Your SlideShare is downloading. ×
0
A natureza das crises financeiras
A natureza das crises financeiras
A natureza das crises financeiras
A natureza das crises financeiras
A natureza das crises financeiras
A natureza das crises financeiras
A natureza das crises financeiras
A natureza das crises financeiras
A natureza das crises financeiras
A natureza das crises financeiras
A natureza das crises financeiras
A natureza das crises financeiras
A natureza das crises financeiras
A natureza das crises financeiras
A natureza das crises financeiras
A natureza das crises financeiras
A natureza das crises financeiras
A natureza das crises financeiras
A natureza das crises financeiras
A natureza das crises financeiras
A natureza das crises financeiras
A natureza das crises financeiras
A natureza das crises financeiras
A natureza das crises financeiras
A natureza das crises financeiras
A natureza das crises financeiras
A natureza das crises financeiras
A natureza das crises financeiras
A natureza das crises financeiras
A natureza das crises financeiras
A natureza das crises financeiras
A natureza das crises financeiras
A natureza das crises financeiras
A natureza das crises financeiras
A natureza das crises financeiras
A natureza das crises financeiras
A natureza das crises financeiras
A natureza das crises financeiras
A natureza das crises financeiras
A natureza das crises financeiras
A natureza das crises financeiras
A natureza das crises financeiras
A natureza das crises financeiras
A natureza das crises financeiras
A natureza das crises financeiras
A natureza das crises financeiras
A natureza das crises financeiras
A natureza das crises financeiras
A natureza das crises financeiras
A natureza das crises financeiras
A natureza das crises financeiras
A natureza das crises financeiras
A natureza das crises financeiras
A natureza das crises financeiras
A natureza das crises financeiras
A natureza das crises financeiras
A natureza das crises financeiras
A natureza das crises financeiras
A natureza das crises financeiras
A natureza das crises financeiras
A natureza das crises financeiras
A natureza das crises financeiras
A natureza das crises financeiras
A natureza das crises financeiras
A natureza das crises financeiras
A natureza das crises financeiras
A natureza das crises financeiras
A natureza das crises financeiras
A natureza das crises financeiras
A natureza das crises financeiras
A natureza das crises financeiras
A natureza das crises financeiras
A natureza das crises financeiras
A natureza das crises financeiras
A natureza das crises financeiras
A natureza das crises financeiras
A natureza das crises financeiras
A natureza das crises financeiras
A natureza das crises financeiras
A natureza das crises financeiras
A natureza das crises financeiras
A natureza das crises financeiras
A natureza das crises financeiras
A natureza das crises financeiras
A natureza das crises financeiras
A natureza das crises financeiras
A natureza das crises financeiras
A natureza das crises financeiras
A natureza das crises financeiras
A natureza das crises financeiras
A natureza das crises financeiras
A natureza das crises financeiras
A natureza das crises financeiras
A natureza das crises financeiras
A natureza das crises financeiras
A natureza das crises financeiras
A natureza das crises financeiras
A natureza das crises financeiras
A natureza das crises financeiras
A natureza das crises financeiras
A natureza das crises financeiras
A natureza das crises financeiras
A natureza das crises financeiras
A natureza das crises financeiras
A natureza das crises financeiras
A natureza das crises financeiras
A natureza das crises financeiras
A natureza das crises financeiras
A natureza das crises financeiras
A natureza das crises financeiras
A natureza das crises financeiras
A natureza das crises financeiras
A natureza das crises financeiras
A natureza das crises financeiras
A natureza das crises financeiras
A natureza das crises financeiras
A natureza das crises financeiras
A natureza das crises financeiras
A natureza das crises financeiras
A natureza das crises financeiras
A natureza das crises financeiras
A natureza das crises financeiras
A natureza das crises financeiras
A natureza das crises financeiras
A natureza das crises financeiras
A natureza das crises financeiras
A natureza das crises financeiras
A natureza das crises financeiras
A natureza das crises financeiras
A natureza das crises financeiras
A natureza das crises financeiras
A natureza das crises financeiras
A natureza das crises financeiras
A natureza das crises financeiras
A natureza das crises financeiras
A natureza das crises financeiras
A natureza das crises financeiras
A natureza das crises financeiras
A natureza das crises financeiras
A natureza das crises financeiras
A natureza das crises financeiras
A natureza das crises financeiras
A natureza das crises financeiras
A natureza das crises financeiras
A natureza das crises financeiras
A natureza das crises financeiras
A natureza das crises financeiras
A natureza das crises financeiras
A natureza das crises financeiras
A natureza das crises financeiras
A natureza das crises financeiras
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

A natureza das crises financeiras

558

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
558
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
4
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. A natureza das crises financeiras: 2008 e 2010/2012 Marcos Antonio Macedo Cintra Diretoria de Estudos Macroeconômicos Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea)Porto Alegre, Fundação de Economia e Estatística Siegfried Emanuel Heuser (FEE) , 30 de outubro de 2012
  • 2. Produto e Comércio e Inflação Mundial – Variação Anual – em % 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012(a) 2013(a)Produto Interno Bruto RealMundo 3,6 4,9 4,6 5,3 5,4 2,8 –0,6 5,1 3,8 3,3 3,6Economias Avançadas 1,9 3,1 2,6 3,0 2,8 0,1 -3,5 3,0 1,6 1,3 1,5 EUA 2,5 3,5 3,1 2,7 1,9 -0,3 -3,1 2,4 1,8 2,2 2,1 Área do Euro 0,7 2,2 1,7 3,2 3,0 0,4 -4,4 2,0 1,4 -0,4 0,2 Japão 1,4 2,4 1,3 1,7 2,2 -1,0 -5,5 4,5 -0,8 2,2 1,2Países Emergentes e em Desenv. 6,2 7,5 7,3 8,2 8,7 6,1 2,7 7,4 6,2 5,3 5,6 Ásia 8,1 8,5 9,5 10,3 11,4 7,9 7,0 9,5 7,8 6,7 7,2 América Latina 2,1 6,0 4,7 5,7 5,8 4,2 -1,5 6,2 4,5 3,2 3,9 Brasil 1,1 5,7 3,2 4,0 6,1 5,2 -0,6 7,5 2,7 1,5 4,0 Oriente Médio e Norte da África 7,3 6,2 5,3 6,3 5,7 4,5 2,6 5,0 3,3 5,3 3,6 África Subsaariana 4,9 7,1 6,2 6,4 7,1 5,6 2,8 5,3 5,1 5,0 5,7 Europa Central e Leste 4,8 7,3 5,9 6,4 5,4 3,2 -3,6 4,6 5,3 2,0 2,6 Comunidade de Estados 7,7 8,2 6,7 8,8 9,0 5,4 -6,4 4,8 4,9 4,0 4,1Volume do Comércio Mundial 10,7 7,7 9,2 7,8 3,0 -10,4 12,6 5,8 3,2 4,5Índice de Preços ao ConsumidorEconomias Avançadas 1,9 2,0 2,3 2,3 2,2 3,4 0,1 1,5 2,7 1,9 1,6Economias em Desenvolvimento 6,2 5,9 5,8 5,6 6,5 9,3 5,1 6,1 7,2 6,1 5,8Libor (b)Depósitos em dólar (6 meses) 1,2 1,8 3,8 5,3 5,3 3,0 1,1 0,5 0,5 0,7 0,6 Fonte: IMF, World Economic Outlook, October 2012,
  • 3. Crescimiento da Economia Mundial - Producto Bruto Interno, variação percentual anual/duas velocidades10,0 8,0 6,0 4,0 2,0 0,0 2012 (p) 1980 1982 1984 1986 1987 1989 1991 1994 1996 1998 2001 2003 2005 2006 2008 2010 1981 1983 1985 1988 1990 1992 1993 1995 1997 1999 2000 2002 2004 2007 2009 2011-2,0-4,0 Mundo Economías Avanzadas Economías Emergentes Fonte: International Monetary Fund: World Economic Outlook Database
  • 4. Crescimento das Economias Emergentes - Produto Bruto Interno, variação percentual anual15,013,011,0 9,0 7,0 5,0 3,0 1,0-1,0-3,0 1982 1984 1986 1988 1992 1994 1996 1998 2002 2004 2006 1980 1990 2000 2008 2010 2012 (p) Economías Emergentes China América Latina Fonte: International Monetary Fund: World Economic Outlook Database.
  • 5. Crescimento das Economias da América Latina - Producto Bruto Interno, variação percentual anual11,0 9,0 7,0 5,0 3,0 1,0 -1,0 2012 (p) 1980 1990 1996 2000 2002 1982 1984 1986 1988 1992 1994 1998 2004 2006 2008 2010 -3,0 -5,0 -7,0 -9,0-11,0 América Latina Brasil Argentina Fonte: International Monetary Fund: World Economic Outlook Database
  • 6. Conta-corrente países em desenvolvimento, US$ bilhões500400300200100 0-100-200 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 Ásia América Latina Oriente Médio e Norte da África África Subsaariana Europa Central e Leste CEIFonte: International Monetary Fund: World Economic Outlook Database
  • 7. Abundância de capitais para países em desenvolvimento700,0600,0500,0400,0300,0200,0100,0 0,0-100,0-200,0 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 Fluxo líquido de capital privado Invest. Estrangeiro Direto Portfólio OutrosFonte: International Monetary Fund: World Economic Outlook Database.
  • 8. Reservas internacionais4.5004.0003.5003.0002.5002.0001.5001.000 500 0 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Ásia América Latina Oriente Médio e Norte da África África Subsaariana Europa Central e Leste CEIFonte: International Monetary Fund: World Economic Outlook Database
  • 9. Reservas internacionais: Brasil US$ milhões400.000350.000300.000250.000200.000150.000100.000 50.000 0 Nov Fev Fev jan/00 Jun jan/07 Jul Jul Mar Mar Ago Ago Abr Abr Mai Mai Dez Out Out Set Dez SetFonte: Banco Central do Brasil
  • 10. 120 170 220 270 20 70 01/01/1992 01/01/1993 01/01/1994 01/01/1995 01/01/1996 01/01/1997 01/01/1998 All index 01/01/1999 01/01/2000 01/01/2001 Food index 01/01/2002 01/01/2003 01/01/2004 Metal index 01/01/2005 Cotação das commodities 01/01/2006 01/01/2007 Energy index 01/01/2008 01/01/2009 01/01/2010Fonte: International Monetary Fund: World Economic Outlook Database. 01/01/2011 01/01/2012
  • 11. Conta-Corrente – US$ bilhões 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012(a)Conta Corrente (Emergentes) 206,4 416,9 639,5 629,6 673,7 291,8 336,2 481,2 361,8 Ásia 90,8 137,6 268,8 400,3 412,7 291,4 313,2 363,1 411,8 América Latina 21,4 36,1 50,2 14,9 -30,5 -24,2 -56,9 -78,7 -100,2 Oriente Médio e Norte da África 101,5 211,5 282,2 265,8 349,2 49,9 183,5 306,9 238,8 África Subsaariana -7,7 -3,6 30,8 13,1 1,0 -20,7 -12,2 6,9 -8,4 Europa Central e Leste -55,1 -61,1 -89,0 -137,8 -160,4 -50,0 -119,4 -108,0 -158,9 Comunidade de EstadosIndependentes 63,5 87,6 96,3 71,7 107,7 41,3 75,3 113,5 79,5 Memorandum Exportadores de Petróleo 184,6 349,2 476,6 429,7 587,0 145,2 291,0 597,6 568,5EUA -628,5 -745,8 -800,6 -710,3 -677,1 -381,9 -442,0 -465,9 -486,5Àrea Euro 121,7 51,4 53,7 45,6 -99,8 18,2 48,8 56,6 136,0Japão 172,1 166,1 170,9 212,1 159,9 146,6 204,0 119,3 95,4Outras Economias Avançadas 125,1 144,5 149,9 134,9 135,0 146,1 168,6 196,8 90,1 Fonte: IMF, World Economic Outlook, October 2012,
  • 12. Chinas Trade with the United States, 2001-11 (US$ billion) 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011US exports 19.2 22.1 28.4 34.7 41.8 55.2 65.2 71.5 69.6 91.9 103.9US imports 102.3 125.2 152.4 196.7 243.5 287.8 321.5 337.8 296.4 364.9 399.3US balance -83.0 -103.1 -124.0 -162.0 -201.6 -232.5 -256.3 -266.3 -226.8 -273.1 -295.5
  • 13. Chinas Trade with the World, 2001-10 (US$ billion) 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010Exports 266.1 325.6 438.2 593.3 762.0 968.9 1,217.8 1,430.7 1,201.6 1,577.9Imports 243.6 295.2 412.8 561.2 660.0 791.5 956.0 1,132.6 1,005.9 1,394.8Total 509.7 620.8 851.0 1,154.6 1,421.9 1,760.4 2,173.7 2,563.3 2,207.5 2,972.8Balance 22.6 30.4 25.5 32.1 102.0 177.5 261.8 298.1 195.7 183.1
  • 14. Global economic growth, % contribution CHINA ÁREA EURO (15) ÍNDIA JAPÃO EUA 100 90 80 70 60 50 40 30 20 10 0 1986 1995 1997 1998 2000 2001 1985 1987 1988 1989 1990 1991 1992 1993 1994 1996 1999 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010Source: Economist Intelligence Unit
  • 15. Figura 3. Fluxo do Mercado de Hipotecas e Transferência de Risco Cidadão Senior Debt - Fundos de Investimento Seguradoras - Fundos de Pensão Asset-Backed - Cias. de Seguro Security (ABS) Derivativo Equity Debt de Crédito - Hedge Funds (Credit Default Instituições Swap) Senior Debt Financeiras - Fundos de Investimento - Fundos de Pensão - Cias. de Seguro Collateralized Debt - Hedge Funds Obligation (CDO) Security (ABS) Equity Debt (Toxic Waste)Linha de crédito - Special Purpose Vehicle - Structured Investment Vehicle (SPV/SIV) Asset-Backed Commercial Papers Corporações (ABCP) Bancos
  • 16. Figura – Esquema Estilizado de Securitização de Créditos Subprime Hipoteca AAA Compra de Maior Prioridade Menor Títulos de Recebimento Retorno AA Fundo de Hipotecas A Empréstimo Imóveis BBB Pagamentos (Mortgage Pool) BB P+1 B Pagamentos P + 1 Equity du Toxic Waste Menor Prioridade Maior de Recebimento Retorno AAA Hedge Fund AA A Títulos de Fundo CDO Curto Prazo BBB SIV (CDO Pool) – BB Commercial Papers B Empresas Equity du Toxic WasteFonte: Ernani Torres Júnior in Entendendo a crise do subprime.
  • 17. Collateral Debt Obligations (CDOs) Income streams are added together … and then sliced up by risk Prime mortgages Junk mortgages Credit-card debt Fees Car-leasing debt AAA tranche AA – BB tranches Unrated Investment banks and ratings agencies negotiate over the composition to ensure an AAA tranche with a higher yield than standard AAA rated assets.
  • 18. Boneca RussaSubprime mortgage loans High-grade structured-finance CDOSubprime mortgage bonds Senior AAA 88% AAA 80% Junior AAA 5% AA 11% AA 3% A 4% A 2% BBB 3% BBB 1% BB - Unrated 2% Unrated 1% CDO-squared Mezzanine structured- finance Senior AAA 60% CDO Junior AAA 27% Senior AAA 62% AA 4% Junior AAA 14% A 3% AA 8% BBB 3% Unrated 2% A 6% BBB 6% Unrated 4%Fonte: IMF staff estimates.Nota: CDO = collateralized debt obligation.
  • 19. Características dos Conduits, SIV e SIV-lites Conduit SIV SIV-Lite – US$ 400 billion – US$ 1,400 billion – Assets are traded – US$ 12 billion – Nontradable loans Less – Less risky – Assets are traded risky – 28% Financial institutions’ Assets – Risky – 47% Traditional assets debt – 96% U.S. RMBS – 53% Securities and – 48% CMBS/RMBS/ABS – 4% CDO derivatives – 22% CDO/CLO – 2% Other – 27% ABCP – 66% Medium-term notes – Commercial paper Liabilities – 100% Commercial paper – Medium-term notes – 7% Capital notes Credit Enhancement – Varied (sponsoring bank) – Overcollateralization – Contractual outstanding – Partial contractual creditLiquidity facility – Contractual 100% coverage liabilities line; subject to market – 10 to 15 percent of senior debt value tests Fonte: Brunnermeier (2007); and IMF staff estimates. Note: SIV = structured investment vehicle; RMBS = residential mortgage-backed security; CMBS = commercial mortgage-backed security; ABS = asset-backed security; CDO = collateralized debt obligation; CLO = collateralized loan obligation; ABCP = asset-backed commercial paper
  • 20. Diferentes hipotecasA partir de 2002, a concorrência entre os agentes financeiros atuantes nomercado de hipotecas levou à proliferação do uso de diferentes tipos decontrato de maneira a atrair os tomadores de maior risco. Tais como:a) as balloon mortgage ou interest-only loan (neste contrato, ao longo davigência do interest-only period são pagos apenas os juros, após esseperíodo, além dos juros deverá também ocorrer a amortização doprincipal);b) as hipotecas híbridas, que combinam o pagamento de taxas prefixadasno início do contrato e depois se tornam contratos pós-fixados.Grande parte das hipotecas subprime emitidas entre 2004 e 2006 era risk-layered, usando a combinação de vários atrativos para tornar a hipotecamais interessante e, conseqüentemente, mais arriscada.Foram geradas ainda hipotecas com documentos incompletos sobrecomprovação de renda do tomador, conhecidas como “Alt A” mortgages.Em 2006 representaram cerca de 13% do fluxo de novas hipotecas.
  • 21. “Ganância infecciosa”A revista The Economist, diante do ambiente de euforia,definiu o cliente Ninja (no income, no job or assets, ou seja,pessoas sem renda, sem emprego ou patrimônio).Revelou-se ainda que em torno de 90% das hipotecassubprime envolveram algum tipo de fraude. Mais de 50%dos tomadores superestimaram suas rendas em mais de50%. Os agentes financeiros falsificaram informações nosistema eletrônico de pontuação (credit score) a fim depossibilitar a operação e embolsar suas comissões. Dianteda promessa de ganhos ilimitados, a “ganância infecciosa”frequentemente tende a prevalecer sobre a prudência.
  • 22. Extração de home equityForam desenvolvidas duas maneiras de as famílias converterem avalorização patrimonial de suas residências em poder de compra pormeio do crédito.O primeiro – cash-out – consistiu na extração de home equity no ato dorefinanciamento de antigas hipotecas, diante da redução das taxas deempréstimo após 2001. A maior parte do cash-out foi usada emmelhorias do próprio imóvel.O segundo – os empréstimos sobre home equity – foram de dois tipos:home equity lines of credit ou home equity loans, sendo que a liberaçãodos recursos – por meio da emissão de uma nova hipoteca – sob oprimeiro tipo não estava condicionada à vinculação de uma finalidadeespecífica. As famílias aumentaram seus níveis de endividamento,financiando a expansão dos investimentos imobiliários, puxando aeconomia americana rapidamente da recessão.
  • 23. Housing equity borrowing in US (S billions)500 Equity loans Cash withdrawal through refinancing 135400 185 92300 97 56200 38 350 293 283 73 234 241100 188 84 0 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006
  • 24. Special investment vehicles (‘conduits’) Bought financed by Asset backed CDOs commercial paper (abcp) Long (e.g. five Short (e.g. one year) maturity month) maturity
  • 25. SIV draw on bank credit lines Contingency bank credit Asset backed CDOs Dried up commercial paper
  • 26. Novas Emissões de CDO no período 2000-20081, em US$ Bilhões 186,7 177,6 108,8 76,6 47,0 30,3 14,0 11,9 0,02 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 Fonte: Oppenheimer – Industry Up to Date, 29 de janeiro de 2008. p. 9. Nota: 1. Posição em 28 de janeiro de 2008.
  • 27. Constant Proportion Debt Obligation (CPDO) Another day, another derivative. This months high- finance innovation is the CPDO, or Constant Proportion Debt Obligation, and it is truly a wonder. In practical terms, a CPDO is nothing more or less than a synthetic bond. Investors pay money up front, receive coupon payments, and their principal is returned after a set period of time. Investors stand to lose if borrowers default or credit conditions deteriorate. But CPDOs work a secret miracle. These synthetic bonds are designed to score a “triple-A” grade from major bond rating organizations, while paying a spread of up to 2% more than “natural” AAA debt! (…) Truly, this is the golden age of finance!
  • 28. CREDIT EQUIVALENT EXPOSURESTOP 25 COMMERCIAL BANKS IN DERIVATIVES - MARCH 31 2012 – US$ millions RISK-BASED CREDIT EXPOSURE FROM CREDIT EXPOSURE TO BANK NAME ASSETS DERIVATIVES CAPITAL ALL CONTRACTS CAPITAL (%)JPMORGAN CHASE BANK NA 1.842.735 71.478.760 138.634 347.505 251CITIBANK NATIONAL ASSN 1.312.764 51.894.344 137.536 236.797 172BANK OF AMERICA NA 1.448.262 46.361.694 152.032 225.988 149GOLDMAN SACHS BANK USA 101.927 42.821.356 22.154 148.586 751HSBC BANK USA NATIONAL ASSN 206.809 4.466.896 22.33 38.637 173WELLS FARGO BANK NA 1.181.817 3.778.395 117.804 47.199 40TOP 25 8.691.082 227.486.417 845.56 1.113.243 132OTHERS 3.503.866 496.05 386.464 12.508 3TOTAL 12.194.947 227.982.467 1.232.024 1.125.751 91OCC’s Quarterly Report on Bank Trading and Derivatives ActivitiesFirst Quarter 2012, Comptroller of the Currency/Administrator of National Banks
  • 29. A eclosão da criseNos termos de MINSKY, Hyman P. Stabilizing anunstable economy. New Haven: Yale University Press,1986, era uma estrutura financeira extremamentefrágil, com elevado risco e baixa capacidade defornecer liquidez.Seu funcionamento dependia do aumento dos preçosdos imóveis, do fluxo de novas hipotecas e da quedadas taxas de juros.
  • 30. A eclosão da crise•acúmulo de prestações em atraso e execução de devedoresinadimplentes•os preços dos imóveis começa a cair; no segundo trim. 2007,aprofundamento da desaceleração: crescimento dos preços deapenas 3,19% em relação a 2006 -> o mais baixo desde 1997•movimentos de saques em hedge funds e em fundosimobiliários•aumento do custo de captação dos bancos•agências de risco rebaixaram a classificação de inúmerosinstrumentos financeiros relacionados às hipotecas de alto risco•resgate dos cotistas => venda dos novos instrumentosfinanceiros pelos fundos
  • 31. New Wall Street Financial System Novos atores, novos instrumentos, novas práticas e nova dinâmica •Hedge funds e Private equity groups; •Special Investment Vehicles (SIV); •Collateralised Debt Obligations (CDOs) e Credit Default Swaps (CDSs) – produtos negociados em mercados de balcão – over-the-counter (OTC) – e sem um mercado secundário para determinar os preços; •Para acessar os recursos dos bancos de Wall Street, para as operações alavancadas, os hedge funds tinham de depositar algum ativos de garantia (colateral). Por meio de uma prática conhecida como rehypothecation, uma proporção destes ativos colaterais eram utilizados pelos bancos como seus próprios ativos colaterais para levantar mais recursos. O resultado foi uma enorme expansão dos bancos sem o correspondente de requerimento de capital.
  • 32. Global Shadow Banking System Sistema bancário sombra (ou paralelo) – um conjunto de instituições que funcionava como banco, sem sê-lo, captando recursos no curto prazo, operando alavancadas e investindo em ativos de longo prazo e ilíquidos. Diferentemente dos bancos, eram reguladas e supervisionadas de forma displicente, sem reservas de capital, sem acesso aos seguros de depósitos, às operações de redesconto e às linhas de empréstimos de última instância dos bancos centrais. Portanto, eram altamente vulneráveis, seja a uma corrida dos investidores (saque dos recursos ou desconfiança dos aplicadores nos mercados de curto prazo), seja a desequilíbrios patrimoniais (desvalorização dos ativos em face dos passivos).
  • 33. Uma combinação de instituições reguladas e nãoreguladas – shadow banking system – operouconjuntamente •Os bancos comerciais e de investimento – com alguma regulamentação – atuavam como prime brokers – fonte de crédito e de ativos para o shadow banking, ganhando enormes comissões e lucros nestas operações; •Os 5 grandes bancos de investimento de Wall Street System controlavam US$ 4 trilhões de ativos e eram capazes de movimentar outros trilhões por meio dos bancos comerciais, fundos do mercado monetário, fundos de pensão etc.
  • 34. Taxas de juros de curto prazo (em percentagem) 6,0 5,0 4,0 3,0 2,0 1,0 0,0 jul/02 jul/01 jul/03 jul/04 jul/05 jul/06 jul/07 jul/08 jul/09 jul/10 jul/11 jul/12 jan/01 jan/02 jan/03 jan/04 jan/05 jan/06 jan/07 jan/08 jan/09 jan/10 jan/11 jan/12 MRO (Main Refinancing Operations) - Zona Euro Federal Funds Rate Repo - Inglaterra Overnight Interest Rate - JapãoFonte: Federal Reserve; Bank of Japan; England Bank; and European Central Bank.
  • 35. U.S. Government’s Rescue Efforts - US$ 13,7 trillion Maximum Amount Current Amount US$ US$Federal Reserve 6.2 trillion 1.6 trillionFederal Deposit Insurance Corp. (FDIC) 2.0 trillion 554.8 billionTreasury Department 5.2 trillion 1.5 trillionFederal Housing Administration (FHA) 300 billion 300 billionTotal 13.7 trillion 3.9 trillion Source: http://www.bloomberg.com/apps/data?pid=avimage&iid=i0YrUuvkygWs
  • 36. Ativos dos bancos centrais – US$ bilhões Fed BCEuropeu dez/06 875 1.519 dez/07 894 2.184 dez/08 2.241 2.766 dez/09 2.238 2.699 dez/10 2.424 2.651 set/11 2.867 2.856Fonte: Bloomberg
  • 37. Composição do Balanço do Federal Reserve2.500 Maiden1 MMIFL2.000 TALF AIG ABCP PDCF1.500 discount swaps CPLF TAC1.000 MBS RP agency 500 misc other FR treasury 0 Jul/2008 Jan/2007 Jan/2010 Oct/2007 Apr/2009 Feb/2008 May/2007 Dec/2008 Fonte: Federal Reserve Sep/2009
  • 38. - o Term Discount Window Program (“TDWP”), que ampliou o prazo deempréstimos emergenciais do Fed de 1 para até 3 meses a uma taxa dejuros mais baixa;- o Term Auction Facility (“TAF”), que aumentou de modo significativo osempréstimos do Fed, ao mesmo tempo que ampliou os tipos decolaterais aceitáveis. Ao promover leilões frequentes (como mostra atabela abaixo, estes ocorriam, pelo menos, semanalmente), o Fedreduzia o chamado efeito estigma associado ao efeito reputaçãonegativo que os bancos incorriam por ter que acessar ao Fed ao invésdo mercado interbancário de reservas. Por meio deste programa, o Fedchegou a ampliar as reservas em quase US$ 500 bilhões;- o Term Security Lending Facility (“TSLF”), que promoveu empréstimosde títulos públicos em troca de títulos privados de baixa liquidez e valor;- o Reciprocal Currency Agreements (“RCA”), que proveu liquidez ainstituições estrangeiras por meio de acordos bilaterais com algunsbancos centrais (inclusive o do Brasil) que ampliaram suas aplicaçõesem dólar como resposta ao surgimento da crise financeira e da corridaem seus mercados por este ativo. Estes empréstimos usaram colateraisdenominados nas moedas locais.
  • 39. Provisão de liquidez para instituições financeiras bancárias e nãobancárias:-ABCP Money Market Fund Liquidity Facility (“AMLF”), com o qual o Fedproveu empréstimos de curto prazo para a aquisição de ABCP de modo aimpedir uma venda desenfreada destes ativos e para sustentar seus valores. Omesmo ocorreu com o Commercial Paper Funding Facility;-Term Asset-Backed Securities Loan Facility (“TALF”), com o qual o Fedpassou a conceder empréstimos de longo prazo (3 a 5 anos) para osinvestidores adquirirem novos ABS com rating triplo A. O objetivo era resgataro valor dos ABS, evitando a venda em massa destes ativos num momento degrande perda de valor que se realizada, poderia causar sérios riscoseconômicos e financeiros ao sistema bancário. Esta medida mais tarde foiestendida a ativos com lastro em hipotecas;- os programas de compra de ativos (Agency Debts e Agency MBS) no valorde US$ 600 bilhões para dar suporte ao mercado de crédito imobiliário,reduzindo seu custo de captação e aumentando os recursos disponíveis. Estesprogramas foram colocados em prática em novembro de 2008. Foramampliados em 2009 e atingiram quase US$ 1,3 trilhão e se tornaram um dosmais importantes canais de provisão de liquidez do Fed no pós-crise.
  • 40. Quantitative Easing: liquidez no sistema a) o Quantitative Easing 1 – mais US$ 300 bilhões para a aquisição de títulos públicos de longo prazo junto aos bancos de modo a melhorar as condições nos mercados de crédito privado; b) o Quantitative Easing 2 – a aquisição de adicionais US$ 600 bilhões em títulos de longo prazo, a partir de fins de 2010; c) o Quantitative Easing 3 – aquisição de hipotecas (US$ 40 bilhões por mês), setembro de 2012.
  • 41. EUA: resultado fiscal (US$ bilhões) 20011 I 2006 I 2010 I 2012 I 2005 I 2007 I 2008 I 2009 I III III III III III III III 100 -100 -300 -500 -700 -900-1.100-1.300-1.500 Governo Total Federal Estados e Municipios Fonte: Bureau of Economic Analysis. Disponível em: http://www.bea.doc.gov.
  • 42. EUA: resultado fiscal (% PIB) 20011 I 2008 I 2009 I 2005 I 2006 I 2007 I 2010 I 2012 I III III III III III III III 1,0 -1,0 -3,0 -5,0 -7,0 -9,0-11,0 Governo Total Federal Estados e Municipios Fonte: Bureau of Economic Analysis. Disponível em: http://www.bea.doc.gov.
  • 43. -5 5 -15 15 25 35 2006Q1 2006Q2 2006Q3 2006Q4Fonte: Federal Reserve 2007Q1 2007Q2 2007Q3 2007Q4 Households 2008Q1 2008Q2 2008Q3 Corporate 2008Q4 2009Q1 2009Q2 2009Q3 State and local 2009Q4 2010Q1 2010Q2 Federal 2010Q3 (In percent; quarterly) 2010Q4 2011Q1 2011Q2 Financial 2011Q3 2011Q4 Credit Market Debt Growth by Sector 2012Q1 2012Q2
  • 44. Commercial and industrial loans, allcommercial banks, seasonally adjusted (millions of dollars)1.680.0001.580.0001.480.0001.380.0001.280.0001.180.0001.080.000 980.000 880.000 780.000 2000-01 2000-09 2001-05 2002-01 2002-09 2003-05 2004-01 2004-09 2006-01 2006-09 2008-01 2008-09 2009-05 2010-01 2010-09 2011-05 2012-01 2012-09 2005-05 2007-05Fonte: Federal Reserve
  • 45. Households: disposable personal income/total liabilities140135130125120115110 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2011 2011 2011 2012 2012 Q1 Q2 Q3 Q4 Q1 Q2Fonte: Federal Reserve
  • 46. Personal saving as a percentage of disposable personal income5,55,04,54,03,53,02,52,0 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2011 2011 2011 2012 2012 Q1 Q2 Q3 Q4 Q1 Q2 Fonte: Federal Reserve
  • 47. Balance Sheet of Households (billions of dollars)23.000 54.00022.000 52.00021.000 50.00020.000 48.00019.000 46.00018.000 44.00017.00016.000 42.000 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Q1 2011 Q2 2011 Q3 2011 Q4 2012 Q1 2012 Q2 real estate at market value (left) total financial assets (right) Fonte: Federal Reserve
  • 48. Gross Domestic Product (Percent Change From Preceding Period)531 20011 I 2005 I 2006 I 2007 I 2008 I 2009 I 2010 I 2012 I III III III III III III III III-1-3-5-7-9 Fonte: Bureau of Economic Analysis
  • 49. Personal consumption expenditures (Percent Change From Preceding Period)4,92,90,9 20011 I 2005 I 2006 I 2007 I 2008 I 2010 I 2012 I 2009 I III III III III III III III III-1,1-3,1-5,1 Fonte: Bureau of Economic Analysis
  • 50. Fixed investment (Percent Change From Preceding Period)2414 4 20011 I 2005 I 2009 I 2010 I 2006 I 2007 I 2008 I 2012 I III III III III III III III III -6-16-26-36 Residential Nonresidential Fonte: Bureau of Economic Analysis
  • 51. Credit Market Debt Outstanding by Sector - USA Households Business State and Domestic Home Consumer local Federal financial Total Total mortgage credit Total Corporate government governments sectors Foreign2008Q1 51.738 13.822 10.640 2.564 11.125 7.263 2.882 5.257 16.470 2.1822008Q2 52.279 13.809 10.629 2.579 11.333 7.386 2.890 5.335 16.731 2.1822008Q3 52.990 13.753 10.579 2.564 11.494 7.475 2.896 5.815 17.006 2.0262008Q4 53.311 13.683 10.515 2.549 11.547 7.454 2.888 6.362 17.123 1.7092009Q1 53.670 13.581 10.520 2.529 11.542 7.483 2.906 6.769 17.115 1.7572009Q2 53.539 13.544 10.477 2.505 11.476 7.450 2.941 7.228 16.538 1.8132009Q3 53.352 13.465 10.417 2.478 11.369 7.376 2.968 7.556 16.110 1.8852009Q4 53.213 13.411 10.369 2.439 11.199 7.240 2.999 7.805 15.709 2.0902010Q1 52.764 13.313 10.241 2.423 11.205 7.337 3.020 8.232 14.878 2.1162010Q2 52.824 13.251 10.183 2.402 11.153 7.348 3.023 8.690 14.609 2.0992010Q3 53.050 13.172 10.115 2.399 11.233 7.457 3.037 9.024 14.452 2.1322010Q4 53.556 13.138 9.951 2.545 11.243 7.478 3.066 9.386 14.498 2.2252011Q1 53.835 13.071 9.887 2.562 11.346 7.595 3.044 9.598 14.470 2.3052011Q2 53.918 12.988 9.827 2.582 11.495 7.755 3.025 9.796 14.289 2.3252011Q3 54.183 12.932 9.783 2.594 11.616 7.881 3.023 10.131 14.192 2.2892011Q4 54.511 12.934 9.722 2.632 11.769 8.018 3.007 10.454 14.071 2.2772012Q1 54.895 12.906 9.641 2.669 11.863 8.104 2.998 10.811 14.036 2.2832012Q2 55.182 12.945 9.590 2.709 12.008 8.245 3.004 11.106 13.856 2.263 Fonte: Federal Reserve
  • 52. Balanço de Pagamentos (X – M) + S + CLongo Prazo = CCurto Prazo + OURO Conta Corrente: (X-M) + S
  • 53. Balanço de pagamento dos EUA (1990-2011) – US$ bilhões 1990 2000 2008 2009 2010 2011U.S.-owned assets abroad -81.234 -560.523 332.109 -119.535 -939.484 -483.653 U.S. official reserve assets -2.158 -290 -4.848 -52.256 -1.834 -15.877 U.S. government assets, other than official reserve assets 2.317 -941 -529.615 541.342 7.540 -103.666 U.S. foreign currency holdings and U.S. short-term assets -130 -24 -529.766 543.278 10.108 -99.692 U.S. private assets -81.393 -559.292 866.571 -608.622 -945.189 -364.110 Direct investment -37.183 -159.212 -329.081 -289.451 -327.877 -419.332 Foreign securities -28.765 -127.908 197.347 -227.024 -138.984 -146.797 U.S. claims on unaffiliated foreigners reported by U.S. nonbanking concerns-27.824 -138.790 456.177 153.695 32.969 -11.608 U.S. claims reported by U.S. banks and securities brokers 12.379 -133.382 542.128 -245.842 -511.297 213.627Foreign-owned assets in the United States 139.357 1.038.224 431.406 314.390 1.308.279 1.000.990 Foreign official assets in the United States 33.910 42.758 554.634 480.286 398.188 211.826 U.S. government securities 30.243 35.710 591.381 437.324 353.294 158.735 Other foreign official assets -1.586 3.127 103.900 53.604 40.540 14.018 Other foreign assets in the United States 105.447 995.466 -123.228 -165.896 910.091 789.164 Direct investment 48.494 321.274 310.092 150.442 205.831 233.988 U.S. Treasury securities -2.534 -69.983 162.944 -15.451 297.797 240.878 U.S. securities other than U.S. Treasury securities 1.592 459.889 -165.639 1.855 139.316 -56.442 U.S. liabilities to unaffiliated foreigners reported by U.S. nonbanking concerns 45.133 170.672 -31.475 8.956 62.957 6.567 U.S. liabilities reported by U.S. banks and securities brokers/15/ -3.824 116.971 -428.337 -324.330 175.871 309.177Memoranda:Balance on goods -111.037 -445.787 -830.109 -505.758 -645.124 -738.413Balance on services 30.173 69.038 131.770 126.603 150.387 178.533Balance on goods and services -80.864 -376.749 -698.338 -379.154 -494.737 -559.880Balance on income 28.550 19.178 147.089 119.717 183.859 227.007Unilateral current transfers, net -26.654 -58.767 -125.885 -122.459 -131.074 -133.053Balance on current account -78.968 -416.338 -677.135 -381.896 -441.951 -465.926 Fonte: Bureau of Economic Analysis. Disponível em: http://www.bea.doc.gov.
  • 54. Posição dos Investimentos Internacionais dos EUA – US$ milhões r p 1990 2000 2008 2010 2011Net international investment position of the United States -230.375 -1.337.014 -3.260.158 -2.473.599 -4.030.250 U.S.-owned assets abroad 2.178.978 6.238.785 19.464.717 20.298.413 21.132.370 Gold 102.406 71.799 227.439 367.537 400.355 U.S. government assets, other than official reserve assets 84.344 85.168 624.099 75.235 178.901 U.S. foreign currency holdings and U.S. short-term assets 628 2.594 554.222 836 100.528 U.S. private assets 1.919.970 6.025.217 12.419.436 16.082.192 15.712.767 Direct investment 616.655 1.531.607 3.748.512 4.306.843 4.681.569 Foreign securities 342.313 2.425.534 3.985.712 6.336.370 5.922.001 U.S. claims on unaffiliated foreigners reported by U.S. nonbanking concerns 265.315 836.559 930.909 874.762 796.827 U.S. claims reported by U.S. banks and securities brokers 695.687 1.231.517 3.754.303 4.564.217 4.312.370 Foreign-owned assets in the United States 2.409.353 7.575.799 22.724.875 22.772.012 25.162.620 Foreign official assets in the United States 380.263 1.037.092 3.943.862 4.912.727 5.250.792 U.S. government securities 291.228 756.155 3.264.139 3.993.275 4.277.348 U.S. Treasury securities 285.911 639.796 2.400.516 3.364.758 3.653.065 Other foreign official assets 24.942 101.834 382.674 629.448 644.535 Other foreign assets 2.029.090 6.538.707 12.813.198 14.317.354 15.333.414 Direct investment 505.346 1.421.017 2.397.396 2.597.707 2.908.791 U.S. Treasury securities 152.452 381.630 852.458 1.101.828 1.418.050 U.S. securities other than U.S. Treasury securities 460.644 2.623.014 4.620.661 5.933.958 5.968.177 U.S. liabilities to unaffiliated foreigners reported by U.S. nonbanking concerns 213.406 738.904 740.553 643.618 629.728 U.S. liabilities reported by U.S. banks and securities brokers 633.251 1.168.736 3.900.991 3.698.153 4.011.582 Fonte: Bureau of Economic Analysis. Disponível em: http://www.bea.doc.gov.
  • 55. USA: Balance on current account 1990 1991 1992 1993 1995 1996 1997 1998 2000 2001 2002 2003 2005 2006 2007 2008 2010 2011 1994 1999 2004 20091 10 -900 -190-1 -290-2 -390-3 -490 -590-4 -690-5 -790-6 -890 Balance on current account ( GDP) Balance on current account (US$ billions) Fonte: Bureau of Economic Analysis. Disponível em: http://www.bea.doc.gov.
  • 56. TED Spread6,05,04,03,02,01,00,0 02/04/2007 02/10/2007 02/04/2008 02/10/2008 02/01/2009 02/04/2009 02/10/2009 02/01/2010 02/01/2011 02/01/2007 02/07/2007 02/01/2008 02/07/2008 02/07/2009 02/04/2010 02/07/2010 02/10/2010 02/04/2011 02/07/2011 02/10/2011 02/01/2012 02/04/2012 02/07/2012 Source: Federal Reserve Difference between “3-month Treasury bill secondary market rate discount basis” (annualized using a 360-day year or bank interest) and “3-month Euro-dollar deposit rate" (annualized using a 360-day year or bank interest)
  • 57. CBOE Volatility Index (VIX): progressive reduction of risk aversion8373635343332313 11/28/2005 10/25/2007 11/11/2010 01/02/2004 10/07/2004 09/01/2006 06/11/2007 12/16/2008 05/06/2009 02/09/2010 03/31/2011 08/17/2011 01/04/2012 05/22/2012 3 7/13/2005 3/14/2008 6/28/2010 5/20/2004 2/24/2005 4/18/2006 1/23/2007 7/31/2008 9/22/2009Source: http://www.cboe.com/micro/vix/introduction.aspxThe Chicago Board Options Exchange - CBOE - Volatility Index (VIX) is a key measure of marketexpectations of near-term volatility conveyed by S&P 500 stock index option prices. Since itsintroduction in 1993, VIX has been considered by many to be the worlds premier barometer ofinvestor sentiment and market volatility.
  • 58. S&P/Case-Shiller Home Price Indices(residential real estate market in 20 metropolitan regionsacross the United States) 216 196 176 156 136 116 96 jan/01 jan/02 jan/04 jan/05 jan/08 jan/11 jan/00 jan/03 jan/06 jan/07 jan/09 jan/10 jan/12 jul/00 jul/02 jul/03 jul/04 jul/06 jul/07 jul/08 jul/09 jul/10 jul/11 jul/01 jul/05Source: Standard & Poor’s - http://www2.standardandpoors.com/portal/site/sp/en/us/page.topic/indices_csmahp/
  • 59. S&P/Case-Shiller Home Price Indices(residential real estate market in 20 metropolitan regionsacross the United States) – variação em 1 ano 16 11 6 1 jan/02 jul/02 jan/03 jul/03 jan/07 jul/07 jan/08 jan/12 jan/01 jul/01 jan/04 jul/04 jan/05 jul/05 jan/06 jul/06 jul/08 jan/09 jul/09 jan/10 jul/10 jan/11 jul/11 -4 -9 -14 -19 -24Source: Standard & Poor’s - http://www2.standardandpoors.com/portal/site/sp/en/us/page.topic/indices_csmahp/
  • 60. S&P/Case-Shiller Home Price Indices (residential real estate market in 10 metropolitan regions across the United States) 236 216 196 176 156 136 116 96 76 56 jan/87 jan/88 jan/89 jan/90 jan/92 jan/93 jan/95 jan/96 jan/91 jan/94 jan/97 jan/98 jan/99 jan/00 jan/01 jan/02 jan/03 jan/04 jan/05 jan/06 jan/07 jan/08 jan/09 jan/10 jan/11 jan/12Source: Standard & Poor’s - http://www2.standardandpoors.com/portal/site/sp/en/us/page.topic/indices_csmahp/
  • 61. S&P/Case-Shiller Home Price Indices (residential real estate market in 10 metropolitan regions across the United States) – variação em 1 ano 20 15 10 5 0 jan/88 jan/90 jan/91 jan/94 jan/95 jan/97 jan/99 jan/01 jan/04 jan/07 jan/08 jan/10 jan/12 jan/89 jan/92 jan/93 jan/96 jan/98 jan/00 jan/02 jan/03 jan/05 jan/06 jan/09 jan/11 -5 -10 -15 -20 -25Source: Standard & Poor’s - http://www2.standardandpoors.com/portal/site/sp/en/us/page.topic/indices_csmahp/
  • 62. Hipotecas – 30 anos – taxa de juros - em percentagem8,58,07,57,06,56,05,55,04,54,03,5 jan/99 jan/08 jan/10 jan/12 jan/98 jan/00 jan/01 jan/02 jan/03 jan/04 jan/05 jan/06 jan/07 jan/09 jan/11Fonte: Federal Reserve (CONTRACT RATE ON 30-YEAR, FIXED-RATE CONVENTIONAL HOME MORTGAGE COMMITMENTS)
  • 63. U.S. government securities - 1 - 2 - 3 anos – empercentagem(Market yield on U.S. Treasury securities)76543210 04/01/2000 04/01/2001 04/01/2002 04/01/2003 04/01/2004 04/01/2005 04/01/2009 04/01/2010 04/01/2011 04/01/2012 04/01/1999 04/01/2006 04/01/2007 04/01/2008 1-year 2-year 3-yearFonte: Federal Reserve
  • 64. U.S. government securities - 5 -10 - 30 anos – empercentagem(Market yield on U.S. Treasury securities)76543210 04/01/2002 04/01/1999 04/01/2000 04/01/2001 04/01/2003 04/01/2004 04/01/2005 04/01/2006 04/01/2007 04/01/2008 04/01/2009 04/01/2010 04/01/2011 04/01/2012 5-year 10-year 30-yearFonte: Federal Reserve
  • 65. - 0,5 1,0 1,5 2,0 02/01/2002 02/05/2002 02/09/2002 02/01/2003 02/05/2003 02/09/2003 Source: Bloomberg. Nota: 02/01/2004 02/05/2004 02/09/2004 02/01/2005 02/05/2005 02/09/2005 02/01/2006 02/05/2006 02/09/2006 02/01/2007 02/05/2007 02/09/2007 02/01/2008 02/05/2008overnight index swap ou euro repo yield 02/09/2008 Euribor spread 02/01/2009 02/05/2009 02/09/2009 02/01/2010 02/05/2010 02/09/2010 02/01/2011 02/05/2011 02/09/2011
  • 66. 1 2 3 4 5 - (3) (2) (1) 30/12/1998 30/06/1999 30/12/1999 30/06/2000 30/12/2000 30/06/2001Source: Bloomberg. 30/12/2001 30/06/2002 30/12/2002 30/06/2003 30/12/2003 30/06/2004 30/12/2004 Libor 6M-BCE Efetiva 30/06/2005 30/12/2005 30/06/2006 30/12/2006 30/06/2007 6M-Título alemão 30/12/2007 Libor 6M-Título alemão 30/06/2008 30/12/2008 30/06/2009 Libor 6M-BCE Efetiva e Libor 30/12/2009 30/06/2010 30/12/2010 30/06/2011
  • 67. 10.000 15.000 20.000 25.000 30.000 0 5.000 30/08/2008 30/12/2008 30/04/2009Source: Bloomberg 30/08/2009 30/12/2009 30/04/2010 30/08/2010 30/12/2010 30/04/2011 30/08/2011 30/12/2011 GREECE CDS USD SR 5y 30/04/2012 30/08/2012
  • 68. 200 400 600 800 1.000 1.200 0 28/02/2009 28/04/2009 28/06/2009 28/08/2009 28/10/2009Source: Bloomberg 28/12/2009 28/02/2010 28/04/2010 28/06/2010 28/08/2010 28/10/2010 28/12/2010 28/02/2011 28/04/2011 28/06/2011 28/08/2011 28/10/2011 28/12/2011 IRELAND CDS USD SR 5y 28/02/2012 28/04/2012 28/06/2012 28/08/2012
  • 69. 1.000 1.200 1.400 1.600 1.800 200 400 600 800 0 30/08/2007 30/12/2007 30/04/2008Source: Bloomberg 30/08/2008 30/12/2008 30/04/2009 30/08/2009 30/12/2009 30/04/2010 30/08/2010 30/12/2010 30/04/2011 30/08/2011 PORTUGAL CDS USD SR 5Y 30/12/2011 30/04/2012 30/08/2012
  • 70. 100 200 300 400 500 600 0 30/04/2003 30/08/2003 30/12/2003 30/04/2004 30/08/2004 30/12/2004Source: Bloomberg 30/04/2005 30/08/2005 30/12/2005 30/04/2006 30/08/2006 30/12/2006 30/04/2007 30/08/2007 30/12/2007 30/04/2008 30/08/2008 30/12/2008 30/04/2009 30/08/2009 30/12/2009 30/04/2010 30/08/2010 30/12/2010 ITALY CDS USD SR 5y 30/04/2011 30/08/2011 30/12/2011 30/04/2012 30/08/2012
  • 71. 100 200 300 400 500 600 700 0 31/05/2007 31/08/2007 30/11/2007 29/02/2008 31/05/2008Source: Bloomberg 31/08/2008 30/11/2008 28/02/2009 31/05/2009 31/08/2009 30/11/2009 28/02/2010 31/05/2010 31/08/2010 30/11/2010 28/02/2011 31/05/2011 31/08/2011 SPAIN CDS USD SR 5y 30/11/2011 29/02/2012 31/05/2012 31/08/2012
  • 72. 100 150 200 250 0 50 30/04/2007 30/08/2007 30/12/2007 30/04/2008Source: Bloomberg 30/08/2008 30/12/2008 30/04/2009 30/08/2009 30/12/2009 30/04/2010 30/08/2010 30/12/2010 30/04/2011 30/08/2011 30/12/2011 FRANCE CDS USD SR 5Y 30/04/2012 30/08/2012
  • 73. 0 20 40 60 80 100 120 31/01/2004 31/05/2004 30/09/2004 31/01/2005 31/05/2005 30/09/2005Source: Bloomberg 31/01/2006 31/05/2006 30/09/2006 31/01/2007 31/05/2007 30/09/2007 31/01/2008 31/05/2008 30/09/2008 31/01/2009 31/05/2009 30/09/2009 31/01/2010 31/05/2010 30/09/2010 31/01/2011 31/05/2011 GERMAN CDS USD SR 5y 30/09/2011 31/01/2012 31/05/2012
  • 74. 110 130 150 170 10 30 50 70 90 30/06/2008 30/08/2008 30/10/2008 30/12/2008 28/02/2009 30/04/2009Source: Bloomberg 30/06/2009 30/08/2009 30/10/2009 30/12/2009 28/02/2010 30/04/2010 30/06/2010 30/08/2010 30/10/2010 30/12/2010 28/02/2011 30/04/2011 30/06/2011 30/08/2011 30/10/2011 30/12/2011 United Kingdom CDS USD SR 5y 29/02/2012 30/04/2012 30/06/2012 30/08/2012
  • 75. 1.000 0 100 200 300 400 500 600 700 800 900 01/01/2004 01/07/2004 01/01/2005Fonte: Bloomberg 01/07/2005 01/01/2006 01/07/2006 01/01/2007 1 ano 01/07/2007 01/01/2008 01/07/2008 5 anos 1-5-10 anos 01/01/2009 01/07/2009 10 anos 01/01/2010 01/07/2010 01/01/2011 01/07/2011 Credit Defaut Swap (CDS) – Brasil – 01/01/2012 01/07/2012
  • 76. 0 100 200 300 400 500 600 02/01/2004 02/07/2004 02/01/2005 02/07/2005Fonte: Bloomberg 02/01/2006 02/07/2006 02/01/2007 1 ano 02/07/2007 02/01/2008 02/07/2008 5 anos 02/01/2009 1-5-10 anos 02/07/2009 10 anos 02/01/2010 02/07/2010 02/01/2011 02/07/2011 Credit Defaut Swap (CDS) – México 02/01/2012 02/07/2012
  • 77. 0 100 200 300 400 500 600 700 02/01/2004 02/07/2004 02/01/2005 02/07/2005Fonte: Bloomberg 02/01/2006 02/07/2006 02/01/2007 1 ano 02/07/2007 02/01/2008 02/07/2008 5 anos 02/01/2009 1-5-10 anos 02/07/2009 10 anos 02/01/2010 02/07/2010 02/01/2011 02/07/2011 Credit Defaut Swap (CDS) – Peru - 02/01/2012 02/07/2012
  • 78. Vulnerabilidades sistêmicas dos bancos e países da UE Atingido por crises Grande exposição a Grande exposição a países Tamanho dos Baixa financeiras Bolhas imobiliárias ativos tóxicos dos emergentes enfraquecidos grandes bancos/ competitividade sistêmicas (1) (2) EUA (2) da Europa (2) PIB (3) externa (4)Áustria √ √Bélgica √ √ √Dinamarca √ √ √Finlândia √França √Alemanha √ √Grécia √ √Irlanda √ √ √ √Itália √Holanda √ √ √Portugal √Espanha √ √ √Suécia √Reino Unido √ √ √ √ √
  • 79. Ativos e empréstimos bancários (*) em % do PIB 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 Zona do EuroAtivos totais/PIB 247 252 254 260 267 282 294Empréstimos/PIB 89 91 92 93 94 98 104 UKAtivos totais/PIB 325 356 352 382 401 443 483Empréstimos/PIB 111 118 122 125 132 138 145 USAAtivos totais/PIB 59 61 62 65 65 67 69Empréstimos/PIB 35 35 34 35 36 39 41(*) Empréstimos excluem os intermediários financeiros e administrações públicascomo contrapartes. Os estoques são médias anuais.Fontes: Eurostat, Banco Central Europeu (BCE), Federal Reserve, Fundo Monetário Internacional (FMI)
  • 80. Ativos bancários em % do PIB 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007Áustria 251 259 259 257 265 280 295 310Bélgica 288 284 291 288 303 332 337 361Dinamarca 245 247 262 286 284 314 327 365Finlândia 94 109 121 124 138 152 156 162França 259 266 268 271 281 300 328 361Alemanha 286 296 294 297 297 305 303 304Grécia 143 139 133 128 130 137 144 156Irlanda 366 414 443 478 555 642 730 831Itália 145 145 150 163 166 175 182 201Holanda 269 279 285 301 323 335 332 358Portugal 210 212 219 239 235 226 235 246Espanha 171 179 184 189 198 220 239 262Suécia n.d. 184 187 184 195 215 233 249Reino Unido 325 356 352 382 401 443 483 520 Fonte: BCE. Ativos totais são as médias anuais.
  • 81. Alavancagem bancária (*) 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007Áustria 23 22 21 20 20 20 19 16Bélgica 28 28 24 27 29 34 32 23Dinamarca 15 17 18 17 17 18 17 19Finlândia 12 10 10 10 11 11 11 14França 23 22 20 20 21 25 23 25Alemanha 26 25 24 26 27 27 26 26Grécia 14 14 15 14 19 19 16 15Irlanda 18 17 18 21 26 31 33 33Itália 14 14 13 13 13 12 12 10Holanda 15 16 17 19 23 20 18 17Portugal 15 20 21 17 17 15 12 8Espanha 15 15 15 16 14 16 17 17Suécia 30 25 27 25 21 22 23 25UK 20 19 21 19 25 28 29 27USA 12 11 11 11 10 10 10 10(*) A alavancagem é calculada como total de ativos/ patrimônio.Fonte: Para o Europe Bankscope, balanços não-consolidados; para o FederalReserve dos Estados Unidos, todos os bancos comerciais.
  • 82. Current account balances as a percentage of GDP 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012Belgium1 4,3 3,6 4,9 4,4 3,7 2,8 2,0 1,7 -1,8 0,3 1,3 1,0 1,2Estonia -5,4 -5,2 -10,6 -11,3 -11,3 -10,0 -15,3 -17,2 -9,7 4,5 3,6 3,2 0,7Finland 8,2 8,6 8,9 5,1 6,4 3,6 4,6 4,2 2,9 2,7 2,9 3,0 3,2France 1,4 1,8 1,2 0,8 0,5 -0,5 -0,5 -1,0 -1,9 -2,1 -2,2 -2,6 -2,6Germany -1,8 0,0 2,0 1,9 4,6 5,0 6,2 7,5 6,3 5,6 5,6 5,5 6,0Greece2 -7,8 -7,2 -6,5 -6,5 -5,8 -7,6 -11,2 -14,4 -14,7 -11,0 -10,4 -8,6 -7,2Iceland -10,2 -4,3 1,5 -4,8 -9,8 -16,1 -23,8 -16,3 -24,8 -10,7 -8,0 -6,2 -3,6Ireland 0,0 -0,6 -1,0 0,0 -0,6 -3,5 -3,6 -5,3 -5,6 -3,0 -0,7 3,7 5,3Italy -0,6 -0,1 -0,8 -1,3 -0,9 -1,7 -2,6 -2,4 -2,9 -2,1 -3,5 -4,1 -3,6Netherlands 1,9 2,4 2,5 5,6 7,6 7,4 9,3 6,7 4,4 4,9 7,7 7,2 7,4Portugal2 -10,4 -10,3 -8,3 -6,5 -8,4 -10,4 -10,7 -10,1 -12,6 -10,2 -9,7 -7,8 -5,5Slovak Republic -3,5 -8,3 -7,9 -5,9 -7,8 -8,5 -7,8 -5,3 -6,6 -3,2 -3,5 -2,4 -1,3Slovenia -3,2 0,2 1,1 -0,8 -2,7 -1,7 -2,5 -4,8 -6,7 -1,5 -1,1 -1,3 -1,3Spain -4,0 -3,9 -3,3 -3,5 -5,3 -7,4 -9,0 -10,0 -9,6 -5,2 -4,5 -2,9 -2,3United States -4,2 -3,7 -4,3 -4,7 -5,3 -5,9 -6,0 -5,1 -4,7 -2,7 -3,2 -3,7 -4,0Euro area -0,6 0,1 0,6 0,5 1,1 0,4 0,3 0,2 -0,7 0,0 0,2 0,3 0,8Total OECD -1,3 -1,1 -1,1 -1,0 -0,9 -1,4 -1,5 -1,3 -1,5 -0,5 -0,6 -0,7 -0,7Source: OECD Economic Outlook 89 database.
  • 83. General government financial balances as a per cent of nominal GDP 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012Austria -1,9 -0,2 -0,9 -1,7 -4,6 -1,8 -1,7 -1,0 -1,0 -4,2 -4,6 -3,7 -3,2Belgium -0,1 0,4 -0,2 -0,2 -0,4 -2,8 0,1 -0,4 -1,3 -6,0 -4,2 -3,6 -2,8France -1,5 -1,6 -3,2 -4,1 -3,6 -3,0 -2,3 -2,7 -3,3 -7,5 -7,0 -5,6 -4,6Germany 1,3 -2,8 -3,6 -4,0 -3,8 -3,3 -1,6 0,3 0,1 -3,0 -3,3 -2,1 -1,2Greece -3,7 -4,4 -4,8 -5,7 -7,4 -5,3 -6,0 -6,7 -9,8 -15,6 -10,4 -7,5 -6,5Iceland 1,7 -0,7 -2,6 -2,8 0,0 4,9 6,3 5,4 -13,5 -10,0 -7,8 -2,7 -1,4Ireland 4,8 1,0 -0,3 0,4 1,4 1,6 2,9 0,1 -7,3 -14,3 -32,4 -10,1 -8,2Italy -0,9 -3,1 -3,0 -3,5 -3,6 -4,4 -3,3 -1,5 -2,7 -5,3 -4,5 -3,9 -2,6Netherlands 2,0 -0,3 -2,1 -3,2 -1,8 -0,3 0,5 0,2 0,5 -5,5 -5,3 -3,7 -2,1Poland -3,0 -5,3 -5,0 -6,2 -5,4 -4,1 -3,6 -1,9 -3,7 -7,4 -7,9 -5,8 -3,7Portugal -2,9 -4,3 -2,9 -3,1 -3,4 -5,9 -4,1 -3,2 -3,6 -10,1 -9,2 -5,9 -4,5Slovenia -3,7 -4,0 -2,5 -2,7 -2,3 -1,5 -1,4 -0,1 -1,8 -6,0 -5,6 -5,6 -4,1Spain -1,0 -0,7 -0,5 -0,2 -0,4 1,0 2,0 1,9 -4,2 -11,1 -9,2 -6,3 -4,4United Kingdom 3,7 0,6 -2,0 -3,7 -3,6 -3,3 -2,7 -2,8 -4,8 -10,8 -10,3 -8,7 -7,1Euro area -0,1 -1,9 -2,6 -3,1 -3,0 -2,6 -1,4 -0,7 -2,1 -6,3 -6,0 -4,2 -3,0Total OECD 0,1 -1,4 -3,3 -4,1 -3,4 -2,8 -1,3 -1,3 -3,3 -8,2 -7,7 -6,7 -5,6Memorandum itemsGeneral government financial balances excluding social securityUnited States -0,1 -2,2 -5,5 -6,3 -5,8 -4,6 -3,6 -4,3 -7,6 -12,1 -11,1 -10,8 -9,9Japan -8,2 -6,5 -7,9 -8,0 -6,6 -7,0 -1,7 -2,2 -1,6 -7,5 -7,3 -8,0 -7,1
  • 84. General government financial balances as a per cent of nominal GDP 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013Austria -1,7 -1,0 -1,0 -4,2 -4,5 -2,6 -2,9 -2,3Belgium 0,3 -0,1 -1,0 -5,7 -3,9 -3,9 -2,8 -2,2Czech Republic -2,4 -0,7 -2,2 -5,8 -4,8 -3,1 -2,5 -2,2Denmark 5,0 4,8 3,3 -2,7 -2,7 -1,9 -3,9 -2,0Estonia 2,5 2,4 -2,9 -2,0 0,3 1,0 -2,0 -0,3Finland 4,0 5,3 4,2 -2,7 -2,9 -0,9 -0,7 -0,0France -2,4 -2,7 -3,3 -7,6 -7,1 -5,2 -4,5 -3,0Germany -1,7 0,2 -0,1 -3,2 -4,3 -1,0 -0,9 -0,6Greece -6,0 -6,8 -9,9 -15,6 -10,5 -9,2 -7,4 -4,9Hungary -9,4 -5,1 -3,7 -4,5 -4,3 4,2 -3,0 -2,9Iceland 6,3 5,4 -13,5 -10,0 -10,1 -4,4 -2,6 -1,4Ireland 2,9 0,1 -7,3 -14,0 -31,2 -13,0 -8,4 -7,6Italy -3,4 -1,6 -2,7 -5,4 -4,5 -3,8 -1,7 -0,6Japan -1,3 -2,1 -1,9 -8,8 -8,4 -9,5 -9,9 -10,1Netherlands 0,5 0,2 0,5 -5,5 -5,0 -4,6 -4,3 -3,0Norway 18,3 17,3 18,8 10,6 11,2 13,6 15,1 16,3Poland -3,6 -1,9 -3,7 -7,4 -7,9 -5,1 -2,9 -2,2Portugal -4,6 -3,2 -3,7 -10,2 -9,8 -4,2 -4,6 -3,5Slovak Republic -3,2 -1,8 -2,1 -8,0 -7,7 -4,8 -4,6 -2,9Slovenia -1,4 -0,0 -1,9 -6,1 -6,0 -6,4 -3,9 -3,0Spain 2,4 1,9 -4,5 -11,2 -9,3 -8,5 -5,4 -3,3Sweden 2,2 3,6 2,2 -1,0 -0,1 0,1 -0,3 0,3United Kingdom -2,7 -2,8 -5,0 -11,0 -10,3 -8,4 -7,7 -6,6United States -2,2 -2,9 -6,6 -11,6 -10,7 -9,7 -8,3 -6,5Euro area (15 countries) -1,4 -0,7 -2,1 -6,4 -6,2 -4,1 -3,0 -2,0OECD-Total -1,2 -1,3 -3,4 -8,1 -7,5 -6,3 -5,3 -4,2 Source: OCDE
  • 85. Government consolidated gross debt as a percentage of GDP 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010Belgium 108 107 104 99 94 92 88 84 90 96 97Germany 60 59 60 64 66 68 68 65 66 74 83Estonia 5 5 6 6 5 5 4 4 5 7 7Ireland 38 36 32 31 30 27 25 25 44 66 96Greece 103 104 102 97 99 100 106 105 111 127 143Spain 59 56 53 49 46 43 40 36 40 53 60France 57 57 59 63 65 66 64 64 68 78 82Italy 109 109 106 104 104 106 107 104 106 116 119Cyprus 49 52 65 69 70 69 65 58 48 58 61Luxembourg 6 6 6 6 6 6 7 7 14 15 18Malta 56 62 60 69 72 70 63 62 62 68 68Netherlands 54 51 51 52 52 52 47 45 58 61 63Austria 67 67 67 66 65 64 62 61 64 70 72Portugal 49 51 54 56 58 63 64 68 72 83 93Slovakia 50 49 43 42 42 34 31 30 28 35 41Finland 44 43 42 45 44 42 40 35 34 44 48United Kingdom 41 38 38 39 41 43 43 45 54 70 80 Source: Eurostat
  • 86. Government consolidated gross debt as a percentage of GDP 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013Austria 66,4 63,4 68,7 74,4 78,1 79,7 83,0 84,4Belgium 91,6 87,9 92,9 99,9 100,0 102,3 103,1 102,0Finland 45,6 41,4 40,4 51,8 57,6 57,2 59,1 61,8France 71,2 73,0 79,3 91,2 95,8 100,1 105,5 107,3Germany 69,8 65,6 69,8 77,4 86,8 87,2 88,5 87,8Greece 117,0 115,4 118,7 134,0 149,6 170,0 168,0 173,1Hungary 71,9 72,9 77,0 86,2 86,4 84,7 84,8 84,1Iceland 57,4 53,3 102,1 120,0 125,2 128,3 126,7 124,7Ireland 29,0 28,6 49,5 71,1 98,4 114,1 121,6 126,9Italy 116,7 112,1 114,6 127,7 126,5 119,7 122,7 122,1Japan 166,7 162,4 171,2 188,8 192,7 205,5 214,1 222,6Netherlands 54,5 51,5 64,8 67,5 70,6 75,2 81,0 83,6Portugal 77,3 75,4 80,7 92,9 103,2 117,6 124,3 130,1Slovak Republic 34,1 32,9 32,0 40,4 47,1 46,8 52,1 54,2Spain 46,2 42,3 47,7 62,9 67,1 75,3 87,9 90,9Switzerland 50,2 46,8 43,6 42,5 41,7 41,0 40,8 39,4United Kingdom 46,0 47,2 57,4 72,4 81,9 97,9 104,2 108,2United States 66,4 67,0 75,9 89,7 98,3 102,7 108,6 111,2Euro area (15 74,7 71,8 77,0 87,8 93,1 95,1 99,1 99,9countries)OECD-Total 76,0 74,5 81,0 92,5 98,7 103,0 107,6 109,3Source: OCDE
  • 87. Total losses relation to economic strength, in percent (*) Greece and Greece, Portugal Greece, Portugal, for... Greece Portugal and Spain Spain and ItalyChina -2,1 -7,1 -23,8 -49,4Germany -2,9 -9,1 -34,3 -68,9France -8,3 -17,1 -64,9 -154,4Greece -94,1 -94,2 -96,2 -99,9UK -0,3 -4,7 -22,3 -39,2Italy 0,4 -0,6 -5,6 -74,6Portugal -7,9 -54,9 -103,7 -116,4Switzerland -0,8 -4,3 -25,9 -69,4Spain 1,8 -32,5 -81,4 -104,9USA -0,9 -3,3 -11,3 -25,7Euro zone 14 (**) -4,7 -13,9 -42,1 -90,5All countries -1,7 -6,1 -20,3 -44,0 Notes: (*) cumulative losses between 2013 and 2020 measured against 2013 GDP
  • 88. Real total gross fixed capital formation (Percentage change from previous year) 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013Austria -3,8 3,4 1,2 0,8 0,8 3,1 0,0 -7,4 0,0 5,2 1,8 2,1Belgium -5,0 0,6 7,8 6,6 2,1 6,3 2,1 -7,9 -1,0 5,2 0,1 1,3Czech Republic 3,8 0,6 2,8 6,1 5,9 13,2 4,0 -11,4 0,0 -1,2 1,2 2,8Denmark 0,1 -0,2 3,9 4,7 14,3 0,4 -4,2 -13,4 -3,8 0,4 2,9 1,7Estonia 24,2 16,7 6,0 15,2 23,0 9,3 -15,1 -37,9 -9,1 26,8 15,9 4,9Finland -3,7 3,0 4,9 3,6 1,9 10,7 -0,6 -13,3 2,6 4,6 0,6 1,6France -1,9 2,2 3,0 4,4 4,2 6,2 0,1 -8,8 -1,4 2,9 0,6 1,7Germany -6,2 -1,2 -1,2 1,0 8,9 5,0 1,0 -11,4 5,2 6,6 2,0 3,7Greece 9,5 11,8 0,4 -6,3 20,4 5,4 -6,7 -15,2 -15,0 -20,7 -13,4 -2,0Hungary 7,4 1,5 7,2 4,5 -2,7 3,8 2,9 -11,0 -9,7 -5,4 -5,4 0,0Iceland -14,0 11,1 28,7 34,4 24,4 -12,2 -20,0 -51,6 -8,1 13,4 16,5 10,3Ireland 2,6 6,5 9,6 14,9 4,4 2,1 -10,4 -28,7 -25,0 -10,6 -2,1 1,3Italy 3,3 -1,0 1,2 1,9 3,7 1,3 -3,8 -11,7 1,7 -1,2 -4,7 -0,8Japan -4,8 0,3 0,3 0,8 1,5 0,2 -4,4 -10,4 -0,1 0,5 2,3 2,8Netherlands -4,5 -1,5 -1,6 3,7 7,5 5,5 4,5 -10,2 -4,4 5,8 -1,9 2,5Norway -1,1 0,8 11,1 13,5 9,8 11,4 0,2 -7,5 -5,2 6,9 5,7 5,2Poland -6,3 0,0 6,5 6,3 14,9 17,6 9,7 -1,2 -0,2 8,1 7,1 4,0Portugal -3,2 -7,1 0,0 -0,5 -1,3 2,6 -0,3 -8,6 -4,1 -11,4 -10,1 -3,2Slovak Republic 0,2 -2,7 4,8 17,5 9,3 9,1 1,0 -19,7 12,4 5,7 3,8 4,8Slovenia 0,3 7,6 5,0 3,0 10,4 13,3 7,8 -23,3 -8,3 -10,7 -4,6 -0,5Spain 3,4 5,9 5,1 7,1 7,1 4,5 -4,7 -16,6 -6,3 -5,1 -9,3 -2,4United Kingdom 3,6 1,1 5,1 2,4 6,4 8,1 -4,8 -13,4 3,1 -1,2 -0,9 2,8United States -2,7 3,3 6,3 5,3 2,5 -1,4 -5,1 -15,2 2,0 3,7 4,4 6,3Euro area -1,6 1,1 1,8 3,4 6,0 4,6 -1,3 -12,0 -0,7 1,5 -1,8 1,3Total OECD -0,9 2,4 4,5 4,7 4,7 2,8 -2,2 -12,1 2,4 3,2 2,2 4,2 Source: OCDE
  • 89. Auxílio Estatal concedido ao setor financeiro em 2008 e 2009 (tipo de intervenções) Montantes aprovados em Uso efetivo, ou seja, valor Total efetivo usado Montantes aprovados % do PIB da UE-27 nominal em 2009 (€ como % do PIB da UE- 2008-2010 (€ bilhões) 2009 bilhões) 27, 2009Regimes 3.478,96 29,48% 727,38 6,16% de garantias 3.026,28 25,64% 612,59 5,19% de medidas de recapitalização 348,64 2,95% 95,15 0,81% de intervenção de apoio aos 62,17 0,53% 1,40 0,01%ativos depreciados de medidas de liquidez alémdos regimes de garantia 41,87 0,35% 18,23 0,15%Intervenções ad-hoc em favor de 1.109,94 9,40% 379,16 3,21%instituições financeiras individuais de garantias 458,97 3,89% 214,30 1,82% medidas de recapitalização 197,44 1,67% 46,36 0,39% de intervenção de apoio aosativos depreciados 339,63 2,88% 108,38 0,92% outras medidas de liquidez 113,90 0,97% 11,11 0,09% além das garantias TOTAL 4.588,90 38,88% 1.106,54 9,38%Fonte: Comissão Europeia, Direção-Geral de Concorrência, Disponívelem:http://ec,europa,eu/competition/state_aid/studies_reports/expenditure,html
  • 90. Auxílio estatal concedido ao setor financeiro em 2008 e 2009 (por Estados-Membros) Montantes Montantes aprovados Montantes efetivamente Nº de instituições País aprovados 2008- como % do PIB nacional Uso efetivo 2009 usado como % do PIB financeiras 2010 de 2009 nacional de 2009Áustria 91,70 33,1% 30,94 11,2% 8Bélgica 328,59 97,4% 120,43 35,7% 6Dinamarca 599,66 269,0% 14,44 6,5% 59Finlândia 54,00 31,6% 0,00 Não utilizado -França 351,10 18,4% 129,48 6,8% 8Alemanha 592,23 24,6% 262,68 10,9% 13Grécia 78,00 32,8% 25,12 10,6% 9Irlanda 723,31 442,3% 11,29 6,9% 6Itália 20,00 1,3% 4,05 0,3% 4Luxemburgo 11,59 30,7% 2,72 7,2% 4Holanda 323,60 56,8% 75,00 13,2% 14Portugal 20,45 12,2% 0,65 0,4% 7Espanha 334,27 31,8% 60,31 5,7% 2Suécia 161,56 55,2% 79,39 27,1% n.d.Reino Unido 850,30 54,3% 282,41 18,0% 18 Fontes: Comissão Europeia, Direção-Geral de Concorrência.
  • 91. Ativos externos bancos (US$ milhões)14.000.00012.000.00010.000.000 8.000.000 6.000.000 4.000.000 2.000.000 0 Dec.2000 Dec.2006 Sep.2007 Dec.2009 Sep.2001 Dec.2003 Sep.2004 Sep.2010 Jun.2002 Jun.2005 Jun.2008 Jun.2011 Mar.2000 Mar.2003 Mar.2012 Mar.2006 Euro area United States Japan Mar.2009Fonte: BIS Quarterly Review, September 2012.
  • 92. Espanha: ativos externos bancos (US$ milhões)1.400.0001.200.0001.000.000 800.000 600.000 400.000 200.000 0 Dec.2000 Dec.2003 Dec.2009 Sep.2001 Sep.2004 Dec.2006 Sep.2007 Sep.2010 Jun.2002 Jun.2005 Jun.2008 Jun.2011 Mar.2003 Mar.2006 Mar.2000 Mar.2009 Mar.2012 Fonte: BIS Quarterly Review, September 2012.
  • 93. Irlanda: ativos externos bancos (US$ milhões)1.400.0001.200.0001.000.000 800.000 600.000 400.000 200.000 0 Sep.2001 Dec.2003 Sep.2004 Dec.2006 Dec.2009 Sep.2010 Dec.2000 Jun.2002 Jun.2005 Sep.2007 Jun.2008 Jun.2011 Mar.2003 Mar.2000 Mar.2006 Mar.2009 Mar.2012 Fonte: BIS Quarterly Review, September 2012.
  • 94. 100.000 150.000 200.000 250.000 50.000 Mar.2000 Dec.2000 Sep.2001 Jun.2002 Mar.2003 Dec.2003 Sep.2004 Jun.2005 Mar.2006Fonte: BIS Quarterly Review, September 2012. Dec.2006 Sep.2007 (US$ milhões) Jun.2008 Mar.2009 Dec.2009 Sep.2010 Grécia: ativos externos bancos Jun.2011 Mar.2012
  • 95. Selected Indicators on the Size of the Capital Markets (In billions of U.S. dollars), 2011 Debt Securities Bonds, Equities, Total Bonds, and Bank Assets Reserves Stock Market Bank Equities, and (In percent of GDP Minus Gold Capitalization Public Private Total Assets Bank Assets GDP)World 69.899,2 10.650,4 47.089,2 44.622,1 53.766,0 98.388,1 110.378,2 255.855,6 366,0European Union 16.426,6 468,0 8.530,2 10.808,0 20.740,6 31.548,5 42.172,7 82.251,4 500,7 Euro area 13.118,5 316,7 4.586,6 8.872,2 16.104,1 24.976,2 29.311,8 58.874,6 448,8 Germany 3.607,4 66,9 1.184,5 2.064,9 3.253,9 5.318,8 5.103,6 11.606,9 321,8North America 16.814,6 202,6 17.552,8 14.092,7 21.854,5 35.947,2 18.246,6 71.746,6 426,7 Canada 1.739,0 656,5 1.912,1 1.217,9 1.028,4 2.246,3 3.611,3 7.769,7 446,8 United States 15.075,7 136,9 15.640,7 12.874,7 20.826,2 33.700,9 14.635,3 63.976,9 424,4Japan 5.866,5 1.258,2 3.540,7 12.790,6 2.578,7 15.369,3 12.756,1 31.666,1 539,8Newly industrialized Asian economies 2.086,2 1.212,8 4.975,4 857,8 1.134,2 1.992,1 4.381,2 11.348,7 544,0Emerging market economies 25.438,4 6.944,5 9.771,0 5.289,6 3.950,7 9.240,2 25.542,5 44.553,7 175,1 Of which: Asia 11.489,4 4.054,1 4.985,5 2.634,2 2.393,0 5.027,2 17.940,3 27.953,0 243,3 Latin America and the Caribbean 5.614,3 738,8 2.221,4 1.674,1 1.064,4 2.738,5 3.299,5 8.259,4 147,1 Middle East and North Africa 2.754,4 1.105,9 788,0 104,5 138,2 242,7 1.564,6 2.595,2 94,2 Sub-Saharan Africa 1.230,6 177,8 581,0 142,0 112,8 254,8 563,4 1.399,2 113,7 Europe 4.349,9 867,9 1.195,1 734,8 242,2 977,0 2.174,7 4.346,8 99,9 Fonte: FMI, Global Financial Stability Report, October 2012
  • 96. Unidade na diversidade• A partir do Ato Único Europeu de fevereiro de 1986, buscou-se a integração financeira mediante a adoção de uma estratégia de intervenções progressivas segundo os princípios da subsidiariedade e da proporcionalidade.• O princípio da subsidiariedade reconhece a competência preponderante das autoridades nacionais para regulamentação e supervisão das instituições financeiras, e o legislador europeu entra em ação quando as metas acordadas nos Tratados da UE não puderem ser efetivadas.• A proporcionalidade exige que a legislação da UE não exceda o estritamente necessário para atingir os objetivos pretendidos.• A correspondência das peculiaridades dos sistemas judiciários nacionais com os princípios da subsidiariedade e da proporcionalidade conduz automaticamente à diversidade jurídica. Isso significa que, em vez de buscar a plena harmonização regulatória politicamente inviável, o mercado único foi construído sob três princípios fundamentais: harmonização mínima, controle do país de origem e reconhecimento mútuo.
  • 97. Problemas genéticos da União Monetária e Econômica• O aprofundamento da integração financeira, juntamente com a expansão das atividades transfronteiriças esperadas com a adoção da moeda comum, evidenciou as inconsistências entre as significativas especificidades nacionais resultantes da abordagem da harmonização mínima e do mercado financeiro único.• Vale dizer, não se eliminou as arbitragens regulatórias das instituições financeiras provenientes de regras e práticas nacionais de supervisão distintas.• Ou, as divergências nas regras prudenciais e contábeis e nas práticas de supervisão deixam espaço para uma interpretação flexível das autoridades nacionais sobre as condições financeiras dos bancos.
  • 98. Problemas genéticos da União Monetária e Econômica• Para completar o quadro, é preciso lembrar que, formalmente, a função de emprestador de última instância não é atribuída ao BCE, permanecendo na esfera de cada banco central nacional.• Na falta de um quadro comum de supervisão dentro da UE, não se forjou um sistema de gestão de crise em âmbito europeu.• A resolução da crise é de responsabilidade final dos tesouros nacionais.
  • 99. Problemas genéticos da União Monetária e Econômica As distorções regulatórias e as práticas negligentes de supervisão nacionais estão por trás de muitas das vulnerabilidades da UE. As autoridades oficiais têm responsabilidade por terem permitido:• uma subvalorização geral dos riscos e a sua concentração;• o financiamento das bolhas imobiliária e de ativos;• o superdimensionamento dos bancos individuais.
  • 100. Fragilidades acumuladas da construção institucional europeia Em 2009, a atenção do mercado foi se deslocando do setor financeiro para a alavancagem do setor público, aumentando enormemente o spread da dívida soberana entre os países do euro.• A crise da dívida soberana grega irrompeu independente da crise financeira, embora tenha sido agravada por ela;• A Irlanda foi diretamente relacionada à crise financeira – salvamento dos bancos;• Portugal e Itália explicitaram o baixo crescimento e da competitividade;• Espanha, resgate aos bancos e baixa competitividade.
  • 101. Gestão da crise de 2008/2009• O BCE reduziu as taxas de juros, injetando grande quantidade de liquidez principalmente pela extensão da elegibilidade dos ativos de garantias para operações no mercado aberto aos ativos de classificação inferior, e alongando as condições de refinanciamento;• Os bancos centrais nacionais lançaram operações de assistência de liquidez, utilizando requisitos bastante distintos de garantias e margens de segurança.
  • 102. Reforma do mercado único• As iniciativas da UE confirmam a tendência no sentido de harmonização e cooperação crescentes, criando arranjos institucionais que devem ser capazes de pressionar os representantes nacionais a adotarem uma perspectiva no plano da UE.• A desalavancagem privada gerou um nível insustentável de alavancagem pública na zona do euro. Foram criados dois fundos com o objetivo de limitar a propagação do pânico: a) Mecanismo Europeu de Estabilização Financeira, um fundo de € 60 bilhões para o qual contribuem todos os países da EU; b) Fundo Europeu de Estabilidade Financeira, um veículo de propósito especial de propriedade dos países da área do euro, com recursos de até € 440 bilhões e que termina em 2013. O FMI participa do arranjo de financiamento e fornece uma linha extra no valor de metade da contribuição da UE.
  • 103. Como salvar o euro The Economist, 22 setembro de 2011Um resgate deve fazer quatro coisas rapidamente.• Primeiro, precisa deixar claro quais governos da Europa são considerados sem liquidez e quais são insolventes, dando apoio ilimitado aos governos solventes, mas reestruturando a dívida dos que jamais poderão pagá-la.• Segundo, precisa apoiar os bancos europeus para garantir que eles possam suportar uma moratória soberana.• Terceiro, precisa transferir a política macroeconômica da Zona do Euro de sua obsessão pelos cortes de orçamentos para uma agenda de crescimento.• Quarto, deve iniciar o processo de criar um novo sistema para impedir que tal confusão jamais seja criada de novo.• A quarta levará muito tempo para completar: envolverá novos tratados e a aprovação de parlamentos e eleitores. As outras precisam ser decididas rapidamente, digamos, durante um fim de semana, quando os mercados estão fechados.
  • 104. Não há futuro ensolarado para o euroMartin Wolf – Valor Econômico, 19 de outubro de 2011• Consertem os bancos; consertem a Grécia; e consertem os mercados de dívidas de outros países da região do euro mais enfraquecidos. Esses são os elementos do pacote desejado. A principal abordagem também é clara: despejar baldes de dinheiro por todos os lados.• O desafio fundamental não é o financiamento, mas o ajuste. As autoridades da região há muito insistem que o balanço de pagamentos não dever ser de importância em uma união monetária. De fato, há uma crença quase religiosa de que o importante é o déficit fiscal: todos os outros balanços vão se equilibrar automaticamente. Isso é absurdo.• Dentro da região do euro, o ajuste dos desequilíbrios continua essencial, embora seja imensamente difícil, porque a taxa de câmbio saiu de cena. Em vez do ajuste via cambial, há um ajuste via depressão e inadimplência. Uma união monetária com mercantilistas estruturais em seu núcleo agora ameaça provocar um declínio permanente em sua periferia. Resolver isso é a verdadeira cura. Será que pode ser feito?
  • 105. Belluzzo: “Será uma crise longa”• “Who’s in charge?”, ironiza ao arguir a ausência de lideranças políticas à altura do colapso em curso no mundo das finanças desreguladas. “Quem é o encarregado?”, repete a pergunta para responder em seguida: ” Não há”.• Se a política só produz vácuo, os mercados cuidam de produzir o que sabem. Um ajuste selvagem entre ativos e passivos; deslocamentos abruptos e maciços de portfólios que esfarelam governos e nações. “O que estão fazendo com a Grécia, por exemplo, é de uma perversidade inútil”.• O governo Obama: “Está aquém do que poderia diante da inquietação de uma opinião pública açoitada por índices de desemprego da ordem de 9% e que não cedem. Até quando vão suportar isso?” Obama teria de acionar uma política fiscal corajosa, sem medo de afrontar a cegueira republicana. "O resto é inócuo". “Isso que estão fazendo agora, o ‘swing’ anunciado pelo Fed é assustador pela insuficiência e os efeitos colaterais que envolve”. Ao anunciar a compra de US$ 400 bilhões em títulos de longo prazo, trocando-os por papéis de curto prazo, “os EUA estão estreitando perigosamente o perfil de sua dívida”. Pior: remam na mesma direção dos mercados. Alimentam a obsessão mórbida pela liquidez. Insuflam a manada em fuga pelo planeta, quando o que mais se necessita nesse momento é de investimentos que reordenem, disciplinem e conduzam os cascos de volta aos currais da produção.• Os desequilíbrios que extrapolam a horizonte imediato da crise financeira, mas que estão indissociavelmente ligados a ela, adicionando-lhe uma dimensão geopolítica. “A China, por exemplo, até quando eles acham que vão poder se dissociar das soluções globais”.
  • 106. LESSONS FROM THE EURO CRISIS – Jan Kregel - Policy Note, 012 /10 Levy Economics Institute of Bard College1. Currency zones don’t solve the problem of payments imbalances.2. There is no French-German compromise on policy convergence.3. Competition reduces inflation but does not produce growth and convergence.4. A common currency does not eliminate the need for internal adjustments.
  • 107. LESSONS FROM THE EURO CRISIS – Jan Kregel - Policy Note, 012 /10 Levy Economics Institute of Bard College5. The solution to the problem facing the eurozone is not increased political integration via more sovereign EU economic and political institutions.“Sovereigns do not default.” By this they simply meant that sovereigns will always be able to refinance their debt by issuing new debt.With the advent of the euro and euro-denominated government debt, this was no longer true. Since governments could no longer issue the currency in which their debt was denominated, nor could they be permitted to borrow it from the ECB, their ability to repay the debt, or even to meet the debt service, was determined by their ability to generate fiscal surpluses in euros. The current crisis is not really a crisis of the euro, it is a crisis of the member-states’ ability to meet the minimum conditions for refinancing or retiring debt through fiscal policy.
  • 108. Porque os EUA vão ganhar essa guerraMartin Wolf, Valor Econômico, 13/10/2010 Sem meias palavras, os EUA querem inflacionar o resto do mundo, enquanto o resto do mundo tenta deflacionar os EUA. Os EUA deverão ganhar, já que possuem munição infinita: não há limite para os dólares que o Federal Reserve pode criar. O que precisa ser discutido são os termos da rendição mundial: as mudanças necessárias nas taxas de câmbio nominais e das políticas domésticas por todo o mundo.
  • 109. Reforma Sistema Financeiro - EUAEm 21 de julho de 2010, o Presidente dos Estados Unidos, Barack Obama,assinou a Lei Pública 111-203, chamada de Lei Dodd-Frank de Reforma de WallStreet e de Proteção a ConsumidoresConselho de Supervisão da Estabilidade Financeiraidentificar sinais de acumulação de desequilíbrios que possam conduzir a umacrise sistêmica e tomar as providências. Esse conselho será liderado peloSecretário do Tesouro e reunirá representantes de todos os órgãos de regulaçãoe supervisão financeiras do país.A Regra de Volckerparticipação em fundos de hedge e de private equity não pode exceder 3% docapital do fundo no prazo de um ano da sua criação, nem a soma dasparticipações exceder 3% da faixa 1 do capital do banco.A Emenda Collinstorna as especificações do Comitê da Basileia parte da Lei Dodd-Frank.
  • 110. Reforma Sistema Financeiro - EUADerivativosPara combater a opacidade de mercados de balcão, estabeleceu-se a exigência deregistro de contratos, evitando que contrapartes (e supervisores financeiros) sejameventualmente surpreendidos pela extensão da exposição de seus parceiros emsituações de estresse.Manter “a pele” em jogoA exigência que originadores e ofertantes de papéis securitizados sejam obrigados amanter em sua própria carteira 5% do total emitido, sem possibilidade de hedge.Remuneração de ExecutivosOs esquemas de remuneração deverão ser avaliados por comitês de risco dainstituição.Bureau de Proteção a Consumidorescriado com amplos poderes de supervisão e imposição de procedimentos, como umaentidade autônoma alojada no aparato do Federal Reserve, mas sem qualquersubordinação a ele
  • 111. Basileia III•Redefinição do capital regulatório (de 8% para quase 11 %)•Introdução de uma taxa de alavancagem (Capital/Ativos)•Duas medidas de liquidez das instituições bancáriasA primeira é chamada de Taxa de Cobertura de Liquidez, asegunda de Taxa de Financiamento Líquido Estável•dois “amortecedores” de capitala) amortecedor anticíclico: excesso de capital regulatório sobrecapital mínimo: punição: restrições sobre compensação deexecutivos e pagamento de dividendos;b) amortecedor contra excesso de oferta de crédito que gere riscosistêmico: punição: restrições sobre compensação de executivose pagamento de dividendos.
  • 112. Reforma do Sistema Financeiro Americano• O objetivo básico da reestruturação do sistema financeiro americano é garantir aos contribuintes que o Congresso havia tomado medidas radicais para garantir que no futuro as instituições financeiras serão responsáveis pelos custos do fracasso. Assim, proteger o contribuinte de ter de financiar resgates no setor financeiro substituiu a estabilidade do sistema enquanto objetivo principal do processo de reforma.• Enfim, a ênfase principal da reforma é lidar com os bancos demasiado grandes ou muito interconectados e que por isso não podem falir. O FDIC fechou mais de 300 bancos de pequeno e médio porte desde o início de 2008 sem qualquer perda nos depósitos garantidos ou qualquer turbulência nos mercados.• Entretanto, os grandes bancos receberam suporte financeiro direto do programa TARP do Tesouro e do Federal Reserve, FDIC e GSE.• A peça central da legislação é desenhar um procedimento para encerrar todos os tipos de instituição financeira que sejam consideradas sistematicamente relevantes – “too big to fail”.
  • 113. Capitalização das Bolsas de Valores (51) – US$ trilhões- desvalorização US$ 34,4 trilhões (out.07 – fev./09)- valorização US$ 30,5 trilhões (fev./09 – abril/11)-desvalorização US$ 11,7 trilhões (abr./11 – dez./11)- valorização US$ 5,5 trilhões (dez.11 – set./12)646056524844403632282420 fev fev fev fev fev fev fev fev fev fev ago ago ago ago ago ago ago ago ago ago abr abr abr abr abr abr abr abr abr abr jun jun jun jun jun jun jun jun jun jun out out out /03 /04 /07 /08 /09 /11 out out out out out out /05 /06 /10 dez dez dez dez dez dez dez dez dez Fonte: Federação Mundial de Bolsas de Valores
  • 114. 10.400 11.400 12.400 13.400 14.400 6.400 7.400 8.400 9.400 03/01/2005 03/07/2005Fonte: Bloomberg 03/01/2006 03/07/2006 03/01/2007 03/07/2007 03/01/2008 03/07/2008 03/01/2009 03/07/2009 03/01/2010 03/07/2010 capitalização – em US$ 03/01/2011 Dow Jones – USA - Índice de 03/07/2011 03/01/2012 03/07/2012
  • 115. 1.000 1.100 1.200 1.300 1.400 1.500 1.600 600 700 800 900 03/01/2005 03/05/2005 03/09/2005Fonte: Bloomberg 03/01/2006 03/05/2006 03/09/2006 03/01/2007 03/05/2007 03/09/2007 03/01/2008 03/05/2008 03/09/2008 03/01/2009 03/05/2009 03/09/2009 03/01/2010 03/05/2010 capitalização – em US$ 03/09/2010 S&P500 – USA - Índice de 03/01/2011 03/05/2011 03/09/2011 03/01/2012 03/05/2012 03/09/2012
  • 116. 70 80 90 100 110 120 130 140 150 160 04/01/2005 04/05/2005 04/09/2005Fonte: Bloomberg 04/01/2006 04/05/2006 04/09/2006 04/01/2007 04/05/2007 04/09/2007 04/01/2008 04/05/2008 04/09/2008 04/01/2009 04/05/2009 04/09/2009 04/01/2010 04/05/2010 capitalização – em US$ 04/09/2010 NIKKEI – Japão - Índice de 04/01/2011 04/05/2011 04/09/2011 04/01/2012 04/05/2012 04/09/2012
  • 117. 10.500 12.500 14.500 4.500 6.500 8.500 04/01/2005 04/07/2005Fonte: Bloomberg 04/01/2006 04/07/2006 04/01/2007 04/07/2007 04/01/2008 04/07/2008 04/01/2009 04/07/2009 04/01/2010 04/07/2010 capitalização – em US$ UK - FTSE100 - Índice de 04/01/2011 04/07/2011 04/01/2012 04/07/2012
  • 118. 10.000 11.000 12.000 4.000 5.000 6.000 7.000 8.000 9.000 03/01/2005 03/05/2005 03/09/2005Fonte: Bloomberg 03/01/2006 03/05/2006 03/09/2006 03/01/2007 03/05/2007 03/09/2007 03/01/2008 03/05/2008 03/09/2008 03/01/2009 03/05/2009 03/09/2009 03/01/2010 03/05/2010 capitalização – em US$ 03/09/2010 DAX – Alemanha - Índice de 03/01/2011 03/05/2011 03/09/2011 03/01/2012 03/05/2012 03/09/2012
  • 119. 3.000 4.000 5.000 6.000 7.000 8.000 9.000 03/01/2005 03/07/2005Fonte: Bloomberg 03/01/2006 03/07/2006 03/01/2007 03/07/2007 03/01/2008 03/07/2008 03/01/2009 03/07/2009 03/01/2010 capitalização – em US$ 03/07/2010 CAC – França - Índice de 03/01/2011 03/07/2011 03/01/2012 03/07/2012
  • 120. 5.000 10.000 15.000 20.000 25.000 30.000 35.000 40.000 45.000 03/01/2005 03/05/2005 03/09/2005Fonte: Bloomberg 03/01/2006 03/05/2006 03/09/2006 03/01/2007 03/05/2007 03/09/2007 03/01/2008 03/05/2008 03/09/2008 03/01/2009 03/05/2009 03/09/2009 03/01/2010 BOVESPA - Índice de 03/05/2010 capitalização – em US$ 03/09/2010 03/01/2011 03/05/2011 03/09/2011 03/01/2012 03/05/2012 03/09/2012
  • 121. 100 150 200 250 300 350 400 450 500 550 600 650 700 750 800 850 04/01/2005 04/05/2005 04/09/2005Fonte: Bloomberg 04/01/2006 04/05/2006 04/09/2006 04/01/2007 04/05/2007 04/09/2007 04/01/2008 04/05/2008 US$ 04/09/2008 04/01/2009 04/05/2009 04/09/2009 04/01/2010 04/05/2010 04/09/2010 04/01/2011 -Índice de capitalização – em 04/05/2011 SHCOMP - Shangai Composite 04/09/2011 04/01/2012 04/05/2012 04/09/2012
  • 122. 1.000 1.200 1.400 200 400 600 800 03/01/2000 03/01/2001 03/01/2002Source: Bloomberg 03/01/2003 03/01/2004 03/01/2005 03/01/2006 03/01/2007 03/01/2008 – Emerging Markets 03/01/2009 03/01/2010 Morgan Stanley Capital Investment (MSCI) 03/01/2011 03/01/2012
  • 123. 1.000 1.500 2.000 2.500 3.000 3.500 4.000 4.500 5.000 5.500 500 03/01/2000 03/01/2001 03/01/2002Source: Bloomberg 03/01/2003 03/01/2004 – América Latina 03/01/2005 03/01/2006 03/01/2007 03/01/2008 03/01/2009 03/01/2010 Morgan Stanley Capital Investment (MSCI) 03/01/2011 03/01/2012
  • 124. 100 150 200 250 300 350 400 450 500 550 600 03/01/2000 03/01/2001 – Ásia 03/01/2002Source: Bloomberg 03/01/2003 03/01/2004 03/01/2005 03/01/2006 03/01/2007 03/01/2008 03/01/2009 03/01/2010 Morgan Stanley Capital Investment (MSCI) 03/01/2011 03/01/2012
  • 125. 1.100 1.300 1.500 1.700 1.900 2.100 2.300 700 900 03/01/2000 03/07/2000 03/01/2001 03/07/2001 03/01/2002Source: Bloomberg 03/07/2002 03/01/2003 03/07/2003 03/01/2004 03/07/2004 03/01/2005 03/07/2005 03/01/2006 – Europa Central e Leste 03/07/2006 03/01/2007 03/07/2007 03/01/2008 03/07/2008 03/01/2009 03/07/2009 03/01/2010 03/07/2010 Morgan Stanley Capital Investment (MSCI) 03/01/2011 03/07/2011 03/01/2012 03/07/2012
  • 126. Participação no PIB global (dólar corrente) – regiões e China (em %) Região/país 1980 1990 2000 2005 2010 Países desenvolvidos 76,4 79,7 79,9 76,2 65,8 Países em desenvolvimento 23,6 20,3 20,1 23,8 34,2 Ásia 6,2 5,1 7,3 8,9 15,2 - China 1,9 1,8 3,7 5,0 9,3 Países em desenv. (exceto China) 21,7 18,5 16,4 18,8 24,9 Fonte: International Monetary Fund: World Economic Outlook Database,abril/2012. Elaboração Eduardo Costa Pinto
  • 127. Contribuição ao crescimento do PIB global (em dólar corrente) (Em %) – regiões e ChinaRegião/país 1981-90 1991-00 2001-10 2002-07 2008 2009 2010 2011* 2012*Países desenvolvidos 82,8 80,3 52,0 61,3 40,7 -70,0 33,6 49,3 41,8 - EUA 26,3 41,5 15,7 15,9 5,5 -7,5 10,8 9,9 17,0Países em desenvolvimento 17,2 19,7 48,0 38,7 59,3 -30,0 66,4 50,7 58,2 Ásia 4,0 12,1 22,8 15,2 24,7 14,3 30,3 18,1 27,4 - China 1,6 8,1 15,2 9,2 18,4 14,1 17,8 11,1 18,1 (*) Estimado Fonte: International Monetary Fund: World Economic Outlook Database, abril/2012. Elaboração Eduardo Costa Pinto
  • 128. Evolução das exportações, importações e corrente de comércio da China - valor (em bilhões US$ corrente) e participação mundial (%)US$ milhões Corrente de Exportações Importações Comércio Valor % Valor % Valor %1980-89 31 1,4 35 1,6 66 1,51990-99 129 2,9 114 2,6 243 2,62000 249 3,9 225 3,4 474 3,72001 266 4,3 244 3,8 510 4,12002 326 5,1 295 4,5 621 4,82003 438 5,9 413 5,3 851 5,62004 593 6,5 561 5,9 1.155 6,22005 762 7,3 660 6,1 1.422 6,72006 969 8,0 792 6,4 1.761 7,22007 1.218 8,8 956 6,7 2.174 7,72008 1.429 8,9 1.132 6,9 2.560 7,92009 1.202 9,7 1.004 7,9 2.206 8,82010* 990 10,4 886 9,0 1.876 9,7 (*) Acumulado dos três primeiros semestres do ano Fonte: Direção de Estatísticas Comerciais/FMI. Elaboração Eduardo Costa Pinto
  • 129. Exportações, importações e balança comercial: 1978-2010 ($US bilhões)1.500,01.300,01.100,0 900,0 Balança Comercial Exportações 700,0 Importações 500,0 300,0 100,0 -100,0 80 82 84 88 92 78 86 90 94 96 98 00 02 04 06 08 10 19 19 19 19 19 19 19 19 19 19 19 20 20 20 20 20 20 Fonte:CEICDATA. Elaboração Eduardo Costa Pinto
  • 130. Evolução das exportações chinesas por intensidade tecnológica– 1990/2009 (US$ bilhões; valor acumulado para os períodos) 1990-1994 1995-1999 2000-2004 2005-2009 Intensidade Valor Part. % Valor Part. % Valor Part. % Valor Part. % Produtos industriais (*) 848,0 82,6 1.515,1 86,0 2.641,7 88,9 6.571,0 90,7 Alta inten. tecnológica 222,6 21,7 470,2 26,7 1.043,7 35,1 2.868,0 39,6 Baixa inten. tecnológica 53,0 5,2 114,0 6,5 195,6 6,6 631,1 8,7 Média inten. tecnológica 126,9 12,4 237,9 13,5 461,4 15,5 1.282,3 17,7 Trabalho e recursos naturais 445,5 43,4 693,0 39,3 941,0 31,7 1.789,5 24,7 Não classificados 76,5 7,5 107,4 6,1 160,2 5,4 338,3 4,7 Produtos não industriais - 102,1 9,9 139,6 7,9 169,3 5,7 332,6 4,6 Commodities primárias Total 1.026,6 100,0 1.762,1 100,0 2.971,2 100,0 7.241,9 100,0 Fonte: COMTRADE. Elaboração Eduardo Costa Pinto .
  • 131. Evolução das importações chinesas por intensidadetecnológica – 1990/2009 (US$ bilhões; valor acumulado para os períodos) 1990-1994 1995-1999 2000-2004 2005-2009 Intensidade Valor Part. % Valor Part. % Valor Part. % Valor Part. %Produtos industriais (*) 853,8 81,8 1.393,2 81,9 2.338,3 81,3 4.648,5 73,5 Alta inten. tecnológica 288,8 27,7 567,7 33,4 1.196,9 41,6 2.754,6 43,6 Baixa inten. tecnológica 72,4 6,9 94,6 5,6 143,8 5,0 228,3 3,6 Média inten. tecnológica 222,2 21,3 331,9 19,5 562,0 19,5 1.123,4 17,8 Trabalho e recursos naturais 270,4 25,9 399,0 23,5 435,7 15,1 542,2 8,6Não classificados 74,4 7,1 114,4 6,7 221,6 7,7 739,6 11,7Produtos não industriais - 115,9 11,1 192,9 11,3 317,7 11,0 932,5 14,8Commodities primáriasTotal 1.044,2 100,0 1.700,5 100,0 2.877,6 100,0 6.320,7 100,0 Fonte: COMTRADE. Elaboração Eduardo Costa Pinto
  • 132. Contribuição para o crescimento por componentes da renda e crescimento da RIB: 1978-2010 (em %)25,020,015,010,0 5,0 0,0 78 80 82 84 86 88 90 92 94 96 00 04 06 08 98 2 10 0 -5,0 19 19 19 19 19 19 19 19 19 19 19 20 20 20 20 20 20-10,0 Consumo final Fomação de capital Exportações líquidas de bens e serviços Renda Interna Bruta Fonte:CEICDATA. Elaboração Eduardo Costa Pinto
  • 133. Participação do consumo privado egovernamental e da formação bruta de capitalfixo em % do PIB 50,0 45,0 40,0 35,0 30,0 25,0 20,0 15,0 10,0 3 95 7 99 1 03 05 07 9 9 9 0 0 19 19 20 20 20 19 19 20 20 Consumo Privado Consumo do Governo Formação Bruta de Capital Fixo Fonte:CEICDATA. Elaboração Eduardo Costa Pinto
  • 134. Participação do consumo das famílias (urbanas e rurais) em % do PIB Fonte:CEICDATA. Elaboração Eduardo Costa Pinto
  • 135. População e percentual da população urbana1.400 50,01.300 40,01.2001.100 30,01.000 20,0 900 800 10,0 78 80 82 90 92 02 04 06 08 10 84 86 88 94 96 98 00 19 19 19 19 19 19 19 19 19 19 19 20 20 20 20 20 20 População (milhões) População urbana (%) (eixo da direita) Fonte:CEICDATA
  • 136. Transações correntes e resultado do IDE: 1978- 2010 ($US bilhões)450,0400,0350,0300,0250,0200,0150,0100,0 50,0 0,0-50,0 82 84 86 88 90 92 94 96 98 00 02 04 06 08 10 19 19 19 19 19 19 19 19 19 20 20 20 20 20 20 Resultado Investimento direto Conta Corrente Fonte:CEICDATA. Elaboração Eduardo Costa Pinto
  • 137. Investimento direto estrangeiro na China e investimento direto chinês no estrangeiro150,0100,0 50,0 0,0 96 82 84 86 88 90 92 94 98 00 02 04 06 08 10 19 19 19 19 19 19 19 19 19 20 20 20 20 20 20 -50,0-100,0 Investimento direto chinês no exterior Investimento direto estrangeiro na China Fonte:CEICDATA Elaboração Eduardo Costa Pinto
  • 138. Balanço de pagamentos e reservas internacionais – China (US$ bilhões) 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009Reservas internacionais 168,3 215,6 291,1 408,2 614,5 821,5 1.068,5 1.530,3 1.949,3 2.416,0 (em proporção do PIB) 14,1 16,4 20,0 24,7 31,6 36,0 38,3 43,8 43,0 47,8 10,7 47,4 75,2 137,5 189,8 251,0 284,7 460,7 479,6 400,5Mudança na posição da reserva (B.P.)I. Transações Corrente 20,5 17,4 35,4 45,9 68,7 160,8 253,3 371,8 436,1 297,1 (em proporção do PIB) 1,7 1,3 2,4 2,8 3,5 7,0 9,1 10,6 9,6 5,9 Balança Comercial 34,5 34,0 44,2 44,7 59,0 134,2 217,7 315,4 360,7 249,5 (em proporção do PIB) 2,9 2,6 3,0 2,7 3,0 5,9 7,8 9,0 8,0 4,9II. Conta Capital e Financeira 1,9 34,8 32,3 52,7 110,7 63,0 6,7 73,5 19,0 146,7 Resultado IED 37,5 37,4 46,8 47,2 53,1 67,8 56,9 121,4 94,3 34,3III. Erros e omissões -11,7 -4,7 7,5 38,9 10,5 27,2 24,7 15,3 24,5 -43,3PIB nominal* 1.193 1.317 1.456 1.651 1.943 2.284 2.787 3.494 4.532 5.051 Fonte: Direção de Estatísticas Comerciais/FMI. Elaboração Eduardo Costa Pinto
  • 139. Evolução da posse e participação chinesa na propriedade de títulos do Tesouro dos EUA (em US$ bilhões e em %) Proporção dos Títulos EUA em mãos dos chineses 30,0 1150 China China % totalTítulos do Tesouro dos EUA (US$ bilhões) 26,1 1050 24,3 950 23,6 25,0 850 20,3 750 18,9 20,0 (%) 650 1160,1 15,2 550 15,0 894,8 450 12,1 727,4 350 10,4 9,6 477,6 10,0 250 7,6 396,9 310,0 150 222,9 78,6 118,4 159,0 50 5,0 dez.01 dez.02 dez.04 dez.06 dez.07 dez.08 dez.09 dez.10 dez.03 dez.05 Fonte: Departamento do Tesouro dos EUA. Elaboração própria
  • 140. Evolução do PIB per capita: 1978-2010 Evolução do PIB per capital: 1978-2010 ($US) - (RBM) 4.400 30.00045004000 25.00035003000 20.0002500 15.00020001500 10.000 1.0381000 5.000 417 500 225 0 0 78 80 19 2 84 86 19 8 90 92 19 4 96 98 00 02 04 06 08 10 78 80 82 84 86 88 90 92 94 96 98 00 02 04 06 08 10 8 8 9 19 19 19 19 19 19 20 20 19 19 19 19 19 20 20 20 20 19 19 19 19 19 19 19 19 20 20 20 20 20 20 Fonte:CEICDATA
  • 141. Classe média global, 2009: população e gastosFonte: Kharas (2010)
  • 142. Classe média global: população (milhões e %) – 2009;2020;2030.Fonte: Kharas (2010)
  • 143. Classe média global: despesas (milhões de US$ em PPP 2005 ) – 2009;2020;2030.Fonte: Kharas (2010)
  • 144. Participação dos investimentos no PIB (a preços de mercado ) 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011OfertaIndústria 23,3 24,1 25,8 25,1 24,7 23,9 23,7 23,1 24,0 23,5Serviços 57,1 56,0 54,0 55,8 56,5 57,3 56,3 58,3 57,0 57,1Agropecuária 5,7 6,4 5,9 4,9 4,7 4,8 5,0 4,9 4,5 4,7Impostos 13,9 13,5 14,2 14,2 14,1 14,0 14,9 13,7 14,4 14,8DemandaConsumo das Famílias 61,7 61,9 59,8 60,3 60,3 59,9 58,9 61,1 59,6 60,3Consumo do Governo 20,6 19,4 19,2 19,9 20,0 20,3 20,2 21,2 21,1 20,7FBCF 16,4 15,3 16,1 15,9 16,4 17,4 19,1 18,1 19,5 19,3Exportação 14,1 15,0 16,4 15,1 14,4 13,4 13,7 11,0 10,9 11,9Importação (-) 12,6 12,1 12,5 11,5 11,5 11,8 13,5 11,1 11,9 12,6 Fonte: IBGE Elaboração: SPI/MP
  • 145. 6,0 6,5 7,0 7,5 8,0 8,5 9,0 03/01/2000 03/07/2000 03/01/2001 03/07/2001 03/01/2002 03/07/2002 China Renminbi Spot CNY 03/01/2003 03/07/2003CNH Fwd Points CNH12M CMPN 03/01/2004 03/07/2004 03/01/2005 03/07/2005 03/01/2006 03/07/2006 03/01/2007CNY NDF +12M CMPN 03/07/2007 Offshore Deliverable CNY CNH 03/01/2008 03/07/2008 03/01/2009 offshore and NDF 03/07/2009 03/01/2010 03/07/2010 03/01/2011 03/07/2011 03/01/2012 Renminbi: Spot, Forword, onshore, CNY ONSHORE +12M CMPN 03/07/2012
  • 146. Importado vs nacionais – preço por quilo – US$ FOB – Jan/ago 2010 Brasil(* Alemanha(** NCM Descrição ) ) China(**)8481.8093 Válvula tipo gaveta 53,30 35,08 4,958457.1000 Centro de usinagem 34,07 22,94 9,75 Compressores de ar montados sobre8414.4010 chassis com rodas e rebocáveis de 39,84 32,27 2,27 deslocamento alternativos8425.11.0 Talhas, cadernais e moitões de motor 53,46 20,18 2,76 0 elétrico8454.3010 Máquinas de moldar sob pressão 29,29 13,65 4,92 Máquinas para enrolar, arquear,8562.2100 dobrar, endireitar ou aplainar de 20,80 28,59 3,00 comando numérico Fonte: SECEX. Elaborado por DCEE/ABIMAQ (2012c). Notas: (*) Preço médio das exportações, (**) Preço médio das importações.
  • 147. Calça de algodão(1) – proxy da estrutura de preço Brasil vs China Participação (%) US$ Brasil China Brasil(*) China(**) Diferença (%) Mão de obra 25 34 10,9 5,3 105 Matéria-prima e auxiliares 42 41 18,3 6,3 189 Energia elétrica/ utilidades 2 2 0,9 0,3 182 Despesas financeiras 4 4 3,5 0,6 510 Depreciação 8 3 1,3 0,5 182 Outros custos 13 8 5,7 1,2 359 Margem de lucro 7 8 3,0 1,2 147 Preço de referência 100 100 43,5 15,4 182 Fonte: Elaborado por RC Consultores (2011). Notas: (1) Calça de algodão masculina e feminina. (*) Brasil: preço médio dasexportações brasileiras em 2010, (**) China: preço médio das importações brasileiras oriundas da China em 2010.
  • 148. Recipients of World Bank, IDB, and Chinese Lending from 2005–2011($ million) Total Loans World Bank IDB ChinaVenezuela 44.528 — 6.028 38.500Brazil 39.628 15.338 12.559 11.731Mexico 27.410 14.739 11.671 1.000Argentina 26.774 7.164 9.610 10.000Colombia 12.118 6.241 5.877 —Ecuador 8.914 153 2.457 6.304Peru 6.113 3.045 2.868 200El Salvador 2.954 1.196 1.758 —Guatemala 2.887 1.176 1.711 —Panama 2.811 591 2.220 —Costa Rica 2.741 698 1.743 300Dominican Republic 2.555 854 1.701 —Other 14.079 2.169 6.730 5.180TOTAL 194.321 53.365 67.741 73.215
  • 149. Produção estimada de petróleo no Brasil –novas reservas e reservas existentes nas áreas já concedidas (milhões de b/d) 2011 2016 2020 RD fora pré-sal 2,022 2,774 2,387 RD pré-sal 0,303 1,283 3,080 RND fora pré-sal 0 0,201 0,215 RND pré-sal 0 0,023 0,074 Total 2,325 4,280 5,756Fonte: EPE, 2011RD = Reservas descobertas até 2011; RND = Reservas não descobertasObs. (1) não inclui gás equivalente e não inclui produção de petróleo fora do país
  • 150. Importações de minério de ferro (milhões de toneladas) 1980 1990 2000 2007China 3,4 14,3 69,9 383,1Mundo 378,5 400 510,7 855,5Participação chinesa (%) 0,9 3,6 13,7 44,8Fonte: MME

×