• Save

Loading…

Flash Player 9 (or above) is needed to view presentations.
We have detected that you do not have it on your computer. To install it, go here.

Like this document? Why not share!

Proposta ciencias 2007 cprp

on

  • 3,796 views

 

Statistics

Views

Total Views
3,796
Views on SlideShare
3,796
Embed Views
0

Actions

Likes
2
Downloads
0
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Proposta ciencias 2007 cprp Proposta ciencias 2007 cprp Document Transcript

  • Governo do Estado da Bahia - Secretaria de Educação Colégio Estadual Pedro Ribeiro Pessoa – Ano Letivo 2006 Área de Conhecimento: Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias. Componente Curricular – Ciências Naturais Professores: Cláudia Souza, Marise Xisto, Geraldo Sá Barreto e Vânia Nogueira. Curso: Básico Segmento: Ensino Fundamental II – Nº. de aulas semanais: 03 Proposta Curricular de Ciências Naturais 2007 I Justificativa O Componente Curricular Ciências Naturais visa fortalecer a prática educativa do professor de Ciências sob a luz dos aspectos metodológicos e teóricos abordados e a vontade de aprender dos alunos. Foram selecionados conteúdos de relevância significativa e estes estão sendo trabalhados de forma lúdica e/ ou convencional de maneira que aguce o interesse dos alunos .Segundo os PCNs... “a área de Ciências Naturais pode contribuir para a percepção da integridade pessoal e para a formação da auto-estima, da postura de respeito ao próprio corpo e ao dos outros, para o entendimento da saúde como um valor pessoal e social... Mostrar a ciência como elaboração humana apara a compreensão do mundo é de suma importância e com isso não se pode pensar o ensino de Ciências Naturais como propedêutico... deve-se conhecer ciência para ampliar sua possibilidade presente de participação social e desenvolvimento mental, para assim viabilizar a capacidade do cidadão exercer plenamente sua cidadania.” Segundo BIZZO (2001) “Não se mais admite que o ensino de ciências deva limitar-se a transmitir aos alunos notícias sobre os produtos da ciência. A ciência é muito mais que uma postura, uma forma de planejar e coordenar pó pensamento e a ação diante do desconhecido. O Ensino de Ciências deve proporcionar a todos os estudantes a oportunidade de desenvolver “capacidades” que neles despertam a inquietação, buscando explicações lógicas e razoáveis amparados em elementos tangíveis, assim, os estudantes poderão desenvolver posturas críticas, realizar julgamentos, tomar decisões fundadas em critérios tanto quanto possíveis objetivos, defensáveis, baseados em conhecimentos compartilhados por uma comunidade escolarizada definida de forma ampla.” O PCN de Ciências Naturais enfoca quatro eixos temáticos: Terra e Universo, Vida e Ambiente, Ser humano e Saúde e Tecnologia e Sociedade. Estes devem ser trabalhados diluídos no processo ensino/ aprendizagem possibilitando o diálogo entre professor/ aluno e o conhecimento. Deve-se trazer a realidade do aluno para sala de aula e a partir do conhecimento prévio do aluno; o professor de ciências permitirá através da problematização, que se construa o conhecimento de forma prazerosa e consistente. Mas o ensino de ciências ao longo da história passou (e ainda passa) por ajustes. Convém ressaltar que o professor de ciências deve criar problemas (verdadeiros), aguçando assim a curiosidade dos alunos.
  • Ao fazer referência sobre situação-problema, Philippe Perrenoud, diz que: “Uma situação-problema não é uma situação didática qualquer, pois deve colocar o aprendiz diante de uma série de decisões a serem tomadas para alcançar um objetivo que ele mesmo escolheu ou que lhe foi proposto e até traçado. Pragmático não quer dizer utilitarista: pode-se traçar como projeto entender a origem da vida tanto quanto lançar um foguete, inventar um roteiro ou uma máquina de costura. Entre as dez características de uma situação-problema.” Ainda cita que Astolfi (1993) traz duas características de uma situação-problema (dentre as dez que ele descreve):  “Ela está organizada em torno da superação de um obstáculo pela classe, obstáculo este previamente identificado”;  “Deve oferecer uma resistência suficiente, que leve o aluno a investir seus conhecimentos anteriores disponíveis, bem como suas representações, de maneira que leve ao seu questionamento e à elaboração de novas idéias”. O planejamento de ciências deve contemplar todos os tipos de conteúdos (conceituais, factuais, procedimentais e atitudinais) para que os alunos possam expressar sua potencialidades e não ficar na repetição somente dos conceitos. Não existe receita para se ensinar ciências mas segundo CAMPOS (1999) o professor de ciências deve: 1. Conhecer a matéria que se vai ensinar. 2. Conhecer e questionar o pensamento docente espontâneo. 3. Adquirir conhecimentos teóricos sobre a aprendizagem, de modo geral, e o aprendizado de ciências, especificamente. 4. Criticar, com fundamentos, o ensino habitual. 5. Preparar atividades. 6. Dirigir a atividade dos alunos. 7. Avaliar. 8. Utilizar a investigação e a inovação. Com isso pretende-se: “... propiciar aos alunos o desenvolvimento de uma compreensão de mundo que lhes dê condições de continuamente colher e processar informações, desenvolver sua comunicação, avaliar situações, tomar decisões, ter atuação positiva e crítica em seu meio social”. (PCN. Introdução 1998 p. 62). Cada vez mais devemos nos convencer que o ofício do professor não é ensinar e sim fazer aprender; enquanto do aluno é de negociar sua aprendizagem, isto é, alunos e professores devem ser parceiros neste processo. Desenvolver competências então não é contentar-se de ter seguido um programa e sim, não parar com sua construção e testagem; e como diz Perrenoud requer “paciência” e “longo tempo”. Abaixo,segue o quadro de conteúdos progamáticos: OBS; AS COMPETÊNCIAS ESTÃO DESCRITAS NOS PLANOS DE UNIDADES. Unidade/ I unidade II unidade III unidade IV unidade Série
  • 5ª Série Ecologia O planeta Terra A água O ar e o Solo 6ª Série ●Características e ●Vírus; ●Reino Plantae Reino Animal: classificação dos ●Reinos: ●Reino Animal: Invertebrados II seres vivos Monera, Protista ●Invertebrados I e Cordados ●Evolução e Fungi 7ª Série ●Célula ●Respiração e ●Excreção e Coordenação: ●Tecidos Sistema sistema urinário - Sistema ●Nutrição e respiratório ●Reprodução Nervoso Alimentos ●Circulação e ●Sistema - Sistema ●Sistema sistema locomotor Hormonal Digestório cardiovascular - Primeiros Socorros e Drogas 8ª Série ●A importância Conceitos de ●Classificação ●Mecânica da química e da química e física dos elementos ●Cinemática física químicos ●Avanços ●Substâncias tecnológicos II. OBJETIVOS Instigar no aluno o pensamento crítico e lógico e incitar resolução dos problemas propostos, fazendo-os adquirir habilidades como: fazer consultas em livro, entender o que lê, tomar notas, fazer sínteses, redigir conclusões, realizar experiências e discutir os resultados obtidos e com isso valorizar a aplicação do vocabulário científico; percebendo a profunda interdependência entre os seres vivos e o meio ambiente; Desenvolver posturas para a aprendizagem: curiosidade, interesse, mobilização para a busca e organização de informações com autonomia e responsabilidade. Identificar relações entre conhecimento científico, produção de tecnologia e condição de vida, no mundo de hoje e em sua evolução histórica, e compreender a tecnologia como meio para suprir necessidade humanas, sabendo elaborar juízo sobre os riscos e benefícios das práticas científicos-tecnológicas. III. PROGRAMA DE DISCIPLINA 5ª Série Ementa
  • Analisa os fatores bióticos e abióticos dos ecossistemas e sua(s) relação de interdependência no processo da vida e suas características, utilidades, importância etc; Analisa ainda os fatores responsáveis pelo desequilíbrio ecológico na busca de alternativas para a melhoria e qualidade de vida no planeta; Discute os principais tipos de zoonoses, protozooses, bacterioses e viroses transmitidos pela contaminação dos fatores abióticos e sua(s) propagação(ões) aos fatores bióticos (especificamente o homem) e o modo de prevenção. Objetivos Específicos Verificar que todos os seres vivos dependem do meio em que vivem, sofrendo influências dos fatores ambientais. Adquirir uma visão ecológica do meio em que ele vive. Reconhecer os fatores necessários para a formação de um ecossistema, conceituando-os e valorizando a importância da inter-relação dos fatores bióticos e abióticos. Distinguir o papel de cada ser numa cadeia alimentar, vendo-a como fonte de transferência de energia e matéria em um ecossistema. Saber que os seres vivos não podem viver isolados e que seu relacionamento com os outros gera vantagens e desvantagens a depender do tipo de associação. Verificar que a natureza vive em perfeito equilíbrio e que o desequilíbrio ecológico pode ser natural ou provocado pelo homem. Identificar os fatores responsáveis pelo desequilíbrio ecológico, buscando alternativas para a melhoria de qualidade de vida com a preservação dos recursos naturais; listar a importância do saneamento básico. Conceituar e classificar os recursos naturais, observando sua importância para os seres vivos. Criar noções de responsabilidade e planejamento ao explorara os recursos naturais Conscientizar a todos que nós somos a natureza e por isso devemos preservá-la. Entender que acabar com a natureza é acabar com a vida. Distinguir que no início a Terra era formada por materiais quentes e pastosos e que o resfriamento desses materiais originaram as rochas: magmáticas, sedimentares e metamórficas. Descrever cada tipo de rocha de acordo com suas características de origem e materiais constituintes, visando sua importância para a natureza. Descrever utilidades dessas rochas. Conhecer as teorias de formação do nosso planeta, descrevendo suas camadas. Relacionar as manifestações geológicas atuais à estrutura da Terra. Identificar os movimentos tectônicos e suas conseqüências. Identificar e classificar os diferentes tipos de solo de acordo com os materiais inorgânicos e seres vivos que o compõem. Citar a importância do solo na agricultura e a circulação da água no mesmo. Observar que após sucessivas plantações, o solo fica esgotado e com isso tem que se aplicar os métodos de recuperação do mesmo. Descrever cada método de preparo do solo relacionando as suas utilidades. Identificar erosão como desgaste sofrido pelos solos causado pela ação das águas, vento, temperatura, etc.
  • Classificar os tipos de erosão de acordo com os agentes causadores. Descrever técnicas de controle à erosão. Identificar o homem como agente causador da erosão. Descrever a importância da água para os seres vivos. Observar que na natureza a água pode ser encontrada em três estados físicos. Identificar onde a água está presente na Terra. Descrever as substâncias formadoras da água, compreendendo como as moléculas se organizam nos três estados físicos. Classificar as mudanças sofridas pela água por causa da temperatura e da pressão. Definir a fórmula da água compreendendo-a. Observar que a água pode ter vários materiais dissolvidos nela e com isso ela recebe classificações específicas. Reconhecer que as águas minerais são importantes, pois, auxiliam no tratamento de doenças. Observar que existem microorganismos que poluem a água. Identificar a água potável. Reconhecer e descrever através de exemplos práticos cada propriedade da água. Reconhecer a importância da água como solvente, definindo conceito de mistura, soluto, solvente, solução e suspensão. Observar que água permite a sobrevivência dos seres vivos, listando suas utilidades. Identificar as chuvas torrenciais como causa da morte e destruição. Descrever o processo de obtenção de energia elétrica a partir da força da água. Entender, descrever e esquematizar o ciclo da água na natureza. Explicar os processos de purificação da água na natureza. Associar como a água se relaciona com o clima. Reconhecer a contaminação do solo como fator do agravo à saúde. Valorizar a educação ambiental Conhecer as principais doenças causadas por agentes que contaminam o solo e seus sintomas e como prevenir Provar a existência do ar observando seus efeitos, listando os gases que o compõem com suas respectivas quantidades. Descrever as utilidades do ar; notificar que a atmosfera é dividida em camadas. Identificar as camadas da atmosfera de acordo com as características apresentadas. Definir as propriedades do ar e saber prová-las. Classificar os tipos de ventos de acordo com a velocidade que o mesmo pode atingir. Classificar os instrumentos usados para estudar o vento. Citar benefícios e prejuízos causados pelo vento. Provar que o ar tem peso. Observar através de experiências a capacidade do ar se comprimir ou se expandir. Observar que o ar exerce pressão sobre a superfície da Terra e que essa pressão pode ser medida. Identificar os gases que compõem o ar descrevendo a utilidade de cada um. Observar que existem outras substâncias que entram na composição do ar.
  • Descrever os fatores que auxiliam na previsão do tempo. Identificar os instrumentos, aparelhos e símbolos meteorológicos. Descrever o processo de formação de nuvens, frentes e massas de ar. Definir meteorologia. Conteúdo Programático por Unidade Unidade I 1. Ecologia O ambiente dos seres vivos Ecossistema Biosfera Fatores que interferem nos seres vivos Pirâmide ecológica de energia Relações ecológicas Alterações do ambiente Recursos Naturais: Renováveis e não-renováveis Unidade II 1. A Terra 1.1.Estrutura 1.2.O solo Formação/Componentes/Tipos 1.3.O solo e saúde Doenças Unidade III 1. A água 1.1.Existência e composição da água 1.2.Fases da água e suas mudanças 1.3.Ciclo da água 1.4.Importância da água Água como solvente Água potável (tipos de água) Saneamento básico Purificação da água 2. Água e a Saúde Doenças Poluição da água Unidade IV 1. O ar 1.1.Existência do ar (Propriedades) 1.2. Camadas atmosféricas 1.3.Componentes do ar Oxigênio
  • Nitrogênio Gás Carbônico 1.4.O ar e a saúde Poluição do ar Doenças Ventos Previsão do tempo 6ª Série Ementa Estuda os seres vivos, suas características, classificação e utilidade, relacionando-os com o meio em que vivem dentro do processo evolutivo; Analisa a biosfera, os níveis de organização dos seres e suas inter-relações. Objetivos Específicos Identificar a origem dos primeiros seres vivos enumerando as transformações ocorridas no planeta. Identificar processos de mudanças a que os seres vivos estão sujeitos, reconhecendo as variações do ambiente como fatores do processo evolutivo. Enunciar as teorias de Lamarck e Darwin. Apontar o grande erro de Lamarck, justificando com experiências. Observar que os seres vivos sofrem processos contínuos de mutação e que a seleção natural contribui para a sobrevivência de seres mais aptos. Observar através de estudos sobre fósseis que havia diferenças entre os animais de hoje e do passado. Reconhecer que os seres vivos apresentam características próprias e específicas. Verificar que a célula é o elemento fundamental de todos os seres vivos, diferenciando as espécies animal e vegetal, diferenciando-as. Estabelecer critérios para a classificação dos seres vivos do reino “animal”. Conhecer: reinos, filos, classes, ordens, famílias, gêneros, e espécies dentro da classificação. Identificar as características gerais dos vírus, reconhecendo-os como seres que não se encaixam em nenhum reino dos seres vivos por serem acelulares. Reconhecer as doenças por eles causadas. Identificar os seres pertencentes aos Reinos: Monera, Protista, Fungi, bem como suas relações com o homem. Caracterizar o reino vegetal diferenciando seus grupos. Compreender o processo da fotossíntese. Identificar e caracterizar os órgãos vegetativos e reprodutivos vegetais segundo sua anatomia e fisiologia. Conteúdo Programático por Unidade Unidade I 1. Característica dos seres vivos 1.1. Células (tipos/estrutura/características) 1.2. Evolução: Teoria de Lamarck e Darwin
  • 2. Classificação dos seres vivos 2.1. Os cinco reinos da natureza (Monera, Protista, Fungi, Vegetais e Animais) Características; Exemplos. Unidade II 1. Vírus 1.1. Características e viroses 2. Moneras 3. Protistas 4. Fungi Unidade III 5. Plantas 5.1. Classificação 5.2. Órgãos vegetativos* Raiz; Caule; Folha. 5.3. Órgãos de reprodução* Flor; Fruto; Sementes. * Características, tipos, funções e utilidades. 6. Animais invertebrados I Poríferos; Celenterados; Unidade IV 1. Animais invertebrados II Equinodermos; Platelmintos; Nematelmintos; Moluscos (exemplos, utilidades); Anelídeos (exemplos e utilidades); Artrópodes (diferenças). 2. Animais vertebrados – os Cordados: Peixes; Anfíbios; Répteis; Aves; Mamíferos. Características; Utilidades; Importância; Reprodução.
  • 7ª Série Ementa Analisa os aspectos, composição e estruturas do corpo humano, partindo da sua menor parte – célula- até a unidade maior – o corpo; Enfoca as relações corpo x meio ambiente e suas implicações no funcionamento do organismo como um todo; Estuda a anatomia e a fisiologia dos sistemas formadores do corpo humano e suas inter-relações, funções e características; Discute aspectos ligados à reprodução e evolução do homem, abordando para isto temas ligados à genética; Discute as doenças que afetam o corpo humano, suas prevenções e/ou tratamento. Objetivos Específicos Reconhecer o corpo humano como um conjunto de sistemas que funcionam integrados, dependendo das reações químicas que ali se processam. Reconhecer a célula como menor parte do organismo vivo, descrever seu histórico, tipos e características de suas organelas. Identificar os diferentes tipos de tecidos de acordo com as características apresentadas, assim como os órgãos; diferenciar aparelhos de sistemas e descrever as funções do organismo de acordo com as características. Classificar os alimentos de acordo com as características próprias, descrever a função de cada nutriente no organismo, reconhecendo-os. reconhecer os meios de conservação dos alimentos. Relacionar doenças causadas por alimentos contaminados ao seu agente contaminador. Descrever o processo digestivo, relacionando as funções fisiológicas e anatômicas de cada órgão. Descrever cada etapa da digestão com suas características. Localizar órgãos, reconhecer enzimas e esfincteres. Descrever o que acontece com os alimentos ingeridos até a formação das fezes. Descrever o processo respiratório, a mecânica respiratória, bem como a fisiologia dos órgãos relacionados com o processos . Especificar os controles respiratórios e as substâncias / órgãos envolvidos (as). Descrever o processo de hematose (O2 e CO2). Identificar as doenças do aparelho respiratório. Identificar os componentes do sangue, as doenças a que o sangue está sujeito. Classificar os tipos de sangue, determinar o fator Rh e descrever meios de imunização do organismo. Conhecer as defesas que existem em nosso organismo. Descrever o sistema circulatório, e fisiologia e anatomia de seus vasos condutores e coração, especificando a grande e pequena circulação bem como a trajetória das mesmas. Listar funções do sistema circulatório e suas propriedades. Diferenciar veias de artérias e identificar as principais de nosso corpo.
  • Identificar no coração a sua estrutura interna, externa e seus movimentos (sístole e diástole) Identificar doenças que afetam o coração. Determinar órgãos que atuam na excreção de substâncias que não são mais aproveitáveis pelo sangue. Tipos de excretas e órgão-local de eliminação. Descrever os órgãos de sentido, identificar seus órgãos, funções e doenças que cada um pode apresentar. Identificar órgão da fonação, bem como a fisiologia que ocorre para a formação da voz. Descrever os ossos que formam o esqueleto, determinar suas funções, estrutura (substâncias formadoras). Conceituar articulações notificando suas funções. Destacar doenças que o esqueleto ósseo pode apresentar. Descrever os tipos de músculos de nosso corpo e as funções que eles realizam. Determinar órgãos que atuam na excreção de substâncias que não são mais aproveitáveis pelo sangue. Tipos de excretas e órgão-local de eliminação. Identificar e descrever a estrutura dos órgãos reprodutores masculinos e femininos na espécie humana, citando suas funções. Reconhecer a importância dos hormônios para o mecanismo reprodutivo. Identificar os hormônios sexuais com os respectivos locais de produção. Conhecer os comportamentos adotados pelos adolescentes ao se depararem com novas situações de maturação sexual. Conhecer a forma de contágio, os tabus e mito em relação a orientação sexual e verificar cuidados com o corpo para evitar as DSTs. Conhecer os mecanismos fisiológicos dos processos mencionados. Identificar o sistema endócrino como um sistema que trabalha em conjunto com o nervoso. (É sistema de manutenção das funções). Classificar as glândulas e hormônios por elas produzidas determinando a função de cada um. Identificar cada tipo de acidente relacionado com o socorro imediato a ser aplicado. Diferenciar medidas preventivas das curativas, dando preferência à prevenção de doenças. Perceber que o sistema nervoso é quem comanda o funcionamento de todos os outros órgãos. Diferenciar SNC do SNA S e P de acordo com os nervos que os formam, funções que exercem e tipos de sinapses apresentadas. Identificar os neurotransmissores presentes nas sinapses. Destacar as propriedades das propagações dos impulsos nervosos. Identificar as meninges. Descrever as doenças do sistema nervoso. Refletir sobre a ação do homem na natureza e os efeitos da degradação ambiental para a saúde. Valorizar a vida evitando o uso de drogas lícitas e ilícitas. Conhecer as principais técnicas de primeiro socorros.
  • Conteúdo Programático por Unidade Unidade I 1. Identidade dos seres vivos – a célula (microscópio) 1.1. Estruturas; Organelas; Funções 2. Níveis de organização no corpo humano 2.1.Tecidos, órgãos e sistemas 2.2.Os tecidos no corpo humano. 3. Funções de nutrição I 2.2. Alimento e nutriente Nutrientes quanto à composição química; Nutrientes quanto à função; Obtenção de energia dos nutrientes 2.3. Digestão e sistema digestivo Órgãos do sistema digestivo; Permanência do alimento no tubo digestivo Ações químicas da digestão; Digestão e o estado dos dentes; Digestão e saúde. Unidade II 1. Funções da nutrição II 1.1. Respiração e sistema respiratório Órgãos; Fisiologia respiratória; Respiração e saúde. 2. Circulação e sistema cardiovascular Coração; Vasos sangüíneos e linfáticos; Sangue e linfa; Fisiologia da circulação; Circulação e saúde.. 3. Os sentidos: Visão, audição, tato, olfato e paladar. Função; Fisiologia. Unidade III 1. Excreção e sistema urinário. Excreção;
  • Sistema urinário; A urina; Excreção e saúde. 2. Reprodução 2.1. Sistema reprodutor masculino e feminino 2.2.Educação sexual e saúde. 3. Sistema locomotor Ossos e músculos Unidade IV 1. Funções da coordenação 1.1. Sistema nervoso Sistema Nervoso Central; Sistema Nervoso Periférico; Sistema Nervoso e Saúde: Drogas 2. Sistema Hormonal 2.1. Glândulas: endócrinas, exócrinas e mistas; 2.2. Sistema Hormonal e Saúde. 3. Primeiros Socorros 4. Meio Ambiente afeta o organismo. 8ª Série Ementa Analisa as diferentes tecnologias que permitem a transformação de materiais e de energia necessárias a atividades humanas essências hoje e no passado, Discutir os riscos e benefícios das práticas científico-tecnológicos, Estuda a matéria em relação a sua composição, em relação à leis que regem o seu comportamento e da energia no espaço e no tempo, bem como os fenômenos que ocorrem dentro da matéria. Objetivos Específicos Perceber que muitos dos conflitos da vida moderna se deve à utilização de progressos da química e da física. Conhecer informações úteis para a vida em relação a muitos materiais que mo cercam e a contribuição da química e da física na utilização de recursos naturais no sistema produtivo. Ponderar que os avanços tecnológicos são, quase sempre, conseqüência da utilização de princípios científicos desenvolvidos pela química e pela física. Reconhecer a importância do estudo das ondas no desenvolvimento de tecnologias modernas. Conceituar matéria, corpo e substâncias.
  • Reconhecer e distinguir moléculas e átomos que compõem uma determinada substâncias Distinguir os diversos tipos de misturas, Interessar-se pelas idéias científicas e pelas ciências como maneira de compreender melhor o mundo que no cerca. Identificar as propriedade da matéria e sua aplicações práticas, Observar os rótulos de água mineral e de outros produtos afim de verificar os componentes da solução e suas respectivas concentrações para que possam compreender a importância do estudo das substâncias no nosso cotidiano. Descrever a estrutura atômica da matéria. Reproduzir o modelo de átomo Demonstrar , na prática a aplicação das regras que determinam a distribuição dos elétrons nas camadas eletrônicas. Identificar e representar um átomo Identificar e escrever corretamente os símbolos dos elementos Solucionar problemas que envolvam cálculos de número atômico, número de massa. Número de prótons, elétrons e nêutrons Consultar corretamente a tabela periódica Identificar todos os dados fornecidos por cada quadrado da tabela periódica. Definir movimento e repouso. Resolver problemas que envolvam a compreensão dos conceitos: posição, espaço percorrido, intervalo de tempo e velocidade média. Identificar os tipos de movimentos Conteúdo Programático por Unidade Unidade I 1. Importância da química e da física. 2. Avanços tecnológicos: - Indústria química e sociedade - Ondas e tecnologias Unidade II 1. Conceitos básicos da química e da física: matéria, corpo, objeto, substância, molécula e átomo. 2. O átomo - Estrutura atômica - Cargas elétricas - Distribuição eletrônica - Identificação do átomo - Símbolos dos elementos químicos. Unidade III
  • 1. Classificação dos elementos químicos 2. Substâncias químicas - Substâncias puras e misturas - Propriedades da matéria - Estados físicos da matéria - As soluções e o cotidiano Unidade IV 1. Mecânica – cinemática - Conceitos básicos: movimento, repouso, referencial, trajetória e móvel. - Unidades de medidas: Comprimento ( distância ) e tempo. - Linguagem matemática: posição, deslocamento, intervalo de tempo e velocidade média. IV- Procedimentos Metodológicos Visando a aprendizagem do aluno e contando com maior apreensão dos conteúdos a serem discutidos, de forma que eles venham a construir e reconstruir noções dos mesmos poderão ser inseridos como procedimentos metodológicos as técnicas descritas abaixo,de acordo com a necessidade das turmas trabalhadas. Painel integrado: Equipes irão trabalhar assuntos diversificados e em uma segunda fase vão montar novas equipes com um componente de cada equipe anterior; tem como objetivo discutir em grupo vários temas sob o ponto de vista dos alunos. É encerrado com discussão em grupo e pequena dramatização ou apresentação dos temas. Aulas expositivas e participativas, demonstrações didáticas e aulas práticas: Apesar de parecer tradicional, podem ser usado sob outra ótica, pois os métodos têm pontos positivos pois traz a discussão, levantamento de hipóteses e a participação interativa / participativa do aluno. Leva em conta a experiência do aluno. Seminários:Pode ser adaptada á realidade dos nossos alunos, criando oportunidade para que os alunos desenvolvam a investigação, a crítica e a independência intelectual. Este método estimula a produção de conhecimento e a interação professor / aluno. Pesquisa: É de vital importância, pois aciona várias fontes de consulta permitindo uma análise crítica sobre as mesmas. É importante valorizar consultas a fontes originais. Esta seleção de informações deve desencadear no aluno o pensamento reflexivo para que ampliem e transformem a informação recebida. Experiências: Devem ser práticas e levantar problemas, relacionando-os a uma situação real, aplicando princípios teóricos para sua resolução; concilia teoria / prática (Demonstração didática e/ou aulas práticas). Mesa redonda: Promove a discussão e busca no diálogo a solução dos problemas levantados. Desencadeia nas várias áreas de ensino a interdisciplinaridade, nos vários níveis de educação, criando oportunidade dos alunos analisarem problemas reais. Aulas práticas: Abre novas perspectivas para que o aluno possa expor verdadeiras questões, permitindo-lhe progredir. Excursões/ Estudo do meio: Incentiva a participação ativa do aluno visto que lhe abre novos horizontes. Textos informativos: Cria oportunidade de interdisciplinaridade, visto que envolve compreensão, comentários e interpretação das informações recebidas.
  • Estudo dirigido: estimula o educando a seguir orientações didáticas, permitindo que o mesmo seja mais independente. Exercícios em grupo: Integra o indivíduo fazendo-o discutir dando-lhe condições de autonomia individual e no grupo, após a socialização do que foi pesquisado. Resumo / esquemas: Cria o hábito de estudar fazendo anotações que poderão ser utilizadas para tirar dúvidas posteriores. Visita a laboratórios: estimula a capacidade de assimilação, a curiosidade científica, etc. Elaboração de um dicionário científico: Leva o aluno a investigar o desconhecido fazendo-o melhor entender os termos que serão usados corriqueiramente durante seu processo ensino-aprendizagem. Elaboração de álbum seriado: Faz o aluno aprender com prazer, construir através da pesquisa de imagens e textos, material didático para estudos posteriores. Debates: Levam o aluno a expor seu ponto de vista sobre determinado assunto. Dramatizações: Trazem o lúdico para sala de aula estimulando o conhecimento. Redações: Estimulam o hábito de escrever, além de desenvolver o raciocínio. Desenhos: É de grande valia, pois desenvolve a coordenação, o gosto pela arte, além de aprender com prazer. Leituras diversas: Estimula o raciocínio e amplia o vocabulário. V. Avaliações Tendo em vista que avaliação é um processo contínuo que consiste em observar, perceber o aluno, o caminho que ele percorre, a avaliação usada será mediadora, que tem como pressuposto qualidade total e desenvolvimento do aluno com objetivos claros e sem limites pré-estabelecidos. Visa conhecer melhor o aluno desafiando-o e se fica na autonomia, consciência crítica e competência do mesmo (qualidade). Com isso tem-se que verificar os conhecimentos dos alunos com vários instrumentos: mini-testes, trabalhos de pesquisa, experiências, debates, painéis integrados, testes e provas ,etc. Daí se retoma, de onde o objetivo não foi atingido fazendo com que o aluno obtenha acesso ao saber, superando o estágio do senso comum (desorganização e o conteúdo) para consciência crítica (sistematização dos conteúdos) e utilização dos mesmos para resolver problemas do cotidiano. Quantitativamente as competências analisadas terão que perfazer um escore de 50% para aprovação em unidade e 50% em recuperação paralela (reorientação) e recuperação final. VI. Recursos Data-show, telão, sala ambiente, caixa amplificada. Aparelho de DVD; Vídeo; Televisão; Fitas de vídeo, Mídias de DVDs; Quadro branco; Pilot, apagador; Livro texto do aluno e outros; Módulos, textos. Informes de revistas; Retroprojetor; Transparências; Material de laboratório e outros;
  • Atlas (fotos); Lápis de cor; lápis cera, hidrocor. Terrário; Aquário; Espaço da sala de aula, Sala de ciências. Maquetes diversas; Computador; Multifuncional; Máquina de xérox; Material de papelaria. VII. Referências Bibliográficas CANTO, Eduardo Leite, Fernando. Ciências Naturais: aprendendo com o cotidiano.8ªsérie , Ed. Moderna – São Paulo. 1999. CRUZ, Daniel. Ciências e Educação Ambiental, Química e Física. 8ª série. Ed. Ática. São Paulo, 2001. SALÈM, S; CISCATO, C.A.M & LUZ, M. Vivendo Ciências: 8ª série, São Paulo, FTD, 1999. REVISTA SUPERINTERESANTE. Editora Abril – Assinatura, 1997. Parâmetros Curriculares Nacionais. Ciências. Versão preliminar. Secretaria de ensino fundamental – MEC, 1995. BIZZO, Nélio. Ciências: fácil ou difícil?. Palavra do professor. São Paulo: Ática, 1998. CAMPOS, Maria Cristina da Cunha e NIGRO, Rogério Gonçalves. Didática de Ciências. O ensino-aprendizagem como investigação. Sã Paulo – FTD, 1999. VEIGA, Ilma Passos Alencastro (Org) Técnicas de Ensino. Por que não? Campinas – São Paulo: Papírus, 1992. MENEGOLLA, M. Por que planejar? Como Planejar? Petrópolis. Rio de Janeiro: Vozes, 1996. NERICI, G. Imideo. Metodologia do ensino: uma introdução – São Paulo: Atlas, 1981. SANTANA. I. M. Por que avaliar? Como avaliar? Critérios e instrumentos. Petrópolis – Rio de Janeiro, Vozes, 1995. DEMÉTRIO DELIZOICO V. José André Angiotti. Metodologia do ensino de Ciências. São Paulo: Cortez, 1990. CHASSOT, Attico. A ciência através dos tempos. Coleção Polêmica. Editora Moderna – São Paulo, 1997. OLIVEIRA, Daisy Lara. Ciências na sala de aula: caderno 2. 2ª ed. Editora Mediação. Porto Alegre, 1998.