• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content

Loading…

Flash Player 9 (or above) is needed to view presentations.
We have detected that you do not have it on your computer. To install it, go here.

Like this presentation? Why not share!

E PortefóLio Aprendizagem Costa09

on

  • 6,376 views

Apresentação de base para sessão de encerramento de Jornadas sobre ePortefólios. Faculdad de Educación de Santiago de Compostela.

Apresentação de base para sessão de encerramento de Jornadas sobre ePortefólios. Faculdad de Educación de Santiago de Compostela.
Novembro 2009

Statistics

Views

Total Views
6,376
Views on SlideShare
2,109
Embed Views
4,267

Actions

Likes
4
Downloads
0
Comments
0

6 Embeds 4,267

http://blogdaformacao.wordpress.com 4251
http://webcache.googleusercontent.com 7
http://www.slideshare.net 4
http://facebook.slideshare.com 2
url_unknown 2
http://207.46.192.232 1

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel

E PortefóLio Aprendizagem Costa09 E PortefóLio Aprendizagem Costa09 Presentation Transcript

  • Aprendizagem e desenvolvimento com base em e-portefólios: Principais desafios à implementação.
    fc@ie.ul.pt
    INSTITUTO DE EDUCAÇÃO
    Fernando Albuquerque Costa
  • tópicos
    INTRODUÇÃO
    PERSPECTIVAS DE ANÁLISE
    PROBLEMAS E DESAFIOS
  • 1. INTRODUÇÃO
    PROJECTO COMENIUS 2.1
    226464 - CP -1- 2005 -1- PT- COMENIUS - C21
  • 1. INTRODUÇÃO
    “to learn how to teach and to teach better and better”(Fullan, 1995)
    POTENCIAL EDUCATIVO DOS PORTEFÓLIOS+ POTENCIAL DAS TECNOLOGIAS
    DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DE PROFESSORES
    =
  • 1. INTRODUÇÃO
    • Novas abordagens sobre o ensino e a aprendizagem
    • Novas competências profissionais…
    Reflexão sobre as práticas dos professores…
  • 1. INTRODUÇÃO
    ESTUDO DAS REALIDADES NACIONAIS
    DEFINIÇÃO DE ESTRUTURA CONCEPTUAL COMUM
    CURSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES
    AVALIAÇÃO E RECOMENDAÇÕES
  • 1. INTRODUÇÃO
    CONCLUSÕES
    O uso de portefólios digitais para fins educativos
    • São ainda escassas e tímidas as experiências de utilização de portefólios digitais no conjunto dos países envolvidos no projecto
    • Os principais contextos de utilização são as universidades e as instituições ligadas à formação de professores
    • Algumas resistências pelo trabalho que dá, pelo tempo que exige…
    • Soluções tecnológicas específicas vs. tecnologias “abertas”
  • 1. INTRODUÇÃO
    CONCLUSÕES
    Uso das TIC em Educação
    • Dificuldades em obter dados concretos sobre o tipo de uso…
    • Resistências ainda… (mesmo na Finlândia)
    • Não basta estarem reunidas as condições técnicas…
    • Importância do que os professores “sabem” e “pensam” sobre os benefícios das tecnologias…
  • 1. INTRODUÇÃO
    EM SÍNTESE
    “Clima” favorável à utilização de portefólios…
    Experiências ainda muito ténues e pouco conclusivas
    Resultados muito aquém das expectativas
    Dificuldades na operacionalização do e-portefólio
    Importância da dimensão “pessoal”
  • 2. PERSPECTIVAS DE ANÁLISE
    PROFESSOR
    INSTITUIÇÃO
    ALUNO
  • 1. INTRODUÇÃO
    “Potential to provide evidence of self-regulation as well as a tool tosupport and scaffold self-regulation.”
    (Wade, Abrami, & Sclater, 2005)
  • 2. PERSPECTIVAS DE ANÁLISE
    Meta-cognição
    Auto-regulação
    Auto-avaliação
  • 2. PERSPECTIVAS DE ANÁLISE
    “Selfregulated learners are individuals who are metacognitively, motivationally, and behaviourallyactive participants in their own learning. “
    (Zimmerman, 2000)
  • 2. PERSPECTIVAS DE ANÁLISE
    Performance
    Forethought
    Self-reflection
    (Zimmerman’s model of self-regulated learning)
  • 2. DIMENSÕES DE ANÁLISE
    Performance
    Forethought
    Self-reflection
    (Zimmerman’s model of self-regulated learning)
  • 2. PERSPECTIVAS DE ANÁLISE
    set outcome goals, set process goals, document goal values, plan strategies, and set up learning log
    The Forethought phase includes task analysis (goal setting and strategic planning) and self-motivation
    beliefs (self-efficacy, outcome expectations, intrinsic interest/value and goal orientation).
    (Zimmerman, 2000)
  • 2. PERSPECTIVAS DE ANÁLISE
    Creation of work
    Creating learning log entries
    Observe andreflectaboutlearning processes
    The Performance phase includes self-control (self-instruction, imagery, attention focusing and task strategies) and self-observation (self-recording and self-experimentation)
    (Zimmerman, 2000)
  • 2. PERSPECTIVAS DE ANÁLISE
    reflection on work, reflection on process, awareness of new goal opportunities
    The Self-reflection phase includes self-judgment (self-evaluation and casual attribution) and self-reaction (self-satisfaction/affect and adaptive-defensive responses).
    (Zimmerman, 2000)
  • 2. PERSPECTIVAS DE ANÁLISE
    CONCRETIZAR
    PLANEAR
    REFLECTIR
  • 2. PERSPECTIVAS DE ANÁLISE
    Ênfase no apoio à reflexão(auto-reflexão)
    • Construção do seu conhecimento sobre a actividade profissional
    Tornar explícitos conhecimentos / competências
    PARA SI PRÓPRIO
    PARA OS OUTROS
    COM OS OUTROS
  • 3. PROBLEMAS E DESAFIOS
    1
  • 3. PROBLEMAS E DESAFIOS
    1
  • 3. PROBLEMAS E DESAFIOS
    1
    Diversidade de ferramentas
    Sobretudo as “novas ferramentas” (ex.: Web 2.0 and social networking)
    Importância da “atitude face às tecnologias”
    Importância das “competências digitais”
    Importância da “competência profissional”
  • 3. PROBLEMAS E DESAFIOS
    1
  • 3. PROBLEMAS E DESAFIOS
    2
  • 3. PROBLEMAS E DESAFIOS
    2
    A maior parte dos portefólios (66%) não usa a ferramenta de reflexão (Abrami, 2008)
    Poucos relatos de utilização (Darling, 2008)
    Diversidade de acepções/funções
    Risco de superficialidade… e alguma confusão
  • 3. PROBLEMAS E DESAFIOS
    2
    Perspectiva do avaliador vs. Perspectiva do aluno(portefólio como produto vs. processo de criação)
    Conhecimento tácito vs. Conhecimento explícito
    Satisfação interna vs. Recompensa externa
  • 3. PROBLEMAS E DESAFIOS
    2
    O Portefólio não é fácil de operacionalizar, pelo que implica em termos de “mudança de práticas”
    Exige “preparação especializada” para o trabalho ao nível da auto-aprendizagem, da auto-regulação, e da auto-avaliação
    Importância da dimensão “pessoal”
  • 3. PROBLEMAS E DESAFIOS
    2
    Uma questão de “seriedade intelectual” …
    “Theintention to constructthe portfolio as recordofone’snarrativeistheintention to gobeyondrecallingachievementsandinsteadgain ‘insightintoone’sthinking’.”
    (Loughran & Corrigan, 1995)
  • 3. PROBLEMAS E DESAFIOS
    “Allaroundmyoffice are students’ portfolios. Theyspillfrom boxes, bindersandbaskets. Some are wrappedlikepresents, others are swaddledinhandpritedcloths, stillotherspresented as scrapbooks, photoessay’sortravellogs. Alongsideone, there’s a carrotcake. It’sbeenmeticulouslypreparedwithorganicingredientsandhand-milledfour, symbolsofthecook’scommitment to thoughtfulpractice…”
    (Darling, 2008)
  • Gracias!
  • Aprendizagem e desenvolvimento com base em e-portefólios: Principais desafios à implementação.
    fc@ie.ul.pt
    INSTITUTO DE EDUCAÇÃO
    Fernando Albuquerque Costa