Gestão pública e intersetorialidade

15,661 views

Published on

Material do Prof. Luciano Prates Junqueira

Published in: Travel, Technology
0 Comments
2 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
15,661
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
68
Actions
Shares
0
Downloads
167
Comments
0
Likes
2
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Gestão pública e intersetorialidade

  1. 1. Gestão Pública e I ntersetorialidade [email_address] Prof. Dr. Luciano A Prates Junqueira
  2. 2. DESCENTRALIZAÇÃO <ul><li>COMO TRANSFERÊNCIA DE PODER PARA JUNTO DO USUÁRIO, </li></ul><ul><li>DOTANDO A SOCIEDADE CIVIL DE UM NOVO PAPEL. </li></ul>NOVA REALIDADE SOCIAL PEDE SOLUÇÕES DIVERSIFICADAS E SOCIALMENTE MAIS JUSTAS, QUE DEVEM OCORRER NA CIDADE.
  3. 3. NOVO MODELO DE ATENÇÃO DAS POLÍTICAS SOCIAIS <ul><ul><li>EXIGE PROCESSO DE TRANSFERÊNCIA DE PODER E DE RECURSOS DO NÍVEL FEDERAL PARA OS NÍVEIS ESTADUAL E MUNICIPAL. </li></ul></ul><ul><ul><li>NÃO É VIABILIZADO APENAS ATRAVÉS DE INSTRUMENTOS E MEDIDAS LEGAIS </li></ul></ul><ul><ul><li>PAÍS DO TAMANHO E DA COMPLEXIDADE DO BRASIL EXIGE MUDANÇAS DE VÁRIAS ORDENS </li></ul></ul>
  4. 4. <ul><li>DESCENTRALIZAÇÃO </li></ul><ul><li>BUSCA SUPERAR A CONCENTRAÇÃO DO PODER DE DECISÃO, DO NÍVEL CENTRAL DA ORGANIZAÇÃO, </li></ul><ul><li>AUMENTAR A PERMEABIILIDADE PARA A PARTICIPAÇÃO DA POPULAÇÃO, SUPERARANDO A DIFICULDADE DE ACESSO AO NÚCLEO DECISÓRIO DO GOVERNO </li></ul><ul><li>INTERSETORIALIDADE </li></ul><ul><li>BUSCA SUPERAR: </li></ul><ul><li>A DESARTICULAÇÃO E O ISOLAMENTO DE AÇÕES QUE INCIDEM SOBRE A MESMA POPULAÇÃO </li></ul><ul><li>O IMPACTO DOS RESULTADOS DAS POLÍTICAS SOCIAIS </li></ul><ul><li>A DIFICULDADE DE ACESSO DA POPULAÇÃO AOS SERVIÇOS </li></ul>
  5. 5. <ul><ul><ul><li>Novas formas de gestão das políticas sociais: </li></ul></ul></ul><ul><li>descentralização, intersetorialidade e redes sociais </li></ul>A qualidade de vida demanda uma visão integrada dos problemas sociais A intersetorialidade incorpora a idéia de integração, de território, de equidade, enfim dos direitos sociais.
  6. 6. INTERSETORIALIDADE ARTICULAÇÃO DE SABERES E EXPERIÊNCIAS NO PLANEJAMENTO, NA REALIZAÇÃO E NA AVALIAÇÃO DE POLÍTICAS, PROGRAMAS E PROJETOS PARA ALCANÇAR EFEITOS SINÉRGICOS EM SITUAÇÕES COMPLEXAS VISANDO O DESENVOLVIMENTO SOCIAL - DISTRIBUIÇÃO EQUÂNIME DAS RIQUEZAS - E A SUPERAÇÃO DA EXCLUSÃO SOCIAL CORRESPONDE, NO CAMPO DAS ORGANIZAÇÕES, À TRANSDISCIPLINARIEDADE NO MUNDO DO CONHECIMENTO
  7. 7. Esse processo ganha consistência quando os grupos populacionais que se distribuem em um território articulam soluções intersetoriais. A população passa a ser sujeito e não objeto de intervenção. A concretização da ação intersetorial incorpora não apenas a compreensão compartilhada sobre finalidades, objetivos, ações e indicadores de cada programa ou projeto, mas práticas sociais articuladas que acarretem um impacto na qualidade de vida da população.
  8. 8. A ação intersetorial não se esgota no âmbito de uma organização ou de uma política social, implica a relação entre várias organizações públicas, privadas e estatais, para procurar outras saídas, para lidar com as incertezas e a complexidade dos problemas sociais. Relações entre instituições e pessoas permitem pensar na idéia de rede como uma possibilidade de &quot;reconstruir a sociedade civil&quot; (Dabas,1995:447 A noção de rede como um emaranhado de relações das quais os indivíduos constituem os nós, significa uma transformação das idéias sobre organização social
  9. 9. VALORIZAÇÃO DA ORGANIZAÇÃO EM REDE <ul><ul><li>NOVA RELAÇÃO QUE SE ESTABELECE ENTRE ESTADO, SOCIEDADE CIVIL E MERCADO </li></ul></ul><ul><ul><li>RESPONDE À COMPLEXIDADE DA SOCIEDADE </li></ul></ul>BUSCA RESGATAR A CAPACIDADE DO ESTADO DE ORGANIZAR O NOVO PACTO SOCIAL, RECONHECENDO O PODER POLÍTICO REAL DAS EMPRESAS E O PODER DA SOCIEDADE CIVIL ORGANIZADA. SIGNIFICA FAZER COM A SOCIEDADE CIVIL SE MOBILIZE PARA EXERCER SEU PAPEL DE CONTROLE SOBRE O ESTADO, FAZENDO VALER SEUS DIREITOS INCLUSIVE PARA CONTER OS ABUSOS DO SETOR PRIVADO.
  10. 10. O QUE SÃO AS REDES? CONEXÕES ENTRE PESSOAS E/OU ORGANIZAÇÕES QUE SE TECEM A PARTIR DO ESTABELECIMENTO DE PARCERIAS MOBILIZADAS POR UMA IDÉIA-FORÇA, ARTICULADA EM FUNÇÃO DE UM OBJETIVO COMUM.
  11. 11. REDE: A LINGUAGEM DOS VÍNCULOS
  12. 12. PODER DE MUDAR <ul><li>O poder existe quando os homens andam juntos e desaparece quando eles se separam (Hannah Arendt) </li></ul><ul><li>As redes de compromisso social são tecidas com a adesão livre, voluntária, as interpretações e sentidos compartilhados e a disposição de compartilhar também responsabilidades </li></ul><ul><li>A REDE é um modelo de empoderamento da sociedade </li></ul>
  13. 13. A INTERSETORIALIDADE e a REDE, como meios articulados de dar eficiência e eficácia à gestão das políticas sociais, exigem mudanças significativas nas praticas das organizações, sejam públicas ou privadas, pois a possibilidade de participar não homogeneiza os interesses que permeiam as relações sociais.
  14. 14. Fortalecimento do Estado na gestão das políticas sociais <ul><ul><li>as relações entre Estado e o setor privado passa pela sociedade civil organizada </li></ul></ul><ul><ul><li>são novas relações entre Estado, Mercado e Sociedade civil organizada, mediada pela integração das políticas sociais e em rede para fazer valer os direitos sociais da população e conter abusos do setor privado </li></ul></ul><ul><ul><li>Estado papel de regulador na construção de uma sociedade mais justa e equânime </li></ul></ul>

×