Your SlideShare is downloading. ×
Entenda as diferenças entre Contingência, Emergência e Continuidade de Negócios
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Entenda as diferenças entre Contingência, Emergência e Continuidade de Negócios

4,965

Published on

Uma maneira de tratar as consequências de determinados eventos críticos é através do planejamento e da prontidão para contingências, para que a organização possa agir rapidamente e tirar vantagens de …

Uma maneira de tratar as consequências de determinados eventos críticos é através do planejamento e da prontidão para contingências, para que a organização possa agir rapidamente e tirar vantagens de ganhos inesperados, ou possa impedir perdas e prevenir ou limitar descontinuidades. Isso requer que os Planos (para Crises, Emergências, Continuidade de Negócios e Recuperação) sejam embasados em bons princípios de Gestão de Riscos e sejam testados e atualizados.

Published in: Business
0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
4,965
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
2
Actions
Shares
0
Downloads
91
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Planejamento de contingências* Uma maneira de tratar as conseqüências de determinados eventos críticos é através do planejamento e da prontidão para contingências, para que a organização possa agir rapidamente e tirar vantagens de ganhos inesperados, ou possa impedir perdas e prevenir ou limitar descontinuidades. Isso requer que os Planos (para Crises, Emergências, Continuidade de Negócios e Recuperação) sejam embasados em bons princípios de Gestão de Riscos e sejam testados e atualizados. Quando ocorre um evento, a direção da organização pode precisar agir rapidamente para mitigar o impacto do evento na consecução dos objetivos do negócio, tais como fluxo de vendas, qualidade do produto, reputação corporativa e satisfação do cliente. Na maioria das circunstâncias, esses impactos podem ser gerenciados como parte dos processos normais de gestão. Entretanto, quando a escala do evento superar a capacidade normal que a direção pode suportar, será necessária uma abordagem sistemática para a gestão de ocorrências críticas. A figura a seguir mostra como os diversos tipos de plano se enquadram na cronologia geral e nas fases de uma ocorrência crítica. Primeiras horas Primeiros dias Até um anoOcorrência Ações Imediatas (Reação Emergencial) Detecção Contenção Imediata Ações Subseqüentes (Retomada dos Negócios) Reação de Continuidade Reação de Recuperação Planos para Crises e Emergências  Plano de Gestão de Crises  Plano de Gestão de Emergências  Equipes de Gestão de Crises / Emergências / Acidentes  Plano de Gestão de Mídia e Comunicação Planos de Continuidade de Negócios Planos de Recuperação  Equipe de Gestão da Continuidade  Atividades de recuperação  Planos de Infra-estrutura de  Desenvolvimento de novos Recuperação de Desastres processos / melhoria de  Turnos contínuos processos  Análise pós-acidentes  Desativação
  • 2. No centro do gerenciamento das ocorrências críticas, está a Gestão da Continuidade dos Negócios (GCN), que proporciona à organização a capacidade disciplinada de continuar a operar, de forma sustentável, face à potencial interrupção significativa dos negócios. Quando implementada adequadamente, a GCN oferece uma estrutura robusta para lidar, de maneira adequada em termos de custos e tempo, com as exposições a riscos de interrupções. Ela oferece um componente-chave para a organização manter uma boa governança corporativa, reter sua base de clientes e participação de mercado, manter a confiança das partes envolvidas e gerenciar sua reputação em um cenário cada vez mais turbulento do ponto de vista econômico, industrial e de segurança patrimonial. No mínimo, a GCN irá evitar que uma crise emergente se torne mais persistente ou se espalhe. (*) Texto extraído do Manual: GESTÃO DE RISCOS Diretrizes para a Implementação da ISO 31000:2009Conheça também: LANÇAMENTO GESTÃO DE CRISES E CONTINUIDADE DE NEGÓCIOS Capacitação em Gestão de Crises e Continuidade de Negócios Melhores práticas baseadas na nova norma internacional ISO 22301Treinamento destinado aorganizações cujos colaboradoresnecessitam obter conhecimentos ese capacitar em técnicas, estratégiase melhores práticas de Gestão deCrises e Continuidade de Negócios,baseadas na nova norma ISO 22301e outras referências mundiais. Boas Práticas e Diretrizes Internacionais: [Saiba mais] Apresentando a PAS 200:2011
  • 3. Curso Exclusivo do QSPCapacitação em Gestão de Riscos e Auditoria Baseada em RiscosPara mais informações, clique na figura ou acesse: http://www.qsp.org.br/capacitacao_gr.shtml___________________________________________________________________Curso Exclusivo do QSPSeleção de Ferramentas e Técnicas de Risk AssessmentPara mais informações, clique na figura ou acesse: http://www.qsp.org.br/curso_risk.shtml___________________________________________________________________
  • 4. Conheça a metodologia do QSP para a implementação da ISO 31000Para mais informações, clique na figura ou acesse: http://www.qsp.org.br/sistema_evolutivo.shtml___________________________________________________________________Serviços QSP de Análise de Riscos (conforme norma ISO/IEC 31010)Para mais informações, clique na figura ou acesse: http://www.qsp.org.br/servico_analise_riscos.shtml_____________________________________________________________________________________Fale conosco:11 3704-3200 | qsp@qsp.org.br

×