Glândulas supra renal Endocrino

36,409 views
35,753 views

Published on

Published in: Health & Medicine
2 Comments
10 Likes
Statistics
Notes
No Downloads
Views
Total views
36,409
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
4
Actions
Shares
0
Downloads
369
Comments
2
Likes
10
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Glândulas supra renal Endocrino

  1. 1. Alunas: Ana Caroline Figueiredo Moitinho Valeria Mendanha Braga Faculdade União de Goyazes
  2. 2. A glândula adrenal <ul><li>É uma glândula com dimensão reduzida, em forma triangular, muito vascularizada, situada bilateralmente, na parte superior dos rins, pesa no homem entre 4 a 6 g, sendo no entanto mais pesada nas fêmeas. É composta pelo córtex que ocupa 80 a 90% do seu volume, com cor amarelada devido ao teor elevado em lípidos e pela medula, de cor vermelho acastanhada. Embora sejam independentes quanto à sua origem e estrutura, estão em estreita correlação funcional, o córtex deriva da mesoderme e a medula tem origem no tecido nervoso (ectoderme). </li></ul>
  3. 3. CÓRTEX DA SUPRA-RENAL O córtex supra-renal, que se encontra imediatamente por baixo da cápsula, constituindo grande parte da glândula, é uma espessa camada de tecido formado por células epiteliais que fabricam hormonas, normalmente conhecidas como esteróides, ou mais concretamente corticosteróides. De facto, o córtex é composto por três diferentes camadas de tecido, uma mais externa, denominada zona glomerulosa, outra intermédia, denominada zona fasciculada, e outra mais interna, designada zona reticular. Cada uma destas zonas do córtex supra-renal produz hormonas diferentes, com funções bem distintas.
  4. 4. Função do córtex supra-renal <ul><li>O córtex supra-renal produz esteróides, um grupo de hormonas produzidas a partir do colesterol, com semelhanças químicas com este composto, embora com funções diferentes. </li></ul>
  5. 5. Córtex da adrenal se dividi em: <ul><li>1)   Zona glomerular: cerca de 15% de todo o córtex, sendo formado por células capazes de secretar quantidades significativas de aldosterona, estas células são controladas pela concentração de angiotensina II e potássio do LEC. </li></ul><ul><li>2)   Zona fasciculada: camada intermédia e mais espessa constitui cerca de 75% do córtex, secreta principalmente o cortisol como também pequenas quantidades de androgênios. </li></ul><ul><li>3)   Zona reticular: camada mais profunda e responsável pela secreção dos androgênios. </li></ul>
  6. 6. MEDULA SUPRA-RENAL <ul><li>A medula supra-renal, que ocupa a região central da glândula, composta por um tecido do tipo nervoso, englobando células especializadas na produção de hormonas, cuja secreção é controlada pela actividade do sistema nervoso autónomo. </li></ul>
  7. 7. Função da medula supra-renal <ul><li>A medula supra-renal, para além de ser formada por tecido nervoso especializado na produção de catecolaminas, pertence ao sistema nervoso autónomo, um sistema que regula as funções automáticas do organismo, como a respiração, o ritmo cardíaco ou a motilidade do tubo digestivo. Como as catecolaminas pertencem ao sistema simpático, este é activado em caso de alarme ou stress, preparando o organismo para enfrentar situações desfavoráveis. </li></ul><ul><li>A medula supra-renal fabrica dois tipos de catecolaminas: a adrenalina e a noradrenalina. Estas substâncias, após serem segregadas no sangue, actuam sobre uma grande variedade de órgãos e tecidos, com acções muito diversas, pois aumentam a pressão arterial, a frequência cardíaca, o fluxo sanguíneo para os músculos do aparelho locomotor, o diâmetro dos brônquios e o tamanho das pupilas, enquanto diminuem o fluxo sanguíneo para a pele e tubo digestivo. </li></ul>
  8. 8. Produção de corticosteróides <ul><li>Depende geralmente da concentração de sódio, de potássio, de glucose e das exigências quanto a trabalho, engorda, lactação, postura, etc. </li></ul><ul><li>Há uma elevada capacidade de reserva que permite um acréscimo da secreção da hormona em caso de necessidade. No homem a taxa de secreção de aldosterona é de 150 a 250 ng/dia e a do cortisol é de 15 a 20 mg/dia. </li></ul>
  9. 9. <ul><li>Os vários hormônios produzidos pelo córtex - as corticosteronas - controlam o metabolismo do sódio e do potássio e o aproveitamento dos açúcares, lipídios, sais e águas, entre outras funções. </li></ul><ul><li>A medula produz adrenalina (epinefrina) e noradrenalina (norepinefrina). Esses hormônios são importantes na ativação dos mecanismos de defesa do organismo diante de condições de emergência, tais como emoções fortes, &quot;stress&quot;, choque entre outros; preparam o organismo para a fuga ou luta. </li></ul>
  10. 10. Capacidade de regeneração <ul><li>O tecido cortical possui uma capacidade elevada de </li></ul><ul><li>regeneração. </li></ul>A HIPERTROFIA <ul><li>Pode ser devida a sobrecargas metabólicas tais como a lactação, o frio e o trabalho. </li></ul>
  11. 11. <ul><li>Foto Ilustrativa </li></ul>
  12. 12. A Adrenalina é importantíssima no organismo humano e serve para manter o tônus das paredes dos vasos sanguíneos. As supra-renais estão intimamente relacionadas com o desenvolvi-mento das glândulas sexuais, e quanto a isso não há dúvida. O córtex supra-renal influi sobre o desenvolvimento das glândulas e sobre todas as características da sexualidade.
  13. 13. <ul><li>Nos instantes de medo, dor e ira, a medula supra-renal segrega maior quantidade de Adrenalina, a qual prepara todas as células do organismo humano para enfrentar toda classe de emergência. O cachorro é um animal que possui o olfato muito apurado. Quando alguém o teme ele percebe o odor da adrenalina das glândulas supra-renais do medroso e então ele ataca a pessoa. Ele sabe pelo olfato quem tem medo dele. </li></ul><ul><li>O excesso de adrenalina interfere nocivamente na digestão e uma forte emoção pode causar uma indigestão. </li></ul>
  14. 14. A ALDOSTERONA, A ADRENALINA E A NORADRENALINA <ul><li>Estas glândulas endócrinas têm forma de lua achatada, situadas uma sobre cada rim e secretam vários hormônios, entre os quais destacam-se a aldosterona, a adrenalina (ou epinefrina) e a noradrenalina (ou norepinefrina). </li></ul><ul><li>Sua função básica está relacionada à manutenção do equilíbrio do meio interno, isto é, da homeostase do organismo, frente a situações diversas de modificação desse equilíbrio (tensão emocional, jejum, variação de temperatura, infecções, administração de drogas diversas, exercício muscular, hemorragias, etc. </li></ul>
  15. 15. A ALDOSTERONA <ul><li>A principal ação da aldosterona é a retenção de sódio. Onde há sódio, estão associados íons e água. Portanto, a aldosterona age profundamente no equilíbrio dos líquidos, afetando o volume intracelular e extracelular dos mesmos. Glândulas salivares e sudoríparas também são influenciadas pela aldosterona para reter sódio. O intestino aumenta a absorção de sódio como reação à aldosterona. </li></ul>
  16. 16. A Adrenalina e a Noradrenalina <ul><li>Existem, na medula adrenal, dois tipos de células: umas secretam adrenalina, as outras noradrenalina. Tais hormônios são secretados em resposta à estimulação simpática e são considerados como hormônios gerais. Liberados em grandes quantidades depois de fortes reações emocionais como, por exemplo, susto ou medo, estes hormônios são transportados pelo sangue para todas as partes do corpo, onde provocam reações diversas, principalmente constrição dos vasos, elevação da pressão arterial, aumento dos batimentos cardíacos, etc. Tais reações resultam, entre outras coisas, no aumento do suprimento de oxigênio às células. Além disso, a adrenalina, que aumenta a glicogenólise hepática e muscular e a liberação de glicose para o sangue, eleva o metabolismo celular. A combinação dessas reações possibilita, por exemplo, reações rápidas de fuga ou de luta frente a diferentes situações ameaçadoras. Ao contrário do córtex supra-renal, que lança seus produtos continuamente na circulação, a medula acumula os hormônios produzidos. Existem doenças que se caracterizam pelo excesso de produção dos hormônios das supra-renais. As principais são a Síndrome de Cushing e o Feocromocitoma. </li></ul>
  17. 17. A SÍNDROME DE CUSHING <ul><li>Caracteriza-se por deposição de gordura no abdômen, fraqueza muscular, estrias avermelhadas, aumento de pêlos, surgimento espontâneo de hematomas, aumento de gordura na face e no pescoço. O quadro clínico é semelhante ao provocado pelo uso constante de medicamentos à base de corticóides. </li></ul>A FEOCROMOCITOMA <ul><li>É uma doença na qual ocorrem crises de hipertensão arterial podendo ou não estar acompanhada de dor de cabeça, sudorese e palpitações. Qualquer paciente jovem que apresente hipertensão arterial merece uma investigação médica visando excluir a possibilidade de feocromocitoma. </li></ul>DOENÇA DE ADDISON <ul><li>Além das doenças acima (que se caracterizam por excesso de hormônios das supra-renais) existe uma outra que se caracteriza pela falta dos hormônios das supra-renais. É a Doença de Addison, que se caracteriza por fraqueza, perda de peso, dores abdominais discretas e escurecimento de algumas áreas da pele e das mucosas </li></ul>

×