• Save
Sistemas de Gestão da Energia | NBR ISO 50001 2011
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Sistemas de Gestão da Energia | NBR ISO 50001 2011

on

  • 4,855 views

O propósito da norma ABNT NBR ISO 50001:2011 - Sistemas de gestão da energia - Requisitos com orientações para uso - é habilitar as organizações a estabelecerem sistemas e processos ...

O propósito da norma ABNT NBR ISO 50001:2011 - Sistemas de gestão da energia - Requisitos com orientações para uso - é habilitar as organizações a estabelecerem sistemas e processos necessários para melhorar o desempenho energético, incluindo eficiência, uso e consumo de energia.
Espera-se que a implementação da norma leve a reduções das emissões de gases de efeito estufa, custo de energia e outros impactos ambientais associados através da gestão sistemática da energia. A ISO 50001 é aplicável a todos os tipos e tamanhos de organizações, independente de condições geográficas, culturais ou sociais. Sua implementação bem sucedida depende do compromisso de todos os níveis e funções da organização, especialmente da alta direção...
Saiba mais em: http://www.iso26000qsp.org/

Statistics

Views

Total Views
4,855
Views on SlideShare
3,760
Embed Views
1,095

Actions

Likes
3
Downloads
0
Comments
0

4 Embeds 1,095

http://www.iso26000qsp.org 1089
http://7137279831029639738_bca6a786a88cd31be27af12b63be79bb62c4100d.blogspot.com 3
http://webcache.googleusercontent.com 2
http://translate.googleusercontent.com 1

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Sistemas de Gestão da Energia | NBR ISO 50001 2011 Sistemas de Gestão da Energia | NBR ISO 50001 2011 Document Transcript

  • ABNT/CEE-116 PROJETO 116:000.00-001 ABR 2011Sistemas de gestão da energia – Requisitos com orientações para usoEnergy management systems — Requirements with guidance for usePrefácioA Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) é o Foro Nacional de Normalização. As NormasBrasileiras, cujo conteúdo é de responsabilidade dos Comitês Brasileiros (ABNT/CB), dos Organismosde Normalização Setorial (ABNT/ONS) e das Comissões de Estudo Especiais (ABNT/CEE), sãoelaboradas por Comissões de Estudo (CE), formadas por representantes dos setores envolvidos, delasfazendo parte: produtores, consumidores e neutros (universidades, laboratórios e outros).Os documentos Técnicos ABNT são elaborados conforme as regras das Diretivas ABNT, Parte 2.O Escopo desta Norma Brasileira em inglês é o seguinte:ScopeThis International Standard specifies requirements for an organization to establish, implement, maintainand improve an energy management system, which enables an organization to take a systematicapproach, in order to achieve continual improvement of energy performance, including energy efficiency,energy use and consumption. This International Standard specifies requirements applicable to energyuse and consumption,including measurement, documentation and reporting, design and procurementpractices for equipment systems, processes, and personnel that contribute to energy performance. Thisinternational Standard applies to all variables affecting energy performance that can be monitored andinfluenced by the organization. This international standard does not prescribe specific performancecriteria with respect to energy.This International Standard for EnMS has been designed to be used independently, but it can be alignedor integrated with other management systems.This International Standard is applicable to anyorganization that wishes to ensure that it conforms to its stated energy policy and to demonstrate suchconformance to others.This can be confirmed by self-evaluation and self declaration of conformance or by certification of theenergy management system by an external organization. NÃO TEM VALOR NORMATIVO 1/27
  • ABNT/CEE-116 PROJETO 116:000.00-001 ABR 2011IntroduçãoO propósito desta Norma é habilitar as organizações a estabelecerem sistemas e processosnecessários para melhorar o desempenho energético, incluindo eficiência, uso e consumo de energia.Espera-se que a implementação desta Norma leve a reduções das emissões de gases de efeito estufa,custo de energia e outros impactos ambientais associados através de gestão sistemática da energia.Esta Norma é aplicável a todos os tipos e tamanhos de organizações, independente de condiçõesgeográficas, culturais ou sociais. Sua implementação bem sucedida depende do compromisso de todosos níveis e funções da organização, especialmente da alta direção.Esta Norma especifica os requisitos de um sistema de gestão da energia (SGE) para uma organizaçãodesenvolver e implementar uma política energética, estabelecer objetivos, metas e planos de ação queconsiderem requisitos legais e informações relativas ao uso significativo de energia. Um SGE habilitauma organização a atender sua política energética, tomar as devidas ações de melhoria de seudesempenho energético e demonstrar conformidade aos requisitos desta Norma. Pode-se ajustar aaplicação desta Norma a requisitos específicos de uma organização – incluindo complexidade dosistema, grau de documentação e recursos – e abrange as atividades sob o controle da organização.Esta Norma baseia-se na estrutura de melhoria contínua do Plan-Do-Check-Act e incorpora a gestão daenergia nas práticas organizacionais diárias, como mostrado na Figura 1.NOTA Esta abordagem pode ser resumidamente descrita como segue:⎯ Plan (Planejar): executar a revisão energética e estabelecer linha de base, indicadores de desempenho energético (IDEs), objetivos, metas e planos de ação necessários visando resultados em conformidade com as oportunidades de melhoria de desempenho energético e com a política energética da organização.⎯ Do (Fazer): implementar os planos de ação da gestão da energia.⎯ Check (Verificar): monitorar e medir processos e características principais das suas operações que determinam o desempenho energético em relação à política e objetivos energéticos, divulgando os resultados.⎯ Act (Agir): tomar ações para melhorar continuamente o desempenho energético e o SGE. NÃO TEM VALOR NORMATIVO 2/27
  • ABNT/CEE-116 PROJETO 116:000.00-001 ABR 2011 Melhoria contínua Política energética Planejamento Revisão de Implementação Gestão e operação Auditoria Interna Monitoração e Verificação medição Ação corretiva e preventiva Figura 1 — Modelo de Sistema de Gestão da Energia para esta Norma (alterar Figura)A aplicação global desta Norma contribui para o uso mais eficiente das fontes de energia disponíveis,melhoria da competitividade e redução de emissões de gases de efeito estufa e outros impactosambientais relacionados. Esta Norma é aplicável independentemente dos tipos de energia utilizados.Esta Norma pode ser utilizada para certificação, registro ou autodeclaração do SGE de umaorganização. Ela não estabelece requisitos absolutos para o desempenho energético além daquelesestabelecidos na política energética da organização e de sua obrigação de conformidade a requisitoslegais aplicáveis ou outros requisitos. Assim, duas organizações realizando operações semelhantes,mas com desempenhos energéticos distintos, podem ambas estar em conformidade com seusrequisitos.Esta Norma se baseia em elementos comuns encontrados em todas as normas ISO de sistemas degestão, assegurando elevado nível de compatibilidade com a ABNT NBR ISO 9001 (gestão daqualidade) e a ABNT NBR ISO 14001 (gestão ambiental).NOTA Anexo B apresenta a relação entre esta Norma e a ABNT ISO 9001:2008, ABNT ISO 14001:2004 eABNT ISO 22000:2005.A organização pode decidir integrar a ABNT NBR ISO 50001 a outros sistemas de gestão tais como daqualidade, do meio ambiente, da segurança e saúde ocupacional. NÃO TEM VALOR NORMATIVO 3/27
  • ABNT/CEE-116 PROJETO 116:000.00-001 ABR 20111 EscopoEsta Norma especifica requisitos para uma organização estabelecer, implementar, manter e melhorarum sistema de gestão da energia, o qual a habilita a tomar uma abordagem sistemática para melhoriacontínua de seu desempenho energético, incluindo eficiência, uso e consumo de energia.Esta Norma especifica requisitos aplicáveis ao uso e consumo da energia, incluindo medição,documentação e comunicação, práticas de projeto e aquisição de equipamentos, sistemas, processos epessoas que contribuem para o desempenho energético.Esta Norma aplica-se a todas as variáveis que afetam o desempenho energético e que podem sermonitoradas e influenciadas pela organização. Esta Norma não estabelece critérios específicos dedesempenho energético.Esta Norma para o SGE foi elaborada para ser usada de forma independente, mas pode alinhar-se ouintegrar-se a outros sistemas de gestão.Esta Norma é aplicável a qualquer organização que deseje assegurar que está conforme a sua políticaenergética estabelecida e demonstrar tal conformidade a terceiros. Isto pode ser confirmado por auto-avaliação e auto-declaração de conformidade ou pela certificação do seu sistema de gestão da energiapor organização externa.Esta Norma também apresenta, no Anexo A, orientações informativas para seu uso.2 Referências normativasNenhuma referência normativa é citada. Esta Seção é incluída para manter a estrutura de numeraçãoidêntica a outras normas de sistemas de gestão.3 Termos e definiçõesPara os efeitos deste documento, aplicam-se os seguintes termos e definições.3.1fronteiraslimites físicos ou locais e/ou organizacionais definidos pela organizaçãoEXEMPLO um processo, um grupo de processos, uma fábrica, uma organização inteira ou múltiplos locaissob o controle de uma organização.3.2melhoria contínuaprocesso recorrente que resulta em melhoria de desempenho energético e do sistema de gestão daenergiaNOTA 1 O processo de estabelecer objetivos e buscar oportunidades de melhoria é um processo contínuo.NOTA 2 A melhoria contínua pode resultar em melhorias no desempenho energético global, consistente com apolítica energética da organização. NÃO TEM VALOR NORMATIVO 4/27
  • ABNT/CEE-116 PROJETO 116:000.00-001 ABR 20113.3correçãoação para eliminar uma não-conformidade detectada (3.20)NOTA Adaptado da ISO 9000:2005, definição 3.6.6.3.4ação corretivaação para eliminar a causa de uma não-conformidade detectadaNOTA 1 Pode existir mais de uma causa para uma não-conformidade.NOTA 2 Ação corretiva é executada para prevenir a recorrência enquanto que ação preventiva é executada paraprevenir a ocorrência.NOTA 3 Adaptado da ABNT NBR ISO 9000:2005, definição 3.6.5.3.5energiaeletricidade, combustíveis, vapor, calor, ar comprimido e outras formas análogasNOTA 1 Para o propósito desta Norma, energia refere-se às suas diversas formas, incluindo renováveis, quepodem ser compradas, armazenadas, processadas, utilizadas em equipamentos ou em um processo, ourecuperadas.NOTA 2 A capacidade de um sistema de produzir atividade externa ou realizar trabalho.3.6linha de base energéticaReferência(s) quantitativa(s) fornecendo uma base para comparação do desempenho energéticoNOTA 1 Uma linha de base energética reflete um período de tempo especificado.NOTA 2 Uma linha de base energética pode ser normalizada usando variáveis que afetam o uso e/ou consumode energia, tais como nível de produção, graus-dia (temperatura exterior) etc.NOTA 3 Linha de base energética é também utilizada para cálculo das economias de energia, como umareferência antes e depois da implementação de ações de melhoria de desempenho energético.3.7consumo de energiaquantidade de energia aplicada3.8eficiência energéticarazão ou outra relação quantitativa entre uma saída de desempenho, serviços, produtos ou energia euma entrada de energiaEXEMPLO Eficiência de conversão, energia requerida/energia usada, saída/entrada, energia teórica utilizadapara operar/energia usada para operar.NOTA Entrada e saída têm que ser claramente especificadas em quantidade e qualidade e seremmensuráveis. NÃO TEM VALOR NORMATIVO 5/27
  • ABNT/CEE-116 PROJETO 116:000.00-001 ABR 20113.9sistema de gestão da energiaSGEconjunto de elementos interrelacionados ou interativos para estabelecer uma política energética eobjetivos, e processos e procedimentos para atingir tais objetivos3.10equipe de gestão da energiapessoa(s) responsável(eis) pela efetiva implementação das atividades do sistema de gestão da energiae pela obtenção de melhorias de desempenho energéticoNOTA O tamanho e a natureza da organização e os recursos disponíveis determinarão o tamanho da equipeA equipe pode ser uma pessoa, tal como o representante da alta direção.3.11objetivo energéticoresultado ou realização específica estabelecida para atender à política energética da organizaçãorelacionada à melhoria de desempenho energético3.12desempenho energéticoresultados mensuráveis relacionados à eficiência, uso e consumo de energiaNOTA 1 No contexto de sistemas de gestão da energia, os resultados podem ser medidos em relação à políticaenergética da organização, objetivos, metas ou outros requisitos de desempenho energético.NOTA 2 Desempenho energético é um componente do desempenho de um sistema de gestão da energia.3.13Indicador de Desempenho EnergéticoIDEvalor ou medida quantitativa de desempenho energético conforme definido pela organizaçãoNOTA IDEs podem ser expressos como uma métrica simples, razão ou um modelo mais complexo.3.14política energéticadeclaração da organização sobre suas intenções e diretrizes gerais relacionadas com seu desempenhoenergético e formalmente expressas pela alta direçãoNOTA A política energética provê uma estrutura para ações e para o estabelecimento de objetivos e metasenergéticas.3.15revisão energéticadeterminação do desempenho energético da organização baseado em dados e em outras informaçõesconduzindo à identificação de oportunidades de melhoriaNOTA Em outras normas regionais ou nacionais, conceitos como identificação e revisão de aspectos deenergia ou de perfil energético estão incluídas no conceito de revisão energética. NÃO TEM VALOR NORMATIVO 6/27
  • ABNT/CEE-116 PROJETO 116:000.00-001 ABR 20113.16serviços de energiaatividades e seus resultados relacionados ao fornecimento e/ou uso de energia3.17meta energéticarequisito de desempenho energético detalhado e quantificável, aplicável à organização ou partes desta,oriundo do objetivo energético e que necessita ser estabelecido e atendido para atingí-lo3.18uso de energiamodo ou tipo de aplicação de energiaEXEMPLOS Ventilação, iluminação, aquecimento, resfriamento, transporte, processos, linhasde produção.3.19partes interessadaspessoa ou grupo envolvido ou afetado pelo desempenho energético da organização3.20auditoria internaprocesso sistemático, independente e documentado de obtenção de evidências e avaliações objetivaspara determinar a extensão de quais requisitos são cumpridosNOTA Veja anexo para mais informações.3.21não-conformidadenão atendimento a um requisito[ISO 9000:2005, definição 3.6.2]3.22organizaçãocompanhia, corporação, firma, empresa, autoridade ou instituição, parte ou combinação destas, sejamincorporadas ou não, pública ou privada, que possui suas próprias funções e administração eautoridade para controlar seu uso e consumo de energiaNOTA Uma organização pode ser uma pessoa ou grupo de pessoas.3.23ação preventivaação para eliminar a causa de uma não-conformidade potencialNOTA 1 Pode haver mais de uma causa para uma não-conformidade potencial.NOTA 2 Ação preventiva é executada para prevenir a ocorrência, enquanto que ação corretiva é executada paraprevenir a recorrência.NOTA 3 Adaptado da ISO 9000:2005, definição 3.6.4. NÃO TEM VALOR NORMATIVO 7/27
  • ABNT/CEE-116 PROJETO 116:000.00-001 ABR 20113.24procedimentoforma especificada para executar uma atividade ou um processo.NOTA 1 Procedimentos podem ser documentados ou não.NOTA 2 Quando um procedimento é documentado, o termo “procedimento escrito” ou “procedimentodocumentado” é frequentemente utilizado.NOTA 3 Adaptado da ISO 9000:2005, definição 3.4.5.3.25registrodocumento estabelecendo resultados obtidos ou fornecendo evidências de atividades realizadas.NOTA 1 Registros podem ser usados, por exemplo, para documentar rastreabilidade e fornecer evidências deverificação, ação preventiva e ação corretiva.NOTA 2 Adaptado da ISO 9000:2005, definição 3.7.6.3.26escopoabrangência de atividades, instalações e decisões que uma organização estabelece através de um SGEe que pode incluir várias fronteirasNOTA O escopo pode incluir energia relacionada a transportes.3.27uso significativo de energiauso de energia responsável por substancial consumo de energia e/ou que ofereça considerávelpotencial para melhoria de desempenho energéticoNOTA Critérios de significância são determinados pela organização.3.28alta direçãopessoa ou grupo de pessoas que gerencia e controla uma organização no nível hierárquico mais altoNOTA 1 A alta direção controla a organização definida sob o escopo e fronteiras do sistema de gestão daenergia.NOTA 2 Adaptado da ISO 9000:2005, definição 3.2.7.4 Requisitos do sistema de gestão da energia4.1 Requisitos geraisA organização devea) Estabelecer, documentar, implementar, manter e melhorar um SGE de acordo com os requisitos desta Norma;b) Definir e documentar o escopo e as fronteiras do seu SGE; e NÃO TEM VALOR NORMATIVO 8/27
  • ABNT/CEE-116 PROJETO 116:000.00-001 ABR 2011c) Determinar como serão cumpridos os requisitos desta Norma visando a melhoria contínua de desempenho energético e do SGE.4.2 Responsabilidade da direção4.2.1 Alta direçãoA alta direção deve demonstrar seu comprometimento em apoiar o SGE e melhorar continuamente suaefetividade através de:a) Definição, estabelecimento, implementação e manutenção de uma política energética;b) Designação de um representante e aprovação da formação de uma equipe de gestão da energia;c) Provisionamento de recursos para estabelecer, implementar, manter e melhorar o SGE e o desempenho energético resultante;NOTA Recursos incluem recursos humanos, habilidades especiais, tecnologia e recursos financeiros.d) Identificação do escopo e fronteiras a serem tratados pelo SGE;e) Comunicação da importância da gestão da energia para a organização;f) Garantia de que objetivos e metas energética sejam estabelecidas;g) Garantia de que os IDE sejam apropriados à organização;h) Consideração do desempenho energético em planejamento de longo prazo;i) Garantia de que os resultados sejam medidos e comunicados em intervalos determinados; ej) Condução de revisões gerenciais.4.2.2 Representante da direçãoA alta direção deve designar representante(s) com a(s) habilidade(s) e competência(s) apropriadas, o(s)qual(ais), independente de outras responsabilidades, tenha(m) a responsabilidade e a autoridade para:a) Garantir que o SGE seja estabelecido, implementado, mantido e continuamente melhorado de acordo com esta Norma;b) Identificar pessoa(s), autorizada(s) por nível gerencial apropriado, para trabalhar com o representante da direção no apoio das atividades de gestão da energia;c) Relatar à alta direção o desempenho energético;d) Relatar à alta direção o desempenho do SGE;e) Garantir que o planejamento das atividades de gestão da energia seja destinado a apoiar a política energética da organização;f) Definir e comunicar responsabilidades e autoridades para facilitar a efetiva gestão da energia; NÃO TEM VALOR NORMATIVO 9/27
  • ABNT/CEE-116 PROJETO 116:000.00-001 ABR 2011g) Determinar critérios e métodos necessários a garantir que tanto a operação e controle do SGE sejam efetivos; eh) Promover conscientização da política e objetivos energéticos em todos os níveis da organização.4.3 Política energéticaA política energética deve declarar o comprometimento da organização para atingir a melhoria dodesempenho energético. A alta direção deve definir a política energética e garantir que esta:a) Seja apropriada à natureza e escala do uso e consumo de energia da organização;b) Inclua um comprometimento para melhoria contínua de desempenho energético;c) Inclua um comprometimento para garantir a disponibilidade de informações e de recursos necessários para atingir objetivos e metas;d) Inclua um comprometimento para cumprir com os requisitos legais aplicáveis e outros requisitos aos quais a organização subscreve em relação à eficiência, uso e consumo de energia;e) Forneça uma estrutura para estabelecer e revisar objetivos e metas energéticas;f) Apóie a aquisição de produtos energeticamente eficientes, assim como de serviços e projetos para melhoria do desempenho energético;g) Seja documentada e comunicada em todos os níveis da organização; eh) Seja regularmente revisada e atualizada se necessário.4.4 Planejamento energético4.4.1 GeralA organização deve conduzir e documentar o processo de planejamento energético. O planejamentoenergético deve ser consistente com a política energética e deve levar a atividades que melhoremcontinuamente o desempenho energético.O planejamento energético deve envolver uma revisão das atividades da organização que possamafetar o desempenho energético.NOTA 1 Um diagrama ilustrando o planejamento energético está incluso no Anexo A. A.4 Figura A.2.NOTA 2 Em outras normas nacionais ou regionais, conceitos tais como a identificação e a revisão dos aspectosenergéticos ou do perfil energético estão inclusos no conceito da revisão energética.4.4.2 Requisitos legais e outrosA organização deve identificar, implementar e ter acesso aos requisitos legais aplicáveis e outrosrequisitos aos quais a organização subscreve, relacionados ao seu uso e consumo de energia eeficiência energética.A organização deve determinar como estes requisitos se aplicam ao uso e consumo de energia eeficiência energética e deve assegurar que estes requisitos legais e outros requisitos aos quais a NÃO TEM VALOR NORMATIVO 10/27
  • ABNT/CEE-116 PROJETO 116:000.00-001 ABR 2011organização subscreve são considerados no estabelecimento, implementação e manutenção do SGE.Requisitos legais e outros requisitos devem ser revisados a intervalos definidos.4.4.3 Revisão energéticaA organização deve desenvolver registrar e manter uma revisão energética. A metodologia e os critériosutilizados para desenvolver a revisão energética devem ser documentados. Para desenvolver a revisãoenergética a organização deve:a) Analisar uso e consumo de energia com base em medições e outros dados: ⎯ Identificar fontes de energia atuais; ⎯ Avaliar o uso e consumo de energia atual e passado.b) Com base no uso e consumo de energia, identificar as áreas de uso significativo de energia: ⎯ Identificar as instalações, equipamentos, sistemas, processos e pessoal trabalhando para a organização ou em seu nome que afetam significativamente o uso e consumo de energia; ⎯ Identificar outras variáveis relevantes que afetam significativamente o uso de energia; ⎯ Determinar o desempenho energético atual de instalações, equipamentos, sistemas e processos relacionados aos usos significativos de energia identificados; e ⎯ Estimar o uso e consumo de energia futuros.c) Identificar, priorizar e registrar oportunidades de melhoria de desempenho energético.NOTA Oportunidades podem ser relacionadas a potenciais fontes de energia, uso de energia renovável ououtras fontes alternativas de energia como resíduos energéticos.A revisão energética deve ser atualizada a intervalos definidos e em resposta a mudanças expressivasem instalações, equipamentos, sistemas ou processos.4.4.4 Linha de base energéticaA organização deve estabelecer linha(s) de base energética utilizando as informações da revisãoenergética inicial e considerando dados em um período de tempo adequado ao uso e consumo deenergia da organização. Mudanças no desempenho energético devem ser comparadas à(s) linha(s) debase energética.Ajustes à(s) linha(s) de base energética devem ser feitos quando: ⎯ Os IDE não refletirem mais o uso e consumo de energia da organização; ⎯ Houver mudanças expressivas em processos, padrões operacionais ou sistemas de energia; ou ⎯ De acordo com um método predeterminado. NÃO TEM VALOR NORMATIVO 11/27
  • ABNT/CEE-116 PROJETO 116:000.00-001 ABR 2011A(s) linha(s) de base energética deve(m) ser mantida(s) e registrada(s).4.4.5 Indicadores de desempenho energéticoA organização deve identificar IDE apropriados para monitoramento e medição do desempenhoenergético. A metodologia para determinar e atualizar os IDE deve ser registrada e regularmenterevisada.Os IDE devem ser revisados e comparados com a linha de base energética, quando apropriado.4.4.6 Objetivos, metas e planos de ação para gestão da energiaA organização deve estabelecer, implementar e manter documentados os objetivos e metas energéticasnas funções, níveis, processos ou instalações relevantes da organização. Devem ser estabelecidoscronogramas para cumprimento de objetivos e metas.Os objetivos e as metas devem ser consistentes com a política energética. As metas devem serconsistentes com os objetivos.Quando do estabelecimento e revisão de objetivos e metas, uma organização deve considerarrequisitos legais e outros requisitos, usos significativos de energia e oportunidades de melhoria dodesempenho energético conforme identificadas na revisão energética. Também deve considerar suascondições financeiras, operacionais e comerciais, suas opções tecnológicas e as visões das partesinteressadas.A organização deve estabelecer, implementar e manter planos de ação para cumprimento dos objetivose metas. Os planos de ação devem incluir: ⎯ Atribuição de responsabilidades; ⎯ Meios e cronogramas através dos quais as metas individuais serão atingidas; ⎯ Uma declaração do método pelo qual uma melhoria de desempenho energético será verificada; e ⎯ Uma declaração do método para verificação de resultados.Os planos de ação devem ser documentados e atualizados a intervalos definidos.4.5 Implementação e operação4.5.1 GeralA organização deve utilizar os planos de ação e outros resultados oriundos do processo deplanejamento para a implementação e operações.4.5.2 Competência, treinamento e conscientizaçãoA organização deve garantir que quaisquer pessoas, trabalhando para ela ou em seu nome erelacionadas aos usos significativos de energia, sejam competentes com base em apropriada educação,treinamento, habilidades ou experiência. A organização deve identificar as necessidades de treinamentoassociadas ao controle dos seus usos significativos de energia e à operação do seu SGE. A NÃO TEM VALOR NORMATIVO 12/27
  • ABNT/CEE-116 PROJETO 116:000.00-001 ABR 2011organização deve fornecer treinamento ou tomar outras ações para atender a estas necessidades.Registros apropriados devem ser mantidos.A organização deve garantir que as pessoas trabalhando para ela ou em seu nome estejam cientes:a) Da importância da conformidade com a política energética, procedimentos e com os requisitos do SGE;b) De suas funções, responsabilidades e autoridades para cumprimento dos requisitos do SGE;c) Dos benefícios da melhoria de desempenho energético; ed) Do impacto real ou potencial com respeito ao uso e consumo de energia de suas atividades e como suas atividades e comportamento contribuem para o cumprimento dos objetivos e metas energéticas e as potenciais conseqüências do desvio dos procedimentos especificados.4.5.3 ComunicaçãoA organização deve comunicar internamente sobre seu desempenho energético e SGE de formaadequada ao tamanho da organização.A organização deve estabelecer e implementar um processo pelo qual qualquer pessoa trabalhandopara ela ou em seu nome possa fazer comentários ou sugestões de melhorias para o SGE.A organização deve decidir se comunica externamente sobre a sua política energética, o SGE e odesempenho energético, e deve documentar sua decisão. Se a decisão for comunicar externamente, aorganização deve estabelecer e implementar um método para esta comunicação externa.4.5.4 Documentação4.5.4.1 Requisitos de documentaçãoA organização deve estabelecer, implementar e manter informações em papel, meio eletrônico ouqualquer outro meio para descrever os elementos-chave do SGE e suas interações.A documentação do SGE deve incluir:a) O escopo e as fronteiras do SGE;b) A política energética;c) Os objetivos e metas energéticas e planos de ação;d) Documentos, incluindo registros, exigidos por esta Norma; ee) Outros documentos determinados como necessários pela organização.NOTA O grau de documentação pode variar para diferentes organizações pelas seguintes razões: ⎯ Tamanho da organização e tipos de atividades; ⎯ Complexidade dos processos e suas interações; e NÃO TEM VALOR NORMATIVO 13/27
  • ABNT/CEE-116 PROJETO 116:000.00-001 ABR 2011 ⎯ Competência do pessoal.4.5.4.2 Controle de documentosOs documentos requeridos por esta Norma e pelo SGE devem ser controlados. Isto incluidocumentação técnica onde apropriada.A organização deve estabelecer, implementar e manter procedimento(s) para:a) Aprovar documentos quanto à sua adequação antes da emissão;b) Revisar e atualizar periodicamente documentos se necessário;c) Assegurar que as alterações e o estado atual da revisão dos documentos estejam identificadas;d) Assegurar que as versões relevantes de documentos aplicáveis estejam disponíveis em seus locais de uso;e) Assegurar que documentos permaneçam legíveis e prontamente identificáveis;f) Assegurar que documentos de origem externa, determinados pela organização como necessários para planejamento e operação do SGE, estejam identificados e tenham a sua distribuição controlada; eg) Evitar o uso não intencional de documentos obsoletos e identificar adequadamente aqueles a serem retidos por qualquer motivo.4.5.5 Controle operacionalA organização deve identificar e planejar aquelas atividades de operação e manutenção que sãorelativas aos seus usos significativos de energia e que sejam consistentes com a sua políticaenergética, objetivos, metas e planos de ação, de forma a garantir que sejam executadas sob condiçõesespecificadas pelo:a) Estabelecimento e definição de critérios para a operação e manutenção efetivas dos usos significativos de energia, onde ausências podem levar a um desvio significativo de desempenho energético efetivo;b) Operação e manutenção de instalações, processos, sistemas e equipamentos de acordo com critérios operacionais; ec) Adequada comunicação dos controles operacionais ao pessoal trabalhando para a organização ou em seu nome.NOTA No planejamento de situações de contingência, emergência ou potenciais desastres, incluindo aaquisição de equipamentos, uma organização pode decidir incluir desempenho energético na determinação decomo reagirão a tais situações.4.5.6 ProjetoA organização deve considerar oportunidades de melhoria do desempenho energético e controleoperacional no projeto de instalações, equipamentos, sistemas e processos, sejam novos, modificadosou renovados, que possam ter impacto significativo em seu desempenho energético.Os resultados da avaliação de desempenho energético devem ser incorporados, quando apropriado, às NÃO TEM VALOR NORMATIVO 14/27
  • ABNT/CEE-116 PROJETO 116:000.00-001 ABR 2011atividades de especificação, projeto e aquisição em projeto(s) relevante(s).Os resultados de atividades de projeto devem ser registrados.4.5.7 Aquisição de serviços de energia, produtos, equipamentos e energiaAo adquirir serviços de energia, produtos e equipamentos que tenham ou possam ter impacto no usosignificativo de energia, a organização deve informar aos fornecedores que a aquisição é em parteavaliada com base em desempenho energético.A organização deve estabelecer e implementar os critérios de avaliação de uso e consumo de energia eeficiência energética durante o tempo de vida útil planejado ou esperado na aquisição de produtos,equipamentos e serviços que consumam energia e dos quais é esperado impacto significativo nodesempenho energético da organização.A organização deve definir e documentar especificações de compra de energia quando aplicável para oefetivo uso da energia.NOTA Ver Anexo para mais informações.4.6 Verificação4.6.1 Monitoramento, medição e análiseA organização deve garantir que as características-chave de suas operações que determinam odesempenho energético são monitoradas, medidas e analisadas em intervalos planejados.Características-chave devem incluir no mínimo:a) Usos significativos de energia e outros resultados da revisão energética;b) As variáveis relevantes relativas ao uso significativo de energia;c) IDE;d) A efetividade dos planos de ação para o cumprimento de objetivos e metas; ee) Avaliação do consumo energético real versus o esperado.Os resultados de monitoramento e medição das características-chave devem ser registrados.Um plano de medição de energia, apropriado à dimensão e complexidade da organização e aos seusequipamentos de monitoramento e medição, deve ser definido e implementado,NOTA A medição pode abranger desde apenas medidores da concessionária para pequenas organizações atésistemas completos de monitoramento e medição conectados a um aplicativo de software capaz de consolidardados e disponibilizar análises automáticas. É decisão da organização determinar meios e métodos de medição.A organização deve definir e revisar periodicamente suas necessidades de medição. A organizaçãodeve garantir que os equipamentos utilizados no monitoramento e medição das características-chaveforneçam dados que sejam precisos e tenham repetitividade. Os registros de calibração e outros meiosde estabelecer precisão e repetibilidade devem ser mantidos.A organização deve investigar e responder aos desvios significativos no desempenho energético. NÃO TEM VALOR NORMATIVO 15/27
  • ABNT/CEE-116 PROJETO 116:000.00-001 ABR 2011Resultados destas atividades devem ser mantidos.4.6.2 Avaliação de requisitos legais e outros requisitosEm intervalos planejados, a organização deve avaliar a conformidade com requisitos legais e outrosrequisitos aos quais subscreve que são relevantes ao uso e consumo de energia.Registros dos resultados das avaliações de conformidade devem ser mantidos.4.6.3 Auditoria interna do SGEA organização deve conduzir auditorias internas em intervalos planejados para garantir que o SGE: ⎯ Esteja em conformidade com ações planejadas para a gestão da energia incluindo os requisitos desta Norma; ⎯ Esteja em conformidade com os objetivos e metas energéticas estabelecidas; e ⎯ Seja efetivamente implementado e mantido e melhore o desempenho energético.Um plano e cronograma de auditoria devem ser desenvolvidos considerando a situação e a importânciade processos e áreas a serem auditadas, assim como os resultados de auditorias anteriores.A seleção de auditores e a condução de auditorias devem garantir objetividade e imparcialidade doprocesso de auditoria.Registros dos resultados de auditorias devem ser mantidos e relatados à alta direção.4.6.4 Não-conformidades, correção, ação corretiva e ação preventivaA organização deve tratar não-conformidade(s) existente(s) e potencial(is) por meio de correções, etomando ações corretivas e preventivas, incluindo:a) Análise crítica de não-conformidades ou potenciais não-conformidades;b) Determinação das causas de não-conformidades ou potenciais não-conformidades;c) Avaliação da necessidade de ações para assegurar que não-conformidades não ocorram ou ocorram novamente;d) Determinação e implementaçãor de ações necessárias apropriadas ;e) Manutenção de registros de ações corretivas e preventivas; ef) Revisão da efetividade das ações corretivas e preventivas tomadas.As ações corretivas e preventivas devem ser apropriadas à magnitude dos problemas existentes oupotenciais e às consequências de desempenho energético encontradas.A organização deve garantir que quaisquer alterações necessárias sejam realizadas no SGE. NÃO TEM VALOR NORMATIVO 16/27
  • ABNT/CEE-116 PROJETO 116:000.00-001 ABR 20114.6.5 Controle de registrosA organização deve estabelecer e manter registros conforme necessários para demonstrarconformidade aos requisitos de seu SGE e a esta Norma e aos resultados de desempenho energéticoalcançados.A organização deve definir e implementar controles para identificação, acesso e retenção de registros.Registros devem estar e permanecer legíveis, identificáveis e rastreáveis para a atividade relevante.4.7 Análise crítica pela direção4.7.1 GeralA intervalos planejados a alta direção deve revisar o SGE da organização para assegurar suacontinuada pertinência, adequação e efetividade.Registros da análise crítica pela direção devem ser mantidos.4.7.2 Entradas para análise crítica pela direçãoEntradas para análise crítica pela direção devem incluir:a) Ações de acompanhamento de análises críticas pela direção anteriores;b) Revisão da política energética;c) Revisão de desempenho energético e respectivos IDE;d) Resultados de avaliações de conformidade com requisitos legais e alterações em requisitos legais e outros requisitos aos quais a organização subscreve;e) Grau do cumprimento de objetivos e metas energéticas;f) Resultados de auditorias do SGE;g) A situação de ações corretivas e preventivas;h) Desempenho energético projetado para o período seguinte; ei) Recomendações de melhoria. NÃO TEM VALOR NORMATIVO 17/27
  • ABNT/CEE-116 PROJETO 116:000.00-001 ABR 20114.7.3 Resultados da análise crítica pela direçãoResultados da análise crítica pela direção devem incluir quaisquer decisões ou ações relacionadas a:a) alterações no desempenho energético da organização;b) alterações na política energética;c) alterações nos IDEs;d) alterações em objetivos, metas ou em outros elementos do SGE consistentes com o comprometimento da organização para melhoria contínua e alocação de recursos. NÃO TEM VALOR NORMATIVO 18/27
  • ABNT/CEE-116 PROJETO 116:000.00-001 ABR 2011 Anexo A (informativo) Orientação para usoA.1 Requisitos geraisO texto adicional fornecido neste anexo é estritamente informativo e visa prevenir falhas deinterpretação dos requisitos contidos na Cláusula 4 desta Norma. Embora estas informações abordem esejam consistentes com os requisitos da Cláusula 4, não têm a intenção de adicionar, subtrair ou dequalquer modo alterar esses requisitos.A implementação de um sistema de gestão da energia especificado por esta Norma tem a intenção deobter melhorias de desempenho energético. Portanto, esta Norma é baseada na premissa de que aorganização revisará e avaliará periodicamente seu sistema de gestão da energia para identificaroportunidades de melhoria e a implementação destas. A organização tem flexibilidade sobre comoimplementar seu SGE. Por exemplo: o ritmo, extensão e duração dos processos de melhoria contínuasão determinados pela organização.A organização pode levar em conta considerações econômicas e outras para determinar o ritmo,extensão e duração de tempo dos processos de melhoria contínua.Os conceitos de escopo e fronteiras permitem flexibilidade à organização para definir o que está inclusono SGE.O conceito de desempenho energético inclui uso e consumo de energia e eficiência energética. Assim,a organização pode escolher dentre uma ampla gama de atividades de desempenho energético. Porexemplo, a organização poderia reduzir demanda de pico, utilizar excedente de energia ou resíduoenergético, ou melhorar as operações de seus sistemas, processos ou equipamentos.A Figura A1 é uma representação conceitual ilustrativa de desempenho energético. Figura A.1 – Representação conceitual de desempenho energético NÃO TEM VALOR NORMATIVO 19/27
  • ABNT/CEE-116 PROJETO 116:000.00-001 ABR 2011A.2 Responsabilidade da direçãoA.2.1 Alta direçãoA alta direção ou seu representante, ao comunicar àqueles da organização, pode sustentar aimportância da gestão da energia através de atividades de envolvimento de funcionários tais comodelegação de autoridade, motivação, reconhecimento, treinamento, participação e recompensa.Organizações que conduzem planejamento de longo prazo podem incluir considerações de gestão daenergia tais como: fonte de energia, desempenho energético e melhorias de desempenho energéticonas atividades de planejamento.A.2.2 Representantes da direçãoO representante da direção pode ser um funcionário atual, novo ou contratado da organização. Asresponsabilidades do representante da direção podem abranger a totalidade ou parte de sua decriçãode cargo. Habilidades e competências podem ser determinadas em relação ao tamanho daorganização, cultura, complexidade, requisitos legais ou outros requisitos.A equipe de gestão da energia assegura a realização das melhorias de desempenho energético. Otamanho da equipe é determinado pela complexidade da organização: ⎯ para pequenas organizações, pode ser uma pessoa tal como o representante da direção; ⎯ para organizações maiores, uma equipe multifuncional provê um mecanisno efetivo para engajar diferentes partes da organização no planejamento e implementação do SGE.A.3 Política energéticaA política energética é a direcionadora da implementação e melhorias de desempenho energético e doSGE da organização no contexto de seu escopo e fronteiras. A política pode ser uma breve declaraçãoque os membros da organização possam compreender prontamente e aplicar às suas atividades detrabalho. A disseminação da política energética pode ser usada como meio de orientar ocomportamento organizacional.Onde sistemas de transportes são adquiridos ou utilizados pela organização, o uso e consumo deenergia em transporte pode ser incluído no escopo e fronteiras do SGE.A.4 Planejamento energéticoA.4.1 GeralA Figura A.2 é um diagrama conceitual que visa melhorar a compreensão do processo de planejamentoenergético. Esse diagrama não pretende representar detalhes de uma organização específica. Asinformações no diagrama de planejamento energético não são completas e pode haver outros detalhesespecíficos da organização ou circunstâncias particulares. NÃO TEM VALOR NORMATIVO 20/27
  • ABNT/CEE-116 PROJETO 116:000.00-001 ABR 2011 Figura A.2 – Diagrama conceitual de processo de planejamento energéticoEssa seção da Norma focaliza o desempenho energético da organização e em ferramentas para mantere melhorar continuamente desempenho energético.Análise competitiva (benchmarking) é o processo de coletar, analisar e relacionar dados dedesempenho energético de atividades comparáveis visando avaliar e comparar desempenho dentre oudentro de entidades. Há diferentes tipos de análise competitiva, desde análise interna visando destacarboas práticas na organização até análise externa para estabelecer “melhor desempenho naindústria/setor” de uma instalação/planta ou um produto/serviço específico na mesma área ou setor. Oprocesso de análise competitiva pode ser aplicado a qualquer ou a todos esses elementos. Desde quedados relevantes e precisos estejam disponíveis, a análise competitiva é informação valiosa para umarevisão energética objetiva (ver 4.4.3), e o conseqüente estabelecimento de objetivos energéticos (ver4.4.6) e metas energéticas (ver 4.4.6).A.4.2 Requisitos legais e outros requisitosRequisitos legais aplicáveis são aqueles requisitos internacionais, nacionais, regionais e locaisrelacionados a energia que se aplicam ao escopo de um sistema de gestão da energia. Exemplos derequisitos legais podem incluir uma lei ou regulamentação nacional de conservação de energia nacional.Exemplos de outros requisitos podem incluir acordos com clientes, princípios ou códigos de boaspráticas voluntários, programas voluntários e outros.A.4.3 Revisão energéticaO processo de identificação e avaliação do uso de energia pode levar a organização a definir áreas deuso significativo de energia e identificar oportunidades de melhoria de desempenho energético.Exemplos de pessoal que trabalha em nome da organização incluem serviços contratados, pessoal emtempo parcial e equipes temporárias. NÃO TEM VALOR NORMATIVO 21/27
  • ABNT/CEE-116 PROJETO 116:000.00-001 ABR 2011Fontes potenciais de energia podem incluir fontes convencionais que não foram previamente usadaspor uma organização. Fontes alternativas de energia podem incluir combustíveis fósseis ou não-fósseis.Atualizar a revisão energética significa atualizar as informações relacionadas à análise e determinaçãode significância e de oportunidades de melhoria de desempenho energético.Uma auditoria ou avaliação energética abrange revisão detalhada de desempenho energético de umaorganização, de um processo ou ambos. Baseia-se tipicamente em medição e observação apropriadasde desempenho energético real. Os resultados de auditoria incluem tipicamente informações sobreconsumo e desempenho atuais e podem ser acompanhadas de uma lista de recomendaçõespriorizadas para melhoraria em termos de desempenho energético. As auditorias energéticas sãoplanejadas e conduzidas como partes da identificação e priorização de oportunidades de melhoria dodesempenho energético.A.4.4 Linha de base energéticaPeríodo de tempo apropriado significa que a organização leva em consideração requisitos regulatóriosou variáveis que afetam uso e consumo de energia. Variáveis podem incluir clima, estações, ciclos deatividades de negócio e outras condições.A linha de base energética é mantida e registrada como recurso para a organização determinar operíodo de manutenção de registros. Os ajustes à linha de base são igualmente consideradosmanutenção e os requisitos são definidos nesta Norma.A.4.5 Indicadores de desempenho energéticoIDE podem ser um simples parâmetro, uma simples razão ou um modelo complexo. Exemplos de IDEpodem incluir consumo de energia por tempo, consumo de energia por unidade de produção e modelosmulti-variáveis. A organização pode escolher IDE que informem o desempenho energético de suasoperações e podem atualizá-los quando mudanças das atividades do negócio ou das linhas de baseafetam a relevância do IDE, conforme aplicável.A.4.6 Objetivos metas e planos de ação para gestão da energiaEm adição a planos de ação focados em atingir melhorias específicas em desempenho energético, umaorganização pode ter planos de ação que focalizem atingir melhorias na totalidade da gestão da energiaou melhorias no próprio processo de SGE. Planos de ação para esses tipos de melhoria também devemestabelecer como a organização verificará os resultados atingidos pelo plano de ação. Por exemplo,uma organização pode ter um plano de ação elaborado para atingir aumento de conscientização deempregados e contratados para comportamentos em gestão da energia. A extensão que o aumento deconscientização atinge e outros resultados devem ser verificados por método determinado pelaorganização e documentado no plano de ação.A.5 Implementação e operaçãoA.5.1 GeralNenhum esclarecimento necessário.A.5.2 Competência, treinamento e conscientizaçãoA organização define requisitos de competência, treinamento e conscientização baseados em suas NÃO TEM VALOR NORMATIVO 22/27
  • ABNT/CEE-116 PROJETO 116:000.00-001 ABR 2011necessidades. Competência baseia-se na combinação relevante de educação, treinamento, habilidadese experiência.A.5.3 ComunicaçãoNenhum esclarecimento necessário.A.5.4 DocumentaçãoOs únicos procedimentos que devem ser documentados são aqueles que estiverem especificados comoprocedimentos documentados.A organização pode desenvolver qualquer documento que ela determina necessário para efetivamentedemonstrar desempenho energético e suportar o SGE.A.5.5 Controle operacionalUma organização deveria avaliar quais dentre suas operações estão associadas aos seus usossignificativos de energia e assegurar que aquelas operações são conduzidas de forma a controlar oureduzir seus impactos adversos, para satisfazer os requisitos da política energética e atingir seusobjetivos e metas. Isso deveria abranger todas as partes de suas operações, incluindo atividades demanutenção.A.5.6 ProjetoNenhum esclarecimento necessário.A.5.7 Aquisição de serviços de energia, produtos e equipamentosA aquisição é uma oportunidade de melhorar desempenho energético através do uso de produtos eserviços mais eficientes. É também uma oportunidade de trabalhar com a cadeia de suprimento einfluenciar seus comportamentos com energia.A aplicabilidade de especificações de compra de energia pode variar de mercado para mercado. Oselementos de especificação de compra de energia poderiam incluir qualidade da energia,disponibilidade, estrutura de custos, impacto ambiental e fontes renováveis.A organização pode usar uma especificação proposta por um fornecedor de energia quando apropriado.A.6 Verificação de desempenhoA.6.1 Monitoramento, medição e análiseA.6.2 Avaliação de requerimentos legais e outros requisitosNenhum esclarecimento necessário.A.6.3 Auditoria interna do SGEAuditorias internas de um sistema de gestão da energia podem ser executadas por pessoal interno daorganização ou pessoas externas selecionadas pela organização, trabalhando em seu nome. Emquaisquer casos, as pessoas que conduzem a auditoria deveriam ser competentes e em condições derealizá-la de modo imparcial e objetivo. Em organizações menores, a independência do auditor pode ser NÃO TEM VALOR NORMATIVO 23/27
  • ABNT/CEE-116 PROJETO 116:000.00-001 ABR 2011demonstrada através da sua isenção na responsabilidade pela atividade a ser auditada.Se uma organização deseja combinar auditorias de seu sistema de gestão da energia com outrasauditorias internas, o propósito e escopo de cada deveriam ser claramente definidos.Uma auditoria ou avaliação energética não possui o mesmo conceito de uma auditoria interna de umSGE ou de uma auditoria interna de desempenho energético de um SGE. (Veja A.4.3 Revisãoenergética).A.7 Análise crítica pela direçãoA análise crítica pela direção deveria abranger o escopo do sistema de gestão da energia, apesar deque nem todos os elementos do sistema de gestão da energia precisam ser analisados criticamente deuma vez, e o processo de análise crítica pode ocorrer durante um intervalo de tempo. NÃO TEM VALOR NORMATIVO 24/27
  • ABNT/CEE-116 PROJETO 116:000.00-001 ABR 2011 Anexo B (informativo) Correspondência entre ISO 50001:2011, ISO 9001:2008, ISO 14001:2004 e ISO 22000:2005 ISO 50001:2011 ISO 9001:2008 ISO 14001:2004 ISO 22000:2005Item Título Item Título Item Título Item Título Prefácio Prefácio Prefácio Prefácio Introdução Introdução Introdução Introdução 1 Escopo 1 Escopo 1 Escopo 1 Escopo 2 Referências 2 Referências 2 Referências 2 Referências Normativas Normativas Normativas Normativas 3 Termos e 3 Termos e definições 3 Termos e definições 3 Termos e definições definições 4 Requisitos do 4 Quality management 4 Requisitos do 4 Sistema de gestão sistema de gestão system sistema da gestão da segurança de da energia ambiental alimentos4.1 Requisitos Gerais 4.1 Requisitos Gerais 4.1 Requisitos Gerais 4.1 Requisitos Gerais4.2 Responsabilidade 5 Responsabilidade da 5 Responsabilidade da direção direção da direção4.2.1 Alta direção 5.1 Comprometimento da 4.4.1 Recursos, funções 5.1 Comprometimento direção responsabilidades e da direção autoridades4.2.2 Representante da 5.5.1 Responsabilidade e 4.4.1 Recursos, funções 5.4 Responsabilidade e direção autoridade responsabilidades e autoridade 5.5.2 Representante da autoridades 5.5 Coordenador da direção equipe de segurança de alimentos4.3 Política energética 5.3 Política da Qualidade 4.2 Política ambiental 5.2 Política de segurança de alimentos4.4 Planejamento 5.4 Planejamento 4.3 Planejamento 5.3 Planejamento do energético sistema de gestão da segurança de alimentos 7 Planejamento e realização de produtos seguros4.4.1 Geral 5.4.1 Objetivos da 4.3 Planejamento 5.3 Planejamento do qualidade sistema de gestão 7.2.1 Determinação de da segurança de requisitos alimentos relacionados ao 7.1 Generalidades produto4.4.2 Requisitos legais 7.2.1 Determinação de 4.3.2 Requisitos legais e 7.2.2 Sem titulo e outros requisitos outros 7.33 Características de relacionados ao produtos produto 7.3.2 Entradas de projeto e NÃO TEM VALOR NORMATIVO 25/27
  • ABNT/CEE-116 PROJETO 116:000.00-001 ABR 2011 ISO 50001:2011 ISO 9001:2008 ISO 14001:2004 ISO 22000:2005Item Título Item Título Item Título Item Título desenvolvimento4.4.3 Revisão 5.4.1 Objetivos da 4.3.1 Aspectos 7 Planejamento e energética qualidade ambientais realização de 7.2.1 Determinação de produtos seguros requisitos relacionados ao produto4.4.4 Linha de base 7.4 Análise de perigos energética4.4.5 Indicadores de 7.4.2 Identificação de desempenho perigos e energético determinação de níveis aceitáveis4.4.6 Objetivos, metas 5.4.1 Objetivos da 4.3.3 Objetivos, metas e 7.2 Prerequisite e planos de ação qualidade programa(s) programmes para gestão da energia 7.1 Planejamento da realização do produto 4.5 Implementação e 7 Realização do 4.4 Implementação e 7 Programa de pré- operação produto operação requisitos (PPR)4.5.1 Geral 7.5.1 Controle de produção 4.4.6 Controle 7.2.2 Sem título e prestação de operacional serviço4.5.2 Competência, 6.2.2 Competência, 4.4.2 Competência, 6.2.2 Competência, treinamento e treinamento e treinamento e treinamento e conscientização conscientização conscientização conscientização4.5.3 Comunicação 5.5.3 Comunicação interna 4.4.3 Comunicação 5.6.2 Comunicação interna4.5.4 Documentação 4.2 Requisitos da 4.2 Requisitos da documentação documentação4.5.4. Requisitos da 4.2.1 Generalidades 4.4.4 Documentação 4.2.1 Generalidades 1 documentação4.5.4. Controle de 4.2.3 Controle de 4.4.5 Controle de 4.2.2 Plano APPCC 2 documentos documentos documentos4.5.5 Controle 7.5.1 Control of production 4.4.6 Controle 7.6.1 Plano APPCC Operacional and service provision Operacional4.5.6 Projeto 7.3 Projeto e 7.3 Etapas desenvolvimento preliminaries para permitir a análise de perigos4.5.7 Aquisição de 7.4 Aquisição services de energia, produtos, equipamentos 4.6 Verificação 8 Medição, análise e 4.5 Verificação 8 Validação melhoria verificação e melhoria do sistema de gestão da segurança de alimentos4.6.1 Monitoração, 8.2.3 Monitoramento e 4.5.1 Monitoração e 7.6.4 Sistema para medição e análise medição de medição monitoração e processos controle de pontos 8.2.4 Monitoramento e críticos NÃO TEM VALOR NORMATIVO 26/27
  • ABNT/CEE-116 PROJETO 116:000.00-001 ABR 2011 ISO 50001:2011 ISO 9001:2008 ISO 14001:2004 ISO 22000:2005Item Título Item Título Item Título Item Título medição de produtos 8.4 Analise de dados4.6.2 Avaliação de 7.3.4 Design and develop 4.5.2 Avaliação de requisitos legais e review atendimento a outros requisitos requisitos legais e outros4.6.3 Auditoria interna 8.2.2 Auditoria interna 4.5.5 Auditoria interna 8.4.1 Auditoria interna do SGE4.6.4 Não 8.3 Controle de não 4.5.3 Não conformidade, 7.10 Controle de não conformidades, conformidade de ação corretiva e conformidade correção, ação produto ação preventiva corretiva e ação 8.5.2 Ação corretiva preventiva 8.5.3 Ação preventiva4.6.5 Controle de 4.2.4 Controle de registros 4.5.4 Controle de 4.2.3 Controle de registros registros registros4.7 Análise crítica 5.6 Análise crítica pela 4.6 Análise crítica pela 5.8 Análise crítica pela pela direção direção direção direção4.7.1 Geral 5.6.1 Generalidades 4.6 Análise crítica pela 5.8.1 Generalidades direção4.7.2 Entradas para 5.6.2 Entradas para 4.6 Análise crítica pela 5.8.2 Entradas para análise crítica análise crítica direção análise crítica pela direção4.7.3 Resultados da 5.6.3 Saídas para análise 4.6 Análise crítica pela 5.8.3 Saídas para análise crítica crítica direção análise crítica pela direção NÃO TEM VALOR NORMATIVO 27/27
  • Norma ISO 26000 A atual referência mundial para a Responsabilidade Social e Sustentabilidade Conheça as atividades pioneiras do QSP na nova norma internacional___________________________________________________________________Curso Exclusivo do QSPISO 26000:2010 - Capacitação em Gestão da Responsabilidade SocialComo implementar a nova ISO 26000 nas organizaçõesPara mais informações, clique na figura ou acesse: http://www.qsp.org.br/curso_26000.shtml___________________________________________________________________Conheça a metodologia do QSP para a implementação da ISO 26000Para mais informações, clique na figura ou acesse: http://www.qsp.org.br/sistema_evolutivoRS.shtml___________________________________________________________________Fale conosco:11 3704-3200 | qsp@qsp.org.br___________________________________________________________________ QSP – Centro da Qualidade, Segurança e Produtividade