Apresentação SICom 2009 - PUCRS

463 views
430 views

Published on

Apresentação do trabalho inscrito no X Seminário Internacional da Comunicação da PUCRS

Published in: News & Politics, Business
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
463
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
5
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Apresentação SICom 2009 - PUCRS

  1. 1. Apropriação e imaginário na cultura dos fãs em tempos de convergência <ul><li>Stefanie C. da Silveira </li></ul><ul><li>PPGCOM - UFRGS </li></ul>
  2. 2. Apropriação <ul><li>A cibercultura é a configuração da cultura produzida pela conexão entre a socialidade e as tecnologias digitais. Esta tecnologia possui um potencial agregador que facilita sua apropriação pelos sujeitos a partir de demandas próprias de cada grupo, o que manifesta um espírito desviante (LEMOS, 2004). </li></ul>
  3. 3. <ul><li>De Certeau: os usos como operadores de apropriação; o cotidiano como lugar de apropriação, reapropriação, reconhecimento, usos, muitas vezes desviantes, e consumo dos produtos culturais. </li></ul><ul><li>A apropriação tem sempre duas dimensões: uma técnica (utilização) e outra simbólica (imaginário, desvio) . </li></ul>
  4. 4. Imaginário <ul><li>O imaginário atua como articulador na construção da realidade. </li></ul><ul><li>“ O concreto é empurrado, impulsionado e catalisado por forças imaginais” (SILVA) </li></ul><ul><li>A imaginação é parte do processo de experiência, construção e significação do cotidiano. </li></ul><ul><li>O imaginário está presente na apropriação, na reconfiguração e na união dos sujeitos. O imaginário leva-os a se reunirem pela identificação e atração estética (MAFFESOLI, 1998). </li></ul>
  5. 5. Convergência <ul><li>O caráter de desvio gera novas finalidades para os objetos midiáticos. Dá-se um emprego não programado da apropriação na Internet, pois a cultura da convergência reconfigura as práticas de consumo cultural. </li></ul>
  6. 6. <ul><li>Convergência: fluxo de conteúdos através de múltiplos suportes midiáticos, cooperação entre múltiplos mercados midiáticos e comportamento migratório dos públicos dos meios de comunicação, que vão a quase qualquer parte em busca de experiências de entretenimento que desejam (Jenkins, 2006). </li></ul><ul><li>A convergência implica transformações nos protocolos de produção e de consumo midiático. Ela altera a relação entre tecnologias existentes, indústrias, mercados, gêneros e públicos. Altera também as lógicas de operação da indústria midiática e dos consumidores. </li></ul>
  7. 7. <ul><li>“ A convergência dos meios de comunicação impacta o modo como consumimos esses meios. [...] Fãs de um popular seriado de televisão podem capturar amostras de diálogos no vídeo, resumir episódios, discutir sobre roteiros, criar fan fiction , gravar suas próprias trilhas sonoras, fazer seus próprios filmes – e distribuir tudo isso ao mundo inteiro pela internet.” </li></ul>
  8. 8. Fãs <ul><li>Estas características da apropriação podem ser vistas na cultura dos fãs, pois eles compõem um grupo que questiona a experiência tradicional dos produtos culturais e rejeita a distância estética, tentando complementar os conteúdos midiáticos com suas próprias produções disseminadas mais facilmente pela Internet (JENKINS, 2006). </li></ul>
  9. 9. <ul><li>O imaginário da cibercultura manifesta um espírito transgressor, desviante e apropriador (Lemos, 2004). </li></ul><ul><li>Os fãs compõem uma categoria que questiona a forma tradicional de experiência estética midiática. </li></ul><ul><li>Eles operam a partir de uma posição de cultura marginal na sociedade e resistência popular, com autonomia sobre a apropriação e a interpretação simbólica. </li></ul><ul><li>São os primeiros a se adaptar às novas tecnologias de mídia e às mudanças nos processos de produção e consumo, estimulados pelos universos ficcionais e pela ampliação de ferramentas de participação que abrem espaço para maior visibilidade da cultura dos fãs. </li></ul>
  10. 10. <ul><li>Jenkins (1992) propõe uma concepção de fandom que engloba cinco níveis de participação: </li></ul><ul><ul><li>Modo de recepção especial </li></ul></ul><ul><ul><li>Práticas interpretativas e críticas diferenciadas </li></ul></ul><ul><ul><li>Base para o consumo participativo </li></ul></ul><ul><ul><li>Formas particulares de produção cultural, práticas e tradições estéticas </li></ul></ul><ul><ul><li>Comunidade alternativa </li></ul></ul>
  11. 11. Considerações <ul><li>A cultura da convergência altera os processos de apropriação e consumo dos sujeitos com relação aos produtos da mídia de massa. </li></ul><ul><li>A apropriação e a reconfiguração destes produtos inicia no âmbito de um imaginário desviante e resistente. </li></ul><ul><li>Os fãs são exemplo destas considerações e têm seus processos afetados pela tecnologia e pela convergência. </li></ul>
  12. 12. Obrigada! @ssilveira [email_address]

×