Tecnologias de Informação e Comunicação no Suporte 
       aos Sistemas de Informação na Visão Hierárquica 
              ...
conhecimento, mas houve discussão direta limitada da hierarquia                 especificar a apresentação de documentos X...
Força Tarefa de Engenharia da Internet (IETF) com a publicação       O Data Warehouse não se caracteriza só como um aplica...
2.2.8     Blog                                                         2.3      Sistemas de Informação
São sistemas que pe...
3.1       Estádio Dolphin                                             fundamental, a sua boa utilização gera um diferencia...
A classificação mais adotada para os Sistemas de Informação leva      6.       REFERÊNCIAS
em consideração o nível organiz...
_visualizacao_de_dados/agregar-conteudos/mashups/o-que-     [24] Stair, Ralph M. e Reynolds, George W.. Princípios de
    ...
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Tecnologias de Informação e Comunicação no Suporte aos Sistemas de Informação na Visão Hierárquica Informacional DIKW

3,615

Published on

Tornou-se conhecimento de que a informação é um dos bens mais valiosos – se não o mais valioso - de uma organização, embora desde tempos imemoriáveis o ser humano já tenha ciência de que “conhecimento é poder”. Este documento busca ilustrar o uso de sistemas de informação para a ascensão ao conhecimento, através das tranformações dos insumos, dado e informação, para melhorar a qualidade da organização como um todo.
Este artigo foi desenvolvido como forma de avaliação da matéria Sistemas da Informação do curso de Sistemas de Informação da Universidade Federal de Sergipe (UFS).

Published in: Technology, Business
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
3,615
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
53
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Transcript of "Tecnologias de Informação e Comunicação no Suporte aos Sistemas de Informação na Visão Hierárquica Informacional DIKW"

  1. 1. Tecnologias de Informação e Comunicação no Suporte  aos Sistemas de Informação na Visão Hierárquica  Informacional DIKW Diego Armando de O. Meneses, Felipe J. R. Vieira, Roberto Pizzi Gomes Neto Universidade Federal de Sergipe diegoarmandoo@hotmail.com, felipejrvieira@yahoo.com.br, robertopgn@dcomp.ufs.br ABSTRACT a aproximação entre os tipos de SI e a hierarquia DIKW, e por último, a conclusão. It became aware that information is one of the most valuable assets - if not the most valuable – of an organization, but since 1.1 Trabalhos Relacionados immemorial time, human being has already aware that Apesar de Audy comentar em seu livro que existem várias formas "knowledge is power." This paper aims to illustrate the use of de classificar os sistemas de informação [1], pouco foi information systems for the rise to knowledge, through the encontrado, principalmente em relação a hierarquia DIKW e os transformations of the inputs, data and information to improve SI. Alguns artigos tratando sobre o estado da arte dos Sistemas de quality of the organization as a whole. Informação foram estudados, como o de Hoppen [2], e também, RESUMO sobre a Avaliação dos Sistemas de Informação, Arouck [3], servindo como base para o entendimento da área. Em muitos Tornou-se conhecimento de que a informação é um dos bens mais artigos percebe-se a ideia de dado, informação e conhecimento, valiosos – se não o mais valioso - de uma organização, embora por exemplo Bazzotti [4], mas nada tão direto quanto a proposta desde tempos imemoriáveis o ser humano já tenha ciência de que apresentada por este trabalho. “conhecimento é poder”. Este documento busca ilustrar o uso de sistemas de informação para a ascensão ao conhecimento, através 2. REFERENCIAL TEÓRICO das tranformações dos insumos, dado e informação, para melhorar Para realização deste trabalho foi realizada uma vasta pesquisa a qualidade da organização como um todo. que serviu de arcabouço teórico para a estruturação do artigo. Este está dividido em hierarquia DIKW, tecnologias de informação e Categoria comunicação e, também, sistemas de informação H. [Information Systems] 2.1 Hierarquia DIKW A "hierarquia DIKW", também diversas vezes conhecida como Termos Gerais "Hierarquia de sabedoria", "Hierarquia de conhecimento", Management, Documentation, Performance, Design, Economics, "Hierarquia de informações" e "Pirâmide do conhecimento" [5], Reliability, Experimentation, Security, Human Factors, refere-se vagamente a uma classe de modelos [6] para a Standardization, Languages, Legal Aspects. representação de supostas relações estruturais e/ou funcionais entre os dados, informações, conhecimentos e sabedoria (do inglês: data, information, knowledge e wisdom, respectivamente). Palavras Chaves Normalmente informações são definidas em termos de dados, Sistemas de Informação, Tecnologia de Informação e conhecimentos em termos de informação e a sabedoria em termos Comunicação, Hierarquia Informacional DIKW. de conhecimento [5]. Nem todas as versões do modelo DIKW referenciam a todos os 1. INTRODUÇÃO quatro componentes (nas versões anteriores, não incluiam os Atualmente vivemos em uma época batizada de “era do dados, nas versões posteriores, omitiam ou desvalorizavam a conhecimento”, estamos cercados por várias fontes de sabedoria), e alguns incluem componentes adicionais. Além de informação, emergidos em noticiários, propagandas, promoções uma hierarquia e uma pirâmide, o modelo DIKW também tem etc. Podemos acessar qualquer coisa, em qualquer lugar do sido caracterizado como uma cadeia [7] [8], como um quadro e mundo. Isto faz com que o ambiente em que estamos torne-se como um continuum. mais complexo, tanto para quem oferece, quanto para quem A apresentação das relações entre dados, informações, consome algum produto ou serviço. conhecimentos e, por vezes sabedoria em uma organização Para que as organizações sobrevivam a este ambiente caótico é hierárquica tem sido parte da linguagem da ciência da informação indispensável a utilização de Tecnologias de Informação e durante muitos anos. Embora seja incerto quando e por quem Comunicação (TIC). Sendo assim, o intuito do artigo é apresentar essas relações foram apresentadas pela primeira vez, a ubiquidade as TICs que apoiam os Sistemas de Informação (SI) e propor uma da noção de uma hierarquia incorporada a utilização do acrônimo comparação entre os tipos de SI e a Hierarquia Data, Information, DIKW como uma representação de forma abreviada para a Knowledge and Wisdow (DIKW). transformação dados-para-informação-para-conhecimento-para- sabedoria. O artigo está dividido em referencial teórico, Seção 2, onde será apresentado conceitos sobre DIKW, TIC e SI. Na Seção 3, os O modelo DIKW é utilizado implicitamente, em definições de estudos de caso serão mostrados. Após, na Seção 4, será realizada dados, informações e conhecimento em gerenciamento de informações, sistemas de informação e literatura de gestão de
  2. 2. conhecimento, mas houve discussão direta limitada da hierarquia especificar a apresentação de documentos XML [11]. É [5]. Revisões de livros didáticos [5] e um estudo de pesquisadores capaz de transformar um arquivo XML em outro. nos campos relevantes [6] indicam que não há um consenso • XML Signature - XML Signature (também chamada quanto às definições utilizadas no modelo e ainda menos na XMLDsig, XML-DSig, XML-Sig) é uma descrição dos processos que transformam os elementos mais recomendação W3C que define uma sintaxe XML para baixos na hierarquia em aqueles acima deles [5]. assinaturas digitais [12]. Funcionalmente, tem muito em 2.1.1 Dado comum com PKCS#7, mas é mais extensível e orientada No contexto da DIKW, dados são concebidos de símbolos ou em direção a assinatura de documentos XML. É usado sinais, representando estímulos, que estão "sem uso numa forma em várias tecnologias Web como SOAP, SAML, entre relevante". Esta característica não utilizável de dados é outras. Assinaturas XML podem ser usadas para assinar caracterizada como o "nada-saber". dados – um recurso – de qualquer tipo, tipicamente documentos XML, mas qualquer coisa que pode ser 2.1.2 Informação accessível via uma URL pode ser assinada. No contexto da DIKW, informação satisfaz a definição de • XML Encryption - XML Encryption, também conhecimento por descrição (informações estão contidas em conhecida como XML-Enc, é uma especificação, descrições) e é diferenciada de dados porque é "útil". Informação governada por uma recomendação W3C, que define é inferida a partir de dados no processo de resposta as perguntas como encriptar os conteúdos de um elemento XML (por exemplo, "quem", "o que", "onde", "quanto", "quando"), [13]. Apesar de XML Encryption poder ser usada para tornando os dados úteis "às decisões e/ou ações". Informação é encriptar qualquer tipo de dados, ela é, no entanto, definida como dados que são dotados de significado e finalidade. conhecida como "XML Encryption" porque um elemento XML (tanto um elemento EncryptedData ou 2.1.3 Conhecimento EncryptedKey) contém ou se refere ao texto cifrado O componente de conhecimento do DIKW é geralmente informação de chave, e algoritmos. Ambos XML concordado em ser um conceito evasivo que é difícil de definir. Signature e XML Encryption usam o elemento KeyInfo, Conhecimento é geralmente definido com referência a que aparece como o filho de um elemento SignedInfo, informação. Definições podem referir-se a informação tendo sido EncryptedData, ou EncryptedKey e provê informação tratada, organizada ou estruturada de alguma forma, ou então para um destinatário sobre qual material de chave para como sendo aplicada ou colocada em ação. ser usado na validação de uma assinatura ou decriptar dado encriptado. O elemento KeyInfo é opcional: ele 2.1.4 Sabedoria pode ser anexado à mensagem, ou ser entregue através Embora normalmente incluída como um nível na DIKW, não há de um canal seguro. referência limitada à sabedoria [5] em discussões do modelo. Sabedoria é a capacidade de aumentar a eficácia. Sabedoria 2.2.2 RFID adiciona valor, que requer a função mental que chamamos de Identificação de rádio-frequência (RFID) é o uso de um objeto acórdão. Os valores éticos e estéticos que isto implica são (tipicamente referido como uma etiqueta RFID) aplicada em, ou inerentes ao ator e são exclusivos e pessoais. incorporada em, um produto, animal, ou pessoa para o propósito de identificação e rastreamento usando ondas de rádio. Algumas 2.2 Tecnologias de Informação e etiquetas podem ser lidas de vários metros de distância e através Comunicação da linha de visão de um leitor [14]. Tecnologia é um conjunto complexo de técnicas, artes e ofícios A maioria das etiquetas RFID contêm pelo menos duas partes. capazes de modificar, transformar, o ambiente natural, social e Uma é um circuito integrado para armazenar e processar humano em novas realidades. Atualmente as tecnologias que mais informação, modular e desmodular um sinal de rádio-frequência causam impacto nas organizações são as TICs, um novo (RF), e outras funções especializadas. A segunda é uma antena componente de software ou hardware gera mudanças na forma de para receber e transmitir o sinal. desenvolver as atividades de diversos setores. Sua importância faz com que precisemos conhecer algumas das novas TICs que estão Há geralmente três tipos de etiquetas RFID: etiquetas RFID adentrando nas organizações. ativas, que contêm uma bateria e podem transmitir sinais autonomamente, etiquetas RFID passivas, que não têm bateria e 2.2.1 XML requerem uma fonte externa que provoque a transmissão do sinal, Para o W3C, o XML foi concebido para satisfazer os novos e a passiva assistida por bateria (BAP), que requer uma fonte desafios de publicações eletrônicas atuais, além de dar auxílio na externa para funcionar, mas tem maior capacidade de transmissão troca e transformação das mensagens entre várias plataformas e provendo grande alcance de leitura. aplicações [9]. Seu uso favorece a criação de padrões e arquitetura Hoje, o RFID é usado em gerenciamento de cadeia de das mensagens. Baseia-se no uso hierárquico dos elementos para suprimentos para melhorar a eficiência de rastreamento e gerência criação das estruturas do documento. Atualmente tem várias de inventário. utilizações conhecidas. • XML Schema - É uma recomendação do W3C, utilizada 2.2.3 IPv6 para definir a estrutura, conteúdo e semântica dos Protocolo de Internet versão 6 (IPv6) é a versão da próxima documentos XML [10]. Usado para validar os geração do Protocolo de Internet projetada como sucessora do documentos XML criados. IPv4, a primeira implementação usada na Internet e ainda em uso dominante atualmente. É um protocolo da Camada de Internet • XSL - É uma recomendação do W3C, pode ser chama para interredes comutadas por pacotes. A força motriz principal de folha de estilo para XML, usado para criar estilos e para o reprojeto do Protocolo de Internet era a previsível exaustão de endereços IPv4. IPv6 foi definida em dezembro de 1998 pela
  3. 3. Força Tarefa de Engenharia da Internet (IETF) com a publicação O Data Warehouse não se caracteriza só como um aplicativo ou da especificação do padrão de Internet, RFC 2460 [15]. simples base de dados, e sim, como uma estratégia de negócio que IPv6 tem um espaço de endereços vastamente mais largo que considera a estrutura dos dados armazenados, favorecendo a IPv4. Isso resulta do uso de endereços de 128 bits, enquanto IPv4 análise, e visualiza as diferentes visões e os contextos da organização. usa apenas 32 bits. O novo espaço de endereços suporta até 2 128 (mais de 3.4×1038) endereços. Essa expansão provê flexibilidade Para que esses dados possam ser transformados em informações, é em alocar endereços e rotear tráfego e elimar a necessidade necessário a utilização de técnicas e ferramentas específicas para primária da tradução de endereços de rede (NAT), que ganhou sua prospecção e análise. largo desenvolvimento como um esforço para aliviar a exaustão • OLAP - (Online Analytical Processing) são ferramentas de endereços IPv4. de exploração e prospecção dos dados de um Data IPv6 também implementa novas características como simplificar Warehouse, onde é possível analisar e manipular esses aspectos de asserção de endereços e numeração de redes quando dados em diversas perspectivas e contextos, através da há mudança de provedores de conectividade de Internet. O granularização dos dados (Cubos de Dados) em tamanho de sub-rede do IPv6 foi padronizado para fixar o diferentes níveis. OLAP permite a analistas, gerentes e tamanho da porção do identificador do host de um endereço de 64 executivos sintetizarem informações sobre a empresa bits para facilitar um mecanismo automático para incluir o através de comparações, visões personalizadas, análise endereço MAC. histórica e projeção dos dados em vários cenários. Para gerar essas diversas perspectivas as ferramentas OLAP 2.2.4 QR Code possuem o poder de reorganizar os dados dentro dos Um Código QR é um código em matriz (ou código de barras Data Warehouses através dos reposicionamentos e bidimensional) criada pela corporação japonesa Denso-Wave em trocas da ordens das colunas e linhas sem alterar os 1994. o “QR”é derivado de “Quick Response” [16], como o dados. criador pretendeu que o código permitisse que seu conteúdo • Data Mining - Data Mining, conhecido em português fossem decodificados a uma alta velocidade. como mineração de dados, nada mais é do que a Códigos QR são comuns no Japão, onde são atualmente o tipo atividade de encontrar padrões existentes em bases de mais popular de códigos bidimensionais. Além disso, a maioria dados, geralmente Data Warehouses. Segundo Fayyad é dos telefones móveis japoneses podem ler esse código com sua "o processo não-trivial de identificar, em dados, padrões câmera. válidos, novos, potencialmente úteis e ultimamente compreensíveis" [19]. Existem ferramentas que fazem Apesar de ter sido inicialmente usado para rastrear partes em boa parte deste processo, mas é necessário a intervenção manufatura veicular, Códigos QR agora são usados em um humana, principalmente de pessoas que conheçam o contexto muito mais amplo, incluindo tanto aplicações de negócio e de estatística para a total compreensão das rastreamento comerciais, quanto orientadas a conveniência informações, ou seja, o processo não é totalmente direcionadas a usuários de telefónes móveis (conhecido como automatizado. Data Mining é considerado uma etiquetagem móvel). ferramenta de gerenciamento de informação, onde 2.2.5 Arquitetura Orientada a Serviços (SOA) revela as estruturas de conhecimento, que possam criar Em computação, arquitetura orientada a serviços (SOA) provê um informações para a tomada de decisões. Sendo assim conjunto de princípios de conceitos dominantes usados durante as esta técnica é mais usada na área de geração do fases de desenvolvimento de sistemas e integração [17]. Tal conhecimento da empresa. arquitetura empacotará funcionalidades como serviços 2.2.7 Business Intelligence interoperáveis: módulos de software providos como um serviço, Segundo Batista, Business Intelligence (BI) é “um conjunto de podendo ser integrados ou usados por várias organizações, ferramentas e aplicativos que oferece aos tomadores de decisão mesmo se seus sistemas clientes forem, substancialmente, possibilidade de organizar, analisar, distribui e agir, ajudando a diferentes. É uma tentativa de desenvolver uma outra forma de organização a tomar decisões melhores e mais dinâmicas” [20]. integração dos módulos de software. Melhor que definir uma API, Isso mostra como a inteligência dentro das organizações consegue SOA define a interface em termos de protocolos e coletar os dados sem distorções, organizá-los e transformá-los em funcionalidades. Um terminal é um ponto de entrada para tal informações proativas que ficaram disponiveis para análise no implementação. momento certo. Orientação a serviços requer acoplamento fraco de serviços com Algumas das características que possibilitam esses benefícios do sistemas operacionais e outras tecnologias que ficam abaixo das BI são: extração e integração de variadas fonte de dados aplicações. SOA separa funções em unidades distintas, ou independente da localidade dos mesmos, utilização dessas serviços, que desenvolvedores tornam acessíveis sobre uma rede informações para definir estratégias, utilização da experiência de de forma que usuários possam cobiná-los e reusá-los na produção negócios, análise do contexto onde os dados estão inseridos, de aplicações. Esses serviços comunicam-se entre si, passando trabalhando com hipóteses e relações de causa e efeito, dados de um serviço a outro, ou coordenando uma atividade entre transformando os dados obtidos em informações relevantes para o dois ou mais serviços. conhecimento da organização. 2.2.6 Data Warehouse Para alcançarmos todas essas características e tirarmos o melhor Para William H. Inmon, “Data Warehouse é um conjunto de do BI, algumas ferramentas e técnicas são necessárias. A exemplo dados baseado em assuntos, integrado, não volátil, e variável em dos Data Warehouses, Planilhas Eletrônicas, Sistemas de Gestão relação ao tempo, de apoio às decisões gerenciais.”[18] .Utilizado Integrados (ERP), os geradores de relatório, ferramentas OLAP, para análise de grande volumes de dados e armazenamento dos Data Mining, Data Mart, Gestão de Relacionamento com o históricos organizacionais. Cliente (CRM), Metadados , entre outros.
  4. 4. 2.2.8 Blog 2.3 Sistemas de Informação São sistemas que permitem a criação e atualização rápida de Os sistemas de informação (SIs), manuais ou automatizados, estão conteúdo multimídia online. Através da adição de conteúdo por espalhados por todos os níveis da organização. Sua onipresença é um ou mais autores ocorre a interação com usuários que perceptível de qualquer lugar. O objetivo geral dos SIs é participam através de comentários. Normalmente blogs abordam disponibilizar para a organização as informações necessárias para temáticas específicas. Para Stepp , Blogs poderão criar o que a que ela atue em um determinado ambiente [1]. Em sua maioria as BusinessWeek chama de “mídia das massas”, um campo de força organizações apresentam três níveis organizacionais, o “editorial do cidadão” por “jornalistas autônomos”, podendo operacional, o tático e o estratégico. Esta estrutura serve como quebrar “o monopólio dos principais meios de comunicação” base para a classificação, mais aceita, dos SIs, que leva em [21]. consideração a finalidade principal de uso e o nível A utilização de blogs possibilita uma aproximação entre os níveis organizacional [1]. A classificação está caracterizada da seguinte organizacionais da empresa, criando um laço maior entre os forma: sistemas de processamento de transações, sistemas de funcionários. Também traz benefícios entre a organização e seus gestão do conhecimento, sistemas de informação gerencial, consumidores, por criar um canal informal de comunicação. sistemas de suporte a decisão e sistemas de suporte executivo. 2.2.9 Wikis 2.3.1 Sistemas de Processamento de Transações Wikis possibilitam adicionar ou editar conteúdo coletivamente, no São sistemas que visam atualizar os registros das operações da entanto, diferentemente dos Blogs, são mais estruturados e organização, lançamentos de pedidos, controle de estoque, folha possuem um âmbito formal. O objetivo é melhorar as informações de pagamento, entre outros [24]. É utilizado em todos os níveis de sobre determinado tema, através da colaboração do público. execução. Esse sistema tem como função executar e cumprir os planos elaborados por todos os outros sistemas, pois serve como Com isto tem-se acesso a informações fidedignas de como base na entrada de dados [25]. funcionam os departamentos da empresa, porque quem passará estas informações serão os funcionários do próprio setor, 2.3.2 Sistemas de Gestão do Conhecimento detentores do conhecimento operacional. Tem como proposta principal captar o conhecimento dos usuários, através de aplicativos que possibilitem a criação e 2.2.10 RSS imaginação, gerando assim a conversão de conhecimento tácito Really Simple Syndication ou Rich Site Summary é um formato, em conhecimento explícito. Aplicativos de escritórios e baseado em XML, que possibilita a criação e padronização de modelagem gráfica são bons exemplos de sistemas de gestão de conteúdos informativos onde estes podem ser consumidos por conhecimento. sites ou softwares agregadores de informação. O usuário não precisa procurar atualizações de conteúdo, estas 2.3.3 Sistemas de Informação Gerencial vão até ele. Seu uso no ambiente corporativo é importante para Os sistemas de informação gerencial captam os dados dos que a divulgação de notícias na empresa seja mais abrangente e sistemas de processamento de transações, buscando agrupá-los em atrativa. informação para auxiliar os gerentes a controlar, organizar e planejar com mais efetividade e com maior eficiência as 2.2.11 Mashup operações regulares da organização. As informações são Segundo Merrill, Mashup são utilizados para agregar serviços já apresentadas agrupadas, ou sintetizadas, tais como totais, existentes, disponibilizados através do SOA, criando um serviço percentuais, acumuladores, quantidades, plurais etc [26]. novo, singular e inovador [22]. Dependendo do propósito da criação pode se usar vários serviços já disponíveis na Web. Com 2.3.4 Sistemas de Apoio a Decisão isso as organizações podem conciliar sua base de dados com os Os sistemas de apoio a decisão são voltados para o nível mashups para disponibilizar serviços que gerem informações estratégico da organização. Eles apontam a direção a tomar em tratadas que possam ser usadas na tomada de decisão da empresa. decisões semi-estruturadas ou com rápidas mudanças. Devido a estas necessidades, estes sistemas respondem a mudanças que 2.2.12 Redes Sociais acontecem no ambiente quase que instantaneamente e utiliza As redes sociais são definidas através de atores (pessoas, informações externas para que o suporte a decisão seja mais instituições ou grupos) e suas conexões. Formam-se laços, devido abrangente. a possuírem fins, objetivos ou desejos em comum [23]. A Web Social possibilitou a criação de diversos serviços com este intuito. 2.3.5 Sistemas de Suporte Executivo Alguns sistemas de informação, devido às suas características, 2.2.13 Social Bookmarking transformam-se em poderosas armas a serviço da empresa para É um sistema de marcadores que disponibiliza, de forma online, que ela possa manter à frente da concorrência [27]. Este é o caso pública e gratuita, os favoritos do usuário, possibilitando fácil dos sistemas de suporte executivo. Eles possuem acesso a todas as acesso e compartilhamento. Com a utilização de Social informações da organização, e com o auxílio de sistemas Bookmarking, é possível encontrar pessoas com os mesmos inteligentes, proporcionam subsídios para a modificação de interesses e conhecer novos sites através das sugestões destas. produtos, operações, serviços, objetivos, entre outros. 2.2.14 Microblog 3. ESTUDO DE CASO Tipo de blog com ênfase na agilidade. Suas postagens são Para contextualização do tema foram estudados três casos e feita a significantemente limitadas, portanto o conhecimento deve ser o classificação deles de acordo com o nível da hierarquia DIKW mais explícito possível. No meio corporativo, pode ser útil que melhor se associava. quando se precisa deixar recados públicos ou mandar mensagens curtas.
  5. 5. 3.1 Estádio Dolphin fundamental, a sua boa utilização gera um diferencial entre a Em 2006, a gerência do estádio lançou um esforço para evoluir a organização e as concorrentes. Esta situação é facilmente tecnologia da estrutura, incluindo a construção de uma rede sem classificada no nível de informação. fio capaz de suportar novos sistemas de ponto de venda, serviços como acesso à Internet e comunicações sem fio, e outros serviços 3.3 Suzuki Motocicletas baseados em tecnologia RFID. RFID e suas potenciais aplicações A Suzuki está pronta para acelerar em sua divisão de motocicletas estão entre a principais razões para construir a rede sem fio. e Powersports - remodelando seu sistema de Business Intelligence (BI) a tempo para a época de recreação de Verão. Na tentativa de Em setembro de 2006, o Estádio Dolphin instalou mais de 600 aumentar as vendas do revendedor e rentabilidade, a divisão de leitores RFID PayPass do MasterCard Worldwide em pontos de Powersports decidiu atualizar sua infra-estrutura de BI e adicionar venda ao longo da construção. Visitantes do estádio podem usar a emissão de relatórios baseados na Web. Um foco importante foi cartões de crédito com RFID da MasterCard ou outras bandeiras a plataforma de integração e entrega de dados. Ter dados de cartão de crédito para comprar itens encostando os cartões nos suficientes nunca foi o problema. leitores. Portanto, a divisão atualizou para o BI e aplicativos de Cartões PayPass são equipados com etiquetas RFID operando a gerenciamento de dados a partir de Actuate Corp., de San 13.56 MHz, num alcance de leitura curto de dois ou três Francisco, escolhendo a tecnologia devido a seu ambiente de centímetros. O sistema, pertencente à MasterCard, habilita desenvolvimento Java, disse ele. Agora, a empresa utiliza 16 dos transações mais rápidas que compras com cartões de crédito aplicativos de Actuate, incluindo a camada de metadados de tradicionais ou dinheiro. O sistema PayPass é visto como objetos de informação, e isto facilitou para o grupo criar os especialmente adequado para tais locais como estádios de relatórios. A camada de metadados dá uma visão única de dados esportes, onde consumidores querem fazer compras rápidas e armazenados em diferentes tabelas relacionais e cubos, agindo retornar para seus lugares para assistir ao evento. como uma camada de transformação entre sistemas de origem e o O diretor de TI do estádio, Terry Howard, diz que os leitores, ambiente de relatórios Web. Nenhum dado é armazenado na fornecidos pela MasterCard via um fabricante terceirizado, são camada de metadados; em vez disso, a tecnologia de integração projetados para aceitar qualquer tipo de cartão de crédito de informações da empresa (EII) é usada para localizar dados equipado com uma etiqueta RFID. Aproximadamente 90 por quando é necessário para um relatório. cento dos padrões de concessão no estádio agora utilizam os O projeto começou no final de 2006, e está lentamente sendo leitores PayPass, com mais de 100 leitores RFID previstos para distribuído e ajustado. Agora, 15 relatórios de BI baseados na serem instalados em 2007. Até lá, o Estádio Dolphin gastou US$ Web estão disponíveis para um pessoal selecionado da Suzuki, 200.000 em leitores PayPass. incluindo funcionários corporativos, gerentes de vendas e Pode-se classificar que este estudo de caso se encontra no nível de gerentes de estoque. O feedback inicial foi muito positivo, disse dados, já que existe um investimento alto em formas de captação ele. Os relatórios ajudam a empresa gerenciar estoque, identificar e disponibilização dos dados. Em forma bruta, o dado, não tem tendências, analisar o desempenho financeiro e melhor avaliar o valor algum, mas estruturado, a informação, pode trazer lucros desempenho dos concessionários. A Suzuki também desenvolveu ainda maiores para os empresários e maior comodidade para os relatórios compostos. Eles permitem que os gerentes comparem o clientes, como foi apresentado neste estudo de caso. desempenho do revendedor com médias regionais ou nacionais. E, nomeadamente, os gerentes de vendas da Suzuki podem agora 3.2 O Boticário facilmente acessar relatórios Web numa base diária e passá-los Patrícia Müller, fala de percepções sobre pessoas, produtos de sobre a concessionários via e-mail. opiniões em seu blog. Em alguns destes post comentou sobre uma O BI possibilita a descoberta de novas informações que todos da linha de produtos da Boticário. Vinte dias depois, Patrícia recebeu organização desconheciam, o novo conhecimento é apresentado. um e-mail de agradecimento do centro de relacionamento com o Podendo assim classificar este caso, como um caso de cliente da Boticário. Para isto, o Boticário contratou a empresa conhecimento, terceiro nível da hierarquia. e.life que faz uma classificação prévia dos comentários. A prioridade são os assuntos negativos e de ação imediata, mas elogios também são respondidos. 4. SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA O intuito é monitorar comentários e medir a aceitação de produtos VISÃO HIERÁRQUICA DIKW e empresas no mundo 2.0. Em 2005, aumentou a quantidade de e- Todo Sistema de Informação é composto por componentes que se mails dos consumidores. Um deles escreveu dizendo que estava combinam para resolver um problema encontrado na organização. muito triste com a retirada do mercado do perfume feminino One Estas soluções são suportadas através das Tecnologias de of Us. Havia uma comunidade no orkut chamada Órfãos do One Informação e Comunicação, que isoladas, dificilmente terão of Us. utilidade para a organização, e não possuem uma classificação O serviço da e.life vem sendo usado desde o início de 2007. que se adeque à estrutura organizacional. No entanto, organizada Cinco pessoas do Boticário respondem aos comentários do e.life. e com um propósito bem delineado são fundamentais para o Todas têm curso superior e recebem treinamentos específicos. sucesso de um empreendimento. A média de respostas é de 100 por mês. É feita uma avaliação do A partir desta estruturação é possível vislumbrar os Sistemas de perfil do autor. Informações como idade e tamanho da rede de Informação, que como foi mostrado, tem o objetivo de amigos são fundamentais para definir o peso do que ele disse. disponibilizar para a organização as informações necessárias para Essa análise determina os comentários que serão respondidos. A que ela atue em um determinado ambiente. Neste ponto já estratégia é enviar a resposta diretamente para o autor. percebe-se a importância da informação no contexto apresentado. Derivada do dado, torna-se conhecimento para a organização e Com a Internet temos acesso a diversas informações, caso sabedoria para os dirigentes de mais alto nível. apresentado neste estudo de caso. Como aproveitá-la é a questão
  6. 6. A classificação mais adotada para os Sistemas de Informação leva 6. REFERÊNCIAS em consideração o nível organizacional em que eles estão implantados. Mas esta visão pode ser facilmente convertida para a hierarquia DIKW. Quando observam-se os sistemas de [1] Audy, Jorge Luis Nicolas et al. Fundamentos de sistemas de processamento de transações, eles estão localizados no nível mais informação. Porto Alegre: Bookman, 2005. baixo da pirâmide, acessando diretamente os dados produzidos [2] Hoppen, Noberto. Sistemas de Informação no Brasil: uma pela organização. Neste nível os dados são brutos, não dá para Análise dos Artigos Científicos dos Anos 90. 1998. fazer prospecção nenhuma sobre as condições da organização. Entretanto, é a partir deste conjunto de dados que níveis mais [3] Arouk, Osmar. Avaliação de Sistemas de Informação: altos na hierarquia tomarão decisões. Evidentemente que dados Revisão da Literatura. 2001. são gerados em todos os níveis, mas sua maioria se dá no nível [4] Bazzotti, Cristiane e Garcia, Elias. A importância do sistema operacional, pois é nesse que são feitas as observações diretas dos de informação gerencial para tomada de decisões. 2007. fenômenos que ocorrem naquele instante. Tecnologias como [5] Rowley, Jennifer. The wisdom hierarchy: representations of RFID, QRCode e diversos sensores possibilitam maior agilidade the DIKW hierarchy. Journal of Information Science, 2007. para captação deste dados. [6] Zins, Chaim. Conceptual Approaches for Defining Data, A partir do momento em que esses dados estão armazenados em Information, and Knowledge. Journal of the American conjunto é que entra o nível tático, auxiliado pelos sistemas de Society for Information Science and Technology 58, 2007. gestão do conhecimento e os sistemas de informação gerencial, os primeiros buscam capturar dados mais trabalhados, dados que já [7] Zeleny, Milan. Human Systems Management: Integrating foram processados pelos próprios colaboradores, entra-se em um Knowledge, Management and Systems. World Scientific. p. nível em que o conhecimento adquirido pelo colaborador torna-se 15-16, 2005. informação para a organização, pacotes de escritório, redes de [8] Lievesley, Denise. Data information knowledge chain. relacionamento auxiliam bastante esta etapa. Em contraponto os Health Informatics Now 1, 2006. sistemas de informação gerencial captam os dados do nível [9] W3C. Extensible Markup Language (XML), operacional e geram informação qualificada, através de porcentagens, totais, entre outras, auxiliando os gerentes na http://www.w3.org/XML/ . 2009. acessado em 30/10/2009. análise de forma logica, produzindo informações importantes para [10] W3C. XML Schema, http://www.w3.org/XML/Schema . a empresa. 2008 , Acessado em 30/10/2009. Adentrando do nível do conhecimento, chegamos aos sistemas de [11] W3C. The Extensible Stylesheet Language Family (XSL), apoio a decisão e aos sistemas de suporte executivo. Tecnologias http://www.w3.org/Style/XSL/ . 2009. Acessado em como BI e Data Warehouses auxiliam neste etapa, identificando 30/10/2009. situações não vislumbradas pelos altos executivos. Informação [12] W3C. XML Signature, http://www.w3.org/Signature/ . 2008. que antes não tinha importância alguma para eles começam a Acessado em 30/10/2009. tomar um papel estratégico, construindo uma nova imagem desconhecida. E neste ponto em que temos a linha tênue que [13] W3C. XML Encryption, separa conhecimento de sabedoria dificilmente existirão sistemas http://www.w3.org/Encryption/2001/ .2001. Acessado em que auxiliem a sabedoria, o máximo até agora alcançado são os 30/10/2009. sistemas de conhecimento, que de acordo com quem utiliza, [14] RFID, http://www.rfidradio.com/ . Acessado em 10/11/2009. poderá ou não vislumbrar alguma realidade ainda não conhecida. [15] IPv6, http://www.ipv6.br/ , Sítio sobre IPv6 do Comitê 5. CONCLUSÃO Gestor da Internet Brasileira. 2009. Acessado em 10/11/2009 Na supracitada “era do conhecimento”, os sistemas de informação [16] QR Code, http://www.denso-wave.com/qrcode/index-e.html, devem servir de auxílio aos humanos nos diferentes níveis da 2000 – 2003. Acessado em 10/11/2009. hierarquia DIKW. O ambiente organizacional já percebeu que a utilização das TIC não é apenas um diferencial competitivo, mas [17] The Open Group. Definition of SOA. sim um fator de sobrevivência. http://opengroup.org/projects/soa/doc.tpl?gdid=10632 . 2009. Acessado em 30/10/2009. Este documento ilustra a utilização de ferramentas ao longo das [18] Inmon, William H.. Building the data warehouse. Wiley. várias áreas da organização e aproxima a visão hierarquia DIKW 2005. aos sistemas de informação. É importante reforçar que a correta integração das TICs tornam todos os processos internos e externos [19] Fayyad, Usama; Piatetski-Shapiro, Gregory; Smyth, mais eficientes e eficazes. Padhraic. The KDD Process for Extracting Useful Knowledge from Volumes of Data. In: Communications of Outro ponto interessante a se frisar é a conversão digital e the ACM, pp.27-34. 1996. computação inteligente que estão entre as maiores áreas de exploração para os próximos anos. Elas provêem, [20] Batista, Emerson de Oliveira. Sistema de Informação: o uso respectivamente, agilidade e sabedoria artificial, imprescindíveis consciente da tecnologia para o gerenciamento – São Paulo: nos dias atuais. Saraiva, 2004. [21] Stepp, Carl Sessions. The Blog Revolucion, Como sugestão para trabalhos futuros pode-se citar o http://www.ajr.org/article.asp?id=4045 . 2006. Acessado em aprimoramento da aproximação da hierarquia DIKW com a 07/12/2008. hierarquia dos SIs, e também, traçar novas linhas evolutivas sobres as TICs e como influenciarão os sistemas de informação. [22] Merrill, Duane. Mashups: O Que São? Conheça Os Seus Tipos E Tecnologias De Suporte – Parte 1, http://www.masternewmedia.org/pt/gestao_de_informacao_e
  7. 7. _visualizacao_de_dados/agregar-conteudos/mashups/o-que- [24] Stair, Ralph M. e Reynolds, George W.. Princípios de e-um-mashup-tipos-de-mashups-tecnologias-de-suporte-a- Sistemas de Informação: Uma Abordagem Gerencial. Rio de mashups.htm . 2007. Acessado em 08/12/2008. Janeiro: LTC, 2002. [23] Recuero, Raquel da Cunha. Um estudo do capital social [25] Palmisano, Angelo e Rosini, Alessandro Marco. gerado a partir de Redes Sociais no Orkut e nos Weblogs. Administração de Sistemas de Informação e a Gestão do Revista FAMECOS, número 28, Porto Alegre, p. 88-106. Conhecimento. Cengage Learning, 2006. 2005. [26] Rezende, Denis A.. Engenharia de software e sistemas de informação. Brasport, 2006.

×