status socioeconômico etc., nada disso oferece mais uma localização segura na ordem social contemporânea; </li></ul><ul><li>O sujeito contemporâneo é um sujeito que desempenha diferentes papéis em diferentes grupos sociais, é um sujeito fluido e descentrado. </li></ul>
  14. 15. A Identidade Contemporânea <ul><li>No contexto social contemporâneo perde-se as noções ontológicas de espaço e tempo, pois o agora é um presente imediato constante e global; </li></ul><ul><li>Vivemos na cultura da atitude pop , caracterizada pela superficialidade, pela imediatez, pela banalização dos valores e pela busca do prazer instantâneo; </li></ul><ul><li>Como uma defesa, o indivíduo pós-moderno busca através da reflexividade voltar-se a si mesmo de maneira narcisista e individualista. </li></ul>
  15. 16. As novas TICs e as Identidades <ul><li>As novas tecnologias da informação e da comunicação revolucionaram a maneira como os sujeitos se relacionam e interagem; </li></ul><ul><li>As redes sociais possibilitam um contato planetário e imediato entre as pessoas sem as limitações tradicionais do espaço e do tempo; </li></ul><ul><li>Os indivíduos podem dessa forma buscar livremente as comunidades e as pessoas com as quais compartilham determinados valores, bem como podem experienciar ou simplesmente se informar sobre outras práticas culturais. </li></ul>
  16. 17. As novas TICs e as Identidades <ul><li>O conhecimento e as informações transcendem, dessa forma, os canais tradicionais e os filtros de controle das informações (Estado, Empresas); </li></ul><ul><li>Chegamos a duas conclusões importantes: </li></ul><ul><li>- os sujeitos contemporâneos têm mais opções de símbolos, signos, valores e práticas culturais com as quais dialogar para construir suas identidades; </li></ul>- hoje também temos mais acesso aos diferentes pontos de vista e interpretações dos fatos e fenômenos. Isso implica que não sabemos mais quem diz a verdade; temos que escolher a nossa verdade.
  17. 18. As novas identidades nas empresas <ul><li>A nova Geração Y busca encontrar sentido no que faz; </li></ul><ul><li>Eles buscam reconhecimento e feedback imediato, querem ser valorizados constantemente; </li></ul><ul><li>Não pensam duas vezes antes de largar o emprego, quando não se sentem satisfeitos; </li></ul><ul><li>Querem uma carreira rápida e realização pessoal; </li></ul><ul><li>São questionadores e imediatistas; </li></ul><ul><li>São generalistas, no entanto são superficiais; </li></ul><ul><li>Necessitam se sentir conectados o tempo todo. </li></ul>Concebidos na era digital, democrática e da ruptura da família tradicional
  18. 19. As TICs e seus impactos nas empresas <ul><li>“ Estão falando de mim”: </li></ul><ul><li>As pessoas buscam cada vez mais se informar a respeito das empresas, de suas ações, de sua história e, principalmente, das opiniões e recomendações de seus clientes (muitos consumidores estão se informando antes de comprar); </li></ul><ul><li>A Internet é um “espaço público”, um espaço excelente para a troca de informações, para a mobilização da sociedade civil, e também para denúncias e fofocas; </li></ul><ul><li>Nesse sentido, a Internet e as redes sociais funcionam como uma ferramenta de vigilância e controle ético das ações das empresas. </li></ul>
  19. 20. <ul><li>Vivemos atualmente uma crise, sem precedentes, de confiança nas empresas; </li></ul><ul><li>Os consumidores e cidadãos se sentem distantes, muitas vezes, dos centros de decisão das empresas contemporâneas; </li></ul><ul><li>Sentem que não conseguem influenciar ou participar das ações das organizações (stakeholders); </li></ul><ul><li>Não hesitam em utilizar a internet para reclamar ou denunciar quando não se sentem atendidos; </li></ul><ul><li>As redes sociais podem ajudar a empresa a construir e divulgar , para seus stakeholders, o seu ethos . </li></ul>As TICs e seus impactos nas empresas
  20. 21. As redes sociais e o fortalecimento da relação com o cliente <ul><li>As redes sociais podem aumentar a confiança dos clientes por possibilitarem um maior sentimento de proximidade e intimidade com a empresa; </li></ul><ul><li>Precisam ser utilizadas como um canal dinâmico de comunicação, preferencialmente de mão dupla, oferecendo informações precisas e respostas rápidas às expectativas do clientes; </li></ul><ul><li>Essa sensação de proximidade fortalece a percepção de segurança em relação à empresa, às suas práticas e aos seus produtos; </li></ul><ul><li>Outro papel das redes sociais é possibilitar a explicitação do papel social exercido pela organização. </li></ul>
  21. 22. <ul><li>É importante compreender que cada vez mais se faz necessário pensar no ethos organizacional , e isso requer uma gestão estratégica da reputação empresarial; </li></ul><ul><li>Uma das maneiras mais eficazes de desenvolver a reputação da empresa é promover a transparência organizacional. </li></ul>As redes sociais e o fortalecimento da relação com o cliente
  22. 23. Referências bibliográficas <ul><li>GIDDENS, Anthony. Modernidade e identidade . Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2002. </li></ul><ul><li>HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade . Rio de Janeiro : D,P&A, 2005. </li></ul><ul><li>BAUMAN, Zygmunt. Identidade: entrevista a Benedetto Vecchi . Rio de Janeiro: Jorge Jorge Zahar Editor, 2005. </li></ul><ul><li>RICOEUR, Paul . Sí mismo como otro . Siglo veintiuno de España Editores, 1996. </li></ul><ul><li>CORTINA, Adela. (org.) Ética de la empresa en la sociedad de la información y las comunicaciones . Madrid: Trota , 2004. </li></ul>
  23. 24. Obrigado!

×