Your SlideShare is downloading. ×

GPDD

2,166

Published on

Guia prático de desenvolvimento de doutrinadores

Guia prático de desenvolvimento de doutrinadores

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
2,166
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
9
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. GPDD - Guia Pr´tico de Desenvolvimento de a Doutrinadores 1 Adj. Doano - Marcello Henrique Dias de Moura <faraohh@gmail.com> Adj. Juramo - Jo˜o Augusto Aidar Silva <juramo0110@hotmail.com> a Adj. Veluro - Luciano Vieira de Souza <veluro @hotmail.com> 26 de mar¸o de 2010 c 1 Alguns direitos reservados: Este livre ´ licenciado pela Creative Commons Atribution- e C ShareAlike 3.0 Unported License, que pode ser lida aqui. CC BY:
  • 2. Sum´rio a 1 Os idealizadores 2 2 Agradecimentos 3 3 Introdu¸˜o ca 4 4 Primeira Aula 5 4.1 Boas Vindas aos M´diuns . . . . . . . . . . . . e . . . . . . . . . . . . . . . 5 4.2 Origem da Doutrina . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 5 4.3 A for¸a decrescente espiritual e f´ c ısica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 6 4.4 As duas proibi¸˜es e motivos . . . . . . . . . . co . . . . . . . . . . . . . . . 7 4.5 A F´ e a Ciˆncia . . . . . . . . . . . . . . . . . e e . . . . . . . . . . . . . . . 8 4.6 Conduta Doutrin´ria . . . . . . . . . . . . . . . a . . . . . . . . . . . . . . . 8 4.7 A Mediunidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11 4.8 Filosofia do Amanhecer . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11 4.9 Mente perceptiva . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 12 4.10 O instrutor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 12 4.11 Postura e assiduidade no desenvolvimento . . . . . . . . . . . . . . . . . . 12 4.12 Discuss˜o sobre Doutrina . . . . . . . . . . . . a . . . . . . . . . . . . . . . 12 4.13 Diferen¸a de mediunidade . . . . . . . . . . . . c . . . . . . . . . . . . . . . 13 4.14 Diferen¸a entre Individualidade e Personalidade c . . . . . . . . . . . . . . . 13 4.15 Mediuniza¸˜o . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ca . . . . . . . . . . . . . . . 14 4.16 Passe magn´tico . . . . . . . . . . . . . . . . . e . . . . . . . . . . . . . . . 15 4.17 Uniformes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 16 4.18 Dica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17 4.19 Leitura recomendada - “Manuel Truncado.” . . . . . . . . . . . . . . . . . 17 5 Segunda Aula 18 5.1 Reencarna¸˜o . . . . ca . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 18 5.2 As Entidades . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 18 5.3 O livre arb´ıtrio . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20 5.4 A ioniza¸˜o . . . . . ca . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 22 5.5 Chave de prepara¸˜oca . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 22 5.6 O encerramento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23 1
  • 3. 5.7 Entrega de modelos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23 5.8 Dica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 24 5.9 Leitura recomendada - “Nara a suic´ ıda.” . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 24 6 Terceira Aula 25 6.1 Entidades sofredoras . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25 6.2 A puxada, limpeza da aura e eleva¸˜o . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ca . 26 6.3 Doutrina do esp´ırito sofredor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27 6.4 Chave de prepara¸˜o e encerramento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ca . 28 6.5 Dica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 28 6.6 Leitura recomendada - “Mensagens de um amigo rec´m desencarnado.” . e . 28 7 Quarta Aula - Aula de Revis˜o a 29 7.1 O Mantra Mayante . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29 7.2 A prepara¸˜o e encerramento - (Pr´tica) . . . . . . ca a . . . . . . . . . . . . . 30 7.3 Chave de eleva¸˜o - (Pr´tica) . . . . . . . . . . . . ca a . . . . . . . . . . . . . 30 7.4 Passe magn´tico e ioniza¸˜o - (Pr´tica) . . . . . . e ca a . . . . . . . . . . . . . 30 7.5 Dica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 30 7.6 Leitura recomendada - “A noivinha desencarnada.” . . . . . . . . . . . . . 30 8 Quinta Aula 31 8.1 O trabalho de mesa evang´lica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . e 31 8.2 Dica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 32 8.3 Leitura recomendada - “O velho coronel.” . . . . . . . . . . . . . . . . . . 32 9 Sexta Aula 33 9.1 Trabalho de Tronos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 33 9.2 O trabalho de cura . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 34 9.3 A linha de passe . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 34 9.4 Dica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 35 9.5 Leitura recomendada - “O pequeno pag´.” e . . . . . . . . . . . . . . . . . . 35 10 S´tima Aula e 36 10.1 Revis˜o das t´cnicas doutrin´rias . . . a e a . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 36 10.2 Refor¸ar sobre a conduta doutrin´ria . c a . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 36 10.3 Libera¸˜o para o emplacamento . . . . ca . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 36 10.4 Dica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 36 10.5 Leitura recomendada - “Um homem de dois mundos.” . . . . . . . . . . . 36 2
  • 4. Cap´ ıtulo 1 Os idealizadores Figura 1.1: Os idealizadores do Projeto 3
  • 5. Cap´ ıtulo 2 Agradecimentos Aqui est´ uma j´ia, n˜o feita por nossas m˜os mas por muitas, que merecem muito a o a a mais do que podemos lhes oferecer, hoje, neste exato momento em que vocˆ lˆ estas e e linhas, nossa miss˜o se cumpre em uma fra¸˜o, em um peda¸o, este trabalho ´ apenas o a ca c e in´ dos nossos objetivos. . . ıcio Esperamos que vocˆ aprenda, compartilhe, ensine, se machuque, se questione, se e comprometa, busque, abandone ou at´ mesmo chore, por´m sofrer, depender´ unica- e e a mente de vocˆ. e Deixaremos aqui um m´xima da espiritualidade: a “Vocˆ faz o seu pr´prio c´u ou o seu pr´prio inferno.” e o e o Os agradecimentos ficam para depois. . . 4
  • 6. Cap´ ıtulo 3 Introdu¸˜o ca Salve Deus! Mestres Instrutores, Antes de cada aula, te´rica ou pr´tica, ao ter os m´diuns em seus lugares, forme o o a e ambiente, buscando sintonizar as mentes com os Planos Superiores, de maneira simples e objetiva, n˜o se esquecendo que a harmonia e o equil´ a ıbrio ser˜o fatores indispens´veis a a para o sucesso de sua tarefa. 5
  • 7. Cap´ ıtulo 4 Primeira Aula 4.1 Boas Vindas aos M´diuns e Crie um clima de descontra¸˜o entre os m´dium dando as boas vindas, parabenizando- ca e os sobre a escolha de ingressar na corrente, comente sobre a felicidade dos mentores quando um tutelado chega para desenvolver, fale um pouco da sua vida, mas n˜o force a que falem sobre as deles. 4.2 Origem da Doutrina A origem do vale do amanhecer iniciou-se na clarividˆncia de Tia Neiva. Em 1959, e ela era uma cidad˜ comum, embora com tra¸os de personalidade incomum. Vi´va, com a c u quatro filhos dedicou-se ` estranha profiss˜o para uma mulher, de motorista, dirigindo a a seu pr´prio caminh˜o e competindo com outros profissionais. Sem nenhuma tendˆncia o a e religiosa, nunca, at´ 1959, quando completou 33 anos de idade, revelou prop´sitos de e o lideran¸a de esp´cie alguma. c e A partir dessa data, come¸aram a suceder, com ela, estranhos fenˆmenos na ´rea do c o a paranormal, da percep¸˜o extra-sensorial, para os quais nem a ciˆncia nem a religi˜o ca e a locais forneceram explica¸˜o. O unico amparo razo´vel foi encontrado na ´rea do espi- ca ´ a a ritismo, uma vez que as manifesta¸˜es se pareciam com a fenomenologia habitual dessa co doutrina. Os problemas foram se acentuando contra a sua vontade, e o acanhamento das concep¸˜es doutrin´rias que a cercavam a levaram a uma inevit´vel solid˜o. N˜o havia co a a a a realmente quem a entendesse, e isso a obrigou ` aceita¸˜o das manifesta¸˜es de sua a ca co clarividˆncia. Incompreendida pelos Homens, ela teve que se voltar para o que lhe e diziam os esp´ ıritos. S´ neles ela come¸ou a encontrar a coerˆncia necess´ria para n˜o o c e a a perder o ju´ e ter se tornado apenas mais uma doida a ser internada. A partir da´ ela ızo ı deixou de obedecer aos “entendidos” e se tornou d´cil `s instru¸˜es dos seres, invis´ o a co ıveis aos olhos comuns, mas para ela n˜o s´ vis´ a o ıveis como tamb´m aud´ e ıveis. Desde ent˜o, ela teve que abandonar parcialmente sua vida profissional e se dedicar a a ` implanta¸˜o do sistema que hoje se chama Vale do Amanhecer. A primeira fase foi de ca 6
  • 8. adapta¸˜o e aprendizado, embora, desde o come¸o, seu fenˆmeno obrigasse a uma atitude ca c o pr´tica de presta¸˜o de servi¸os. Isso garantiu, sempre, a autenticidade da Doutrina do a ca c Amanhecer, desde seus prim´rdios. Tudo o que foi e ´ recebido dos planos espirituais se o e traduz em aplica¸˜es imediatas e ´ testado na pr´tica. co e a Logo que Neiva dominou a t´cnica do transporte consciente, isto ´, a capacidade de e e sair do corpo conscientemente, deix´-lo em estado de suspens˜o, semelhante ao sono na- a a tural, e se deslocar em outros planos vibrat´rios, ela come¸ou seu aprendizado inici´tico. o c a O transporte ´ um fenˆmeno natural h´ todos os seres humanos o fazem quando e o a dormem mas o que h´ de diferente na clarividˆncia de Tia Neiva ´ o registro claro do a e e que acontece, durante o fenˆmeno, na sua consciˆncia normal. Todos n´s transportamos o e o durante o sono, mas as coisas que vemos ou fazemos s´ ir˜o se traduzir na a¸˜o em o a ca nossas vidas inconscientemente, ou seja, n´s n˜o sabemos que fazemos coisas em nossa o a vida com base nesse fenˆmeno. o Nesse per´ ıodo, que durou de 1959 at´ 1964, ela se deslocava diariamente at´ o Tibete e e e l´ recebia as instru¸˜es inici´ticas de um mestre tibetano. Esse mestre, desencarnou a co a ˜ em 1981, chamava-se, traduzido em nossa linguagem, HUMAHA. Dadas as condi¸˜es co espec´ ıficas que isso exigia de seu organismo f´ ısico, ela contraiu uma deficiˆncia respirat´- e o ria que, em 1963, a levou quase em estado de coma para um sanat´rio de tuberculosos, o em Belo Horizonte. Trˆs meses depois, ela teve alta e deu prosseguimento ` sua miss˜o, embora portadora e a a de menor ´rea respirat´ria, que limitava sua vida f´ a o ısica. Esse, entretanto, ´ apenas um aspecto das manifesta¸˜es de sua clarividˆncia. Ela e co e se transportava para v´rios planos, tomava conhecimento do passado remoto dela e do a grupo espiritual a que pertencia, recebia instru¸˜es de Seta Branca e de seus Ministros co e as transmitia praticamente para as a¸˜es do grupo. A comunidade da Serra do Ouro co chamava-se “Uni˜o Espiritualista Seta Branca” (UESB). a Na UESB, no plano f´ ısico, o que existia era, apenas, um grupo de m´diuns atendendo e a pessoas doentes e angustiadas, tendo sempre ` frente a figura de Tia Neiva. Havia um a templo inici´tico e algumas constru¸˜es r´sticas, tudo feito em madeira e palha. a co u A primeira comunidade funcionou na Serra do Ouro, pr´ximo da cidade de Alexˆnia, o a Goi´s. De l´ mudou-se para Taguatinga, cidade sat´lite de Bras´ a a e ılia, e, em 1969, foi instalada no atual local, que passou a se chamar Vale do Amanhecer, na zona rural da cidade sat´lite de Planaltina. e 4.3 A for¸a decrescente espiritual e f´ c ısica Os esp´ ıritos evolu´ ıdos que ajudaram Tia Neiva em sua miss˜o s˜o: Pai Seta Branca a a (mentor respons´vel pela doutrina do amanhecer) e sua alma gˆmea M˜e Iara, Ti˜ozinho a e a a e sua alma gˆmea Justininha, Pai Jo˜o de Enoque e M˜e Tildes, Pai Z´ Pedro e M˜e e a a e a Zefa, Pai Joaquim das Almas, e centenas de outros esp´ ıritos evolu´ ıdos que tem como miss˜o evoluir este planeta por ordens de Jesus. a Hoje nossa doutrina ´ comandada pelos Trinos Triada, que s˜o: e a 7
  • 9. Trino Tumuchy (Mario Sassi) - J´ desencarnado foi respons´vel pela parte intelectual, a a por´m a doutrina ainda disp˜e dessa for¸a. e o c Trino Arak´m (Nestor Sabatovicz) - J´ desencarnado foi o executivo da doutrina tinha e a responsabilidade do andamento dos trabalhos, bem como escalas dos comandos de cada trabalho, exceto da estrela candente cuja responsabilidade ´ do Adjunto e Janat˜ (Mestre Jos´ Luiz). a e Trino Suman˜ (Michael Hanna) - Representa a for¸a ligada `s grandes organiza¸˜es, a c a co curadoras e desobsessivas. ´ uma Legi˜o de Iniciados que se dedicam `s grandes e a a curas. Trino Ajar˜ (Gilberto Chaves Zelaya) - Primeiro Doutrinador do Amanhecer, ´ o res- a e pons´vel pela Coordena¸˜o dos Templos externos, com poderes para abrir ou fechar a ca Templos, dispondo sobre a sua organiza¸˜o f´ ca ısica e jur´ ıdica, bem como avaliar e autorizar a realiza¸˜o de consagra¸˜es, trabalhos e Sandays de acordo com as con- ca co ısico de Koatay 1081 foi por ela designado di¸˜es do mestrado de cada local. Filho f´ co seu representante moral. Outros - Arcanos, presidentes, centuri˜es, elevados, iniciados e aspirantes. o 4.4 As duas proibi¸˜es e motivos co Existe duas proibi¸˜es na nossa doutrina que s˜o: co a Uso de bebidas alco´licas e t´xicos - Lembrar ao m´dium em desenvolvimento que o o e a bebida alco´lica apesar de ser legalizada, os efeitos s˜o nocivos de mesma inte- o a sidade ao uso de t´xicos ou qualquer substˆncia que tira a lucidez. o a Cruzamento de corrente - Que significa a participa¸˜o do m´dium do Amanhecer ca e da intimidade de outras religi˜es, lembrar que n˜o se deve jugar nem falar mal de o a outras religi˜es por quest˜o de respeito, a nossa doutrina n˜o ´ uma doutrina de o a a e demanda ´ uma doutrina cr´ e ıstica onde impera o amor e o perd˜o. a A pessoa que decide participar da doutrina do vale do amanhecer como m´dium ´ e e porque busca o equil´ ıbrio da sua vida em toda sua extens˜o, por´m se transgredir es- a e sas recomenda¸˜es poder´ acarretar preju´ co a ızos imensur´veis ao seu desenvolvimento. E a ´ prefer´ que continue a frequentar como paciente a ingressar na corrente. Essas reco- ıvel menda¸˜es tˆm motivos puramente t´cnicos. Uma gota de ´lcool na corrente sangu´ co e e a ınea demora 08 horas para ser dissolvida, contaminando assim o ectoplasma2 que o m´dium e deve fornecer em seu atendimento. Se a pessoa faz uso de bebidas alco´licas ou t´xicos n˜o tem credibilidade junto o o a a ` comunidade em que vive, tira completamente a lucidez e deixa a pessoa em estado deprimente. O uso acima especificado causa a morte de c´lulas do c´rebro, como os e e 1 Clarividente Neiva Chaves Zelaya, conhecida como Tia Neiva 2 Flu´ magn´tico animal, ´ a energia que emitimos quando falamos. ıdo e e 8
  • 10. neurˆnios, que s˜o tamb´m c´lulas espirituais. Aquele que participa da intimidade de o a e e outras doutrinas, fica acess´ıvel a outro tipo de energia que acaba formando um ema- ranhado de for¸as em sua aura, tornando dif´ de manipul´-la, causando assim s´rios c ıcil a e preju´ızos ao seu desenvolvimento medi´nico. u 4.5 A F´ e a Ciˆncia e e O m´dium do amanhecer aprende a conhecer e desenvolver gradativamente estes dois e grandes fatores que s˜o: a f´ (religi˜o) e a ciˆncia (raz˜o). a e a e a Tia Neiva 4.5.1 “A f´ que nega a ciˆncia ´ t˜o in´til quanto a ciˆncia que nega a f´.” e e e a u e e Na Doutrina do Amanhecer o m´dium aprende a distinguir a diferen¸a entre a f´ e c e (religi˜o) da supersti¸˜o e do fanatismo, entendendo que n˜o ´ poss´ evolu¸˜o espiri- a ca a e ıvel ca tual, sem utilizar a raz˜o, isto ´, analisando e raciocinando sobre o tipo de informa¸˜o a e ca que recebe, enfim, tudo que acontece ao seu redor, jamais dando vaz˜o ao fanatismo e a a supersti¸˜o, sempre com os p´s no ch˜o. ca e a 4.6 Conduta Doutrin´ria a Koatay 108 nos disse que o nosso conhecimento ´ a nossa disciplina, que nos obriga e a uma maneira correta de nos conduzirmos na vida, n˜o s´ quando estamos no Templo, a o mas, sim, em qualquer lugar, a qualquer hora, em nossa jornada. O modo como indicamos nosso n´ de evolu¸˜o espiritual, nossa atitude em rela¸˜o ıvel ca ca aos que est˜o ao nosso redor, ´ a conduta doutrin´ria, com a qual temos que nos pre- a e a ocupar, pois, fora dela, n˜o podemos trilhar nosso caminho evolutivo na Doutrina, n˜o a a h´ evolu¸˜o individual do m´dium. a ca e Pela conduta doutrin´ria vamos adaptando nosso temperamento constitucional `s a a condi¸˜es ambientais, familiares, pedag´gicas e sociais, certos de que somos o que pen- co o samos, e o que pensamos se reflete em nossas palavras e em nossas a¸˜es.co Dentro da correta conduta doutrin´ria e por sua percep¸˜o, o m´dium considera a ca e tudo de forma isenta de simpatias ou antipatias, transformando seus conceitos em a¸˜o, ca pautando pela verdade, honestidade e sensatez, pelo uso correto de seu discernimento, dentro das situa¸˜es em que foi colocado pelo seu transcendental, enfrenta a sua sombra, co procurando se harmonizar, buscando o conhecimento, o conceito verdadeiro de tudo que o cerca e se disciplina, trabalha com mais precis˜o na Lei do Aux´ a ılio, e se aperfei¸oando c na express˜o das palavras corretas, manipula um grande potencial de energia e faz a proveitosa utiliza¸˜o das for¸as de que disp˜e. ca c o Sabe que existe uma necessidade, tanto fisiol´gica como psicol´gica, para intera¸˜o o o ca com outras pessoas. N˜o s˜o suficientes as impress˜es sensoriais transmitidas pelo plano a a o f´ ısico, mas sim as que est˜o ligadas aos campos vibracionais gerados pelo conjunto de a indiv´ıduos. O m´dium do Amanhecer ´ consagrado, tem seu plexo inici´tico, pelo desenvolvi- e e a mento penetra nos segredos da vida e da morte, tem consciˆncia de sua miss˜o, de seu e a 9
  • 11. carma, das leis que o regem. Tem todas as condi¸˜es para fazer o tra¸ado de sua jor- co c nada, dentro do seu conhecimento universal, discernindo, pela inteligˆncia, o verdadeiro e significado de tudo que lhe chega pela sensibilidade, usando seu entusiasmo pela vontade de ser util e seu interesse pela pr´pria evolu¸˜o. ´ o ca Mas, existe o livre arb´ıtrio. O Jaguar sabe o que ´ certo, mas, por vaidade, ambi¸˜o, e ca preconceitos e desamor, deixa-se levar por outros caminhos, desobedecendo a leis sociais, morais e doutrin´rias, deixando prevalecer sua sombra. Alguns pensam que as Leis do a Amanhecer s˜o para serem cumpridas apenas em seus trabalhos no Templo. E quando a chegarem a Pedra Branca, forem se encontrar consigo mesmo e com a realidade de suas vidas, ter˜o grandes choques ao ver o quanto deixaram de fazer por estarem fora da a conduta doutrin´ria. a Tia Neiva 4.6.1 “O Templo ´ um lugar onde os esp´ e ıritos est˜o ` vontade.” a a Ali, tudo ´ poss´ e ıvel. O comportamento do m´dium pode lhe ser prejudicial, pois e numa conversa, com gesticula¸˜es, abre sua guarda e fica com seu plexo exposto, podendo co captar uma for¸a esparsa ou algum esp´ c ırito que, por alguma afinidade, possa estar pr´ximo, e seguir o m´dium. o e Tamb´m nos disse para tomar cuidado para n˜o importunarmos os outros, princi- e a palmente os m´diuns, pois ningu´m tem o direito de aborrecer ningu´m, chamando a e e e aten¸˜o ou dizendo “n˜o deves fazer isso, n˜o deves fazer aquilo. . . ”. ca a a Na Doutrina do Amanhecer somos preparados, desde o condicionamento do sono cultural, quando nos prepar´vamos para esta reencarna¸˜o, para o cumprimento de a ca uma miss˜o sim´trica3 , dentro do poder dos Tumuchys que, gradativamente, chega at´ a e e n´s, com o objetivo unicamente da cura desobsessiva. N˜o temos miss˜o de realizar o a a fenˆmenos f´ o ısicos nem de curar pessoas. N˜o temos motivos para exibicionismo nem a vaidade. Temos, sim, que ter o maior cuidado com o nosso comportamento, com atos e palavras, para n˜o criar choques com nossos irm˜os, encarnados e desencarnados, a a gerando conflitos e fazendo desaparecer a sintonia com a Espiritualidade Maior, que nos acompanha passo a passo, e que n˜o pode ser enganada. a Estamos sendo preparados para as horas de desespero da humanidade, para a liber- ta¸˜o de esp´ ca ıritos, para a ajuda de pessoas que est˜o perdidas em suas desesperan¸as. a c Temos que ter equil´ ıbrio, firmeza e, o principal, amor incondicional. Para isso, ´ preciso e ter a mente equilibrada e a consciˆncia esclarecida, o que s´ conseguiremos por meio da e o correta conduta doutrin´ria. Por ela, respeitamos e nos fazemos respeitar em um mundo a conturbado. Pela conduta doutrin´ria podemos superar nosso carma, caminhando com a Ciˆncia a e e com a F´, complementando com a Lei de Deus, a lei dos homens, para ter um conjunto e completo de normas e diretrizes que far˜o com se cumpra ` parte do Mantra Universal, a a o Pai Nosso, onde emitimos: “Seja feita a Tua vontade assim na Terra como nos c´ ırculos (planos) Espirituais. . . ”. 3 Correspondˆncia em grandeza, forma e posi¸ao relativa de partes que est˜o em lados opostos de uma e c˜ a linha ou plano m´dio . . . harmonia resultante de certas combina¸oes e propor¸oes regulares, Segundo e c˜ c˜ Silveira Bueno - Dicion´rio da L´ a ıngua Portuguesa - Editora: FTD 10
  • 12. Com isso, estaremos equilibrando nossas vidas, tanto na parte f´ ısica como na espiri- tual, trabalhando materialmente, executando nossas fun¸˜es biol´gicas, sociais e psico- co o l´gicas, em sintonia com os nossos Mentores4 , criando para n´s mesmos condi¸˜es ideais o o co para o trabalho na Lei do Aux´ ılio. Temos que ter nossa percep¸ao consciente ligada a uma bem desenvolvida sensibi- c˜ lidade, de modo que possamos ver cada coisa, cada pessoa do universo que nos cerca, com os olhos, com a mente, com a consciˆncia e com a alma. e Nossa personalidade transit´ria, sujeita a problemas, tanto sentimentais como f´ o ısicos, nos levam a insatisfa¸˜es, dores, ang´stias, sofrimentos e irrealiza¸˜es, que devem ser co u co avaliados e entendidos por nossa individualidade transcendental, depois de analisados por nossa consciˆncia. e Vamos evitar palavras que criem disc´rdias, conflitos ou confus˜o; vamos evitar o a mentiras e boatos; vamos deixar que cada um leve a vida que quiser; vamos evitar cr´ıticas ou julgamentos; vamos nos preocupar em n˜o ser nossa presen¸a uma vibra¸˜o a c ca pesada e desagrad´vel. Vamos, sim, nos cuidar para que estejamos sempre bem, com a a vibra¸˜o positiva, esfor¸ando-nos para conciliar e resolver conflitos, ajudar e equilibrar os ca c que est˜o ao nosso redor. Vamos cuidar do nosso corpo e de nossa sa´de f´ a u ısica e mental, preservando nossa energia vital, que ´ a ferramenta que nos foi dada para cumprimento e de nossa miss˜o.a N˜o vamos fazer algo ilegal ou danoso a algu´m porque ningu´m nos est´ vendo! a e e a Lembre-se daqueles dois Olhos em seu colete 5 : nos alertam para que saibamos que a Es- piritualidade nos contempla, penetrando esse Olhar nos nossos pensamentos, nos nossos cora¸˜es, sabendo exatamente a realidade de nossas inten¸˜es, o que pretendemos com co co nossas palavras e a¸˜es a cada momento, nos avaliando, nos observando, nos julgando, co nos entendendo e... nos amando! Sabemos que a Espiritualidade ´, sobretudo, justa. De acordo com nosso mereci- e mento, dela recebemos tudo o que precisamos. E nosso merecimento depende de nossa conduta doutrin´ria. N˜o se deixar levar pelos caminhos floridos que levam aos negros a a abismos; n˜o desafiar as leis f´ a ısicas e sociais; n˜o contrariar sua consciˆncia levado pelas a e paix˜es ou pelo falso brilho das tenta¸˜es e da vaidade; n˜o largar seus compromissos o co a materiais, a vida no lar, a fam´ılia, enfim, estar sempre alerta para o cumprimento das leis. cumprir e fazer cumprir as leis, eis o segredo da conduta doutrin´ria. a Mesmo aquele que relega seus compromissos materiais e se dedica quase que exclu- sivamente a seu trabalho na Doutrina, est´ fora da conduta doutrin´ria, n˜o aumentar´ a a a a seu merecimento. Tia Neiva 4.6.2 “S´ sabemos que estamos evoluindo quando deixamos de nos preocu- o par com a vida dos outros. . . ” Isto ´ a base para uma perfeita conduta doutrin´ria. e a Nosso cuidado dever´ ser maior em tudo que envolva a¸˜es doutrin´rias, quando a co a estamos trabalhando no Templo ou realizando qualquer outro trabalho na Lei do Aux´ ılio. 4 Amigos espirituais 5 Se referindo aos olhos de Pai Seta Branca estampados nos coletes usados pelos m´dius do Vale do e Amanhecer 11
  • 13. A seriedade e concentra¸˜o nos permitem agir plenamente, obedecendo `s Leis que nos ca a regem. Aquele que leva inova¸˜es ou desconhece as Leis, que brinca ou n˜o respeita os co a m´diuns em um trabalho, est´ fora da conduta doutrin´ria. e a a ´ E triste ver o que acontece com muitos instrutores que, esquecidos de suas respon- sabilidades sociais e doutrin´rias, deixam-se levar pelos encantos de ninfas em desenvol- a vimento, aumentando seus carmas. Especialmente em qualquer trabalho na Doutrina do Amanhecer, Pai Seta Branca exige a conduta doutrin´ria, isto ´, al´m do comportamento do m´dium, a perfeita a e e e obediˆncia ao estabelecido no Livro de Leis e Chaves Ritual´ e ısticas e no Manual de Unifica¸˜o. ca “N˜o me contem, n˜o venham me contar os desatinos dos mestres! N˜o a a a venham me contar que um mestre bebeu; que um mestre fez trabalhos (em outras linhas); que um mestre deixou a fam´ ılia; que um mestre fez isso ou aquilo. . . N˜o venham me contar! N˜o gosto de saber! Eu sou como uma m˜e a a a que recebe reclama¸˜es de um filho. N˜o venham me contar porque, al´m de co a e eu n˜o ter nada com a vida particular do m´dium, acho que, tamb´m, quem a e e me conta, muito menos. Salve Deus! N˜o me contem que eu n˜o gosto de a a saber! Se o mestre est´ errado para vocˆ, que est´ me contando, ele n˜o est´ a e a a a errado para mim, e `s vezes vocˆ entra em conflito comigo. Vamos cuidar de a e nossa vida, pois temos grandes fenˆmenos a realizar” (Tia Neiva, 27.6.76) o 4.7 A Mediunidade A mediunidade ´ normal no ser humano. Todos os seres s˜o m´diuns, portanto n˜o ´ e a e a e privilegio de uma minoria. Contudo existem aquelas pessoas que geram energias vitais, fluidos magn´tico animal ou ectoplasma em maior quantidade. Esse excesso de energia e vital nas pessoas provoca uma s´rie de problemas, que se apresentam de diversas ma- e neiras, tais como: doen¸as f´ c ısicas, problemas ps´ıquicos, etc. inclusive come¸am a surgir, c tamb´m, problemas materiais, sentimentais. . . enfim, conduzem o indiv´ e ıduo paulatina- mente ao desequil´ ıbrio. Estes problemas s˜o pass´ a ıveis de serem resolvidos, mediante o aprendizado de uma t´cnica de manipula¸˜o dessa energia, dentro de um principio evang´lico, na doutrina e ca e Cr´ıstica, praticada na Lei de Aux´ prevalecendo sempre o amor, a tolerˆncia e a humil- ılio, a dade. Princ´ ıpios esses difundido por Jesus “O caminheiro”. Portanto esse aprendizado chamamos de desenvolvimento medi´nico. u 4.8 Filosofia do Amanhecer A filosofia do Amanhecer ´ a seguinte: “O m´dium trabalha espiritualmente para e e o seu bem estar e as entidades, atrav´s dele, fazem a caridade a todos aqueles que o e procura”. Simples, claro e objetio assim como a espiritualidade quer que sejamos. Tia Neiva 4.8.1 “Seja manso como uma pomba e sagaz como uma serpente” 12
  • 14. Assim dizia nossa m˜e clarividente para que sejamos mansos de cora¸˜o e espertos a ca com o mundo invis´ ıvel, esperto no sentido de percep¸˜o, de sabedoria que prov´m de ca e nosso esp´ ırito, a esta frase cabe muitas formas de pensamento onde cada um tira para s´ ı um aprendizado, sempre pensando e analizando pelo lado positivo, ou seja sustent´vel a na base de humildade, tolerˆncia e amor. a 4.9 Mente perceptiva Nossa Doutrina ´ inici´tica e seus ensinamentos seguem uma ritual´ e a ıstica deixada por nossa M˜e Clarividente, trazida diretamente do Astral Superior. As energias s˜o a a diferentes das demais doutrinas ou religi˜es, portanto o m´dium em desenvolvimento o e deve evitar de ler livros esp´ ıritas de outras doutrinas ou de outras religi˜es por um o per´ıodo m´ınimo de 06 (seis) meses, para que sua mente fique livre e perceptiva aos ensinamentos e conhecimentos que ora est˜o recebendo. a 4.10 O instrutor ´ E um mestre preparado para repassar os ensinamentos de forma correta e na medida certa com a capacidade de assimila¸˜o e manipula¸˜o dos m´diuns em desenvolvimento. ca ca e Portanto as d´vidas que por ventura os m´diuns tiverem devem ser sempre esclarecidas u e pelo seu mestre instrutor de cada etapa de desenvolvimento ou seu adjunto maior. N˜o a procurem outros mestres, que por n˜o estarem acompanhando seu desenvolvimento pode a trazer informa¸˜es que n˜o ser˜o ben´ficas ao atual est´gio de desenvolvimento que se co a a e a encontra. 4.11 Postura e assiduidade no desenvolvimento Deve ser passado para o m´dium que ele deve estar no m´ e ınimo trinta minutos (30 min.) antes do in´ ıcio das aulas dominicais (10h) devidamente uniformizado, procurar permanecer dentro do templo se harmonizando e manter uma frequˆncia ass´ e ıdua nas aulas uma vez que as interrup¸˜es atrapalham o seu desenvolvimento. co 4.12 Discuss˜o sobre Doutrina a Dentro do poss´ o m´dium em desenvolvimento n˜o deve discutir assuntos relaci- ıvel e a onados com a doutrina fora do Vale do Amanhecer, com pessoas estranhas ou mesmo com m´diuns da corrente, para evitar poss´ e ıveis polˆmicas que podem trazer malef´ e ıcios para o seu desenvolvimento, sanar d´vidas com os intrutores sempre ´ a melhor op¸˜o. u e ca 13
  • 15. 4.13 Diferen¸a de mediunidade c Sabemos que existem mais de 23 tipos de mediunidade catalogadas, por´m na dou- e trina do amanhecer somente se desenvolve 2 tipos de mediunidades, que s˜o: a Doutrinador - Mediunidade que funciona com base f´ ısica, no sistema nervoso ativo, feita pelo processo cerebral (chacras da cabe¸a), pela sensibiliza¸˜o do sistema en- c ca d´crino, centrado na glˆndula pineal, com predom´ da consciˆncia e da vontade, o a ınio e fazendo com que exista um transe medi´nico totalmente consciente que trabalha u de olhos abertos, atentos a tudo que est´ a sua volta, por´m concentrado no seu a e trabalho e com a mente voltada `s mundos espirituais a fim de ser o equil´ a ıbrio de qualquer trabalho. Apar´ - A m´diunidade de incorpora¸˜o est´ baseada no sistema nervoso passivo, com a e ca a base no plexo solar, tendo naturezas passivas, orgˆnicas e an´ a ımicas, onde ` vontade a e a consciˆncia pouco ou nada atuam, uma vez que o ser que se comunica entra em e contato direto com seu sistema nervoso e assume parcialmente o controle mental do m´dium, fazendo a sua comunica¸˜o, que tanto mais perfeita ser´ quanto menor e ca a for a parcela de consciˆncia do m´dium que trabalha semi-consciente sempre de e e ´ olhos fechados. E aparelho da espiritualidade maior e est´ sempre confiante que a ao seu lado est´ um doutrinador tamb´m consciente a zelar pelo trabalho que a e efetuam. 4.14 Diferen¸a entre Individualidade e Personalidade c A individualidade ´ toda a carga transcendental e merit´ria de um esp´ e o ´ ırito. E, na sua essˆncia, o pr´prio esp´ e o ırito, pois ´ una e indivis´ e ıvel, compreendendo a natureza, caracter´ ısticas, tendˆncias, preferˆncias e objetivos de cada esp´ e e ırito, tornando-o distinto de todos os outros. A individualidade ´ uma qualidade do esp´ e ırito, enquanto a personalidade ´ rela-e cionada com o corpo e a alma. Enquanto a personalidade (persona, pessoa) ´ o ser e humano, efˆmero, existente apenas em cada reencarna¸˜o com seu pr´prio nome, suas e ca o caracter´ ısticas e temperamento, resultantes da sua pr´pria individualidade e da edu- o ca¸˜o psicossocial. Geralmente, s˜o conflitantes, e esses conflitos ocorrem no campo ca a consciencional e s˜o cont´ a ınuos. Temos plena consciˆncia de nossa personalidade, isto ´, do que gostamos ou n˜o e e a gostamos, das necessidades de nosso corpo e dos anseios de nossa alma, que nos pro- curam enquadrar na sociedade em que vivemos, como atores em pe¸as complicadas, c todavia, existe a percep¸˜o de que nem tudo ´ de acordo com o nosso ´ ca e ıntimo, que di- vergimos continuamente das tendˆncias e inclina¸˜es de nossa personalidade, e vamos e co conseguindo penetrar pouco a pouco em nossa individualidade, o impulso fundamental e transcendente, uma energia latente que tenta romper as barreiras da personalidade. Quando na Terra, Jesus falava perante multid˜es, mas, na realidade, falava para a o individualidade, isto ´, para o cora¸˜o de cada um. e ca 14
  • 16. A individualidade ´ que nos permite a liga¸˜o com os planos espirituais, ´ a nossa e ca e verdadeira forma de ser, ´ onde se acumulam todas as experiˆncias das encarna¸˜es e e co por que passamos, ´ a nossa imagem real e sem retoques, ´ a respons´vel pelo nosso e e a livre arb´ ıtrio e, por conseguinte, pelo nosso merecimento e pela nossa posi¸˜o na escala ca evolutiva. 4.15 Mediuniza¸˜o ca A mediuniza¸˜o ´ o ato de o m´dium entrar em contato com sua individualidade, na ca e e sintonia com a Espiritualidade, preparando-se para qualquer tipo de trabalho, tanto no Templo como em qualquer outro lugar. A melhor forma de mediunizar-se ´ fechando os olhos e se concentrando na Espiri- e tualidade Maior (em seus Mentores), com isso eliminando est´ ımulos visuais do exterior e se tornar mais receptivo `s for¸as espirituais. O silˆncio tamb´m ´ importante, e as- a c e e e sim deve o m´dium aprender a ser seletivo na sua sensibilidade para obter sua melhor e concentra¸˜o. ca A mediuniza¸˜o proporciona seguran¸a ao m´dium, pois estabelece a liga¸˜o entre ca c e ca os planos, e deve ser feita antes de se iniciar um trabalho de qualquer natureza, uma reuni˜o ou um encontro doutrin´rio. a a O local apropriado para se processar a mediuniza¸˜o ´ no Castelo do Silˆncio, onde ca e e o m´dium se serve do sal e do perfume e permanece tranq¨ilo, meditando e fazendo e u sua mediuniza¸˜o. A mediuniza¸ao pode ser, tamb´m, efetuada em um local tranq¨ilo, ca c˜ e u numa posi¸˜o confort´vel, como deveria ser feita uma mentaliza¸˜o ou medita¸˜o, por´m ca a ca ca e com a finalidade de levar o m´dium a uma experiˆncia m´ e e ıstica. Neste caso, o m´dium e deve estar muito preparado, pois a experiˆncia pode conduzi-lo a diferentes situa¸˜es, e co entre outras: 1. Percep¸˜o integrada do nosso planeta com o Universo, com a penetra¸˜o em outros ca ca planos; 2. Melhor percep¸˜o com vis˜o realista das pessoas e das coisas, sem observa¸˜es ou ca a co julgamentos negativos ou positivos; 3. Um grande distanciamento dos fatos, com ausˆncia de sentimentos e de conflitos; e 4. Altera¸˜es de limites de tempo e espa¸o; co c 5. Aceita¸˜o de tudo que est´ ao seu redor, porque est´ mergulhado numa onda de ca a a amor, harmonizado com o Universo, unido com as vibra¸˜es c´smicas; e co o 6. Amplia¸˜o da compreens˜o da verdade oculta nas coisas e nas pessoas, entendendo ca a gestos, palavras e atitudes, sem receios ou incertezas. Quanto mais apurada a mediuniza¸˜o, mais elevado ´ o contato com a espiritualidade, ca e mais nos aproximamos da uni˜o com o Divino. a S´ ´ poss´ dar oportunidade a nossa Individualidade atrav´s da mediuniza¸˜o. oe ıvel e ca 15
  • 17. Cada m´dium com o passar do tempo saber´ quando esta mediunizado, desenvol- e a vendo sua pr´pria maneira de mediunizar-se. o 4.16 Passe magn´tico e Alivia o plexo do receptor, dele retirando todas as impregna¸˜es pesadas, princi- co palmente atrav´s dos chacras umerais, por onde s˜o eliminadas as impregna¸˜es das e a co incorpora¸˜es. co ´ E um trabalho inici´tico, uma verdadeira transfus˜o de for¸as, e, por isso mesmo, a a c deve ser aplicado de forma correta pelo Doutrinador: • Posicionado de p´, atr´s do receptor sentado (que n˜o deve estar com as pernas e a a cruzadas e, se poss´ıvel, deve manter suas m˜os sobre os joelhos, com a palma a voltada para cima); • Busca a energia de seu plexo, m˜o direita sob a esquerda, e elev´-las juntas acima a a da sua cabe¸a, logo ap´s separ´-las e junt´-las novamente cruzando os dedos e c o a a virando a m˜o, nesta posi¸˜o se vocˆ olhar para cima poder´ ver seus dedos, nesta a ca e a posi¸˜o leve as m˜os com os dedos cruzados emitindo: “Louvado seja Nosso Senhor ca a Jesus Cristo!”, enquanto desce os bra¸os e leva as m˜os cruzadas ` altura do Sol c a a Interior do receptor (plexo do receptor); • Em seguida, ` toque testa (chacras da terceira vis˜o, tomando cuidado para que a a os dedos polegares n˜o atinjam os olhos do receptor) e, depois, `s costas, na a a altura da ponta das omoplatas, ´rea em que se situam os chacras umerais, onde a d´ trˆs toques suaves, nos quais as palmas das m˜os tocam plenamente as costas a e a do paciente, com firmeza, mas sem for¸´-las, retornado ao plexo e sem alterar ca as posi¸˜es, completando os sete toques (plexo, cruzamento das m˜os, testa, trˆs co a e toques nas costas e plexo). • Em seguida, faz a descarga, estalando seus dedos na parte lateral de seu corpo, fora da aura do receptor. Deve-se observar alguns intens importantes, leia com aten¸˜o: ca 1. Se o receptor est´ em posi¸ao desfavor´vel para receber o passe, o doutrinador(a) a c˜ a dever´ alert´-lo com um “Salve Deus”, e em ultimo caso levar as m˜os aos seus a a ´ a ombros e coloc´-lo na posi¸ao correta. a c˜ 2. O passe magn´tico desfaz a ioniza¸˜o e dever´ ser aplicado sempre que a mesma e ca a ocorrer. 3. Nos setores onde n˜o h´ ioniza¸˜o, o passe magn´tico sempre dever´ ser aplicado. a a ca e a 4. Lembre-se n˜o adianta aplicar o passe magn´tico sem que sua mente esteja voltada a e para o que vocˆ est´ fazendo ela deve estar elevada aos planos superiores para que e a 16
  • 18. os mentores possam emitir as energias necess´rias para o reconforto do paciente a ou m´dium. e 5. O passe magn´tico poder´ ser aplicado em qualquer pessoa mesmo aqueles que e a n˜o fazem parte da corrente. a 4.17 Uniformes Projetadas desde o Reino de Zana, trazidas por M˜e Yara atrav´s de nossa M˜e a e a Clarividente, as indument´rias devem ser confeccionadas, dentro dos modelos que Tia a Neiva passou ` sua filha Carmem L´cia, para que fossem feitas fielmente de acordo a u com as especifica¸˜es exigidas pela Espiritualidade. Embora muitas outras costureiras, co especialmente nos Templos Externos, ap´s a indica¸˜o da Aponara, estejam tamb´m o ca e confeccionando indument´rias, todas tˆm que seguir o mesmo modelo, sem altera¸˜es a e co nem adapta¸˜es, mesmo que ditadas por uma Primeira de Falange, do recebido por co Koatay 108. Uniforme das Ninfas: Usado pelas ninfas desde o in´ de suas aulas de Desenvolvi- ıcio mento e por toda sua jornada na Doutrina, o chamado “branquinho” ou uniforme branco deve ser feito em tergal ver˜o branco, com pala 5 cm abaixo da cava, saia a godˆ (usualmente a metragem ´ de 3, 50 metros, com 1, 40 m de largura), mangas e e 3 4 com 3 cm de folga na boca da manga. As fitas brancas, do mesmo tecido, tˆm e 1, 20 m de comprimento e 5 cm de largura, que se cruzam nas costas e d˜o um n´ a o na frente (n´ de gravata), a direita sobre a esquerda. A ninfa deve cuidar para que o esteja em perfeitas condi¸˜es de limpeza, uma vez que o branco sujo muito, prin- co cipalmente a barra da indument´ria. Deve ter cuidado para que esteja abotoada a nas costas. Deve, tamb´m, usar an´gua, porque o tecido ´ pouco denso e pode ter e a e as formas de seu corpo sombreadas, o que indica o uso de roupas de baixo brancas, de tons bem claros ou da cor da pele. N˜o devem ser usadas cal¸as compridas ou a c bermudas por baixo do vestido branco. Outro cuidado deve ser com o cal¸ado: c uma sand´lia branca ou clara. N˜o usar tˆnis nem chinelos. N˜o devem usar cinto a a e a nem outro qualquer acess´rio no vestido, bem como colares, pulseiras, brincos e o enfeites nos cabelos, demonstrando simplicidade e, o que ´ mais importante, o e despojamento de sua personalidade, dando lugar ` individualidade. a Uniforme do Jaguar: O mestre em Desenvolvimento usa cal¸a preta ou azul marinho, c com um jaleco branco, conforme modelo do sal˜o de costura e deve ter os mesmos a cuidados que a ninfa, com rela¸˜o a seu uniforme. ca Nos templos externos as Aponaras indicam as costureiras que confeccionam os uni- formes. 17
  • 19. 4.18 Dica Fechar com uma inje¸˜o de ˆnimo e esperan¸a para a suas vidas nessa nova cami- ca a c nhada. 4.19 Leitura recomendada - “Manuel Truncado.” 18
  • 20. Cap´ ıtulo 5 Segunda Aula 5.1 Reencarna¸˜o ca A reencarna¸˜o ´ o processo em que os esp´ ca e ıritos passar˜o at´ chegar a suas evolu¸˜es, a e co todo ser encarnado ou desencarnado um dia chegar´ a sua evolu¸˜o, uns cedo outros a ca tarde, por´m pela miseric´rdia de Deus sempre haver´ uma nova oportunidade de bus- e o a carem a evolu¸˜o j´ que Deus n˜o se cansa nem t˜o pouco ´ maldoso a deixar que um ca a a a e de seus filhos viva em eterno sofrimento. Se existe esp´ıritos em sofrimento ´ por suas pr´prias vontades ou carma1 , d´ e o ıvidas adquiridas no passado por n˜o saber amar, nem perdoar os nossos irm˜os menos escla- a a recidos que o fizerem sofrer. Nessa busca o esp´ ırito descobre que as leis ensinadas por Jesus de humildade tolerˆncia e amor ´ o unico caminho para o resgate de seus d´bitos a e ´ e c´rmicos. a O esp´ırito depois de longas vidas de dor, percebe que o caminho de volta a suas origens ´ o amor e perd˜o, e ent˜o sempre pede uma nova oportunidade aos seus mentores e a a para voltar a Terra e dar provas de seu arrependimento, e novamente volta ao f´ ısico, por´m a cada encarna¸˜o seu esp´ e ca ırito busca redimir das falhas de forma mais consciente. Quando da aula de pr´-cent´ria2 , este assunto ser´ abordado de forma mais minuci- e u a osa. 5.2 As Entidades As entidades que tem permiss˜o para trabalhar no Vale do Amanhecer s˜o esp´ a a ıritos que j´ viveram as experiˆncias reencarnat´rias atrav´s de milˆnios, libertando-se da lei de a e o e e causa e efeito ou lei do carma estando, portanto totalmente libertos das leis f´ ısicas deste plano. S˜o esp´ a ıritos que tem hierarquia na escala evolutiva de Deus Pai-Todo-Poderoso, que se preparam no Amanhecer para cumprir as leis da doutrina. Portanto esp´ ıritos a caminho ou mortinhos ou qualquer esp´ ırito que tenha carma n˜o tem a permiss˜o de a a trabalhar no Vale do Amanhecer. 1 Lei de causa e efeito. 2 Curso segundo a hierarquia do mestrado 19
  • 21. Os esp´ıritos de luz para descer ao nosso plano se revestem de uma roupagem que os protegem das energias densas e pesadas do nosso planos f´ ısico, como s˜o esp´ a ıritos de luz tem compromisso com Jesus para ajudar evoluir o planeta e a si pr´prios vˆem ao nosso o e plano auxiliar na pr´tica da lei de aux´ a ılio. Uma analogia muito usada para o entendimento desse processo ´ do marinheiro e e seu escafandro, para descer as profundezas do mar e suportar as altas press˜es e falta o de oxigˆnio e ele se veste do escafandro, uma roupagem espessa e pesada ligada a uma e mangueira de oxigˆnio, desta forma descem e executam os seus trabalhos no fundo dos e oceanos. Assim ´ o trabalho das nossas entidades. Que saem do Astral Superior, dos e or´culos, passam pela lua, se revestem de uma roupagem e chegam at´ a Terra. a e S˜o 7 princesas que regem os Doutrinadores, sendo que atualmente, somente 3 est˜o a a em miss˜o junto aos doutrinadores, sendo Jurema, Jana´ e Iracema. As demais est˜o a ına a em miss˜o no mundo espiritual. Apesar dos mestres Sol e Ninfa sol terem junto a a si Ministros, Cavaleiros e Guias mission´rias, as princesas que s˜o respons´vel pelo a a a desenvolvimento e emplacamento do doutrinador. Pretos Velhos - Grandes s´bios que trabalham nos tronos vermelhos e amarelos, linha a de passe e trabalhos inici´tico de indu¸˜o. Essas entidades d˜o comunica¸˜o, a ca a ca mensagens e passes. Esta roupagem simples e humilde ´ para que o paciente se e sinta em igualdade de comunica¸˜o. ca Caracter´ısticas: Trabalham sentados, geralmente movimentam os bra¸os e estalam c os dedos, manipulando assim as energias para o trabalho, muitas vezes limpam a aura do Apar´ e saldam “Louvado seja nosso senhor Jesus Cristo”, chave esta que a os doutrinadores os distinguem dos esp´ ıritos sofredores. No trabalho de trono ´ e comuns as entidades darem passagem (incorporarem) aos nossos irm˜os sofredores a e as correntes negativas. Cavaleiros de Oxosses e Caboclos - Tamb´m grandes iniciados, chamados esp´ e ıritos de lei. Trabalham na linha de passe e tronos, d˜o pouca comunica¸˜o. Utilizam a a ca roupagem de caciques e ´ındios. Caracter´ısticas: Trabalham sentados, geralmente os caboclos batem com a m˜o di- a reita no peito fazendo com que haja a acelera¸˜o da corrente sangu´ ca ınea do m´dium e liberando assim energias necess´rias para a realiza¸˜o de seus trabalhos, que visam a ca desempregnar e aliviar as correntes negativas(quebrar), algumas vezes trabalham estalando os dedos que ´ uma forma de manipula¸˜o e quebra de correntes, ou e ca energias acumuladas que est˜o no ambiente, nos m´diuns de incorpora¸˜o e nos a e ca pacientes. As caboclas trabalham da mesma forma que os caboclos. Entidades de Cura - Inicialmente os m´dicos que trabalhavam na cura eram da fa- e lange Alem˜, mas como a Doutrina ´ evolutiva, outras entidades est˜o realizando a e a o trabalho, mas tudo dentro das normas do Amanhecer . S˜o entidades especiali- a zadas no atendimento na sala de cura e no trabalho inici´tico de Jun¸˜o. a ca Caracter´ ıstica: Trabalham geralmente movimentando as m˜os na altura do peito a com os bra¸os quase estendidos com as palmas voltadas para baixo e os dedos c 20
  • 22. ligeiramente entreabertos fazendo suaves movimentos circulares, pouqu´ ıssima co- munica¸˜o e n˜o tocam no paciente. ca a Sereias de Yemanj´ - Entidades que se apresentam na roupagem de sereias e parti- a cipam dos trabalhos de contagem e consagra¸˜es na Estrela Candente. co Caracter´ısticas: Trabalham em p´, quase sempre fazem movimentos suaves no e corpo do aparelho, movimentam de v´rias formas, m˜os estendidas como os m´di- a a e cos de cura, outras em posi¸˜o inici´tica. ca a Alguns M´diuns manipulam de forma diferente das costumeiras, o que ´ perfeita- e e mente normal, desde que dentro das leis do amanhecer. Casos assim requerem dos instrutores um melhor acompanhamento do m´dium. e Lembramos que as entidades trabalham sentadas por quest˜o de ´tica e elegˆncia, a e a exceto nos trabalhos de Estrela Candente e Contagem. 5.3 O livre arb´ ıtrio O homem estabelece suas pr´prias condi¸˜es de vida tendo como base a no¸˜o de o co ca liberdade, exercida atrav´s do livre arb´ e ıtrio, que ´ a verdadeira coordena¸˜o do esp´ e ca ırito subordinado ` individualidade. a O esp´ ırito, encarnado ou desencarnado, emite raios de vibra¸˜o, exteriorizando a ca energia de que ´ portador, superior ou inferior, conforme a forma¸˜o que adquire pelo e ca seu livre arb´ ıtrio, que preside todos os seus atos. Existe toda uma programa¸ao cuidadosamente feita com a aprova¸˜o ou consen- c˜ ca timento do esp´ ırito que vai reencarnar. Todavia, ap´s o reencarne, em sua jornada o aquele esp´ ırito se recusa a aceitar as condi¸˜es `s quais ele mesmo se propˆs e foge do co a o cumprimento de seu programa. Essa fuga provoca ang´stias, sofrimento e infelicidade, u transferindo suas prova¸˜es e reajustes para uma futura reencarna¸˜o. Isso torna o co ca homem irrealizado e infeliz. O livre arb´ ıtrio ´ a vontade exercida em toda a sua plenitude. N˜o pode o m´dium e a e deixar se levar por seus instintos e pela sua vontade, sem atentar para suas metas c´rmicas e para a correta conduta doutrin´ria, sob risco de n˜o cumprir sua miss˜o no a a a a plano f´ ısico nem espiritual. A Espiritualidade respeita o livre arb´ ıtrio, e os Mentores sofrem ao ver um filho se perdendo nas escuras veredas da vida, mas nada podem fazer. Mesmo ap´s o desencarne, o esp´ o ırito se conduz pela vibra¸˜o que construiu com seu ca livre arb´ ıtrio. E ´ uma constante luta que travamos em nosso c´rebro com nossas id´ias e e e pensamentos, julgamentos e decis˜es, que resultam em nosso padr˜o vibrat´rio, no que o a o estamos sendo em nossa jornada. Temos que usar nossa percep¸˜o e saber diferenciar os est´ ca ımulos oriundos dos planos f´ ısico, ps´ıquico e espiritual, ouvindo cuidadosamente nossa consciˆncia (a voz do esp´ e ırito) para nos mantermos em nossa caminhada dentro do que concordamos em enfrentar com a finalidade de vencer mais essa prova¸˜o, numa oportunidade arduamente conquistada. ca 21
  • 23. Uma certeza do que queremos, do que pretendemos, nascida no ´ ıntimo de nosso ser, nos ajuda em nosso livre arb´ ıtrio. Um cuidado especial deve se ter com o sentimento de culpa, que carregamos em nosso interior desde a mais antiga idade, como conseq¨ˆncia de nossa educa¸˜o, moral ue ca e religiosa, dada por nossos pais, dentro de um quadro de artificialidade social porque sujeita a r´tulos e julgamentos momentˆneos da sociedade onde nascemos. Dogmas o a religiosos, falsos conceitos do que ´ certo ou ´ errado, a id´ia de ver pecado em tudo e e e que nos d´ prazer, a intensa competi¸˜o com os irm˜os, com os filhos dos conhecidos, a ca a nas ´reas de esportes e no resultado das aulas, no desenvolvimento f´ a ısico, enfim, uma intensa rede procura paralizar nossas mentes e nossos movimentos, prejudicando nossa vis˜o interior e a percep¸˜o do mundo real que temos diante de n´s. a ca o Na verdade, o que temos que aprender ´ que n˜o temos a obriga¸˜o de ser isso ou e a ca aquilo, mas sim, de apenas ser o que somos! Quando viemos para esta vida, recebemos tudo o que era necess´rio para cumprirmos nossa miss˜o. a a Ao ingressarmos na Doutrina do Amanhecer, descobrimos que nosso Divino e Amado Mestre Jesus nos ensina, somente, a conhecermos o que j´ temos, o que j´ somos e o a a que carregamos conosco. Na Doutrina, acordamos para a verdade, sabemos que te- mos que caminhar para dentro de n´s mesmos, tentar retomar o verdadeiro sentido da o nossa existˆncia, manipulando a energia e as for¸as fant´sticas que nos s˜o reveladas e c a a e transmitidas, temos instru¸˜es e leis a serem cumpridas, independentemente do livre co arb´ ıtrio. Se conseguirmos manter nossa mente firme e livre de preconceitos e julgamentos teremos melhores condi¸˜es de exercer o livre arb´ co ıtrio, isto ´, nossa escolha por onde e iremos caminhar. S˜o Francisco de Assis nos legou grandes ensinamentos, entre eles: “Senhor, dai-me a for¸as para aceitar as coisas que n˜o podem ser mudadas, dai-me amor para mudar as c a coisas que devem ser mudadas e dai-me sabedoria para distinguir umas das outras” Essa, na verdade, ´ segura orienta¸˜o para nosso livre arb´ e ca ıtrio, conduzindo-nos atra- v´s da vida sem gerar conflitos e nos ensinando a ser uteis. N˜o temos ilus˜es de que e ´ a o podemos ter atos ou a¸˜es independentes de nossa vontade, pois tudo est´ dentro de co a n´s. Todos os nossos pensamentos e nossas a¸˜es tˆm fatores determinantes, conscientes o co e ou subconscientes. Por isso, ao agir, o homem exerce o seu livre arb´ ıtrio com consciˆncia difusa da sua e responsabilidade, com a convic¸˜o de que sua vida est´ em suas m˜os, movido pelos seus ca a a desejos ´ ıntimos, suas ambi¸˜es, seus motivos pessoais. co Na Doutrina do Amanhecer aprendemos a direcionar nosso livre arb´ ıtrio, disciplinando- o em fun¸˜o de um desejo real de melhorarmos a n´s mesmos, aplicando-nos na lei do ca o aux´ ılio, aliviando nosso carma e sabendo criar uma real harmonia e sintonia com os Planos Espirituais. Para isso, temos que aprender algumas t´cnicas: e 1. Adotar uma posi¸˜o positiva conosco mesmos, reconhecendo que podemos melho- ca rar nossas condi¸˜es f´ co ısicas, emocionais e mentais; 22
  • 24. 2. Selecionar nossas for¸as criadoras, gerando uma escala de prioridades, o que seja c mais ou menos importante para realizar-nos; 3. Buscar melhorar nosso comportamento em rela¸˜o a n´s mesmos e aos outros; ca o 4. Procurar ouvir nossa voz interior (nossa consciˆncia), com maior clareza e aprender e a obedecˆ-la; e 5. Vencer a in´rcia, a rotina e a displicˆncia nas palavras, nos gestos e nos pensamen- e e tos; e 6. Aplicar nosso amor, nossos conhecimentos e nossas for¸as a todos os momentos, c dentro da correta conduta doutrin´ria. a 5.4 A ioniza¸˜o ca Serve para unir o plexo do doutrinador e o do apar´ e dificultar (mas n˜o impedir) a a a interferˆncia de esp´ e ıritos sofredores durante a comunica¸˜o do esp´ ca ırito de luz. Novamente tentaremos descrever como se faz a ioniza¸˜o: ca • Como sempre leve a m˜o de for¸a (direita) ao plexo e a esquerda por cima, diga a c um “Salve Deus” para o apar´ se n˜o tiver posicionado, se posicionar. a a • Com as m˜os uma sobre a outra (juntas), passe-a por cima da cabe¸a do apar´ a c a e procure chegar ` altura dos ombros sem tocar o mesmo, quando chegar nesta a posi¸˜o diga: “Louvado seja nosso senhor Jesus Cristo”. ca • Solte as m˜os, voltando-as ao plexo. Neste momento termina a ioniza¸˜o. a ca A ioniza¸˜o s´ se desfaz com o passe magn´tico. ca o e 5.5 Chave de prepara¸˜o ca Sempre ao iniciarmos nossos trabalhos no templo devemos nos preparar, n˜o s´ a o em frente ` pira mais sim nos prepararmos interiormente podendo utilizar o castelo a do silˆncio ou um lugar tranquilo, assim nos desprendermos dos nossos problemas da e corriqueira vida que vivemos e mergulharmos sem medo na nossa individualidade para assim nos revestirmos da essˆncia de nosso esp´ e ırito e podermos realizar os fenˆmenos da o cura desobsessiva ou at´ mesmo f´ e ısica se Deus assim permitir aqueles que vˆm a nossa e procura, nossos queridos pacientes. Vamos a prepara¸˜o na pira: ca 1. Esteja atento ` fila magn´tica, se estiver formada na parte evang´lica lembre-se de a e e cruzar os punhos a frente do corpo antes de corta a fila, logo depois os descruze. 2. Quando estiver na fila para a prepara¸˜o procure manter uma distˆncia de pelo ca a menos 15 a 20 cm do mestre ou ninfa a sua frente para evitar o contato f´ ısico. 23
  • 25. 3. Quando chegar a sua vez v´ at´ a presen¸a Divina e estenda suas m˜os paralelas a e c a aos ombros na posi¸˜o horizontal e afastada uns 5 a 10 cent´ ca ımetros do tule (pano que reveste a pira) e olhando para frente emita: “Senhor, Senhor, faze a minha prepara¸˜o para que neste instante possa eu estar contigo!” abaixe as m˜os e ca a procure n˜o tocar em nada, v´ at´ o outro lado e voltado para a pira, somente a a e levante os bra¸os na posi¸˜o “L”, n˜o leve as m˜os ao plexo, emita: “Meu senhor c ca a a e meu Deus” ou “Salve Deus” v´ at´ o final da mesa evang´lica e de frente para o a e e Cristo que esta dentro da elipse da mesa, fa¸a o mesmo, levante os bra¸os e diga c c “Meu senhor e meu Deus” ou “Salve Deus”. Note que vocˆ fez um “S” invertido, e deste o inicio at´ o final da sua prepara¸˜o, terminando tome o seu lugar para e ca participar da mesa evang´lica. e Conscientizar o m´dium que neste momento o mundo espiritual se coloca a sua e disposi¸˜o e registra a sua presen¸a no trabalho que hora est´ sendo aberto. Quando ca c a ausente da abertura coletiva, para participar do trabalho em andamento dever´ ter a consciˆncia e que deve se harmonizar, entrar em sintonia com a espiritualidade e os e mentores respons´veis pelo trabalho e s´ assim registrar sua presen¸a com a chave de a o c prepara¸˜o. ca 5.6 O encerramento Pode ser feito de duas maneiras: 1. Individual: Da mesma maneira que faz a prepara¸˜o, mudando somente a chave, ca para encerramento se emite: “Senhor, Senhor, encerro neste instante meu retiro pedindo outra oportunidade de poder estar contigo”. 2. Em conjunto: Ao final dos trabalhos se re´nem todos perto dos trˆs comandantes u e que estar˜o na pira, o primeiro de frente a presen¸a divina, o segundo de frente a c a lua e o terceiro de frente o sol, ent˜o ao toque do primeiro comandante todos a emitem em conjunto o mantra noite de paz, ao t´rmino, o primeiro comandante e d´ inicio as emiss˜es para o encerramento do trabalho, logo que os trˆs emitem a o e encerra-se os trabalhos. Nesse momento o m´dium deve se conscientizar que ´ a hora de receber seus bonus pela e e sua participa¸˜o nos trabalhos e s˜o depositados nas m˜os de seus mentores. ca a a 5.7 Entrega de modelos Entregar as seguinte cartas contendo os modelos de: 1. Chave de prepara¸˜o e (Mantra Mayante); ca 2. Chave de eleva¸˜o; ca 24
  • 26. 3. Chave de encerramento e (Mantra Noite de Paz); 4. Doutrina do sofredor (Modelo). Pedir para que os m´diuns leiam e se poss´ decorem os modelos. e ıvel 5.8 Dica Fechar focalizando a simplicidade e elegˆncia na postura dos m´diuns do amanhecer. a e 5.9 Leitura recomendada - “Nara a suic´ ıda.” 25
  • 27. Cap´ ıtulo 6 Terceira Aula 6.1 Entidades sofredoras Para nossa Doutrina, o sofredor ´ um esp´ e ırito sem luz, desencarnado em tristes condi¸˜es, que n˜o consegue seguir sua jornada e fica pairando em planos perto da co a Terra, por´m sem luz solar, sem sons ou quaisquer outras formas energ´ticas do plano e e f´ ısico, influenciando esp´ ıritos encarnados com suas vibra¸˜es pesadas, especialmente os co m´diuns de incorpora¸˜o, que sentem seus efeitos com sua aproxima¸˜o. Ele se liga ao e ca ca ser humano pelo padr˜o vibrat´rio e s´ tem acesso quando a vibra¸˜o do encarnado a o o ca desce at´ a sua. e Geralmente o esp´ ırito sofredor continua com as impress˜es do mal que o levou ao o desencarne, dores de doen¸as terminais, de desastres e tem grande apego pelas coisas c materiais que lhe pertenceram em vida. Na verdade, ele n˜o tem consciˆncia do desen- a e carne, e sofrem, em sua mente, dores que lhe acometiam o corpo f´ ısico. Devemos ajud´-los, principalmente na Mesa Evang´lica, onde s˜o levados por seus a e a Mentores, para que possam receber a doutrina e o choque magn´tico animal que lhes e proporcionar´ condi¸˜es de serem elevados a outros planos, onde ser˜o recolhidos em al- a co a bergues, hospitais e dependˆncias de Casas Transit´rias, para poderem ser recuperados. e o O sofredor absorve, com nosso trabalho, nossos fluidos mais pesados, permitindo que nosso organismo f´ ısico e nosso psiquismo se equilibrem. Por isso, o m´dium de incorpora¸˜o deve constantemente incorporar sofredores. e ca Como estes tˆm menos t´cnica nas incorpora¸˜es, deve o m´dium ter consciˆncia disso, e e co e e soltando mais ectoplasma e procurando fazer o m´ ınimo de ru´ ıdos e gestos. “N˜o h´ qualquer esp´ a a ırito que passe por nossos trabalhos do qual n˜o se a fa¸a a entrega obrigat´ria! Nosso trabalho ´ exclusivamente de Doutrina! c o e N˜o aceitamos, em hip´tese alguma, palestras, nos Tronos deste Templo a o do Amanhecer, de Doutrinadores com entidades que n˜o sejam os nossos a Mentores, esp´ ıritos doutrin´rios! Mesmo fora do Templo, consta-me que os a Doutrinadores que palestraram com exus, etc., atrasaram suas vidas, pois eles n˜o se afastaram de seus caminhos. A obriga¸˜o do Doutrinador ´ fazer a ca e 26
  • 28. a doutrina, conversando amigavelmente com o esp´ırito, procurando esclarecˆ- e lo, continuar seu amigo, por´m fazer sua entrega obrigatoriamente, com o e que ressalva sua responsabilidade perante os Mentores. Outros Doutrinado- res est˜o com suas vidas atrasadas simplesmente por sua irreverˆncia com os a e Mentores, acendendo para estes duas velas, saindo fora de seu padr˜o dou- a trin´rio. Entre eu e os exus h´ um la¸o de compreens˜o e respeito m´tuo. a a c a u Por´m, um Doutrinador, por n˜o ser clarividente, n˜o est´ em condi¸˜es de e a a a co dialogar com eles, exceto no ˆmbito da Doutrina.” (Tia Neiva, 7.5.74) a 6.2 A puxada, limpeza da aura e eleva¸˜o ca ´ E uma sequˆncia de t´cnicas usadas em conjunto para incorpora¸˜o do m´dium apar´ e e ca e a ou descarga energ´tica no esp´ e ırito sofredor que deve ser feita da seguinte maneira: A puxada - M˜o de for¸a no plexo e m˜o esquerda por cima, eleva-se a m˜o esquerda a c a a na altura da cabe¸a com a nuca do m´dium de incorpora¸˜o, com a palma voltada c e ca para o Apar´, a direita cruza por cima da esquerda, formando uma cruz, (alguns a m´diuns usam estilos como levar a m˜o direita at´ a altura do ouvido e depois e a e descer para formar a cruz). A utiliza¸˜o desses estilos n˜o tˆm problema algum, o ca a e importante ´ a cruz feita pelo cruzamento das duas m˜os do doutrinador, pois nesta e a hora ´ feita uma descarga el´trica no esp´ e e ırito sofredor para que ele possa retornar a ultima forma que esteve quando encarnado. Neste momento diga “Louvado seja nosso Senhor Jesus Cristo”, des¸a as m˜os para a descarga, volta-se as duas m˜os c a a para tr´s das costas ou para o lado afastado, das pernas e descarrega. a Limpeza da aura - Serve para desempregnar, limpar, tirar, quebrar energias ou cor- rentes negativas que est˜o no esp´ a ırito sofredor, que agora est´ incorporado no a apar´. O esp´ a ırito ao incorporar muita das vezes n˜o tem a forma humana, mas a pela gra¸a de Deus atrav´s da puxada e da doutrina feita pelo doutrinador junto c e com a incorpora¸˜o do apar´ o esp´ ca a ırito retorna a forma humana, pois o amor ´ o e b´lsamo para todas as dores de um esp´ a ırito desencarnado. O doutrinador deve como as m˜os abertas e os dedos ligeiramente entreabertos a fazer movimentos que saem da aura do apar´ e v˜o at´ a posi¸˜o de descarga do a a e ca doutrinador, efetuando assim a limpeza, preocupando em n˜o fechar as m˜os em a a cima da cabe¸a do apar´, nem t˜o pouco toc´-lo de forma alguma. Nesse mo- c a a a mento o doutrinador retira do esp´ ırito sofredor uma gosma, lodo ou casca et´rica, e tornando-o mais leve e receptivo as energias a sua volta, inclusive do ectoplasma ou fluido magn´tico animal1 que vai emitindo ` medida que vai sendo doutrinado. e a 1 O ectoplasma ou flu´ magn´tico animal ´ produzido no organismo, sendo vari´vel em teor e ıdo e e a em quantidade conforme as metas c´rmicas ou programas do esp´ a ´ ırito na Terra. E universal, porque todas as pessoas (esp´ ıritos encarnados) o produzem, constituindo-se na base do padr˜o vibrat´rio e da a o manifesta¸ao medi´nica. c˜ u 27
  • 29. Quando equilibrado o Sol Interior, o m´dium tem plena capacidade de emitir seu e ectoplasma portador de v´rias energias ben´ficas, seja um Apar´ ou um Doutri- a e a nador, sentindo-se realizado em sua jornada. Como fator de equil´ ıbrio da energia medi´nica, o ectoplasma precisa ser sempre u renovado. E isso se consegue pela atividade na Lei do Aux´ ılio. Aquele que n˜o a d´ vaz˜o ` carga ectoplasm´tica, tanto pela n˜o integra¸˜o em qualquer linha de a a a a a ca trabalho espiritual, pela n˜o aceita¸˜o de usar sua capacidade medi´nica, como a ca u tamb´m aquele que se afasta do trabalho medi´nico por muito tempo, fica sujeito e u ao ac´mulo desta energia, gerando desequil´ u ıbrios e s´rias insatisfa¸˜es, bem como e co dist´rbios neurol´gicos e doen¸as f´ u o c ısicas graves. Pelo trabalho no sistema cr´ ıstico, o m´dium mant´m o equil´ e e ıbrio de sua concen- tra¸˜o ectoplasm´tica e supera muitos problemas que seu programa c´rmico lhe ca a a reservaria. Doutrina - (Ver pr´ximo cap´ o ıtulo) Eleva¸˜o - Tem como objetivo desintegrar e reintegrar o esp´ ca ırito desse plano para o plano espiritual onde receber´ de acordo com seu merecimento a cura para suas a ´ dores e sofrimento. E aplicada da seguinte maneira: M˜o de for¸a no plexo e a a c esquerda por cima eleva-se `s m˜os juntas at´ ficar na vertical, solta as m˜os e a a e a emite “Oh! Obatal´, Oh! Obatal´, entrego neste instante mais esta ovelha para a a o teu redil.” abaixa-se `s m˜os tomando sua postura normal. Note que durante a a a aplica¸˜o da t´cnica n˜o ´ necess´rio ficar olhando para cima, para os lados ou ca e a e a para baixo, deve-se olhar nas m˜os do apar´ que tenta abri-las libertando-se da a a incorpora¸˜o. ca ´ ˜ ALERTAR AOS MEDIUNS QUE AS CHAVES NAO PODEM SER MUDADAS, ˜ CABAL´ QUE AS PALAVRAS QUE AS FORMAM, SAO ISTICAS E DEVEM SER DITAS NA ´ ´ ˜ INTEGRA. O MEDIUM QUE MUDA UMA CHAVE OU NAO FAZ DE FORMA CORRETA CORRE O RISCO DE NADA REALIZAR. 6.3 Doutrina do esp´ ırito sofredor A primeira t´cnica para a doutrina do esp´ e ırito sofredor ´ ter boa vontade e amor em e seu cora¸˜o. Tente se harmonizar sempre antes de qualquer trabalho e busque estar em ca sintonia com o astral superior principalmente com sua princesa. Nossa doutrina se diferencia das outras pela preocupa¸˜o que temos com os menos ca esclarecidos e oprimidos que sofre na incompreens˜o ou desilus˜o de suas vidas. N´s ja- a a o guares conhecidos por todo este universo viemos em favor desses que n˜o s˜o lembrados. a a Somos magos do evangelho, ou seja, o evangelho vivo de Nosso senhor Jesus Cristo. Uma doutrina deve atingir cinco pontos essenciais que s˜o: a 1. Dar boas vindas ao esp´ ırito sofredor. (Sauda¸˜o) ca 2. Dizer o local onde se encontra. (Local f´ ısico) 28
  • 30. 3. Dizer como ele est´. (sua condi¸˜o, encarnado ou desencarnado?) a ca 4. Dizer o que ele pode fazer para sair dessa situa¸˜o. (atrav´s da humildade, tole- ca e rˆncia e amor). a 5. Dizer para onde ele vai. (Prontos socorros espirituais) Praticando essa t´cnica temos o seguinte exemplo de doutrina. e “Salve Deus, Meu irm˜o, seja bem vindo a este pronto socorro, casa de Pai Seta a Branca, aproveite esta feliz oportunidade para compreender que j´ desencarnastes e que a s´ atrav´s do amor e do perd˜o, encontrar´s o equil´ o e a a ıbrio da tua mente e a harmonia do teu cora¸˜o. Vamos pedir aos seus mentores que te conduza daqui para um pronto ca socorro espiritual para cura do seu esp´ ırito, siga e boa sorte”. N˜o h´ doutrina decorada, pois ningu´m ´ robˆ e n˜o queremos que ningu´m o a a e e o a e seja, queremos que sejam mestres conscientes de sua miss˜o e que consiga formular sua a pr´pria doutrina usando suas pr´prias palavras bastam atingir os cinco pontos por n´s o o o propostos. 6.4 Chave de prepara¸˜o e encerramento ca Explicar na pr´tica. a Convidar para o desenvolvimento avan¸ado as 14 hs. (Pr´tica da teoria ensinada). c a Repetir o passe magn´tico e ioniza¸˜o. e ca 6.5 Dica Fechar focalizando que atrav´s da lei do aux´ que encontramos nossas evolu¸˜es. e ılio co 6.6 Leitura recomendada - “Mensagens de um amigo re- c´m desencarnado.” e 29
  • 31. Cap´ ıtulo 7 Quarta Aula - Aula de Revis˜o a 7.1 O Mantra Mayante Mayante ´ uma Casa Transit´ria, regida por Simiromba, de onde chega toda a for¸a e o c desobsessiva para os trabalhos do Templo. Existiam sobre os panˆs, no Templo, antenas met´licas - que o povo chama “chifri- o a nhos” ou “morceguinhos” - na Parte Evang´lica e na ´rea dos Tronos que captavam a e a energia emitida por Mayante e a espalhavam, como se fossem pulverizadores, fazendo com que ela chegassem at´ aos nossos irm˜os, encarnados e desencarnados, que se en- e a ´ contram no Templo. E uma energia pura e muito clara, luminosa mesmo, que faz com que as trevas sejam rompidas, fazendo com que muitos que est˜o perdidos na escurid˜o a a passem a ver a Luz! c a ´ O deslocamento de for¸as se faz na medida exata, necess´ria aos trabalhos. E proje- tada em cada m´dium nas morsas (cruzes) que trazem em seus bra¸os, de acordo com a e c capacidade de cada um. Mayante n˜o tem liga¸˜o com a Pira. Ao fazer sua prepara¸˜o, a ca ca o m´dium faz sua liga¸˜o com a Corrente Mestra, que vem diretamente de Tapir. A for¸a e ca c de Mayante ´ complementar a essa. Enquanto Tapir ´ a energia geral, que alimenta os e e Sandays, a energia de Mayante se desloca de acordo com a individualidade dos m´diuns, e ajudando-os na realiza¸˜o de cada trabalho. ca Na abertura dos trabalhos, quando se emite o Mantra de Mayante, enquanto a energia da Corrente Mestra flui pela Pira, a energia vinda de Mayante se espalha atrav´s das e antenas met´licas. a “Naquela tarde, mais do que nunca, um misto de sonho e de realidade, uma coisa esquisita, parecia comprimir a minha cabe¸a. Sa´ caminhando, c ı fui at´ o meu trono, no pico da serra. Visitei todos os pequenos grupos. e Comecei a pensar que aquela coisa estranha fosse um aviso, uma mensagem de algu´m do al´m, que estivesse me avisando. Sim, realmente, era uma e e mensagem, mais que uma mensagem! Recebi MAYANTE, o rico MANTRA DE ABERTURA, que tamb´m se afirmou em todo o meu ser, fazendo-me e encontrar comigo mesma, harmonizando o meu Sol Interior. Por´m, n˜oe a ficou somente nesta tarde. Dali parti e fui decidir, com amor, a minha vida, 30
  • 32. no quadro sentimental, emocional. Parti dali. Fui, fisicamente, seguindo o meu destino, e fui decidida na continua¸˜o do meu sacerd´cio, da minha ca o miss˜o!... Era 9 de novembro de 1959. . . ” (Tia Neiva) No dia 9 de novembro a de 1959, recebi o primeiro mantra - Mayante. Minha cabe¸a se encheu de c sons, e apareceu um lindo general, da ´poca da queda da Bastilha, dizendo e chamar-se Claudionor de Plance Ferrate e que, ap´s me contar sua hist´ria, o o ditou a letra da melodia que eu estava ouvindo, a que chamou Mayante, o mantra de abertura dos nossos trabalhos. (Tia Neiva - Anota¸˜es Diversas) co 7.2 A prepara¸˜o e encerramento - (Pr´tica) ca a Dedicar a refor¸ar as t´cnicas da doutrina e conscientizar o m´dium de sua for¸a e c e e c poder que tem em suas m˜os para a lei de aux´ a ılio. 7.3 Chave de eleva¸˜o - (Pr´tica) ca a 7.4 Passe magn´tico e ioniza¸˜o - (Pr´tica) e ca a 7.5 Dica Refor¸ar sobre a elegˆncia e postura nos trabalhos. c a Abrir espa¸o para que os alunos tirem suas d´vidas, incentivando-os a perguntarem. c u Fechar focalizando que a dor do nosso paciente sempre ´ maior que a nossa. e 7.6 Leitura recomendada - “A noivinha desencarnada.” 31
  • 33. Cap´ ıtulo 8 Quinta Aula 8.1 O trabalho de mesa evang´lica e Foi trazida do kardecismo, sendo assim paga-se um pre¸o por us´-la nos trabalhos c a no vale do amanhecer, ela n˜o ´ feita da mesma maneira que ´ feita no kardecismo. A a e e mesa evang´lica ´ formada por: e e 1. Trˆs far´is doutrinadores. (Jaguar Sol) e o 2. No m´ ınimo de sete apar´s. a 3. Podem ser todas ninfas luas. 4. Pode fazer com menos de sete doutrinadores, mas n˜o ´ recomend´vel. (caso de a e a necessidade) 5. Como todos os far´is s˜o doutrinadores devem ficar aos seus lados uma ninfa lua, o a sendo assim a melhor maneira de se formar a mesa evang´lica ´, ao lado de cada e e doutrinador uma ninfa lua e no meio delas um ajan˜. a Os doutrinadores(as) devem ir girando na mesa em sentido hor´rio doutrinando os a apar´s que se encontram descobertos. Se o esp´ a ırito n˜o desincorporar ap´s a eleva¸˜o, a o ca deve seguir para o pr´ximo, se encontrar um j´ incorporado, fa¸a a limpeza da aura e o a c doutrina, logo a entrega ´ obrigat´ria. e o Quando um doutrinador(a) chegar ao final de cada lado da mesa, limpa-se a aura do farol por trˆs vezes emitindo a cada vez “Louvado seja nosso Senhor Jesus Cristo”, quando e estiver um m´dium limpando a aura do farol, n˜o h´ necessidade de ficar esperando para e a a a limpeza. Quando a mesa em funcionamento n˜o h´ a necessidade de fazer reverˆncia a a e no final da mesa, ao cruzar a metade do templo na linha imagin´ria que vai do Pai Seta a Branca a imagem do Jaguar. Durante a execu¸˜o da mesa a energia termina na mesma. ca Se necess´rio for solicite a ajuda dos mestres elevados e centuri˜es para a participar a o da forma¸˜o da mesma. ca Convidar para o desenvolvimento avan¸ado as 14 hs. c 32
  • 34. 8.2 Dica Fechar focalizando a importˆncia do farol na mesa evang´lica. a e 8.3 Leitura recomendada - “O velho coronel.” 33
  • 35. Cap´ ıtulo 9 Sexta Aula 9.1 Trabalho de Tronos Os tronos vermelhos e amarelos como s˜o conhecidos, ´ o primeiro contanto que os a e nossos pacientes tem no templo do vale do amanhecer. Antes os tronos amarelos eram ocupados por pretos velhos que davam mais comunica¸˜o e os vermelhos por pretos ca velhos que trabalham mais com a desobssess˜o, hoje se perdeu essa caracter´ a ıstica gra¸as c ao bom desenvolvimento dos m´diuns e dinamismo de nossa doutrina. e Podemos considerar este um dos trabalhos onde o doutrinador deve ter muita aten- ¸˜o, deve estar ao m´ximo em sintonia com os planos evolu´ ca a ıdos e principalmente com sua princesa. O m´dium que deseja trabalhar nesse setor se dirige ao comandante e pede a per- e miss˜o para trabalhar, em mente o apar´ j´ tem escolhido o seu trono, devem entrar o a a a doutrinador pelo lado direito e apar´ pelo lado esquerdo, logo fazem o cruzamento por a detr´s dos tronos e sentam-se. O doutrinador aguarda o mestre de incorpora¸˜o fazer a a ca sua prece, ao sinal do apar´ o doutrinador faz a ioniza¸˜o e o convite, senta-se e aguarda a ca a entidade limpar a aura do aparelho e identifica a entidade, neste setor n˜o se trabalha a sem identifica¸˜o, em caso de d´vida pe¸a ao preto(a) velho(a) que repita “Louvado ca u c seja nosso Senhor Jesus Cristo” por trˆs vezes, para melhor seguran¸a do trabalho. O e c doutrinador se identifica dizendo seu nome completo e sua idade e pede a permiss˜o do a trabalho. Geralmente h´ algumas incorpora¸˜es de esp´ a co ıritos sofredores antes do atendimento dos pacientes e ´ recomendado para dar ainda mais seguran¸a ao trabalho. e c Quando o paciente chegar aos tronos trate-o com amabilidade dizendo para se sentar e colocar as m˜os espalmadas para cima e dizer seu nome completo e idade, se ele n˜o a a quiser dizer a idade n˜o o aborre¸a insistindo. Logo depois diga a ele qual entidade que a c ir´ atendˆ-lo. a e O doutrinador deve escutar tudo o que a entidade diz, atentar para que n˜o haja a receita de ch´s, interrup¸˜o de tratamento m´dico, receita de rem´dios, dizer a mediu- a ca e e nidade das pessoas ou entrar no livre arb´ ıtrio do paciente, somente ´ permitido que as e entidades receitem ´gua fluidificada ou procure o m´dico do plano f´ a e ısico. Por quest˜es de o 34
  • 36. ´tica devemos nos posicionar afastados e em posi¸˜o de guarda, somente nos inclinar se e ca n˜o estivermos escutando o que a entidade estiver dizendo e lembrar do nosso juramento a de n˜o comentar o que escutarmos no trabalho de tronos. a Quando ocorrer a incorpora¸ao de esp´ c˜ ıritos sofredores pe¸a ao paciente para afastar c suas m˜os e quando a entidade voltar, retornam-se a posi¸˜o inicial. Momento em a ca que o Paciente dever´ conversar com a entidade, ao final do atendimento a entidade a indicar´ os trabalhos que o paciente deve passar. Se estiver com d´vidas n˜o hesite a u a em perguntar novamente quais os trabalhos indicados, aten¸˜o especial com mulheres ca gr´vidas indicadas para a Indu¸˜o. Se a entidade n˜o disser nada e liberar o paciente, a ca a esse passa somente na linha de passe. O doutrinador deve se preocupar somente com o seu trabalho, nada que aconte¸a c na ´rea dos tronos deve tirar sua concentra¸˜o, deixe que o comandante e os recepci- a ca onistas resolvam, cuide apenas do Apar´ que esta incorporado que ´ a sua verdadeira a e responsabilidade. 9.2 O trabalho de cura Como o pr´prio nome j´ diz visa proporcionar a cura do esp´ o a ırito e conseq¨entemente u a do corpo f´ ısico, mais tudo de acordo com o merecimento do paciente e sintonia do mestre atuantes no trabalho. Nossos mentores como foi mencionado n˜o entra no livre arb´ a ıtrio do paciente, por- tando nunca receitar´ chazinhos ou qualquer comunica¸˜o duvidosa, os m´dicos de cura a ca e d˜o pouqu´ a ıssima comunica¸˜o portando n˜o se corre tanto perigo como no trabalho de ca a tronos. O aparelho senta-se em um banco que fica na cabeceira da maca, o doutrinador deve ionizar o aparelho e logo em seguinte fazer o convite a entidade, identificar o mentor e identificar-se, depois de uma breve manipula¸˜o o doutrinador desdobra o ca len¸ol segurando em cada m˜o uma das extremidades do len¸ol coloca-se de p´ em c a c e posi¸˜o de receber o paciente e d´ um sinal ao comandante. Lembre-se evite o m´ximo ca a a de barulho poss´ ıvel. O paciente deita-se na maca, com ou sem a ajuda do doutrinador que logo em seguida cobre dos p´s at´ a altura dos ombros e pede que o paciente coloque as m˜os paralelas e e a ao corpo com as palmas voltadas para cima, ao cobrir o paciente o doutrinador deve ter muito cuidado como mulheres de saia, joga-se o len¸ol sobre seu colo e deixe-a deitar c normalmente. O doutrinador coloca a m˜o direita ` aproximadamente 15 cm do plexo a a do paciente e a esquerda voltada para cima como uma antena. Quando o m´dico de e cura der o sinal, liberasse o paciente. Acabando-se os pacientes agradece a entidade e aplica-se o passe magn´tico e o trabalho esta encerrado. e 9.3 A linha de passe Como j´ sabemos ´ onde incorporam os conhecidos esp´ a e ıritos de lei que efetuam a ´ limpeza e ajuste espiritual para o paciente. E onde Pai Seta Branca d´ ao paciente o a 35
  • 37. presente por ter trazido energias para os m´dium e esp´ e ıritos evolu´ ıdos manipularem. Ali se incorporam esp´ ıritos de lei que d˜o pouca comunica¸˜o n˜o h´ a necessidade de a ca a a identifica¸˜o e incorporam sentados. O paciente passa em 3 entidades e ´ liberado dos ca e trabalhos sendo assim a linha de passe ´ o ultimo trabalho do templo para os pacientes. e ´ Solicitar se necess´rio for a ajuda de mestres elevados e centuri˜es para os exemplos. a o 9.4 Dica Fechar com a importˆncia que cada um tem dentro da doutrina e que n´s precisamos a o muito mais da doutrina que a doutrina de n´s. o 9.5 Leitura recomendada - “O pequeno pag´.” e 36
  • 38. Cap´ ıtulo 10 S´tima Aula e 10.1 Revis˜o das t´cnicas doutrin´rias a e a 10.2 Refor¸ar sobre a conduta doutrin´ria c a 10.3 Libera¸˜o para o emplacamento ca Dever´ ser uma revis˜o completa das aulas efetivadas e t˜o logo que poss´ libere a a a ıvel o m´dium para emplacamento, se ainda n˜o o fez. e a Convidar para a ultima aula de desenvolvimento avan¸ado as 14 hs. c 10.4 Dica Fechar falando da importˆncia de n˜o aceitarmos nenhum tipo de pagamento pela a a nossa condi¸˜o espiritual, n˜o h´ dinheiro na terra que pague por isso. ca a a 10.5 Leitura recomendada - “Um homem de dois mundos.” 37
  • 39. Mestre: Jo˜o Augusto [ Adj. Juramo ] a Mestre: Marcello Henrique [ Adj. Doano ] Mestre: Luciano Vieira [ Adj. Veluro ] 38

×