Possib alternat polít econ bras fernando ferrari

1,014 views
930 views

Published on

Published in: News & Politics
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
1,014
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
1
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Possib alternat polít econ bras fernando ferrari

  1. 1. Possibilidades e Alternativas para a Política Econômica Brasileira Fernando Ferrari Filho Professor Titular da UFRGS e Pesquisador do CNPq http://www.ppge.ufrgs.br/ferrari e ferrari@ufrgs.br Fundação de Economia e Estatística Porto Alegre, 26 de setembro de 2013
  2. 2. Estrutura • Grande Recessão (GR); • Impactos da GR na Economia Brasileira; • Problemas e o Que Fazer?
  3. 3. GR? • Recessão (2009) e estagnação e ligeira recuperação (2010, 2011, 2012 e 2013) → G7 e China; • Expansões fiscal e monetária elevaram a liquidez, estimulando os capitais a procurarem retornos atrativos (bolhas especulativas de ativos nas economias emergentes? Operações de carry trade), e chegaram ao limite; • Deterioração fiscal dos EUA, dos países da UME e do Japão; • Problemas no sistema financeiro chinês, pressão por salários e maior demanda de consumo (centros rurais x centros urbanos) e bolhas de ativos na China; • Problemas adicionais para a zona do euro: Como inserir os países do leste europeu? Flexibilizar (ou não) o Pacto de Estabilidade e Crescimento? Saídas de países periféricos? Solução para as dívidas soberanas e para a crise bancária?
  4. 4. Impactos da GR na Economia Brasileira • Aspectos Negativos: (i) 2009-2012, PIB pífio, média de 2,6% ao ano, e à la stop-and-go; (ii) Limitação das políticas contracíclicas para expandir consumo? Endividamento das famílias↑ e inadimplência↑; (iii) Principais parceiros comerciais em crise ou em desaceleração; (iv) Volatilidade do câmbio e juros elevados (taxas médias de juros, agosto/2013, segundo a Associação Nacional de Executivos de Finanças: PF = 89,0% e PJ = 44,0%); (v) Políticas industriais (“Política Industrial, Tecnológica e de Comércio Exterior”, de 2004; “Política de Desenvolvimento Produtivo”, de 2008; e “Plano Brasil Maior”, de 2011) não conseguiram expandir a relação I/PIB.
  5. 5. (vi) Medidas contracíclicas: 2009 Redução de impostos para diversos produtos (automóveis) Redução TJLP (6,25% para 6,0%) e Selic (13,75% para 8,75%); Liberação e redução dos depósitos compulsórios; Minha casa, Minha Vida; Criação de IOF (2,0%) para investimento estrangeiro em renda fixa (RF). 2010 Redução de tributos e regras para compras governamentais; Aumento Selic (8,75% para 10,75%); Aumento da alíquota de IOF (6,0%) para investimento estrangeiro em RF.
  6. 6. 2011 Ajuste fiscal: redução de R$ 50 bilhões nas despesas primárias; Aumento da exigência dos compulsórios e medidas macroprudenciais; Aumento das alíquotas de compras no exterior (6,38%); Redução de impostos para “linha branca”, automóveis e construção civil; Elevação (10,75% para 11,25%) e redução (11,25% para 11,0%) da Selic; Redução e aumento do IOF sobre crédito ao consumidor (3,0% para 1,5% e 1,5% para 3,0%); Plano Brasil Maior. 2012 Redução das taxas de juros e dos spreads dos bancos públicos; Redução da TJLP de 6,0% para 5,5% e da Selic de 11,0% para 7,25%; Alteração das regras da poupança; Programa Brasil Carinhoso.
  7. 7. 2013 Redução da TJLP (5,5% para 5,0%) e aumento da Selic de 7,25% para 8,5%; Corte dos custos de energia; Desoneração da cesta básica; Eliminação do IOF para investimento estrangeiro em RF; Ajuste fiscal parcial.
  8. 8. -15.0 -10.0 -5.0 0.0 5.0 10.0 15.0 Agropecuária Indústria Serviço Fonte: IBGE PIB, trimestre contra trimestre (%)
  9. 9. -10.0 -5.0 0.0 5.0 10.0 15.0 PIB Consumo das famílias FBKF Exportação Importação Fonte: IBGE. PIB, trimestre contra trimestre (%)
  10. 10. -10 -5 0 5 10 15 20 25 30 Fonte: BCB. Contas Externas (US$ bilhões) Déficit em transações correntes Saldo da balança comercial
  11. 11. Composição das Exportações 0% 10% 20% 30% 40% 50% 60% 70% 80% 90% 100% Jan-10 Apr-10 Jul-10 Oct-10 Jan-11 Apr-11 Jul-11 Oct-11 Jan-12 Apr-12 Jul-12 Oct-12 Jan-13 Apr-13 Jul-13 Fonte: FUNCEX Manuf. Semimanuf. Básicos
  12. 12. 100 120 140 160 180 200 220 240 260 Fonte: FMI. Índice de Commodities Alimentos e Bebidas Matérias primas industriais Matérias Primas Agrícolas Metal Energia
  13. 13. Selic (%) 12.5 9 6 7 8 9 10 11 12 13 1/1/2010 1/1/2011 1/1/2012 1/1/2013 Fonte: Ipeadata
  14. 14. 70.0 72.0 74.0 76.0 78.0 80.0 82.0 84.0 86.0 88.0 90.0 1.5 1.6 1.7 1.8 1.9 2.0 2.1 2.2 Índicedatx.realefetiva câmbionominal Fonte: Ipeadata e BCB. Taxa de Câmbio, média trimestral Câmbio nominal Câmbio real
  15. 15. 2.3 2.6 3.6 2.4 4.1 3.8 2.5 2.2 4.5 1.8 0.9 2.5 2.7 1.8 Fonte: BCB. Superávit Primário, média no trimestre (% PIB)
  16. 16. 0 2 4 6 8 10 12 Fonte: IBGE 2010 2011 2012 2013 (acum. 12 meses até agosto) Inflação (%)
  17. 17. 6.09 4.00 4.50 5.00 5.50 6.00 6.50 7.00 7.50 Jan-10 Mar-10 May-10 Jul-10 Sep-10 Nov-10 Jan-11 Mar-11 May-11 Jul-11 Sep-11 Nov-11 Jan-12 Mar-12 May-12 Jul-12 Sep-12 Nov-12 Jan-13 Mar-13 May-13 Jul-13 Fonte: IBGE Inflação Acumulada em 12 meses (%)
  18. 18. Impactos da GR na Economia Brasileira • Aspectos positivos: (i) Salário mínimo e rendimento médio cresceram; (ii) Taxa de desemprego caiu; (iii) Elevação da relação Crédito/PIB; (iv) Queda da relação Dívida Pública/PIB.
  19. 19. Salário Mínimo (R$) Ano Salário Mínimo (R$) 1995 100,0 1996 112,0 1997 120,0 1998 130,0 1999 136,0 2000 151,0 2001 180,0 2002 200,0 2003 240,0 2004 260,0 2005 300,0 2006 350,0 2007 380,0 2008 415,0 2009 465,0 2010 510,0 2011 545,0 2012 622,0 2013 678,0 Nota: Variação real (supondo que a inflação em 2013 seja de 5,8%) = 82,4%. Fonte: IBGE.
  20. 20. 1350 1450 1550 1650 1750 1850 1950 Nota: Variação real, para uma inflação acumulada entre janeiro e junho de 2013 de 3,15% = 9,5% Fonte: IBGE. Rendimento Médio do Trabalho (R$)
  21. 21. 7.4 7.3 6.6 5.7 6.3 6.3 6.0 5.2 5.8 5.9 5.4 4.9 5.6 5.9 Fonte: IBGE. Taxa de Desemprego, média trimestral (%)
  22. 22. 43 43 44 45 45 46 47 48 49 50 51 53 54 55 Fonte: BCB. Crédito/PIB, média trimestral (%)
  23. 23. 39 36 35 34 64 64 67 65 0 10 20 30 40 50 60 70 80 2010 2011 2012 2013 (Jul) Dívida liquida do setor público consolidada Dívida bruta do governo geral (met. 2007) Fonte: BCB Dívida Pública/PIB (%)
  24. 24. Problemas e o Que Fazer? • Problemas? Desequilíbrio no balanço de pagamentos em transações correntes, desindustrialização da economia (perda de competitividade e câmbio), inflação acima do target, crescimento potencial baixo, esgotamento do crescimento via consumo e adiamento de reformas estrutural-institucionais. • O que fazer? (i) Crescimento = f(wage-led, não negligenciando o setor externo) = g(Keynesiano-Institucionalista); (ii) Política monetária: (a) regras x discricionariedade? Discricionariedade! Taxa de juros para dinamizar C e I. Ou seja, substituição do inflation targeting pelo economic growth targeting; e (b) Medidas macroprudencias (riscos financeiros↓ e liquidez↑); (iii) Política fiscal contracíclica: períodos de crise, expansão fiscal x períodos de prosperidade, equilíbrio/superávit fiscal. Enfim, responsabilidade ao invés de austeridade fiscal;
  25. 25. (iv) Política cambial: taxa real efetiva de câmbio (TREC) de equilíbrio para evitar volatilidade e apreciação da taxa nominal de câmbio = f(câmbio administrado a partir de um Fundo de Estabilização Cambial e controle de capitais – IOF e reservas compulsórias). A ideia é que a TREC não seja tão apreciada, a ponto de criar externalidade negativa para o setor industrial, e tampouco seja muito desvalorizada para não gerar efeito pass- through; (v) Reforma tributária: ID x II, impostos sobre capital e riqueza etc. Enfim, reforma tributária com maior incidência sobre renda e riqueza e caráter de progressividade. (vi) Política industrial (crédito, subsídios, tecnologia etc.), visando aumentar a competitividade e a inserção (cenário mundial) das empresas; (vii) Políticas de renda para regular W e P, em conformidade com os ganhos de produtividade da economia e a dinâmica concorrencial;
  26. 26. (viii) Diversificação da pauta de exportação e dos parceiros comerciais (comércio Sul-Sul, BRICs etc.); (ix) Reforma financeira: operações de swaps de títulos pós- fixados por títulos pré-fixados, eliminação das LFTs, mudanças nas regras da poupança (maturação e rentabilidade maiores, visando funding para longo prazo), dinamização dos mercado de capitais e de títulos de dívida privada; (x) Melhores instrumentos de governança. Em suma, mudanças estrutural-institucionais e maior coordenação entre as políticas fiscal, monetária e cambial.

×